Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cultivo’

Cattleya_walkeriana noabitat (rupicola)

Orquídeas rupícolas são orquídeas que vivem sobre pedras em pleno sol. Muitas vezes protegem a ponta das raízes mergulhando-as por baixo do limo que nasce nas fendas das rochas.

Como cultivá-las?
1) – Vaso de plástico, com drenagem no fundo com pedaços de isopor, que é neutro, leve e isolante térmico;

2 – Primeira camada: coloca-se uma pequena quantidade de areia fina no fundo do vaso, misturada com terra vegetal. isso serve para segurar a umidade e atrair as raízes hidrófilas. na proporção de cinco partes de areia para uma parte de terra vegetal;

3 – Segunda camada: coloca-se uma mistura de brita 0 + areia grossa lavada, peneira-se o cascalho e as pedrinhas, pode ser usada a quartzito, magnetiza (minério de ferro);

4 – Como adubação pode se usar farinha de osso pura – uma colher (café) por vaso (tem que molhar depois) + Peter’s 20-20-20 e 10-30-20, intercalados;

5 – As orquídeas rupícolas para florescer, precisam tomar sol o dia todo, quase que sol direto. É necessário que elas fiquem no calor durante o dia e de noite mais umidade (só molhe as rupícolsa à noite).
Se as rupícolas ficarem dentro de um local com sombreamento de 50%, dificilmente irão florescer, sem dizer que as cochonilhas irão atacar;

6 – Para um tratamento fitossanitário é recomendado o mesmo que é usado em outras espécies de orquídeas.

26

grama-amendoim

Os primeiros pontos a serem observados por quem vai cuidar da manutenção de um gramado devem ser os seguintes: Plantio, Nivelamento do terreno, Adubação correta, Irrigação e Podas regulares

Antes de iniciar o plantio, retire pedras, pedregulhos e outros detritos. Cavoucar a terra, livrando-a de pragas, garante uma cobertura uniforme ao gramado. Feito isto, o próximo passo é começar o nivelamento do terreno. As placas ou tapetes devem ser plantados abaixo do nível da calçada para impossibilitar desníveis.

Molhando sem encharcar
Muitas pessoas pensam que quanto mais irrigado estiver o gramado, mais nutrido estará. Engano. O excesso de água afeta a saúde da grama, que é uma planta como outra qualquer, como também facilita a instalação e propagação de doenças. O clima é que vai determinar a freqüência da rega. No verão brasileiro, o ideal é que ela ocorra em intervalos mínimos de 15 dias. No inverno, como a grama retém mais a umidade, o espaço de tempo entre uma rega e outra pode aumentar para 60 dias.

Adubação orgânica é sempre melhor
Depois que a grama fixou suas raízes na terra, é muito mais difícil e muito menos eficaz a adubação. Por isso, durante o plantio é bom não esquecer da adubação. A melhor adubação, aquela que fornece a maior quantidade de nutrientes ao solo, é a orgânica, cuja composição é feita de esterco, restos de plantas e húmus de minhoca. Segundo os especialistas, o ideal é aplicar 2 kg de húmus por metro quadrado.
O adubo químico pode ser utilizado, mas ao o fazer, use-o em pequena quantidade e com muita irrigação. E o mais importante: apenas no início da primavera.

Poda
Assim como precisa ser molhado com maior freqüência, durante o verão, o intervalo entre as podas do gramado tende a ser menor. O ideal, segundo os paisagistas, é não deixar a grama ultrapassar 2 cm de altura, mas a poda deve considerar as necessidades de cada espécie de grama. A batatais, por exemplo, pode ser podada quando ultrapassa 5 cm. A japonesa já permite a poda aos 2 cm. O mesmo acontece a bermudas. Diferente da esmeralda, uma das mais apreciadas, que só deve ser podada quando ultrapassa 3 cm de altura.

Conheça as diferentes espécies de grama
Inglesa (Stenotophrum secundatum):Bastante ornamental, a grama inglesa, mais conhecida no Brasil como Santo Agostinho, é apropriada para terrenos próximos ao litoral, pois a planta é extremamente resistente à maresia, embora seja frágil ao pisoteio e às pragas.

