Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Hibisco
As árvores de hibisco com folhas amarelas podem ter a saúde restaurada

Um hibisco com folhas amarelas pode sinalizar problemas com o cuidado da árvore, mas não significa necessariamente que ela tenha sido danificada irreparavelmente. Existem muitas coisas que um jardineiro pode fazer para tornar saudável um hibisco com folhas amarelas e garantir que ele continue crescendo e produzindo flores por vários anos.

Uma das causas comuns para as folhas amarelas é a dormência do hibisco, na qual ele não precisa de cuidados especiais. Outros problemas podem ser tratados ajustando os cuidados com a árvore.

Materiais a serem utilizados
* Tesoura de poda;
* Inseticida;
* Fertilizante.

Instruções
*
Altere a quantidade de água que o hibisco está recebendo. Muita água pode afogar a planta e promover o crescimento de fungos prejudiciais, enquanto pouca água impedirá que o hibisco processe os nutrientes. Verifique o solo para ver se a árvore tem muita ou pouca água;

* Regue o hibisco uma vez por semana para manter úmido o solo próximo da raiz. A água deve umedecer metade do vaso;

* Drene o vaso caso o hibisco tenha água demais. Isso removerá o excesso de água da planta e ajudará a restaurar sua saúde. Permita que o solo seque e continue regando o hibisco normalmente;

* Apare a árvore. Remova quaisquer ramos mortos ou com graves danos causados por insetos ou fungos para impedir que eles espalhem a doença para o restante do hibisco. Corte os ramos próximos ao ramo adjacente ou remova-os do tronco da árvore. Descarte-os imediatamente;

* Muda e a localização da árvore. Exposição direta ao sol pode secar as folhas e fazer com que elas sequem e amarelem. Os hibiscos devem ser mantidos longe da luz solar direta, onde são capazes de fotossintetizar sem serem danificados;

* Procure danos causados por insetos, incluindo ácaros e outros bichos. Sinais de insetos incluem eles mesmos, ovos, larvas e buracos nas folhas, galhos ou na casca da árvore;

* Aplique um inseticida ou pesticida na árvore para matar insetos e restaurar a saúde do hibisco. Siga as direções da embalagem para melhores resultados;

* Adicione fertilizante ao vaso. Uma das principais causas das folhas amareladas é a falta de nitrogênio, que pode ser resolvida com o acréscimo de fertilizante equilibrado.

variegado

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Buxus sempervirens

Arbusto baixo e bastante ramificado procedente da China e regiões do Mediterrâneo. Esse arbusto é muito cultivado graças a sua flexibilidade quanto ao seu formato, podendo ser podado de uma infinidade de formas diferentes.

Suas folhas são pequenas arredondadas e possuem a coloração verde escura. Em clima frio suas folhas ficam vermelhas no inverno. Florescem na primavera e produzem frutos arredondados.

Com uma altura máxima que chega a 5 m, porém podendo ser mantido em estaturas muito menores, essa planta cresce bem a pleno sol e apresenta uma enorme densidade de pequenas folhas verde escuras que lhe dão uma aparência compacta, o que auxilia ainda mais seu esculpimento. Podemos utilizá-lo tanto em cercas vivas quanto para a criação de formas diversas que podem chegar a se tornar verdadeiras obras de arte.

Cultivo
Onde e Como Plantar
Essa planta é bem flexível, podendo ser criada tanto em vasos dentro de casa, o que é bastante feito por pessoas que fazem dela bonsais, quanto fora de casa, compondo cercas vivas. É importante lembrar que em locais onde incidem mais sol existe uma tendência maior de nascer folhas, se o buxinho ficar em local que não pega sol em sua base, é possível que ela fique mais “pelada” que o resto da planta, piorando sua imagem.

Tipo de Solo
Essa planta apresenta uma grande densidade de folhas, que necessitam de uma grande quantidade de nitrogênio para crescerem bem, por isso é aconselhável após escolher o local de plantio de seu Buxus que faça amplas covas e misture um grande percentual de fertilizante orgânico ao solo. Anualmente adicione mais um pouco para mantê-lo devidamente fértil.

Floração Buxus sempervirens

Como Cuidar
Embora seja uma planta de metabolismo bem lento, logo que demora muito para mudar sua forma, devemos podar os ponteiros dos ramos com certa frequência para que a planta mantenha a forma que desejamos.

Não é necessário muito cuidado com o frio nem quantidades muito grandes de água para essa planta se desenvolver bem, porém isso não é motivo para deixá-la esturricada, umedeça o solo sempre que estiver seco, mas sem exageros, geralmente regas em dias intercalados são suficiente.

O Buxinho pode ser colocado em ambientes internos onde possuam muita claridade. Mas se possível periodicamente deve passar temporadas no verão em locais onde o sol possa incidir sobre suas folhas, isso pode ser conseguido colocando-o em uma sacada com cobertura, sob outras árvores ou mesmo dentro de casa próxima a uma janela em local arejado, mas suportam bem à ventos.

Rega
Há duas coisas que precisamos saber para regar um Buxus: Como e com que frequência.
Regar um Buxus é molhar toda a terra que esta dentro do vaso. Coloque água potável por cima da terra em toda a superfície até que esta comece a sair por baixo nos orifícios do vaso. No calor pode-se molhar também a copa e galhos.

