Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘curiosidades’

Perlita-4

Perlita é uma rocha, mais especificamente um mineral do grupo da sílica. Para se chegar a aparência de pequenas esferas de isopor, a perlita sofre um processo térmico e o que era inicialmente um material de elevada dureza torna-se uma espécie de bola de cortiça, mas na verdade trata-se de um composto mineral e não orgânico.

Muito utilizadas na composição de substratos especiais para cultivo de plantas, a perlita é um componente importante no cultivo indoor. Com sua aparência de isopor, a perlita é um mineral apresentado comercialmente como minúsculas e arredondadas esferas brancas. É um aditivo orgânico

usado para arejar e auxiliar na manutenção da umidade do substrato/solo, tanto em cultivo indoor como  também em canteiros e vasos de exterior.

Inicialmente seu uso destinava-se à construção civil, para a composição de argamassas leves, mas logo foi descoberta pela jardinagem, especialmente por sua versatilidade, sendo um material totalmente inerte e portanto livre qualquer contaminante, fungos, insetos ou outras sementes que poderiam prejudicar os cultivos. A perlita é inerte, leve, não absorve água em demasia e se mantém inalterada ao longo do tempo.

A perlita provém de minerais vulcânicos aquecidos a temperaturas em torno de 800º a 900º C. Altas temperaturas fazem com que as partículas se expandam em até 13 vezes seu tamanho original, resultando em um material extremamente leve com a aparência de pipoca estourada ou isopor.

128135101

O produto final desse processo pesa apenas de 6 a 10 kg por metro cúbico. A perlita super-aquecida é composta de minúsculos compartimentos de ar, sendo possível observar sua alta porosidade em aumento no microscópio, com sua aparência de aglomerado de células. Esses poros são responsáveis pela ótima aeração do solo que a perlita confere, facilitando o crescimento das raízes.

Função e benefícios da perlita na jardinagem
As raízes precisam respirar e isso é impossível em uma terra compactada, de modo que a mistura de perlita fornece aeração necessária devido a alta porosidade desse material. Ela apenas retém água em sua superfície e não prejudica a manutenção da umidade, contribuindo ainda mais para que as raízes tenham aporte necessário de água e oxigênio.

Além dos benefícios já citados, a perlita contribui ainda melhorando a irradiação da luz para as plantas. Devido à sua intensa cor branca, ela tem a capacidade de refletir a luz, sendo um componente extra de irradiação principalmente para as folhas mais próximas do solo, onde a iluminação geralmente fica prejudicada.

Durante períodos de calor intenso, uma camada de perlita na superfície do substrato também evita o superaquecimento deste, auxiliando no controle da evaporação da água. Além disso, o efeito de reflexão da luz também repele certos insetos e ácaros, contribuindo para a defesa da planta. A camada superficial de perlita no solo também pode impedir o crescimento de ervas daninhas.

perlita_YY

Formas de Uso
Como já dito, a perlita ajuda na retenção de água, é porosa e tende a permitir que a água escorra muito mais facilmente. É um meio mais adequado para solos utilizados com plantas que não necessitam de umidade, como cactos, ou para plantas exigentes de solos bem drenados.

A perlita é usada em misturas de solo/substrato para melhorar a aeração, evitar a compactação e modificar a estrutura do solo, mantendo-o solto e bem drenado. Uma mistura padrão utilizando de 25 a 30% de perlita, associado uma parte de terra e outra de parte de turfa é ideal para a maioria dos cultivos de plantas em geral, promovendo uma ótima oxigenação das zonas de raízes.

Alguns cultivadores utilizam meios de perlita pura, sendo estes os chamados substratos totalmente inertes. Nesse caso, a regulação do pH e da condutividade elétrica deve ser aferida com extrema precisão, sendo que esta técnica deve ser utilizada somente por jardineiros experientes, uma vez que todos os nutrientes necessários para o bom desenvolvimento da planta precisarão ser adicionados ao meio.

A perlita também é um ótimo meio para o enraizamento de estacas e para a produção de clones, pois promove e facilita a formação de raízes de forma muito mais eficaz em comparação com outros substratos contendo solo ou terra.

Substrato Perlita Expandida

Perlita e meio ambiente
A perlita expandida é um mineral natural, sem tratamento químico ou aditivos. Durante a sua transformação não gera resíduos e não há a incorporação de elementos indesejáveis. Uma vez utilizada, a perlita é totalmente reciclável, o que é uma grande vantagem comparativa em relação a outros materiais de uso agrícola. Sua alta durabilidade e consistência ajudam a minimizar qualquer produção de resíduos.

