Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




bulbos-da-cebola

Se você tem a possibilidade de cultivar legumes em casa, sabe que o sabor é bem melhor do que aquele dos produtos comprados no supermercado. E entre eles, as cebolas, que estão sempre entre um dos principais ingredientes dos pratos da culinária brasileira.

As cebolas caseiras para quem não sabem podem ser cultivadas a partir de sementes, enquanto a cebola branca e a cebolinha pode ser cultivada a partir das partes vegetativas da planta original.

As cebolas brancas podem se desenvolver a paetir do bulbo chamado de mãe e vão se formando embaixo da terra. O bulbo é composto de 6 a 12 bulbos com cebolas individuais.

No caso da cebolinha ela vai crescendo a pequenos bulbos que saem das pontas.

As cebolas brancas e as cebolinhas são recolhidas durante a primavera e por isso, são chamadas de cebolas de inverno.

Do que você vai precisar para plantas bulbos de cebolas
-
Composto orgânico, estrume ou adubo;
- Pá;
- Húmus;
- Fertilizante com a seguinte fórmula: 5-10-10.

Como fazer para plantar
- O solo onde será cultivada a cebola deverá ser enriquecido com matéria orgânica e a proporção é de uma parte para cada duas partes de solo;
- A mistura deve ser trabalhada com a ajuda de uma pá e o buraco deve ser de 15 a 20 centímetros de profundidade;
- O solo ideal para plantar bulbos deve ser argiloso porque deve apresentar boa drenagem e também rico;
- O segundo passo é pegar os bulbos da cebola que você pretende plantar e para tê-los será necessário abrir o buraco e procurar o bulbo mãe, separar dos demais. No caso da cebolinha é necessário cortar os pequenos bulbos dos brotos da cebolinha;
- Depois a profundidade para plantar os bulbos deve ficar entre 2,5 a 5 e o espaço entre cada um deve ser de 7 a 12 cm. Cada bulbo deve ser plantado separadamente, a parte pontuda deve ficar para cima e em seguida, pode cobrir com a terra. Delicadamente bata a terra sobre para que as bolhas de ar saiam e isso faz que o bulbo tenha um bom contato com o solo;
- Em seguida, use o fertilizante, siga as instruções do rótulo, mas o ideal é que a proporção seja de 1 – 2 – 2 e também serve 5 – 10 – 10. Antes da primeira geada o fertilizante deve ser usado novamente a cada 4 ou 6 semanas;
- Durante a primavera a dose deverá ser aplicada somente quando as temperaturas forem mais altas;
- Vale ressaltar que os bulbos precisam de suplementos extras que são o potássio e o fósforo. Porém, quando eles recebem esses nutrientes em quantidade exagerada os bulbos podem queimar ou ficarem moles;
- Sobre os bulbos já plantados coloque de 7 a 15 cm húmus. O mesmo deve ser feito sobre as cebolas que são plantadas em lugares quando a temperatura cair muito. E quando a temperatura subir, retire essa cobertura de húmus.

imagem-neve40

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Entre as pragas que atacam as plantas uma se destaca, isto é, é mais “feroz”, é a mosca-branca, que apesar do nome, na idade adulta tem a coloração de branca a amarelo-pálido, os olhos são negros e se destacam no corpo do inseto. A medida delas fica entre 1 e 2 mm e o macho é menor do que a fêmea. s asas ficam um pouco separadas permanecendo com os lados paralelos quando elas estão de repouso e ainda é possível ver o abdômen.

Quando está em repouso, mantém as asas fechadas, parecendo haver um par somente. Não se move rapidamente sendo de fácil captura, no entanto tem grande capacidade de dispersão pela quantidade de ovos, 200 em média por fêmea, e pela ação do vento como agente dispersante. Prefere climas mais secos, onde são maiores sua longevidade e fertilidade.

O tempo que uma praga como essa vive depende da temperatura que ela está exposta e o tipo de alimentação. E o seu estágio de crescimento para do ovo a adulto sob temperatura que deve ficar em torno dos 32 graus e leva entre 18 e 19 dias.

O ovo da mosca-branca também é de cor amarela e o seu formato lembra muito aquele de uma pera, a medida fica entre 0,2 e 0,3 mm. As fêmeas colocam os seus ovos na parte de dentro das folhas de forma irregular. E essa fase dura entre 6 a 15 dias, o que faz variar o tempo é a temperatura em que ela está.

Tecnicamente não se trata de uma mosca, pois é um hemíptero, mesma ordem dos pulgões e percevejos, e não díptero que é a ordem das moscas comuns. Uma regra prática para não confundir é o número de asas: hemípteros têm quatro asas enquanto que dípteros têm duas. Existem duas espécies bastante conhecidas como pragas, Bemisia tabaci e Bemisia argentifolii. A segunda é conhecida por ser mais destrutiva e resistente a certos inseticidas.

Bemisia tabaci

Bemisia argentifolii

Os danos causados pela mosca-branca são, além da sucção de seiva que enfraquece as plantas, o deposito de toxinas que provocam crescimento desuniforme dos tecidos vegetais. Ainda, assim como os pulgões, a mosca-branca também secreta uma substância açucarada que permite o desenvolvimento de fumagina, um tipo de fungo escuro que impede a fotossíntese nas plantas.

Outro dano, talvez o mais importante em algumas culturas, é o fato de esta praga ser transmissora dos vírus Begomovírus e do VMDF (vírus do mosaico dourado do feijoeiro). A mosca branca infesta muitas espécies de plantas conhecidas, como tomateiro, feijoeiro, soja, brócolis e diversas ornamentais. Também é encontrada em plantas daninhas presentes em jardins, terrenos baldios e cultivos comerciais.