á a frequência dependerá principalmente do tamanho do vaso e das condições climáticas como temperatura e umidade do ar. Normalmente vasos com até 30 cm de comprimento e/ou vasos muito rasos devem ser regados todos os dias quando a umidade do ar estiver baixa e a temperatura acima de 20ºC.

Cuidado com os extremos: Em dias de muito calor (acima de 30ºC) regue duas vezes ao dia. Em dias de muito frio (abaixo de 15ºC) regue a cada dois dias.

Vasos maiores do que 30 cm, normalmente a frequência de rega é menor.
As árvores no geral não gostam de muita umidade na terra. Por isso geralmente devemos regar os bonsai somente quando a terra do vaso estiver quase seca.

Vale muito nossa “observação constante”, tanto do clima quanto da umidade da terra. A verificação da umidade da terra pode ser feita facilmente tocando-se a terra com os dedos.

A vaporização das folhas somente é necessária quando a umidade do ar estiver baixa. Nesta situação é conveniente que façamos uma vaporização leve somente sobre as folhas preferivelmente à sombra com água potável, no mínimo, 3 vezes por dia.

O buxinho gosta muito de água, a rega deve ser abundante, mas devemos esperar a terra secar para regar novamente. Umidade constante no tronco e raízes favorece o surgimento de fungos (Pó branco ), estes podem até ocasionar sua morte se não forem tratados. Para evitar problemas com muita umidade é aconselhável molhar a terra do buxinho somente quando esta já estiver com a superfície bem seca.

Buxus

Adubação
Todos nós comemos diariamente, os alimentos são imprescindíveis para se viver. As plantas alimentam-se dos sais nutritivos que extraem do solo.

É preciso adubar principalmente nas épocas de grande crescimento das plantas e esta adubação deve ser feita sem exageros. É muito melhor adubar em pequenas quantidades com maior frequência do que fazê-lo esporadicamente em grandes quantidades.

O recomendado é o uso de produtos de ótima procedência e com instruções claras de uso.

A sugestão é uma adubação muito simples usando Torta-de-mamona e Farinha-de-osso, que são facilmente encontrados em supermercados. Estes podem ser usados sempre separadamente numa frequência bimestral, ou seja, se usar Torta-de-mamona em Janeiro, somente irá adubar novamente em março com Farinha-de-osso. E assim teremos 6 aplicações anuais.

Use sempre as dosagens recomendadas. Caso não haja indicação para dosagens referente à planta, use metade da dose recomendada para vasos pequenos.

Já uma adubação melhor e mais balanceada pode ser conseguida facilmente com produtos de boa qualidade encontrados em lojas especializadas. Siga sempre uma orientação profissional. O Buxinho pode ser adubado com adubos orgânicos de decomposição lenta e químicos ricos em Nitrogênio (N), podendo ser adubos líquidos por via foliar ou sólidos na terra. Como sugestão de adubos químicos, escolha traços de proporção de NPK na formulação 10-10-10 ou 10-05-10.

Não esqueça que no mínimo uma vez por ano é necessário a adubação com micro nutrientes Ca (Cálcio), Mg (Magnésio), S (Enxofre), B (Boro), Cl, Cu, Co, Fe…..

As Melhores épocas para a adubação do Buxinho vai desde o Início da Primavera ao fim do Outono. No inverno adubar com mais moderação.  Nunca adube plantas doentes ou recém transplantadas.

janelabuterflay

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


portulaca grandiflora 9
Trata-se de uma planta suculenta de vida anual originária da Argentina, Brasil, Uruguai.

Suas flores podem ser simples ou dobradas, em variadas cores e tons entre o branco, rosa, amarelo, vermelho, laranja, púrpura, etc.

São plantas totalmente adaptadas a climas: equatorial, tropical, subtropical e, deverá ser cultivada em pleno sol.

Sua floração ocorre nos meses mais quentes do ano.

As flores só se abrem quando o calor do sol começar a ficar mais forte, por volta das 11:00 horas, e permanecem abertas enquanto houver sol forte. À tarde, quando a luz do sol perder a sua intensidade, elas se fecharão novamente. É por esse motivo, deu a origem do seu nome popular.

A planta é de fácil cultivo, propaga-se por sementes e por estaquia de ramos.

Propagação por sementes
A melhor época para plantar as sementes é o início da estação chuvosa, (primavera). As sementes deverão ser semeadas em seus locais definitivos, (vasos, jardim, etc.).

O solo deverá ser afofado, e as sementes lançadas aleatoriamente, porém, bem distribuídas. Cobrir as sementes com uma fina camada de solo peneirado.

Regar sem provocar encharcamento, e manter o solo levemente umedecido. Em poucos dias as sementes germinarão.

portulaca-grandiflora1
Propagação por estaquia de ramos
Cortar ramos com mais ou menos 10,0 cm de comprimento, e enterrar até a metade no solo, diretamente em seu local definitivo. Num período de mais ou menos 15 dias, a estaca já estará enraizada emitindo brotos

Solo
Trata-se de uma planta rústica, tolerante a pequenas estiagens e a baixa fertilidade do solo. Mas para demonstrar toda sua beleza e exuberância floral, deverá ser cultivada em solo fértil, rico em matéria orgânica, e totalmente drenável.

Regas
O solo deve ser mantido ligeiramente umedecido com regas periódicas, sem provocar exageros.