Veja algumas vantagens de se utilizar a perlita em cultivos de plantas:
- Adicionar uma camada de perlita na superfície do vaso, como se fosse uma camada de pedrinhas, ajuda a aumentar a quantidade de luz recebida pela planta, pois o branco intenso da perlita reflete a luminosidade do ambiente.

- Em plantações de locais muito quentes e ensolarados, a perlita ajuda a conservar uma temperatura mais amena no solo ao refletir a luz e o calor.

- O efeito da reflexão da luz pela perlita repele alguns insetos que poderiam danificar a planta e também impedem o crescimento de plantas daninhas.

Perlita-3

- Além disso, o principal uso da perlita é misturada ao substrato ou à terra do vaso para deixá-lo com maior aeração e melhor drenagem.

- A perlita pode ser utilizada também como meio de germinação e propagação de clones.

Outros usos de perlita incluem a construção civil, sendo útil em rebocos e como isolante. Também é usada na indústria farmacêutica e para filtragem de água em piscinas e estações de tratamento, bem como abrasivos em polidores, produtos de limpeza e sabonetes.

jardim florido

orquídeas Vanda

Uma das flores mais populares e procuradas pelas pessoas que estão começando um jardim em casa são as Orquídeas. As plantas conhecidas por esse nome fazem parte da família Orchidaceae. Essa é uma das maiores famílias de plantas do mundo.

Um dos motivos que tornaram as Orquídeas tão populares é a sua variedade de cores e formas e também o fato de existir em todos os continentes com exceção da Antártida. Pelo o que já foi possível perceber essas plantas tem o seu quê de mistério e curiosidades, não é mesmo?

No texto abaixo descubra mais curiosidades a respeito das Orquídeas, você pode encontrar novos motivos para gostar dessas plantas e desejar tê-las em seu jardim.

Orquídeas não são parasitas
Algumas pessoas tem a idéia errada de que as Orquídeas são parasitas, isso porque essa planta cresce sobre outras árvores. Porém, a curiosidade está no fato de que as Orquídeas utilizam as árvores somente como um apoio para buscar a luz e não parasitam a mesma.

Essas plantas nutrem-se apenas do material em decomposição que cai das árvores que utilizam como apoio, aquele que se acumula no emaranhado de suas raízes.

As várias reproduções das Orquídeas
Outro dado interessante e curioso a respeito das Orquídeas é que elas possuem muitas formas de se reproduzir, algo que garante a prosperidade da espécie. Dentre as formas que mais se destacam de reprodução estão a dispersão de sementes, meristemagem e semeadura in-vitro.

Utilidades das Orquídeas
Geralmente plantas que possuem uma grande variedade de espécies tem grande utilidade para as indústrias de produtos medicamentosos ou de beleza. As Orquídeas, porém, mesmo tendo uma grande variedade de espécies são utilizadas apenas como plantas ornamentais.

Na lista dos usos mais comerciais das Orquídeas podemos incluir a produção de baunilha que é feita a partir dos frutos das espécies que pertencem ao gênero Vanilla. No que se refere a ornamentação apenas uma pequena parcela de toda essa variedade acaba sendo utilizada para decoração.

É importante destacar que a partir de diferentes tipos de híbridos de Orquídeas os orquidicultores conseguem obter espécimes com um grande valor comercial.

O formato das Orquídeas
Se pensarmos nas espécies de Orquídeas chegaremos à conclusão de em grande parte dos casos não se trata de um espécime muito vistoso, porém, as suas formas intrigantes é o que a torna uma planta bastante cultuada pelos aficionados.

Colecionadores de Orquídeas
Uma curiosidade que surpreende os mais leigos no assunto é fato de que as Orquídeas despertam o interesse de colecionadores que se juntam nas chamadas associações orquidófilas para procurar pelos mais raros exemplares da espécie.

Para se ter uma idéia da força desse tipo de coleção existem diversas associações dessas espalhadas por diversas cidades ao redor do mundo. Nestas sociedades são organizadas palestras, exposições de orquídeas, estudo de novas espécies e muito mais. Uma coleção de valor para quem gosta de orquídeas.