Controle químico para eliminar a mosca-branca
Esse é chamado o controle mais generalizado, mas alertam os especialistas, muitas vezes é feito de forma irracional. Veja qual a maneira de usar o controle químico de forma eficiente e segura!

Inseticidas
- Procure o inseticida apropriado para controlar a mosca-branca.
- Use somente a dosagem que é recomenda nas instruções do rótulo.
- Outra opção é usar também óleos desde que a dosagem fique entre 0,5% e 0,8% ou detergentes e sabões neutros com dosagem de 0,5%. Ambos servem principalmente para diminuir a oviposição da mosca-branca. Porque as ninfas não conseguem se alimentar onde tem óleo e acabam morrendo desidratadas.
- Os produtos devem ser aplicados em rotação temporal ou espacial.
- Quando e usa a rotação você consegue fazer com que o efeito do seu inseticida dure por mais tempo.
- Nunca aumente a dose do produto por sua conta e nem é recomendado usar um único produto. Com um tempo, a praga se torna resistente a ele.
- Mistura inseticidas não garante maior eficiência. Eles devem ser mudados, mas de forma rotativa.

Também podemos utilizar armadilhas de coloração amarela, em lona, plástico, etiquetas, etc., untadas com óleo. Estas devem ser colocadas entre as plantas, na mesma altura das plantas presentes no local.

Existem diversos inimigos naturais de mosca-branca, são várias espécies de percevejos, lixeiras, besouros e vespas. Há, ainda, espécies de parasitóides dos gêneros Encarsia, Erectomecerus e Amitus. Realizando prevenção e/ou controle químico racional,  podemos manter e até aumentar a presença desses inimigos naturais de mosca branca.

O importante é que todo o controle, seja ele cultural, cultivo resistente, uso de inseticida, deve ser atento para não favorecer os inimigos.

janela e castelo

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


regar-plantas

Quem está começando a cultivar e cuidar plantas acha que molhá-las é uma tarefa fácil,  pelo contrário, é uma tarefa que exige muita atenção. É muito mais comum uma planta morrer pelo excesso de água do que pela falta dela. Com o medo de deixá-las sem água, normalmente, os principiantes acabam é colocando água de mais. Porém, verdade seja dita não é nada complexo regar as plantas, basta saber como fazer e pronto. Não tem erro.

Cuidados necessários na hora de regar as plantas
Não importa se as plantas estão no jardim ou em vasos na parte interna da casa, dos dois modos, elas devem receber os mesmos cuidados, incluindo, principalmente, a rega. Lembrando que as espécies diferentes exigem um tipo de cuidado diferente uma das outras. Porém, o horário para que as plantas recebam água é sempre o mesmo, não importa de qual espécie ela é, molha-se na parte da manhã, bem cedinho, e depois no fim da tarde, sempre após o sol se por. O horário de meio-dia não deve ser usado para molhar as plantas de maneira nenhuma.

Se você esqueceu de molhar as suas plantas a tardinha, não faça isso à noite. Nesse período, elas não absorverão bem a água, o que fará com que as folhas fiquem por um período mais longo molhadas e isso pode acabar fazendo aparecer fungos.

Quantidade de vezes que se deve regar as plantas
O primeiro passo antes de fazer a primeira rega das plantas é avaliar quais as condições do dia. O clima pode diferenciar para que seja necessário aumentar a quantidade de água ou diminuir a quantidade. Alguns dias estará muito frio, em outros, muito quente. E claro, se um dia faz muito calor a planta precisa de mais água e no dia que faz frio, precisa de menos água. Por isso, não dá para não considerar o clima.

Porém, existe um modo de saber se a sua plantinha está precisando de água, sem erro. Usando os dedos ou um palito basta mexer na terra e observar se ela está seca ou úmida. No primeiro caso, é hora de regar, no segundo, não precisa, deixe para o dia seguinte.

Além de seguir as instruções anteriores, claro, não esqueça de se informar sobre o tipo de rega que é necessário para espécie de planta que você escolheu.

Quantidade de água que deve ser usada na rega das plantas
No caso da rega, pode ter certeza, que é melhor pecar pela falta do que pelo excesso. Se você encharcar a terra tem grandes chances de fazer com que suas plantas morram, claro, que algumas espécies gostam disso. Por isso, é muito importante conhecer bem como cuidar da sua. Porém, aquelas que não gostam acabam sofrendo porque a raiz se “afoga” não conseguindo ter o ar que precisa. Esse processo gera fungos e doenças na planta.

Quando for regar a planta vá colocando água lentamente e dê pequenas pausas caso perceba que a água está entrando muito devagar na terra ou quando perceber que ela já está saindo nos buracos do fundo do vaso.

Como regar as folhas
As folhas podem e não podem ser molhadas. Explicando melhor, depende da espécie de planta que você tem em casa, algumas podem ter as folhas molhadas enquanto as outras não podem. Principalmente, aquelas que possuem folhas muito sensíveis, como é o caso, por exemplo, das violetas. Porém, caso você molhe as folhas por acidente não precisa ficar preocupado, não tem problema. Claro, não deixe que isso se repita outras vezes.

Também dá para evitar esses “acidentes”. Ao invés de regar jogando a água diretamente na planta, você poderá colocar a água nos pratinhos ou na base que fica embaixo dos vasos. Além de ter certeza de que as folhas ficarão sequinhas, será possível evitar várias doenças que acabam atingindo as plantas por causa de regas que não são feitas corretamente.