A planta poderá ser cultivada em vasos, jardineiras, jardins, etc. Por tratar-se de uma planta suculenta, não suportará pisoteio.

flores321

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Flordesaomiguel1

Com cerca de 30 espécies, o gênero Petrea inclui desde arbustos até trepadeiras, como é o caso da graciosa trepadeira Viuvinha. O gênero faz parte da família Verbenaceae e são originárias da América do Sul – Brasil. Sua altura varia de 3 a 5 m.

Esta espécie é muito vistosa, precisa só de um tutor ou um caramanchão de apoio para que possa escalar e soltar seus ramos de folhas grandes e verde-escuras. Se bem conduzida e plantada em ambiente de sol pleno, a viuvinha rapidamente rouba os olhares no jardim.

Facilmente encontrada no cerrado brasileiro, essa trepadeira tem ramos flexíveis e verdes quando novos, que vão ficando marrons e lenhosos depois de velhos. Por isso, prefira conduzir o direcionamento da planta enquanto os galhos ainda são jovens. Pode ultrapassar facilmente os 6 metros de altura caso tenha um suporte adequado para crescer.

Suas abundantes flores, pequenas e perfumadas, são compostas de duas estruturas: uma de pétalas azuis finas e longas, outra de pétalas roxas, curtas e arredondadas, o que lhe confere uma aparência inconfundível. Há ainda uma variedade de flores brancas, mais difícil de ser encontrada. Nos dois casos, a textura das pétalas é levemente peluda, bem suave ao toque.

Pode ser plantada tanto na terra quanto em vaso desde que tenha contato direto com o sol. Seu substrato preferido é constituído por terra e composto orgânico (ou húmus de minhoca) adicionados em partes iguais – cuide apenas para que o solo seja mantido sempre úmido, nunca encharcado, o que atrai doenças causadas por fungos e bactérias.

101_0265

A viuvinha é sensível a podas, mas tolerante a geadas e a mudanças bruscas de temperatura, tornando-se uma espécie bastante comum nos jardins ao Sul do país. A floração ocorre entre setembro e outubro, sendo muito visitada por abelhas e borboletas, seus polinizadores naturais.

É uma planta de sol pleno e gosta de solo úmido, mas nunca encharcado, a rega deve ser moderada 2 vezes por semana, com maior quantidade nos meses mais quentes e menos vezes nos meses mais frios. É uma planta de clima quente e úmido.

Por ocasião do plantio para uma cova de 40 x 40 cm, misture bem na terra retirada, cerca de 30 litros de esterco de gado, sempre curtido.

Podas devem ser feitas, para retirada de ramos secos, mal formados e brotações indesejadas.

A fertilização deve ser feita de 3 a 4 vezes por ano, cerca de 1 a 5 colheres  (conforme o tamanho da planta) com NPK na formulação 04-14-08. Colocar sempre ao redor do caule, nunca junto à ele.

Fica muito bonita no revestimento de grades, muros, cercas e caramanchões. Sua multiplicação se dá normalmente por estacas, que se desenvolvem mais rápido do que as sementes.

por do sol

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


estaquia
O que é estaquia?
A estaquia, ou “multiplicação por estacas”, é um meio de reprodução assexuada (propagação vegetativa), muito utilizada nas produções de mudas de plantas, principalmente as ornamentais e frutíferas.
O método consiste no plantio de um ramo ou folha da planta, desenvolvendo-se uma nova planta a partir do enraizamento das mesmas.

Nem todas as plantas podem ser reproduzidas assim

Não são todas as plantas que podem ser reproduzidas por estaquia. Cada espécie de planta possui um método diferente mais adequado para sua multiplicação. Algumas espécies muito difíceis de multiplicar por estaquia, podem ser reproduzidas facilmente por outro método: a alporquia.

As vantagens de usar estacas
As grandes vantagens de multiplicarmos as plantas por estaquia são a facilidade de fazê-la, e a possibilidade de propagarmos as melhores plantas, conservando as características da mesma.

Fazendo a estaquia
Como já foi dito, cada planta possui um método mais adequado de propagação. Há alguns tipos diferentes de estaquia, que apresentaremos a seguir. Para fazer a estaquia, é recomendável que procuremos saber qual é o melhor método para a planta que se pretende reproduzir. Caso você não encontre essa informação, tente alguns métodos até que dê certo, já que é um processo relativamente fácil.

Em alguns casos, o uso de hormônios enraizadores (em geral auxinas), ajuda a melhorar a formação de raízes nas estacas. Mas o uso domiciliar é raro, devido ao alto custo e dificuldade de manuseio.

Várias partes da planta podem ser usadas como estacas, com procedimentos levemente diferentes que detalhamos a seguir:

A) Estacas de ramos novos (ponteiros)
É o método mais adequado para ser utilizado para grande parte das plantas ornamentais, já que as plantas geradas por esse método são em geral, mais parecidas com a planta que as originou.

Passo-a-passo:
* Cortarmos uma ponta de ramo lateral, formando uma estaca de aproximadamente 7 a 12 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores;

* Retiramos as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas;

* Colocamos os ramos em substrato adequado (terra, areia, entre outros), enterrando a base sem folhas. Assim, novas raízes se formam na planta, originando novas mudas. Em alguns casos, colocam-se as bases da estaca em água ao invés de substrato, plantando as mudas em terra assim que enraizadas;

* Cortarmos uma ponta de ramo lateral, formando uma estaca de aproximadamente 7 a 12 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores;

* Retiramos as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas;

* Colocamos os ramos em substrato adequado (terra, areia, entre outros), enterrando a base sem folhas. Assim, novas raízes se formam na planta, originando novas mudas. Em alguns casos, colocam-se as bases da estaca em água ao invés de substrato, plantando as mudas em terra assim que enraizadas.

