Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Cactos e Suculentas’

portulaca grandiflora 9
Trata-se de uma planta suculenta de vida anual originária da Argentina, Brasil, Uruguai.

Suas flores podem ser simples ou dobradas, em variadas cores e tons entre o branco, rosa, amarelo, vermelho, laranja, púrpura, etc.

São plantas totalmente adaptadas a climas: equatorial, tropical, subtropical e, deverá ser cultivada em pleno sol.

Sua floração ocorre nos meses mais quentes do ano.

As flores só se abrem quando o calor do sol começar a ficar mais forte, por volta das 11:00 horas, e permanecem abertas enquanto houver sol forte. À tarde, quando a luz do sol perder a sua intensidade, elas se fecharão novamente. É por esse motivo, deu a origem do seu nome popular.

A planta é de fácil cultivo, propaga-se por sementes e por estaquia de ramos.

Propagação por sementes
A melhor época para plantar as sementes é o início da estação chuvosa, (primavera). As sementes deverão ser semeadas em seus locais definitivos, (vasos, jardim, etc.).

O solo deverá ser afofado, e as sementes lançadas aleatoriamente, porém, bem distribuídas. Cobrir as sementes com uma fina camada de solo peneirado.

Regar sem provocar encharcamento, e manter o solo levemente umedecido. Em poucos dias as sementes germinarão.

portulaca-grandiflora1
Propagação por estaquia de ramos
Cortar ramos com mais ou menos 10,0 cm de comprimento, e enterrar até a metade no solo, diretamente em seu local definitivo. Num período de mais ou menos 15 dias, a estaca já estará enraizada emitindo brotos

Solo
Trata-se de uma planta rústica, tolerante a pequenas estiagens e a baixa fertilidade do solo. Mas para demonstrar toda sua beleza e exuberância floral, deverá ser cultivada em solo fértil, rico em matéria orgânica, e totalmente drenável.

Regas
O solo deve ser mantido ligeiramente umedecido com regas periódicas, sem provocar exageros.

A planta poderá ser cultivada em vasos, jardineiras, jardins, etc. Por tratar-se de uma planta suculenta, não suportará pisoteio.

flores321

Flor-de-maio
Assim como a Flor de Maio, a Flor de Outubro também é da família das cactáceas. Uma das diferenças, como o nome já diz, é a data em que costumam ocorrer as flores. Além disso, a forma das flores e folhas também é um pouco diferente.

São plantas muito resistentes, que gostam de luz, porém não gostam de pegar sol direto por mais que 4 horas por dia.
Se você gosta de cores fortes, um vaso com Flor de Outubro vai deixar a sua casa muito mais alegre!

Como fazer mudas de Flor de Outubro ou Flor de Maio
1 – Arranque uma folha destacando-a da folha debaixo.
Não corte a parte debaixo da folha. Segure-a e mexa de um lado para o outro para que ela se solte exatamente no ponto que se encaixa com a outra folha.

2 – Enterre a parte de baixo na terra e posicione-a de maneira que ela fique em pé.

3 – Regue pouco, sem encharcar o solo.
Se o local onde você mora for muito seco, observe as folhas. Se estiverem ficando enrrugadas, é sinal de desidratação, então aumente a frequência da rega.

Coloque uma leve camada de musgo seco sobre a terra para manter a terra protegida. Assim quando for regar, a força da água não faz buracos e a folha continua firme no mesmo local que foi plantada.

4-Regue uma vez por semana e tenha perseverança para cuidar da folha até nascer outra folhinha como na foto acima.

flor-de-outubro
Como cuidar da Flor-de-outubro ou da Flor-de-maio para que elas deem flores
1 – Mantenha-as em local arejado e bem iluminado. A falta de luz enfraquece muito estas plantas e se não receberem luz suficiente podem morrer. Porém não deixe-as pegar sol direto por mais que 4 horas, pois o sol direto pode queimar as folhas.

2 – Regue quando a terra estiver seca. Geralmente uma vez por semana, mas a frequência pode variar, dependendo da região que você mora. Em lugares com clima mais seco, aumente a frequência da rega.

3 – Mantenha a terra nutritiva, ou seja, adube a cada 2 meses. Pode adubar com esterco, com farinha de osso ou com adubos vendidos em casas de jardinagem, como o Green-Fix, por exemplo.

Seja sempre cauteloso com as adubações, pois adubo demais também mata qualquer planta. Então quando comprar adubo, leia as instruções e siga a quantidade descrita no rótulo. Se tiver dúvida, é melhor usar menos adubo do que usar em excesso.

Se for usar esterco, certifique-se que ele está bem curtido, ou seja, bem seco e antigo. Esterco fresco fermenta e pode matar a planta.

4 – Quando perceber que têm botões de flores, não deixe-as pegar sol direto, pois o sol desbota as flores.

janel15

cereus-jamacaru

O mandacaru é uma fruta de espinheiro que podemos comer. Seu nome vem do tupi e também pode ser chamada por outros nomes, que são: Jamacaru, Cacto-candelabro e Pytaia-arbórea.

O fruto da árvore chamada mandacaru é bem doce, ele faz parte da mesma família da pitaya, mas não é se trata de uma fruta plantada para fins comerciais no Brasil, o que acontece em Israel, por exemplo.