Dicas para regar as plantas da maneira correta
Se a sua plantinha ficou sedenta e murchou não pense que agora fazendo a rega e encharcando ela estará tudo resolvido. Pelo contrário, essa água em excesso depois de um período sem o líquido provocará um estresse ainda maior no metabolismo da planta. Na prática, esse processo acarretará a perda total da capacidade de se reidratar da planta e isso fará com que ela sofra com a falência funcional das raízes e em sequência grande parte dos tecidos celulares irão morrer.

A rega não deve ser feita com um kst muito forte de mangueira, o correto é fazer por aspersão, isto é, usando uma forma de chuveiro, com chuviscos, que caiam poucas gotas pouco a pouco. A planta quando recebe água dessa forma tem menos chances de ter as suas folhas lesionadas, principalmente, aquelas mais frágeis. Além disso, com a água controlada não acontecerá de se formarem buracos na parte de cima do substrato.

Lembre-se sempre que a rega não deverá ser feita de maneira nenhuma em um único ponto. A água deve ser distribuída em toda a área do substrato. Atenção dobrada, como foi dito anteriormente, se a planta não puder receber água nas folhas.

Se quiser usar mesmo a mangueira, faça isso com bico aspersor, outras opções são o pulverizador manual, o regador de bico fino ou o regador com crivo.

gif20lua345

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Coelogyne Cristata

As orquídeas estão entre as plantas comercializadas do mundo. Aqui no Brasil elas são muito comuns devido o seu colorido que combina sempre com as nossas estações relativamente tropicais. Para cultivar as orquídeas é preciso conhecer alguns detalhes sobre a planta que muitas vezes deixamos passar achando que não têm tanta importância assim.

Para que suas orquídeas sejam então flores bonitas e saudáveis sempre, vamos conhecer algumas dicas simples e eficientes que podem dar essa melhoria no seu cultivo.

Características gerais da orquídea
Na natureza existe uma quantidade praticamente incontável de orquídeas. Todas as espécies dessa flor fazem parte da família das Orchidaceae e da ordem das Asparagales, que é uma das maiores famílias de planta no mundo. Falar das características das orquídeas se torna algo muito superficial já que cada uma de suas variações possui características incríveis e bem particulares.

Podemos então caracterizar as orquídeas como sendo flores encontradas em quase todo o mundo já que somente na Antártida elas não conseguem sobreviver. Essas flores são, em sua maioria, caracterizadas como epífitas, que são flores que crescem sobre as árvores. Elas usam esse outro tipo de planta como suporte para absorver a luz do sol e outros nutrientes, mas em nenhuma condição agem como parasitas.

Então como a variação de orquídeas é grande, as dicas de cultivo também variam muito, mas vamos usar detalhes de uma forma bem geral e que você possa utilizar com a maioria das orquídeas que tem em seu jardim.

Escolha a orquídea ideal para a sua região
Devido a sua grande variação no mundo inteiro, você provavelmente vai encontrar uma orquídea que não se desenvolve sob as condições de clima e solo de sua região. Então antes de sair optando por qualquer flor porque é mais ou menos bonita, veja se o tipo de cultivo que ela exige como mínimo, é possível existir em sua região.

Plante orquídeas de diversas épocas de florescimentos
Todas as plantas possuem um ciclo de vida que varia de espécie para espécie e no caso das orquídeas não poderia ser diferente. Como um jardim de flores bonito é aquele você vai de fato encontrar flor sempre que chegar, escolha orquídeas com diferentes ciclos de florescimento para então ter flores brotando durante o ano inteiro e um jardim sempre bonito e colorido.

Utilize fertilizantes ao seu favor
Usar fertilizantes em qualquer planta é algo obrigatório porque são eles que ajudam a repor os nutrientes que as plantas gastam durante o seu crescimento. Como existem orquídeas que possuem ciclo de vida maior e outras com ciclo de vida menor como citamos no tópico anterior, você pode usar fertilizantes para acelerar de forma positiva o crescimento dos brotos e com isso não precisa esperar tanto para ter lindas orquídeas em seu jardim.

Claro que o uso deve ser feito de forma consciente para não prejudicar o seu cultivo e somente em casos esporádicos. O melhor fertilizante é o que possui formulação NPK de 10-30-10, usados sempre uma vez três meses antes que começar a época de florescimento da sua orquídea.

O local onde você vai plantar sua orquídea é importante
As orquídeas não florescem em qualquer tipo de ambiente. Caso você queira planta uma orquídea em vaso para usar como arranjo da sua sala ou de qualquer outro cômodo da sua casa, elas ficarão muito bonitas, porém se o ambiente tiver climatizadores como ar condicionado, por exemplo, ou então em um ambiente onde corra muito vento, com certeza a sua orquídea não florescerá ou sentirá muita dificuldade de completar o seu ciclo, podendo resultar em flores deficientes.

O melhor lugar para sua orquídea vai ser um local bem protegido desses dois fatores, sem calor, mas com acesso controlado da luz do sol (que ela fique exposta sempre de manhã cedo e no final da tarde).

Verifique a origem de sua orquídea
Por serem flores de variedade muito grande, existem aquelas orquídeas mais populares e outras que são mantenedoras de suas espécies, portanto devem ser respeitadas como tal. Mesmo sendo um grande fã e colecionador desse tipo de flor, evite aquelas que possuem origem de matas porque você vai contribuir para o tráfico da espécie assim como para sua extinção.

O mais indicado é sempre adquirir suas orquídeas de lojas ou fornecedores totalmente legalizados com produção pessoal ou orquidófilos.

