Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Orquídeas e Bromélias’

phalaenopsis2

Essa é uma planta originária do: Continente Oceania, mais especificamente da Polinésia e faz parte da vasta família Orchidaceae. Essa orquídea costuma se desenvolver nos climas: Oceânico, Tropical, Subtropical e Equatorial.

A luz ideal para cultivar a Phalaenopsis é a luz indireta. É uma planta de ciclo de vida p e perene e atinge uma altura em média de 40 a 60 cm.

Essa planta praticamente não apresenta caule, tem folhas bem largas nas quais encontram se a reserva de nutrientes. As raízes da phalaenopsis são grossas, flexíveis e longas. Essa é uma planta monopodial e o crescimento dela é do tipo sucessivo. A floração se desenvolve em uma haste nascida do caule da planta.

O melhor tipo de ambiente para cultivar a Phalaenopsis
O melhor tipo de ambiente para cultivar a phalaenopsis são os fechados, como os apartamentos por exemplo. É necessário que haja no mínimo uma circulação natural de ar e, em especial, uma boa luminosidade ambiente, ou seja, aquela que não é incide diretamente na planta. É recomendado expor a planta ao sol indireto durante a manhã, das sete às nove horas e durante à tarde a partir das dezesseis horas.

A dica é plantar a phalaenopsis em vasos e deixar próximos a, corredores bem iluminados ou janelas. Na natureza, as phalaenopsis desenvolvem-se em baixas altitudes nos ambientes tropicais da Ásia, no qual a variação média da temperatura durante o dia é de 25 a 35º C e durante a noite a variação média da temperatura chega a ser de 18 a 25º C.

Essa variação da temperatura considera que a incidência da luz é amenizada pela copa das árvores. Essa é a característica que torna a orquídeas muito propicia para o cultivo tanto em ambiente fechados como em ambientes abertos, desde que sem a incidência direta da luz solar.

orquideaphalaenopsis

Como regar a phalaenopsis
Como a maior parte das orquidáceas, a phalaenopsis cresce muito bem com se houver uma boa umidade no local em que estiver e se o vaso no qual ela for plantada for um vaso arejado, úmido mas jamais encharcado.

O indicado é regar essa planta no máximo uma vez ao dia, de preferência quando o dia amanhece ou quando entardece. É nesse período que os estômatos, que localizam se nas folhas, encontram se abertos e receptivos devido a maior umidade do ar, o que permite uma boa absorção dos nutrientes, esse fato se percebe também nos velames micro porosos das raízes das orquídeas.

Procure plantá-la inclinando a planta, assim você irá evitar que a água se acumule nela e apodreça a raíz da phalaenopsis.

Adubação
É comum ouvirmos falar sobre o uso de adubo cristalizado solúvel em água, que possuem uma série de micronutrientes em sua respectiva fórmula.

Para estimular a floração dessa orquídea, recomenda se adicionar adubos que tenham na composição uma quantidade maior de Fósforo e de Potássio, essa característica vale para quase todas as orquídeas. Procure se informar sobre a composição dos adubos indicados para orquídeas nas lojas de jardinagem ou produtos agropecuários da região na qual você reside.

Phalanop

Uma mistura muito popular feita com ingredientes caseiros serve, também, como um ótimo adubo. Essa mistura contém torta de mamona, farinha de osso ou farinha de ostras e cinzas de madeiras variadas. Mesmo sendo uma mistura orgânica, esses ingredientes devem ser manejados com o mesmo cuidado que temos ao aplicar adubos industriais. Vale lembrar que o ideal é aplicar poucas quantidades da mistura para que surjam problemas na sua orquídea.

Por exemplo, quando for aplicar o adubo industrial leia a bula do produto. Se o modo de usar descrever que você deve, a cada colher de chá do adubo dissolvê-la em um litro de água, nessa orquídea funciona um pouco diferente.

Você deve diluir ainda mais. Reduza para uma colher de café para a mesma quantidade de água. Ou se for uma colher de chá, triplique a quantidade de água e guarde essa mistura em garrafas bem fechadas.

