Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Cactos e Suculentas’

Crassula_ovata

Conhecida como a planta do dinheiro do Feng Shui, essa suculenta popular tem muitas características maravilhosas.

A planta-jade é uma espécie suculenta, perene, com folhagem carnuda, arredondada e  florescimento ornamentais.

Ela atinge facilmente mais de 90 cm. Talvez as plantas maduras produzam grupos de pequenas flores rosas ou brancas no outono se foram colocadas para fora ao sol do verão e depois as trazido para dentro.

É uma planta que pertence à família Crassulaceae e sua origem é na África do Sul e é uma suculentas mais fáceis de cultivar, tanto para jardineiros iniciantes como para aqueles de final de semana.

Seu caule é ramificado, verde e suculento quando jovem, e vai gradativamente lignificando, adquirindo uma tonalidade parda. Os ramos e o caule são robustos, curtos e retorcidos, conferindo à planta um aspecto envelhecido.

Crassula ovata

As folhas são ovaladas a elípticas, opostas, suculentas e de uma bela cor verde-jade. Sob sol pleno, algumas variedades desenvolvem margens avermelhadas, enquanto outras adquirem tonalidades amarelas, laranjas ou vermelhas em toda a folha.

Floresce no inverno e primavera, despontando inflorescências terminais, com numerosas flores estreladas, perfumadas, de cor branca ou rosa.

Os frutos que se seguem são do tipo cápsula, com pequenas e numerosas sementes. Há diferentes cultivares da planta-jade, alguns poderiam dizer que lembram as orelhas do Shrek.

Quando plantada em vasos, a planta-jade torna-se uma árvore em miniatura, formando um bonsai praticamente natural. No entanto, nesta espécie é um tanto difícil modificar a posição dos ramos, que quebram-se com facilidade.

Ela pode ornamentar tanto ambientes internos como externos, pois se adapta a uma grande variação de luminosidade. Tenha cuidado, no entanto, de expor gradativamente uma planta que estava na sombra ao sol, para não provocar queimaduras nas folhas.

crassulaovata

No jardim, adapta-se bem a locais bem drenados, podendo formar renques formais ou informais, topiarias, ou grupos com outras plantas.

Seu cultivo deve ser sob sol pleno, meia sombra ou luz difusa, em solo arenoso, enriquecido com matéria orgânica e irrigado a intervalos esparsos e regulares.

A planta-jade pode ficar facilmente de duas semanas a um mês sem rega. Por ser uma planta suculenta, não tolera encharcamento, o que provoca um rápido apodrecimento do sistema radicular e da base do caule.

Por este motivo, é aconselhável reduzir consideravelmente as regas no inverno. A planta é resistente a curtos períodos de estiagem. Adapta-se bem às regiões litorâneas, tolera o frio e os ventos, mas deve ser protegida de geadas durante a floração.

Troque o vaso usando uma mistura de terra preta e areia quando os nutrientes da terra precisarem ser reabastecidos. Depois de trocar a terra, a planta costuma reagir. Elas costumam viver por anos.

Alimente as plantas uma ou duas vezes por ano, menos no verão, senão podem crescer muito rápido.

CrassulaOvata1

O florescimento só ocorre em plantas expostas à luz direta do sol.

Sua multiplicação é feita facilmente por estaquia de ramos ou folhas, que devem ser postos a cicatrizar à sombra antes de colocar no substrato.

Depois de ser plantada em um vaso grande, a planta-jade não gosta de ser movida. Se ela parecer muito seca, não está recebendo o suficiente de luz solar.

Borrife as folhas regularmente para remover a poeira das folhas, senão a poeira as sufocará.

Dicas
* Uma planta-jade pode ser passada para seus netos. Elas costumam viver por anos, mesmo quando suas raízes têm um espaço limitado, embora elas não gostem disso;
* Lembre-se de que as plantas-jade se desenvolvem pela luz solar, então deixe-as em um bom local onde possam receber luz solar, mesmo que seja indireta;
* Quando uma folha cair, coloque-a de volta na terra para que enraíze;
* Adicione enfeites no vaso para dar um efeito decorativo.

janel13

Portulacaafra

Planta suculenta das regiões quentes e áridas do Sul da África (clima subtropical seco). Conhecida também como arbusto-do-elefante ou grama-do-elefante fornece uma folhagem suculenta para os elefantes sedentos. É também conhecida como Mini-jade, embora não seja da família do Jade (Crassula arborescens minor).

A Portulaca é uma planta de grande resistência se adequando bem ao interior aquecido e seco. No inverno, temperaturas entre 10ºC e 16ºC são bem toleradas. No interior necessita apenas ficar junto a uma janela bem iluminada e bem arejada, principalmente no verão.

No Brasil, devemos tomar cuidado apenas no extremo sul, no inverno, para evitar temperaturas muito baixas e geadas. Em algumas regiões do sudeste do país, mais precisamente no sudoeste de Minas Gerais, ela tem resistido a pequenas geadas e temperaturas de até 5ºC por períodos curtos sem necessidade de se colocá-la dentro de casa, mesmo porque por lá as casas não possuem aquecimento interno. Mas a Portulaca gosta mesmo é de sol pleno e ambiente arejado. Quanto mais sol ela recebe, mais compacto será seu aspecto e menores serão suas folhas.

A Portulaca é uma planta suculenta possuindo galhos, brotos e folhas carnudas com capacidade de armazenar água por largos períodos. Possui folhas gordas, arredondadas com cerca de um a 2 cm de tamanho e delicadas flores.

Apresenta densa folhagem brilhante verde esmeralda e tronco e galhos robustos de cores canela a cinzento. Seu tronco e flores possuem uma textura diferente, se assemelhando à borracha.