O mandacaru é nativo de várias tipologias de formações vegetais e normalmente, mas que o solo seja arenoso ou ainda, prefere locais com clima semiárido. Por isso, é muito fácil encontrá-lo nas seguintes regiões do Brasil: Centro Oeste, estados do Norte, Sul do Brasil e Sudeste.

Quando essa árvore se encontra em meio de uma mata fechada a sua altura pode chegar a 16 m. Do seu caule saem hastes ramificadas e ascendentes, que vão crescendo verticalmente, elas ficam umas paralelas às outras, além de vários cladódios, a medida, normalmente é de 40 cm, no mínimo, e pode chegar a 4 m de comprimento, enquanto o diâmetro fica entre 10 a 26 cm.

Quando jovens, os brotos são na cor verde azulada e possuem um tipo de lã cinzenta e possui ainda espinhos na cor marrom com a medida de 1 a 6,5 cm arredondados e ficam escondidos nessa espécie de lã.

A planta é coberta por um tipo de cera e se percebe o quanto cresceu observando as constrições, que se observa graças a juntas e os artículos. Em cada uma das hastes saem de 4 a 6 vértebras ou também chamadas de costelas, que podem ter altura entre 4 a 8 cm e a espessura entre 2 a 3,5  cm.

Nos troncos também é possível observar aréolas que chegam a medir 2,5 cm de diâmetro cada uma delas com espinhos com coloração marrom enegrecido.

As flores do mandacaru possuem forma de funil e aparecem na lateral da árvore e possuem o diâmetro que varia entre 10 a 20 cm.

Dicas de cultivo
O mandacaru exige pouco quando o assunto é clima para o seu cultivo, aliás, por esse motivo é considerado uma planta rústica. Um exemplo disso é que um mandacaru pode resistir a temperatura de 45ºC durante o verão do Nordeste, porém, suportaria 7ºC negativos em locais do Sul.

Outra característica que demonstra o quanto essa planta é forte é quando falamos de chuva, ela aceita índices baixo de 511 mm. Porém, na hora do cultivo é melhor evitar plantá-la em solos argilosos e também na beira de rios.

Falando das mudas do mandacaru ela pode ser cultivada através de pedaços de hastes. Para que isso seja possível é necessário cortá-las nas articulações. Depois, elas devem ser colocadas em um lugar arejado, na vertical, de modo que a base fique encostada na terra e sob semi-sombreado. Sendo assim, normalmente, as raízes começarão a aparecer 2 meses depois de feito o cultivo e é o momento de transplantá-la.

Quando recolhidas as sementes elas devem ser colocadas imediatamente em um substrato feito de metade de folhas secas moídas e a outra de areia. Conte que a germinação pode acontecer entre 25 a 45 dias. E quando germinadas as mudas podem chegar entre 8 a 10 meses a altura de 30 cm.

Plantando um Mandacaru
* Pode ser plantado em dois momentos: sob meia-sombra em reflorestamentos ou em pleno sol;

* Pode ser usado na decoração, neste caso, poderá ser plantado em fileiras pela beira da estrada (verificar o espaço entre cada uma das árvores de 3 x 3 m) ou em renques;

* Se for o caso de plantá-la em um pomar doméstico, verificar o espaço necessário de 4×4 m em cada uma das plantas;

* O mandacaru exige que as covas tenham uma preparação especial que se inicia 3 meses antes de plantá-lo. Ver tamanho: 40 cm de altura, profundidade e de largura, de terra são 20 cm para cobrir e a colocação de 5 quilos de composto orgânico, de preferência bem curtido e mais 100 gramas de fosfato de roxa, 500 gramas de calcário e 500 gramas de cinza;

* Depois do cultivo somente quando se formar copas é que deverá ser feita a poda. Nela, todos os ramos que nascem dentro da copa ou na base do caule deverão ser retirados;

* Sobre o adubo, faça uma coroa de 30 cm do caule e coloque dentro 30 gramas de nitrogênio ou ureia e 5 quilos de matéria orgânica;

* As frutas do mandacaru aparecem entre janeiro e março. Elas possuem uma casca avermelhada e lisa. Come-se a polpa cortando a fruta ao meio.

bird2

Epiphyllum-ackermannii1

Planta da família Cactácea, originária do México, regiões tropicais da América Central e do Sul

Quando em seu ambiente natural os raios do sol são filtrados pela copa da árvore onde está fixada. Está espécie não recebe o sol diretamente. Aquelas plantas que se desenvolvem sob a folhagem densa procuram a parte alta onde há mais luz disponível. Assim pode-se concluir que apesar de não gostarem de sol intenso, precisam de alta luminosidade. Ainda toleram o sol da manhã, mas é preciso evitar esta exposição nas horas mais quentes. Não se dão bem na sombra. Estudos indicam que quanto maior a luminosidade mais intenso serão as cores das flores.

São naturalmente epífitas, com flores grandes (10 -18 cm), muito lindas, de cor vermelha vibrante. Florescem na primavera e verão e, diferente da maioria dos cactus, as flores permanecem abertas por vários dias. Podem produzir pequenas sementes em frutos, que são globosos, nutritivos e de cor violácea.

Existem muitas hibridações, gerando plantas com flores de diversas tonalidades, algumas abrindo somente à noite com intenso perfume. Um cruzamento muito apreciado é o Epiphyllum pegasus, com uma coloração magenta no centro da planta, tão intensa que chega a ser fosforescente.

Possuem talos achatados, segmentados, suculentos, que parecem folhas. O correto é chamá-los de cladódios, que é definido como um gomo que dilatado parece uma folha.