Quando for o momento de regar a orquídea, agite a garrafa, coloque um pouco da mistura em um frasco borrifador e molhe as partes debaixo das folhas e o substrato. Desse modo a phalaenopsis não será super dosada ou sofrerá riscos de intoxicação.

phalaenopsis1

Substrato para plantio da phalaenopsis
A orquídea é um tipo de planta diferente da maioria. Como necessita das raízes bem arejadas e de umidade no ar é indicado plantá-las em um tipo de substrato. Esse substrato pode ser composto pela casca da arvore do pinus, pela casquinha do arroz carbonizado, por carvão, pelas fibras da casca do coco desidratado, por sementes de açaí carbonizada ou, ainda por uma mistura de todos os substratos citados.

Como dito anteriormente, esse substrato deve ser mantido umedecido, sem ser encharcado, pois as raízes da orquídea podem apodrecer e matar a planta.

Como nascem as flores da phalaenopsis
A phalaenopsis possui flores de cores bem variadas, podendo ser vermelhas, lilás, brancas, amarelas, esverdeadas e com estrias variando as tonalidades da cor. As estrias costumam aparecer nas espécies híbridas dessa orquídea. As flores dessa orquídea tem pouquíssimo perfume.

Na natureza essas flores seriam polinizadas por insetos de hábitos noturnos, portanto é a partir da noite e ao longo da madrugada que as mariposas polinizam a orquídea. Ou seja, é nesse período que se pode sentir melhor o odor das flores da phalaenopsis.

São orquídeas que normalmente, quando se forma uma nova floração, ela ocorre na mesma haste em que se formaram as flores da florada anterior. Nessa mesma haste forma se uma nova inflorescência nas gemas antigas. É por essa característica que se indica esperar que a haste resseque por completo para então cortar, quando finda uma floração.

orquidea

Phaius tankervilleae

O capuz-de-freira é uma orquídea terrestre, nativa de regiões tropicais da Ásia e Oceania, em locais de até 1300 metros de altitude, pantanosos e úmidos. é uma orquídea pertencente à família Orchidaceae

Também é conhecida como Freirinha. É uma orquídea pequena, com sépalas e pétalas cor de chocolate, com estrias mais claras e labelo branco com manchas em púrpura e o fundo creme.

Suas flores se apresentam em grande números, cerca de 25 em inflorescência longa, até quase 1,0 m, tipo espiga ereta. Suas folhas são grandes frisadas e de consistência mais fina que o comum das orquídeas.
Seu crescimento é do tipo monopodial e floresce na primavera.

Como cultivar
O capuz-de-freira é umas das orquídeas terrestres mais fáceis de cultivar. Ela é muito rústica, de crescimento rápido a moderado e floração abundante. Sua folhagem é decorativa também, formando touceiras que prestam-se para plantios isolados, bordaduras e maciços, valorizando jardins tropicais.

Esta orquídea também pode ser plantada em vasos, e desta forma é própria para adornar interiores bem iluminados, varandas e pátios. O vaso deverá ser grande de boca larga (não é preciso profundidade muito grande).

Phaius tankervilleae22

Em seu local de origem é encontrada nas matas, no chão, crescendo sobre composto natural de folhas mortas em locais mais úmidos, porém com grande luminosidade, até sol direto.

Deve ser cultivada em substrato humoso, composto por terra comum, terra vegetal e material fibroso, como casca de pinus ou coco, mantido úmido, mas sem encharcamento.

Não tolera o frio intenso ou geadas (manter acima de 5ºC). Aprecia adubações frequentes durante o período de crescimento vegetativo e floração.

Também pode ser cultivada no chão em canteiros, onde a cova de plantio é  feita com bastante elementos drenantes, como fibra de coco, casca de pínus, deixados de molho na água por alguns dias para limpeza dos elementos fitotóxicos que poderiam prejudicar a planta.
Coloque composto orgânico de folhas e plantar sem apertar muito no solo. A espécie tende a formar grande touceira, que pode ser assim dividida para novas mudas.