Adapta-se muito bem ao clima do Brasil, e tem como característica marcante a pouca necessidade de atenção, ideal para bonsaístas que viajam muito ou que, por qualquer outro motivo, tem dificuldade de regar as plantas diariamente. A Portulaca pode resistir falta de água por até 4 semanas sem com isso mostrar sinais de fraqueza. Também resiste bem a solos pobres em nutrientes. A sua estilização também é muito fácil, dada a mobilidade de seus galhos e tronco, é a planta ideal para um iniciante.

Portulacaria_afra
Na adubação deve-se usar um fertilizante líquido foliar para bonsai uma vez por mês ou a cada quatro semanas na primavera e verão. Reduza a adubação no outono. No outono farinha de osso. Não adube nos meses de inverno.

Regue apenas quando o solo estiver bem seco, já que esta espécie requer pouca água. No inverno pode se espaçar bem as regas.

A frequência de rega dependerá também do tamanho do vaso. Para saber quando a planta precisa de água, observe bem as folhas: se começarem a ficar enrugadas e finas, é por que está tendo poucas regas. Se as folhas crescem cheias, rápido e distante umas das outras é porque deve estar sendo regada em excesso.

O espaçamento entre as folhas também pode ser sinal de pouco sol. Lembrando que folhas enrugadas também podem ocorrer após um transplante ou poda drástica (tanto do tronco quanto das raízes). A folha pode ficar fina e enrugada pela perda de capacidade de absorção de água pelas raízes daí consumindo o estoque das folhas e não por falta de rega.

Os galhos devem ser podados no início da primavera até o fim do verão. Novos brotos em qualquer época, para manter a forma do bonsai.

Corte os brotos reduzindo a um ou dois pares de folhas após quatro ou cinco pares terem se formado (geralmente no final do verão). A Portulaca tem tendência a desenvolver crescimento para baixo, tanto nos brotos novos quanto pendendo galhos mais desenvolvidos. Pode ser necessário usar “muletas” para não deixar os galhos penderem muito. Evite tirar todas as folhas de um galho, pois ele tenderá a secar e cair.

O solo precisa ter uma boa drenagem. Na mistura para se formar o substrato, é bom observar que a proporção de material inorgânico é bem alta (80%), pois se tratam de espécimes de clima semi desértico, ou seja, solo pobre em material orgânico e rico em partículas minerais, consequentemente de alto pH (alcalino). Como substrato vegetal (20%) podemos usar húmus, cascas de pinheiro, fibra de coco, etc.

flores de Portulacaria afra
O transplante deve ser feito a cada dois anos, reenvase e troque a terra, aparando as raízes.

Bonsais mais velhos devem ser transplantados a cada três ou cinco anos. O transplante pode ser feito em qualquer época do ano, mas o ideal é no fim da primavera. Não regue o bonsai por cinco dias após o transplante.

A melhor época para fazer a aramação é do meio para o fim do verão, tenha cuidado, pois a casca desta árvore é sensível e os galhos tendem a se quebrar facilmente, ainda mais por sua flexibilidade, podemos pensar que ele vai dobrar até onde queremos, mas eles podem quebrar, nos surpreendendo.

Nesta espécie de bonsai, utiliza-se como alternativa, a poda corretiva, contrapesos e “muletas” feitos de pequenos tocos de galhos cortados e bambu. Evitando-se assim quebrar ou ferir os galhos.

Dicas: Em resumo, siga estas poucas regras abaixo e desfrute um lindo e resistente bonsai.
* Nunca regue com solo úmido, espere que ele esteja seco;
* Exponha o bonsai ao máximo de sol possível;
* Adube pouco, uma vez ao mês;
* Evite temperaturas abaixo de 10ºC;
*Pode sempre com tesoura afiada, nunca pince com os dedos;
* Sempre pode deixando pelo menos um par de folhas. Galhos sem folha irão secar e morrer (cair);
* Substrato com boa drenagem;
* Não se preocupe se você tiver que viajar, sua Portulaca vai sobreviver. Dê um bom banho antes e após sua viagem.

janela222

dama-da-noite

A Dama da Noite é uma planta que é conhecida e se caracteriza por exalar um perfume peculiar no período noturno. O perfume desta espécie vegetal está entre os mais fortes exalados por plantas.

A denominação Dama-da-noite é uma das formas que a espécie vegetal é conhecida, no entanto existe uma série de outros nomes pelos quais a planta é conhecida popularmente como: Flor da Noite, Jasmin-da-noite e Rainha-da-noite.

A Dama da Noite é uma espécie vegetal que faz parte da família de plantas chamada de Solanaceae. Essa família de espécies vegetais, a Solanaceae, é composta por 10 gêneros e 3.000 espécies distintas.

É uma planta nativa do continente Americano (América do Sul, América do Norte e América Central), sendo oriunda do México e das Antilhas. Existem algumas espécies que são oriundas da Índia.

Características da planta
A Dama-da-noite é uma planta arbustiva, que são aquelas espécies que apresentam um porte pequeno quando comparadas as árvores e se caracterizam por ramificarem muito próximo ao solo.

É uma espécie vegetal que possui textura semi lenhosa, perene, isto é possui um ciclo de vida maior que dois anos, que no reino vegetal é considerado longo.

Possui um caule ereto e ramificado, os seus ramos são recurvados (no inicio os ramos são eretos, no entanto ficam pendentes nas suas pontas).

A Dama-da-noite é uma planta de médio porte, possuindo uma altura média de 1,80 me, contudo ela pode atingir em torno de 4,0 m de altura.

