Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Cactos e Suculentas’

Kalanchoe-tomentosa

A orelha-de-gato é uma planta suculenta originária de Madagascar e pertence à família Crassulaceae. Suas folhas são espessas, carnosas, de formato oblongo-lanceolado, côncavas em sua face superior e com uma quilha central na face inferior.

Elas são recobertas por pelos finos, curtos e brancos, dando um aspecto aveludado à planta. Nas grossas margens denteadas há manchas formadas por pelos escuros, de cor marrom, que delineiam o formato das folhas e complementam o raro visual desta planta.

Possuem crescimento de até 50 cm. Devem ser cultivadas a pleno sol (mais de 4 horas de sol por dia). O solo deve ser rico em matéria-orgânica, nutrientes e deve possuir boa drenagem.

Kalanchoe tomentosa_1

A reprodução pode ser feita pelo enraizamento de estacas laterais na areia ou formação de brotos nas folhas. O florescimento é raro e esporádico. de folhagem muito curiosa e ornamental, que chama a atenção pela disposição e forma, mas principalmente pela cor e textura, que lembram a orelha de bichos fofinhos, e lhe renderam apelidos carinhosos como orelha-de-gato e planta-panda.

O caule é curto, ramificado e de crescimento lento, e as folhas se dispõem sobre ele, em roseta. Floresce na primavera, despontando inflorescências terminais, com flores tubulares na cor rosa ou salmão, de importância ornamental secundária.

Obtenha um excelente contraste com a orelha-de-gato em canteiros bem drenáveis, assim como vasos e jardineiras plantadas. A cor cinza prateada desta planta chama a atenção por si só, além de enaltecer a cor das outras espécies.

flores

Utilize-a em jardins desérticos, com baixa necessidade de água, combinando com outras espécies que apreciem este habitat, como suculentas, cactos,  etc.

A textura macia e delicada a tornam uma planta de escolha também para jardins sensoriais, vistos não somente com os olhos, mas também com as mãos.

banquinho

Senecio rowleyanus

O Senecio rowleyanus além de muito ornamental é uma suculenta muito curiosa. Suas folhas verdes e esféricas têm a forma de pequenas contas de pérolas com cerca de 1 cm de diâmetro e são interligadas por longos ramos finos e pendentes, o que lhe rendeu os nomes populares de colar-de-pérolas, cordão-de-ervilhas e rosário.

Ela é originalmente uma planta rasteira, mas atualmente é muito utilizada como uma planta pendente. Suas hastes costumam crescer bastante, atingindo entre 0,60 e 1,00 metro de comprimento.

Durante a época do verão, as suas folhas costumam ficar em uma coloração verde clara, mas é muito mais comum que as folhas comecem a nascer com uma tonalidade em verde escuro.

Senecio rowleyanus_1

Seu desenvolvimento se dá melhor na sombra bem iluminada. O substrato deve ser bem drenado, não pode reter umidade. Melhor composição é 1 parte de terra comum + 1 parte de areia + 1 parte de terra preta adubada. No fundo do vaso sempre coloque uma camada de uns 2 cm de pedras para ajudar a escoar a agua mais rapidamente.

A frequência da regra depende do local onde a planta está. Depende da cidade, depende da altitude, depende do vento, e depende muito do tipo de vaso que você esteja usando, se for pequeno demais para a planta, ou se for de barro, tudo isso influencia, mas uma coisa é certa: se notar que as pérolas estão enrugando, e ficando opacas, é sinal que a planta não esta recebendo agua o suficiente e está usando suas reservas internas.

colar-de-perolas

Fique alerta! Quando os cordões são longos, por volta de 1 m, aquele pequeno caule deve manter todas as folhinhas de seu comprimento hidratadas, pois isso a terra não pode secar de tudo. Por outro lado, se a terra ficar constantemente úmida, a planta sofre um afogamento e apodrecimento das raízes.

