Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Quando visitamos um horto ou floricultura nos deparamos com muitas plantas lindas, folhagens e flores. E é muito frustrante constatar que, uma vez em casa, elas começam a apresentar problemas.

Escolhemos plantas encantadoras e as trazemos para casa, incorporando ao jardim ou coleção de vasos. Achamos que estão saudáveis e que não teremos problemas.

Mas muitas vezes a planta desenvolve manchas necrosadas nos caules e folhas, as flores caem ainda em botão, necrosadas. Também podem surgir a presença de insetos. Culpamos a empresa que nos vendeu as mudas, mas muitas vezes ela não é responsável por isto.

Pragas de viveiro podem ocorrer, com insetos escondidos ou na forma de ovos, não fáceis de detectar. Fungos e vírus ainda em fase inicial não fornecem pistas muito visíveis para quem não tem os olhos treinados.
A planta fica pouco tempo no comércio varejista e não apresenta amostra de problemas.

Antes de comprar suas plantas, espere só um pouquinho e, anote essas dicas para comprar como um profissional, escolhendo as melhores plantas pelo melhor preço.

Veja a seguir como comprar plantas saudáveis, identificando de antemão possíveis doenças.

medinilla

Ao comprar, não pense só na flor
Parece meio óbvio: se olhar dois vasos com orquídeas, e um deles estiver com mais flores abertas, escolhemos o mais florido, certo? Não, escolha o que tenha mais botões! As flores já abertas duram menos, então, você leva pra casa uma planta que ficará bonita por menos tempo. Se puder escolher, encontre a orquídea que tenha mais botões fechados.

Quanto mais hastes a orquídea tiver, melhor
Do mesmo jeito que botões fechados são promessas de novas flores, as hastes das orquídeas sinalizam que, em breve, sua planta terá mais espaço para florir!

É como se o botão fosse o lucro a curto prazo e, as hastes, o rendimento à médio prazo. Hastes já formadas, mesmo que pareçam “peladas”, terão mais ramificações para os botões se desenvolverem.

Entenda o preço das flores
Já perceberam que existem Phalaenopsis com preços completamente diferentes? Se ainda não percebeu, é bom prestar atenção. Você pode pensar que é estranho um vaso da famosa orquídea-borboleta custa até quatro vezes mais que outro, e é a mesma espécie.

Antes de pegar a mais baratinha, saiba o motivo da diferença de preço. Apesar de serem da mesma espécie, a quantidade de flores do vaso, assim como o número de hastes florindo, ditam o valor final.

Você leva um único vaso, mas, uma quantidade maior de flores. Alguns produtores ainda juntam duas ou mais orquídeas num mesmo vaso e, isso encarece o produto. Então, escolha entre um preço menor (com menos flores) ou uma opção mais bem servida e, proporcionalmente, mais cara.

Estiolamento

Evite plantas estioladas
Estiolamento é quando a plantinha, num esforço para alcançar mais luz solar, dá uma “esticada”. Cactos e suculentas são plantas que costumam fazer isso quando não recebem a quantidade diária de sol que precisam, mas outras espécies também estiolam.

Parece que a planta cresceu, mas, o estiolamento é uma deformação: ela não terá a forma esperada na área estiolada, mesmo com mais sol, regas ou adubação.

Fique de olho em pechinchas
Planta por um super preço? Metade do valor que normalmente custa? Pode ser uma promoção real, ou você está levando espécies sem flores, com floração já no fim da vida.

Sem problemas, se você tiver paciência e escolher direito, levará para casa uma planta que dará flores em 6 meses, ou um ano. O pulo do gato aqui é observar o estado dos caules e folhas e, ignorar as flores.

Pode ser que a haste floral esteja quebrada, as pétalas já no fim da vida, mas se a planta parece vigorosa e com folhas saudáveis e brilhantes, ótimo. É o momento para você aumentar sua coleção de orquídeas por um preço bem interessante.

Avalie a planta e o arranjo antes de comprar
Algumas floriculturas e gardens aproveitam o momento da promoção para vender plantas em oferta, mas também, algumas espécies ou arranjos que já não estão tão bonitos.

Isso não é um problema, basta que você saiba identificar o que está levando pra casa. Observe bem e evite plantas doentes, com galhinhos secos ou folhas apodrecidas.

pulgões

Verifique se tem pragas ou doenças
Dê uma boa olhada na planta antes de comprá-la, principalmente nos locais menos visíveis, como verso de folhas, a parte onde o galhinho se forma no caule. Ainda, nas folhas, veja se encontra pintas ou manchas.