B) Estacas de ramos semi-lenhosos (tenras na ponta e firmes na base)
Em plantas ornamentais, esse método é muito utilizado para propagar plantas arbustivas.

* Cortamos um ramo lateral, formando uma estaca de aproximadamente 10 a 15 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores;

* Retiramos as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas. É recomendado que se corte as folhas restantes pela metade, para diminuir as perdas de água por transpiração;

* Cortamos um ramo lateral, formando uma estaca de aproximadamente 10 a 15 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores.

* Retiramos as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas. É recomendado que se corte as folhas restantes pela metade, para diminuir as perdas de água por transpiração;

* Colocamos os ramos em substrato adequado (terra, areia, entre outros), enterrando a base sem folhas. Assim, novas raízes se formam na planta, originando novas mudas.

C) Estacas de ramos lenhosos (firmes, lignificados)
É o método mais utilizado para árvores (a maioria das frutíferas), arbustos e roseiras. Para as plantas cujas folhas caem no inverno (planta decíduas), é recomendado que as estacas sejam feitas quando a planta estiver sem folhas, perto do período de rebrota das folhas;

* Cortamos um ramo lateral firme, formando uma estaca de aproximadamente 15 a 30 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores;

* Caso a estaca possua folhas, retire as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas. É recomendado que se corte as folhas restantes pela metade, para diminuir as perdas de água por transpiração. No caso das roseiras, recomenda-se a utilização de ramos que já floriram, mas sem flores no momento;

* Colocamos os ramos (estacas) em substrato adequado (terra, areia, entre outros), enterrando a base sem folhas. Essas estacas podem ser plantadas também diretamente no local definitivo, apesar disso, é recomendado o seu plantio anteriormente em vasos ou sacos de mudas. Assim, novas raízes se formam na planta, originando novas mudas.

D) Estacas de folhas
É um método utilizado em plantas ornamentais principalmente em suculentas, mas são utilizadas comercialmente na produção de mudas de algumas espécies de eucalipto. As plantas geradas por este método são muito parecidas com a planta que as originou, sendo por isso um processo interessante.

violetaafricana
Como exemplo, mostraremos a reprodução da violeta-africana.
* Cortamos uma folha saudável da planta, retirando-a até a base;

* Enterramos aproximadamente um terço da folha em um substrato adequado, com a base da folha para baixo.

Para o substrato, pode ser utilizada areia, terra, etc. O mesmo processo pode também, em alguns casos, ser realizado na água. Assim, as folhas enraizarão e formarão novas plantas.

chafaris

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


renda-portuguesa

A renda portuguesa pertence à família Davalliaceae e tem sua origem na Austrália.

É uma planta delicada, o que a torna uma das plantas preferidas para quem curte a criação deste tipo de planta.

A planta apareceu pela primeira vez nos continentes ocidentais a partir do século XVI onde navegadores começaram a trazer mudas de plantas que inclusive se adaptaram de maneira muito fácil ao ambiente brasileiro, a planta é considerada herbácea e também rizomatosa, possui grandes e longos rizomas repletos de pelos marrons escuros, de onde saem as partes das folhas compostas e finalmente pinadas de aparência delicada.

É uma planta que podemos considerar, quando for bem tratada, ter o poder de seduzir qualquer pessoa levando em conta sempre a sua beleza e robustez.

Esta planta é muito bonita, e bastante recomendada para se deixar em pontos altos dentro de casa, o que faz com que ela tenha uma boa areação e também possa receber um pouco de claridade necessária.

Dicas de cultivo da Renda-portuguesa
Primeiramente procure evitar deixar o seu vaso de renda portuguesa em alguns locais onde exista vento, ou mesmo suas folhas possam ficar queimadas e amareladas.

Outra observação interessante é que a renda portuguesa poderá se adaptar perfeitamente em banheiros, por exemplo, por causa do vapor do chuveiro, elas adoram.

A seguir procure sempre manter o vaso sempre úmido, porém nunca se esqueça de não deixar água parada no pratinho, a dengue continua rondando frequentemente as famílias brasileiras.

Em seguida, para que os vasos possam sempre ficar bonitos, procure retirar manualmente os ramos secos e em seguida fique de olho em tatuzinhos ou mesmo lesmas que aparecem na planta e os retire manualmente para que não danifiquem a sua planta.

Davallia fejeensis Hook.

As melhores formas de cultivar são em ambientes iluminados, porém que não recebam sol direto, a planta poderá ser cultivada no chão embaixo de árvores, que é onde são encontradas em ambientes naturais ou também em vasos ou mesmo jardineiras para interiores.

Os vasos utilizados pela planta poderão ser de várias formas como, por exemplo, tipo bacia e largos, apesar disso não precisam ser altos devido aos rizomas realizaram as trocas gasosas pela planta, por este motivo é interessante que fiquem em vasos mais rasos.

O solo para cultivar a planta deverá ser riquíssimo em matéria orgânica e por este motivo procure utilizar uma mistura de composto orgânico, turfa e também areia. É possível ainda se utilizar substratos especiais além de organo-minerais que podem ser vendidos em sacos nas agropecuárias, porém se utilizar este material deverá fazer uma mistura com areia para que tenha resultados.

