Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




cravina001

Planta originária da Ásia – China, Coréia e Mongólia e pertencem à família Caryophyllaceae.

A Cravina é uma planta herbácea, anual, com 30 a 40 cm de altura. Ela possui flores solitárias, simples, de cores vermelhas, róseas, arroxeadas, brancas ou com mesclas de cores.

Sua principal característica são as pétalas largas com bordas serrilhadas, presentes nas suas flores, que geralmente surgem no verão. As mini-rosas são as plantas ideais para acompanhá-las nos jardins.

É muito utilizada em jardins, em maciços e bordaduras, criando um efeito campestre. Seu uso em ambientes internos é muito restrito, devido à necessidade de sol direto.

Dianthus_chinensis
Como cuidar
É uma planta fácil de cuidar e pode ser cultivada em jardins, vasos e jardineiras. Suas flores, além de serem muito bonitas, são geralmente perfumadas, e podem ser usadas como flores de corte. As flores da cravina geralmente têm uma agradável fragrância.

A cravina cresce bem em sol pleno em locais mais frios, e prefere locais com sombra à tarde em locais mais quentes. É uma planta que aprecia o frio da região sul, mas várias cultivares são tolerantes a altas temperaturas.

É ideal que o solo seja mantido sempre levemente úmido, mas é uma planta relativamente resistente a curtos períodos de seca.

Na realidade, a planta pode durar mais de 1 ano, mas devemos tratá-la como anual, renovando os canteiros todos os anos para que ela fique sempre bonita.

cravina004
Como reproduzir
Multiplica-se por sementes, que devem ser postas para germinar no período do outono-inverno, para florescerem nos meses de inverno e primavera.

A germinação deve ocorrer em torno de 7 dias. Transplante ao local definitivo de 18 a 25 dias após a germinação.

56 - 1

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


amor-agarradinho-antigonum-leptopus
Vamos encontrar todo tipo de planta na natureza e por mais que ela seja estranha, sempre vai ser amada por um determinado grupo. Existem aquelas pessoas que gostam mais de flores, de árvores frutíferas, de ervas, aquelas que só cultivam plantas com alguma função medicinal, entre outras diretrizes.

Há também aquelas que amam as trepadeiras, essas plantas que nascem de uma forma bem diferente das outras e que ajudam a deixar qualquer ambiente muito mais bonito.

Como sabendo que mesmo não sendo o maior destaque de uma planta, a maioria consegue brotar flores, separamos um grupo de trepadeiras floridas que podem ser cultivadas a vontade em seu jardim e deixar seus muros ou tutores ainda mais encantadores.

Mais abaixo existem alguns detalhes de uma forma geral sobre as trepadeiras floridas, como cultivá-las  e dicas importantes para tê-las em seu jardim.

O que são plantas trepadeiras?
Pela lógica a resposta será que trepadeiras são plantas que nascem sobre muros, treliças ou qualquer outro tipo de armação que conduza a um crescimento na vertical. Acontece que algumas plantas quando são bem tutoradas também consegue esse feito e não dessa espécie então toda trepadeira cresce na vertical, mas nem toda planta que você vai encontrar em muros, por exemplo, são trepadeiras.

Trepadeira colorida
As verdadeiras trepadeiras são plantas arbustivas e que devido a sua origem e condições da espécie precisam de suporte para alcançar mais luz do sol. É por isso que elas trepam-se sobre as mais variadas superfícies e se não existir um tutor correto, se tornam extremamente invasivas.

Existem diversas técnicas que as plantas trepadeiras utilizam para usarem as estruturas de apoio e essas técnicas acabaram por separarem as plantas em grupos.  Para entendermos melhor cada técnica e classificação desta, vamos tratá-las separadamente.

trepadeira-glicinia-azul-
Trepadeiras de raízes adventícias
Pode-se dizer que estas trepadeiras são as mais populares porque são aquelas que encontramos como revestimento de muros. As raízes desse tipo de trepadeira nascem a partir dos caules e com isso fixam-se mais facilmente no seu suporte. Com essa forma de raíz elas também absorvem mais água e os nutrientes que precisam para se manterem bonitas. Alguns exemplos de trepadeiras de raízes adventícias são: Hera, Unha de gato e Falsa vinha.

trombeta-chinesa
Trepadeiras com gavinhas
Esse tipo também recebe o nome de trepadeiras sarmentosas. Essas plantas podem ser compostas de floras ou de ramos que são modificados de um jeito que eles se agarram no suporte onde vão crescer e dessa forma se fixam nele.
Alguns exemplos de trepadeiras com gavinhas são: Maracujá, Amor-agarradinnho, Kiwi, Madressilva, Glicínia, Ervilha-de-cheiro e Clematites.

Trepadeiras com pequenas ventosas
Como o nome já indica, essa forma de cultivo faz com que a planta se fixe no suporte através de um sistema de pequenas ventosas que são formados nos caules das plantas. Esse sistema natural permite que a trepadeira aparente esteja colada ao suporte que lhe carrega. Um exemplo de trepadeira de pequenas ventosas é a Vinha-virgem.

Trepadeira de espinhos e acúleos
O nome dessa categoria também já diz muito sobre a planta. Essa espécie de trepadeira possui pequenos prolongamentos com pontas que podemos considerar como espinhos. Estes “espinhos” ficam por todo o caule da planta sendo também a forma como elas se fixam ao suporte. Eles também fazem o papel de proteção da espécie. Um conhecido tipo de trepadeira com espinho são as Roseiras.