É preciso encontrar o equilíbrio para que ela cresça saudável. A melhor maneira de reproduzí-lo e por galhos que soltam raízes facilmente. Pegue um feixe de galhos de uns 15 a 20 cm, e centralize no meio do vaso como se fosse um polvo enterrando uns 2 cm das pontas.

Espalhe os galhos em varias direções. Cubra com uma camada fina de terra os galhos entre as bolinhas até a beirada do vaso. Logo ele estará se espalhando pelos vasos e descendo em cascata.

Senecio rowleyanus_2

O gel é composto por polímeros que se parecem com pequenos cristais quando estão secos e fechados na embalagem pronta. Quando você adiciona água ao gel, ele vira uma verdadeira massa com flocos gelatinosos.

Coloque este gel na mistura de terra e turfa que você fez anteriormente, lembrando que a base com turfa seca rapidamente.

flores vermelhas

Kalanchoe_thyrsiflora

Planta suculenta da família Crassulaceae  e originária da África do Sul. A planta se destaca pelo formato, textura e cor exuberante de suas folhas. Forma uma roseta basal de folhas largas e grandes, arredondadas e suculentas.

São recobertas com uma tênue camada cerosa pulverulenta, de cor branca, que se concentra em maior quantidade junto ao caule e inflorescências.

Esta camada confere à planta um aspecto fosco, muito interessante. Dependendo da variedade, da temperatura ambiente e do nível de insolação, as folhas podem se apresentar verde claras, azuladas ou amarelo creme com margens mais ou menos vermelhas, em degradeé.

Há também plantas variegadas de creme. Após o plantio, as plantas chegam à maturidade entre 3 a 4  quatro anos, mas podem florescer já com dois anos, despontando no outono longas e eretas inflorescências terminais, que podem chegar a mais de um metro de altura.

flor-Kalanchoe_thyrsiflora00

A inflorescência da orelha-de-elefante é do tipo panícula, com pequenas flores amarelas e muito perfumadas. Após a floração, que pode durar até 1 ano, a planta morre, não sem antes deixar muitas pequenas mudas que surgem de sua base.

A orelha-de-elefante acrescenta interesse com suas cores e textura únicos. Além disso, é tolerante à seca, sendo ideal para jardins com baixa disponibilidade de água, do tipo “xeriscape”.

Use-a em combinação com outros cactos e suculentas, ou como forração em locais ensolarados e livres de pisoteio. Também pode ser plantada em vasos e jardineiras, em belíssimos arranjos, e assim enfeitar varandas, pátios e sacadas ensolarados.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo perfeitamente drenável, arenoso, enriquecido com matéria orgânica e irrigado a intervalos espaçados.

Para obter folhas de intensos tons avermelhados, deixe a orelha-de-elefante sob sol pleno, principalmente durante o frio invernal, quando ela atinge maior intensidade de cor.

orelha-de-elefante

Regue abundantemente apenas quando o substrato estiver seco. Reduza as regas no inverno. Muito sensível ao encharcamento, evite substratos com muita capacidade de retenção de água e jamais deixe o pratinho sob o vaso.

Tolerante à salinidade do litoral. Multiplica-se por sementes ou estaquia das folhas, postas a cicatrizar por pelo menos 24 horas antes do plantio. Pode-se também separar as pequenas mudas que se formam entorno da planta mãe, e replantá-las em outro vaso.

brisa_5

adenium

Nativa da África e de vários países da Península Arábica, a rosa-do-deserto (Adenium obesum) chega a 4 m de altura, na natureza, mas variedades anãs são largamente vendidas no mundo todo, especialmente por quem cultiva bonsais.

É uma planta que precisa ficar num local onde bata sol por pelo menos 4 horas pelo menos, caso contrário, não floresce. Elas podem manter-se floridas durante o ano todo. No entanto, em regiões de clima temperado pode acontecer de perderem as folhas e entrarem em dormência durante o inverno.

