Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘curiosidades’

Mimosa_pudica_2

Como todos os seres vivos, as plantas também precisam de repouso. E é durante o inverno que elas descansam. O sono verde do inverno é uma função biológica que norteia a vida das plantas. O amarelecimento das folhas, nessa época é um dos muitos sinais, dados pelas plantas perenes, de que estão hibernando.

Nos casos extremos, como das bulbosas típicas (gladíolos, frésias, lírios, dálias e anêmonas), as plantas passam para uma atividade subterrânea e secam completamente suas partes áreas.

É nessa ocasião que os bulbos precisam ser arrancados: com um pequeno pincel, retira-se todo o excesso de terra que os recobre e devem ser então guardados em um saco plástico perfurado. Três a quatro meses depois são replantados e a reserva alimentar acumulada nos bulbos transfere-se para o caule fazendo surgir novos brotos.

lirio-do-campo

Durante o sono ou repouso de inverno, o crescimento, vegetativo estaciona completamente, ou ocorre muito devagar, tornando inútil ou contraproducente qualquer esforço para “puxar pelas plantas” usando adubos ou fórmulas mágicas.

Menos adubo, menos água, menos interferência na terra é a melhor atitude para atravessar esse período de “hibernação”. Ou seja: deixe a planta repousar em paz.
Essa regra vale para quase todas as plantas.

Uma das poucas exceções, o gerânio, o amor-perfeito, é diferente porque floresce durante todo o inverno. Essa variedade apresenta bonitas folhas em forma de leque semi fechado, recobertas por uma certa pilosidade, a nervação em plissê, corrugada. Suas cores são fantásticas e as flores chegam às vezes a ter 8 cm de diâmetro.

Acordadas, florescem
Em meados de julho, em todo o Brasil a maioria das plantas começa a acordar, voltando à vegetação plena em agosto para florir na primavera.
Algumas espécies não respeitam esse calendário e dormem menos tempo.

O seu repouso começa logo após o momento específico da floração. É o caso do ipê e da primavera (bougainvillea spectabilis), cujas flores desabrocham durante os meses frios.

bougainvillea spectabilis

Para alegrar um ambiente durante os meses frios há uma exceção: as plantas que dispensam o sono. As suculentas, por exemplo, se receberem boa luz e quantidade suficiente de água (sem encharcar o solo) não dão trabalho, multiplicam-se bem partindo de um simples fragmento de folha e apresentam surpreendente vontade de viver.

casinhanolago

xaxim

O Xaxim é o feto arborescente, da família das Dicksoniáceas, nativo da Mata Atlântica e América Sul. Possui cáudice ereto, cilíndrico, e frondes bipenadas de até 2 m de altura. Devido à extração desenfreada do cáudice para uso no cultivo de outras plantas, a espécie está ameaçada de extinção e sua extração está proibida em todo o Brasil.

Gosta de terrenos baixos com solo rico em matéria orgânica, mantido sempre úmido. Devido ao risco de sua extinção, deve ser utilizada racionalmente e suas mudas devem sempre ser originárias de plantas cultivadas e não das extraídas do ambiente natural.

Também é conhecido pelos nomes de samambaiaçu e samambaiaçu-imperial. O xaxim é uma planta do grupo das pteridófitas, assim como avencas, cavalinhas e a samambaia. A cidade catarinense de Xaxim recebeu esse nome em homenagem à planta.

Mas afinal, o que significa a palavra Xaxim?
A palavra xaxim tem sua origem no vocábulo tupichachî que significa “enrugado” ou “emaranhado”, referente ao aspecto de seu caule.

Tradicionalmente explorada em função da utilização de seu caule rico em fibras e raízes, as populações de xaxins – espalhadas nos remanescentes florestais – foram decrescendo bruscamente ao longo das últimas décadas.

Dicksonia sellowiana

Especificidade dos Xaxins
* O xaxim ou samambaiaçu é uma planta de tronco fibroso e espesso, suas folhas são bastante grandes e surgem no topo do tronco, diferentemente das outras samambaias. É resistente ao frio e apresenta crescimento muito lento, no entanto, é uma planta grande, chegando a 4 m de altura.

Devido ao seu diferencial, sua utilização no paisagismo é muito interessante. Além de sua beleza singular, servem de suporte e substrato para as mais diversas plantas epífitas, como orquídeas, bromélias, outras samambaias e principalmente as avencas.