Como regar sua orquídea
Saber regar qualquer planta é importante na verdade, mas no caso das orquídeas todo cuidado e atenção é primordial. Esse tipo de planta gosta de manter-se em um vaso com substrato mais úmido, porém ela não pode ficar jamais encharcada porque você com certeza matará a sua flor.

Normalmente também usamos pratinhos embaixo dos vasos para manter um pouco a umidade da terra e também evitar que a água que escoa suje o ambiente. No caso de um vaso com orquídeas, esse pratinho jamais deve ser utilizado porque o acúmulo de água pode apodrecer as raízes da planta facilmente.

A quantidade de regas ideal é de 2 a 3 vezes por semana e para não acumular água, você deve tirar o vaso do local e colocar em um ambiente onde ele possa ficar até a água da sua rega escorra por completo.

A luminosidade do local
Procure colocar as suas orquídeas em locais que ela possa receber a incidência dos raios solares no inicio da manhã (até as 09:00 horas) e no fim da tarde (a partir das 16:00 horas).

A orquídea precisa receber incidência dos raios do sol para florescer, portanto é importante encontrar o local correto para que seja evitada a troca de local de sua planta com regularidade.

A ventilação do local
As orquídeas precisam ser cultivadas em locais arejados, no entanto é necessário evitar os locais que possuem ventilação muito forte, pois esta condição impede o florescimento das orquídeas.

Cuidados com pragas e doenças
Toda planta está sujeita à sofrer com pragas e doenças mesmo quando cuidamos bem delas. O aparecimento dessas pestes se dá por motivos tão diversos que muitas vezes esquecemos que o tratamento intensivo pode favorecer o seu aparecimento e não o contrário. Quando falamos em orquídeas o cuidado deve ser dobrado porque elas são muito delicadas e conseguem absorver esse tipo de praga com mais facilidade.

Atente-se com a quantidade de umidade, como citamos mais acima, porque além de colocar a saúde e vitalidade da sua planta em risco, você ainda facilita o aparecimento de fungos quando a planta fica muito tempo úmida. Quando se fala em pragas para essa planta, as cochonilhas são sempre citadas porque são as quem ais aparecem na espécie.

Observe sempre a sua planta e veja se ela não possui nenhum tipo de praga. Caso as encontre, busque combatê-las de imediato.

Identifique a sua orquídea
Procure identificar suas orquídeas através de placas, com isso facilita o seu trabalho para gerar as condições adequadas (ventilação, irrigação, adubação, luminosidade e etc.) para cada uma das variedades que você cultiva.

Dicas
Para cultivar Orquídeas, é importante que a pessoa conheça a variedade que está sendo cultivada, para que os detalhes de cultivo da planta sejam adotados.

Toda planta precisa de condições adequadas para o bom desenvolvimento, e com as orquídeas não é diferente, elas precisam ser cultivadas nas condições adequadas de luminosidade, adubação, rega, temperatura e etc.

sininho33

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Euphorbia_leucocephala

A Neve-da-montanha é uma belíssima planta que se cobre de flores apresentando um maravilhoso espetáculo para quem a vê. Mas, vamos conhecer um pouco sobre essa planta.

A planta pertencente à família Euphorbiaceae. É conhecida também com os seguintes nomes: Cabeça-branca, Leiteiro-branco, Cabeleira-de-velho, Flor-de-criança, Chuva-de-prata.

A Neve-da-montanha é originária da América Central (da Costa Rica até o Sul do México). Talvez seja por isso que a sua adaptação é melhor em climas: tropical, subtropical e equatorial.

Ela não é uma árvore de grande porte como pode parecer, mas sim um arbusto, de caule com muitos ramos e semi-lenhoso. Quando ela cresce naturalmente, sem estar podada, ela tem uma forma arredondada. A casca de seu caule tem uma cor que vai de acinzentada a marrom claro e sua altura pode variar entre 2 a 3 m. Porém, com podas organizadas seu tamanho pode ser diminuído, deixando sua copa e sua altura bem menores, adequando-a ao tamanho necessário ao seu jardim.

A planta possui características bem diferentes de outras plantas mais comuns. Sua folhagem é verde e suas flores são brancas em forma de estrelas. Durante os meses de outono e inverno ela perde suas folhas, fica completamente branca com uma florada abundante.

Como cultivar da Neve-da-montanha
Por ser uma planta perene (planta de longa duração) seu cultivo é fácil.
Veja o que você precisa saber para ter a Neve-da-montanha enfeitando o seu jardim:

O solo precisa ser sempre do tipo areno-argiloso, com drenagem excelente e você deve enriquecê-lo com bastante matéria orgânica.  Não tenha medo de abusar no adubo orgânico. Quanto mais você usar esse tipo de adubo em sua planta mais ela lhe retribuirá com flores. Quando ela está bem cuidada, apresenta floradas de causar fascinação. Porém, no caso de você não ter um solo desse tipo, você pode fazer essa composição em seu jardim  usando bastante areia e argila no local escolhido para fazer o seu plantio. Ela não se adapta em solos comuns.

Pode também acrescentar um adubo com elevada concentração de fósforo que é o NPK e fazer um reforço do adubo orgânico aumentando a dosagem no final do verão. É muito importante que você nunca deixe que lhe falte nutriente. A planta Neve-da-montanha é forte e de longa duração, como já foi dito, porém se o solo onde ela estiver plantada ficar empobrecido, ou seja com carência de nutriente, ela é afetada em seu crescimento e em sua floração. Porque ela depende basicamente que o solo esteja nutrido para que ela se desenvolva bem mostrando todo o seu esplendor.

