Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cultivo’

orquídeas em árvores
Processo natural em árvores
Dentro de pequenos bosques ou mata rala primária escolha um tronco de árvore que tenha casca rugosa e esteja com uma inclinação de 45º, para a água de chuva não estacionar. Além disso, o tronco deve estar protegido por uma sombra tênue.
1 – Limpe bem esse tronco. Envolva cerca de 1 m dele com um saco de estopa com malha grossa. Amarre-o fortemente com um fio plástico;

2 – Molhe bem esse saco com água, de preferência destilada (de farmácia), durante uma semana;

3 – Retire da planta-mãe (planta portadora de cápsula de semente) a ponta de algumas raízes (com cerca de 5 cm) portadoras de fungo microrrizo. Macere-as bem num pilão de madeira, adicionando um pouco de água destilada;

4 – Regue toda a estopa com esse material. A seguir, semeie pequena quantidade de sementes em cima dessa estopa;

5 – Dentro de alguns dias você irá verificar a germinação das sementes;

6 – A germinação e a quantidade que vigorará varia, muito, dependendo da fecundidade  e do poder germinativo das sementes. Esse método não pode ser feito de Abril a Agosto (Outono/Inverno), nem em época de muita chuva. Experimente, você vai ficar surpreso.

semeadura
Processo de cultura com polpa de tomate

Use uma placa de coxim de 20 x 30 cm e 4 cm de espessura, bem molhada com água destilada (de farmácia).

1 – Pegue tomates cultivados sem agrotóxicos, destaque-os e retire as sementes. Use uma faca bem afiada;

2 – Retire da planta-mãe (planta cujo ovário foi fecundado) algumas pontas de raízes com 5 cm de comprimento, portadoras do fungo microrrizo;

3 – Amasse as raízes e a polpa de tomate num pilão de madeira adicionando um pouco de água destilada até ficar bem triturado;

4 – Abra a cápsula de sementes e coloque apenas uma pequena quantidade delas, espalhando-as naquele meio de cultura;

Espalhe tudo cuidadosamente sobre o coxim molhado;

5 – Coloque esse coxim dentro de um saco plástico transparente, com o lado semeado para cima;

6 – Feche o saco depois de enchê-lo de ar, amarrando bem a sua boca/

7 – Leve esse plástico com cuidado para um lugar onde não batam raios solares diretos, ou pendurado em baixo de uma bancada;

8 – Depois de algumas semanas as sementes brotarão. Deixe as plantas atingirem 2 cm de altura para transplantá-las em vasos coletivos. Nunca as retire do saco plástico no Inverno ou em dias frios.

c22

planta acidofilas
Chamam-se acidófilas as plantas que se adaptam bem aos solos ácidos ou de pH baixo.
Veja as dicas para o bom desenvolvimento desse tipo de planta.

1 – É importante reconhecer quais são as acidófilas dentre as cultivadas normalmente em casa para tratá-las de acordo com as suas necessidades especiais. As mais comuns são rododendros, gardênias, hortênsias, azaléias, e camélias.

2 – A chegada do outono, com menos calor e menos horas de luz, é o momento ideal para semear, transplantar e reproduzir plantas acidófilas.

3 – Para fazer estacas, corte galhos flexíveis de cerca de 10 cm de comprimento da planta-mãe. Cada estaca deve conter pelo menos dois nós.

4 – Prepare um substrato com um bom nível de acidez. Para isso, misture três medidas de turfa preta ou branca com uma medida de terra vegetal.

5 – Se você quiser reproduzir as estacas diretamente no solo do jardim, tire a primeira camada do solo (pelo menos 20 cm de profundidade) e substitua por terra ácida.

6 – Cave e coloque as estacas com uma distância entre si de 20 cm. Enterre até o primeiro nó de cada estaca para que deste cresçam as raízes da nova planta.

7 – Mantenha o solo úmido regando regularmente. Evite os encharcamentos para impedir o ataque de fungos e outros agentes patógenos.

8 – Para evitar que as folhas fiquem amarelas, é preciso colocar pregos ou outros objetos metálicos próximos à planta para que ela absorva ferro.

9 – Uma vez por mês, espalhe ao redor das estacas uma camada fina de agulhas de pinheiro e regue com uma solução de ácido cítrico.

