Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘curiosidades’

delfino-lírios

Sabemos muito bem que a natureza é muito sábia e todo ser que faz parte dela também é, de certa forma. Tudo o que tem vida realiza uma série de necessidades básicas, fundamentais e importantes como reproduzir-se, alimentar-se, entre outras.

A primeira necessidade é importante devido ser a partir da reprodução de um ser vivo que novos seres dessa mesma espécie são gerados e assim não existe extinção. Já a segunda necessidade é importante para a espécie manter-se sustentável na natureza e dessa forma sobreviver.

Focando mais no assunto “Alimentação”, aprendemos no decorrer de nossas vidas, como nos alimentarmos bem para mantermos uma vida saudável e que se prolongue por muitos e muitos anos.

Assim como nós, seres humanos, diversos outros seres vivos desenvolveram técnicas para se alimentarem e também manterem-se saudáveis e fortes durante toda a sua vida.

Aqui, vamos saber um pouco mais sobre a alimentação das plantas. Você de fato sabe como as plantas que você cultiva no quintal de casa ou no seu pequeno jardim na varanda do apartamento se alimentam?

De cara vamos falar que é através do adubo que colocamos na terra quando fertilizamos as mudas. Mas você realmente tem certeza dessa sentença? Vamos descobrir então e aprender de fato como tudo acontece.

Afinal, como as  plantas se alimenta,?
Diferente de nós e de alguns seres vivos, as plantas não se alimentam de outras espécies, elas produzem seu próprio alimento e sobrevivem a partir disso. Esse processo é chamado de fotossíntese. É muito conhecido e apesar de ser muito popular, mas poucas pessoas sabem de fato como funciona, mas vamos explicar tudo para você.

O processo de alimentação das plantas inclui a ajuda da luz do sol, da água e do dióxido de carbono que a partir de um processo, se transformam em açúcar e assim as plantas vão se alimentando. Esse processo que é a fotossíntese, mais simplificada. A alimentação de todas as plantas, quebrando o mito que acontece pelo caule, é feita na verdade pelas folhas.

fotossíntese

Como acontece a fotossíntese das plantas?
Entender a fotossíntese não é complicado, mas acostumamos o velho hábito de saber apenas que é um processo que atua em algumas plantas e vegetais, responsabilizando-se por seu desenvolvimento. Então vamos aprender em um pequeno passo a passo, como uma planta realiza a fotossíntese e assim, se mantém alimentada.

Como já informamos mais acima, existem três componentes importantes e indispensáveis para que aconteça o processo de fotossíntese: a luz do sol, a água e o gás carbônico (CO2).

A partir de uma mistura desses componentes, as plantas geram o alimento necessário para sua sobrevivência. Vamos entender.

A partir das raízes, as plantas passam a absorver água e sais minerais. A partir dos vasos condutores, as plantas transportam toda a água absorvida para as suas folhas. Esse processo de transporte é chamado de seiva bruta.

Antes de contar o que acontece com a água que é absorvida pelas raízes e transportada para as folhas, é importante que vocês saibam que em todas as folhas de todas as plantas, existe um pigmento que é o responsável pela coloração verde de todas as folhas.

Esse pigmento é chamado de clorofila e além de dar a coloração das folhas, a clorofila tem outra função importante na fotossíntese, que é a captura da luz do sol.

Além da clorofila, também vamos encontrar nas folhas, uma estrutura que tem função de absorver o gás carbônico que fica solto no ar para ajudar no processo de fotossíntese. O nome dessa estrutura é estômatos. Agora que que já sabemos sos dois componentes importantes no processo de fotossíntese, vamos entender como eles funcionam em conjunto.

Depois de absorver a água das raízes e está chegar até as folhas da planta. A clorofila já encontrada nas folhas entra em ação juntamente com o estômato e absorve cada um a quantidade suficiente de luz do sol e gás carbônico.

A partir da absorção desses componentes, eles realizam um processo que onde se transformam em glicose, que é com o que as plantas se alimentam.

