Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Cactos e Suculentas’

Selenicereus

Cacto epífito de ramos achatados e profundamente lobados, sem espinhos com altura que pode ir até 1,0 m.

O formato de seus ramos deu origem ao seu nome popular de cacto zig-zag. As flores são grandes, cerca de 15 cm de comprimento, surgem do meio ao final do verão.

Tem pétalas na cor branca a creme, sendo que as mais externas tomam uma coloração mais avermelhada.

Floresce em geral no início do entardecer até a noite, fenecendo ao amanhecer. São polinizadas por insetos noturnos, atraídos pela coloração clara do centro da flor e pelo intenso perfume que exala.

Pode ser cultivada em todo o país, principalmente em regiões quentes e de poucas chuvas.

Cacto Selenicereus

Cultivo
Local de cultivo com sol pleno, mas também cresce bem à meia sombra junto a troncos de árvores.

Como é um cacto que tem a característica de subir pelo tronco das árvores, por vezes perdendo contato com o solo, suas raízes captam a matéria orgânica decomposta sobre cascas e ramos.

Para reproduzir este tipo de substrato poderemos utilizar uma mistura feita de húmus de minhoca, areia e pó de coco em partes iguais.

Antes, proceder à lavagem deste pó, pois a casca de coco contém substâncias fenólicas que podem atacar as raízes das plantas.

Deixe de molho em água, trocando todos os dias, por 10 dias, pelo menos, antes de usar.

Se necessitar periodicamente deste material, processe maior quantidade e deixe depois secar ao sol sobre uma lona, acondicionando o pó já seco em saco plástico, ficará pronto para uso.

Cacto Selenicereus

Para plantar, usar vaso de tamanho médio ou plantar no solo. Para preparar o vaso, colocar no fundo brita ou geomanta, por cima areia úmida.

Colocar a mistura citada acima, plantar o cacto e não apertar muito.

Se plantado no solo, fazer a cova, colocar a mistura já citada e plantar, conduzindo os ramos para um tutor, que poderá ser sarrafos em treliça, muros, cercas ou troncos de árvores.

Após o plantio regar bem. Somente espaçar as regas ao notar o início de seu desenvolvimento.

flores-abrindo-gig11

mamillaria

Este cacto é uma das espécies mais populares entre os colecionadores. Originária do México, ela se caracteriza pelas hastes densamente agrupadas. Os caules são cilíndricos a globosos, e formam um conjunto de “bolinhas” muito gracioso.

Suculentos e de cor verde, não possuem folhas e seus tubérculos são cônicos a cilíndricos. Em torno do ápice de cada tubérculo há dezenas de espinhos ou pêlos, de cor branca, que dão a este cacto um aspecto lanoso. Bem no topo do tubérculo podemos verificar cerca de quatro espinhos mais longos, de cor marrom e em forma de gancho.

Floresce na primavera, exibindo sobre cada ramo, uma circunferência de flores de cor geralmente rósea, mas que podem ser carmin ou brancas, em forma de funil. Após a polinização se formam frutos, do tipo baga, de cor rosa esverdeados.

Os formatos e texturas dos cactos e suculentas sempre são muito encantadores. No mamilaria bombycina não poderia ser diferente. É uma espécie indispensável aos aficionados por essas plantas e também podem ser cultivados por jardineiros iniciantes que queiram se arriscar com cactáceas, pois costumam ser fáceis de cuidar.

mamillaria

Utilize-o na composição de jardins rochosos e de efeito árido. São uma ótima escolha para locais com pouca disponibilidade de água. Gostam de locais um pouco inclinados, que favorecem a drenagem. Também podem ser plantados em vasos e jardineiras, decorando ambientes internos bem iluminados.

Deve ser cultivado sob sol pleno, meia sombra ou luz difusa, em substratos próprios para cactos e suculentas, ou seja, perfeitamente drenáveis e arejados, e irrigados a intervalos espaçados. Suspendas as regas no inverno.

O excesso de regas ou a deficiência na drenagem do substrato(que pode ocorrer ao longo do tempo por compactação) provocará o rápido apodrecimento das raízes e caules desta suculenta.

cacto mamillaria

Tolerante a temperaturas acima de 4°C. Não resiste a neve ou geadas. Para uma formação mais densa e espinhenta, prefira cultivar sob sol pleno.

Multiplica-se facilmente por sementes ou por separação dos novos ramos formados no entorno da planta.

cactos

flor-da-abissínia-kalanchoe-delagoensis

A flor-da-abissínia é uma herbácea, pertence à família Crassulaceae, nativa de Madagascar, anual, suculenta, ereta, não ramificada, de 0,50 a 1 metro de altura e muito ornamental.

Folhas cilíndricas, verde azuladas com manchas arroxeado-escuras transversais, em cujos ápices formam-se aglomerados de mudinhas, de 10-12 cm de comprimento.

Inflorescências terminais corimbosas, de pedúnculo longo que as dispõem bem acima da folhagem, com flores tubulosas, vistosas, de cor vermelho-alaranjada. Surgem no outono.

A flor-da-abissínia morre após a floração e os novos rebentos podem surgir das raízes.