Importante
Você pode comprar a turfa, a terra vegetal, as agulhas de pinheiro e a solução de ácido cítrico em lojas especializadas em jardinagem e botânica.
Controle o pH da água usada para regar. Se a água for muito alcalina, aumente a dose de ácido cítrico e agulhas de pinheiro.

pass

Agapanto
O agapanto (Agapanthus africanus) é um lírio. Seu nome deriva do grego e significa “flor do amor”. Esta planta originária de terras sul-africanas dá belas flores azuis em forma de buquê que podem ser utilizadas como maciços nos jardins ou flores de corte.
Tenha um jardim romântico seguindo os passos abaixo.

Você precisa de:
Tubérculos de agapanto (Agapanthus africanus)

Passos
1 – Escolha o lugar do jardim onde você quer um azul intenso. A área pode estar exposta ao sol ou com meia-sombra.

2 – Revolva 20 cm de profundidade do terreno onde colocará os tubérculos de agapanto.

3 – Se o solo for muito argiloso, acrescente uma parte de areia de rio para melhorar a drenagem e evitar a compactação.

4 – Plante os agapantos enterrando-os a cerca de 8 cm de profundidade. Cubra-os sem pressionar a terra.

5 – Regue moderadamente, aumentando a quantidade de água durante a floração. No inverno praticamente suspenda as regas.

6 – Se você mora em regiões com invernos muito rigorosos, desenterre os tubérculos na temporada fria e guarde-os em um lugar fresco até a primavera.

7 – No inverno, cubra as plantas que tiverem ficado no jardim para protegê-las de geadas.

8 – Na primavera divida os tubérculos para multiplicar os agapantos antes de replantar.

9 – Controle e evite o ataque de caramujos colocando cinzas de madeira em volta das plantas.

Importante
O agapanto também pode dar flores brancas, em vez de azuis.

24

As trepadeiras crescem com facilidade, basta ter um bom suporte. Por isso são ideais para cercar a sua casa e dar mais privacidade e estilo ao seu jardim ou quintal. Para escolher a espécie mais adequada para cada caso, leve em conta os fatores abaixo.

AkebiaQuinata

1 – Sol e sombra:
* Quando a cerca está na sombra, a hera é uma boa opção.
* Se o lugar recebe sol, mas o pé da planta está à sombra, você pode escolher espécies de flor, como a clemátis ou o maracujá.
* Você pode resolver as exposições a pleno sol com o jasmim-amarelo ou a primavera.

2 - Espaço grande ou pequeno:
* Se o muro que você quer cobrir está em um corredor ou você não quer roubar espaço do jardim, cuidado, porque algumas trepadeiras de grande porte crescem muito em volume.
* A madressilva, por exemplo, se expande mais do que a ervilha-de-cheiro, que cresce para cima em vez de “engordar”.

3 - Folhas caducas ou perenes:
* Se você quer garantir intimidade o ano todo, opte pelas plantas de folha perene, como a hera ou o jasmim.
* Se o objetivo é ter sombra no verão, o melhor é uma planta que perca as folhas no inverno, como a gloriosa e a dama da noite (que fecha as folhas na presença dos raios de sol).

4 - Flores:
* Se a cerca está totalmente exposta ao sol ou em meia-sombra e, principalmente, com a base protegida, escolha uma trepadeira com flor, como primavera, maracujá, jasmim, clemátis, tumbérgia-azul ou até as roseiras trepadeiras.

Importante
Todas as trepadeiras se desenvolvem com mais vigor se recebem adubo a cada 15 dias durante a época de floração.

florzinha

Hortidultura
É a parte da Agricultura dedicada à ciência (ou arte) de cultivar o hortus, expressão latina que significa jardim. A formação da palavra Horticultura reflete sua origem. O horto ou jardim era o espaço de terreno fechado junto à residência destinado ao cultivo de frutas, legumes, temperos, ervas medicinais e também de flores. Assim, antes de chegar a sua função, o jardim teve primeiro uma utilidade prática. Com o avanço do conhecimento e o interesse em aumentar a produtividade dos cultivos, o antigo horto foi dividido em três áreas específicas, surgindo o pomar, a horta e o jardim propriamente dito. Assim sendo, nesse jardim cada planta tem um valor estético a ser destacado. O caráter ornamental pode estar nas flores, como nas rosas, na disposição matemática das folhas, como na echeveria no caule escultural do umbu ou até mesmo no perfume agradável das inflorescências do capimlimão nos campos de pastagem. A característica mais importante para que uma planta cumpra a sua função ornamental é seu aspecto saudável, atestando estar bem nutrida e hidratada, sem doenças ou pragas. Este boletim vem, então, suprir a necessidade de informações básicas sobre a jardinagem caseira ou profissional, para se obter um jardim saudável e bem cuidado.

