Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘curiosidades’

Diphylleia grayi 2

As flores já são lindas naturalmente, mas uma com pétalas transparentes parecendo vidro, é surpreendente.

A flor-de-vidro (Diphylleia grayl) é uma planta popular por possuir pétalas transparentes. O tom só aparece, no entanto quando as pétalas estão molhadas.

Pertencentes ao gênero Diphylleia, elas são membros da família Berberidaceae.

Diphylleia grayi 4

Originária de regiões frias do Japão e China, é uma espécie de flor branca que fica transparente quando entra em contato com as gotas de orvalho ou de chuva. A espécie pode crescer até uma altura de 40 cm e costuma desabrochar em meados da primavera e início do verão.

O fenômeno “mágico” se dá porque as pequenas pétalas, quando recebem água, lentamente perdem sua pigmentação branca, ficando completamente transparentes.

Por esta razão, a planta também é conhecida como “Skeleton Flower” (flor esqueleto). Assim que a água evapora e a flor seca, ela retorna à cor branca perolada original.

Assim é como ela é antes de se molhar:

Diphylleia grayi 3

No orvalho, durante a manhã, elas facilmente adquirem está aparência:

Diphylleia grayi

Coisa mais linda !!!

borboletas

ervas-daninhas

As ervas daninhas normalmente são descritas como plantas indesejáveis, crescendo em terras cultiváveis e aguardam o plantio, depois de uma nova onda de germinação as ervas daninhas emergem com a lavoura.

Em algumas lavouras perenes, como por exemplo de pés de frutas, videiras, seringueiras, dedenzeiros, entre uma série de outros, as ervas daninhas costumam crescer de forma contínua, e este crescimento deverá acompanhar o clima e também as mudanças de estação.

Existe uma série de fatores que as ervas daninhas podem ser indesejadas.

Vejam algumas razões a seguir:
Primeiramente, elas competem com plantas de lavoura por luz, água e também nutrientes, reduzindo safras e a qualidade da plantação e dos frutos.

Podem servir como uma série de habitat para pragas ou mesmo doenças, onde podem atacar até mesmo de forma silenciosa a lavoura.

Ervas daninhas maiores, sendo trepadeiras ou mesmo espinhosas, poderão dificultar as entradas da lavoura, para que aconteça o controle de pragas e doenças, bem como a aplicação dos fertilizantes, colheita e também outros vários procedimentos.

Normalmente as ervas daninhas são pouco estimulantes, porém nem sempre um problema, podem porém em alguns casos desempenhar papéis importantes reduzindo assim a erosão do solo, e ainda servir de habitat para insetos que são úteis e a vida silvestre, aumentando assim a biodiversidade da região.

Ervas-Daninha

Não são somente os efeitos através das lavouras atuais que podem contar, e as ervas daninhas deverão ser sempre manejadas.

As ervas daninhas se tornam um verdadeiro problema quando atingem um tamanho exato e também um número crítico de plantas, que dependem exclusivamente da agressividade de uma determinada espécie.

É parte do trabalho de qualquer agricultor o manejo e a remoção de ervas daninhas, e o paraquat, que é um produto químico utilizado e seguro, é ótimo para se economizar, e de forma segura colocar no meio ambiente.

Com isto podemos contar com uma série de ervas daninhas, estas com suas gravidades específicas se estiverem em determinado local, veja a seguir os tipos de ervas daninhas.

ervas-daninhas-1

Tipos de ervas daninhas
As ervas daninhas devem ser classificadas de acordo com o formato de suas folhas, em seu ciclo de vida e sua preferência por climas ou estações, elas são classificadas da seguinte forma.

Sobre o formato de suas folhas, como folhas largas, ou as chamadas gramíneas, as folhas das ervas daninhas contam com vários formatos, possuem folhas estreitas e longas, se diferenciam claramente, sendo que todas as demais pertencem a um grupo de folhas largas.

As ervas daninhas de folhas largas possuem sem4entes com um par de órgãos que são armazenados os quais depois de sua germinação se transformam nas primeiras folhas, podem também ser chamadas de dicotiledôneas.

As ervas daninhas gramíneas são consideradas monocotiledôneas, existem porém algumas exceções onde uma monocotiledônea incomum poderá contar com folhas largas, como ervas daninhas de gênero Commelina, o que é bem importante nas regiões tropicais.

Existem outras classes bastante semelhantes as gramíneas, que contam com relativamente poucos membros, que são os caniços, estes são importantes pois são difíceis de serem controlados e na verdade as pragas  tiririca, junça ou “barba de bode” podem certamente ser consideradas as piores ervas daninhas do mundo.

