Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Cactos e Suculentas’

Pachyphytum oviferum

As folhas carnudas da Pachyphytum oviferum, que pertencem à família botânica Crassulaceae ,são tão marcantes que lhe renderam o nome popular de pedra-de-lua, que além do formato ovoide, muito semelhante ao das pedras, ainda exibem coloração levemente prateada, resultado da mistura do verde-escuro das folhas com a fina camada esbranquiçada que as encobre, ideal para ser cultivada em jardins de estilo desértico ou rochoso.

Originária do México, a bela espécie entre o inverno e primavera, desponta uma inflorescência pendente, composta por até 15 flores vermelhas e em forma de sino, de até 1 cm de diâmetro, contrastando com as belas folhas prateadas.

A bela espécie mede 5 cm de comprimento e 3 cm de largura, agrupando-se em rosetas, dispostas ao longo dos caules de até 20 cm, possui crescimento lento.

pedradalua

Pode ser cultivada desde vasos e floreiras até canteiros, oferecendo um belo efeito visual ao jardim, principalmente quando associada a outras espécies de suculentas ou cactos.

É uma planta de fácil cultivo, gosta luz abundante, ainda que sem sol direto.

A pachyphytum prefere temperaturas moderadas, apesar de suportar
temperaturas elevadas se protegida do sol de verão e do frio do inverno por curtos períodos de tempo até -7ºC.

Pachyphytum oviferum

Pachyphytum oviferum

As regas devem ser controladas para evitar o apodrecimento da planta. Uma vez por semana no verão e primavera e uma vez por mês no outono e inverno. O solo ideal é o fértil e rico em matéria orgânica e cultivada sempre sob sol pleno.

A transplante de vaso deve ser feito a cada 2 anos, na primavera. Sua multiplicação é feita por sementes, na primavera e divisão do caule em princípios do verão.

pingosnas folhas

catos-e-suculentas

Todo cacto é uma suculenta, mas nem toda suculenta é um cacto. Os cactos e suculentas podem se dividir em plantas de deserto que gostam de sol e plantas de floresta que preferem sombra e umidade.

São mais de 20 mil espécies de suculentas e quase 2 mil espécies de cactos espalhados pelo mundo. No Brasil temos registro de mais de 100 variedades de suculentas de diversas cores e formatos.

Nesse post você vai aprender a montar um vaso corretamente, escolher o melhor ambiente, regar sem erro, fazer a manutenção do vaso, identificar pragas e fazer suas primeiras mudas.

Montagem dos vaso
Primeiro passo – A escolha do vaso
Vasos de barro
São ótimos e as suculentas adoram, mas em climas mais secos as regas devem acontecer com mais frequência porque esse material é muito permeável e absorve muito mais água. Com o tempo eles ficam meio feinhos do lado de fora, mas se você não se importar com sua aparência rústica, acredito ser uma excelente escolha.

Vasos de fibra de coco: É um produto 100% natural e biodegradável, tem estrutura porosa que permite a passagem de ar até o substrato beneficiando as raízes. Atua como regulador térmico, ótimo para plantas que ficam expostas ao sol. É leve e tem alta durabilidade. Já ouvi dizer que as plantas ficam mais bonitas e tem um maior crescimento nesse tipo de vaso.

Vasos de vidro: Ficam lindos para montar um arranjo e enfeitar a casa, mas a longo prazo as suculentas acabam morrendo. Apesar de serem bonitos presentes eu não recomendo vasos de vidro nem mistura de espécies, cada planta tem uma necessidade diferente de rega, sol e crescimento, se você quer ter plantas saudáveis e felizes escolha outro material.

Vasos de plástico: Todas as mudas vêm em vasos de plástico e devem ser replantadas num vaso maior o quanto antes. Vasos de plástico não são ruins, eles são relativamente baratos, ótimos para quem tem muitas plantas, devem ter furos para o escoamento da água e serem escuros para proteger as raízes da claridade, quebram com o tempo, principalmente quando expostos ao sol direto e devem ser reciclados sempre.

dedinho-de-moca

Segundo passo – O substrato
Existem várias receitas de substrato. Essa é uma delas:
* 2 partes de terra rica em matéria orgânica
* 1 parte de areia de construção
* 1 parte de húmus de minhoca

Misture tudo e use nos vasos de suculentas. Se sua região for mais chuvosa e fria, use um pouco mais de areia para que seu vaso tenha uma melhor drenagem. É necessário que a terra seja leve e quando apertada com as mãos não forme torrões. Esse substrato deve ser trocado anualmente.