O solo
É a parte superficial da crosta terrestre e tem sua origem na decomposição de rochas e minerais. Em relação às plantas, tem como função primordial fornecer nutrientes e servir de suporte às raízes.

Textura
Diz respeito à distribuição das partículas que formam um solo (areia, silte e argila). De acordo com os percentuais de cada uma delas, tem-se:

Solo de textura arenosa: menos de 15% de argila, Solo de textura média: de 15 a 35% de argila, Solo de textura argilosa: mais de 35% de argila.

Como determinar a textura do solo: – Solo argiloso: liso e pegajoso. O solo argiloso é formado de partículas minúsculas que absorvem umidade, tornando-o pesado e pegajoso. Embora difíceis de serem trabalhados, costumam ser bastante férteis. – Solo arenoso: seco e solto. O solo arenoso seca rapidamente e não retém bem os nutrientes. Precisa de maior manutenção do que o argiloso, mas, inicialmente, é mais fácil de ser trabalhado.

Nutrientes
São os elementos de que as plantas necessitam nos seus processos vitais. São divididos em macronutrientes e micronutrientes.

Macronutrientes
São aqueles requeridos em grandes quantidades: C- carbono, Hhidrogênio, O-oxigênio; N-nitrogênio; P-fósforo; K-potássio; Ca-cálcio; Mg-magnésio e S-enxofre.

Micronutrientes
São aqueles requeridos em pequenas quantidades: Cl-cloro; Fe-ferro; Cu-cobre; Zn-zinco; Mn-manganês; B-boro; Mo-molibdênio e Co-cobalto.

pH do solo
Está relacionado com o índice de acidez, variando segundo a escala abaixo: 0-7-14 pH ácido pH neutro pH básico

Cada espécie vegetal tem uma faixa de pH do solo na qual seu desenvolvimento é ótimo. De maneira geral, pode-se dizer que a maioria das plantas prefere solos com pH na faixa de 4,0 a 7,5.
Veja mais »

ascocentrum_ampullaceum

Às orquídeas vegetam, nos mais diversos ambientes, desde as regiões mais frias, até as mais quentes; das mais secas, as mais úmidas; das baixas altitudes, até as mais altas, etc. Então é necessário frisar, que não poderemos ter em cultura, num mesmo local, todas as orquídeas, que ocorrem em diversos ambientes da face da Terra, pois seria muito dispendioso tentar simular todas essas condições.

Os seus hábitos de vida são os mais diversos, como:
1) terrestres - vegetam no solo;

2) saprófitas ou humícolas - vegetando no material orgânico em decomposição existente sobre o solo das florestas, não possuem clorofila e suas folhas são escamiformes;

3) subterrâneas - caso extremo de adaptação de plantas saprófitas, que ocorrem no subsolo, não possuindo folhas, nem clorofila; ocorrendo apenas, no Continente Australiano;

4) rupícolas ou saxícolas – entre pedras ou sobre rochedos, a pleno sol ou abrigadas da luz direta; quando apresentam velame nas raízes podem ser consideradas também como pseudoterrestres, pois essa estrutura especializada para a absorção de água, é característica das epífitas;

5) epífitas - possuem o velame, uma estrutura da exoderme da raiz, especializada para a absorção de água do ar, ou da chuva, com alta eficiência; vegetam sobre as árvores e os arbustos, usando-os apenas como hospedeiros, sem os parasitar.

Quanto às exigências de luz são classificadas, como
Umbrófila – que cresce totalmente na sombra, geralmente são àquelas plantas do tipo de metabolismo C3.
A seguir um representação do metabolismo C3.

Semi-umbrófila – que cresce totalmente na semi-sombra, geralmente são àquelas plantas do tipo de metabolismo C3.

Semi-heliófila – que cresce no semi-sol, geralmente constituídas por àquelas plantas do tipo de metabolismo CAM, que fixam o gás carbônico no período noturno.

Heliófila – que cresce a pleno sol, geralmente são àquelas plantas do tipo de metabolismo CAM, que fixam o gás carbônico no período noturno. Essa adaptação é importantíssima para essas plantas, pois permite a conservação da água, em condições extremas de exposição solar, sem que seja necessária a planta abrir os estômatos para absorver o gás carbônico, nas horas mais quentes do dia.

Ambientação
É necessário reconstituir no orquidário, as condições mais naturais possíveis, tentando imitar o ambiente em que o espécime vivia no campo, ou aquele (s) característico (s) do gênero ou da espécie, já amplamente conhecidos entre os orquidófilos.