Nesse processo de obtenção da glicose, os gases carbônicos juntamente com a água em sua transformação liberam oxigênio para o ar, por isso a importância das plantas na obtenção de oxigênio puro.

dionaea muscipula

Alimentação de plantas carnívoras
Diferente das plantas “normais”, a alimentação das plantas carnívoras não é feita através de fotossíntese. Elas na verdade receberam essa denominação justamente por comerem carne, principalmente de animais, suas maiores presas. Geralmente as plantas carnívoras se alimentam de animais como aranhas, moscas, lesmas e de alguns passarinhos maiores ou sapos.

Todos esses alimentos são capturados por pousarem em suas folhas ou ao alcance de se tornarem presas. Podemos dizer que uma planta carnívora é bem esperta na hora de capturar o seu alimento.

Ela primeiro exala um aroma que se torna uma espécie de atrativo para as suas presas. Ao aproximarem-se, as presas acabam ficando grudadas em uma espécie de cola que existe nas folhas de todas as plantas carnívoras.

Algumas espécies diferentes formam outro tipo de armadilha para prenderem o seu alimento, mas o mais comum é através dessa substância pegajosa que existe nas suas folhas.

Outro tipo de planta carnívora se alimenta comendo literalmente os bichinhos que se aproximam. Como elas não apresentam essa substância pegajosa em suas folhas, elas prendem os bichos através de uma espécie de boca que possui assim prendem o seu alimento.

Essas plantas que agarram o alimento através de sua “boca” possuem em seu interior, um tipo de suco digestivo que ajudam a digerir os animais capturados. Nesse processo, as presas são transformadas em líquidos e assim este é absorvido pela planta.

vassoura-de-bruxa

Alimentação de plantas parasitas
Existem ainda as plantas parasitas que não capturam o seu alimento, nem realizar o processo de fotossíntese, nesse caso essas plantas roubam os alimentos de outras plantas, chegando mesmo até a matar a outra planta. Esse tipo de planta é chamada de parasita.

golfinhos2

Orquídeas

Tolumnia

As orquídeas são plantas e flores da família das orquidáceas da ordem das microspermas. São típicas de regiões de clima tropical, embora possam ser encontradas em todos os continentes, exceto na Antártida.

O Brasil, por exemplo, é um país em que encontramos grande quantidade e variedade de orquídeas.

Apresentam muitíssimas e variadas formas, cores e tamanhos e existem em todos os continentes, exceto na Antártida, predominando nas áreas tropicais.

Maioritariamente epífitas, as orquídeas crescem sobre as árvores, usando-as somente como apoio para buscar luz; não são plantas parasitas, nutrindo-se apenas de material em decomposição que cai das árvores e acumula-se ao emaranhar-se em suas raízes.

Elas encontram muitas formas de reprodução: na natureza, principalmente pela dispersão das sementes mas em cultivo pela divisão de touceiras, semeadura in-vitro ou meristemagem.

São admiradas em função da beleza incomum das flores, que são adaptadas para a polinização por insetos. Cada espécie possui um formato e combinação de cores diferentes.

Passam uma sensação de delicadeza e exotismo. A maioria das espécies possui caule ou folhas verdes, com presença de clorofila.

Vanda6

As orquídeas podem ser encontradas nas matas e florestas, porém, em função de seu alto valor de comercialização, existem muitos orquidários cultivando diversas espécies de orquídeas.

A arte de cultivar orquídeas é conhecida como orquedofilia e os criadores são chamados de orquidófilos. Estes já criaram várias espécies híbridas.

Principais espécies de orquídeas (mais populares):
- Originárias da Europa: Ophrys, Orchis, Cypripedium.

- Originárias da Oceania e Ásia: Dendrobium, Phalaenopsis, Cymbidium, Paphiopedilum, Vanda, Coelogyne, Eria.

- Originárias da África: Disa, Angraecum, Aerangis.