As regas devem ser duas vezes por semana, porém, se perceber que o solo está seco, faça mais regas. O solo não pode ficar encharcado, mas deve estar sempre ligeiramente úmido.

Para que ela fique cheia de flores plante-a em local onde ela receba bastante luminosidade. A Neve-da-montanha gosta de sol pleno. Ela floresce menos, caso receba pouca luz, porém, existe uma curiosidade em relação à luminosidade da planta. Durante a noite se ela ficar exposta a iluminação artificial seu florescimento pode ser inibido ou ficar atrasado.

Embora prefira bastante luminosidade, essa planta adapta-se melhor em lugares de clima ameno. E, em regiões com maior altitude ela floresce mais, e detalhe importante: Não suporta geadas.

Como podar a Neve-da-montanha
Na hora de fazer a poda, você pode deixá-la com formato redondo, assim ela fica mais compacta e mãos bonita. Pode também fazer com que ela fique como uma arvoreta. Contudo não se esqueça de que a poda nunca deve passar de 1/3 da planta e só deve ser feita após a sua florada.

É fundamental que você saiba que deve usar luvas sempre que estiver fazendo a poda porque a sua seiva que é tóxica, pode causar irritação na pele. É bom observar também, que por ser tóxica é melhor que ela não esteja em lugar onde circulem crianças e animais. O perigo com relação à sua toxidade está em ingerir a sua folha e não em tocá-la propriamente, porque a toxidade da planta Neve-da-montanha se encontra em sua seiva.

A Neve-da-montanha tem sido muito usada em paisagismo onde ela é muito valorizada. Pode ser vista em grandes jardins, jardins de pequeno porte, em praças, em plantio isolado ou plantada em grupos de três a quatro árvores ou até como cerca viva.

Apesar de ela precisar estar em solo meio úmido, a planta tolera períodos de estiagem, porém floresce menos. Na verdade, ela sempre floresce menos em qualquer situação que seja diferente daquela que é adequada a ela. Deve ser por isso, que no clima frio subtropical ela apresenta uma floração bastante intensa.

Durante os meses em que faz mais calor, o ideal é que as adubações sejam bimestrais.

Curiosidades sobre a Neve-da-montanha
Essa planta fantástica tem suas folhas decíduas e elípticas. Suas belas flores brancas têm ao redor vistosas brácteas que possuem cor branco-creme.

Quando se faz podas bem conduzidas (sempre com muito cuidado e moderação), mexendo no formato de sua copa, você pode  conseguir belíssimos efeitos visuais.

É no inverno que a planta fica mais bonita. Carregadinha com as suas maravilhosas flores brancas e exalando um delicioso perfume.

A multiplicação é feita através de mudas ou sementes. A melhor época para se fazer a adubação dessa planta é na primavera e no verão.

Luz-de-esperanca_947

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Santolina_chamaecyparissus

Planta da família das Asteraceae. Também conhecida como Abrótano-fêmea, Camomila de mahón, Rosmaninho. É uma planta arbustiva que pode atingir uma altura de 40 a 90 cm, fortemente aromática de folhagem cinza, finamente recortada e pontiaguda.

Quando podada todos os anos cresce toma uma forma arredondada, se deixar de podar por mais de um ano tende a espalhar-se, e após alguns anos tende a se abrir. As flores, são delicadas e assemelham-se a pequenos pompons de cor amarela, perfumadas e florescem no Verão.

A Santolina origina-se da Europa e apresenta um porte baixo,  ramificada, formando moitas densas.

É uma planta usada em jardinagem por excelência. Criando-se jardins com grandes tonalidades cinzas, com botões amarelos.

A Santolina, no paisagismo, presta-se para a formação de maciços e bordaduras, demarcando canteiros e caminhos. Sua rusticidade e tolerância à estiagem a tornam uma planta ideal para jardins rupestres, de estilo mediterrâneo, campestre ou contemporâneo.

Os tons acinzentados de sua folhagem formam interessante contraste com plantas de cor verde. As flores da santolina, quando colhidas, podem compor belos arranjos florais. Pode ser plantada em vasos e jardineiras.

Seu cultivo deve ser feito a pleno sol, em solos perfeitamente drenáveis, preferencialmente arenosos, enriquecidos com matéria orgânica e irrigados a intervalos espaçados.

É tolerante a curtos períodos de estiagem, e não tolera encharcamentos. Podem ser podadas regularmente para estimular o adensamento e o formato arredondado do arbusto.

Após alguns anos, a planta perde a beleza e deve ser replantada. Aprecia o clima ameno de regiões subtropicais ou tropicais de altitude. Sua multiplicação [e feita por divisão da ramagem enraizada, estacas ou sementes. É recomendado um espaçamento de 40 cm entre plantas.

jerfi

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


mauritia-flexuosa

O buriti é uma palmeira dióica, aquática, muito frutífera e ornamental. Pertence à família Arecaceae e origina-se da América do Norte e América do Sul.

É uma palmeira de apresenta uma íntima relação com a água durante o seu desenvolvimento. Ela caracteriza uma formação única do cerrado, as veredas, que são áreas localizadas em vales, bastante encharcadas, com nascentes ou cursos d’água, onde pode-se obter sempre passagem e água limpa.

O buriti apresenta estipe único, ereto, anelado, com diâmetro de 30 a 50 cm e casca lisa. Seu porte é elevado para uma palmeira, alcançando entre 2,8 a 35 m de altura.

Possui raízes aéreas especiais, denominadas pneumatóforos, que são capazes de trazer oxigênio para áreas brejosas. Suas folhas são verde-escuras, brilhantes, grandes, sustentadas por fortes pecíolos e dão à coroa um belo formato arredondado.