* A partir do caule da planta são confeccionados vasos que podem servir de suporte para outras plantas, como orquídeas e bromélias. Ainda pode ser utilizado para preparar o conhecido “pó de xaxim”, que é nada mais que um substrato orgânico que serve como fonte de nutrientes para outras plantas. Dado o grau de exploração da espécie, ela acabou sendo incorporada à lista de espécies ameaçadas de extinção.

* O corpo das pteridófitas possui raiz, caule e folha. O caule das atuais pteridófitas é em geral subterrâneo, com desenvolvimento horizontal. Mas, em algumas pteridófitas, como os xaxins, o caule é aéreo. Em geral, cada folha dessas plantas divide-se em muitas partes menores chamadas folíolos.

* A existência de samambaias arbóreas ainda é pouco conhecida pela população, sendo as pequenas mais comuns, principalmente as ornamentais. Contudo, Dicksonia sellowiana é um excelente representante de pteridófita arbórea. Ainda no ápice de seu tronco, apresenta grandes folhas, também conhecidas como frondes.

Assim, forma-se uma coroa verde, sendo que na face inferior é onde estão localizadas as regiões que produzem os esporos, que necessitam de água para germinarem e continuarem com o ciclo de vida do xaxim. Essas plantas, portanto, são encontradas em ambientes com alta disponibilidade de água.

Dicksonia sellowiana_00

Clima e cultivo
Seu cultivo fora do habitat natural deve ser feito à meia-sombra e protegido contra ventos fortes. O ideal é reproduzir suas condições naturais, ou seja, um ambiente quente e úmido.

A mistura ideal para o cultivo deve ser rica em matéria orgânica (sugestão: 1 parte de terra comum de jardim, 1 parte de terra vegetal e 2 partes de composto orgânico). O xaxim gosta de solo sempre úmido, mas não encharcado.

Em projetos paisagísticos, o xaxim é indicado na composição de maciços e não precisa de replantio, pois é uma planta perene e multiplica-se por esporos e através da separação dos brotos com uma parte do caule.

Hoje em dia, com a extração proibida, as populações de xaxins voltam a colonizar o interior das florestas, recompondo a riqueza destes ambientes com um belo exemplar da flora brasileira.

Curiosidades sobre o Xaxim
Ao longo da história evolutiva da Terra, as pteridófitas, ou seja, os xaxins, foram os primeiros vegetais a apresentar um sistema de vasos condutores de nutrientes. Isso possibilitou um transporte mais rápido de água pelo corpo vegetal e favoreceu o surgimento de plantas de porte elevado.

Além disso, os vasos condutores representam uma das aquisições que contribuíram para a adaptação dessas plantas a ambientes terrestres.

Já foi descoberto que as cascas de coco além de servirem como adubo orgânico presta-se bem para fabricação vasos, em substituição ao tradicional xaxim.

Atualmente, existem no mercado produtos alternativos que substituem o xaxim, como vasos fabricados a partir da fibra do coco e também substratos como palha de coco, ardósia e carvão. Ao optar por estes produtos estamos ajudando a preservar a existência da Dicksonia selowiana nas matas.

sementes Sementes

Quem anda pelo litoral e nas grandes cidades percebe que a casca de coco descartada no consumo da água de coco verde é um desperdício que gera toneladas de lixo reaproveitável.

Uma idéia que está sendo colocada em prática por empresas de reciclagem é utilizar o resíduo para substituir o xaxim (samambaiaçu) que originalmente é retirado de uma planta em perigo de extinção na mata atlântica.

Para ter-se uma idéia do volume de cascas de coco produzido por ano no país, Philippe Jean, do Projeto Coco Verde, afirma que apenas no verão o Rio de Janeiro produz 600 toneladas do produto.

É uma das maiores fontes de resíduos sólidos e um grave problema, principalmente se levarmos em conta que as cascas de coco levam de 8 a 12 anos para se decomporem nos aterros sanitários.

Apesar, porém, de dominar a técnica de modelagem de vasos para substituição do xaxim, a empresa de Jean não repassa a tecnologia, mas presta assessoria na produção de insumos para projetos paisagísticos (adubo orgânico, cobertura, etc.) e fornece a máquina para triturar as cascas, cujo preço varia de acordo com a quantidade a ser processada.