- Originárias da América: Laelia, Oncidium, Cattleya, Epidendrum, Brassia,  Sophronitis, Miltonia, Pleurothallis, Lycaste, Maxillaria, Phragmipedium, Encyclia, Brassavola.

Curiosidades
- são conhecidas, aproximadamente, trinta mil espécies de orquídeas.

- nas matas e florestas, as orquídeas precisam de determinados tipos de fungos para germinarem

orquidea arquivo gif

Talvez vocês não saibam, mas existe uma grande probabilidade de uma de suas belas plantinhas do jardim poder produzir um poderosíssimo veneno capaz de matá-lo por asfixia ou ataque cardíaco em pouquíssimo tempo.

Em geral, a toxina desses vegetais serve para protegê-los de predadores, mas ela também consegue matar humanos desavisados.

Agora, você confere uma lista com 11 plantas que possuem uma quantidade tão grande de tóxicos que algumas delas podem matar em questão de poucas horas.

01. Oleandro (Nerium oleander)

Nerium oleander

Todas as partes do belo oleandro possuem diversos tipos de toxina, sendo as duas mais fortes a oleandrina e a neriine, que afetam drasticamente o coração. Na verdade, o veneno da planta é tão forte que é possível morrer apenas comendo o mel de uma abelha que utilizou seu néctar como fonte.

Originalmente, a Nerium oleander nasceu nas áreas do mediterrâneo e do Extremo Oriente. Porém, devido à sua beleza exorbitante, ela passou a ser cultivada com propósitos decorativos. Por instinto, os animais costumam se afastar dela. Além disso, basta uma folha para matar uma criança.

02. Ageratina altíssima (white snakeroot)

Ageratina altíssima (White snakeroot)

Essa é uma planta nativa da América do Norte e uma das mais venenosas do mundo. Suas flores são brancas e, depois de desabrocharem, liberam pequenas sementes fofas que são carregadas pelo vento. Apesar de bela, a white snakeroot contém um alto teor de tremetol – uma substância que mata pessoas indiretamente.

Quando a espécie é comida pelo gado, a toxina é absorvida pelo leite e pela carne. Depois, quando o humano se alimenta do animal contaminado ou bebe de seu laticínio, o componente entra no corpo e causa a chamada “doença do leite”, que por sua vez é extremamente fatal.

No início do século 19, centenas de europeus desafortunados morreram disso nos EUA. Acredita-se que a mãe de Abraham Lincoln, Nancy Hanks, foi uma das vítimas.

03. Olho-de-boneca (Actaea pachypoda)

Olho-de-boneca (Actaea pachypoda)

A olho-de-boneca, também conhecida como white baneberry, pode até parecer simpática, mas é muito perigosa. Nativa da área norte e leste da América do Norte, essa planta florida, que mede apenas 1 cm de diâmetro e tem pequenas frutinhas brancas com uma mancha preta, é muito semelhante ao objeto que lhe dá nome.

Ainda que toda a espécie tenha sido considerada danosa ao homem, a maior parte de sua toxina fica concentrada no fruto. Infelizmente, muitas crianças já foram vítimas da White Baneberry, porque, além de bela, ela é muito doce.

A baga contém uma toxina chamada carcinógeno, que possui efeito sedativo, quase que imediato, no músculo cardíaco humano e causa morte rápida.

04. Trombeta-de-anjo (Brugmansia suaveolens)

Trombeta-de-anjo (Brugmansia suaveolens)

Essa é uma planta nativa da América do Sul, podendo ser encontrada em diversas regiões do Brasil. O nome trombeta-de-anjo se deve ao formato de pêndulo da flor, que em geral possui coloração branca e amarela, embora seja possível encontrar variedades e híbridos de tons rosados.

Com tamanho entre 14-50 cm, todas as partes dessa planta são consideradas tóxicas e narcóticas. Ela contém alcaloides tropânicos como escopolamina, atropina e hiosciamina. Mesmo sabendo do perigo, algumas pessoas ingerem um chá feito com as flores como um potente alucinógeno.