Terceiro passo – A drenagem
Após ter escolhido o vaso e preparado o substrato, chegou a hora de montar a camada de drenagem. Para um vaso menor use pedriscos no fundo, para um vaso maior use argila expandida, não demais, apenas uma camada.

Por cima coloque um pedaço de manta de bidim ou um tecido de algodão branco que seja permeável, ele vai evitar que a terra vá embora toda vez que você regar sua suculenta, esse tecido pode ser substituído por uma camadinha de areia de construção, nunca use a de praia, ela possui sal e matará suas plantas.

Coloque terra até a metade do vaso, tire a muda do vasinho com cuidado, apertando as laterais e preservando o torrão. Centralize e preencha de terra o vaso. Não coloque terra demais, deixe um espaço de um a dois dedos da borda (dependendo do tamanho do vaso) para que a água não escorra por cima durante a rega.

fenestraria aurantiaca

Quarto passo – A cobertura
É importante cobrir a terra com uma cobertura natural como a casca de pinus e a palha de arroz. É muito comum vermos pedrinhas brancas por cima da terra das suculentas, elas são realmente muito bonitas, mas não fazem bem às plantas. Prefira pedras de rio, são melhores.

Benefícios de uma boa cobertura natural

* Ajuda a conservar a umidade da terra, evitando que a superfície da terra seque;
* Elimina o crescimento de ervas daninhas e musgo;
* Reduz a erosão do solo;
* Evita que respingue água nas plantas durante a rega.

Sol e iluminação
A maioria das suculentas precisa de sol pleno para seu bom desenvolvimento, pelo menos 3 horas de sol direto, enquanto outras espécies se desenvolvem melhor em ambientes bem iluminados, mas sem exposição direta ao sol.

Um ambiente bem ventilado também é essencial para a boa saúde das plantas, janelas, varandas e sacadas são os melhores locais para se manter cactos e suculentas que gostam de sol. Evite deixá-las em banheiros ou estantes longe da claridade por muito tempo. Suculentas que se tornam compridas e com folhas bem separadas sofrem com falta de luz solar.

A planta saudável é bem compacta. Se a sua tiver essa aparência, leve-a para um outro ambiente com bastante sol para que ela não perca seu formato natural. Plantas que recebem mais sol do que precisam, podem sofrer mudança na coloração das folhas, deformação e até morrer, fique atento.

Albuca spiralis

Regas
Suculentas são plantas capazes de armazenar umidade no tecido carnudo de seus caules, folhas e raízes. Elas desenvolveram sistemas de redução de perda de água. Em condições adversas, interrompem seu crescimento e ficam inativas. É mais fácil matá-las pelo excesso de água do que pela falta.

A periodicidade das regas vai depender do clima da região, da estação do ano, da umidade do ar, do tipo de vaso em que estão plantadas, do solo, entre outros fatores. Por isso é tão difícil especificar uma frequência, a dica de ouro das regas é, coloque o dedo na terra, se estiver seca e solta, está na hora de regar.

Para vasos pequenos ou de difícil acesso, use uma seringa. Para vasos maiores use um regador com bico fino, facilmente encontrado em mercados e lojas do ramo.

No deserto, chove muito em poucos dias, depois passa-se muito tempo sem chuva, use esse raciocínio nas regas, molhe bem a terra e só volte a regar quando a terra estiver bem seca, não use pratinhos, a água precisa molhar a terra e ir embora, mas sem empossar.

Muito cuidado para não molhar as folhas, a água entre as folhas pode fazer com que elas apodreçam. Prefira regar pela manhã, nunca quando o sol estiver forte ou a noite. É preferível não regar do que regar nesses períodos.

planta suculenta

Mas existe um segredinho básico para acertar nas regas
Antes de regar, verifique sempre se a terra está completamente seca. Pode colocar o dedinho para sentir de perto ou até enfiar um palito. Se o solo estiver seco, com a terra leve e solta, a água é bem-vinda. Se ainda houver umidade, espere um pouco mais para regar novamente. É simples assim.

Um lembrete
Na rega de cactos evite que a água caia sobre as folhinhas, pois elas podem apodrecer. Só o substrato precisa de água. Fora isso, a rega deve ser feita normalmente: regue bem e deixe a água escorrer.

Sobre cachepots
Anote essa dica muito importante: se a suculenta estiver num cachepot, ela deve ser regada sem ele. Só coloque-a de volta ao se certificar que a água já escorreu completamente do vaso. Assim você evita que as raízes fiquem em contato com a água.