São Carlos (Axonopus compressus): gosta de umidade e frio. Em épocas de estiagem, exige regas freqüentes.

Bermudas (Cynodum dactylum): rústica, a planta é muito utilizada em chácaras, sítios e campos de futebol, devido à sua resistência. Suas folhas estreitas são fortes e permitem pisoteio.

Batatais (Paspalum notatum): além da tolerância excepcional à áreas mal iluminadas, é extremamente resistente. Suporta secas, pisoteios, pragas e doenças sem traumas ou seqüelas.

Japonesa (Zoysia tenuifolia): belíssima, sua característica são as de folhas macias, finas e compactas. Seu crescimento é lento, dispensando podas freqüentes.

104

Adenanthemum formosum

As samambaias são plantas próprias para lugares sombreados e interiores.
São plantas verdes, que lembram florestas tropicais, têm, ao longo de décadas passado da moda, entrado e saindo da moda. A cada nova demanda do mercado é uma paixão, todos querem.

As plantas para lugares de sombra e interiores são mais sensíveis, necessitam mais cuidados e talvez por desconhecimento de quem as adquire acabam por tornar-se feias ou fenecer.

Essas plantas compreende desde a samambaia comum, a avenca, o chifre-de-veado até o xaxim (Dycksonia sellowiana) e que têm um sistema de vida e reprodução diferente das plantas que conhecemos.

Substratos de cultivo, regas, propagação e cuidados em geral serão abordados e você poderá cultivar em casa e fazer mudas para presentear amigos.

Solo de cultivo
São em geral de cultivo à meia sombra, solo levemente úmido, rico em matéria orgânica e os substratos devem ter esta composição: composto orgânico completo, areia e turfa.

O composto orgânico completo é feito de resíduos vegetais de poda e cascas de frutas, hortaliças acrescentando adubo animal de curral curtido, areia e terra.
O modo de fazer este composto está em detalhes no artigo denominado composto orgânico.

Para suplementação poderemos usar uma colher de sopa de adubo granulado tipo NPK formulação 10-10-10 para uma garrafa de 2 litros de água, sacudindo bem para dissolver.
Colocar no substrato da planta, evitando tocar nas folhas.
Adubos foliares também podem ser usados, mas com muito cuidado, pois tendem a queimar as folhas delicadas.

Luminosidade
Para as plantas do tipo chifre-de-veado (Platycerium), avencas (Adiantum), asplênios (Asplenium) e outras samambaias, a luz é fator muito importante, pois necessitam para fazer a fotossíntese. Mas a luz direta do sol tende a queimá-las. Seu cultivo na rua poderá ser feito sob ripados, com sombra de mais de 50%, sob árvores, em varandas com sol pela manhã.
Dentro de casa, junto a janelas sem sol direto em cima, também podemos colocar de modo a que a luz solar seja coada por cortinas.

Vento
As samambaias e avencas não apreciam ventos, podendo apresentar queimaduras nas folhas com o vento frio do inverno, ficar desfolhadas, etc. Locais arejados são necessários para evitar fungos, mas devem ser abrigados dos ventos fortes.

Regas
As regas devem ser frequentes, mantendo o substrato levemente úmido, mas não encharcado. Por isto, a presença da areia no substrato é fundamental, evitando que as raízes fiquem apodrecidas. No inverno poderemos reduzir a quantidade de regas e no verão, em dias quentes poderemos colocar água no aspersor e passar uma nuvem sobre elas, propiciando o clima úmido de sua preferência.

Pragas - Insetos em geral não apreciam as samambaias e as cochonilhas são praticamente a sua única inimiga.
Vários tipos de cochonilha atacam e são mais comuns na samambaia de folhas compridas, também chamada de samambaia-espada (Nephrolepis). Para combatê-la poderemos usar o sulfato de nicotina, que é fumo deixado de molho na água, coado e aspergido, óleo de nim ou nossa receita caseira de chá de alamanda.

