Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Asplenium nidus

Esta é uma típica planta, pertencente àquele grupo de vegetais que podem ser cultivados em ambientes de sombra, dentro de casas e apartamentos, sem maiores problemas.

Bastante ornamental e de fácil cultivo, o asplênio é pouco lembrado, quando buscamos por plantas de interior para preenchermos nossas selvas urbanas.

Assim como a samambaia, o Asplenium nidus é uma espécie de feto, uma planta vascular que se reproduz através de esporos, não sendo capaz de produzir flores ou sementes.

Ainda que guarde parentesco com plantas como as samambaias, todas pertencentes à família botânica Davalliaceae, o asplênio encontra-se, atualmente, classificado em sua própria família, denominada Aspleniaceae, estabelecida em 1840 pelo botânico inglês Edward Newman.

Embora os membros desta família encontrem-se distribuídos por todo o globo terrestre, com exceção das regiões glaciais, a espécie Asplenium nidus é originária de países localizados no sudeste asiático e em algumas ilhas do Pacífico.

Também há alguma ocorrência de asplênio nativo em regiões da Austrália e África. Trata-se de uma planta epífita, que vive sobre os troncos de árvores, principalmente palmeiras, no interior de florestas tropicais quentes e úmidas.

É por este motivo que o asplênio adapta-se tão bem ao cultivo em interiores, já que não tolera o sol direto incidindo sobre suas folhas. Esta é uma planta de sombra, habituada à luminosidade filtrada pelas copas das árvores, em seu habitat de origem.

Tudo o que necessita é de um local bem arejado, com níveis adequados de umidade relativa do ar, superiores a 60%, e uma fonte de luz difusa e indireta.

As folhas do asplênio são longas, firmes e onduladas, surgindo a partir de uma roseta central, que emerge a partir de um rizoma bastante intrincado. Com o tempo, as folhas mais antigas vão secando e formando uma estrutura similar a um ninho, na base da planta.

Asplenium nidus1

Por esta razão, o Asplenium nidus é conhecido como ninho de passarinho, fazendo alusão ao fato de as folhas do asplênio nascerem enroladas sobre si mesmas, como ocorre com as samambaias.

Estas estruturas bebês são bastante frágeis e não devem ser tocadas, sob o risco de atrofiarem e morrerem, antes mesmo de se desenvolverem. Por esta razão, é importante proteger o vaso de asplênio de correntes de vento, principalmente se forem suspensos, para que a rotação constante não force as pontas dos fetos contra superfícies como muros ou paredes.

Neste contexto, os moradores de apartamentos, principalmente aqueles localizados em andares muito altos, precisam prestar atenção à incidência de vento, que costuma ser intenso, principalmente em varandas. Também é importante manusear a planta com cuidado, e apenas quando necessário.

asplenium_nidus_L2

O cultivo do asplênio é bastante simples e semelhante ao das samambaias. A espécie Asplenium nidus aprecia um solo rico em matéria orgânica, que não seja muito compactado. Além disso, é importante que ele seja facilmente drenável.

Uma mistura de terra vegetal, composto orgânico e substrato para epífitas, na proporção de um terço cada, produz um solo apropriado para o correto desenvolvimento do asplênio. O vaso, independentemente do material, se de plástico ou barro, deve ter furos no fundo e um sistema de drenagem, composto por pedrisco, cacos de telha ou argila expandida.

As regas devem ser moderadas, sem excessos. É importante evitar colocar água diretamente no centro do asplênio, no ninho, que pode ficar muito úmido e ser atacado por fungos e bactérias.

O ideal é regar o solo e não a folhagem, principalmente se a planta for cultivada dentro de casas e apartamentos, onde a ventilação é menor e a secagem do vaso mais demorada.

Mais importante do que manter o solo sempre úmido, é manter os níveis de umidade relativa do ambiente em valores acima de 60%. Para tanto, vale recorrer a umidificadores de ar, bandejas umidificadoras, com areia ou pedrisco no fundo e uma lâmina de água, com o vaso por cima, fontes de água ou aquários, etc.

Ambientes de cultivo muito secos podem fazer com que as pontas das folhas do asplênio fiquem ressecadas e queimadas.

Aspleniun

Este mesmo efeito pode ser causado pelo excesso de adubação, principalmente se ela for do tipo inorgânica, composta por sais minerais que forneçam os macronutrientes NPK.

Durante o inverno, o fornecimento de fertilizantes pode ser suspenso. Existem formulações próprias para a nutrição de folhagens que, por não produzirem flores, não necessitam de elevados teores de fósforo na adubação.

É importante ressaltar que o asplênio não pode ser dividido como a maioria dos outros fetos. Como depende do tecido meristemático existente na roseta central, apenas uma planta pode surgir a partir desta estrutura.

De modo geral, a propagação do asplênio ocorre através dos esporos, mas este é um processo mais complicado, que costuma ser realizado apenas pelos produtores comerciais da planta.