Rega em xícaras, terrários, etc
Todas as dicas e orientações sobre rega são voltadas para o cultivo de cactos e suculentas em vasos com furo de drenagem. Xícaras, terrários, latas e outros tipos de recipiente (sem furo no fundo) exigem diferentes cuidados na hora da rega.

suculenta

Manutenção
Para ter suculentas saudáveis você precisa observá-las com frequência, não leva muito tempo, mas faz uma diferença enorme. A planta mostra o que precisa e você só saberá interpretar os sinais se conhecê-la bem. Se as folhas estiverem enrugadas e murchas, provavelmente precisam de mais água, se estiverem moles e amareladas, pode ser excesso de água.

As folhas e ramos secos ou danificados são uma porta de entrada para doenças e infecções. Remova essas partes com uma pinça longa. Caso um ramo quebre, passe um pouco de canela em pó para que cicatrize melhor. O substrato deve ser trocado anualmente e de preferência, replante-a num vaso maior.

Fique atento a presença de bichinhos, manchas nas folhas, escurecimentos do caule, entre outras anormalidades pois, são sinais de que a planta está com problemas.

Ao lidar com cactos, tome muito cuidado com os espinhos e não deixe ao alcance de crianças. Para retirar espinhos pequenos das mãos, use fita adesiva. Se for replantar um cacto, use uma luva própria ou uma tira de jornal dobrado para segurá-lo.

Pragas
Plantas cultivadas em condições deficientes podem ser atacados por pragas. Falta de luz, excesso de água, má ventilação e solo desequilibrado são alguns dos fatores que contribuem para que as suculentas sejam atacadas por fungos, pulgões e cochonilhas. Essas pragas sempre estão acompanhadas de formigas, então fique atento.

Pulgões atacam novos brotos, arranque-os e limpe o local com um cotonete úmido, passe canela na parte ferida. Cochonilhas tem diferentes aparências, a mais comum é parecida com pequenas bolinhas de algodão, retire tudo o que conseguir com a ajuda de um cotonete úmido, verifique se não tem nenhuma no vaso, passe um pano embebido em vinagre branco na parte de fora do vaso.

É muito importante que as plantas sejam separadas das demais enquanto estiverem em tratamento. Use óleo de neem para combater pulgões e cochonilhas. Siga as orientações de uso do fabricante e nunca use sob sol forte. Lembre-se que uma infestação é muito mais fácil de controlar quando se está no começo.

suculentas

Fungos deixam as folhas moles e escurecidas, se isso acontecer, corte a área saudável e replante num outro vaso, a mantenha isolada por algum tempo até que você tenha certeza de que está tudo bem, descarte o antigo substrato e áreas afetadas da planta.

Quando fizer uma poda, use canela em pó para ajudar na cicatrização, basta jogar um pouco na parte cortada, sempre use uma tesoura limpa e afiada para o procedimento. Existe também o sulfato de cobre para combater os fungos, deve ser aplicado diluído conforme as especificações do fabricante e sempre no final do dia.

Tome cuidado com as regas e mantenha a sua planta em local bem iluminado, ventilado e com pelo menos 3 horas de sol por dia.

suculentas_1

Mudas
Colete folhas de suculentas e coloque-as sob uma mistura de terra e areia em partes iguais. Não é preciso enterrar as folhas, apenas as mantenha sob a terra. Coloque-as em local bem iluminado e arejado, protegidos do sol e da chuva.

Não regue na primeira semana. Nas semanas seguintes, use um conta-gotas para realizar as regas 2 vezes por semana, somente na parte enraizada da folha. Quando a planta filha surgir e estiver forte e cheia de raízes, replante-a num vaso maior.

Se sua suculenta der mudas, corte-as com uma tesoura limpa e jogue um pouco de pó de canela sob os cortes, o caule deve ter aproximadamente 3 dedos de comprimento. Deixe-as secar a sombra por 2 dias e só depois coloque-as na terra.

Regue somente na semana seguinte, usando uma seringa, cuidado para não colocar muita água. Quando as mudas estiverem bem enraizadas (após 2 meses mais ou menos), passe-as para um vaso maior.

Adubação
A adubação orgânica é muito bem-vinda: utilize húmus de minhoca ou um bom composto orgânico. Se preferir, também existem adubos e fertilizantes específicos para cactos e suculentas. Procure nos quiosques de plantas, supermercados e lojas de jardinagem. É só seguir corretamente as instruções da embalagem.

luar

cactus2

Como é bem sabido, os cactos são umas plantas bastante resistentes e que requerem poucos cuidados durante todo o ano. Ainda assim, é necessário protegê-los das pragas e insetos que podem invadir estas plantas e acabar com elas.