Catasetum tenebrosum

Orquídea Negra
Uma das espécies mais procuradas por colecionadores ao redor do mundo não passa de um mito, pois apenas algumas microorquídeas dos gêneros Pleurothallis e Maxilarias e o Catasetum tenebrosum (encontradas no Peru) tem uma cor marrom que chega próxima a tonalidade negra, mas que ainda assim não é negra.

Epidendrum scalares

A maior Orquídea brasileira
A maior orquídea encontrada no Brasil é a Epidendrum scalares, você pode avistá-la nos estados de Minas Gerais e Bahia. Essa espécie pode atingir mais de 6 m de altura.

Coelogyne cristata

Orquídeas das montanhas asiáticas
Por mais incrível que pareça existem orquídeas nas montanhas asiáticas, as Coelogynes. O mais interessante é que a floração dessas plantas apenas acontece nos anos mais frios, pois elas precisam de uma diferença de mais ou menos 10°C a 15°C entre a temperatura do dia e da noite.

Orquídea – Senhora de si
A Orquídea é uma planta Autótrofa, ou seja, tem a capacidade de produzir o seu próprio alimento. Isso acontece através do processo de fotossíntese que faz a transformação de gás carbono e a água em oxigênio e carboidratos com a ajuda da luz, da clorofila e do calor.

Coitizeiro - Crescencia cujute

O Coitizeiro e as Orquídeas
Como já dito acima, as Orquídeas, apesar de não serem parasitas, precisam de uma árvore de apoio para fazer a busca pela luz. Uma das melhores árvores para servir de apoio é o Coitizeiro (Crescencia cujute). Podemos listar algumas outras boas hospedeiras como as árvores de frutas cítricas como os Angelins, Eritrina, Andira e também as frutíferas Sapotizeiro e Abieiro.

Orquídeas Meio-Dia
As lindas orquídeas são carinhosamente chamadas de meio-dia no sertão mineiro porque é nesse período do dia que elas se destacam com mais intensidade, isso devido a presença do sol incidindo sobre o seu colorido.

Cattleya nobilior

Cattleya Nobilior não gosta de água
A variedade de orquídea Cattleya nobilior precisa de uma atitude bem interessante para florescer totalmente. Após o amadurecimento dos pseudobulbos é importante cessar as regas da planta. Isso até que aconteça a sua floração entre os meses de maio a outubro.

Flor do Espírito Santo

Flor do Espírito Santo
A Peristeria elala tem a sua origem no Panamá e é conhecida de forma popular como a “Flor do Espírito Santo”. Trata-se de uma planta sagrada para os nativos, as suas formas compostas de um labelo carnoso com lóbulos basais ascendentes juntamente com a sua antera formam algo que se parece com uma pomba da paz. É possível ainda observar a forma da cabeça dessa pomba na flor.

O pH das Orquídeas
Um estudo sobre o pH que é mais interessante para cultivar orquídeas indica que o ideal fica entre 4,5 e 5,5. Quando fica abaixo de 4,5 se torna muito ácido e precisa ser corrigido com uma solução de amônia a 25%. Quando se encontra acima de 5,5 fica muito alcalina e deve ser corrigida com solução de ácido fosfórico a 10%.

Também é interessante atentar para o fato de que a acidez no substrato é diferente na superfície, no meio e também no fundo vaso. Vale a pena fazer uma observação de perto para saber qual a condição do substrato.

catasetum fimbriatum

O gênero Catasetum
Esse gênero se destaca por apresentar 7% de suas flores, as demais são flores femininas ou masculinas. O gênero agrupa mais de 170 espécies epífitas, raro terrestres ou rupícolas, encontradas do México ao norte da Argentina, com o maior número de espécies na Amazônia. Cerca de 100 espécies existem no Brasil. O Brasil Central pode ser considerado o seu centro de irradiação.

luar

orquídea Galeandra

A Galeandra é um gênero botânico que está sendo bastante estudada porque pode ser encontrada na nossa imensa floresta Amazônica, ainda que não tenham tantos impulsos na área botânica brasileira.

Ela pertence à família Orchidaceae e possuem diversas espécies e que estão espalhadas em diferentes grupos botânicos. São mais de 15 espécies diferentes e com características diferentes entre elas.

A maioria das espécies de Galeandras encontra-se em território brasileiro. Só na floresta Amazônica são milhares delas, gerando estudos aprofundados sobre a espécie. São espécies terrestres, epífitas, rupícolas, humícolas e outras nativas da América Tropical, tendo apenas uma espécie predominante no continente asiático, presente no sudeste.