Suas folhas são simples, perenes, apresentam um formato que variam do oval ao lanceolado, brilhantes e sua textura se assemelha ao couro e são sustentadas por pecíolos longos.

Sua inflorescência é muito abundante, e normalmente surgem nos períodos da primavera e do verão. As inflorescências dão suporte a um grande número de flores, que possuem formato tubular e apresenta a coloração creme esverdeada.

A planta é bastante conhecida e popular por suas flores apresentarem um aroma bastante forte e intenso, normalmente no período da noite.

epiphyllum-oxypetalum-07

As flores dessa espécie vegetal são bastante atrativas para os animais noturnos, como por exemplo, morcegos.

É uma planta com características ornamentais, sendo bastante usada no paisagismo. Devido ao seu odor, ela também é usada pela indústria da perfumaria.

Os hábitat naturais de cultivo da Dama-da-noite, são as regiões que possuem o clima tropical. No entanto, essa espécie vegetal se adapta a ser cultivada em locais que apresentam clima equatorial e subtropical.

É uma espécie vegetal rústica, que exige poucos cuidados para cultivo, necessitando apenas que o local de cultivo seja quente e úmido. Deve ser cultivada sob pleno sol ou no máximo a meia sombra quando cultivadas em locais extremamente quentes.

O cultivo da Dama-da-noite em locais a meia sombra tende a diminuir o forte perfume, pois desta forma a floração será menor, o que acabará resultando em menor perfume exalado.

O solo ideal para o cultivo é o do tipo arenoso e o solo deve ser fértil e que apresente uma boa capacidade de drenagem. Para manter a fertilidade do solo, é interessante que seja feito o uso de material orgânico para enriquecimento do solo.

As irrigações devem ser feitas de forma regular, para que o solo mantenha condições adequadas de cultivo para a espécie. O ideal é que se irrigue apenas quando o solo estiver seco.

É uma espécie vegetal que pode sofrer podas, que devem ser realizadas após a floração principal.

Epiphyllum Oxipetalum

É uma planta que não suporta temperaturas frias (frio intenso e geadas fortes) e a salinidade (não deve ser cultivada em locais próximo a praia). A planta é muito vigorosa e cresce de forma rápida.

Ela pode ser cultivada em vasos, contudo precisará de bastante atenção com as adubações e as regas, pois elas precisarão ser mais frequentes que o normal. Pode ser  conduzida como uma trepadeira, isso acontece através da realização das podas e do tutoramento da espécie vegetal.

Fazendo isso, a planta irá perfumar pátios, calcadas e servindo como uma cobertura natural de arcos, treliças, caramanchões e outros tipos de suportes. É interessante que não se cultive a Dama-da-noite próxima a janelas de quartos, principalmente de crianças e pessoas sensíveis, pois a forte fragrância chega a ser enjoativa para algumas pessoas e até mesmo causar relações alérgicas.

Multiplicação
A Dama-da-noite é uma espécie vegetal que se multiplica por sementes e por estaquia. Normalmente a multiplicação se faz na primavera e do verão. A multiplicação por sementes consiste em dispersar as sementes que são geradas pelas flores em locais apropriados para o cultivo, para que desta forma as sementes consigam enraizar, se desenvolver e gerar novas plantas.

A multiplicação por estaquia consiste na separação de estacas com as pontas do ramo da Dama da Noite, essas estacas precisam ter ramos, folhas e raízes para que quando colocadas em local de cultivo e tenham condições de gerar uma nova espécie.

cachoeiraarcoiris

Crassula ovata
A  Crassula ovata é também conhecida popularmente como Árvore-da-amizade, Planta-da-sorte ou Planta-do-dinheiro.

É uma planta suculenta nativa da África do Sul, e é comum como uma planta de casa em todo o mundo.

Apresenta-se com ramos grossos e suaves, arredondadas folhas carnudas que crescem em pares opostos ao longo dos ramos, de um verde jade rico.

O crescimento do caule novo é da mesma cor e textura das folhas, mas torna-se marrom e lenhosa com a idade. Sob as condições corretas, eles podem produzir pequenas brancas ou rosa estrelas como flores no início da primavera. Presta-se facilmente para bonsai, dentro de casa.

O nome Crassula é o diminutivo do latim crassus que significa grosso ou gordura, referindo-se à natureza carnuda do gênero como um todo. O nome da espécie ovata significa em forma de ovo, referindo-se as folhas.

Há mais de 300 espécies de Crassula e, aproximadamente 150 são encontradas no sul da África, onde elas são comuns.

A planta é um dos maiores símbolos do Feng Shui, usada comumente em entradas de casas e nos jardins.

Apesar de ser uma planta originaria da África, ela se adaptou muito bem em tantas outras regiões inclusive aqui em nosso Brasil.

Crassula_ovata
Cuidados
- Como suculenta, a Crassula ovata requer rega normal quando o solo está seco no verão, e pouca rega no inverno. Muita água fará com que ela perca suas folhas (é fácil identificar rega excessiva pela aparência característica das folhas caídas) e, eventualmente, a haste irá apodrecer.

- Embora possa sobreviver à rega excessiva, o melhor é mantê-lo em um ciclo de 10-20 dias, no verão, e menos ainda (até um mês seco) no inverno. Deixando o solo seco entre as regas é essencial para uma planta saudável.

- Cresce em pleno sol, no entanto não tolera calor ou exposição excessiva ao sol direto,  mostrando os danos que vão desde folhas queimadas à perda de folhas e caules apodrecendo.

- A maioria das espécies comuns irá tolerar um grau limitado de geada, mas a exposição excessiva ao frio irá matá-las.