Roseiras volúveis
São aquelas trepadeiras que se enrolam em seu suporte durante a fase de crescimento. Não existe limite para que isso aconteça e elas conseguem suporte até em um simples fio de nylon, mas são preferencialmente cultivadas em colunas.

Alguns exemplos de trepadeiras volúveis são: a Tumbérgia-azul, a Madressilva e a Sapatinho-de-judia.

roseira arbustiva
Arbustos conduzidos como trepadeiras
No primeiro tópico do texto foi falado sobre as plantas floridas que podem ser tutoradas como trepadeiras. Para que você faça esse processo em seu jardim, é necessário que a flor tenha caules bem lenhosos e muito compridos para buscar apoio no suporte.

Alguns exemplos de flores que podem ser usadas nesse caso são: a Tecoma, a Tumbérgia, a Alamanda e a Rincospermum.

Poda de trepadeiras floridas
Claro que para ter um jardim bonito você precisa realizar algumas podas com frequência. Dependendo a trepadeira que você escolher, a quantidade de podas pode ser bem pouca e você vai precisar apenas realizar pequenos aparos para tutorar o crescimento da sua planta. Qualquer trepadeira florida deve ser podada sempre antes da floração para que elas suportem o peso de suas flores e também para que a poda estimule o aparecimento de mais botões na época certa.

Cultivo de trepadeiras floridas
Se a sua trepadeira for cultivada a partir do solo, observe bem se ele está com condições adequadas para receber a espécie. O solo deve ter uma boa capacidade de drenagem, deve ser fertilizado antes da plantação e periodicamente após esse processo e ter uma estrutura solta. Este último detalhe pode ser obtido descompactando-o e acrescentando sempre doses extras de matéria orgânica, pois esse composto ajuda a melhorar a estrutura do seu solo. O adubo também deve ser acrescido nesse processo e isso deve ser feito todos os anos sempre no início da primavera e do verão.

maracujazeiro
Uma dica muito importante sobre o cultivo de qualquer trepadeira, é que ela deve ficar em locais com uma quantidade considerável de vento. Quando eles sopram com mais frequência, faz com que a planta se acomode ainda mais no suporte e fiquem mais agarradas a eles.

Evite apenas ventanias muito fortes para não danificar a sua planta.

Se o cultivo das suas trepadeiras floridas for feita em muros, é indispensável que você sempre deixe um espaço para que a raiz da planta se desenvolva. Isso deve ser atentado principalmente em arbustos sob tutoramento. A distância entre 30 e 40 cm é a ideal para qualquer trepadeira florida.

Todas as espécies que citamos aqui no texto como exemplo, são trepadeiras que dão lindas flores e com condições individuais de cultivo. Agora é só escolher aquela que mais se adapta ao seu ambiente e começar a cultivar hoje mesmo.

BARCOay11111

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Zamioculca (Zamioculcas zamiifolia)
Plantas para ambientes internos são as que suportam bem as condições artificiais de cultivo, isto é, luz, água, umidade do ar, em ambientes internos: dentro de casa, escritório, loja, etc. vemos proporcionar condições ambientais às encontradas por elas na natureza.

Importância das plantas
As plantas desempenham uma importante missão no restabelecimento do equilíbrio ecológico do ar que respiramos, pela ligação com a natureza no interior de espaços fechados, sendo ainda um elemento decorativo, que transmite alegria e bem-estar, além de ser um grande passatempo.

Estudos científicos mostram que, através das plantas, é possível reduzir a poluição do ar em ambientes internos cerca de 80%, em poucas horas, sobretudo quanto a formaldeído, tricloroetileno e o benzeno, e também ajudam a balancear a umidade do ar.

Hoje, o estudo destas plantas é de fundamental importância, pois, com o crescimento das cidades, as áreas verdes perdem para as redes de eletricidade, esgoto, água e para cimento e asfalto.  Isso tem provocado carência de contato humano com as plantas e a terra. Poucas pessoas têm o privilégio de possuir uma área externa para o plantio, pois moram em apartamentos ou casas sem jardim. A única solução é o cultivo de plantas em vasos, jardineiras ou jardins sobre laje interno.

begônia rex
Condições ambientais
Para fazer vingar as plantas em ambientes internos, é necessário recriar o mais fielmente possível as suas condições de vida naturais.
Há vários fatores que podem limitar a sua adaptabilidade ao novo meio em se inserem, embora existam plantas que se adaptam melhor a situações adversas.

Não podemos esquecer que, quando levamos plantas para ambientes internos, elas estarão em desvantagem quanto a:
* Luminosidade: geralmente a luz é insuficiente para a maioria delas. Muitas vezes, as áreas mais iluminadas são as que ficam perto das janelas e das vidraças;
* Espaço: é limitado para o desenvolvimento das raízes (plantas confinadas em vasos, jardineiras):
* Umidade do ar: o ambiente em atmosfera mais seca.
Por outro lado, as plantas ficam ao abrigo de ventos, das chuvas fortes, bem como das secas prolongadas e da variação térmica.
Deste modo, a seleção da planta para um determinado local deve levar em conta as seguintes condições ambientais, substrato, luz, água, umidade do ar, temperatura e correntes de ar.

Substrato
É o meio usado para vasos, jardineiras e canteiros interiores em que as plantas desenvolvem suas raízes.
É preparado a partir de misturas adequadas de materiais como: terra rica em húmus de minhoca (sem erva invasora); areia lavada de rio; composto orgânico.