Epiphyllum ackermannii7

As margens destes segmentos são onduladas, contendo locais com pequenos espinhos eretos, mas macios. Também são destas bordas que surgem os botões florais.

Não tem caules muito longos, inicialmente cilíndricos, tornam-se planos (às vezes triangulares nas espécies híbridas) ao afastarem-se da base. A planta vai crescendo recurvada, adicionando novos cladódios de forma pendente, como uma samambaia.

Toda esta estranha aparência tem um belo efeito decorativo. As raízes lançam novos caules a cada ano, em cujas pontas podem surgir raízes aéreas.

Estes cactos epífitos são silvestres, da mata, enraizando-se onde haja matéria orgânica disponível e boa umidade. Quer seja nas forquilhas das árvores ou fendas de rochas. Em nossas casas, podemos utilizar vasos plásticos (não precisam ser muito grandes, pois não tem muitas raízes). Janelas bem iluminadas são um bom local. Do lado de fora, apenas em locais sombreados não desenvolve.

O substrato deve ser rico em matéria orgânica, húmus, terra preta e areia de rio lavada, propiciando boa drenagem e aeração. Cascas também podem ser misturadas. Sobre o substrato colocar folhas em decomposição.

Apesar de ser um cacto, aprecia umidade. Mas não em excesso. Desta forma, devemos ficar atentos ao nível de umidade do solo, não permitindo que as raízes fiquem totalmente secas.

Epiphyllum-ackermannii

Então, a receita é irrigar com a frequência que mantenha o recipiente nem totalmente úmido nem completamente seco. Isto vai depender de cada região e se a planta estiver dentro ou fora de casa. Digamos, naqueles em ambientes cobertos, uma vez por semana. No inverno, a cada 10 dias.

Pode-se dizer que durante o período de crescimento o ideal são temperaturas mínimas diárias entre 16 e 24º C. Já durante o repouso vegetativo (outono/inverno), 16 a 18ºC. Não gosta de frio excessivo, não resistindo a geadas. Sofre abaixo de 10º C, mas há registros onde suporta temperaturas próximas de 0º C. Nestes locais muito frios o correto é transferir a planta para interiores no inverno, caso estejam ao relento. Temperaturas altas durante o verão propiciam florações de muito boa qualidade.

Na primavera e verão deve-se adubar a cada 2 semanas com uma fórmula de NPK 10-10-10 ou mesmo menor (5-5-5 /8-8-8). A quantidade de N pode ser menor. Faça uma diluição de ¼ de colher de sopa por litro de água. Prepare a solução em função do número de vasos que se tenha.

Molha-se o substrato até ficar bem umedecido. Húmus de minhoca (ou outro composto orgânico) também pode ser acrescido e misturado ao substrato com uma colher, no início da primavera.

Após a floração, a planta entra em período de repouso, sem necessidade de adubação. Como observação importante diria para não usar fórmulas onde o N seja superior ao P o K.

A forma mais comum é por estaquia. Também por sementes é possível, mas é mais demorado. O tamanho certo para uma estaca é por volta de 10-12 cm. Corta-se a base em forma de “V”.

Pode-se polvilhar canela em pó no corte para prevenir a entrada de fungos. Deixa-se secar as estacas em local sombreado e bem arejado por uns 7 dias. Isto impede o apodrecimento.

Após, em vaso com terra orgânica, enterra-se as estacas a uns 5-6 cm de profundidade. Manter a terra úmida, nunca encharcada ou seca demais. Os vasos devem estar em local iluminado mas sem receber luz direta do sol ( ou em sombrites de 50 a 70% de sombreamento).

Pode demorar de 3 a 6 semanas para enraizar. A melhor época para esta operação é a primavera ou verão, depois do florescimento. Não faça estacas logo após a floração pois a planta gastou muita energia no florescimento. Espere umas 3 semanas para fazer esta operação.

Depois, é preciso aguardar a planta atingir um certo crescimento vegetativo para colocá-la em local definitivo e começar com as adubações regulares.
As estacas de partes vegetativas mais novas da planta enraízam mais rapidamente do que as mais velhas, apesar que qualquer secção acabará enraizando.

Uma outra forma de fazer uma muda é utilizando cladódios que contenham raízes adventícias. São raízes aéreas e basta cortar a estaca com estas raízes e colocar na terra.

Epiphyllum ackermannii4

Pragas, doenças e outros problemas: Cochonilhas, fungos e bactérias são os piores vilões.
- As cochonilhas, quando o ataque não é tão intenso, podem ser catadas manualmente com um cotonete.. Em caso de infestações é preciso usar algum defensivo. Num primeiro momento, corta-se com uma tesoura as partes afetadas. Uma pulverização com água, detergente e álcool etílico é bastante eficiente.. Também pulverizar com óleo mineral mata estes insetos por asfixia.
- Dar as condições exigidas pela espécie é a melhor forma de protegê-la contra pragas e doenças. Plantas que apresentam a podridão negra precisam ser eliminadas.
- Manchas ou furos no caule geralmente são causados por mudanças bruscas de temperatura entre o dia e a noite. Só em ambientes controlados pode-se evitar esta adversidade.
- Excesso de sol causa aparência amarelada. Levando a planta para uma iluminação correta, tende a voltar à cor normal. Partes vegetativas que ficam murchas, amolecidas indicam pouca luz.
- Muita água causará um rápido apodrecimento das raízes.