- A crassula ovata prefere solo bem drenado, e com bastante matéria orgânica misturada a pedriscos para aumentar а porosidade e criar as condições ideais para o crescimento satisfatório da planta.

- Caso ela tome bastante sol tem uma tendência de suas folhas, com o tempo, ficarem avermelhadas, dando uma coloração exótica a toda a planta.

crassulaovata
- Prefere solo bem drenado, e com bastante matéria orgânica misturada a pedriscos para aumentar a porosidade e criar as condições ideais para o crescimento satisfatório da sua planta.

- A questão das regas é bem parecida, por exemplo, dos cactos, no verão regue sempre que o solo estiver bem seco, uma vez ao mês, por exemplo, ou de 20 em 20 dias caso o clima esteja muito seco. E no inverno não regue, a planta do dinheiro tem uma enorme capacidade de armazenamento de água. Por isso fique tranquilo ela já fez sua reserva para passar todo o inverno;

- As crassula ovata tem uma facilidade de adaptação muito grande quanto a luminosidade (o que faz dela uma das prediletas por paisagistas para decorar interiores). Por isso você terá uma grande facilidade ao escolher o local onde sua planta irá permanecer. Caso elas tomem bastante sol tem uma tendência de suas folhas com o tempo ficarem avermelhadas, dando uma coloração exótica a toda a planta;

- As crassula ovata, devem ser podadas sempre na primavera, o que estimulará o seu desenvolvimento e o formato que a planta vai adquirir. Tenha em mente que a vida média de uma crassula ovata é de 30 anos, quando for escolher o vaso e o formato ideal para a poda. Lembre-se também que suas folhas são bastante pesadas, por isso mesmo a necessidade da poda anual, para não comprometer o caule com o peso excessivo das folhas e estimular o crescimento do caule para suportar o peso;

- É sensível à pragas como as cochonilhas que causam uma deformação que impede o crescimento da planta, para evitar esse tipo de praga o melhor é usar uma solução caseira de sabão em pó e água na proporção de ½ colher de sopa de sabão para cada litro de água. Faça isso uma vez por semana enquanto observar que o ataque não cessou de vez. Evite o máximo possível usar pesticidas, porque todas as suculentas são muito sensíveis a pesticidas, o que poderá inclusive vir a matar a planta;

- Quando bem cuidada a crassula ovata floresce uma vez ao ano, normalmente no inverno ou outono, principalmente se estive em um local assombreado.

Bem, com essas dicas de cuidados, você terá em sua casa, por longos anos sua Crassula ovata.

l_6d6d4de14ff84fab846e24508fd76035

flor-de-maio
A flor de maio pertence à família das Cactáceas, e sua origem é brasileira. E como todos os cactos, possuem reservas de água em seu caule e, assim, conseguem suportar curtas estiagens…

Trata-se de plantas resistentes, adaptadas ao clima tropical, e precisam receber a luz, direta do sol pela manhã ou, à tardinha, pelo menos umas 4 horas diariamente.

Propagação
A flor de maio poderá ser propagada por estaquia dos gomos (caule) ou, por sementes.

caule da flor-de-maio
Propagação por estaquia dos gomos (caule)
Retirar dois segmentos inteiros de gomos (caule). Os melhores segmentos são os das extremidades da planta.

Enterrar o segmento inferior de forma que o outro segmento fique perpendicular com relação ao nível do solo do vaso.

Caso necessário, poderá ser colocado um palito espetado ao solo, como tutor, para que o gomo superior fique em posição ereta.

O solo deverá ser mantido ligeiramente umedecido.

Substrato
Deve ser misturado de forma homogênea:
Terra de boa qualidade, fibra de coco e areia lavada na proporção de 2:2:1.

O substrato deverá apresentar textura leve, totalmente drenável. A areia entra na composição apenas para aumentar a drenagem de água.

A planta não tolera substrato denso encharcado e com pouca drenagem.

Regas
O substrato deverá ser mantido levemente úmido, sem encharcamento. – Nos períodos mais secos do ano, haverá a necessidade de aumentar o numero de regas.

Observar os gomos da planta.  Caso apresentarem-se murchos, enrugados, é sinal de desidratação, neste caso, deverá aumentar a frequência das regas, de forma que o substrato fique sempre levemente umedecido.

Obs.:
O método de propagação de mudas por estaquia de gomos, deverá ser realizado no início da primavera, quando as plantas estarão saindo do seu período de dormência vegetativa.

frutinho da flor-de-maio
Propagação por sementes
As sementes são aqueles pontinhos negros que aparecem dentro da substância gelatinosa dos frutinhos, geralmente na cor vermelho arroxeado, que aparecem nas bordas dos gomos (caule), após período de floração.

Para semear, os frutos deverão estar na fase final de maturação.

Preparar um vaso, tamanho médio, com substrato de fibras de coco, ou similar, enchendo-o até a sua metade.

Umedecer o substrato uniformemente.

Espremer os frutinhos maduros, sobre o substrato de coco, de forma que a substância gelatinosa, contendo as sementes, fique totalmente distribuída.

Umedecer levemente, com um borrifador manual, para que as sementes entrem em contato direto com o substrato.

Cobrir a superfície superior do vaso, com plástico transparente, formando uma pequena estufa. Isso irá manter a umidade e a temperatura um pouco mais estável.

Colocar o vaso em local com bastante iluminação, sem o contato direto com a luz solar.

Umedecer sempre que perceber que o substrato estiver seco.

Logo as sementes se transformarão em pontinhos verdes e começarão a se desenvolver.

- As plantinhas deverão ser transferidas para vasos individuais, quando perceber que terão condições suficientes para essa mudança de habitat.