Phaius tankervilleae

Esta operação é feita após a floração com a planta ainda em desenvolvimento. Manter o substrato úmido.
A adubação deve ser feita no final do outono para preparar a planta para a nova floração.
Use adubo NPK formulação 4-14-8, 1 colher de sopa para 2 litros de água (colocar num garrafa PET de refrigerante e sacudir bem). Após a floração poderá adubar novamente.

Esta operação é feita após a floração com a planta ainda em desenvolvimento. Manter o substrato úmido.
A adubação deve ser feita no final do outono para preparar a planta para a nova floração.
Use adubo NPK formulação 4-14-8, 1 colher de sopa para 2 litros de água (colocar num garrafa PET de refrigerante e sacudir bem). Após a floração poderá adubar novamente.

Uma dica que atravessa o tempo e era usada pelos antigos cultivadores de orquídeas:
Coloque adubo curtido de galinha num balde de água, deixe por uns 3 dias, coe e regue o substrato das mudas.

Isto adiciona matéria orgânica e seus elementos micronutrientes necessários a estas plantas oriundas de lugares onde seu alimento é um adubo natural proveniente dos excrementos de animais e pássaros selvagens, aliados com as folhas mortas que caem das árvores.

Paisagismo
Cultivada em vasos ou canteiros, com sua floração exuberante é um excelente foco paisagístico para qualquer jardim. Após a floração mantém suas belas folhas frisadas então não necessita ser retirada do local.

Multiplica-se por separação dos pseudobulbos, sementes e estaquia do pendão floral (após a floração).

Paraiso_1438

Dendrobium fimbriatum

Gênero de orquídeas pertencente à família Orchidaceae  e é originária da China. Trata-se de um exemplar muito bonito que é bastante utilizado no paisagismo. Se você gosta de lindas flores deve conhecer mais sobre essa planta.

Essa planta é herbácea, mas com hábito de epífita (crescer sobre outra planta), em geral forma grandes touceiras de 0,45 m de alturas. Se caracteriza também por contar com pseudobulbos sulcados que possuem nós e entrenós bem marcados de coloração verde.

Suas folhas são finas e flexíveis, estão inseridas nestes nós ao longo dos pseudobulbos. Neles é que surgem as flores da planta. As flores são de cores variadas podendo ser até mesmo bicolores de um tamanho de 6 cm x 6,5 cm sobre uma haste floral de 2 cm.

Em geral as flores dessa orquídea costumam durar aproximadamente uns 30 dias, mas tudo depende da região e da temperatura durante a primavera. Uma curiosidade sobre essa planta é que o nome Dendrobium vem do grego e significa planta que vive nas árvores. Esse gênero tem cerca de 1000 a 1400 espécies.

Dendrobium primulinum var. cretaceum

Dendrobiuns crescendo em árvores
Todas as espécies de dendrobiuns são epífitas, o que significa que se desenvolvem sobre o tronco de árvores. Não são plantas parasitas, como grande parte das pessoas pensam, apenas usam a árvore como um suporte e proteção para que possam crescer. Porém, elas não retiram nutrientes dessas plantas.

É por esse motivo que muitas dessas plantas são cultivadas inicialmente sobre árvores, em geral amarradas com barbantes ou sisal. O efeito das orquídeas sobre palmeiras é bem interessante.

Vale destacar que as orquídeas também podem ser cultivadas em vasos de preferência de barro, cerâmica ou madeira desde que bem forrados com pedriscos para que haja uma boa drenagem.

O substrato utilizado para o cultivo em casos pode ser composto por uma mistura de carvão vegetal, cascas de árvores e fibras de cocos (um material próprio para o cultivo de epífitas). A dica é não enterrar o rizoma (caule paralelo ao solo) quando se cultiva um dendrobium. O melhor é que ele fique sobre o substrato.

Dendrobium thyrsiflorum

Cultivo
Quando a dendrobium está na época de crescimento precisa de regas frequentes e abundantes, principalmente no verão. É importante ter o cuidado de deixar o substrato secar entre as regas para que as raízes não fiquem encharcadas. Quando as raízes ficam encharcadas perdem a sua capacidade de respirar.