Outras considerações:
- Cuidado para não perturbar a planta no período de florescimento, a não ser para molhá-la. Pessoas que lidam com Epiphyllum há anos dizem que a planta é sensível, desaconselhando mesmo tocar nas flores ou botões florais, para que não caiam. Assim como também mudar o vaso de lugar nestas ocasiões.
- A cada 2-3 anos é necessário trocar de vaso, quando renova-se o substrato. O ideal é fazer isto depois de umas 3 semanas após a floração.
- Para obter uma planta vigorosa e com muitas flores, faz-se uma poda de formação naqueles vasos onde as estacas plantadas começaram a se desenvolver.

Se as estacas forem apicais faça um corte retirando 4-5 gemas. Isto irá estimular a ramificação. Este corte precisa ser inclinado para que a seiva escorra e para que também não se acumule umidade, o que evita podridões e consequente perdas. A utilização de canela é recomendada.

É melhor fazer esta operação com o solo mais seco, havendo assim menor saída de seiva. As partes podadas podem gerar novas estacas, conforme procedimento já explanado anteriormente.

janel14

Selenicereus_anthonyanus
É uma planta epífita pertencente à família Cactaceae, originária do México, que em seu ambiente natural (florestas tropicais chuvosas) encontra-se pendurada nas árvores.

Possui ramos achatados com lóbulos intercalados, o que gerou alguns de seus nomes (zig-zag). São carnosos (atingem mais de 60 cm), possuindo espinhos muito pequenos e suaves.

Cientistas acreditam que o formato deste cacto deve-se a um processo de transição do deserto para a floresta. No novo ambiente, a umidade não era difícil de obter mas a luz solar era obstruída pela copa das árvores. Assim, o cacto desenvolveu um amplo e delgado caule que não armazenava tanta água, mas era muito eficiente na captação da luz solar. Talvez esta estrutura fina e fragmentada seja uma tentativa de novamente desenvolver as folhas que perderam em tempos muito distantes.

Os ramos lançam raízes adventícias, o que permite fixar-se nas árvores e avançar o mais alto possível para obter o máximo de luz.

As flores, que são uma atração à parte, são grandes, com cerca de 10-15 cm, pétalas de cor creme, sendo que as mais externas são vermelhas.

Sua particularidade é o horário de florescimento, abrindo ao entardecer e atingindo a plenitude durante toda a noite. Talvez esta hora do dia seja em função dos polinizadores (insetos noturnos e morcegos). Mas o sistema de polinização ainda não é completamente entendido pela ciência.

A flor é muito cheirosa, mas dura só uma noite. Já ao amanhecer estará fechada. É pouco conhecida pela maioria das pessoas, não só pelo seu hábito noturno e de curta duração, como também pela dificuldade de florescer se as condições onde estiver instalado não forem as mais próximas do habitat natural. No Brasil, a floração ocorre em novembro.

Selenicereus anthonyanus FLOR 3
É uma excelente planta para embelezar a paisagem. Pode ser plantado em cestas ou vasos desde que haja boa drenagem para evitar a umidade excessiva. Por ser pendente precisa ser pendurado. Como possui raízes aéreas que vão se agarrando e expandindo a planta, também pode ser plantada próximo a árvores, muros ou em recantos escarpados, com pedras. Neste caso, pode ser colocado diretamente no solo.

Gostam de substratos orgânicos. Uma mistura boa contém, em partes iguais, terra orgânica (pode ser turfa também), areia de rio lavada e húmus de minhoca. O fundo precisa ter drenagem com brita.

Prefere que o substrato fique seco entre uma rega e outra. Geralmente 1 vez por semana é o suficiente. No inverno pode ser mais espaçado. Em dias muito quentes pode-se pulverizar a água sobre a planta.

A temperatura ideal é entre 13º e 26º. Mas em locais protegidos pode suportar temperaturas abaixo de 10º.

É recomendado que seja adubada a cada 3 meses com 1 colher de sopa de um composto orgânico (torta de mamona + rochas moídas). Este adubo é rico em micronutrientes e de liberação lenta. Pode ser húmus de minhoca também, numa quantidade um pouco maior.

A adubação química (que é de liberação rápida) é a mesma que uso para orquídeas (20-20-20), da seguinte forma:
– primavera – 1,0 g/l
– verão – 2,0 g/l
– outono – 1,0 g/l
– inverno – 0,5g/l ou nem aduba

Sua propagação é feita através de sementes ou estacas. No caso das estacas, usa-se qualquer parte dos ramos, deixando secar até formar uma camada protetora no local do corte.

O substrato deve ser leve, formado de terra vegetal (ou turfa) misturado com areia. Ou até mesmo só areia.

Insira a ponta da estaca que formou uma película neste substrato (uns 3-5 cm), mantendo-o levemente úmido, sob luz filtrada. É importante que algum dos brotos fiquem abaixo da terra.

Após enraizamento podem ser transferidos para o recipiente definitivo. A época recomendada para esta operação é no outono. Já por sementes, faz-se necessário uma semeadura rápida, pois o poder germinativo logo perde-se. Melhores resultados são obtidos quando usamos pequenas estufas.

Pragas, doenças e outros problemas:
Cochonilha farinhenta e outras cochonilhas, pulgões, lesmas e caracóis são as pragas principais. As cochonilhas podem ser retiradas manualmente com um cotonete ou, se a infestação for grande, utilizando óleo mineral ou óleo de neem.