Obs.:
A multiplicação de mudas por sementes trata-se de um método lento, muito demorado parta a obtenção de plantas adultas.  O método mais acelerado, geralmente utilizado para se obter resultados rápidos, é o da estaquia dos gomos (caule).

rosachuva

portulaca grandiflora 9
Trata-se de uma planta suculenta de vida anual originária da Argentina, Brasil, Uruguai.

Suas flores podem ser simples ou dobradas, em variadas cores e tons entre o branco, rosa, amarelo, vermelho, laranja, púrpura, etc.

São plantas totalmente adaptadas a climas: equatorial, tropical, subtropical e, deverá ser cultivada em pleno sol.

Sua floração ocorre nos meses mais quentes do ano.

As flores só se abrem quando o calor do sol começar a ficar mais forte, por volta das 11:00 horas, e permanecem abertas enquanto houver sol forte. À tarde, quando a luz do sol perder a sua intensidade, elas se fecharão novamente. É por esse motivo, deu a origem do seu nome popular.

A planta é de fácil cultivo, propaga-se por sementes e por estaquia de ramos.

Propagação por sementes
A melhor época para plantar as sementes é o início da estação chuvosa, (primavera). As sementes deverão ser semeadas em seus locais definitivos, (vasos, jardim, etc.).

O solo deverá ser afofado, e as sementes lançadas aleatoriamente, porém, bem distribuídas. Cobrir as sementes com uma fina camada de solo peneirado.

Regar sem provocar encharcamento, e manter o solo levemente umedecido. Em poucos dias as sementes germinarão.

portulaca-grandiflora1
Propagação por estaquia de ramos
Cortar ramos com mais ou menos 10,0 cm de comprimento, e enterrar até a metade no solo, diretamente em seu local definitivo. Num período de mais ou menos 15 dias, a estaca já estará enraizada emitindo brotos

Solo
Trata-se de uma planta rústica, tolerante a pequenas estiagens e a baixa fertilidade do solo. Mas para demonstrar toda sua beleza e exuberância floral, deverá ser cultivada em solo fértil, rico em matéria orgânica, e totalmente drenável.

Regas
O solo deve ser mantido ligeiramente umedecido com regas periódicas, sem provocar exageros.

A planta poderá ser cultivada em vasos, jardineiras, jardins, etc. Por tratar-se de uma planta suculenta, não suportará pisoteio.

flores321

Flor-de-maio
Assim como a Flor de Maio, a Flor de Outubro também é da família das cactáceas. Uma das diferenças, como o nome já diz, é a data em que costumam ocorrer as flores. Além disso, a forma das flores e folhas também é um pouco diferente.

São plantas muito resistentes, que gostam de luz, porém não gostam de pegar sol direto por mais que 4 horas por dia.
Se você gosta de cores fortes, um vaso com Flor de Outubro vai deixar a sua casa muito mais alegre!

Como fazer mudas de Flor de Outubro ou Flor de Maio
1 – Arranque uma folha destacando-a da folha debaixo.
Não corte a parte debaixo da folha. Segure-a e mexa de um lado para o outro para que ela se solte exatamente no ponto que se encaixa com a outra folha.

2 – Enterre a parte de baixo na terra e posicione-a de maneira que ela fique em pé.

3 – Regue pouco, sem encharcar o solo.
Se o local onde você mora for muito seco, observe as folhas. Se estiverem ficando enrrugadas, é sinal de desidratação, então aumente a frequência da rega.

Coloque uma leve camada de musgo seco sobre a terra para manter a terra protegida. Assim quando for regar, a força da água não faz buracos e a folha continua firme no mesmo local que foi plantada.

4-Regue uma vez por semana e tenha perseverança para cuidar da folha até nascer outra folhinha como na foto acima.

flor-de-outubro
Como cuidar da Flor-de-outubro ou da Flor-de-maio para que elas deem flores
1 – Mantenha-as em local arejado e bem iluminado. A falta de luz enfraquece muito estas plantas e se não receberem luz suficiente podem morrer. Porém não deixe-as pegar sol direto por mais que 4 horas, pois o sol direto pode queimar as folhas.

2 – Regue quando a terra estiver seca. Geralmente uma vez por semana, mas a frequência pode variar, dependendo da região que você mora. Em lugares com clima mais seco, aumente a frequência da rega.

3 – Mantenha a terra nutritiva, ou seja, adube a cada 2 meses. Pode adubar com esterco, com farinha de osso ou com adubos vendidos em casas de jardinagem, como o Green-Fix, por exemplo.

Seja sempre cauteloso com as adubações, pois adubo demais também mata qualquer planta. Então quando comprar adubo, leia as instruções e siga a quantidade descrita no rótulo. Se tiver dúvida, é melhor usar menos adubo do que usar em excesso.

Se for usar esterco, certifique-se que ele está bem curtido, ou seja, bem seco e antigo. Esterco fresco fermenta e pode matar a planta.

4 – Quando perceber que têm botões de flores, não deixe-as pegar sol direto, pois o sol desbota as flores.

janel15

cereus-jamacaru

O mandacaru é uma fruta de espinheiro que podemos comer. Seu nome vem do tupi e também pode ser chamada por outros nomes, que são: Jamacaru, Cacto-candelabro e Pytaia-arbórea.

O fruto da árvore chamada mandacaru é bem doce, ele faz parte da mesma família da pitaya, mas não é se trata de uma fruta plantada para fins comerciais no Brasil, o que acontece em Israel, por exemplo.