Geralmente, não se usa terra comum de jardim  para cultivar plantas em vasos e, sim uma mistura adequada à espécie escolhida.

avenca - Adianthum raddianum
Características que o substrato deve apresentar:
* Porosidade:
é obtida com a adição de areia. Isto é importante para que a água não se acumule e o substrato não fique muito compactado. Permite, afinal, melhor circulação de ar e água no sistema radicular.
* Permeabilidade: fundamental para penetração da água e ar. A areia e o composto orgânico podem proporcionar esta característica. Boa drenagem.
* Retenção de água: o substrato deve reter água, ou seja, manter um nível ideal de umidade, pois as plantas não têm contato como lençol freático quando estão em vasos.
* Retenção de nutrientes: por estar em ambiente, a planta necessita de muito mais  nutrientes para manter boas condições vegetativas e fitossanitárias, razão pela qual é importante a incorporação de composto orgânico e adubos minerais.

Luz
A iluminação adequada varia de uma planta para outra de acordo com as características de cada espécie.
A luz é um dos fatores mais importantes para a saúde das plantas. Ela atua no pigmento verde chamado clorofila, que dá cor às folhas. Este pigmento, sob a ação da luz, possibilita a combinação da água (retirada do solo pelas raízes) mais gás carbônico (retirado da atmosfera pelas folhas durante o dia).
Nesse processo, as folhas liberam oxigênio e vapor de água, produzindo açúcares que irão proporcionar à planta a energia para seus processos vitais.

Se garantirmos luz suficiente, a nossa planta estará sempre bonita e viçosa, caso contrário, o processo de fotossíntese tende a ser interrompido e a planta, para refazer suas energias, consumirá, até morrer, seus estoques de açúcares, armazenados em seu caule, independentemente da quantidade de água ou adubo que lhe seja dada.

A luz natural compõe-se de um amplo espectro de raios coloridos que abrangem o violeta, o índigo, o azul, o verde, o amarelo, o laranja e o vermelho. Todas as cores misturadas produzem o que se chama de luz branca.

Em teoria, pode-se cultivar qualquer vegetal com luz artificial, porém devem-se verificar as necessidades diárias de cada gênero, a fim de que as plantas tenham tanta luminosidade quanta receberiam em condições normais. Para imitar a luminosidade e os efeitos benéficos dos raios solares, a iluminação artificial precisa produzir o equilíbrio dos diferentes raios de luz de maneira correta. Caso contrário, as plantas definham ou enfraquecem e apresentam crescimento estiolado.

Por isso, não se mostre conveniente cultivar espécies que exigem longas horas de luz solar direta, uma vez que o equipamento requerido se revela dispendioso. É bom evitar, por exemplo, cactáceas e outras suculentas, floríferas e folhagens variegadas para esse local.

Dracena goddeffiana
Podemos considerar plantas para ambientes internos aquelas que se adaptam à meia sombra e à sombra.
* Plantas de meia-sombra precisam de boa quantidade de luz, mas sem sol direto.
Por exemplo: Samambaias (Nephrolepis cordifolia); Begônias, como por ex.: (Begonia rex); Dracenas, como por ex.: Dracena-confeti (Dracena goddeffiana), Avenca (Adianthum raddianum); Maria-sem-vergonha (Impatien walleriana); Gloxínias (Sinningia speciosa); Curculigo (Curguligo capitulata.

* Plantas de sombra: são mais tolerantes à deficiência de luz.
Por exemplo: Cheflera (Schefflera actinophylla); Filodendro-veludo (Philodendron andreanum); Lírio-da-paz (Spathiphyllum wallisi).

Água
A água é um fator muito importante para o desenvolvimento, porém na quantidade certa. É bom termos em mente que a planta pode definhar por falta de água e também por excesso. Como sabemos, então, com que frequência regar uma planta?
Depende do seu habitat natural, isto é, se na região onde a espécie é nativa chove todo o final de tarde, ou só na época do verão ou com outra variação qualquer.
Se imitarmos o regime de água do habitat natural da planta, estaremos regando do melhor modo.

Nota: Por habitat natural de uma espécie vegetal entende-se a região onde tal espécie se adaptou, desenvolveu e multiplicou de forma estável.  Esta região apresenta características de solo, sombreamento, insolação, umidade atmosférica, regime de chuvas, etc.

Como em ambientes artificiais não existem chuvas e lençol freático, nós temos que compensar esta carência através das regas, em quantidade e frequência de conformidade com:
- Espécies das plantas
- Temperatura dos dias
- Material dos vasos.

Espécies das plantas
* Que necessitam de substrato mantido úmido: samambaias, avencas, filodendros, lírio-da-paz, etc.;
* Que devem ser regadas, quando a camada superficial do substrato estiver seca: violeta-africana, árvore-da-felicidade, areca-bambu, etc.;
* Que exigem regas espaçadas: dedinho-de-moça; peperômia, kalanchoe; flor-de-maio; flor-de-outubro; etc.;
* Que requerem pouquíssimas regas: cactos.

Temperatura dos dias
Períodos frios: diminuição das regas
Períodos quentes: aumentam-se as regas.

file

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Diphylleia grayi3

Gênero botânico pertencente à família Berberidaceae, essa bela espécie de flor branca fica transparente quando entra em contato com a água.

Originária de regiões frias do Japão e China, a Diphylleia grayi é uma espécie de flor branca que fica transparente quando entra em contato com as gotas de orvalho ou de chuva. A espécie pode crescer até uma altura de 40 cm e costuma desabrochar em meados da primavera e início do verão.