Se quiser realizar trocas de vaso procure proteger o furo de drenagem com cascalhos ou mesmo mantas não tecido e também utilize um pouco de areia.

Procure a seguir colocar um substrato e plante a sua muda, acrescentando mais substrato apertando de leve para que possa fixar, em seguida regue a planta. Mantenha o substrato que deverá estar levemente úmido.

A planta gosta de bastante de água e de umidade, deve ser regada dia sim, dia não. Se o clima estivar chuvoso e umidade do ar elevada, pode regar com menor frequência: a cada 2 ou 3 dias. Preste atenção nas folhas: se parecerem murchas ou ficarem amareladas, poderá ser falta de água.
Quando as folhas estão fortes e vigorosas, podem aparecer lagartas para fazer um banquete com a sua planta. As lagartas são delicadas e pequenas, mas tem um grande apetite.

Geralmente se escondem debaixo das folhas e como são verdes, ficam mimetizadas, disfarçadas. Então para encontrá-las vale a pena olhar no chão, em volta do vaso e encontrar bolinhas pretas, que são o excremento da lagarta. Isso pode ajudar a descobrir onde ela está.

Depois de encontrá-la vem o dilema entre matá-la para salvar a renda ou deixar viver para virar borboleta. A escolha é de cada um.

Se sua renda ficar para fora de casa, pássaros podem encontrar as lagartas e comê-las. Assim, a natureza se encarrega de tudo e faz a seleção natural.

Como podar a Renda-portuguesa
* Todo mês de Agosto, pegue uma tesoura de poda (ou tesoura comum bem afiada) e corte todas as hastes das folhas cerca de 2 cm longe da base, deixando apenas um “cotoco” de haste. Depois de algumas semanas o “cotoco” de 2 cm vai secar e cair. Não fique assustadao, a planta vai ficar careca, mas é por pouco tempo.

* Regue bem a renda e continue regando normalmente a cada 2 dias. Mantenha a renda à sombra, porém em lugar iluminado.

* agora é só aguardar o espetáculo da brotação.

renda-portuguesa21

Como propagar a Renda-portuguesa
A melhor forma de cultivo da planta é a multiplicar em novas mudas, sendo muito fácil fazer este procedimento, através dos seus caules, que são também chamados de rizomas, estes ficam aéreos, sendo assim possível se ter a partir de um vaso cheio a possibilidade de realizar diversas novas mudas.

Para o cultivo é necessário alguns materiais como, por exemplo, um vaso que deverá estar pronto para que se possa retirar a muda, você permite quando isto é possível, pois estará carregado de rizomas, o que mostra que é possível se tirar diversas mudas.

Uma pá de cultivo de plantas, daquelas pequenas, que é possível se utilizar para fazer a areação da terra, uma tesoura afiada, terra orgânica que você poderá encontrar em qualquer casa de plantas ou mesmo poderá criar na sua casa com cascas de frutas e cascas de ovos, areia de praia, que deverá estar o mais limpa possível, cacos de telha, e um vaso.

O vaso deverá preferencialmente ser um de fibra de coco, porém poderá ser colocado em um vaso de cerâmica pequeno inicialmente até que seja  possível se pegar a muda.

Primeiramente procure optar por um rizoma que possa ter pelo menos duas gemas ou mesmo um olho, pois será delas que irão sair as novas mudas, em seguida procure cortar o rizoma que você escolheu e o deixe de lado.

Em seguida procure preparar o vaso que irá receber a muda, jogando primeiramente os cacos de telha para que ocorra uma melhor drenagem de água nas regas das plantas.

A seguir coloque por cima a terra orgânica até que chegue a metade do vaso, em seguida procure jogar por cima um pouco de areia para que não fique compactada e coloque novamente a terra. Procure em seguida misturar esta camada.

A seguir procure colocar o rizoma, ou seja, as raízes sobre a terra levando em conta o cuidado de não o enterrar de forma inclinada, procure o enterrar de forma diagonal para que possa aderir melhor a terra, a seguir procure pulverizar com a terra orgânica de forma que possa cobrir o rizoma de forma bastante suave.

Aproveitando as pontas dos dedos, procure pressionar a terra que está em volta da muda, porém não totalmente somente o que estiver em torno do rizoma.

Pronto agora é só cuidar da planta como foi ensinado e você terá uma bonita planta enfeitando sua casa.

janelabuterflay

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Bemisia tabaci
A mosca-branca (Bemisia tabaci e Bemisia argentifolii), também conhecida por Piolho-das-plantas, Piolhos-farinhentos, é uma das pragas mais conhecidas no mundo e está presente em praticamente todas as regiões agrícolas. Tecnicamente não se trata de uma mosca, pois é um hemíptero, mesma ordem dos pulgões e percevejos, e não díptero que é a ordem das moscas comuns.

Uma regra prática para não confundir é o número de asas: hemípteros têm quatro asas enquanto que dípteros têm duas. Existem duas espécies bastante conhecidas como pragas. A segunda é conhecida por ser mais destrutiva e resistente a certos inseticidas.

As moscas-brancas adultas parecem pequenas mariposas com asas brancas de cera. O estágio de ninfa se assemelha a pequenas escamas esbranquiçadas. Elas danificam as plantas sugando os sumos e secretando um resíduo pegajoso em que cresce mofo.