Anuais ou perenes, são assim caracterizadas pois germinam, florescem, e ainda produzem sementes em apenas uma estação. As perenes possuem órgãos de armazenamento subterrâneos, que são chamados rizomas, oferecendo o seu crescimento por muitos anos.

Podem se reproduzir através de sementes em uma só estação. As perenes deverão contar com órgãos de armazenamento subterrâneos, geralmente se reproduzindo por muitos anos, tanto através da semente como também pelas extensões de rizomas, onde crescem as plantas filhas.

flor-do-guarujá

Já um terceiro tipo de germina em uma estação e floresce na outra, estas são as chamadas bianuais. A estação do inverno faz com que elas soltem um ramo alto e florescente.

Nas estações frias e quentes, as ervas daninhas evoluíram para crescer melhor tanto em temperaturas diferenciadas como na duração do dia específicos. Isto certamente pode definir o tipo de lavouras que podem ser encontradas e nas épocas que elas germinam, existem as anuais de inverno e as anuais de verão.

As de climas tropicais com estações secas e chuvosas, diversas espécies tentam predominar mais em uma estação do que a outra.

Os herbicidas considerados de utilização em pós emergência costumam agir entrando nos ramos e também via solo. Os herbicidas de pré emergência devem afetar as sementes em germinação apresentando algum grau de persistência no solo, para um efeito que seja redizual evitando novas ondas de germinação das pragas.

Raízes são adaptadas para absorver água, por este motivo os herbicidas solúveis ativos no solo, possuem um caminho fácil para entrarem nas plantas. Os ramos das plantas podem contar com uma espessa cutícula cerosa, que deverá auxiliar na retenção de água.

Já os herbicidas foliculares, precisam por sua vez, cruzar esta barreira para entrar na planta. As folhas deverão ter poros, que são os chamados estômatos, através dos quais o dióxido de carbono, o oxigênio e o vapor da água deverão se difundir, porém eles geralmente são pequenos demais para que permitam a penetração nas gotículas pulverizadas.

Ao ter contato com o solo, alguns herbicidas costumam se mover de forma extensiva pela erva daninha, e este movimento acontece através da transpiração ou mesmo de água, o que é absorvida pelas raízes evaporando nos estômatos das folhas, ou mesmo com os açúcares produzidos através da fotossíntese os quais normalmente são levados das folhas para os pontos de crescimento.

lguinho

Orquídea Sophrocattleya Mini Collins ‘Pink Sherbet’

Antes de começar a me interessar por orquídeas, já observava um padrão no comportamento das plantas que minha mãe ganhava. Após o término da floração, a orquídea ficava estagnada. Nada acontecia, durante um bom tempo e, invariavelmente, alguns meses depois, a planta morria.

De fato, este processo leva muitos iniciantes a acreditarem que as orquídeas morrem após o fenecimento das flores. Felizmente, trata-se de um mito. Ocorre que estas plantas, assim como todos os seres vivos, necessitam de um período de descanso, em alguma etapa do seu ciclo de vida.

Tecnicamente, este descanso é denominado período de dormência. Nem todas as orquídeas apresentam esta fase bem definida. Mas a maioria costuma passar alguns meses de sua vida sem apresentar sinais evidentes de crescimento, seja de novos brotos, folhas, raízes ou flores.

Sophronitis acuensis
A dormência em orquídeas é fundamental para que a planta recarregue suas energias. Ela acontece, geralmente, após o final da floração. O ciclo de vida de uma orquídea consiste em uma fase de crescimento e maturação, etapas em que a planta se fortalece para que possa produzir flores.

Estas podem ser polinizadas, gerando frutos e sementes. Após garantidos os processos que visam a propagação e perpetuação da espécie, a planta pode, enfim, descansar.

Para o cultivador, é importante saber reconhecer o período em que suas orquídeas estão dormindo. Nesta fase da vida, as plantas estarão com o metabolismo desacelerado. O consumo de água e nutrientes será mais reduzido.

Portanto, será necessário adequar o regime de regas e o fornecimento de adubo, durante a dormência. De modo geral, a irrigação pode ser mais espaçada e a fertilização suspensa.

É um equívoco acreditar que as orquídeas apenas dormem durante o inverno. Cada espécie tem sua época característica de crescimento, floração e dormência, não havendo estações típicas para estes eventos.

Tudo vai depender da orquídea em questão. Também vale lembrar que muitas crescem e florescem continuamente, durante o ano todo, não apresentando um período de dormência.

Descobrir que as orquídeas param de se desenvolver durante um período trouxe-me um grande alívio. A ansiedade por novas folhas e raízes, o tempo todo, acaba levando o iniciante a acreditar que algo está errado, se elas não surgem.