Introdução das plantas no Orquidário
Cada espécime introduzido no orquidário deverá ter obrigatoriamente uma etiqueta (de alumínio, ou plástico) onde será colocado um número, que será o correspondente, ao de um livro de registro, com entrada seqüencial; nele será anotada a procedência – de orquidário comercial, doação de amigos ou da natureza, o que deverá ser evitado e, quando feita, com a permissão do órgão competente e, da maneira mais criteriosa possível; caso as plantas estejam floridas na época obtenção das mesmas, seria interessante anotar os seguintes dados adicionais: época da floração, da brotação, forma e coloração das flores, data do plantio, tipo de vaso e que material empregado, entre outros; todos esses dados pertinentes a(s) espécie (s) poderão ser organizados em um banco de dados e armazenados em um computador, onde poderão ser facilmente recuperados, à medida que for aumentando o número de plantas, dessa forma, facilitando o controle e os respectivos tratos culturais.

Limpeza das plantas
Todo o cuidado deverá ser tomado para não se introduzir doenças e pragas no orquidário; para tal deveremos verificar se o (s) exemplar (es) possui raízes e pseudobulbos velhos ou excessivamente danificados, que deverão ser eliminados com uma tesoura de poda esterilizada; em seguida, as folhas deverão ser limpas com uma esponja delicada e os pseudobulbos e rizomas, com uma escovinha macia (escova de dente); este procedimento eliminará a maioria das algas, liquens e musgos, que geralmente cobrem a sua superfície, e que podem a vir prejudicar a absorção da luz para o processo fotossintético e, conseqüentemente, o seu crescimento; pode-se usar sabão de coco, ou detergente biodegradável neutro, nessa limpeza, exceto para aquelas orquídeas de folhas finas, as quais poderiam ser machucadas pelas cerdas da escova.

Desinfecção das plantas
Posteriormente, as plantas deverão ser borrifadas com uma solução, contendo um fungicida de contato ou sistêmico (absorvido pela planta) e, por um inseticida, com as mesmas características; desse modo evita-se a contaminação das demais plantas do orquidário, por pragas, que porventura esteja(m) presentes no(s) exemplar(es) a serem introduzidos na coleção.

Geralmente esses produtos são muito tóxicos, portanto é muito importante seguir as recomendações do responsável técnico da loja onde for comprado o produto e a do fabricante, para evitar possíveis danos à própria saúde e ao meio ambiente.

Normalmente a adição de um espalhante adesivo a qualquer solução, seja de defensivo agrícola, ou a fertilizante, aumenta a superfície de contato com a planta, e retém por maior tempo as substâncias, maximizando o seu emprego. Quando for fazer adubação ou aplicar inseticida, é imprescindível a utilização do espalhante adesivo, consorciado com um fungicida de contato ou sistêmico, para evitar a formação de fungos nas folhas. É importante, a cada 15 dias, alternar a utilização de produtos, de marca e ação diferentes, evitando-se assim, oportunizar o aparecimento de insetos ou fungos resistentes.

Finalmente a planta recém obtida deverá  ficar de “quarentena”, sob observação, por um período de mais ou menos uns 30 dias, antes de se incorporada ao orquidário, pois dessa forma evita-se a contaminação das demais plantas, o que pode, às vezes, ser catastrófico.

flores01

Tuia Azul - Ao Natural
As coníferas é uma classificação dos vegetais, principalmente de árvores e arbustos, que tem como característica principal de não produzirem polpa em seus frutos. As Famílias pertencentes as coníferas são:Pinaceae, Araucariaceae, Podocarpaceae, Sciadopityaceae, Cupressaceae, Cephalotaxaceae e Taxaceae. Suas folhas são persistentes (não caem no inverno) e tem a forma de agulhas finas e compridas, excetuando as famílias das Cupressácea e algumas Podocarpáceas que tem folhas em forma de escama. Apesar de seu número ser pequeno no reino vegetal, elas detém alguns recordes: São as árvores mais longevas, as mais altas, as que tem os troncos mais grossos e as que suportam os climas frios mais rigorosos. Estão presentes em regiões tropicais e temperadas do planeta. Entre as coníferas as que nos interessa mais para o uso no bonsai são: Pinheiros, Ciprestes, Juníperus, Cedros e Tuias.