São também bastante persistentes, e mesmo secas, permanecem um bom tempo unidas ao caule. As inflorescências surgem o ano todo, nos espaços interfoliares e são do tipo panícula, longas, cheias e pendentes, como cabeleiras, de cor creme amarelada.

Como é uma palmeira dióica, somente nas fêmeas são vistos os frutos, mas precisamos de indivíduos machos para que ocorra a polinização. Os frutos são drupas alongadas, elipsóides a oblongas, de cor castanha e recobertas por escamas brilhantes. Elas possuem uma polpa alaranjada e carnosa e geralmente apenas uma semente, muito dura. Cada buriti produz de 5 a 7 cachos por ano, com mais de 700 frutos cada. A dispersão é feita pela água e por araras.

O buriti é umas das palmeiras mais abundantes do Brasil, mesmo assim ela ainda é pouco aproveitada em projetos de paisagismo e de recuperação ambiental, talvez seja pelo seu crescimento, que é relativamente lento.

Apesar disso, é uma espécie das mais elegantes e rústicas. Por ser capaz de agregar o solo e conservar a água, sua presença é importante em áreas de reflorestamento, principalmente na recuperação e manutenção de olhos-d’água, margens de rios e lagos, e áreas encharcadas.

Além disso, fornece abrigo e alimento a uma grande variedade de espécies animais, como araras, morcegos, primatas, etc.

Todas as qualidades paisagísticas e ecológicas do buriti, são aproveitadas. O fruto é rico em vitaminas e outros nutrientes e pode ser consumido in natura ou em diversas preparações como sucos, sorvetes, picolés, doce em pasta, sobremesas e até mesmo vinho.

Dele se extrai um óleo comestível, muito perfumado e medicinal, que é utilizado na indústria de produtos de higiene, perfumaria e cosméticos. Das folhas, costuma-se fazer cobertura para casas, artesanato e das bem jovens, obtém-se o capim-dourado, utilizado na confecção de lindas bijuterias.

Os troncos são aproveitados na construção civil, como vigas e e dos pecíolos se faz artesanato e caixotes. Seu palmito é comestível também e dele se extrai uma fécula amilácea, a exemplo do sagu-indiano..

Seu cultivo deve ser sob sol pleno, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e mantido úmido.

É ideal que essa palmeira seja cultivada próximo a áreas alagadas, lagos ou cursos d’água, pois é muito exigente em água. Pode perfeitamente vegetar em áreas drenadas, mas nestas situações precisa receber irrigação abundante durante o crescimento.

Apesar de ser utilizada na recuperação de áreas degradadas, é importante observar que essa palmeira é sensível ao assoreamento, definhando rapidamente se houver grande e súbita deposição de sedimento sobre suas raízes.

Sua multiplicação é feita por sementes despolpadas, colhidas de frutos maduros, e postas de molho para quebra de dormência. Semear em substrato rico em matéria orgânica e mantido úmido. A germinação ocorre em cerca de 75 dias.

janel3

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


O verão é uma época do ano em que as plantas se desenvolvem bem, mas as altas temperaturas e a umidade elevada típicas dessa estação propiciam o aparecimento de fungos. Esses organismos minúsculos são as principais causas de doenças que acometem as espécies vegetais e, normalmente, provocam lesões e manchas nas folhas e, em casos mais severos, a podridão de hastes e raízes.

Há espécies mais suscetíveis à ação dos fungos do que outras., em geral as plantas nativas, por estarem adaptadas ao nosso clima, possuem menor vulnerabilidade e, quando atacadas, resistem melhor às doenças causadas pela decomposição dos tecidos. Em compensação, plantas exóticas como roseiras, azaleias e gerânios são consideradas mais sujeitas a infestações, necessitando de maiores cuidados para o cultivo.

Anthurium_andraeanum
Um exemplo de vegetal que sofre diante da presença e ação de exemplares do reino Fungi é o Antúrio (Anthurium andraeanum).
Embora pareça resistente, esse tipo de planta é bastante sensível a dois tipos de fungos aquáticos – Phytophthora e Pythium splendens – que provocam o apodrecimento. Nesses dois casos, as fontes de contágio podem ser simples vasos ou água contaminados.

Mais agressivos em períodos de umidade elevada e altas temperaturas, esses parasitas aquáticos provocam uma lesão escura nas raízes que progride até a haste floral.

Ainda que as doenças das plantas não sejam transmissíveis a humanos ou animais, a presença de fungos patogênicos em um ambiente nunca é saudável. Algumas espécies, inclusive, liberam grande quantidade de esporos que podem provocar reações alérgicas nas pessoas, sobretudo via sistema respiratório.

Como evitar
Há mais de quatro mil espécies de fungos associadas às plantas ornamentais. Para evitar que elas coloquem em risco a saúde de seu jardim, a primeira recomendação é só utilizar sementes tratadas previamente limpas, lavadas e mergulhadas em solução com hipoclorito de sódio pelo tempo de um minuto.

Sementes manchadas ou apodrecidas devem ser descartadas, já que elas podem ser propagadoras de fungos. O plantio deve ocorrer sempre em solos bem preparados e livres de patógenos. Outra dica é dar preferência a espécies e variedades de vegetais resistentes.

Plantas enfraquecidas são muito mais vulneráveis a doenças provocadas por fungos. Daí a importância de adubar na medida certa, bem como fornecer a cada espécie a quantidade exata de água e luz. A presença de caracóis, lesmas, insetos e roedores deve ser rigorosamente controlada, já que esses bichinhos também podem transportar esporos dos fungos fitopatogênicos.