Compreender cada etapa do ciclo de vida de nossas plantas, e respeitá-las, invariavelmente leva a um cultivo mais tranquilo e eficaz.

casinha na chuva

borboleta-1

mata-atlantica-fauna-flora

As plantas são indispensáveis à vida na Terra porque libertam oxigênio que permite a respiração da maior parte dos seres vivos. Por outro lado, os animais herbívoros não poderiam sobreviver se não houvesse plantas.

Se as plantas não existissem, os herbívoros morreriam e os carnívoros que deles se alimentam morreriam também. A Terra seria, então, um planeta sem vida.

Existe uma grande variedade de plantas, com tamanho diferente (há plantas rasteiras-musgo; arbustos e árvores de tamanho médio e grandes árvores). Umas têm flor, como a roseira, amendoeira, e outras não musgo, feto.

flores de amendoeira

Importância das plantas
As plantas são a base de sustentação da vida na Terra. São elas que, juntamente com as algas, produzem o oxigênio necessário à respiração dos seres vivos.

Ao transformarem a matéria mineral em matéria orgânica, através da fotossíntese, as plantas estão na base das cadeias alimentares. De uma forma direta ou indireta fornecem o alimento aos animais (incluindo o Homem).

As plantas são simplesmente os seres mais importantes, porque sem elas os animais herbívoros não teriam o que comer e consequentemente os carnívoros morreriam também.

Elas participam da fixação do nitrogênio através do mutualismo que exercem com certas bactérias e por fim renovam nosso ar apesar desse papel ser melhor desempenhado pelas algas microscópicas, essas enquadradas no reino dos protozoários e não dos vegetais.

Elas transformam matéria inorgânica em orgânica através da fotossíntese. Nós humanos, somos onívoros, ou seja, comemos animais e vegetais.

Algodoeiro (Gossypium hirsutum)

Além de constituírem uma fonte de alimento para os seres vivos, as plantas são uma fonte de matérias primas para as mais variadas indústrias. O algodoeiro e o linho são exemplos de plantas essenciais para a indústria têxtil.

A madeira das árvores é utilizada em múltiplas aplicações: construção de casas, barcos, mobiliário e muitos outros utensílios domésticos. A cortiça, extraída do sobreiro, é utilizada não só no fabrico de rolhas mas também de embalagens e na construção civil.

Há uma infinidade de outras importantes utilizações das plantas pelo Homem que poderiam ser referidas. Uma das mais importantes está relacionada com a indústria farmacêutica, uma vez que muitas espécies têm importantes propriedades medicinais.

Raízes
Há plantas com raiz aprumada (têm uma raiz principal mais grossa e outras mais finas que saem da principal), com reserva ou sem reserva de alimentos)
· Raízes aprumadas com reserva de alimentos – nabo e cenoura
· Raízes aprumadas sem reserva de alimentos – raiz de pinheiro

Há plantas com raiz fasciculada (têm raízes de tamanho e grossura idênticos, fazendo lembrar um feixe), com ou sem reserva de alimentos.
· Raízes fasciculadas com reserva de alimentos – dália
· Raízes fasciculadas sem reserva de alimentos – trigo e milho
· Raízes subterrâneas – pinheiro·
. Raízes aquáticas – nenúfar, agriões
· Raízes aéreas – hera, musgo

Nenúfar

Funções das Raízes
· Fixa a planta ao solo.
· Absorve água e sais minerais.
· Acumula reservas de alimentos.

O Caule das plantas
Funções dos caules
. Suporta ramos, folhas, flores e frutos (parte aérea da planta).
. Transporta água com sais minerais da raiz até às folhas.
. Repartir o alimento por todas as partes da planta.

A Folha das plantas
Há folhas:
Folhagens caducas – caem-lhe todas as folhas no Outono. (castanheiro, figueira, carvalho, videira)
Folhagens persistentes – nunca perdem totalmente as suas folhas. (pinheiro, oliveira, limoeiro)

Funções das folhas
. Fabrica os alimentos da planta.
. Realiza a respiração e a transpiração da planta.
. Pode servir de reserva de alimentos e de proteção.

Flores

A flor das plantas
As flores das plantas podem ter cores muito variadas: lírio, girassol, rosa, jacinto, camélia, violeta.

Funções das flores
Permite a reprodução das plantas. Uma flor para ser completa é constituída por: cálice, corola, androceu e gineceu, tendo cada um o seu órgão próprio.

Reprodução das plantas
A certa altura, a flor perde as pétalas e outros órgãos, transformando-se em fruto. No interior do fruto existem as sementes que, depois de germinarem, vão dar origem a outra planta.