A plantas chamadas popularmente de Tuia Azul e Tuia Ouro são variedades de um Cipreste Japonês (Sawara). Ela tem uma folhagem densa, aplainada e alargada. Seus ramos crescem em grande quantidade. Eles são bem compridos e forrados com pequenas agulhas. A coloração de suas folhas é o principal atrativo dessas “Tuias”. As mais comuns são:Tuia Azul (Chamaecyparis pisifera “Boulevard”) com cor gris azulado e a Tuia Ouro (Chamaecyparis pisifera “Filifera Aurea”) com coloração amarelo limão. Tanto seu cultivo como sua formatação para bonsai são mais simples, se adaptando a diversos estilos de bonsai.

Insolação
Qualquer bonsai deve receber sol diretamente em suas folhas. Escolher lugares frescos que possibilitem que a Tuia Azul ou Tuia Ouro tomem muito sol diretamente em suas folhas. Poupá-lo do sol forte do verão, pois poderá queimar muitas folhas. No verão necessita de um local com cerca de 4 horas de insolação direta, devemos colocá-lo em local onde o mesmo possa receber raios solares diretamente em suas folhas em períodos onde o sol não esteja muito forte (antes das 10:00 hs e depois das 16:00 hs). Isso pode ser conseguido colocando-a em uma sacada com cobertura ou sob outras árvores. Já em outras estações a Tuia Azul ou Tuia Ouro podem ser colocadas a pleno sol desde que seu solo esteja sempre úmido.

Rega
Há duas coisas que precisamos saber para regar um bonsai: Como e com que frequencia.
Regar um bonsai é molhar toda a terra que esta dentro do vaso. Coloque água potável por cima da terra em toda a superfície até que esta comece a sair por baixo nos orifícios do vaso.
No Calor pode-se molhar também a copa e galhos.
Já a frequencia dependerá principalmente do tamanho do vaso e das condições climáticas como temperatura e umidade do ar. Normalmente vasos com até 30 cm de comprimento e/ou vasos muito rasos devem ser regados todos os dias quando a umidade do ar estiver baixa e a temperatura acima de 20ºC.
Cuidado com os extremos: Em dias de muito calor (acima de 30ºC) regue duas vezes ao dia. Em dias de muito frio (abaixo de 15ºC) regue a cada dois dias.
Vasos maiores do que 30 cm, normalmente a frequencia de rega é menor, mas tome muito cuidado, geralmente um bonsai não fica mais do que dois dias sem água.
As árvores no Geral não gostam de muita umidade na terra. Por isso geralmente devemos regar os bonsai somente quando a terra do vaso estiver quase seca.
Vale muito nossa “observação constante”, tanto do clima quanto da umidade da terra. A verificação da umidade da terra pode ser feita facilmente tocando-se a terra com os dedos.
A Vaporização das folhas somente é necessária quando a umidade do ar estiver baixa. Nesta situação é conveniente que façamos uma vaporização leve somente sobre as folhas preferivelmente a sombra com água potável, no mínimo, três vezes por dia. Outra função importante da Vaporização é quando feita sobre as raízes finas expostas em alguns determinados estilos (Ex.: “raiz exposta”, “raíz sobre pedra” e outros). Também é importante no cultivo do musgo que, se for usado, não deve ocupar mais do que a metade da superfície da terra do bonsai, para que esta “respire”. O Musgo deve ser borrifado levemente em torno de três vezes ao dia sem que a terra do bonsai se umedeça.

Na primavera e outono somente regar a Tuia Azul ou Tuia Ouro quando a superfície da terra estiver seca. No Verão regue todos os dias. Reduzir a rega quando começar a chegar as estações de frio. No inverno o consumo de água é moderado, tome cuidado para não exagerar, umidade constante no tronco e raízes favorece o surgimento de fungos (Pó Branco), estes podem até ocasionar a morte do bonsai se não forem tratados. Para evitar problemas com muita umidade é aconselhável regar com moderação  e usar uma mistura de solo arenosa.

Adubação
Todos nós comemos diariamente, os alimentos são imprescindíveis para se viver. As plantas alimentam-se dos sais nutritivos que extraem do solo. Como os bonsai vivem em vasos pequenos, a árvore poderá consumir todos os nutrientes da terra depois de um tempo, teremos então que ir repondo estes nutrientes por meio de adubos. É preciso adubar principalmente nas épocas de grande crescimento das plantas e esta adubação deve ser feita sem exageros. É muito melhor adubar em pequenas quantidades com maior freqüência do que fazê-lo esporadicamente em grandes quantidades. Recomenda-se o uso de produtos de ótima procedência e com instruções claras de uso.
Para principiantes sugerimos uma adubação muito simples usando Torta de Mamona e Farinha de Osso, que são facilmente encontrados em supermercados. Estes podem ser usados sempre separadamente numa frequencia bimestral, ou seja, se usar Torta de Mamona em Janeiro, somente adubar novamente em março com Farinha de Osso. E assim teremos 6 aplicações anuais.
Use sempre as dosagens recomendadas. Caso não haja indicação para dosagens referente ao bonsai, use metade da dose recomendada para vasos pequenos.
Já uma adubação melhor e mais balanceada pode ser conseguida facilmente com produtos de boa qualidade encontrados em lojas especializadas.Siga sempre uma orientação profissional.