Porém, entre todas as recomendações, nada é mais importante do que o controle de umidade e da iluminação. Afinal, a reprodução desses microrganismos costuma ser favorecida pela presença de água – seja da chuva, da irrigação, do orvalho ou mesmo da umidade do ar – e por ambientes escuros. Nesse sentido, a rega sem exagero e a boa drenagem do solo são fundamentais.

Além disso, os elementos de madeira expostos ao tempo, no jardim, devem ser protegidos da água para evitar que apodreçam. Basicamente, devem ser mantidos longe da chuva e irrigação ou ser pintados.

Como tratar
Uma vez detectada uma doença provocada por fungo, o tratamento pode começar. O primeiro passo é a remoção de partes e até de plantas inteiras com sintomas de infestação, evitando assim a propagação da patologia pelo jardim.

A partir daí, o ideal é recorrer a um técnico especializado para obter o diagnóstico correto do problema, especialmente se for necessário recorrer a fungicidas, que precisam ser utilizados com muito critério e rigor.

Para o controle da degradação dos vegetais, o mercado e o conhecimento popular dispõem de alternativas menos agressivas e mais ecológicas que os fungicidas sintéticos. Entre elas estão o fosfito de potássio, que age como antifúngico e indutor do sistema de defesa das plantas, e o extrato pirolenhoso, produto milenar na agricultura japonesa que induz o enraizamento e é repelente de fungos e de insetos.

kjlki

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


azaleias-vermelhas

As estações do ano costumam ser bem marcantes e cada uma possui a sua característica. Elas podem ser muito importantes para ditar cada espécie a ser cultivada em seu jardim e qual delas vai ser melhor de cuidar a cada época do ano. Por isso, é muito importante descobrir mais sobre estas espécies e como elas se comportam da Primavera até o Inverno.

Com isso, se pode contribuir também para as espécies polinizadoras e, dessa forma, enfeitar ainda mais o seu quintal! Que tal conhecer cada flor específica para cada estação do ano?

Flores da Estação
Em primeiro lugar é necessário analisar bem as suas mudas e ver qual delas se adapta a temperaturas mais altas, sendo cultivadas no verão, ou então aquelas que ficam muito mais bonitas no outono, com todas as folhas caídas em volta. E que tal aquela que fica linda somente no inverno? Quem sabe você não arruma uma espécie que floresce de forma saudável mais na primavera? Existem milhões de flores que podem ser estudadas e ainda descobertas, sabendo qual é a melhor para ser cultivada a cada estação específica.

Para saber quais flores se adaptam melhor a uma dada estação do ano, confira abaixo o calendário das flores. Você vai ver que existem milhões de opções para escolher, mas nunca é demais sempre seguir os critérios de plantio de cada espécie. Neste caso, por mais que as estações favoreçam o crescimento de algumas flores em específico, não esqueça das etapas básicas de cultivo.

Calendário das Flores
Inverno
As plantas que costumam se adaptar ao inverno possuem grande resistência à baixas temperaturas, além de se desenvolverem melhor longe dos raios solares. Muitas flores podem ser resistentes a este ponto, suportando até mesmo as famosas geadas em algumas partes do país. Neste caso, elas também podem atrair seres polinizadores comuns nesta mesma estação do ano.

Confira as opções que você pode ter:
- Azaléias: Podem crescer em arbustos com cores totalmente variadas
- Camélias: Podem ser mudas para arbustos ou somente a flor em si, com colorações variadas
- Marmelinho-de-jardim: Arbustos e mudas comuns
- Citros em geral que podem não dar flores, mas são ótimos para o inverno
- Cerejeira-do-japão: Uma bela espécie que floresce muito durante o inverno, sendo um arbusto muito bonito
- Laurotino: Um arbusto bastante famoso que dá lindas flores brancas em baixas temperaturas
- Viburno: Um arbusto bem conhecido com flores bastante esbranquiças e abundantes para o inverno

Primavera
É nesta época do ano que a maioria das plantas costuma florescer. Sendo assim, a quantidade de opções cresce e os seres polinizadores começam a infestar os jardins com determinadas espécies específicas.

São elas:
- Buxo: Possui flores brancas e pode ser usado como cerca viva. É muito ornamental
- Citros em geral: Podem ser usados amplamente no inverno também
- Holly: Um arbusto com flores brancas e que crescem em grande quantidade. Podem ser usadas para ornamentar grandes jardins
- Marronia: Arbusto com flores amarelas para ornamentar jardins
- Pessegueiro: Possui suas frutas, mas o que mais chama a atenção são as suas flores em rosa brilhante
- Pereira: Uma árvore que dá frutos e lindas flores brancas na primavera
- Lâmia: Uma herbácea rasteira que costuma desenvolver belas flores somente na primavera
- Dente-de-leão: Uma herbácea muito utilizada na medicina natural. Possui belas flores ao longo de toda a primavera
- Plantas da horta: Podem ser boas para complementar
- Plantas aromáticas: Algumas dão flores e outras não, mas são ótimas espécies para serem cultivadas nesta época do ano, além de conviverem bem com outras espécies
- Gramíneas: Não florescem mais servem de ótimo complemento
- Mirtilo: É um arbusto com uma larga produção de flores e frutos na primavera.

Verão
O verão é uma época muito quente em que o sol é bastante incidência na maior parte do tempo. Aqui, as flores mais comuns gostam dos raios solares quase em todo o seu período de cultivo, para que as mesmas possam se desenvolver melhor.