Alguns dos produtos do coco verde reciclado substituem, com inúmeras vantagens, todos os artefatos produzidos com o xaxim, que em extinção, tem sua extração regulamentada por lei.

pingosnas folhas

Catlleya Mossiae

Elas são uma das mais populares orquídeas. Quando falamos em cattleya estamos fazendo referência a um gênero desse tipo de planta. A sua principal característica é ser vistosa com flores muito grandes possuindo híbridos. E dentro do gênero Cattleya podemos encontrar diversas espécies, que veremos quais são a seguir.

Esse gênero de orquídea é facilmente encontrado no Brasil em lojas que vendem flores. Para quem gosta de orquídeas, usá-las em meio as mistas é uma “receita” que dá muito certo.

A quantidade de espécies de cattleya é bem grande, imagine que até 2008 eram 50, e esse número aumento porque aquelas que faziam parte de outro gênero foram catalogadas como orquídeas. Estamos falando das laelia e da sophronitis que agora fazem parte das espécies de cattleya também.

Laelia purpurata sanguinea

Sophronitis

A descoberta das espécies do gênero Cattleya
Da sua descoberta aos dias atuais, o gênero de orquídea Cattleya vem sendo muito cultivado e adorado, principalmente por quem ama orquídeas. Aliás, é bem comum que a palavra orquídea esteja associada como imagem a grande parte das pessoas por isso tipo de gênero, uma vez que é um dos mais comuns e comercializados.

Para uso ornamental, as espécies de cattleya vêm sendo muito usadas, principalmente, para se obter o maior número de híbridos. Aliás, vala ressaltar que de todos os gêneros de orquídeas, a cattleya não é páreo para nenhum outro em relação a quantos híbridos vistosos pode dar.

Das características que merecem destaque das espécies de Cattleya é que elas podem ser muito variáveis. Pois é, elas conseguem se “modificar” tanto que dá até para confundir com uma orquídea que pertence a uma outra espécie. Uma verdadeira joia para os amantes das orquídeas, para a orquidofilia e o seu crescimento e enriquecimento.

Para descrever uma orquídea da espécie de cattleya sem errar é preciso estar atento a cada detalhe, se são pintas, manchas, a nuance da cor. Só com uma grande observação e sendo estudioso de orquídea é que em alguns casos é possível acertar a que gênero pertence àquela espécie.

cattleya labiata

A busca por novidades no mundo das Orquídeas
As orquídeas ainda são “testadas” pelos amantes dessas flores tão especiais. Eles costumam cruzar espécies para chegar ao que eles chamam de “perfeição”. Normalmente, as preferidas para a “experiência” são as redondas com as flores bem grandes.

Para se ter-se uma ideia da importância das espécies de cattleya, é possível encontrar diversos livros dedicados 100% a elas.

A importância dessa espécie vai além, já foi inclusive uma “mercadoria” de alto valor. Eram vendidas por preços altíssimos há bem pouco tempo atrás.

Porém, com o passar do tempo, o trabalho dos orquidófilos, seja aqueles profissionais ou até mesmo os curiosos, o experimento de cruzar naturalmente as plantas fez com que os chamados clones perdessem o alto valor de mercado.

Com o passar do tempo, as espécies estão cada vez mais bonitas, mais vistosas e fica até difícil de compará-las com as suas origens, com a sua “família”. Isso tudo graças a esse trabalho de aperfeiçoamento feito pelos orquidófilos.

Para ter-se uma ideia, algumas delas atingiram um grau de perfeição que não se parecem mais com as originais. As “verdadeiras” são pequenas, simples e normalmente, são um pouco tortas.

São poucas as pessoas que atualmente fazem o cultivo das orquídeas da espécie de cattleya sem fazer nenhuma alteração no seu “perfil” original.

Conheça as principais espécies de Cattleya:

Cattleya Aurantiaca

* Aurantiaca: suas flores chegam a 5 cm e por isso é considerada de porte médio. Precisa ter boa iluminação natural e adora calor, as suas flores aparecem no final do inverno.