Os adubos mais indicados para a Tuia Azul ou Tuia Ouro é o orgânico de decomposição lenta. Este deverá ser aplicado na primavera e o outono, sempre quando o bonsai esta saudável. Os adubos mais indicados são os ricos em Nitrogênio. Como sugestão, escolha traços de proporção de N-P-K (Nitrogênio – Fósforo – Potássio ) na ordem de 10-10-10 ou 10-05-10. Não esqueça que no mínimo uma vez por ano é necessário a Adubação com micro nutrientes Ca (Cálcio), Mg (Magnésio), S (Enxofre), B (Boro), Cl, Cu, Co, Fe). Nunca adube plantas doentes ou recém transplantadas.

Troca de Terra (Transplantação)
No desenvolvimento natural das árvores as raízes crescem em busca de água, ar e alimento. As raízes de um bonsai vão crescendo e podem ocupar a totalidade do espaço do vaso, expulsando lentamente o solo que ali existia. Por isso periodicamente devemos reduzir o volume de raiz dentro do vaso através de poda. Nesse mesmo processo aproveitamos para também trocar parte do solo que já não oferece todas as características para um bom desenvolvimento do vegetal. Felizmente este processo demora anos mas não devemos esquecê-lo enquanto estivermos cultivando qualquer planta que esteja confinada.

Deve-se providenciar a troca da terra da Tuia Azul ou Tuia Ouro a cada três anos, no final do Inverno, cortando-se de um terço a metade das raízes, eliminando as raízes mais velhas e grossas. Nunca lavar as raízes e proteger borrifando suas folhas constantemente até três semanas após seu transplante. A mistura aconselhada é de 60% de areia peneirada (entre 2 a 5 mm) e 20% de condicionador de solo industrial e 20 % de argila refratária de boa procedência peneirada (entre 2 a 5 mm).

Poda
A Arte bonsai procura, como inspiração, buscar formas existentes na natureza. Essa busca nos leva a um espectro riquíssimo de texturas, formas e cores, tornando nosso hobby um dos mais interessantes e criativos. O objetivo da prática do bonsai (cultivo de arvores em vaso), não é apenas mantê-los vivos e saudáveis, mas cada vez mais bonitos. Para isso é necessário que se façam podas regulares para se manter a forma de “mini árvore”. Podar é estilizar a formação de uma árvore.  Com a poda, eliminamos os ramos que saem da silueta do bonsai, ramos defeituosos, secos ou desnecessários. Para podar devemos utilizar ferramentas adequadas, como tesouras afiadas. Para galhos maiores alicates de corte côncavo, que fazem cortes limpos, precisos e de fácil cicatrização. Quando as feridas da poda são de grande tamanho (maior que o tamanho do diâmetro de um cigarro) é conveniente cobri-las com pasta de selagem para garantir sua perfeita cicatrização. Pode-se usar clara de ovo ou tinta PVA.

A Tuia Azul ou Tuia Ouro tem um tipo de folha chamada “agulhas”, só que são pequenas e dispostas sobre galhinhos muito finos. Essas são podadas cortando-se parte de seu comprimento com a tesoura, de preferência perto da ponta. Os galhos não devem ficar com mais de 5 cm. Isso estimulará novas brotações de galhinhos. A poda principal da Tuia Azul ou Tuia Ouro acontece na Primavera e verão, quando devemos corrigir a silhueta da árvore retirando o excesso. Nesta época pode-se podar sem medo. A poda dos galhinhos velhos favorece a brotação de novas com coloração mais viva, alem disso as novas realizam a fotossíntese com mais eficiência. Já no inverno algumas folhas “internas” da Tuia Azul ou Tuia Ouro tem a tendência a se queimarem, retire-as pois estas atrapalham a ventilação e a insolação das folhas saudáveis.