Quanto a doenças, esta espécie é sensível ao ataque de vários patógenos como fungos e bactérias. A bactéria Erwinia cacticida causa a podridão negra. Ambientes com excesso de umidade são propícios ao crescimento desta bactéria, que invade as células das raízes, consumindo-as até que não reste outra coisa senão uma massa preta, mole e úmida.

Fungos como os do gênero Phyllosticta (mancha nas folhas) podem surgir (e em outras cactáceas também) quando as condições adequadas para a planta não são oferecidas e pela lesões oriundas de ataque de insetos. São de difícil controle. O melhor é cortar as partes afetadas ou, em casos extremos, eliminar a planta.

lirios

rosa-do-deserto

A conhecida Rosa-do-deserto, é uma suculenta de origem africana de caule espesso que vai se moldando conforme seu crescimento, chamando muita atenção pela sua beleza.

Seu principal atrativo além de suas folhas verdes brilhantes são suas lindas flores exóticas que vem ganhando cada vez mais destaque com o melhoramento genético de suas multicores.

Muito apreciada pelos amantes de Bonsai, a Rosa-do-deserto pode ser cultivada tanto no solo quanto em vasos e seu cultivo é considerado muito fácil, basta apenas alguns produtos da jardinagem comum facilmente encontrados em viveiros de mudas, floriculturas ou supermercados.

Escolha um vaso de planta preferencialmente raso, tipo bacia, terra vegetal suficiente para preencher todo o vaso, pedra-pome, cascalho limpo e pequeno, ou qualquer outro produto para fazer a drenagem do vaso, fertilizante de plantas domésticas e fungicida líquido.

Modo de Plantio:
Selecione um vaso de concreto ou cerâmica (concreto é mais resistente e durável) que tenha boa drenagem e um prato do mesmo material do vaso, que não retenha água que possa ser absorvida de volta pela planta.

O vaso deve ser um pouco maior que a massa de raízes da muda da planta. Alguns cultivadores recomendam um vaso que tenha o formato de uma tigela rasa, porque ele permite uma drenagem melhor e secagem do solo mais rápidas, além de fornecer espaço suficiente para as raízes crescerem lateralmente.

Misture completamente qualquer tipo de solo de envasamento (terra vegetal) com o material limpo de drenagem, (pedra-pome, areia ou cascalhos pequenos). Acrescente 1/3 ou metade do material de drenagem à terra do vaso. Se você usar terra com turfa, a Rosa-do-deserto deve ser replantada a cada um ou dois anos. Ela é altamente suscetível ao apodrecimento da raiz e o remédio é evitar a retenção de líquido na terra do plantio.

Após o plantio coloque a Rosa-do-deserto num local ensolarado durante a primavera e verão para obter crescimento normal e florescimento. Muita sombra enfraquecerá a planta, fazendo com que ela não tenha flores. Ela cresce do lado de fora durante os meses quentes de verão, mas são muito sensíveis a climas mais frios e neve. Em climas mais tropicais, ela pode ser usada em paisagismo.

Forneça bastante água durante a época de crescimento. Embora ela seja tolerante à seca e possa ser deixada sem água por uma semana ou duas com um solo bem drenado, ela também pode ser regada diariamente. Comece a regar menos conforme se aproxima o frio e a planta entra num período dormente. Enquanto ela estiver nessa fase de dormência, dê a ela pouca água, a fim de evitar o apodrecimento da raiz, e não a exponha diretamente ao sol.

Quanto ao fertilizante alimente a Rosa-do-deserto com a metade da quantidade recomendada pelo rótulo do fabricante, prefira um fertilizante balanceado (NPK 04-14-08 por exemplo) durante os meses de crescimento.

Não irá prejudicar a planta fertilizá-la uma vez por semana, durante essa época, contanto que a mistura seja diminuída pela metade da quantidade recomendada. Os fertilizantes não devem ser aplicados diretamente às raízes e sempre regue um pouco a planta antes para evitar a queimadura das raízes e queda de folhas. Durante a fase dormente, não é necessária a fertilização.

Sempre verifique a existência de ácaros ou cochonilhas, que costumam aparecer quando a umidade está alta e atenção redobrada com as Rosas do deserto cultivadas dentro de casa. Qualquer spray inseticida de sua escolha irá remediar a situação, mas prefira inseticidas naturais, faceis de fazer e ecologicamente mais corretos.

No caso das pestes causarem queda das folhas, a planta se regenerá com novas folhas assim que a infestação for controlada.

E prudente tomar precauções quando for manipular ou podar sua Rosa-do-deserto, porque todos os espécimes possuem seiva altamente tóxica, cuidado principalmente com os olhos, no caso de contato prolongado com a pele, a seiva da Adenium causa irritação, lave imediatamente com água e sabão.

ventos

Samambaias

samambaoa-americana
As samambaias são plantas lindas e são muito usadas na decoração de ambientes internos ou em jardineiras, pois elas suavizam os ambientes onde são colocadas devido a sua folhagem com formatos e disposição muito interessante.

Essa planta não gosta de sol muito forte, e é importante deixar o vaso em ambiente protegido e iluminado, é recomendado que a samambaia tome muito pouco sol no período da manhã. Uma curiosidade interessante é que essa planta não gosta de vento, e por isso ela deve estar em local protegido.