A prevenção será a melhor medida que podemos aplicar para evitar que qualquer animal estrague os nossos cactos e mantenham assim um aspecto saudável e bonito. Neste artigo, uma explicação com mais detalhe, quais são as pragas de cactos mais comuns.

As minhocas de terra são uma das pragas mais comuns que afetam os cactos, especialmente aqueles que estão diretamente plantados sobre o solo do jardim e não num vaso.

Estes atacam diretamente as raízes dos cactos, que vão enfraquecendo lentamente sem razão aparente até morrer. Para eliminá-los, será necessário um inseticida de solo que os ataques diretamente.

Por outro lado, os ácaros também podem atacar os cactos e danificá-los, uma das possíveis evidências que denotam a presença desta praga são áreas avermelhadas na superfície dos nossos cactos. No caso de detectá-las, deverá iniciar um tratamento anti ácaros nas plantas afetadas.

Por vezes, também podemos ver uma espécie de algodão sobre os nossos cactos e isso trata-se da secreção de cochonilhas felpudas, uma praga bastante frequente nestas plantas. Além disso, estas também podem afetar a raiz e não ser tão evidente. Para as prevenir, será necessário um tratamento específico na primavera e outro no outono.

Como medidas preventivas, recomenda-se inspecionar os seus cactos com regularidade durante todo o ano para se certificar que não estão sofrendo de um ataque de nenhuma praga.

pragas

Como prevenir que essas pragas apareçam?!
100% de proteção não existe, mas para evitar que aconteça, você deve saber qual o ambiente ideal para cada planta, cacto, suculenta, ou qualquer outra. Conhecer o ambiente ajuda muito.

Se gosta de sol, se aceita chuva, ou gosta de água. Outra coisa importante é a umidade excessiva. As únicas plantas que gostam de vaso cheio de água são as de locais alagados ou aquáticas, portanto, o substrato não pode ficar com água acumulada. Use um que tenha boa drenagem.

Para as cochonilhas
Existem produtos vendidos em casas de jardinagem e produtos a base de óleo, como exemplo o óleo Neem. Antes de aplicar o produto, retire do vaso, inclusive a terra; e limpe a planta com água e um pouco de detergente neutro por inteiro.

Literalmente lave, mas cuidado para não machucar. Depois aplique sobre a planta e mantenha a sombra até que o produto esteja bem seco. Faça no final da tarde ou em dias nublados, pois o sol pode literalmente queimar e cozinhar os cactos e suculentas. Finalmente replante em um vaso limpo com um novo substrato.
Importante! Não use o mesmo substrato.

As cochonilhas adoram a falta de circulação de ar e a falta de água… um banho de água (no caso preventivo, não precisa desmontar o vaso) mensal no período quente ajuda a manter longe esta praga.

Outra dica é ficar de olho se nenhuma formiga esteja presente. Elas adoram trazer as cochonilhas e também outra praga: os pulgões (mais comum em suculentas do que cactos).

cochonilha

Para pulgões
Os pulgões são pequenos insetos gordinhos. Tem muitas variedades: amarelos, pretos, verdes. Inseticidas são bem eficientes neste caso.

Tanto as cochonilhas quanto os pulgões abrem feridas e por elas entram os fungos e bactérias. O que acaba acontecendo quando os fungos entram é o apodrecimento da planta.

Para fungos, ácaros e bactérias
Podemos usar uma solução de 1 para 10 litros de água com água sanitária. Borrife a solução sobre a planta atingida, não se esquecendo de fazer longe do sol. Podemos usar também solução de fumo, ou ainda solução com alho e sabão.

Concluindo e resumindo
Mantenha suas plantas bem nutridas, em um ambiente o mais parecido possível do lugar origem, e com uma boa higiene. Qualquer machucado na planta é entrada para problemas maiores, fungos e bactérias que causa a podridão (derretimento, ou amolecimento dos cactos e suculentas)

praga

Preparo da solução de fumo
Pode ser fumo de corda ou o comprado em lojas de jardinagem (este é o mais fácil de usar q vem com a dosagem pronta). Coloque em 2 litros de água 100 gramas de fumo por 24 horas.

Para melhorar o efeito pode acrescentar 100 gramas de sabão neutro (não pode ser detergente, ou sabão em pó). Peneire a solução e dilua na proporção 1 litro de água para 5 colheres de sopa da solução e borrife a cada 15 dias.