Paisagismo - São adequadas a qualquer ambiente, tanto residencial como empresarial. Vasos de médio e grande porte de cerâmica são os melhores para as plantas, podendo ser decorados ao gosto do cliente. Também é possível cultivar no vaso de plástico preto e colocar dentro de um cachepot bonito e elegante, sem prejuízo para a planta. Decorar banheiro com samambaias é uma ótima opção para o decorador de interiores, já que elas apreciam ambiente com mais umidade.
Se a peça não tiver luz suficiente, no entanto, deveremos evitar ali seu cultivo, pois a planta definhará.

por do sol

Gerânios pendentes
Nome científico: Pelargonium peltatum
Nome Popular: Gerânio-pendente, pelargônio-pendente, gerânio-hera
Altura: 10 a 15 cm
Comprimento: 60cm a 1m
Ciclo de Vida: Perene

O nome pelargonium tem origem na palavra grega “pelargos” que quer dizer cegonha, alusão ao bico desta ave que tem semelhança ao fruto do gerânio.

O gerânio pendente é uma planta nativa da África do Sul, e pertence ao mesmo gênero que o gerânio normal. A grande diferença entre as duas plantas é o tipo de folha e hábito de crescimento: enquanto o gerânio tem folhas macias e aveludadas e cresce principalmente ereto, o gerânio pendente possui folhas grossas e brilhantes como a da hera comum e cresce sempre rasteiro (ou pendente, se estiver elevado) tornando-o ideal para jardineiras, floreiras, cestas e sacadas.

Além disso, ele tolera muito melhor lugares com baixa luminosidade, onde o gerânio normal geralmente não se dá bem. Como todas plantas nativas da África do Sul, está bem acostumada ao tempo seco e inclusive prefere a seca ao excesso de umidade.

Descrição:
Planta herbácea com aparência arbustiva de caule ereto, muito ramificado, folhas alternas de longo pecíolo, arredondadas, cordadas ou em forma de ferradura de consistência macia, bordas denteadas ou serrilhadas, nervuras marcadas, podendo apresentar manchas circulares em marrom, verde mais escuro, amarelas, vermelhas.
Toda a planta tem odor acentuado agradável.
As flores podem ser simples ou dobradas, nas cores branca, rosa, vermelha, escarlate com manchas mais claras.
Reúnem-se em racemos pequenos ou grandes, formando uma cabeça com longo pecíolo ereto, muito ornamental.
Floresce principalmente da primavera até o final do verão.
Pode ser cultivado nas regiões mais frias ou de temperaturas mais amenas sem geadas, mas prefere climas mais tropicais.

Como cultivá-la
É uma planta de fácil cultivo, que necessita de muita luz direta para seu desenvolvimento e florescimento. Quando falta a luz necessária, a planta começa a esticar-se na sua busca por ela, gastando energia no processo e não florescerá.
Cultive seus gerânios em canteiros arejados, sem plantas amontoadas, com solo permeável, profundo e com boa drenagem.

Curiosidade:
O gerânio é muito cultivado também para a produção de óleo essencial, obtido a partir das suas folhas pelo sistema de arraste a vapor. O óleo de gerânio tem odor de rosas e é empregue na perfumaria para confecção de perfumes e sabonetes.
O substrato de cultivo deverá ser uma mistura preparada com húmus de minhoca, farinha de ossos, areia e adubo granulado NPK formulação 4-14-8. A planta se desenvolve melhor em pH 6,1 a 7,0.

Também para vasos podemos usar o mesmo substrato, neste caso mantendo a proporção de 4 porções de húmus para 1 de areia mais 3 colheres de farinha de ossos e 2 colheres medida de adubo granulado.
- Revolver bem em balde antes de empregar.
Para fazer a propagação de gerânios, usa-se estacas de ponteiro com até 10cm de comprimento, colocando em areia, vermiculita ou casca de arroz carbonizada, mantidos úmidos, podendo cobrir o recipiente com saco de plástico transparente para não perder a umidade.
A melhor época de realizar a estaquia é durante o inverno e obtemos resultado em cerca de 15 dias.
- Preparar o vaso colocando brita, cacos de tijolos ou manta geotêxtil no fundo e por cima areia úmida para garantir a drenagem.
- Colocar então o substrato recomendado e transplantar para vasos com a mistura recomendada, cuidando para não danificar as raízes.
- Preencher com mais substrato, apertar de leve para fixar e regar.
- Deixar em local arejado, iluminado, mas sem sol direto.
- Quando estiver para iniciar seu florescimento poderá levar para canteiros preparados , com espaçamento de 0,50m para que possa desenvolver sua forma adequadamente.