É um inseto é muito pequeno, medindo de 1 a 2 mm e tem coloração de branca a amarelo-pálido, os olhos são negros e se destacam no corpo do inseto. Quando está em repouso, mantém as asas fechadas, parecendo haver um par somente. Não se move rapidamente sendo de fácil captura, no entanto tem grande capacidade de dispersão pela quantidade de ovos, 200 em média por fêmea, e pela ação do vento como agente dispersante. Prefere climas mais secos, onde são maiores sua longevidade e fertilidade.

O estágio de escamas é difícil de eliminar, mas os adultos são mais facilmente controláveis.

Os danos causados pela mosca-branca são, além da sucção de seiva que enfraquece as plantas, o deposito de toxinas que provocam crescimento desuniforme dos tecidos vegetais. Ainda, assim como os pulgões, a mosca-branca também secreta uma substância açucarada que permite o desenvolvimento de fumagina, um tipo de fungo escuro que impede a fotossíntese nas plantas.

As partes afetadas são os botões, brotos, folhas, enfim, toda a planta e os sintomas da presença dessa praga são as folhas enrugadas com coloração amareladas, amadurecimento irregular de frutos, presença de fumagina e redução de floração.

Armadilhas podem impedir os adultos de colocarem ovos, e sprays caseiros podem ser usados ​​para controlar a mosca-branca em estufas e em vasos de plantas dentro de casa.

Bemisia argentifolii)

Outro dano, talvez o mais importante em algumas culturas, é o fato de esta praga ser transmissora dos vírus Begomovírus e do VMDF (vírus do mosaico dourado do feijoeiro). A mosca-branca infesta muitas espécies de plantas conhecidas, como tomateiro, feijoeiro, soja, brócolis e diversas ornamentais. Também é encontrada em plantas daninhas presentes em jardins, terrenos baldios e cultivos comerciais.

O controle de mosca-branca em grande escala é realizado via aplicação de inseticidas. Em áreas menores sugere-se o controle preventivo. Também podemos utilizar armadilhas de coloração amarela, em lona, plástico, etiquetas, etc., untadas com óleo. Estas devem ser colocadas entre as plantas, na mesma altura das plantas presentes no local.

Para plantas ornamentais fora de casa, os sprays caseiros proporcionam um melhor controle, pois as mudanças climáticas podem estragar as armadilhas.

Materiais que a serem utilizados
*
Álcool;
* Borrifador;
* Sabão de glicerina;
* Alho.

Inseticida para plantas de interior
* Primeiramente, remova as moscas brancas adultas com um aspirador pequeno de mão ou com um comum. Vasos de plantas menores podem ser colocados sob o chuveiro para remover insetos adultos. Certifique-se de cobrir a terra do vaso para que não saia do vaso.

Faça uma solução de álcool isopropílico 70% para usar como spray. Misture duas xícaras de álcool em 250 ml de água. Não use mais álcool, pois pode queimar plantas com folhas peludas ou suculentas;

* Teste a solução sobre uma porção de cada planta, pois algumas são sensíveis ao álcool. Encha um borrifador e aplique a solução em todas as partes não sensíveis. Aplique nas hastes e em baixo das folhas;

* Use uma solução de sabão para plantas sensíveis. Rale 16 colheres de sopa de sabão de glicerina e misture em seis litros de água até que dissolver completamente. Para testar a sensibilidade, passe a solução na parte inferior de uma folha;

* Aplique a solução de sabão em todas as partes das plantas não sensíveis e deixe secar de um dia para o outro. Lave as plantas no dia seguinte com água corrente, ou leve os vasos grandes para fora e use a mangueira com um jato fraco.

Inseticida para plantas de exterior
* Amasse dentes de alho suficientes para encher uma xícara. Adicione quatro colheres de chá de óleo mineral, misture bem e deixe de molho por um dia;

* Adicione quatro xícaras de água e uma colher de sopa de sabão inseticida. Misture muito bem e deixe descansar por duas horas, coando a solução em seguida;

* Use uma colher de sopa de solução para cada duas xícaras de água no pulverizador. Molhe todas as partes das plantas, incluindo a parte de baixo das folhas. Não utilize um pulverizador que foi utilizado com herbicidas ou outros inseticidas.

espantalho1

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Flor-de-maio
Assim como a Flor de Maio, a Flor de Outubro também é da família das cactáceas. Uma das diferenças, como o nome já diz, é a data em que costumam ocorrer as flores. Além disso, a forma das flores e folhas também é um pouco diferente.

São plantas muito resistentes, que gostam de luz, porém não gostam de pegar sol direto por mais que 4 horas por dia.
Se você gosta de cores fortes, um vaso com Flor de Outubro vai deixar a sua casa muito mais alegre!

Como fazer mudas de Flor de Outubro ou Flor de Maio
1 – Arranque uma folha destacando-a da folha debaixo.
Não corte a parte debaixo da folha. Segure-a e mexa de um lado para o outro para que ela se solte exatamente no ponto que se encaixa com a outra folha.

2 – Enterre a parte de baixo na terra e posicione-a de maneira que ela fique em pé.

3 – Regue pouco, sem encharcar o solo.
Se o local onde você mora for muito seco, observe as folhas. Se estiverem ficando enrrugadas, é sinal de desidratação, então aumente a frequência da rega.

Coloque uma leve camada de musgo seco sobre a terra para manter a terra protegida. Assim quando for regar, a força da água não faz buracos e a folha continua firme no mesmo local que foi plantada.