Com todos esses números de espécies, o mais normal é que a planta tenha diversos habitats, com grande adaptabilidade entre eles. No Brasil, por exemplo, as Galeandras preferem os solos arenosos e campos secos. Elas também têm grande adaptação em brejos, locais úmidos e matas abertas.

galeandra2

Dependendo da espécie de Galeandras, elas têm características peculiares quando falamos das suas flores e folhas. Muitas delas não possuem muitas flores, ainda que as mesmas sejam muito vistosas e coloridas.

Algumas espécies têm flores mais curtas e outras mais longas, mas em sua grande maioria, as flores apresentam tamanho grande. As pétalas costumam várias cores e possuir mesclas de diferentes tons, caracterizando a particularidade de cada espécie.

Florescem no Verão ate meados do outono, mas, depende muito do inicio do período chuvoso, quando as chuvas chegam mais cedo, elas também florescem mais cedo, quando as chuvas atrasam, elas florescem mais tarde. Em outras regiões, florescem em meados do outono e do inverno dependendo da espécie.

Florescem apenas uma vez ao ano, suas flores duram em torno de 15 dias, com tamanho de 5 cm. Mas, acontece muito de surgir outro cacho na mesma haste floral quando o primeiro cacho cai. Pode acontecer de surgir até três cachos na mesma haste, mas para isso, é necessário que elas estejam bem nutridas e sem ataques de pragas. Lembrando que isso não é regra, é exceção.

As folhas só aparecem na parte superior da planta e possuem pouca quantidade. Quando a espécie é terrestre, as folhas costumam ficar enterradas. Muitas espécies podem ser identificadas e diferenciadas apenas pelas folhas e flores. Algumas espécies de Galeandras também possuem frutos, o que também pode ajudar na diferenciação de uma espécie para outra. O fruto dessas plantas fica encapsulado e possuem sementes pequenas e numerosas.

galeandra_3

As Galeandras no exterior
Ainda que em pouca quantidade, as Galeandras, podem ser encontradas em mais de 30 espécies espalhadas fora do Brasil. Elas podem ser encontradas desde o sul da Flórida e do México, atravessando toda a América Central, Índias Ocidentais e a América do Sul até o Paraguai.

Na floresta Amazônica
Ainda que a maioria das orquídeas Galeandras esteja localizada nesta grande floresta, a quantidade de estudos é bastante limitada. Não há recursos suficientes para aprofundar a identificação das espécies naquela região.

Os estudos que ainda estão sendo impulsionados fazem parte do projeto ”Flora Brasiliensis”, que inclui 11 espécies. Muitas das descrições já feitas na área são apresentadas de forma resumida justamente pela limitação dos estudos. Também existe a falta da chamada chave taxonômica, que restringe o reconhecimento das espécies.

Para que esse projeto possa tomar um rumo diferente e mais aprofundado, os pesquisadores pedem pelo fornecendo da chave de identificação, descrições completas e detalhadas, ilustrações das Galeandras e suas diferentes espécies, dados sobre época de floração e distribuição geográfica para as orquídeas da região.

galeandra-YY

Dicas de cultivo
Não se deve regar as Galeandras com o sol quente, e, se possível não molhar as folhas e flores, apenas o substrato, isso também vale para a adubação, aplique o adubo só no substrato, isso ajuda a controlar fungos e bactérias, as folhas e principalmente as flores, pois são muito sensíveis.

De preferência, regue pela manhã, ou no fim do dia. Muito cuidado para que elas não permaneçam encharcadas.

As espécies desse gênero, assim como os Catasetum, costumam hibernar no inverno, época em que a planta perde todas as folhas. Elas ficam em estado de dormência, não processam os minerais nem absorve água. Nesse período regue apenas se elas começarem a desidratar, apenas de vez enquanto, se você regar normalmente neste período, elas vão apodrecer.

Durante os meses de crescimento, elas gostam de boa iluminação e regas constantes. Sombreamento a 50% é o ideal. O excesso de sombra deixa-as com um tom de verde-escuro e faz crescer a parte vegetativa, mas atrapalha a floração. O ideal é que as orquídeas estejam com as folhas verde-claras, isso vale para todas as orquídeas.

galeandra

No período de crescimento, deve ser adubada uma vez por semana, com o fertilizante Peters na formulação 20/20/20, mas se você quiser pode usar o 30/10/10 para estimular o crescimento no primeiro mês.