O nível de toxicidade varia conforme o tipo da planta, sendo praticamente impossível saber quanto veneno uma pessoa tomou. Em geral, quem brinca com a trombeta-de-anjo acaba tendo uma overdose e morrendo ou sofrendo de paralisia dos músculos lisos, taquicardia, confusão, midríase, alucinações visuais e auditivas.

Embora seja perigosa, a espécie também possui propriedades medicinais, tais como antiasmática, cardiotônica e anticonvulsivante. Não é incomum ela ser utilizada para fabricação de remédios para mal de Parkinson, problemas cardíacos, síndrome pré-menstrual e infecções urinárias.

05. Noz-vômica ou fFava-de-santo-Inácio (Strychnos nux-vomica)

Strychnos nux-vomica

A noz-vômica é uma planta de tamanho mediano nativa da Índia e do sudoeste da Ásia. Seus pequenos frutos arredondados (parecidos com laranjas) são altamente perigosos, pois contêm os alcaloides venenosos estricnina e brucina. Por sua vez, as sementes possuem 1,5 % do primeiro composto, e as extremidades florais secas dispõem de cerca de 1 %.

Com apenas 30 mg desses componentes, é possível matar um adulto de forma violenta e dolorosa, causando convulsões e estímulos simultâneos no gânglio sensorial da espinha. No entanto, a noz-vômica também tem propriedades medicinais para combater astenia cardíaca, paralisias, neurastenia, sintomas de uso de entorpecentes e problemas gastrintestinais infectocontagiosos.

06. Teixo (Taxus baccata)

Taxus baccata (teixo)

Nativo da Europa, sudoeste da Ásia e noroeste da África, o teixo produz um belo fruto vermelho e macio que protege suas sementes. Por sorte, essa é a única parte da planta que não contém veneno, possibilitando que os pássaros comam a casca e espalhem as sementes sem se infectarem.

Uma dose de 50 g de teixo é fatal para um homem. Os sintomas da intoxicação incluem dificuldade respiratória, tremor muscular, convulsão, desmaio e parada cardíaca. Em casos de intoxicações severas, a morte pode ocorrer de forma tão rápida que não há tempo para que todos os sinais sejam apresentados.

07. Cicuta (Water hemlock)

Cicuta (Water hemlock)

Water hemlock é um grupo de plantas extremamente venenoso e que pode ser encontrado nas regiões temperadas do hemisfério norte. Todas elas possuem flores brancas ou amarelas bastante distintas, que são dispostas em formato de guarda-chuva. Nos EUA, essas simpáticas plantinhas são consideradas as mais danosas de todas.

Elas contêm uma substância conhecida como cicotoxina, que causa convulsões, e todas as partes do espécime são perigosas – principalmente a raiz, onde o veneno é mais potente.

Além da convulsão quase que imediata, outros sintomas incluem náusea, vômito, dores abdominais, tremores e confusão. Geralmente, a morte é causada por insuficiência respiratória ou fibrilação ventricular, que ocorrem poucas horas após a ingestão.

08. Aconitum (Wolfsbane)

Aconitum (Wolfsbane)

Também conhecido como “capacete-do-diabo”, o aconitum é uma espécie da família Ranunculaceae. Essas plantas vivazes são nativas das regiões montanhosas do hemisfério norte e possuem uma grande quantia do alcaloide pseudaconitina, o qual é usado na ponta das flechas do povo Ainu do Japão para caçar.

Caso ocorra a ingestão, a pessoa sofre queimação abdominal e nos membros do corpo. Em grandes doses, a morte pode ocorrer dentro de 2 a 6 horas, bastando apenas o consumo de 20 mg para pôr fim à vida de um humano adulto.

Curiosidade: a capacete-do-diabo também é mencionado na mitologia e nos contos de lobisomens, em que é usado para afastar as criaturas ou reverter o estágio da transformação independentemente da fase da lua.