Aramagem
A utilização dos arames na estilização de um bonsai pode ser usado para:
1.Corrigir a inclinação de ramos, permitindo utilizar ramos que de outra maneira teríamos que podar.
De certo modo os arames provocarão o efeito do peso dos grandes galhos nas árvores, inclinando-os para baixo.
2.Direcionar o crescimento de um galho numa direção em que a copa do bonsai se encontra vazia.
3.Direcionar o crescimento de um galho para a formação de uma copa no formato triangular.

Os arames são colocados no bonsai por um certo tempo que dependerá da espécie da árvore. Durante esse tempo a casca da árvore cresce na posição pré-determinada e endurece, permitindo transformações estéticas importantes. Por ser um processo prático é necessário um certo treinamento para que possamos nos aprimorar. Os arames são colocados em espiral nos galhos e troncos, de maneira geral devemos primeiramente travar o arame no tronco ou em algum galho grosso e em seguida “enrolar” o arame no galho que se pretende modelar. Não devemos apertar demais para não deixar marca na casca do bonsai. O ideal é que o arame fique relativamente frouxo. Como os ramos engrossam devido ao seu crescimento, devemos tirar o arame antes que se crave na casca. Pode-se usar qualquer arame, preferivelmente o arame de alumínio, que é mais flexível e resistente. A grossura do arame dependerá da força necessária para se vergar o ramo. Não esqueça que é de suma importância que os arames não deixem marcas na casca, se for o caso proteger a casca com ráfia.
A Tuia Azul ou Tuia Ouro são plantas de fácil modelação. Seus galhos são muito flexíveis permitindo modelagens radicais. Arame no final do outono ou inverno. Se os arames estiverem penetrando na casca tire-os imediatamente.

Doenças e Pragas mais comuns
O
Cipreste é uma planta muito resistente, mas raramente pode ocorrer ataques de fungos que podem ser tratados com fungicidas brandos moderação na rega.

Não esqueça que existindo um problema, este deve ser solucionado com brevidade para evitar a debilitação do bonsai.

menina20

boldo

Como o nome sugere, o boldo-do-chile só cresce naturalmente em solo andino.
Mas você pode cultivá-lo onde estiver para aproveitar o forte aroma das suas folhas em receitas culinárias e medicinais.

1 – Escolha um lugar do seu jardim que receba a luz do sol o dia inteiro e onde a planta tenha espaço suficiente para crescer.

2 – Revolva o solo e quebre os torrões de terra maiores.

3 – Se o terreno for muito argiloso, acrescente uma boa quantidade de areia de rio para melhorar a drenagem. O boldo-do-chile prefere os solos pouco úmidos.

4 – Abra um buraco no solo e plante a árvore, muda ou estaca de madeira nova. O boldo-do-chile tem um crescimento lento. Durante os seus primeiros anos ele terá forma de arbusto.

5 – A floração se produz no fim do inverno e começo da primavera. Depois, as drupas amadurecem ficando verdes e com um sabor doce.

6 – A planta de boldo é aproveitada na sua totalidade: a casca da árvore, rica em taninos, é usada para curtir couros; os frutos são comestíveis; e as folhas, a parte mais valorizada, são consumidas como infusões digestivas.

Importante
O boldo contém alcalóides, por isso não deve ser consumido durante a gravidez, a lactância e a infância.

9360

Trachycarpus_fortunei

A palmeira da foto é uma Trachycarpus fortunei. Planta originária da China, de médio a grande porte, alcançando até 12 m de altura. Estipe solitário, esbelto, recoberto por uma volumosa e persistente camada de fibras escuras, originadas das bases foliares, deixando o tronco muito mais espesso. Folhagem em leque, representada por folhas palmadas, rígidas e elegantemente recortadas até ao meio do limbo, dispostas no topo do estipe, formando copa curta e pouco densa. Pecíolos com protuberâncias denteadas. Inflorescência interfoliar, ramificada, vistosa, com flores amarelas. Frutos pequenos, reniformes, azul-claros quando amadurecidos.
Propaga-se por sementes.   Planta de notável potencial paisagístico, revelado pelo porte esbelto do estipe, coroado por folhas palmadas delicadamente recortadas. Espécie atraente desde a idade juvenil. Ideal para composições isoladas, formando grupos ou fileiras.