A planta pode parecer linda, florida e enorme. Mas, você, jardineiro que compra como um profissional, vai lá, olha embaixo de uma das folhas e dá de cara com um montão de cochonilhas.

Um comprador de primeira viagem estaria encantado com a beleza da planta e levaria pra casa uma espécie que logo ficará doente. E pior: leva um foco de contaminação para toda a sua coleção de plantas. Lá se vai a promoção, a coleção, seu tempo e dinheiro.

Palhas na planta é normal
Parece que a o caule está seco, mas em muitas espécies de orquídeas surgem palhas. Essa parte com aspecto ressecado é normal e, serve para proteger o caule que está se desenvolvendo e ainda é mais frágil.

Conforme a parte externa vai secando, a interna cresce e, no tempo certo, a palha se soltará (às vezes, com uma ajudinha manual). Se é algo natural dessa espécie, o caule continua verde, crescendo bonitão, a palhinha não é problema.

Evite plantas com folhas cortadas
Quando atacada por fungos ou outras doenças, as folhas podem apresentar manchas e pintas. Para não ficar com aquele aspecto feioso, alguns vendedores inescrupulosos cortam parte da folha que está manchada e pronto – parece uma planta sadia novamente.

Mas, não se engane: a planta ainda está doente, e em breve, outras folhas terão manchas, e lá se vai mais uma orquídea para estado de óbito. Evite comprar plantas com folhas cortadas.

campoflorido

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Pata-de-urso - Cotyledon Tomentosa

Sabemos como é: ás vezes, não importa quantos manuais e guias você leia sobre cuidados com suculentas, elas continuam morrendo. E as pessoas ainda dizem que elas são as plantas mais fáceis de cuidar!

Talvez a solução seja descobrir o que não fazer. Confira essa lista das ações proibidas para iniciantes na hora de cuidar de suas pequenas plantas.

Nunca trate todas as espécies da mesma maneira
Apesar dos cuidados gerais com suculentas serem muito parecidos, cada espécie possui necessidades um pouco diferentes – é assim com qualquer planta!  Portanto, na hora de comprar, pergunte sobre as particularidades da espécie para o vendedor.

Atenção, iniciante: não comece com as plantas coloridas
As variedades de suculentas roxas, laranjas e vermelhas são mais difíceis de cuidar nos interiores, crescendo melhor em jardins fora de casa. Para pequenos vasos em ambientes fechados, dê preferência para as verdes. A variedade dependerá do formato das plantas, e não da cor!

Nunca deixe a suculenta na sombra ou sob luz solar direta
A quantidade de luz e calor que a suculenta suporta é bem precisa! Ela deve ficar próxima às janelas todos os dias para receber um pouco do sol que tanto gosta, mas nunca diretamente embaixo dele. É uma boa pedida mudá-las de lugar durante o dia, se possível. Tudo na medida.

planta suculenta

Não regue quando a terra ainda estiver molhada
As suculentas tem essa aparência fofa, com folhas mais grossas, por causa dos depósitos de água que possui. Com muitas regas, ela é sobrecarregada e apodrece facilmente. Como saber se sua suculenta está recebendo muita água?

É só prestar atenção no solo: deixe-o secar bem antes de rega-la novamente. Na dúvida, faça o teste do palito para checar se ele está seco, enfiando-o na terra até sua metade.

A quantidade de regas sempre dependerá do tipo de solo, da drenagem e do clima – quem mora em regiões áridas, por exemplo, precisará dar água à planta com mais frequência.

Manchas marrons nas plantas também são um bom indicativo de que algo está errado. Para saber se é sede ou se a planta está se afogando, teste o solo. Só não há problema quando os pontinhos estão na orelha-de-gato: ela é assim mesmo!

Uma orelha-de-gato com seus pontinhos saudáveis. Eles não são um problema nela – mas quando aparecem em outras plantas, é bom tomar cuidado!

Não plante a suculenta em um vaso pequeno demais
Principalmente se você nunca cuidou de plantas antes e ainda não sabe dosar as regas, é importante deixar a suculenta em um vaso em que seja possível observar bem a terra. Por mais que seja lindo ver uma rosa de pedra (Echeveria elegans) combinada perfeitamente à circunferência de seu recipiente, fica impossível fazer o teste da umidade.