4-Regue uma vez por semana e tenha perseverança para cuidar da folha até nascer outra folhinha como na foto acima.

flor-de-outubro
Como cuidar da Flor-de-outubro ou da Flor-de-maio para que elas deem flores
1 – Mantenha-as em local arejado e bem iluminado. A falta de luz enfraquece muito estas plantas e se não receberem luz suficiente podem morrer. Porém não deixe-as pegar sol direto por mais que 4 horas, pois o sol direto pode queimar as folhas.

2 – Regue quando a terra estiver seca. Geralmente uma vez por semana, mas a frequência pode variar, dependendo da região que você mora. Em lugares com clima mais seco, aumente a frequência da rega.

3 – Mantenha a terra nutritiva, ou seja, adube a cada 2 meses. Pode adubar com esterco, com farinha de osso ou com adubos vendidos em casas de jardinagem, como o Green-Fix, por exemplo.

Seja sempre cauteloso com as adubações, pois adubo demais também mata qualquer planta. Então quando comprar adubo, leia as instruções e siga a quantidade descrita no rótulo. Se tiver dúvida, é melhor usar menos adubo do que usar em excesso.

Se for usar esterco, certifique-se que ele está bem curtido, ou seja, bem seco e antigo. Esterco fresco fermenta e pode matar a planta.

4 – Quando perceber que têm botões de flores, não deixe-as pegar sol direto, pois o sol desbota as flores.

janel15

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


hibiscos800

Elimine as pragas nos hibiscos para que as plantas voltem a florescer

Identificar pragas em hibiscos é a primeira etapa em direção à eliminação delas. Uma vez que você sabe o que os insetos são e como se livrar deles, suas flores terão novamente a oportunidade de prosperar.

Esses insetos normalmente causam mais problemas com o passar do tempo se não forem eliminados rapidamente, já que muitas pestes de hibisco danificam as folhas e flores, além de espalharem bactérias e doenças pela a planta.

Pulgão
Talvez o tipo mais comum de inseto em hibiscos seja o pulgão; estes são pequenos insetos pretos, verdes ou brancos que invadem o broto e a flor da planta. Eles podem ser vistos no topo dos caules, próximos ou nas flores.

Eles deixam uma substância grudenta chama de “melada” nas folhas e se reproduzem com uma frequência alarmante, portanto quando a praga é vista pela primeira vez, os hibiscos devem ser tratados o mais rápido possível.

Os predadores naturais incluem crisopas e joaninhas, mas eles não livram suas flores completamente desses pequenos predadores; você pode ter que usar uma substância química sistêmica contendo imidacloprida.

Formigas
Além de gostar do néctar das flores do hibisco, as formigas adoram a melada doce criada pelos pulgões e outros insetos sugadores de seiva. Elas carregam pragas e seus ovos nas folhas do hibisco, cultivando e protegendo-os de outros insetos.

Talvez a melhor maneira de se livrar das formigas é primeiro eliminar os insetos que elas estão cultivando; isso pode levar semanas de observação cuidadosa e uso de substâncias químicas, mas controlará mais do que um problema de pestes.

Outra maneira de se livrar das formigas é usando uma isca que será carregada para o ninho, pois isso eliminará a rainha e sua colônia.

hibisco-flor

Mosquitos dos fungos
Se cultiva hibiscos dentro de casa, pode ser comum ver pragas voadoras, como moscas dos fungos. Esses insetos se parecem e voam como pequenos mosquitos; a larva desse mosquito se alimenta de fungos, que é comum em plantas em vasos, e então continuam a se alimentar das raízes das plantas. Os mosquitos danificam o sistema da raiz e também espalham os fungos, que são perigosos para os hibiscos. Para se livrar dos mosquitos de fungos, trate as larvas e os adultos; você pode precisar de dois inseticidas separados para isso.

Moscas da costa
Diferentemente dos mosquitos de fungos, as moscas da costa não danificam as plantas de hibiscos, mas são um incômodo, pois esses insetos voadores se parecem e voam como pequenas moscas caseiras.

Eles se alimentam de algas, que crescem comumente em cima do solo de plantas em vasos. Para se livrar das moscas da costa, trate-as com um inseticida para mosquitos dos fungos adultos e remova crescimentos de algas óbivos do solo de sua planta de hibisco.

Tripes
Os brotos saudáveis de hibiscos não perdem a cor e caem da planta, mas se eles estiverem sofrendo do mal tratamento de tripes, as flores morrerão antes de florescer. O tripe é uma praga pequena que vive e coloca ovos em muitos tipos de flores diferentes, incluindo hibiscos. Eles se parecem com uma pequena linha preta e são difíceis de serem vistos.

A melhor maneira de determinar se seu hibisco possui tripes é removendo uma flor aberta do caule e balançando-a, de ponta cabeça, sobre um pedaço de papel branco; os insetos são fáceis de serem vistos contra o papel. Para extinguir a infestação, remova todos os brotos mortos e fechados.

Os tripes amadurecem no solo embaixo das plantas que infestam, então jogue todos os botões e resíduos de flores. Alguns inseticidas sistêmicos podem ser usados se você alternar tipos, pois os tripes rapidamente desenvolvem uma resistência a matadores químicos. Para uma maneira mais natural de removê-los, use um produto contendo óleo de Nim.

janel10

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Polygonum capitatum 1

A planta pertence à família Polygonaceae e é originária da Ásia – Índia, Himalaia –  é encaixada na categoria de forrações à meia sombra ou então de forrações a sol pleno.