A espécie Asplenium nidus não é tóxica para crianças e animais de estimação. Esta é uma planta consumida com fins medicinais, em algumas culturas.

Para quem deseja acrescentar um toque de novidade ao cenário dominado por samambaias e rendas portuguesas, o asplênio é uma excelente opção de diversificação.

Por possuir exigências semelhantes de cultivo, e uma aparência imponente e diferenciada, ele pode fazer belíssimas composições com vários outros tipos de plantas epífitas, como os fetos, bromélias, chifres de veado e orquídeas.

O único cuidado a ser tomado, quanto o cultivo do asplênio, é em relação ao espaço disponível para o seu desenvolvimento. Ainda que seja uma planta de crescimento lento, ela atinge grandes proporções, quando adulta.

Para quem mora em apartamentos pequenos, este pode ser um empecilho para sua manutenção, uma vez que as pontas das folhas do Asplenium nidus não toleram o atrito constante com outras superfícies.

No mais, o asplênio é uma planta de interior belíssima, bastante resistente, que raramente apresenta problemas com doenças ou pragas, requerendo apenas aquela manutenção básica que todos já estão acostumados a fornecer, no cultivo de samambaias, por exemplo.

Asplenium-nidus

Outras considerações
*
Samambaias não gostam de vento, gerando queima nas folhas.
* Folhas feias ou deformadas devem ser periodicamente removidas.
* Quando se percebe que a planta precisa de mais espaço, deve-se providenciar o transplante para um vaso com tamanho mais adequado.
* Os asplênios gostam de umidade mas evite pulverizar suas folhas pois não apreciam tê-las umedecidas. Suas folhas quando empoeiradas podem ser limpas delicadamente com um pano úmido exceto as novas que estão saindo do centro.
* Mudanças constantes de lugar acabam estressando a planta.
* Evite colocá-la em locais onde pessoas ou animais possam encostar e danificar suas folhas.
* Tendo estes cuidados, sempre manterá a sua elegante beleza e será uma das plantas mais fáceis de cultivar em casa.

água-energia

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


abubo

Como nós já sabemos, a adubação é uma parte essencial para que a sua plantinha cresça bem forte e bonita. Existem diversos tipos de adubo, cada um com uma funcionalidade diferente. Com esse composto, suas plantinhas vão ficar fortes por muito mais tempo.

Como fazer adubo NPK
Como já foi dito, existem diversos tipos diferentes, cada um com uma funcionalidade diferente. Também podemos nos atentar que existem adubos específicos para plantinhas específicas. Mas antes de aprender a fazer o adubo NPK vamos conhecer um pouco mais sobre esse adubo que vai te ajudar muito.

O que é o adubo NPK
Pois bem, diferente dos demais adubos, o NPK orgânico libera ao longo do tempo, potássio, nitrogênio e fósforo. No entanto, não para por ai, ele vai liberar também micronutrientes que são essenciais para a boa saúde das suas plantas.

Tudo isso vai ocorrer de forma gradativa, sendo assim suas plantas vão permanecer fortes por muito mais tempo.

Como fazer o adubo NPK
O preparo desse adubo é bem mais simples do que se imagina. Todos os ingredientes para a sua composição, você pode encontrar na sua casa. Temos a casca de banana que será a nossa fonte de potássio, a borra de café que produz o nitrogênio e por fim a casca de ovo que vai nos suprir de cálcio e fósforo.

Então, para preparar, vamos colocar todos esses ingredientes em um liquidificador com um pouco de água e bater até triturar tudo muito bem. Caso queira adicionar microrganismos no seu adubo, adicione um pouco de terra composteira.

npk

Como utilizar o adubo?
Por fim, agora que já sabemos como fazer o adubo NPK, vamos aprender como utilizar. Após ele pronto, devemos deixar descansando por 3 dias, pois ele vai fazer a fermentação durante esse tempo.

Assim que o adubo já tiver fermentado, vamos regar o solo com ele por pelo menos uma vez na semana, assim, suas plantinhas vão sempre ter nutrientes para crescer.

neve

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


episcias-cupreata_41

O tapete-de-rainha é uma espécie herbácea, trepadeira e estolonífera, nativa de florestas tropicais da América do Sul muito difundida entre jardineiros e colecionadores de todo o mundo, por seu fácil cultivo, bela folhagem e floração.

Por possuir uma folhagem muito bonita e ainda ter flores delicadas é fácil de encontrar em vários lugares do mundo.

A planta apresenta ramagem prostrada, formando moitas arredondadas e atinge cerca de 15 cm de altura, embora os ramos possam se estender por 50 cm e subir sobre suportes. As folhas são ovaladas, suculentas, recobertas por uma fina penugem, que lhes confere uma textura interessante.

Pode ser usada como forração e se colocada em vasos mais altos suas folhas e flores ficam pendentes.

Suas flores dão tubulares, apresentam tons de vermelho com o centro amarelo e florescem o ano todo, sendo assim uma ótima opção para quem gosta de flores.