Dicas importantes de como cuidar da samambaia
É importante que ela seja regada algumas vezes por semana, de 2 a três vezes, mas sempre no verão, pois essa planta precisa de mais água na época do verão do que na época mais fria, do inverno.

Regue o vaso e tome bastante cuidado para não molhar muito, pois a raiz pode apodrecer. Nunca deixe o xaxim seco e chuvisque água nas folhas da samambaia, pois ela gosta.

Cuidados
Podar
Quando aparecer folhas amarelas é indicado que você pode, é importante que as brotações tenham espaço. As mudas que forem surgindo do rizoma devem ser tiradas, pois dessa forma, evita-se o crescimento da planta e o transplante dela para outro vaso maior.

Adubar
É indicado que a adubação não seja feita no período do plantio, pois as raízes podem ser danificadas. Depois de um mês que a muda passou para o vaso que ela irá ficar definitivamente, você pode fazer a adubação com duas colheres pequenas de torta de mamona e farinha de osso, repita a adubação após 40 dias.

Pragas
Se aparecer pragas na planta é importante que você faça uma limpeza manual. Calda de Fumo é bom para afastar pulgões e ácaros. Se essas pragas forem vistas na planta, é recomendado que as folhas que foram afetadas sejam cortadas, e para eliminar de vez as pragas pulverize com inseticida.

Mudas
A forma mais simples de produzir uma muda dessa planta é com o pedaço do rizoma. Dois tipos de rizomas são mais comuns, são a samambaia-de-metro e a samambaia rabo-de-peixe.

samambaia-metro
No rizoma da samambaia-de-metro, o rizoma lançará novas mudas, quando isso acontecer você deve retirar a muda com bastante cuidado, depois corte na metade as folhas grandes, mas tome muito cuidado para que os brotos não sejam danificados. Posteriormente, plante a muda em um vaso diferente.

Samambaia Rabo-de-peixe (Nephrolepis biserrata)
Na samambaia rabo-de-peixe, os rizomas irão formar um emaranhado abundante, e você deve cortar um pedaço, preferencialmente que contenha broto e depois o espete num vaso contendo substrato. E uma dica interessante: A estação do verão é a época indicada para retirar mudas das samambaias.

janela-tarde

agaveattenuata

A planta conhecida como Agave-dragão tem sua origem no México e pertence à família Agavaceae. Essa planta está classificada como arbustos, arbustos tropicais e também como um tipo de planta escultural. Os seus climas preferidos são o subtropical, equatorial e o tropicalEssa planta é também conhecida por outro nome bem curioso como pescoço-de-cisne.

É uma planta que precisa de sol pleno para se desenvolver saudavelmente. O seu ciclo de vida é perene e se trata de uma planta muito bonita que pode ser usada no paisagismo.

Os nomes populares da planta têm ligação com a forma que a sua inflorescência possui, um tipo de espiga de flores que é bem alta e espessa, ela acaba se curvando devido ao peso.

Uma planta que pode emitir uma inflorescência longa e cilíndrica que é composta por várias florezinhas. Com o passar do tempo vão surgindo dessa inflorescência diversas mudinhas de novos agaves-dragão, que se desprendem ou mesmo criam raízes a partir da planta mãe. Para que essa planta cresça com saúde você deve cultivá-la num local com sol pleno.

A Agave-dragão é uma planta que pode chegar a atingir até 1,5 m de diâmetro e em torno de 4 a 5 m de altura, se formos considerar a sua inflorescência esticada. O tronco dessa planta é formado por folhas velhas e que tem o interior quase lenhoso e bastante úmido.

agave-attenuata

Exatamente por isso as folhas da planta se partem com muita facilidade e assim acabam revelando o seu caráter suculento.

A tendência é que a planta fica doente e chegue até mesmo a morrer depois dos frutos serem produzidos. Uma planta que tem capacidade de aguentar situações bem extremas e que se adaptam bem a um solo e um clima mais árido. Porém, uma Agave-dragão não resiste a temperaturas que fiquem abaixo aos 10°C.

O uso no paisagismo
É uma planta muito usada no paisagismo, em geral em composições com outras plantas ou mesmo em maciços. As suas folhas são verde-claras e suculentas com uma superfície acinzentada. Pode ser uma boa ideia utilizar essa planta em jardins geométricos e tropicais.

Dicas e curiosidades
Sol
É possível entender a ligação do Agave-dragão com o sol lembrando que a sua origem é no México. Essa planta dificilmente consegue sobreviver em locais com baixas temperaturas. Sendo assim é uma planta que deve ser cultivada em regiões tropicais e subtropicais. A sua multiplicação é feita mais facilmente através dos seus bulbinhos que vão se formando na antiga inflorescência e também pelas suas mudas laterais.

O solo deve ser fértil e drenável, as regas devem ser feitas com regularidades. Quando o clima é quente essa planta cresce com mais facilidade.

Época de floração
Uma coisa bem curiosa em relação a essa planta é que a sua época de floração e frutificação são incertas devido às mudanças climáticas. Vale a pena ficar de olho para observar as mudanças.

O Agave-dragão na praia
Essa planta além de gostar muito de calor também tem uma convivência pacífica nas praias. A maresia que costuma ser um problema para vários tipos de plantas não faz nenhum tipo de mal para a Agave-dragão. Por isso em ambientes de praia é possível observar essa planta crescendo sem problemas. O sal também não é um problema.

attenuata

Uma boa opção para jardins
Quem deseja um efeito diferenciado no seu jardim pode optar pela Agave-dragão, uma planta que tem um quê de estranha devido a sua forma de cair sobre si mesma, mas que traz um belo resultado visual para o seu jardim. Essas plantas permitem que você tenha um espaço mais dinâmico no seu jardim.