Atinge alturas entre 15 e 20 cm de altura. Pode ser cultivada a sol pleno ou então a meia sombra. Trata-se de uma planta de ciclo de vida perene e que é bastante utilizada no paisagismo.

A planta Tapete-Inglês é herbácea, reptante e perene, sua ramagem é delicada e possui uma cor castanha, as folhas que compõem essa planta são lanceoladas, com nervuras e margens vermelhas, pubescentes, com uma cor bronzeada e também com desenhos em forma de “V”.

Acima da folhagem durante todo o ano despontam as inflorescências que são globosas, terminais, brancas, verdes e rosadas. O período principal de aparecimento das inflorescências são os meses do verão e do outono.

Utilidade paisagística
O Tapete-inglês é uma planta excelente para fazer forração uma vez que forma lindos tapetes em áreas que são ensolaradas e também naquelas que são semi-sombreadas. A sua textura e cor singulares ajudam a adicionar mais charme a vários tipos de jardins.

Essa planta ajuda a conferir um visual mais rústico e natural em bordaduras ao longo de caminhos ou pedras. Além disso, você pode ser cultivada em vasos e floreiras. A dica é evitar cultivar essas plantas em locais em que há o fluxo intenso de pessoas, pois a mesma não tolera o pisoteio.

Nos climas temperados essa planta perde a sua folhagem nos meses do inverno. Outra característica do Tapete-Inglês é se adequar ao plantio no litoral.

Polygonum capitatum
Cultivo
Para que essa planta apresente bons resultados de cultivo é necessário que seja colocada em ambientes que tenham sol pleno ou mesmo meia sombra. Também é importante que o solo seja fértil, bem drenável e preparado com a adição de matéria orgânica. As regas devem ser periódicas para que a planta possa crescer saudável.

Uma excelente dica para quem vai plantar o Tapete-Inglês é colocar apenas 4 mudas por m2. Isso vai ajudar a formar um denso tapete, o efeito visual é muito bonito. Porém, se você vive numa região seca é importante reconsiderar o plantio do Tapete-Inglês uma vez que essa planta tolera apenas curtos períodos de seca.

Uma vantagem de cultivar o Tapete-Inglês é que ele exige pouca manutenção, basta fazer podas de controle e crescimento, as adubações são anuais. Uma planta que aprecia o frio subtropical ou mediterrâneo e que se desenvolve melhor nessas regiões.

A sua multiplicação deve ser feita por divisão de ramagem enraizada e espontaneamente por sementes. Vale destacar que essa planta pode surgir espontaneamente em fendas de muros e calçadas.

Mas o que são Plantas de Forração?
O Tapete-Inglês é um exemplo bem interessante de planta de forração, se você se interessa por jardinagem e deseja cultivar plantas que ajudem a dar um toque de paisagismo no seu espaço verde saiba mais sobre essas plantas.

As plantas de forração são aquelas que possuem pouca altura e que tem a capacidade de forrar grandes espaços de terra. Basicamente elas formam um tipo de cobertura vegetal que é chamado de forração. Quando elas crescem acabam criando um visual de gramado verde e extenso.

O termo espécie de forração também está ligado a ideia de plantas de cobertura que não são resistentes ao pisoteio. Dessa forma muitos jardineiros e paisagistas profissionais não incluem essas plantas na categoria de grama.

Os especialistas definem como plantas de forração aquelas espécies ornamentais que são usadas para cobrir toda a terra de um canteiro, um vaso ou mesmo de uma área extensa de jardim. Essas plantas funcionam como um tipo de tapete vivo para o seu jardim.

Para boa parte dos especialistas as plantas que são comumente usadas como plantas de forração quando cultivadas num vaso ou canteiro perdem essa designação. Podemos dizer que basicamente esse termo está associados a planta que faz a cobertura direta do chão.

Pelo fato de não resistirem ao pisoteio essas espécies são mais indicadas para serem cultivadas ao redor de árvore ou então sob bosques sombreados. Numa média geral as espécies de cobertura crescem até uma altura máxima de 30 cm.

Forração protetora
As plantas de forrção podem ser usadas para outros fins além de somente enfeitar um espaço, podem ser usadas para proteger o solo de barrancos e taludes das erosões que são causadas pelas chuvas. As plantas agem contra o ressecamento que é causado pelo calor excessivo.

Além disso, essas plantas ainda podem ajudar na absorção de água da chuva e isso evita que a mesma se acumule no terreno. As plantas de forração além de ajudar a proteger os espaços em que estão completam o projeto paisagístico do jardim. São plantas que ajudam a dar mais cor e textura para esse espaço.

A melhor opção para a manutenção do espaço drenável do solo, de pisos impermeáveis ou mesmo de pedriscos soltos que acabam aumentando a irradiação do calor e a temperatura do ambiente.

Da mesma forma que outros tipos de plantas, as de forrações também podem ser divididas em opções que devem ser cultivadas a pleno sol e aquelas que se adaptam a cobertura de locais sombreados em que um gramado convencional dificilmente conseguiria crescer.

As espécies conhecidas como de forração em geral gostam de receber luz indiretamente, filtrada e tem um desenvolvimento melhor sob as árvores. O toque incrível para deixar o seu jardim mais bonito, a forração criada por esse tipo de planta fica muito bonito no seu período de floração.

Dia-de-Chuva

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.