Depois de um mês antes de florir você usa o 10/30/20 para estimular a floração. Seguindo sempre as orientações do fabricante. Se o fabricante diz 1 ml ou uma colher de chá por litro de água de 15 em 15 dias e você quer adubar toda semana, divida esse adubo, ou seja, coloque 1 ml ou 1 colher de chá para does litros de agua.

Cuidado com excesso de adubo, pois poderá queimá-las, principalmente se for aplicado durante o sol quente (de 10 as 4 da tarde). O melhor horário para adubar é bem cedinho, porque os estômatos das orquídeas estão abertos, facilitando a absorção dos nutrientes, se não der para adubar de manha, faça à tarde.

As Galeandras, como qualquer outra orquídea, podem ser cultivadas dentro de casa.  Também é uma boa opção para serem dadas de presente, devido as suas cores vistosas e suas flores largas. Em casa, as orquídeas não precisam de cuidados tão especiais assim e podem ser tratadas com água e terra úmida, assim como as tradicionais.

Para cultivá-las em jardim, também é uma ótima opção, visto que a sua sobrevivência a céu aberto também é longa.

lagoinha

ninféiasPlanta aquática

terrestresPlanta terrestre

As plantas, assim como todos os outros seres, desenvolveram-se primeiramente na água, e só muito depois conquistaram a terra. Existem diversas diferenças entre as plantas aquáticas e as plantas terrestres, tanto em estrutura quanto em suas funcionalidades.

Veja aqui algumas das diferenças mais importantes entre esses dois tipos de planta.

Diferenças entre as plantas aquáticas e terrestres
* A presença de caule visível -
As plantas aquáticas não contêm caule tradicional, ainda que exista uma estrutura semelhante, chamados caulóides, caso sejam briófitas. Outras espécies dão preferência a tecidos esponjosos e um afinamento da epiderme.

* Exposição ao sol
– A maior parte das plantas aquáticas necessita de exposição direta e constante ao sol para se desenvolver. Diversas espécies de plantas terrestres desenvolvem-se melhor à sombra.

* Resistência - As plantas aquáticas são mais flexíveis, e podem resistir ao vento e ao movimento dos animais locais, porém, condições mais extremas como tempestades e a entrada de animais maiores dentro do meio aquático podem facilmente partir suas folhas e/ou raízes, matando a planta.

Curiosidades sobre as plantas aquáticas
* Também chamadas de macrófitas aquáticas (macro = grande, fita = planta).

* As plantas aquáticas são encontradas de brejos até mesmo debaixo d’água.

* A maioria das plantas aquáticas era terrestres, elas evoluíram e se adaptaram ao ambiente aquático. Por isso, têm características de plantas terrestres e a capacidade de se adaptar a vários tipos de ambientes.

aguape-1

Importância das plantas aquáticas
As plantas aquáticas têm uma grande importância no meio ambiente.
* Formam a base da cadeia alimentar dos ambientes aquáticos. Servem como alimento para peixes e outros animais aquáticos.

* Servem de abrigo para animais pequenos que vivem na água.

* Fornecem sombra para animais e plantas que precisam de proteção contra o sol.

* São usadas para controlar a erosão de rios e lagos.

bromélia1

Importância das plantas terrestres
As plantas terrestres não nos fornecem apenas oxigênio e são bonitas, elas são muito mais do que isso.

* As plantas permitem a existência de grande parte dos seres vivos, inclusive nós.

* Transformam o Dióxido de Carbono (CO2) em Oxigênio (O2).

* Servem de “filtros” de muitos poluentes.

* A cada ano, estima-se que 1,3 milhões de árvores removam mais de 2.500 toneladas de poluentes do ar.

* Reduzem as ondas de calor e fazem sombra (muito bom principalmente naqueles dias mais quentes).

Azaléia

* Refrescam as áreas circundantes através de uma série de mecanismos. As folhas das árvores refletem a luz e o calor e proporcionam sombra, enquanto a sua transpiração liberta água para o ar que permite baixar a temperatura.

* São o habitat de grande parte dos seres vivos.

* São o alimento de muitos seres vivos que nos comemos.

*Absorvem grandes quantidades de água das chuvas impedindo o arraste de sais minerais e outras substâncias da terra que permitem o crescimento das plantas e impedindo que o local em si se torne num deserto.

barquinho