O próprio ato de dar água à planta se torna mais complicado. O excesso de água preso entre as folhas, sem alcançar a terra, pode fazer com que elas apodreçam.

suculenta

Não deixe uma planta muito próxima da outra no terrário
Esta regra, além de valer pelo mesmo motivo da acima, serve para garantir que cada planta tenha espaço suficiente para respirar. A proximidade exagerada também não deixa que a luz alcance igualmente todas as suculentas, podendo prejudicar a saúde de algumas delas.

Não use vasos fechados
Vasos fechados não são recomendados para colocar suas suculentas se você ainda não é experiente com as regas. Isso porque a drenagem de água nesses casos não é efetiva, facilitando os erros na dosagem.

Prefira modelos com furos embaixo e sempre regue a planta fora do pratinho, deixando a água drenar o máximo possível antes de colocar o vaso de volta sobre ele.

Se você ama a beleza dos terrários, não ache que nunca poderá tê-los: alguns deles possuem furos próprios para drenagem e, com a prática e conhecimento sobre suas plantas, é possível usar os que não têm também.

Regar direto a terra
Suculentas são cactos – plantas com folhas mais grossas que armazenam água e permitem que essas espécies sobrevivam bem em climas áridos -, o que significa que elas não precisam de rega focada nas folhas, mas na raiz. Ou seja, o ideal é regar a terra e não a parte de cima da planta, e garantir que essa terra está úmida o suficiente, mas não encharcada.

Cuidado com a frequência
Falando em rega, o que vimos no grupo também é que essas plantinhas pedem menos regas do que outras. Uma dica é que durante o verão essa rega fique restrita à uma vez por semana. No inverno, uma vez à cada 15 ou 30 dias, dependendo do clima e da exposição da planta às chuvas da época.

Orelha De Gato - Kalanchoe Tomentosa

Prestar atenção na hora da compra
Outra dica essencial que as nossas leitoras nos deram sobre criar suculentas: prestar atenção na hora da compra. Observe se a planta em questão está no sol ou na sombra, se está em um vaso de plástico ou de barro, se a terra está úmida ou seca.

Isso já demonstra indícios de qual a melhor maneira de cuidar delas. Se a planta estava exposta no sol, busque um lugar igualmente iluminado na sua casa para mantê-la. E, claro, peça dicas para o vendedor – ele com certeza vai saber os detalhes de como esse cuidado deve ser feito.

Cuidado redobrado com o vaso
Prestar atenção no vaso também é outro ponto importante. Os vasos de plástico mantém o solo mais úmido do que os barro, em que o material absorve naturalmente o líquido. Vale também deixar sempre 2 centímetros de dreno no fundo do vaso para que a água não fique acumulada ali.

borboletas amarelas

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


bulbos

Muitos pensam que as plantas bulbosas são difíceis de cultivar. Pelo contrário, elas são indicadas para jardineiros iniciantes por serem rústicas e fáceis de lidar. Dependendo da região, o jardineiro iniciante pode começar com canas, moréias, caládios, copos-de-leite, alpínias, lírios-do-brejo, gladíolos e dálias.

É imprescindível que se pesquise quais os bulbos mais adaptados à sua região, para não correr o risco de se frustrar com os bulbos. No norte e nordeste do país, por exemplo, comece com rizomas tropicais de gengibres, alpínias, canas e bastão do imperador e vá aos poucos experimentando os outros. Assim a chance de sucesso é maior.

Mas e as tulipas e os jacintos, tão bonitos e elegantes, porque é que não conseguimos mais do que uma ou duas floradas? Muitos de nós já sabemos que o cultivo de tulipas não é possível no nosso clima tropical, mas você saberia dizer o porquê?

Isso acontece por que estes bulbos em especial necessitam de um período de frio chamado vernalização. A vernalização provoca mudanças químicas dentro do bulbo que permitem que ele se desenvolva com plenitude.

Alguns bulbos precisam de condições específicas para que a vernalização ocorra bem. Não basta só ter frio, é preciso que seja a uma temperatura específica, constante e com umidade na medida certa e pelo tempo correto, o que é não é tão simplesmente alcançado colocando-se os bulbos na geladeira como alguns poderiam sugerir.