O fenômeno “mágico” se dá porque as pequenas pétalas, quando recebem água, lentamente perdem sua pigmentação branca, ficando completamente transparentes. Assim que a água evapora e a flor seca, ela retorna à cor branca perolada original.

Devido a este fenômeno incrível, a flor é comumente conhecida como Flor-esqueleto ou Flor pétala-de-vidro.

Diphylleia grayi

A planta cresce, geralmente, em úmidas montanhas arborizadas nas regiões mais frias do Japão e da China. É facilmente identificada por ter folhas grandes, em forma de guarda-chuva, que são cobertas com pequenos cachos de flores brancas peroladas.

Enquanto a planta é perene, e as flores desabrocham a partir de meados da primavera e início do verão, em condições de sombra.

Diphylleia grayi3

Quando as pétalas destas flores são embebidas em água, elas lentamente começam a perder a pigmentação branca, ficando completamente transparentes ao longo do tempo. Quando secam, elas retornam à sua versão branca original.

rosa-branca

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Lophantera lactescens11
Também conhecida como lofantera a chuva-de-ouro é uma árvore considerada ornamental decídua, de uma bela floração, esta que é composta de belos cachos pendentes com uma floração dourada.

Possui um porte médio de crescimento, atingindo em torno de 5 a 10 m de altura. Possui um tronco bastante elegante, apesar de ser um pouco tortuoso, podendo ser de característica simples ou múltipla, conta com uma casca cinza esverdeada.

É importante salientar que a sua copa é arredondada, contando com um tamanho de mais ou menos 4 m de diâmetro. Normalmente a planta possui uma copa em formato cônico ou ainda piramidal. Seus ramos possuem uma coloração em tons azuis claros, estriados e pequenos calos avermelhados.

Características da chuva-de-ouro
A planta conta com uma série de cicatrizes foliares que são bastante aparentes, e as folhas deverão aparecer em coloração verde escura, glabras, simples e ainda com nervuras bem marcadas.

As suas flores são amarelas, e se reúnem em inflorescências pendulares. Seus frutos surgem como tipos de cápsulas e tem uma floração que acontece do mês de março a agosto.

Esta planta possui uma grande utilização paisagística, e conta sempre com uma aparência espetacular quando está florida. A planta ainda apresenta um crescimento bastante moderado sendo bastante adequada para a realização do plantio isolado ou também em grupos, procurando assim embelezar tanto parques como jardins, fazendo parte ainda de suas áreas degradadas, e ainda principalmente se estiverem próximas aos rios e também lagos.

A sua madeira possui uma coloração de mediana a escura, além de alaranjada e compacta, comumente utilizada para construção civil, além de marcenaria e ainda carpintaria.

Lophantera lactescens
Este tipo de planta deve ser cultivado em sol pleno, fértil, úmido além de enriquecido com matéria orgânica. É uma planta considerada tipicamente tropical e ainda não se desenvolve bem nos climas mais frios, se multiplica através de sementes.

A chuva-de-ouro sendo plantada de forma isolada ou também em pequenos grupos é um centro da atenção no seu jardim, durante toda a sua floração.

Além disto, no resto do ano a planta não fica para trás, já que oferece uma boa sombra fresca apesar de não ser muito densa. É uma planta que inclusive pode ser cultivada nas calçadas já que não tem raízes consideradas agressivas.

Como cultivar
Esta é uma planta que precisa ser cultivada através de sol pleno, além de solo fértil, que seja enriquecido de matéria orgânica e seja irrigado de forma regular.

A chuva de ouro também se adapta bastante em climas considerados subtropicais e tropicais de montanha. Assim que ela estiver com a sua plantação bem estabelecida este tipo de planta tem uma grande capacidade de tolerar grandes períodos de estiagem.

Este tipo de plantação se multiplica através das sementes, estas que precisam passar por um processo de quebra de dormência para que exista uma melhor germinação.

Este processo pode ser feito através de uma extração física das sementes ou ainda um processo de imersão em uma solução de ácido sulfúrico por no máximo 20 min.

Com este processo serão disponíveis sementes para plantar, e elas então deverão ser deixadas de molho na água por algumas horas ou de um dia para o outro antes de ser realizado este plantio.

Lophantera lactescens123
Decorando com a chuva-de-ouro
A chuva-de-ouro é uma planta bastante simples e também muito delicada. Suas pequenas flores de coloração amarela deverão servir principalmente de complemento para decorar buquês, utilizar em decorações, ou ainda ser utilizada em buquês de noiva. A sua beleza é bastante exposta.

Uma dica interessante é que esta planta se adequa muito melhor nos vasos que possuem uma boca estreita, devido aos formatos de seu caule. Precisa de umidade, por isso pode ficar em vasos de planta com terra para planagem e arranjos que durará por muito tempo.

Por ser uma planta que chama muito a atenção, até hoje ela possui destaque no mercado de floricultura e também de chás, a chuva-de-ouro – Lophantera lactescens -, pode ser encontrada já em floração, em brotos ou até mesmo em sementes para plantação, assim que cultivada ela irá germinar facilmente, pois se adapta ao terreno desde que não seja ácido, e com isto dentro de no máximo um ano aparecerão as bonitas flores coloridas no jardim.

Lago-com-chuva

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


A montagem adequada de um vaso permite aliar praticidade e bom gosto. O modelo e o tamanho devem ser compatíveis com a planta.

É imprescindível que exista um orifício para escoamento da água. Sem ele, o substrato fica encharcado, contribuindo para o apodrecimento das raízes.