Tipos de germinação
Germinação – é o processo pelo qual se forma uma planta a partir duma semente.

estaquias

Germinação por estacas – Há plantas (roseira, sardinheira, videira, …) que também se reproduzem por estaca. Cortam-se ramos dessas plantas que se enterram no solo. A estaca enterrada ganhará raízes e começará a desenvolver-se uma nova planta.

enxertia

Enxertia – Ramo que se aplica sobre um tronco para que se desenvolva. Exemplos de enxertia: videira, limoeiro, etc.

megulhia

Mergulhia – Utiliza-se este processo em plantas de ramos flexíveis. Consiste em dobrar um ramo da planta que se quer multiplicar, até o introduzir na terra deixando a parte terminal a descoberto. Algum tempo depois, na parte enterrada, aparecem raízes. Quando estas estão suficientemente desenvolvidas corta-se a nova planta, separando-a da “planta-mãe”. Ex. Videira.

Reprodução vegetativa assexuada-e-sexuada

Multiplicação vegetativa – Obtém-se uma nova planta, plantando raízes, caules ou folhas. A vantagem é que a nova planta tem todas as características da “planta-mãe”. Ex. dália, morangueiro.

Fatores do ambiente que influencia a vida das plantas
Água
Há plantas que vivem sempre na água (nenúfar, arroz); há plantas que necessitam de muita umidade (fetos, musgos); há plantas que têm necessidade moderada de água (pereira, pessegueiro); há plantas que conseguem viver em locais secos (cactos).

Luz
Há plantas que precisam de muita luz para sobreviverem: girassol, milho. Há plantas que se desenvolvem em locais com pouca luz (à sombra de outras plantas na entrada de grutas): musgos, fetos.

Temperatura adequada
Para se desenvolverem, as plantas também precisam de temperatura adequada. Se houver geadas ou muito calor quando as plantas estão a crescer, podem estragar-se as colheitas.

Para sobreviverem ao frio do Inverno, algumas plantas perdem as folhas, outras ficam adormecidas debaixo do solo, só voltando a crescer quando chega a Primavera.

Solo
Para sobreviverem, as plantas também precisam do ar onde vão buscar oxigénio para respirarem e dióxido de carbono para fabricarem os alimentos.

Todas as plantas necessitam de um determinado tipo de solo para se desenvolverem.

Utilidade das plantas
Sem as plantas verdes não haveria vida na Terra nem outros produtos de que o homem necessita para viver.

As plantas são de grande utilidade
* As plantas libertam oxigênio – durante o dia, enquanto as folhas fabricam os alimentos da planta, gastam dióxido de carbono que prejudica a respiração de todos os seres vivos e libertam oxigénio que purifica o ar e que é necessário para as células viverem.

* As plantas enriquecem os solos – As folhas e os ramos das plantas que caem no chão apodrecem e tornam os solos mais férteis e produtivos.

* As plantas são o guarda-chuvas dos solos – As plantas protegem o solo das fortes chuvadas, evitando que ele seja destruído. As raízes das plantas fixam o solo e também contribuem para evitar a sua destruição.

* As plantas são um abrigo das aves – Uma grande parte das aves que conhecemos faz os ninhos nas árvores, aí encontrando proteção e sossego para os seus filhotes.

* As plantas fornecem produtos para a nossa alimentação – As plantas fornecem produtos de que o homem e outros animais se servem para se alimentarem.

* As plantas são utilizadas em chás medicinais – algumas plantas são utilizadas para fazer chás que contribuem para combater doenças, de acordo com a opinião do nosso povo. Ex.: Tília, erva-cidreira, malva…

* As plantas utilizam-se para fabricar mobílias – Com a madeira do pinheiro, do castanheiro, do carvalho, da nogueira, da cerejeira, … fabricam-se móveis úteis e decorativos.

* As plantas ajudam a produzir energia – A lenha que obtemos das plantas é utilizada para produzir energia calorífica…

* As plantas fornecem flores decorativas – Algumas plantas fornecem flores

* Outros produtos fornecidos pelas plantas – Fibras, madeira para fabricar resina, cortiça para fabricar rolhas, boias, etc.

Conclui-se que as árvores são seres vivos porque nascem, crescem, reproduzem-se e morrem.
A floresta é indispensável ao planeta Terra. As plantas produzem o oxigênio (O2) e são utilizadas na: culinária, medicina, na construção e decoração das casas (madeira), no aquecimento, no embelezamento das localidades.

É importante que nos preocupemos com o abate exagerado das árvores porque sem elas não há vida no nosso planeta. A poluição do ar, da terra e da água também tornam as árvores doentes.

borboletas amarelas