Um dos erros mais frequentes no cultivo das plantas bulbosas diz respeito à profundidade com que elas são plantadas. Talvez pela ânsia de ver a planta brotar logo, ou por indicação de outra pessoa, geralmente os bulbos são plantados muito superficialmente.

bulbo

Quando estão novos, recém comprados e cheios de reservas não há problema, vemos flores e folhas bonitas, mas você pode crer que a próxima floração ficou comprometida, pois o bulbo não encontrou as melhores condições para o seu desenvolvimento. Portanto, o ideal é plantá-los na profundidade indicada para a espécie em questão.

Os bulbos gostam de ficar onde o solo é mais geladinho e úmido. Na dúvida, uma regrinha simples pode resolver:
– Plante os bulbos a uma profundidade de 3 a 5 vezes a sua própria altura. Não se esqueça de levar uma régua para o jardim. Hoje em dia há pazinhas com marcações de altura, ou mesmo transplantadores de bulbos, que são ferramentas práticas e úteis nesta tarefa de cavar, medir e plantar.

A maioria dos bulbos não tem uma preferência quanto ao tipo de solo. Ele pode ser arenoso, argiloso ou uma mistura destes dois. No entanto algumas espécies podem preferir um ou outro tipo específico de solo. A experiência e o aprofundamento no assunto vão lhe indicar o melhor caminho.

Apesar de aceitarem a maioria dos solos, os bulbos tem algumas exigências, quanto a porosidade, capacidade de drenagem, pH e aeração do solo. Ou seja, não pense que será só plantar em solo virgem. O solo deve ser bem trabalhado antes do plantio, pelo menos em uma camada de 20 cm de profundidade.

Os solos argilosos, que geralmente são pesados e compactos devem receber boa quantidade de matéria orgânica, na forma de terra vegetal, turfa, compostagem doméstica ou outro tipo de composto de folhas. Se for possível, melhore a capacidade de drenagem de um solo argiloso, elevando os canteiros onde serão plantados os bulbos.

Tulipa

Com os arenosos geralmente o problema é o inverso. Eles retêm poucos nutrientes e secam muito depressa. Nestes solos, a adição de matéria orgânica tem o efeito de aumentar a retenção de água e fertilizantes.

Em todos os casos, a adição de matéria orgânica também estimula o desenvolvimento de microorganismos benéficos no solo, não obstante todos os outros benefícios citados.

Os bulbos preferem solos neutros a levemente ácidos. A adição de calcário corrige um pH ácido demais, uma característica freqüente dos solos brasileiros. Esta correção deve ser feita pelo menos um mês antes do plantio, com base na análise do solo, previamente realizada.

Além do índice de pH, a análise também fornece outras informações relevantes, como a textura do solo, se é arenoso, argiloso, quanto de matéria orgânica possui e quais os nutrientes que estão faltando.

E por falar em nutrientes, saiba que uma fertilização de base, com um bom fertilizante granulado, preferencialmente de liberação lenta e com micronutrientes, é imprescindível para o desenvolvimento sadio e pleno das plantas bulbosas.

Se preferir fertilizantes orgânicos, utilize o velho segredo de acrescentar um punhado de farinha de ossos ao buraco de plantio, para estimular intensas florações. Não esqueça de destorroar o solo e incorporar bem o composto orgânico e o fertilizante.

lago

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


orquídea

Multiplicar as próprias orquídeas é o desejo de todo jardineiro aplicado. Elas crescem devagar e é muito difícil multiplicá-las por sementes, o que torna a tarefa de dividi-las um verdadeiro acontecimento que, se cercado dos cuidados necessários, resultará em belas e saudáveis orquídeas.

As Vandas apresentam crescimento monopodial e é bem mais difícil dividi-las. Tenha em mente que a divisão somente é possível nas orquídeas com crescimento simpodial, como Catleyas e Laelias, e de orquídeas cespitosas como Cimbídios e Dendróbios.

Plantas com crescimento monopodial, como Vandas e Phalaenopsis são um pouco mais complicadas de multiplicar por divisão e exigem muita experiência e um tanto de sorte.

Em primeiro lugar, saiba que o cuidado mais importante ao se dividir uma orquídea é verificar se está no momento certo para isso. Se dividida antes do tempo, na ânsia de se obter novas orquídeas rapidamente, corre-se o risco de atrasar a floração, ou pior, deixar a planta fraca e suscetível às doenças.

Esse é um erro frequente dos iniciantes na orquidofilia, eu mesma cometi esse erro no começo, retrocedendo diversas orquídeas adultas para o estágio de seedlings.

O fato de sua orquídea não estar cabendo mais no vaso, não é motivo para divisão. Neste caso, o simples replantio resolve. Então, como saber o momento de dividir? Conte os pseudobulbos.