Cattleya Chocoensis
* Chocoensis: não suporta temperaturas abaixo de 10ºC e também precisa de uma boa iluminação natural. Demora em média um ano para florir.

cattleya Elongata
* Elongata: as suas hastes são longas durante o período da florescência e gosta de sol durante uma parte do dia e na outra prefere ficar na sombra. As suas primeiras flores aparecem somente depois de 2 a 3 anos do cultivo.

Cattleya forbesii

* Forbesii: é uma das mais da espécie para o cultivo. As suas flores aparecem enquanto ela ainda é jovem, logo após o cultivo. Ela prefere umidade ambiental e de meia sombra.

Cattleya Intermedia Coeruela

* Intermedia Coeruela: é uma outra orquídea que é considerada de fácil cultivo. O tamanho máximo dessa orquídea é de 10 cm. O momento de florescência é no inverno.

Intermedia Tipo AD

* Intermedia Tipo AD: outra orquídea que só floresce durante o inverno. A sementeira pode influenciar na tonalidade da cor e também na forma. Por isso é muito comum encontrar essa espécie de cattleya bem diferente uma da outra.

Labiata-tipo-AD

* Labiata Tipo AD: essa orquídea só floresce depois de um ano, mas quando elas chegam são lindas, perfumadas e grandes. Elas preferem umidade ambiental e gostam muito da luminosidade natural.

Lueddemanniana tipo AD

* Lueddemanniana tipo AD: essa espécie gosta de boa umidade ambiental e deve ser plantada na meia sombra. A formação de touceiras é bem rápida se for cultivada corretamente. Pode ser cultivada sem problemas em clima quente.

Cattleya-Máxima-NBS

* Máxima NBS: a florescência acontece somente 1 ano depois do cultivo. O tamanho dessa orquídea é médio, o máximo. A medida máxima é de 12 cm chegando a forma cachos com o máximo 6 flores.

Percivaliana AD

* Percivaliana AD: podemos ver mais flores bonitas e vistosas durante o outono. Somente com o clima quente é que a planta pode dar o seu melhor. A sementeira faz a diferença se a planta terá uma forma ou outra.

Cattleya_schofieldiana

* Schofieldiana: essa é uma das orquídeas da espécie que mais demoram a florir, pode chegar até 3 anos depois do cultivo. E podem chegar a medir 12 cm cada uma das flores. Como é muito comum a mistura desse tipo de orquídea, algumas podem apresentar pintas e outras podem ser lisas. Adora o calor e precisa de umidade ambiental.

Se você gosta de orquídeas agora é só escolher a sua preferida do gênero da cattleya e prestar atenção em alguns detalhes, principalmente, no que diz respeito ao clima e a necessidade de luminosidade.

Se a orquídea precisa ser cultivada em um lugar quente não adianta tentar plantá-la em um lugar frio.  Fique atento as particularidades de cada uma delas.

chuva no mar

jardim sustentável

Jardins sustentáveis compreendem no grupo díspar de hortícolas, em maior ou menor grau, com metas e objetivo associado ao desenvolvimento sustentável e sustentabilidade em programas desenvolvidos para abordar o fato de que os seres humanos estão usando recursos naturais biofísicos mais rápido do que podem ser repostos pela natureza.

Desenvolvimento histórico
Após a implantação da agricultura sustentável no início de 1980 foi tempo do surgimento de horticultura sustentável. Muitos dos princípios ecológicos e ideias defendidas pelos jardins sustentáveis e paisagens são estabelecidos como reação ao uso intensivo de recursos da agricultura industrial.

As práticas foram estabelecidas como movimentos de autossuficiência e agricultura de pequena escala com base em uma abordagem de sistemas holística e princípios ecológicos. O jardim botânico cria diretrizes nacionais voluntárias para construção sustentável da terra, design e práticas de manutenção.

Principais conceitos
Projeto, construção, operação e práticas de manutenção que atendam às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir as próprias necessidades. Ambiciona proteger, restaurar e melhorar a capacidade de paisagens para fornecer serviços ambientais e gerar benefícios que aos seres humanos e outros organismos.

Gestão global de ciclos biofísicos e serviços dos ecossistemas para o benefício dos seres humanos, outros organismos e as futuras gerações se tornaram responsabilidade humana global.