Usada na decoração de jardins, formando maciços e também se desenvolvem bem em vasos. Muito cultivada em jardins de pedra.

kalanchoe-delagoensis

Cuidados
A planta deve ser cultivada a pleno sol ou meia sombra, desde que receba no mínimo 4 horas de sol direto por dia.

Não é exigente quanto ao solo, desde que seja bem drenado, com regas esparsas. O excesso de água pode causar podridão nas raízes e proliferação de fungos. Tolerante a seca, pois guarda muita água em suas folhas.

A flor-da-abissínia é uma planta tóxica, contém toxinas na seiva. Mantenha a planta longe de crianças e animais.

Sua propagação é feita por pequenas mudinhas que ao cair ao chão, enraízam-se e começam a crescer, formando uma nova planta e, por mudas que surgem na base da planta adulta.

Em algumas áreas é considerada uma erva daninha, devido a grande capacidade de reprodução, porém suas raízes são superficiais e podem ser removidas com facilidade.

cactos

Graptopetalum paraguayense

As suculentas são plantinhas fáceis de cuidar e muito lindinhas: várias espécies têm esse apelido porque armazenam bastante água nas folhas e no caule. Por esse motivo, elas têm que ser pouco regadas e, por isso, são as preferidas de quem não tem muito jeito ou tempo para cuidar de plantas.

Apesar de requererem pouco cuidado, elas podem apresentar alguns problemas, e há sinais específicos deles que você pode identificar e resolver. Por isso, confira a seguir problemas que as suculentas podem apresentar e como resolvê-los:

estiolamento

Crescimento alongado
Este problema normalmente acontece em ambientes de sombra, quando a planta não está recebendo luz suficiente.

Se as suas suculentas estão ficando com os caules alongados  e começando a ter um espaçamento grande entre as folhas, coloque a planta num local onde ela apanhe mais claridade e mais luz.

Caso não goste do formato que a suculenta adquiriu::

Pode replantar e fazer várias mudas. Corte a parte superior da planta (roseta mais composta) e retire as folhas inferiores para poder e plantar.

As raízes irão aparecer no local em que retirou as folhinhas. As folhinhas inferiores que foram retiradas podem e devem se aproveitadas. Coloque-as num vaso em cima da terra (deitadas) – não necessitam ser enterradas.

O caule também pode ser aproveitado, pois esta planta tanto irá pegar de estaca de folha como de caule.

Divida o caule em vários pedaços, enterre uma ponta ou pode somente deixa-lo pousado sobre a terra.

Não se esqueça de misturar areia à terra das suas suculentas, em quantidades iguais, Misture bem e o substrato estará pronto para receber suas mudas.

folhas queimadas

Queimaduras nas folhas
Quando as folhas aparecem queimadas (avermelhadas, com as pontas secas) é sinal que a planta está recebendo mais luz do que o necessário.

Mude a planta para um local mais protegido do sol. Se não for possível muda-la basta fazer regas com mais frequência.

As pontas das folhas queimadas podem ser podadas / cortadas.

Apodrecimento do caule ou da raíz
O apodrecimento normalmente é causado por excesso de água com ação de fungos.

podridão

Sinais de apodrecimento
Poucas raízes
O caule deixa de ser viçoso ficando mole.

O que fazer
Retire as folhas velhas e secas, corte entre a região viçosa e a região amolecida do caule. Use uma tesoura de poda.

O objetivo é retirar toda a parte apodrecida da planta.

Replante a planta no mesmo tipo de substrato descrito acima.

Caso a sua suculenta tenha o caule muito largo e espesso, deixe a planta em repouso durante 1 a 2 dias antes de voltar a replantá-la. Assim ajudará a planta a cicatrizar e evitar que esta continue a apodrecer.

Muitas vezes as suculentas começam a apodrecer, pois o solo não está bem drenado. Experimente colocar uma camada de pedras no fundo do vaso. Também pode colocar pedrinhas sobre o substrato, para evitar o apodrecimento das folhas inferiores.

falta de rega

Falta de rega
Se costume esquecer-se de regar suas suculentas, estar irão começar a ficar atrofiadas, ressecadas e enrugadas. As folhas também irão mudar de coloração.

Coloque a planta num local mais protegida da luz e hidrate-a com mais frequência.

Quando a planta voltar ao seu desenvolvimento natural, as folhas queimadas e enrugadas caírem e houver aparecimento de folhas novas deixe de fazer as regas frequentes.

cochonilha

Aparecimento de pragas
Normalmente os caules das suculentas são atacados por pulgões e cochonilhas. Existem diversos fatores que podem desencadear este tipo de praga.

A suculenta pode ter sido plantada de forma inadequada , a terra está muito compactada, excesso de água, desequilíbrios naturais, etc.

O Tratamento natural ideal para este problema é a calda de sabão:
1 colher de detergente biológico para lavar louça
1 litro de água.

Mexa bem esta mistura, molhe um cotonete e esfregue-o na região onde se encontra o parasita.

Também pode usar a mistura num borrifador e borrifar a planta de 2 em 2 dias, até eliminar o problema.

Caso seja necessário, volte a repetir o tratamento após uma semana da última aplicação.

suculentas