O mandacaru é nativo de várias tipologias de formações vegetais e normalmente, mas que o solo seja arenoso ou ainda, prefere locais com clima semiárido. Por isso, é muito fácil encontrá-lo nas seguintes regiões do Brasil: Centro Oeste, estados do Norte, Sul do Brasil e Sudeste.

Quando essa árvore se encontra em meio de uma mata fechada a sua altura pode chegar a 16 m. Do seu caule saem hastes ramificadas e ascendentes, que vão crescendo verticalmente, elas ficam umas paralelas às outras, além de vários cladódios, a medida, normalmente é de 40 cm, no mínimo, e pode chegar a 4 m de comprimento, enquanto o diâmetro fica entre 10 a 26 cm.

Quando jovens, os brotos são na cor verde azulada e possuem um tipo de lã cinzenta e possui ainda espinhos na cor marrom com a medida de 1 a 6,5 cm arredondados e ficam escondidos nessa espécie de lã.

A planta é coberta por um tipo de cera e se percebe o quanto cresceu observando as constrições, que se observa graças a juntas e os artículos. Em cada uma das hastes saem de 4 a 6 vértebras ou também chamadas de costelas, que podem ter altura entre 4 a 8 cm e a espessura entre 2 a 3,5  cm.

Nos troncos também é possível observar aréolas que chegam a medir 2,5 cm de diâmetro cada uma delas com espinhos com coloração marrom enegrecido.

As flores do mandacaru possuem forma de funil e aparecem na lateral da árvore e possuem o diâmetro que varia entre 10 a 20 cm.

Dicas de cultivo
O mandacaru exige pouco quando o assunto é clima para o seu cultivo, aliás, por esse motivo é considerado uma planta rústica. Um exemplo disso é que um mandacaru pode resistir a temperatura de 45ºC durante o verão do Nordeste, porém, suportaria 7ºC negativos em locais do Sul.

Outra característica que demonstra o quanto essa planta é forte é quando falamos de chuva, ela aceita índices baixo de 511 mm. Porém, na hora do cultivo é melhor evitar plantá-la em solos argilosos e também na beira de rios.

Falando das mudas do mandacaru ela pode ser cultivada através de pedaços de hastes. Para que isso seja possível é necessário cortá-las nas articulações. Depois, elas devem ser colocadas em um lugar arejado, na vertical, de modo que a base fique encostada na terra e sob semi-sombreado. Sendo assim, normalmente, as raízes começarão a aparecer 2 meses depois de feito o cultivo e é o momento de transplantá-la.

Quando recolhidas as sementes elas devem ser colocadas imediatamente em um substrato feito de metade de folhas secas moídas e a outra de areia. Conte que a germinação pode acontecer entre 25 a 45 dias. E quando germinadas as mudas podem chegar entre 8 a 10 meses a altura de 30 cm.

Plantando um Mandacaru
* Pode ser plantado em dois momentos: sob meia-sombra em reflorestamentos ou em pleno sol;

* Pode ser usado na decoração, neste caso, poderá ser plantado em fileiras pela beira da estrada (verificar o espaço entre cada uma das árvores de 3 x 3 m) ou em renques;

* Se for o caso de plantá-la em um pomar doméstico, verificar o espaço necessário de 4×4 m em cada uma das plantas;

* O mandacaru exige que as covas tenham uma preparação especial que se inicia 3 meses antes de plantá-lo. Ver tamanho: 40 cm de altura, profundidade e de largura, de terra são 20 cm para cobrir e a colocação de 5 quilos de composto orgânico, de preferência bem curtido e mais 100 gramas de fosfato de roxa, 500 gramas de calcário e 500 gramas de cinza;

* Depois do cultivo somente quando se formar copas é que deverá ser feita a poda. Nela, todos os ramos que nascem dentro da copa ou na base do caule deverão ser retirados;

* Sobre o adubo, faça uma coroa de 30 cm do caule e coloque dentro 30 gramas de nitrogênio ou ureia e 5 quilos de matéria orgânica;

* As frutas do mandacaru aparecem entre janeiro e março. Elas possuem uma casca avermelhada e lisa. Come-se a polpa cortando a fruta ao meio.

bird2

Epiphyllum-ackermannii1

Planta da família Cactácea, originária do México, regiões tropicais da América Central e do Sul

Quando em seu ambiente natural os raios do sol são filtrados pela copa da árvore onde está fixada. Está espécie não recebe o sol diretamente. Aquelas plantas que se desenvolvem sob a folhagem densa procuram a parte alta onde há mais luz disponível. Assim pode-se concluir que apesar de não gostarem de sol intenso, precisam de alta luminosidade. Ainda toleram o sol da manhã, mas é preciso evitar esta exposição nas horas mais quentes. Não se dão bem na sombra. Estudos indicam que quanto maior a luminosidade mais intenso serão as cores das flores.

São naturalmente epífitas, com flores grandes (10 -18 cm), muito lindas, de cor vermelha vibrante. Florescem na primavera e verão e, diferente da maioria dos cactus, as flores permanecem abertas por vários dias. Podem produzir pequenas sementes em frutos, que são globosos, nutritivos e de cor violácea.

Existem muitas hibridações, gerando plantas com flores de diversas tonalidades, algumas abrindo somente à noite com intenso perfume. Um cruzamento muito apreciado é o Epiphyllum pegasus, com uma coloração magenta no centro da planta, tão intensa que chega a ser fosforescente.

Possuem talos achatados, segmentados, suculentos, que parecem folhas. O correto é chamá-los de cladódios, que é definido como um gomo que dilatado parece uma folha.

Epiphyllum ackermannii7

As margens destes segmentos são onduladas, contendo locais com pequenos espinhos eretos, mas macios. Também são destas bordas que surgem os botões florais.