Na hora de escolher o local para cultivá-la é importante enfocar num espaço que tenha bastante luz e seja arejado. Em regiões em que o verão é muito intenso é importante que as plantas não recebam luz solar direta nos momentos mais quentes do dia, pois isso pode queimar as folhas.

Adubação
A planta precisa de adubação, a dica é usar o adubo granulado tipo NPK com fórmula 10-10-10 durante a fase de crescimento. O adubo deve ser dissolvido e ser usado para regar o substrato. Um dia antes de fazer a adubação é importante regar bem a planta para que não haja o acúmulo de sais, isso pode prejudicar a planta.

A dendrobium floresce no final da primavera e começo do verão, sendo assim a dica é adubar com fertilizante com mais fósforo (tipo NPK 4-14-8) no começo da primavera. Existem algumas recomendações para que se use adubos com formulações mais pesada, porém, é importante saber que na natureza isso não ocorre podendo não ser positivo para a planta.

Quem é leigo no assunto e está começando agora o cultivo de orquídeas deve evitar fazer experimentações. Em geral as plantas preferem um adubo menos intenso assim como ela encontraria na natureza. Nesse ponto ainda vale destacar que excesso de adubo em orquídeas acaba no chão e pode ser percolado no perfil do solo contaminando posteriormente os lençóis freáticos.

A contaminação dos lençóis freáticos causa inúmeras danos ao meio ambiente. Então não abuse do adubo na sua orquídea dendrobium.

Dendrobium victoriae-reginae

Multiplicação dendrobium
A multiplicação dessa planta pode ser feita por divisão de touceira e também através de pequenas brotações que aparecem nas laterais dos pseudobulbos. A dica é esperar até que essas brotações criem raízes para retirá-las. Depois disso é necessário preparar o vaso para receber essas brotações e poder se transformar numa nova planta.
Se desejar fazer a multiplicação dessas plantas através das brotações nas laterais deve separar a muda da planta-mãe. Em seguida prepare um vaso colocando argila expandida e isopor no fundo e em cima fibra de coco ou musgo seco. Acomode a planta no vaso.

Depois disso prenda um tutor e fixo com a ajuda de um atilho. Coloque um arame para poder pendurar no ripado e regue bem. A multiplicação por divisão da planta é uma das mais utilizadas no caso da dendrobium, porém, é importante ter o cuidado de preservar pelo menos 3 pseudobulbos para cada muda, com raízes e rizoma. Não é bom para a planta muitas subdivisões, pois isso as enfraquece muito.

dendrobium nobile

O uso no paisagismo
A dendrobium nobile, conhecida popularmente como olho-de-boneca, é uma das orquídeas mais apreciadas no paisagismo, pode ser cultivada em vasos pequenos ou mesmo fixado a troncos de árvores como palmeiras e cyccas. Essa orquídea é a mais popular dentre as orquídeas e apresenta um visual bem rústico além de ser de fácil cultivo.

Porém, é importante que se mantenham alguns cuidados, como qualquer tipo de orquídea precisa, para que ela se mantenha bonita e imponente no seu jardim. As cores das flores dessa orquídea podem ser variadas, em grande parte essa variedade se deve ao intenso processo de hibridização e melhoramento pelo qual essa planta passou.

A cor mais comum das flores da olho-de-boneca é a branca com extremidades rosadas, o labelo tem o centro arroxeado e escuro, o que passa a ideia de ser um olho. Os pseudobulbos dessa planta têm uma cor verde clara e amarelado.

ouvindo-a-chuva22

Dendrobium_nobile

O segredo tanto das mudas de Dendrobium, quanto das flores, está ligado intimamente a rega e a iluminação. A regra geral de regar, que é aconselhável para todas as orquídeas, é molhar sempre que o substrato estiver seco ou em caso das plantadas em árvores, molhar diariamente ou dia sim, dia não para locais de boa umidade relativa do ar.

A época de floração dessa espécie é entre o fim do inverno e meados da primavera. Para florir, a Dendrobium precisa ser enganada com dois segredinhos que eu vou ensinar agora.

Primeiro segredo
Se sua Dendrobium estiver em local de sombra, ela terá mais chance de dar mudas do que flores. Por isso, é aconselhado colocar o vaso em local que pegue sol até às 10h (não ultrapasse esse horário para evitar queimaduras nas folhas).