Preparo da solução de alho
200 gramas de alho, mais 20 gramas de sabão neutro, e 1 litro de água. Bata no liquidificador depois peneire. A solução concentrada deve ser aplicada na proporção de 1 para 20 litros de água. Borrife na sombra a cada 15 dias. As soluções devem ser usadas em no máximo 24 horas após o preparo.

Não é tão eficiente quanto os defensivos agrícolas mas pelo menos não é tão tóxico e não necessita de documentos para a compra dos materiais.

Dicas: para que o efeito se mantenha, faça o processo de limpeza regularmente, e mantenha as plantas infestadas separado das saudáveis. Uma boa nutrição para as plantas ajuda também.

arvore outono1

Aloé-vera_1

A aloé-vera, também conhecida como babosa, é uma planta suculenta que se adapta incrivelmente bem ao clima tropical característico da maior parte do Brasil.

Ela não requer muitos cuidados, pois é nativa de ambientes hostis, com solo pobre e seco. Esse vegetal gosta de calor e muito sol e, apesar de sua polpa aquosa, não precisa de água.

Cresce selvagem em climas tropicais ao redor do mundo é cultivado para usos agrícolas e medicinais. Pertence à família Xanthorrhoeaceae.

É uma planta que não deveria faltar em nenhum lar, pois esta possui várias propriedades benéficas tanto para a saúde quanto para a beleza.

A polpa aquosa da babosa é usada pela indústria cosmética e farmacêutica. Tem capacidades calmantes e cicatrizantes, tanto que pode ser usada pura sobre alguns tipos de queimaduras.

flores da aloé-vera

Ela também é usada como hidratante da pele e dos cabelos, além de ter propriedades antibacterianas poderosas. O uso deve ser apenas externo, ou seja, você não deve ingerir a polpa.

Existem mais de 200 espécies conhecidas de babosa, e apenas quatro são recomendadas para uso humano. Dentre elas, as mais amplamente utilizadas são a Aloe arborensis e a Aloe barbadensis (Miller).

Com mais de 150 princípios ativos, 12 vitaminas e 18 aminoácidos, os benefícios da aloe vera para a saúde ainda estão sendo estudados por pesquisadores do mundo inteiro e, com certeza, ainda ouviremos falar muito dessa planta incrível, usada como remédio desde a Antiguidade.

As flores amarelas que nascem de um pedúnculo também são decorativas, e vão deixar sua casa mais bonita, com um toque exótico e tropical.

O aloé-vera, ou babosa, é conhecida como “a planta milagrosa”, já que tem múltiplos usos, por isso é recomendável ter pelo menos uma delas no jardim ou no interior do seu lar. A grande vantagem da planta de aloé-vera é que não precisa de muita atenção, pois não precisa de cuidados demais para se manter perfeita.

aloé

Condições ideais de plantio
A aloé-vera é natural da África, por isso, se adapta melhor em climas quentes e secos, com muito sol. Mas com os cuidados adequados, pode ser facilmente cultivada dentro de casa.

A babosa pode ser plantada em um vaso simples, de barro ou plástico, dos que encontramos em supermercados. O único cuidado é protegê-la do frio intenso, ao qual não é acostumada.

Outra grande vantagem dessa planta é que ela pode ser colhida o ano inteiro, pois suas folhas (até 30 por planta) permanecem praticamente imutáveis durante as quatro estações.

Vamos aos passos para cultivá-las em casa
Use um vaso largo e raso para esta planta, esqueça os vasos muito pequenos e é melhor que não seja pesado demais, assim você pode deslocá-la facilmente para o interior ou o exterior.

Misture um pouco de terra com areia ou perlita, já que as aloés precisam de um solo poroso e nutritivo. Este tipo de planta não gosta que suas raízes estejam na água, por isso precisam de um terreno de fácil e rápida drenagem.

Ao chegar a primavera, adube o solo com húmus de minhoca, você também o pode o fazer durante os transplantes.

aloé-vera

Se tiver a planta de aloe vera dentro de casa, coloque em um lugar onde receba a maior quantidade de luz natural possível. Caso você a coloque no exterior, procure um lugar à luz do sol, mas tenha em conta que quando chover ou tiver risco de geadas você deve cobri-la para protegê-la.

Esqueça a idéia de andar com o regador todos os dias, Regue uma vez por mês ou duas, se morar em um clima seco demais.

A babosa quase não precisa de água, por isso, tenha cuidado para não encharcar a terra. Sempre regue suas plantas no início da manhã (até às 10h) ou no final da tarde (depois das 16h), quando o sol não estiver tão forte.

roda-dágua