As palmeiras são cultivadas em todo mundo, e não apenas em jardins tropicais. Qualquer um pode cultivar elas, mas você precisa fornecer os requisitos necessários se quiser ser bem sucedido. Abaixo estão algumas dicas sobre como cultivar palmeiras saudáveis:
1 – Pesquise por árvores adequadas. Faça uma pesquisa para determinar as palmeiras mais adequadas para suas necessidades, bem como para a sua região. Existem muitos tipos de palmeiras. Algumas são mais adequadas à condições tropicais, enquanto outras desenvolvem-se bem em regiões mais frias, até mesmo resistindo a geadas suaves. Algumas palmeiras preferem sol; outras prosperam na sombra. Algumas palmeiras crescem rápido, outras lentamente. Há palmeiras altos e frondosas e tipos pequenos e ornamentais.

2 – Considere o local de plantio e razão. Considere onde você vai colocar a palmeira e seus efeitos. O local fica no sol ou sombra? Quanto de espaço uma palmeira precisa? As palmeiras não só devem ficar em áreas compatíveis com suas necessidades, como também a sua altura na maturidade. Como as palmeiras vão ficar na paisagem? Isso também ajuda a determinar o tipo de palmeiras que você irá precisar.

3 – Adquira suas árvores. Procure em floriculturas por palmeiras de sua escolha. A maioria das palmeiras é vendida em vasos de plantas, mas também podem ser encontradas em sacos de pano, que são enrolados em volta da raiz. Você deve plantar as palmeiras o mais rapidamente possível depois de as adquirir, caso contrário, mantenha suas raízes úmidas até estarem prontas para serem plantadas (não mais que dois ou três dias). Geralmente, a primavera é a melhor época para plantar palmeiras, no entanto, se você viver em clima quente, elas podem ser plantadas no outono também.

4 - Prepare o solo para o plantio. Um solo saudável é importante para todas as plantas e isso não é diferente com as palmeiras. Certifique-se que o solo seja adequado para as necessidades das suas palmeiras, e se necessário, altere o solo com um composto. O composto permite uma melhor drenagem e enriquece o solo com muito mais nutrientes necessários para um crescimento saudável.

5 – Plante as árvores. Cave um buraco largo e profundo, o suficiente para acomodar a raiz. Em geral, o buraco deve ser duas vezes maior que a raiz e tão profunda quanto o pote na qual ela cresceu. Se suas palmeiras não tiverem vindo em vasos, assegure-se que toda a raiz seja coberta. Depois que as palmeiras estiverem plantadas, preencha com terra em volta usando o solo escavado e aperte levemente a área do local. Você pode usar mais terra para criar pequenas barreiras de solo ao redor da borda exterior para ajudar a segurar a água.

6 – Regue, cubra e fertilize. A rega freqüente é fundamental enquanto as palmeiras crescem. Tenha cuidado para não regá-las demais. Água demais não só gera doenças a raiz, como também desestimula a criação de novas raízes ao redor. A fim de garantir que suas palmeiras recebam água o suficiente, considere colocar mangueiras de regagem em torno delas, que podem ser facilmente escondidas com uma generosa camada de bagaço orgânico. Adubo também irá ajudar a reter a umidade e impedir que a chuva leve o solo (para não falar que melhora a aparência). A maioria das palmeiras também exige adubação uma ou duas vezes durante a época de crescimento.

pass

pimenta-do-reino

A pimenta-do-reino (Piper nigrum L.) é uma planta trepadeira originária dos trópicos asiáticos. É cultivada há séculos  e é a mais importante especiaria comercializada mundialmente.
Veja como é fácil cultivá-la em um vaso.

Material a ser usado:
Vaso fundo;
Terra preta;
Argila;
Areia de rio;
Muda ou estaca de pimenta-do-reino;

1 – Prepare uma mistura de duas partes de terra preta, uma parte de argile e outra de areia de rio para melhor a drenagem;

2 – Encha o vaso com o substrato obtido com a mistura acima, que deve ter um pH levemente ácido e ser rico em nutrientes;

3 – Plante a muda ou a estaca de pimenta no centro do vaso e coloque um tutor para orientar o crescimento;

4 – Coloque o vaso em um local de meia sombra. A exposição direta aos raios solares prejudica a planta;

5 – Regue com moderação, mantendo o solo bem úmido, ms evite encharcar para não favorecer a proliferação de fungos e bactérias;

6 – Durante os primeiros quatro anos faça podas para conduzir o crescimento da planta e estimular a geração de frutos;

7 – à medida que as espigas forem amadurecendo, colha-as cuidadosamente sem quebrar os ramos ou os estolões.

A cor da pimenta-do-reino (preta, vermelha, verde ou branca) depende do grau de amadurecimento da espiga no momento da colheita e do processamento aplicado.

gif1