A grande dica é fazer uma combinação dessa planta com outras que sejam menos exóticas. A combinação dos estilos pode ficar bem interessante num contexto diferenciado para a sua área externa. A agave-dragão é uma planta que tem um visual poderoso por si mesma e pode ajudar a fazer com que esse espaço fique com um visual mais original.

Com exceção do Cacto é difícil pensar logo de cara numa planta que se adapte bem a um clima mais quente. Então caso more numa região de sol a pino e está em busca de uma planta para cultivar pode pensar na Agave-dragão. Uma planta que tem um visual bem peculiar e que aguenta firme as temperaturas mais elevadas.

árvore

crassula_tetragona52.jpg111

A Crassula tetrágona é uma planta suculenta nativa da África. É chamado de “pinheiro em miniatura” entre os entusiastas de plantas ornamentais. Para seu uso popular se pode considerar o termo “pinheiro” em Bonsai. Ela tem caules lenhosos com casca marrom, com pares cruzados de folhas, com cores entre verde claro e escuro. A planta apresenta inflorescências terminais, terminando em flores brancas que surgem no verão.

Cuidados necessários da Crassula tetrágona
Estas plantas são utilizadas como ornamentais e necessita de quantidade razoável de água, necessário para o desenvolvimento de botões florais.

A maioria das espécies prefere pleno sol, embora algumas espécies sejam sensíveis ao excesso. A planta é resistente ao gelo, mas temperaturas acima de 30ºC são melhores para emplacar o desenvolvimento. Pode ser propagada a partir de folhas e estacas.

São plantas suculentas tolerantes a seca que se parecem um pouco com ramos de pinheiro, por causa das agulhas existentes nos lados.  Eles são usados em vasos de bonsai com olhar de pinheiro. No solo para paisagismo, crescem até quatro metros de altura.

As folhas da planta possuem cerca de 1 cm de comprimento. Crescem bem em jardins secos com suculentas e cactos e outros tipos de espécies africanas. São tolerantes à seca, fáceis de serem cuidadas. As corres da flor podem variar do branco ao amarelo.

São cultivadas em pequenos vasos de bonsai e aparadas para aparecer como pinheiros.  Se aparar de maneira qualificada as plantas suculentas formam novos ramos perto do topo, resultando na formação de caules grossos.

Como a maioria das plantas suculentas, são fáceis de propagar com haste ou estacas de folhas. Bonsai pinheiro forma ramos nas pontas das plantas. Apare a partir do topo da planta para criar imagem cheia para a sua paisagem.

flores -Crassula_tetragona

Quando bem cuidada a Crassula tetrágona forma ramos macios que oferecem contraste com as almofadas de cacto, quando estão desta maneira são considerados sadios;

As hastes verticais podem atingir 60 cm de altura. As folhas verde-escuras atingem quase 4 cm de comprimento. Na estufa, as plantas florescem na primavera com pequenas flores brancas com quatro milímetros de comprimento.

Precisa de pleno sol e um pouco de sombra de luz, além da mistura de solo bem drenado. As plantas são bem regadas, necessário secar completamente antes de regar de novo.  Plantas fertilizadas apenas uma vez durante a estação de crescimento com fertilizante equilibrado diluído para ½ a força recomendada no rótulo.

Durante os meses de inverno, as plantas podem ser movidas para a sala de frio, regadas apenas o suficiente para manter as folhas longe do enrugamento.

As folhas arredondadas e cor verde-esmeralda, estão dispostas simetricamente ao longo de troncos de madeira. No final da primavera surgem as flores. É necessário ficar com os olhos atentos às épocas das geadas, protegendo as espécies para evitar a incidência de cicatrizes.

crassula_tetragona52

Dicas rápidas para plantar Crassula tetrágona
01 – Regra geral deste tipo de planta está em serem bem regadas;

02 – A terra não pode correr o risco de ficar seca entre as regas;

03 – Se a espécie começar a florir se faz necessário aumentar volume de água em decorrência do aumento da necessidade provindo da espécie;

04 – Durante os períodos frios do ano devem existir menos regas, suficientes pelo menos para impedir com que as folhas demonstrem aspecto enrugado em consequência do excesso de H2O;

05 – Especialistas indicam que as espécies podem receber no máximo seis horas de sol por dia;

06 – Pode se desenvolver com qualidade, desde que a região tenha frequência também de sombra;

07 – A Crassula tetragona representa espécie que consegue sobreviver ao excesso de temperaturas baixas, inclusive nas épocas de geadas;

Crassula_tetragona_-

08 – Embora resista às temperaturas quentes não pode ficam com exposição abaixo dos seis graus célsius;

09 – Especialistas indicam que os adubos em líquidos são mais indicados para este tipo de plantação. Deve ser adicionável no máximo uma vez por mês, respeitando sempre as regras do comportamento e tipo do solo;

10 – Opte por solo leve e com alto nível de drenagem. As plantas do interior entram em crescimento de maneira lenta;

11 – Não é necessário mudar o vaso com frequência;

12 – As doenças são consideradas raras na Crassula tetrágona;

13 – Espécie viável para ser reproduzida por estaca de folha ou caule;