O método de aplicação da sustentabilidade para jardins, paisagens e lugares ainda está em desenvolvimento e varia um pouco de conforme contexto em consideração. No entanto, há série de básicos e comuns subjacentes princípios biológicos, operacionais e práticas na literatura local sustentável.

jardim

Princípios biológicos
Gestão sustentável das paisagens feitas por homem simula os processos naturais que sustentam a biosfera e seus ecossistemas. Primeiro e mais importante é o aproveitamento da energia do sol e a reciclagem de materiais, minimizando assim resíduos e uso de energia. Necessário esquecer as formas prejudiciais na qualidade da terra.

Conter o excesso de escorrimento da água representa princípios considerados indispensáveis. Nos grandes centros metropolitanos os jardins sustentáveis são necessários para reter o H2O que cai das chuvas, cujo excesso provoca fortes enchentes e grandes estrados em diversas regiões ao redor do mundo.

Plantas nativas
O uso de plantas nativas em jardim ou paisagem tanto pode preservar como proteger os ecossistemas naturais, reduzindo a quantidade de cuidado e energia necessária para manter jardim saudável ou paisagem.

As plantas nativas são adaptadas ao clima local e geologia, e muitas vezes exigem menos manutenção do que espécies exóticas. Espécies nativas também apoiam as populações de aves nativas, insetos e outros animais que evoluíram e promoveram saudável comunidade de organismos.

Plantas em jardim ou paisagem mantêm população de origem a partir do qual as plantas podem colonizar novas áreas. Evitar o uso de espécies invasoras ajuda a prevenir estabelecimentos de novas populações. Da mesma forma, a utilização de espécies nativas pode proporcionar fonte valiosa para ajudar as plantas a colonizar novas áreas.

Algumas plantas não nativas podem formar armadilha ecológica em que as espécies nativas são atraídas para ambiente que parece atraente.

jardimsustentável

Princípios operacionais
Aprimoramento dos serviços dos ecossistemas é incentivado em todo o ciclo de vida de qualquer site, fornecendo design claro, construção, (operações) e critérios de gestão. Para ser sustentável ao longo prazo o jardim deve fornecer sistemas regenerativos.

Orientações operacionais devem ligar e completar as orientações existentes para o ambiente construído. Impactos são avaliados e medidos em qualquer escala espaço-temporal ou contexto.

Princípios da jardinagem sustentável
*
Não fazer mal;
* Princípio da precaução;
* Design com natureza e cultura;
* Use hierarquia de tomada de decisão de preservação, conservação e regeneração;
* Fornecer sistemas regenerativos como equidade regional;
* Apoiar processo vivo;
* Use abordagem do pensamento no sistema;
* Atitudes colaborativa e ética;
* Mantenha a integridade na liderança e pesquisa;
* Administração ambiental;
* Regulação do clima local;

Jardim-com-panelas.

* Limpeza do ar e da água;
* Abastecimento de água e regulação;
* Controle de erosão e sedimentos;
* Perigo de mitigação;
* Polinização;
* Funções de habitat;
* Decomposição e tratamento de resíduos;
* Regulação do clima global;
* Benefícios a saúde humana e bem-estar;
* Alimentos e produtos renováveis;
* Benefícios culturais.
* Energia incorporada e água;
* Compostos de palha;
* Ecologia e biodiversidade;
* Fertilizante;
* Resíduos verdes;
* Ecologia e biodiversidade;
* Ausência de produtos químicos;
* Antigos materiais duros na paisagem.

jardim1

Sustentabilidade: Local de medição
Característica importante distingue a abordagem de sustentabilidade em jardins, paisagens e entradas nos ambientes de empresas semelhantes. Quantificação da sustentabilidade estabelece padrões de desempenho.

Porque a sustentabilidade representa conceito amplo e abrangente aos impactos ambientais dos locais que podem ser classificados de diversas maneiras.

O processo pode incluir minimização de impactos ambientais negativos e maximização aos impactos positivos. Como aplicado ao ambiente existe prioridade sobre os fatores sociais e econômicos que podem ser adicionados como parte inevitável e integrante do processo de gestão.

Um jardineiro da casa é provável que use métricas mais simples do que um paisagista profissional ou ecologista.

Qualquer tipo de auditoria ou avaliação comparativa dependerá da seleção e ponderação dos indicadores escolhidos: Profundidade e detalhe de análise necessária, finalidade para a qual os números são necessários e as condições ambientais do local particular.

passaro