Passo-a-passo vaso
Observe as imagens de 01 a 06 e acompanhe:
01. Para haver boa drenagem, depositar uma camada de argila expandida (ou cacos de telha/vaso ou pedriscos) no fundo do vaso. Evitar a obstrução do orifício do recipiente. A argila expandida é um agregado leve, de dimensões variáveis, que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica, com estrutura interna semelhante a uma esponja e externa formada por uma casca rígida e resistente;

02. Coloque uma camada, aproximadamente 1/3 do vaso, de argila expandida, ou pedras, ou cacos de telhas para cobrir o fundo do vaso e ajudar na drenagem. Isso evita que a terra escape pelos furos;

3. Adicione areia grossa (de construção mesmo), que também ajuda no escoamento da água e previne doenças nas raízes. Se você quiser outro tipo de drenagem, coloque em seguida um pedaço de manta de “bidim” que faz o papel de filtro.

04. Coloque uma camada de composto orgânico misturado com húmus de minhoca ou esterco de vaca para melhorar a fertilidade do solo. Se preferir, utilize substrato pronto vendido em gardens centers. No caso de ervas e temperos, coloque um pouco de areia no substrato, para ficar mais arenoso. Desembalar o torrão da muda com cuidado pata mantê-lo intacto. Assentá-lo na camada de substrato e, caso necessário, acrescentar ou retirar um pouco desse substrato;

05. Coloque a muda, mantendo a terra que vem ao redor das raízes, o torrão. Disponha no vaso e distribua mais composto orgânico ou substrato. Preencha todos os espaços. Deixe bem firme e encha quase até a borda;

06. Regue até a água sair pelos furos de drenagem, se a terra assentar, adicione mais composto orgânico ou substrato. Faça uma cobertura morta com folhas secas ou casca de pinus ou pedriscos. Isso ajuda a manter a umidade e evita a compactação do solo.

Tipos de regas
* No substrato: quando as folhas forem pilosas.
* No pratinho: coloca-se água e após 15 minutos aproximadamente, deve-se retirar o excesso.
* Na pulverização das folhas: limpa-se a planta, além de se fornecer água.

Agora é só acompanhar o crescimento da sua planta. Quando você perceber que ela está ficando apertada no vaso, é hora de fazer o replante para um vaso maior. O procedimento é o mesmo, tomando sempre o cuidado que não quebrar o torrão no momento do transplante.

janela222

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Wedelia

A flora do Brasil é extremamente extensa. Se formos parar para analisar todas as plantas e todas as flores naturalmente brasileiras, vamos ter uma lista imensa e encantadora, porque nossas plantas são sempre muito bonitas e curiosas. Conhecer cada uma delas é uma aventura muito prazerosa e muitas vezes, são essas plantas que nos fazem apaixonar pela jardinagem e começar a cultivar flores.

Aqui vai ser descrito um bom exemplo de planta brasileira, a vedélia. Essa linda flor é bem familiar em muitos jardins ao redor do mundo inteiro e caso queira plantá-la em casa, verá que é muito fácil.

A vedélia é uma planta que pertence à família Asteraceae e tem sua origem reconhecida para a América do Sul, com maior incidência aqui no Brasil. Essa planta, dependendo do local onde é cultivada vai receber outros nomes como picão-da-praia e mal-me-quer.

Categorizada como flores perenes e plantas de forração, a vedélia vai crescer no máximo 30 cm de altura se for cultivada sob as condições ideais de solo, umidade e clima como o equatorial, oceânico, subtropical e tropical, exatamente os climas típicos do nosso país. Com essas qualificações, sempre terá flores lindas no jardim, já que a vedélia possui um ciclo de vida perene, o que significa que ela floresce durante todo o ano.

Muita gente com certeza confunde a vedélia com a margarida, pois a aparência das duas flores é muito igual. É uma planta típica de litoral muito rústica e vistosa. A sua ramagem é bem rasteira e com muitos ramos. As folhas são trilobadas e sempre na cor verde, em tonalidade mais escura. As flores sempre amarelas e com formação bem semelhante à das margaridas, e também florescem de forma solitária, mas em muitos capítulos.

Na maioria das vezes a vedélia é encontrada como forração de taludes e barrancos devido as suas ramagens ser bem densa. Além de forração ela também é muito utilizada para ornamentar canteiros tanto diretamente em vasos ou jardineiras.

Sphagneticola_trilobata10
Cultivo da vedélia
Essa planta pode ser cultivada tanto em locais com sol com à meia sombra, desde que estes estejam devidamente preparados. A adubação deve ser orgânica e é feita com adubo animal de curral do tipo bem curtido. Deve-se usar 1 quilo desse adubo para cada metro quadrado de plantação da sua vedélia. O solo deve ser mantido bem incorporado nesse adubo para que a flor germine perfeitamente e cresça bonita.

Procure não se esquecer de nivelar todo o canteiro antes de começar o seu plantio. Isso vai ajudar a planta crescer toda igual, é uma ação muito eficiente principalmente se for usar a vedélia para forrações.

Forma de plantio
A vedélia se multiplica através de divisão da planta com a preservação da estrutura das mudas. Quando forem adquiridas as mudas dessa flor, antes de plantá-las retire a embalagem com cuidado para não desestruturar a planta germinada. Em seguida abra uma cova exatamente do tamanho desse torrão e coloque a muda.

Aconchegue bem a planta e cerque com a areia já tratada apertando bem para fixar a terra e mais ainda a muda. Se for observado, as covas onde for plantada a vedélia podem apresentar-se em diversos tamanhos, isso acontece porque as mudas podem se desenvolver mais ou menos, por isso é importante que seja cavado individualmente, o local onde vai ser cultivada a muda.