Se estiver em árvore, retire alguns galhos ou plantas que estejam na frente dela para ficar bem iluminado, mesmo que não pegue esse solzinho direto da manhã, é importante que esteja em local bem iluminado.

dendrobium thyrsiflorum

Segundo segredo
Você vai fazer uma preparação, nos meses anteriores a época de floração, para uma forte escassez de água. O que será feito é criar um ambiente em que a planta acredite que irá morrer devido a diminuição da água.

Toda Dendrobium quando acha que “está nas últimas”, procura um jeito de perpetuar a espécie. Que acontece através da polinização. Assim, a planta concentrará sua energia em flores.

Ela “sabe”, vamos dizer que essa “sabedoria” é uma herança genética, que quanto mais flores, maiores as chances de atrair insetos que irão cruzá-la com outra orquídea do mesmo gênero.

Esses insetos levarão suas políneas a outra planta que irá gerar um ovário com sementes. Essas sementes viajarão com o vento e se encontrarem um ambiente favorável (com boa umidade, aeração, …) poderão germinar e novas filhas irão surgir.

A grosso modo, é isso que acontece.  Bom agora que já entendemos que o segredo é causar um stress na planta com a falta de água, mas como fazer? É importante você saber que se trata de um ano de cuidados para chegar ao ponto da diminuição de rega.

dendrobiumnobile

Vamos lá então:
A partir do mês de outubro ou depois que as flores caírem (para os casos das floridas), a dendrobium deverá ser molhada para garantir sempre a umidade. Se estiver na árvore, isso deverá ser feito diariamente ou com intervalo de um dia, se estiver em vaso, fique atento para não deixá-lo secar.

Esse processo deverá ser feito até mais ou menos o mês de maio. Em maio deveremos começar a preparar a escassez de regas.

Agora vamos dividir em dois grupos: Plantadas em árvores e plantadas em vasos.

Os cuidados no mês de maio
Em árvores
Ela recebeu umidade abundante e constante nos meses anteriores, agora em maio, essa umidade deverá começar a diminuir. Então ela deverá ser molhada dia sim, dia não, mas intercalando entre rega normal e borrifar
levemente.

Ex.: Molhou abundantemente na segunda, terça não molha, quarta borrifa levemente água, quinta não molha, sexta molha abundantemente, sábado não molha, domingo borrifa….

Em vasos
Nos meses anteriores a orquídea manteve uma umidade constante. Em maio deverá deixar o substrato secar completamente. Quando secar, borrife água levemente para molhar superficialmente, somente dois dias depois, mais ou menos, a rega deverá der feita normalmente.

Dendrobium nobili hibrido

Cuidados no mês de junho
Em árvores
Em junho apenas borrifar levemente a água em intervalos de dia sim, dia não ou no máximo a cada dois dias. Nesse mês não deve ser regada com mangueira ou regador, apenas com borrifador.

Em vasos
Em junho passará apenas a borrifar água levemente. Possivelmente no dia seguinte o substrato deverá estar completamente seco. Ele deverá ficar assim por dois dias, para então borrifar levemente de novo.

Cuidados entre julho e setembro
Em árvores e em vasos
Do início de julho ao final da floração, deve-se apenas borrifar água e somente uma vez na semana. Lembrando que é umedecer levemente as raízes e não encharcá-las.

O ideal é escolher um dia para fazer isso e manter a regularidade, ou seja, faça sempre aos sábados ou domingos ou qualquer outro dia que escolher, mas faça sempre no mesmo dia da semana.

Tem pessoas que ainda são mais rigorosas na retirada de umidade, fazem esta escassez ainda mais drástica. Eu uso essa regra e tenho lindas e abundante flores.

Como saber se está dando certo
Entre os meses de junho e junho começarão a aparecer bolinhas nos pseudobulbos, como se fossem brotoejas. Esse é o primeiro sinal de que ela está em dormência para a floração. Entre o final de julho e meados de setembro ela irá lhe presentear com as flores.

Foto 6