A planta deve ter pelo menos três pseudobulbos bem desenvolvidos, e ao menos dois brotos guias bem separados, de forma que cada nova muda tenha três pseudobulbos e uma guia. Então se sobrar dois pseudobulbos posso fazer uma nova muda?

Não! Corte a orquídea de forma que estes pseudobulbos acompanhem as novas mudas formadas. Resista a tentação de uma mudinha “extra”, definitivamente não vale à pena.

Vanda6

Se minha orquídea nunca floresceu posso dividir? Até pode, mas não recomendo. Uma orquídea com tantos pseudobulbos e que ainda não floresceu pode estar com problemas, geralmente falta de luminosidade ou fertilizante.

A floração é a garantia de que sua planta está adulta e saudável. Portanto esperar ela alcançar este estágio é como um teste de suas habilidades com orquídeas. E você só pode passar para a próxima fase após completar a anterior.

Posso dividir em qualquer momento do ano? Pode sim! Vai depender mais da espécie de orquídea do que da sua vontade. Quando ela estiver começando a emitir novas raízes (aquelas com as pontinhas verdes) somente então será o momento ideal, seja inverno ou verão. Isso geralmente ocorre logo após a floração.

Pegue uma tesoura ou faca bem afiados, esterilize em água clorada, álcool ou calor e comece por remover os pseudobulbos secos, murchos ou doentes. Preserve o máximo de raízes possível, mas não deixe de cortar as raízes secas e mortas.

Esterilize os instrumentos a cada orquídea, evitando assim a transmissão de eventuais doenças entre elas. Não é necessário remover todo o substrato velho que estiver emaranhado nas raízes, remova apenas o excesso e o que estiver mais fácil.

Aliás, quanto menos as raízes forem manipuladas melhor, pois elas se quebram com muita facilidade. Limpe a orquídea com uma escova bem macia, sabão neutro e sob água corrente, mas somente se ela estiver muito suja ou infestada com pragas, como cochonilhas por exemplo.

Ltenebrosa02

O vaso pode ser de qualquer material, mas é primordial que seja bem drenável, com furos grandes na base e se possível nas laterais. Vasos de cerâmica costumam ser os mais indicados, por serem mais frescos, ventilados e duráveis, mas atualmente até garrafas pet podem ser utilizadas com sucesso. Esqueça o pratinho, ele é totalmente contra indicado no cultivo de orquídeas.

A escolha do substrato deve levar em consideração a espécie de orquídea e a disponibilidade de material na sua região. Você pode usar materiais como pedra britada, cacos de cerâmica, fibra de coco, argila expandida, carvão vegetal, casca de coco, casca de pinus, esfagno, caroços de coquinhos (de palmeiras como açaí, butiá), sabugo de milho, casca de arroz carbonizada, etc.

Pode também  juntar ramos secos finos que caem no jardim, ou devido à poda das árvores, picá-los em pedaços com 1 a 3 cm de diâmetro. Obtendo assim um substrato natural, barato e bem próximo do que as orquídeas epífitas apreciam.

A mistura de materiais é uma boa pedida para equilibrar a capacidade de retenção de água com a drenagem. Alguns retêm muita água, enquanto outros praticamente nada. Case a espécie de orquídea com a frequência das regas e descubra o que funciona melhor para você. Não esqueça que orquídeas rupícolas e terrestres pedem substratos apropriados ao seu habitat.

Com suas mudas já devidamente limpas e separadas proceda o envase. Aqui vem as dicas para o replante também. Sempre coloque a ponta do rizoma mais antigo o mais próximo possível da parede do vaso.

Assim sobra mais espaço para a guia crescer e se desenvolver. O rizoma deve ser sobreposto ao substrato e jamais ser enterrado. Essa tarefa é um tanto árdua, pois a orquídea tende a ficar completamente solta no vaso. A tentação de enterrar um pouquinho é forte!

Oncidium varicosum

Mas resista, pegue barbante e tutores de bambu, madeira, arame ou plástico e vá amarrando sua orquídea ao tutor. Cuidado para não apertar demais. Se possível arame o rizoma ao vaso, pois também ajuda.

Fique de olho na nova muda. Folhas amareladas indicam sol em excesso, e folhas verde-escuras demais, indicam sombra demais. Regue normalmente, o enraizamento é um tanto lento e há que se ter paciência.

arvore outono1

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.