Para a vedélia ter uma floração maior e a qualidade de folhas apresentar-se superior, deve ser usado um fertilizando mineral do tipo NPK com formulação de 04-14-08.

vedélia1
Após plantar a vedélia como indicado mais acima, regue bem e mantenha a regularidade nas regas, pois a vedélia gosta de ambientes mais unidos. Atente-se somente para a ação de fungos e bactérias que são bem propensos de aparecer em plantas que gostam de ambiente mais molhado. O espaçamento ideal entre as regas é de 10 dias.

É indispensável também que seja feito um controle das plantas, pois sem a poda temporária, ela pode tornar-se invasiva. Como citado mais acima, a vedélia é típica de regiões litorâneas então evite cultivá-la em regiões mais frias porque ela não reage muito bem a geadas.

Pragas e Doenças
A vedélia não é uma planta que fica doente com muita facilidade. Na verdade a maioria das plantas rústicas dificilmente é atingida por problemas comuns em plantas, isso acontece porque esse tipo de planta já possui uma resistência além do natural e por isso fica mais fácil de resistir à qualquer problema.

Mesmo sendo potencialmente uma espécie de planta que dificilmente adquire doenças, é importante verificar temporariamente para se certificar de que a planta está completamente saudável e manter o local de plantio sempre limpo.

Wedelia
Um dos problemas que afeta a vedélia é a ferrugem da planta. Esse caso acontece mais se ela for cultivada em regiões mais frias.  Existem diversas formas de ferrugem que ataca as plantas e consequentemente o seu fungo também vai ser diferente.

Para ajudar a combater essa praga, deve-se usar sempre fungicida e se não sabe o ideal, o ideal é coletar uma amostra da planta infectada e levar em uma loja de jardinagem mais próximo, para que informações corretas sejam indicadas sobre o melhor remédio para tratar desse problema. Evite utilizar qualquer tipo de componente químico e opte sempre por remédios de composição natural, isso porque evita que outras plantas sofram agressões e apareçam com problemas também.

Existe uma ótima receita de fungicida caseiro que pode facilmente ser feito e usar na vedélia contaminada. É preciso: sulfato de cobre, um pouco de cal hidratada ou cal virgem e água, misture tudo e borrife nas plantas afetadas. O nome desse fungicida é calda bordalesa e pode também pode ser adquirido em algumas lojas de jardinagem.

rosachuva

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


garden

Jardinagem em vasos é uma excelente opção para quem gosta de plantas e não tem espaço para poder cultivá-las e o mais importante é que se pode colocar as flores e plantas no lugar que desejar. Existem milhares de espécies de plantas que podem se adequar em qualquer lugar, o mais importante é que elas estejam em um solo tratado de acordo com a necessidade de cada uma delas.

Cultivar plantas em vasos proporciona para quem mexe com as plantas uma sensação de bem estar de prazer e é considerada uma excelente maneira de aliviar o stress e a tensão.

A jardinagem em vasos também pode ser a solução ideal para pessoas com limitações físicas que as impedem de trabalhar no nível do solo. Pode também ser a resposta para os que contam apenas com solos problemáticos. Para qualquer um, o cultivo de plantas anuais em vasos pode oferecer uma dimensão extra do prazer de jardinagem, tanto em áreas externas no verão e internamente no inverno.

A forma do vaso não é só uma questão estética, pois também tem influência na capacidade de retenção de água do substrato. Quanto mais alto e de maior diâmetro for o vaso, maior será esta retenção, se comparada com a dos vasos mais baixos e largos. Uma planta de maior porte deve ser cultivada em vaso grande, para que as raízes, que são proporcionais ao seu tamanho, possam crescer livremente.

As necessidades de cada espécie terão influência na escolha do tipo de material, do formato e das dimensões do vaso. Eles são encontrados em grande variedade no mercado.

vasos de barro
Material dos vasos
* Vasos de barro (cerâmica):
São os mais tradicionais e acessíveis que existem, sendo encontrados com mais frequência. Facilitam as trocas de umidade e aeração com o ambiente, evitando o encharcamento. Por causa da sua porosidade, necessitam ser regados mais vezes. Ao serem usados pela primeira vez, devem ser mergulhados em água por 24 horas; isto evita que absorvam em demasia a umidade do substrato. Quebram com facilidade.

vaso de plástico

* Vasos de plástico: São leves, de fácil manuseio, menor custo, maior resistência à quebra e maior durabilidade, além de mais fáceis de limpar. Retém melhor a água, permitindo um aumento do período entre as regas. Por serem muito leves, podem tombar com plantas de maior porte. Existe o perigo de excesso de água no substrato (encharcamento), se as regas forem muito frequentes. Há diversas formas e cores.

vaso de cimento
* Vasos de cimento-amianto: São preferidos quando se tornam necessários recipientes grandes e/ou floreiras, mais comuns em áreas externas ou recintos amplos. Tais vasos apresentam alta resistência ao frio e ao calor, evitando mudanças bruscas na temperatura do substrato. Possuem, além disso, baixa capacidade de retenção de água, prevenindo o encharcamento. Deve-se isolar a superfície interna do vaso com um neutralizante líquido, para evitar danos às raízes que entram em contato com as paredes. Hoje, o uso de quaisquer recipientes de cimento-amianto está sendo abandonado devido aos problemas de saúde que podem ser causados pelo amianto.