09. Ervilha-do-rosário (Abrus precatorius)

Abrus precatorius (ervilha do rosário)

Também conhecida como “olho-de-caranguejo”, essa é uma plantinha de pode atingir os 60 cm e que possui flores papolíacias de cor violeta, agrupadas em cachos. Em geral, elas nascem junto aos troncos das árvores e pertencem originalmente à região da Indonésia, embora possam ser encontradas em diferentes lugares do mundo.

O veneno que a ervilha do rosário contém, o abrin, é muito parecido com a ricina de outras plantas tóxicas. No entanto, a substância do olho-de-caranguejo é 75 vezes mais forte, portanto a dose letal é muito menor. São necessários apenas 3 microgramas de abrin para matar um adulto.

Dada a sua aparência arredonda, algumas pessoas utilizam a Abrus precatorius como pulseira ou rosário. Óbvio que isso é muito perigoso, visto que teve gente que morreu apenas por furar o dedo com o equipamento utilizado para fazer os buraquinhos nas sementes.

10. Beladona (Atropa belladonna)

Atropa belladonna (beladona)

Também chamada de “cereja-do-inferno”, a beladona é nativa da Europa, África do Norte e Ásia Ocidental. Rica em um alcaloide chamado tropano, a espécie pode causar delírio e alucinações. Outros indícios do envenenamento por beladona incluem perda da voz, boca seca, dor de cabeça, dificuldades respiratórias e convulsão.

Toda a planta é danosa, mas os frutos são os mais perigosos, uma vez que são saborosamente doces e costumam atrair as crianças. São necessárias de 10 a 20 cerejas para matar um adulto, mas basta apenas uma folha (na qual a toxina é mais concentrada) para pôr fim à vida de um homem.

Por mais estranho que pareça, no período elisabetano (século 16), as pessoas usavam a beladona como parte de sua rotina cosmética diária. Elas utilizavam gotas feitas a partir da espécie como colírio, visando assim dilatar as vistas. Na época, isso era considerado algo atraente, pois passava uma aparência sonhadora no modo de olhar.

Levando em consideração que as mulheres bebiam cianeto e se “sangravam” para adquirir um aspecto pálido e translúcido na pele, pingar veneno nos olhos parece brincadeira de criança – e você pensando que a ditadura da beleza começou agora, não é mesmo?

11. Mamona (Ricinus communis)

Mamona (Ricinus communis)

Quem nunca brincou de tacar mamona nos amigos? Sabia que, na verdade, você estava jogando granada nos outros? Não é para tanto, mas a planta que pode ser encontrada em qualquer matagal brasileiro contém uma grande quantidade da toxina ricina.

Embora o processo de extração do veneno seja um tanto complexo, em Las Vegas as autoridades descobriram uma boa quantidade da substância em um quarto de hotel, em fevereiro de 2008. As investigações apontaram que a KGB utilizava o componente para silenciar permanentemente a oposição.

Uma semente crua de mamona é suficiente para causar uma morte sofrida, agonizante e repleta de dores. Os primeiros sintomas da intoxicação aparecem logo nas primeiras horas depois do envenenamento, o que inclui a sensação de queimação na garganta e nos olhos, dores abdominais, bem como diarreia e vômito com sangue. O processo é incontrolável e só termina quando a vítima falece por desidratação.

Um fato curioso é que os humanos são os mais sensíveis em relação às sementes, bastando de uma a quatro para pôr fim a um adulto, 11 para matar um cachorro e 80 para assassinar um pato. Levando isso em consideração, as mamonas estão em primeiro lugar no livro dos recordes como as plantas mais venenosas do planeta.

lago


suculentas

A primeira ilustração de uma suculenta “Kalanchoe citrina” foi descoberta em 1989 nas paredes do grande templo de Thutmosis III (1501 – 1447 a.c.) em Karnak, Egito. Este rei egípcio ficou conhecido e lembrado como grande explorador militar, especialmente na vizinha Síria.