Há numerosas cultivares e híbridos produzidos, principalmente com Episcia reptans. Elas são encantadoras, com folhagens de cores e padrões diversos, além de flores róseas, brancas, amarelas ou liláses.

As folhas são ovaladas, possuem um toque aveludado, o que a torna ainda mais interessante. Elas podem ser verde-escuras a acobreadas, com nervuras verde-claras, muitas vezes com um belo reflexo metálico, de acordo com a variedade.

tapete de rainha

Como Cultivar
Para começar, separe um vaso grande e de boca larga, visto que ela se espalha facilmente. Ela fica ótima em jardineira também.

O substrato dever se rico em matéria orgânica e precisa estar sempre úmido. Pode-se utilizar misturas feitas com turfa, esfagno, casca de arroz carbonizada, perlita e terra vegetal, para que o substrato retenha a umidade sem encharcar. Certifique-se de que o vaso seja bem drenado.

Os substratos prontos próprios para violetas-africanas são ótimos para a planta-tapete também, assim como os fertilizantes. Jamais colocar sob sol direto nas horas mais quentes do dia, o que lhe provoca sérias queimaduras nas folhas.

Aprecia o substrato úmido, deixando secar superficialmente entre as regas. Reduza as regas no inverno. Ao irrigar, deve-se evitar  molhar as folhas. Caso as folhas comecem a apresentar bordas secas e os botões caiam antes de abrir, aumente a umidade ambiental.

Sua multiplicação é feita por separação dos estolões formados entorno da planta mãe, assim como por divisão das touceiras enraizadas. A mergulhia dos estolões facilita o pegamento das novas mudas.

Episcia-Cupreata-3

No paisagismo, a planta-tapete tem lugar como forração, principalmente em clima tropical e em local semi-sombreado e protegido dos ventos. Apesar do hábito trepador, tende a ser conduzida mais como uma espécie rasteira ou pendente, pelo pequeno porte.

Ela cria um belo tapete de folhagem e textura atrativos, pontuado com suas flores vermelhas. No entanto é mais frequente seu cultivo como planta de interior, em belos vasos de cerâmica, adornando diferentes espaços, desde que seja em local bem iluminado, seja por luz natural ou lâmpadas artificiais.

É excelente também em jardineiras, terrários e cestas suspensas, assim como em jardins verticais semi-sombreados, em varandas, pátios, jardins de inverno e sacadas, protegidos dos ventos.

pingosnas folhas

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


violetas

Fáceis de cuidar, elas se dão muito bem em ambientes internos, decorando a sua casa. Mas, alguns cuidados são necessários para que elas não peguem as temidas pragas e fiquem doentes.

As principais pragas que adoecem as violetas são os pulgões brancos, que atacam o dorso das folhas, e os fungos e cochonilhas, pequenos insetos parasitas.
Assim como outras plantas, as violetas, mesmo que resistentes, estão sujeitas a pegar estas pragas e desenvolver doenças. E se você não agir rápido, pode perder sua plantinha.

A melhor forma de prevenir sua plantinha de doenças é fazendo o cultivo correto dela. Portanto, confira a seguir as 5 dicas para evitar pragas nas violetas.
* Dica 1: a quantidade de rega para a sua violeta
As violetas são plantinhas que exigem pouca manutenção. Elas odeiam o solo encharcado de muitas regas. Isso, também, deixa o ambiente propício para o surgimento de fungos.
Além disso, jamais molhe as folhas e flores, pois pode apodrecê-las.

violetas_1-1

* Dica 2: a temperatura da água da rega
A água da rega deve ser de temperatura ambiente. Água em temperaturas mais baixas vão tornar o vaso um ambiente propício para o aparecimento do fungo Fusarium, que apodrece a planta.

* Dica 3: o local onde está sua violeta
A violeta precisa de locais bem iluminados, mas nunca diretamente na luz solar. Encontre um ambiente interno, com boa incidência de sol, mas que se mantenha uma temperatura constante.
Isso porque mudanças drásticas de temperatura também influenciam no aparecimento de pragas.

* Dica 4: a limpeza das folhas e flores
Para evitar pragas nas violetas, a remoção de folhas e flores secas e caídas é uma medida preventiva para o aparecimento e alastramento das doenças.
Portanto, mantenha a limpeza da sua violeta sempre em dia.

violetas5-min

* Dica 5: o tamanho do vaso
Como se sabe, as violetas são plantas de pequeno porte. Então, o vaso deve ser pequeno, também. Isso porque recipientes grandes demais vão se tornar grandes terrenos para que fungos e insetos se acumulem, destruindo as raízes e caules da sua violeta.

Saiba o que fazer se a violeta foi atacada por uma praga
Caso sua violeta fique doente, você pode comprar em floriculturas ou na internet o óleo de Neem, um composto natural que combate diversas pragas, e vai ajudar a controlar a doença e manter sua violeta saudável.

janelabuterflay10

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.