vasos de fibra de coco
* Vasos de fibras de coco:
De vários formatos e tamanhos, estão sendo usados para substituir os de xaxim. Feitos apenas com cascas de coco entrelaçados e amarradas, não seguram tanto a umidade como os de xaxim.

vasos de madeira
* Recipientes de madeira: São utilizados em geral por motivos estéticos, como cachepôs, quando usados para plantio, a madeira deve receber uma boa impermeabilização, caso contrário deteriora-se rapidamente, o que, além de diminuir a vida útil do recipiente, pode alterar as condições físicas e químicas do substrato.

vasos-acrílico-jpg
* Vasos de acrílico: Nenhuma porosidade. Exige maior precisão na rega. Se optar por vasos suspensos, não os coloque em áreas de circulação. É inconveniente para a planta e pode causar acidentes. Use buchas plásticas e correntes fortes.

janel354

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Elaeagnus pungens

O oleagno é uma espécie vegetal que pertence à família Elaeagnaceae, que se caracteriza por ser uma planta angiospérmica, aquela planta que possui flores em sua composição. Trata-se de uma árvore de pequeno porte ou arbusto nativo das regiões que apresentam clima temperado.

Entre os outros nomes populares pelos quais a espécie é conhecida estão as seguintes denominações: Eleagno, Oleastro e Oliveira-ornamental.

A família Elaeagnaceae agrupa em torno de 50 espécies diferentes de plantas, que de uma forma geral, são espinhosas e possuem folhas simples e cobertas por pequenas escamas ou pelos.

A maioria das plantas que pertencem a esta família são xerófitas, isto é, plantas que não precisam de muita água para sobreviver, no entanto existem algumas espécies que são halófitas, que são plantas terrestres, que estão aptas a viverem no mar ou próximo deste e são tolerantes a salinidade.

O oleagno é uma planta nativa do continente Asiático, mais precisamente da China e do Japão que foram os primeiros lugares onde foram identificadas a sua presença.

Devido a sua grande beleza esta planta é bastante utilizada com fins ornamentais.

flores elaeagnus-pungens
Características do oleagno
O oleagno se caracteriza por ser um arbusto lenhoso, ereto, perenifólio (as folhas velhas não caem antes das folhas novas se desenvolverem, isto é, a planta sempre se conserva com folhas) e com muitos ramos. Além disso, o pequeno arbusto é uma planta que possui ciclo de vida perene, isto é, possui um ciclo de vida longo, superior a dois anos.

Uma planta do tipo arbusto é uma planta que se ramifica junto ao solo e possuem um porte pequeno quando comparado às árvores, os arbustos precisam de um espaço grande para se desenvolver bem.

O oleagno atinge uma altura média de 1,20 m a 2,40 m, porém já foram encontradas plantas com até 4,0 m de altura.

Os ramos do vegetal são muito lenhosos, mas quando jovens possuem grande flexibilidade, o que facilita a condução dos ramos e a utilização do oleagno como cerca viva.

As folhas do vegetal são de formato ovalado e são cerosas, possuem uma coloração verde oliva em sua parte superior e na parte inferior elas apresentam uma coloração prateada. As margens da folha são irregulares e suas escamas são amarronzadas.

O oleagno normalmente floresce no verão, e as flores desta planta possuem o formato de um sino pequeno. Elas possuem uma cor rosada tendendo a branco-creme. As flores são axilares (se formam nas axilas das folhas), são bastante perfumadas e muito discretas, pois elas ficam escondidas e camufladas em meio a ramagem.

Esta é uma planta que de uma maneira geral tem o seu florescimento no outono. Ela produz frutos, de tamanho pequeno, e que possuem uma coloração marrom-avermelhada, e possuem uma superfície prateada.

Os frutos do arbusto são comestíveis, no entanto o seu sabor não é dos mais apreciados, por não ser muito saboroso. No entanto, os frutos do oleagno, são atrativos para os pássaros e aves, servindo como alimento para estes. Outra característica do vegetal é que ela possui espinhos esparsos.

Existem várias espécies de oleagno, no entanto as que são mais conhecidas e cultivadas são as variedades que possuem as folhas com as margens ou o centro de coloração amarelada ou creme.

Elaeagnus pungens1
Cultivo do oleagno
Esta é uma espécie de planta que gosta e aprecia o clima ameno, sendo uma planta tipicamente apropriada para o cultivo em regiões de clima temperado, mas se adapta facilmente aos climas: continental, oceânico, tropical, mediterrâneo e subtropical.

Seu cultivo deve ser sob pleno sol ou a meia sombra. É um das poucas plantas arbustivas que pode ser cultivada dessa maneira sem maiores preocupações e cuidados, pois ela tolera plenamente essa condição de cultivo.

O solo apropriado para o cultivo da oleagno deve ser fértil e enriquecido com a utilização de material orgânico, no entanto, não tolera ser cultivada em solos alcalinos e é importante que o solo apresente uma boa permeabilidade e seja profundo.

Além disso, devem ser realizadas regas periódicas para que o solo fique apropriado para o cultivo. O oleagno é uma planta que apresenta certo grau de resistência, inclusive ela suporta curtos períodos de estiagem.

Pode ser cultivado de forma isolada ou em grupos de plantas. Essa espécie pode ser cultivada em sua forma natural, ou podem ser realizados trabalhos, como exemplo a topiaria (arte de podar plantas em formas ornamentais).

O Oleagno é uma planta arbustiva utilizada para a formação de cercas vivas com bastante resistência, rusticidade e acima de tudo com grande beleza. Contudo, o Oleagno é uma planta que possui um crescimento considerado de moderado a lento.