Neste período, as flores costumam ser mais resistentes e passam a durar mais por causa da atividade fotossintética, além da larga presença de polinizadores como as borboletas.

São elas:
- Limpa- Garrafas: É um belo arbusto de médio porte que desenvolve lindas flores vermelhas
- Budleja: Flores nascem nas cores em branco e violeta, sendo muito ornamental para grandes jardins
- Lúcas: Um arbusto de flores brancas que crescem abundantemente no verão
- Citros: Os citros aqui também podem ser cultivados sem maiores problemas
- Amor-agarradinho: É um arbusto de porte médio e que tem formato de cipó. Pode dar flores brancas, mas na maioria das vezes são rosas
-Boca-de-leão
- Margaridinhas: São pequenas mas bastante coloridas. Podem variar na tonalidade de espécie para espécie
- Artemísia: Flores brancas que preenchem um belo arbusto de pequeno porte.

Outono
Quase nenhuma espécie consegue florescer nesta época do ano e é por isso que  são apresentadas  poucas espécies. O Outono costuma ser uma época muito equilibrada e por isso não exige muitas flores.
O que mais importa nele são as folhas que acabam por enfeitar o jardim e combinar com algumas espécies florais.

São elas:
- Campânulas: Flores que possuem formato exótico, em formato de campainhas.
- Capuchinhas: Flores amarelas que possuem algumas tonalidades em vermelho. Costumam combinar muito com o outono
- Girassol: Costuma ser muito usada nesta época, já que combina bastante com o clima de outono, florescendo bastante quando bem cultivada
- Dálias: Produzi lindas e numerosas flores
- Eleagno: Possui lindas flores brancas que crescem na extensão de um lindo arbusto de médio porte.

Paraiso_1438

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


rb2586-17

O Brasil é dividido em seis principais climas. Assim, muitas plantas que vegetam bem numa região com clima equatorial, como a Amazônia, não resistirão ser cultivadas em  Porto Alegre, de clima subtropical. Da mesma forma, espécies da caatinga, de clima semi-árido, poderão terão dificuldades em vegetar no Rio de Janeiro, de clima tropical, e assim por diante.

Em se falando de clima, podemos considerar que o Brasil tem muitas diferenças e isso deve ser levado em consideração na escolha das plantas. E isso, que não estamos considerando as plantas exóticas, que podem ser climas ainda mais diversos.

O Brasil é tão extenso e diverso em clima, que permite jardins externos totalmente tropicais ou desérticos. Dependendo da região.

Por este motivo, não se pode plantar Sansão-do-campo do Paraná ao Rio Grande do Sul. É uma planta que apesar da grande rusticidade, não tolera a mínima geada. Outro exemplo clássico é a tentativa, sempre infrutífera, de fazer vicejar ano após ano Tulipas ou Jacintos-uva no Brasil. Mesmo no nosso clima mais temperado, o frio não é suficiente para a formação das flores e saúde dos bulbos.

Todas as plantas requerem um certo conjunto de condições de crescimento. As condições do seu terreno vão determinar quais plantas vão crescer e se desenvolver bem lá.

Solos:
Estes variam muito em pH, textura, drenagem e fertilidade. Solos arenosos são geralmente bem drenados, enquanto solos argilosos podem se tornar encharcados. Algumas plantas se dão bem em ambas as situações. Assim, use sempre as informações da análise de solo da sua área na seleção das plantas. É muito melhor e mais fácil selecionar plantas para o seu tipo de solo, do que tentar modificar seu solo.

As plantas variam também em suas necessidades de luz solar. Por exemplo, a samambaia-paulista vai muito bem sob sol pleno, mas a grande maioria das samambaias não tolera a incidência solar direta. Quando você avaliar idéias alternativas ao seu projeto, considere os padrões de sombra criados pelas construções e por outras plantas.

Algumas árvores e arbustos de folhas perenes podem não tolerar os ventos frios de inverno, com efeito desidratante. No entanto, a maioria das plantas decíduas (caducas – que perdem as folhas no inverno) resistirão a exposição total, em campo aberto. Um exemplo são as Helicônias, com suas folhas grandes e macias, devem ser plantadas em locais protegidos de ventos fortes.

Topografia:
Algumas plantas são adaptadas a regiões de vales, com umidade, enquanto outras são ideais para cobrir taludes e áreas com risco de erosão. As variações são muitas, portanto respeite a topografia do seu terreno, resistindo a tentação de aplainar tudo com uma retroescavadeira. Muitas vezes o terreno acidentado propicia a criação de caminhos e pontos focais interessantes, além de manter a estrutura do solo e criar diferentes microclimas, permitindo o cultivo de plantas com requerimentos diferentes nas partes mais altas e nas partes mais baixas do terreno.

Esteja também atento a possível poluição do solo ou do ar do local. Muitas espécies de coníferas, não resistem à poluição do ar, e acabam secando. Áreas com solo salino, comum em regiões litorâneas, podem impedir o desenvolvimento de diversas espécies. Você deve selecionar plantas que irão crescer bem sob as condições do seu terreno. Do contrário, você terá muito trabalho para mantê-las saudáveis desde o início.

Uma boa idéia é percorrer a vizinhança e anotar quais plantas estão bonitas e viçosas. Mas não se prenda a isso, limitando sua criatividade. Outra dica interessante é buscar por espécies que pertencem à mesma latitude da sua cidade. É comum, por exemplo, espécies da África do Sul ou da Austrália, crescerem bem nos estados do sul do Brasil. Visite as floriculturas e garden centers da região e converse com os viveiristas. Eles terão dicas valiosas de plantas para vocês.

imagem-neve40

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.