Nas 17 expedições que fez ele trouxe para o Egito muitos exemplares de novos animais e plantas saqueados nas suas andanças. Assim seu templo próximo de Luxor é repleto de ilustrações.

Muitas delas sem identificação (poderiam ter sido estilizadas ou fantasiadas) mas outras eram perfeitamente identificáveis. Entre elas o “Kalanchoe citrina”. Provavelmente Karnak foi o primeiro Jardim Botânico do mundo e o jardineiro responsável chamava-se Nekht. Sua tumba foi descoberta em Thebes.

As suculentas só foram reconhecidas como um grupo à parte no século dezessete.
As datações de carbono mostram em fósseis de suculentas encontradas que as espécies mais antigas têm 24.000 anos.

Os dois primeiros livros publicados sobre suculentas foram de Richard Bradley(1716-27) e o outro de De Candolle e ilustrações de Redouté (1799-1837). Ambos iam sendo publicados por partes e ambos ficaram incompletos.

Na América sabe-se que há 9.000 anos atrás Agaves e Cactos eram usados na alimentação no México. Há mais de 2.000 anos no México também o Peiote (Lophophora williansii) era usado em cerimônias religiosas e por jovens (como droga).

Dedo De Moça (Sedum Burrito)

Por conter mescalina e outros alcalóides produzia visões coloridas e euforia.
Na Europa os Aloes e as Euphorbias eram muito usados por suas propriedades medicinais e outras utilidades.

Características das Suculentas
As suculentas são plantas que acumulam água em um ou mais de um dos seus tecidos. Por serem de regiões secas precisam de uma reserva para os longos períodos de estiagem. Elas podem armazenar água nas raízes, caules, troncos, folhas etc.

Por isso muitas vezes elas apresentam folhas, troncos ou o caule “gordinhos” cheio de água, daí o nome “Suculentas”.

As suculentas usam alguns “truques” para diminuir a perda de água como envolver as folhas com uma fina película de cera ou uma camada bem densa de espinhos para fazer sombra no corpo da planta.

Muitas suculentas desenvolveram também um metabolismo diferente, chamado CAM (metabolismo do ácido crassuláceo), onde as plantas fecham os estômatos durante o dia e os abrem durante a noite. Estômatos são pequenas aberturas nas folhas que absorvem o dióxido de carbono enquanto as raízes absorvem água.

O alimento para a planta é produzido pela fotossíntese, combinando a água e o dióxido de carbono para produzir açúcares. Nesse processo (fotossíntese) o oxigênio é produzido e liberado no ar.

suculenta

No caso das suculentas o dióxido de carbono absorvido durante a noite é liberado gradativamente durante o dia, e também combinado com vários ácidos orgânicos (ácido málico). Durante o dia este ácido é transformado em açúcar pela ação da fotossíntese. As suculentas são sempre de região seca; porém podem ser de regiões secas quentes ou regiões secas frias como Alpes ou Balcãs (Sempervivum).

As espécies de suculentas são em torno de 22.000, sendo 2.000 espécies de cactos.
As suculentas não são uma família, mas um grupo de plantas.

Fazem muita confusão também entre cactos e suculentas. Os cactos são de uma família do grupo das Suculentas (Cactaceae). Todo cacto é uma suculenta, mas nem toda suculenta é um cacto.

Nós fazemos classificação das Suculentas, quanto à luminosidade da seguinte maneira: * Muita luminosidade, sem sol direto.
* Sol durante o dia.
* Sol pleno.

suculenta-2

Necessidades ou cuidados mínimos
Cultivo:

1. Solo
As suculentas de maneira geral preferem solos ricos e bem drenados. Nunca se deve misturar areia na terra preparada para as suculentas porque “soca” demais. Devemos usar uma fibra natural, casca de pinus, pedriscos (tipo o que sobra de peneirar uma areia lavada grossa).