Pode ser cultivado em vasos e jardineiras e também pode ser cultivado em regiões litorâneas, sendo colocadas em sacadas, varandas e coberturas, pois a planta tem a capacidade de suportar ventos mais fortes.

Dependendo da forma de cultivo, esta planta pode sofrer podas de formação. Esse tipo de poda é importante para a confecção das cercas vivas, e também para controlar o crescimento invasivo da planta.

Elaeagnus_pungens_flores
Multiplicação do oleagno
O oleagno pode se propagar de duas maneiras: através da dispersão de suas sementes e por estaquia. Por sementes a propagação se dispersa com extrema facilidade, por isso em algumas localidades ela é considerada como uma planta invasiva (plantas que proliferam com facilidade e acabam invadindo áreas indesejadas).

Na multiplicação por estaquia, são formadas estacas com os ramos do oleagno, e esses ramos necessitam ter a presença de folhas e raízes para que quando as estacas forem transportadas e colocadas em outros locais, elas tenham condições e capacidade de criar uma nova planta.

Os ramos que serão utilizados para reprodução da planta por estaquia podem ser feitos através do aproveitamento dos cortes feitos na poda de formação.

Na propagação do oleagno por estaquia, muitas vezes são usados enraizadores para acelerar o processo de estaquia.

borboletas044

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


telopea-speciosissima- )

A telópea está entre as espécies da família das Proteaceae. Classificada como arbustos tropicais e flores perenes, essa planta tem origem na Oceania com maior incidência na Austrália. A planta também é conhecida como Waratah. Mesmo sendo originária dessas localidades citadas, a telópea pode ser cultivada em qualquer outra região desde que apresente as condições ideais de solo, fertilização, iluminação e umidade.

Sendo bem cultivada, a telópea pode chegar até 3 metros de altura e possui ciclo de vida perene, o que significa que quando bem plantada, ela vai gerar frutos e flores por todo o ano sem que você corra o risco de ter uma planta “parada” em seu jardim.

Esta é uma planta bem arbustiva e lenhosa, portanto pode ser bem decorativa, caso essa seja a sua finalidade ao cultivá-la. Essa planta possui uma característica diferenciada de muitas plantas. Ela tem em sua estrutura o que chamamos de Lignotúber, que é uma estrutura diferenciada que serve de reserva e também para brotação. Essa estrutura fica localizada no colo da planta, na parte subterrânea e permite com que a plante brote novamente caso haja um incêndio florestal, o que é bem comum em florestas densas naturais da telópea.

_Telopea_speciosissima_IMG_2343 )
É uma planta de folhas elípticas, com espátulas sempre verde escura, com as margens denteadas e de estrutura bem rígida. As flores da telópea são na verdade inflorescências que acontecem durante o ano, surgindo com mais frequência na primavera.

Elas são grandes e apresentam-se na forma global onde sua circunferência  pode chegar até 15 cm de largura. As flores são muitas e sempre na cor vermelha, apesar de já existirem algumas telópeas com flores amarelas, champagne, rosas e brancas. Essa alternativa dá-se ao cultivo diferenciado e que são mais adaptadas a regiões onde o clima é frio e o florescimento também acontece mais precocemente.

A telópea não é uma planta típica de jardim, mas pode ser cultivada caso já tenha uma certa experiência com jardinagem. Elas podem ser cultivadas de forma isolada ou em pequenos grupos em locais abertos ou em locais onde copas ralas de árvores sirvam como um bloqueio dos raios de sol.

Vamos entender melhor como deve ser o cultivo da telópea planta.
Quem gosta de plantas sabe muito bem que as funcionalidades de cada árvore, cada flor assim como cada pedacinho de uma planta, pode ser extremamente explorado e torna-se útil para inúmeras ações. Quando falamos de flores, imediatamente assemelhamos a lindos buquês e arranjos, porém nem todas são próprias para isso, pois a sua resistência fora da terra não é tanta.

Telopea_speciosissima11PG
Mas esse não é o caso da telópea, ela tem uma linda inflorescência, rica em flores de um vermelho conquistador e que ganha a atenção de qualquer pessoa que passa por elas. Hoje a telópea é a planta que simboliza as florestas da cidade de Nova Gales do Sul, na Austrália. Ela não somente é a planta de maior incidência nessa região, como também é o símbolo oficial da flora dessa localidade.

Principais características e cultivo da telópea
O cultivo da telópea deve ser feito sob o sol pleno ou então sob uma sombra mediana. O solo preferencialmente deve ser bem arenoso, rico com matéria orgânica, as irrigações devem ser regulares e deve ser bem profundo devido o tamanho da raiz da planta.

Quando começar o cultivo, deve-se ter uma atenção toda especial com a telópea, pois essa planta é sempre muito suscetível a pragas e doenças, principalmente nas suas folhas e flores. Para controlar mais esse problema, podas constantes devem ser mantidas ou então grandes podas em espaços de tempo maiores.

Levando em consideração o local de origem dessa planta, ela se desenvolve mais facilmente em regiões onde o clima é subtropical, portanto evite planta a telópea em locais onde a temperatura seja muito baixa ou tenha ventos muito fortes porque a planta não irá se desenvolver. A fertilização deve ser feita com produtos de liberação lenta apenas.

A multiplicação da telópea é feita por sementes ou por estaquias. Essa última forma de cultivo faz com que a nova planta mantenha as características da planta mãe.

5oui69 (1)

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.