Não tem caules muito longos, inicialmente cilíndricos, tornam-se planos (às vezes triangulares nas espécies híbridas) ao afastarem-se da base. A planta vai crescendo recurvada, adicionando novos cladódios de forma pendente, como uma samambaia.

Toda esta estranha aparência tem um belo efeito decorativo. As raízes lançam novos caules a cada ano, em cujas pontas podem surgir raízes aéreas.

Estes cactos epífitos são silvestres, da mata, enraizando-se onde haja matéria orgânica disponível e boa umidade. Quer seja nas forquilhas das árvores ou fendas de rochas. Em nossas casas, podemos utilizar vasos plásticos (não precisam ser muito grandes, pois não tem muitas raízes). Janelas bem iluminadas são um bom local. Do lado de fora, apenas em locais sombreados não desenvolve.

O substrato deve ser rico em matéria orgânica, húmus, terra preta e areia de rio lavada, propiciando boa drenagem e aeração. Cascas também podem ser misturadas. Sobre o substrato colocar folhas em decomposição.

Apesar de ser um cacto, aprecia umidade. Mas não em excesso. Desta forma, devemos ficar atentos ao nível de umidade do solo, não permitindo que as raízes fiquem totalmente secas.

Epiphyllum-ackermannii

Então, a receita é irrigar com a frequência que mantenha o recipiente nem totalmente úmido nem completamente seco. Isto vai depender de cada região e se a planta estiver dentro ou fora de casa. Digamos, naqueles em ambientes cobertos, uma vez por semana. No inverno, a cada 10 dias.

Pode-se dizer que durante o período de crescimento o ideal são temperaturas mínimas diárias entre 16 e 24º C. Já durante o repouso vegetativo (outono/inverno), 16 a 18ºC. Não gosta de frio excessivo, não resistindo a geadas. Sofre abaixo de 10º C, mas há registros onde suporta temperaturas próximas de 0º C. Nestes locais muito frios o correto é transferir a planta para interiores no inverno, caso estejam ao relento. Temperaturas altas durante o verão propiciam florações de muito boa qualidade.

Na primavera e verão deve-se adubar a cada 2 semanas com uma fórmula de NPK 10-10-10 ou mesmo menor (5-5-5 /8-8-8). A quantidade de N pode ser menor. Faça uma diluição de ¼ de colher de sopa por litro de água. Prepare a solução em função do número de vasos que se tenha.

Molha-se o substrato até ficar bem umedecido. Húmus de minhoca (ou outro composto orgânico) também pode ser acrescido e misturado ao substrato com uma colher, no início da primavera.

Após a floração, a planta entra em período de repouso, sem necessidade de adubação. Como observação importante diria para não usar fórmulas onde o N seja superior ao P o K.

A forma mais comum é por estaquia. Também por sementes é possível, mas é mais demorado. O tamanho certo para uma estaca é por volta de 10-12 cm. Corta-se a base em forma de “V”.

Pode-se polvilhar canela em pó no corte para prevenir a entrada de fungos. Deixa-se secar as estacas em local sombreado e bem arejado por uns 7 dias. Isto impede o apodrecimento.

Após, em vaso com terra orgânica, enterra-se as estacas a uns 5-6 cm de profundidade. Manter a terra úmida, nunca encharcada ou seca demais. Os vasos devem estar em local iluminado mas sem receber luz direta do sol ( ou em sombrites de 50 a 70% de sombreamento).

Pode demorar de 3 a 6 semanas para enraizar. A melhor época para esta operação é a primavera ou verão, depois do florescimento. Não faça estacas logo após a floração pois a planta gastou muita energia no florescimento. Espere umas 3 semanas para fazer esta operação.

Depois, é preciso aguardar a planta atingir um certo crescimento vegetativo para colocá-la em local definitivo e começar com as adubações regulares.
As estacas de partes vegetativas mais novas da planta enraízam mais rapidamente do que as mais velhas, apesar que qualquer secção acabará enraizando.

Uma outra forma de fazer uma muda é utilizando cladódios que contenham raízes adventícias. São raízes aéreas e basta cortar a estaca com estas raízes e colocar na terra.

Epiphyllum ackermannii4

Pragas, doenças e outros problemas: Cochonilhas, fungos e bactérias são os piores vilões.
- As cochonilhas, quando o ataque não é tão intenso, podem ser catadas manualmente com um cotonete.. Em caso de infestações é preciso usar algum defensivo. Num primeiro momento, corta-se com uma tesoura as partes afetadas. Uma pulverização com água, detergente e álcool etílico é bastante eficiente.. Também pulverizar com óleo mineral mata estes insetos por asfixia.
- Dar as condições exigidas pela espécie é a melhor forma de protegê-la contra pragas e doenças. Plantas que apresentam a podridão negra precisam ser eliminadas.
- Manchas ou furos no caule geralmente são causados por mudanças bruscas de temperatura entre o dia e a noite. Só em ambientes controlados pode-se evitar esta adversidade.
- Excesso de sol causa aparência amarelada. Levando a planta para uma iluminação correta, tende a voltar à cor normal. Partes vegetativas que ficam murchas, amolecidas indicam pouca luz.
- Muita água causará um rápido apodrecimento das raízes.

Outras considerações:
- Cuidado para não perturbar a planta no período de florescimento, a não ser para molhá-la. Pessoas que lidam com Epiphyllum há anos dizem que a planta é sensível, desaconselhando mesmo tocar nas flores ou botões florais, para que não caiam. Assim como também mudar o vaso de lugar nestas ocasiões.
- A cada 2-3 anos é necessário trocar de vaso, quando renova-se o substrato. O ideal é fazer isto depois de umas 3 semanas após a floração.
- Para obter uma planta vigorosa e com muitas flores, faz-se uma poda de formação naqueles vasos onde as estacas plantadas começaram a se desenvolver.