Normalmente nós misturamos um substrato comprado no mercado de alguma firma idônea, misturado com a fibra e um pouco de terra vermelha de sub-solo de barranco. Acrescentamos para o plantio uma fonte de fósforo, cálcio e magnésio e depois fazemos adubações de cobertura periódicas.

2. Luminosidade
É um dos grandes segredos do sucesso no cultivo das suculentas. É Normalmente todas elas gostam de muita luz e morrem ou se descaracterizam na falta dela.

Elas são divididas em verdes (ex. Rhipsalis, Hatiora, Gasteria e Haworthias) que precisam de muita luz, mas não de sol diretamente. As amarelas (ex. Echeverias, Crassulas) que precisam de luz pelo menos uma parte do dia. As vermelhas (ex. Kalanchoe tyrsifolia, Crassula capitela) que precisam de sol pleno, o dia todo.

3. Irrigação
Este é outro ponto crítico para o cultivo de suculentas. A regra básica é regar abundantemente 1 vez por semana no verão e de 15 em 15 dias no inverno (ou no verão se o tempo estiver chuvoso ou nublado).

Deve-se molhar como uma “tempestade”, inclusive folhas e tudo. Não tem problema! Não pode é “borrifar” água, que aumenta a umidade relativa do ar em volta da planta nem usar prato embaixo do vaso.

É importante colocar brita, cacos de cerâmica ou argila expandida no fundo dos vasos para facilitar a drenagem do excesso de água.

Outra coisa interessante é utilizar pedrinhas cobrindo a superfície do vaso o que faz com que a água passe por aquele espaço sem se acumular alí, indo direto para as raízes. Isto evita muito o apodrecimento do colo da planta (pescoço), parte muito sensível a tombamento.

Echeveria agavoides

Vale lembrar que toda regra tem exceção, que vasos expostos ao sol direto e/ou vento necessitam de mais água que outros mais protegidos. Também tem alguns cactos de mata Atlântica como os Rhipsalis que gostam de regas mais frequentes.

A adubação deve ser feita periodicamente, sem exageros principalmente de nitrogênio para evitar que a planta cresça muito verticalmente. Normalmente após o plantio das mudas em vasos reduzimos a adubação até o vaso “firmar” e ir para o mercado para que as plantas “se comportem” não precisando serem trocados para vasos maiores com muita frequência.

As suculentas são plantas fáceis de serem cultivadas principalmente seguindo-se as regras da luminosidade e rega. Sua multiplicação é feita por semente ou por partes das plantas como folhas.

Também é possível fazer mudas por estacas o que acelera bastante o processo de multiplicação. Há plantas fáceis e rápidas de multiplicar e outras já muito lentas para crescer e até amadurecer para se conseguir sementes. Alguns Agaves podem levar até vinte anos ou mais para florescer.

As suculentas têm sido muito procuradas pela praticidade (regas semanais) e pela procura por novidades, plantas com aspectos diferentes ou curiosos. Como são muito diversas podem se adaptar bem a canteiros ou vasos.

Vai depender da espécie a ser plantada, da maneira adequada de plantar, observando a luminosidade e a drenagem principalmente. As suculentas preferem vasos de barro (queima de “biscoito”), não vitrificados, e que de preferência sejam rasos e largos, tipo “bacia”.

suculentas-mix
Para montar um jardim de suculentas devemos combinar espécies que tenham a mesma necessidade básica de luz e frequência de regas para facilitar o manejo, inclusive dos setores da irrigação automatizada, se tiver.

As suculentas devem ser plantadas fazendo-se pequenas elevações no terreno, utilizando pedras e pedriscos e naturalmente utilizando as mantas tipo bidim para ajudar na drenagem.

Ficam muito bonitas em jardineiras de apartamentos, onde elas são protegidas do excesso de chuva por uma marquise. Jardim de inverno nem pensar! Não conheço nenhum que tenha dado certo com suculentas e raríssimas exceções com outros tipos plantas.

lagoinha