14 – As plantas enterradas no solo de forma parcial fazem com que as raízes sejam criadas rapidamente, fazendo assim com que surja o nascimento de outra planta;

15 – Se plantar as estacas de caule verticalmente, elas continuarão a crescer dessa forma;

16 – Caso coloque no solo de maneira horizontal acontece o surgimento ao longo das estacas que formam novas plantas;

17 – Para a planta ficar mais densa e compacta é necessário podar o topo dos caules de forma com que surjam aspectos arbustivos à planta;

18 – Necessário solo poroso com uma drenagem adequada.

botãochuva

Stapelia hirsuta1

A flor-estrela está dentro da família Asclepiadaceae, É uma espécie muito atraente, mas apesar do seu aspecto, ela não é uma planta cactácea. São suculentas que aparentam ter dedos que apresentam quatro faces e uma linha serrilhada, formando ângulos que surgem destas pequenas faces da espécie. Seus ramos são projeções muito esverdeadas, bastante numerosos e são extremamente carnosos, possuindo cada um deles  aproximadamente 20 cm de comprimento e que chama muito a atenção dos paisagistas. São estes mesmo ramos que acabam por encobrir o solo com as suas touceiras bem desenvolvidas, chegando a praticamente 2 m de diâmetro, contribuindo para a sua característica ornamental.

A planta pode ser cultivada em diversos climas diferentes por causa da sua alta capacidade adaptativa. Por ser um cacto, a planta é bastante cultivada em algumas regiões do Brasil. É considerada uma espécie de pequeno porte e que pode alcançar os seus 15 cm de uma forma muito rápido. Pode ser planta em sol pleno ou meia sombra, possuindo um ciclo de vida bem definido, sendo este perene.

Esta espécie foi encontrada pela primeira vez no continente africano, em locais onde o inverno era bastante rigoroso. Além disso, vivia e crescia muito bem em lugares onde a incidência de chuvas era bastante numerosa.

Stapelia hirsuta2
Flores
Os botões conhecidos como florais fazem parte de uma estrutura bastante simplória, dentro da espécie. São de cor verde-claro mas que podem variar em torno desta mesma tonalidade. Todos os botões florais apresentam um formato bastante interessante, lembrando uma bonita pirâmide. Quando os botões florais se abrem, eles se tornam extremamente atraentes, deixando o aspecto da planta muito mais interessante.

As flores magníficas acabam se tornando grandes e especialmente coloridas, que podem variar em diversos tons por causa de cada variação e forma de cultivo. As mais comuns se tornam avermelhadas e acabam formando grandes estrelas, caracterizando as famosas flores-estrelas. O centro da flor, assim como os seus bordos, são compostos por pelinhos, deixando-as com aspectos aveludados. Uma das desvantagens em se ter esta planta, especialmente em locais fechados, é que ao nascer, estas flores podem exalar um cheiro um pouco desagradável, atraindo alguns insetos como moscas, besouros, percevejos e outros animaizinhos bem incômodos.

A floração acaba se estendendo do final do verão até o outono. O nome estrela vem do aspecto das flores quando estas desabrocham. Na verdade, quando abertas, os botões florais se assemelham bastante à estrelas-do-mar, sendo aproximadamente do mesmo tamanho que as mesmas. Por isso, a flor-estrela é considerada uma espécie extremamente peculiar.

Na ornamentação
Mesmo com as suas desvantagens, a flor-estrela pode ser usada para ornamentação de jardins, podendo ser plantada em diversas formas. A espécie é ideal para os conhecidos jardins-de-pedra, combinada com outras suculentas e cactos, fazendo uma verdadeira mescla entre elas. Pode ser plantada em vasos, sendo grande sou pequenos,  e jardineiras bastante enfeitadas.
Stapelia hirsuta
Modo de Cultivo
Para começar a plantar a espécie conhecida como flor-estrela é preciso seguir algumas regras de cultivo, essenciais ao bom crescimento da planta.
1. Por causa do seu ciclo de vida perene, a planta deve ser cultivada em solo fértil e com bastante luminosidade. Em alguns casos, pode ser plantada em locais sombreados durante a tarde. As terras para cultivo devem ser bem drenável, rica em matéria orgânica, devidamente adubadas e com covas bem profundas para o encaixe de cada mudinha. As regas deverão ser bem espaçadas e mesmo assim, regulares;

2. É bastante tolerante ao frio subtropical, além de poder ser plantada em sombra em determinados climas também. Um exemplo disto é que em países de clima temperado, a espécie necessita passar o inverno, que por sua vez é muito rigoroso, em casas de vegetação especializadas para o seu bom crescimento;

3. Para dar mais vigor a planta, é utilizada uma técnica conhecida como replantio. Esta técnica pode ser usada para deixar a espécie mais bem desenvolvida, atingindo tamanhos maiores e adquirindo mais resistência em alguns locais. Tal replantio pode ser feito de dois em dois anos, mesmo o ciclo de vida da espécie sendo perene e não anual. Mesmo assim, este método deixa a sua flor-estrela muito mais vigorosa.

Multiplicação
A propagação da planta pode ser feita de forma rápida e simples. Através de sementes, as plantas podem se multiplicar de forma correta. Outras formas de propagação também podem ser empregadas para esta espécie. Uma delas é a divisão da touceira e a multiplicação eficaz por estaquia das hastes suculentas.

tumblr_lzppuewXGc1r950s8o1_500