Se as estacas forem apicais faça um corte retirando 4-5 gemas. Isto irá estimular a ramificação. Este corte precisa ser inclinado para que a seiva escorra e para que também não se acumule umidade, o que evita podridões e consequente perdas. A utilização de canela é recomendada.

É melhor fazer esta operação com o solo mais seco, havendo assim menor saída de seiva. As partes podadas podem gerar novas estacas, conforme procedimento já explanado anteriormente.

janel14

Selenicereus_anthonyanus
É uma planta epífita pertencente à família Cactaceae, originária do México, que em seu ambiente natural (florestas tropicais chuvosas) encontra-se pendurada nas árvores.

Possui ramos achatados com lóbulos intercalados, o que gerou alguns de seus nomes (zig-zag). São carnosos (atingem mais de 60 cm), possuindo espinhos muito pequenos e suaves.

Cientistas acreditam que o formato deste cacto deve-se a um processo de transição do deserto para a floresta. No novo ambiente, a umidade não era difícil de obter mas a luz solar era obstruída pela copa das árvores. Assim, o cacto desenvolveu um amplo e delgado caule que não armazenava tanta água, mas era muito eficiente na captação da luz solar. Talvez esta estrutura fina e fragmentada seja uma tentativa de novamente desenvolver as folhas que perderam em tempos muito distantes.

Os ramos lançam raízes adventícias, o que permite fixar-se nas árvores e avançar o mais alto possível para obter o máximo de luz.

As flores, que são uma atração à parte, são grandes, com cerca de 10-15 cm, pétalas de cor creme, sendo que as mais externas são vermelhas.

Sua particularidade é o horário de florescimento, abrindo ao entardecer e atingindo a plenitude durante toda a noite. Talvez esta hora do dia seja em função dos polinizadores (insetos noturnos e morcegos). Mas o sistema de polinização ainda não é completamente entendido pela ciência.

A flor é muito cheirosa, mas dura só uma noite. Já ao amanhecer estará fechada. É pouco conhecida pela maioria das pessoas, não só pelo seu hábito noturno e de curta duração, como também pela dificuldade de florescer se as condições onde estiver instalado não forem as mais próximas do habitat natural. No Brasil, a floração ocorre em novembro.

Selenicereus anthonyanus FLOR 3
É uma excelente planta para embelezar a paisagem. Pode ser plantado em cestas ou vasos desde que haja boa drenagem para evitar a umidade excessiva. Por ser pendente precisa ser pendurado. Como possui raízes aéreas que vão se agarrando e expandindo a planta, também pode ser plantada próximo a árvores, muros ou em recantos escarpados, com pedras. Neste caso, pode ser colocado diretamente no solo.

Gostam de substratos orgânicos. Uma mistura boa contém, em partes iguais, terra orgânica (pode ser turfa também), areia de rio lavada e húmus de minhoca. O fundo precisa ter drenagem com brita.

Prefere que o substrato fique seco entre uma rega e outra. Geralmente 1 vez por semana é o suficiente. No inverno pode ser mais espaçado. Em dias muito quentes pode-se pulverizar a água sobre a planta.

A temperatura ideal é entre 13º e 26º. Mas em locais protegidos pode suportar temperaturas abaixo de 10º.

É recomendado que seja adubada a cada 3 meses com 1 colher de sopa de um composto orgânico (torta de mamona + rochas moídas). Este adubo é rico em micronutrientes e de liberação lenta. Pode ser húmus de minhoca também, numa quantidade um pouco maior.

A adubação química (que é de liberação rápida) é a mesma que uso para orquídeas (20-20-20), da seguinte forma:
– primavera – 1,0 g/l
– verão – 2,0 g/l
– outono – 1,0 g/l
– inverno – 0,5g/l ou nem aduba

Sua propagação é feita através de sementes ou estacas. No caso das estacas, usa-se qualquer parte dos ramos, deixando secar até formar uma camada protetora no local do corte.

O substrato deve ser leve, formado de terra vegetal (ou turfa) misturado com areia. Ou até mesmo só areia.

Insira a ponta da estaca que formou uma película neste substrato (uns 3-5 cm), mantendo-o levemente úmido, sob luz filtrada. É importante que algum dos brotos fiquem abaixo da terra.

Após enraizamento podem ser transferidos para o recipiente definitivo. A época recomendada para esta operação é no outono. Já por sementes, faz-se necessário uma semeadura rápida, pois o poder germinativo logo perde-se. Melhores resultados são obtidos quando usamos pequenas estufas.

Pragas, doenças e outros problemas:
Cochonilha farinhenta e outras cochonilhas, pulgões, lesmas e caracóis são as pragas principais. As cochonilhas podem ser retiradas manualmente com um cotonete ou, se a infestação for grande, utilizando óleo mineral ou óleo de neem.

Quanto a doenças, esta espécie é sensível ao ataque de vários patógenos como fungos e bactérias. A bactéria Erwinia cacticida causa a podridão negra. Ambientes com excesso de umidade são propícios ao crescimento desta bactéria, que invade as células das raízes, consumindo-as até que não reste outra coisa senão uma massa preta, mole e úmida.

Fungos como os do gênero Phyllosticta (mancha nas folhas) podem surgir (e em outras cactáceas também) quando as condições adequadas para a planta não são oferecidas e pela lesões oriundas de ataque de insetos. São de difícil controle. O melhor é cortar as partes afetadas ou, em casos extremos, eliminar a planta.

lirios