Mas isto só acontece durante uns dois meses, quando a temperatura estiver realmente baixa. Já em regiões de clima tropical, elas vão dar flores o ano todo.

Como plantar – Preparação do vaso
Use um vaso, pote ou bacia com excelente drenagem, colocando no fundo pedras, e tela plástica para que as raízes não cheguem a sair do vaso. Cubra com um pouco de areia, depois coloque húmus de minhoca e plante a rosa com uma mistura de areia grossa e terra, enchendo até a borda. (Obs.: pode ser 2/3 de areia grossa com 1/3 de substrato misturado).

Adenium_obesum_

Rega
A água deve ser usada com moderação. A rosa-do-deserto aprecia água neutra, a água ácida pode causar apodrecimento de suas raízes. O excesso de água mesmo no verão pode causar apodrecimento das raízes que matam gradativamente a planta.
Mantenha a areia ou a terra sempre úmida, porém sem encharcar, não é necessário regar todos os dias, somente quando a areia ou a terra em cima do vaso secar.

Adubação
Uma adubação com um bom fertilizante orgânico é necessário a fim de alcançar um bom diâmetro de tronco e floração abundante. Os fertilizantes não devem ser aplicados diretamente nas raízes. Nunca aplique o fertilizante, quando o substrato estiver completamente seco. Sempre regue antes, isso evita a queimadura das raízes e a queda de folhas.

Cultivo
Você pode também aproveitar os ramos desta poda para fazer mais mudas por estaquia. Com a propagação por estacas, você terá mais plantas e mais flores, de uma forma bem mais rápida. Isso, porque a estaquia é um método de propagação vegetativa, que utiliza partes de indivíduos já adultos, comparando-se com a propagação por sementes.

Utilize sempre tesouras ou facas afiadas e preferencialmente esterilizadas entre cada planta. Faça cortes precisos e limpos, sem mastigar os ramos e de forma a evitar o acúmulo de água no ponto do corte.

Depois dos galhos podados, passe um pouco de canela em pó no local. A canela em pó age como um fungicida natural. Com a prática e os devidos cuidados na poda, basta secar o local do corte e nem é necessário passar nada, pois por se tratar de uma suculenta, a rosa-do-deserto cicatriza rapidamente.

adeniumobesum

Coloque a planta podada longe do sol direto, podendo até ser levada para o interior da casa. Depois de três a quatro dias, coloque a planta para receber o sol da manhã, e quando notar as brotações pode colocá-la no sol pleno. Logo após a formação dos novos ramos, a planta começará a florir e, dependendo dos cuidados e temperatura, continuarão floridas por muito tempo.

Um dos segredos para deixar a base do caule interessante é levantar um pouco a planta, deixando a parte superior das raízes exposta a cada replantio, que deve ser realizado a cada 2 ou 3 anos. A planta enraizará normalmente.

Podas de formação devem ser criteriosas para não formar deformidades não naturais e cicatrizes feias na planta. Use luvas nas podas e manuseio da planta pois sua seiva é altamente tóxica.

rosa-do-deserto

Floração
As florações da rosa-do-deserto podem ser obtidas em plantas jovens, com apenas 15 cm de altura. O florescimento geralmente ocorre na primavera, sendo que há possibilidade de sucessivas florações no verão e outono.

As flores são tubulares, simples, com cinco pétalas e lembram outras da mesma família como alamanda, jasmim-manga e espirradeira. As cores são variadas, indo do branco ao vinho escuro, passando por diferentes tons de rosa e vermelho.

Muitas variedades apresentam mesclas e degrades do centro em direção as pontas das pétalas. Há ainda variedades de flores dobradas, triplas, quádruplas, entre outras. Também negras, que ao contrário das outras precisa de um Ph mais ácido.

Vale lembrar que devido a inúmeros cruzamentos que estão sendo feitos por cultivadores de todo o mundo, estão aparecendo cada vez mais Rosas do Deserto com tons mesclados e cores diferentes.

janela azul