38513

helioconia

Plantas tropicais e exóticas constituem uma das maiores riquezas da nossa flora. Exuberantes, coloridas, com formas inusitadas, elas são apreciadas no mercado internacional também por sua durabilidade e pela capacidade de, mesmo sozinhas, gerar composições surpreendentes. Um bom exemplo deste tipo de planta são as helicônias, cujo mercado tem se tornado cada vez mais convidativo. Vale a pena conhecer os aspectos técnicos do seu cultivo.

As helicônias são plantas de origem neotropical, mais precisamente da região noroeste da América do Sul. Originalmente incluído na família Musaceae (a família das bananeiras), o gênero Helicônia mais tarde passou a constituir a família Heliconiaceae, como único representante. O nome do gênero foi estabelecido por Lineu, em 1771, numa referência ao Monte Helicon, situado na região da Beócia, na Grécia, local onde, segundo a mitologia, residiam Apolo e suas Musas.

O gênero Helicônia é ainda muito pouco estudado e ainda é incerto o número de espécies existentes, ficando na faixa compreendida entre 150 a 250 espécies.

Seis espécies ocorrem nas Ilhas do Sul do Pacífico, Samoa e Indonésia. As demais estão distribuídas na América Tropical desde o sul do México até o norte de Santa Catarina, região sul do Brasil. As helicônias, conforme a espécie, ocorrem em altitudes que variam de 0 a 2.000m, embora poucas sejam aquelas restritas às regiões mais altas. Ocorrem predominantemente nas bordas das florestas e matas ciliares e nas clareiras ocupadas por vegetação pioneira. Desenvolvem-se em locais sombreados ou a pleno sol, de úmidos a levemente secos e em solos argilo-arenosos.

Aqui no Brasil, cerca de 40 espécies ocorrem naturalmente em nosso país e são conhecidas por vários nomes, conforme a região: bananeira-de-jardim, bananeirinha-de-jardim, bico-de-guará, falsa-ave-do-paraíso e paquevira, entre outros.

As helicônias são utilizadas como plantas de jardim ou flores de corte. Sua aceitação como flores de corte têm sido crescente, tanto no mercado nacional como internacional. As razões que favorecem sua aceitação pelo consumidor são a beleza e exoticidade das brácteas que envolvem e protegem as flores, muito vistosas, de intenso e exuberante colorido e, na maioria das vezes, com tonalidades contrastantes; além da rusticidade; da boa resistência ao transporte e da longa durabilidade após colheita.

Se a finalidade for o uso como flor de corte, as espécies mais indicadas para o cultivo são aquelas que apresentam inflorescências pequenas, leves, eretas, de grande durabilidade e com hastes florais de pequeno diâmetro, embora as inflorescências pendentes, apesar das dificuldades de embalagem, também apresentem um grande valor de mercado.

Geófitas e ricas
As helicônias são plantas herbáceas rizomatosas, que medem de 50 cm a 10 metros de altura, conforme a espécie. As folhas apresentam-se em vários tamanhos. As espécies possuem um rizoma subterrâneo que normalmente é usado na propagação. As inflorescências podem ser eretas ou pendentes, com as brácteas distribuídas no eixo num mesmo plano ou planos diferentes.

Uma única espécie, a H. reptans Abalo e Morales apresenta a inflorescência na posição horizontal, distendendo-se junto ao solo em seu desenvolvimento.

As flores da helicônia são apreciadas pelos beija-flores pois são ricas em néctar. O fruto, tipo baga, é de cor verde ou amarelo, quando imaturo, e azul escuro na maturação completa. Geralmente abriga uma a três sementes, com 1,5 cm de diâmetro.

Quanto à forma de reprodução, é interessante observar que as helicônias são consideradas geófitas, ou seja, se reproduzem não somente pelas suas sementes, mas também por seus órgãos subterrâneos especializados, cuja principal função é servir como fonte de reservas, nutrientes e água para o desenvolvimento sazonal e, assim, assegurar a sobrevivência das espécies.

O período de florescimento da planta varia de espécie para espécie e é afetado pelas condições climáticas. O pico de produção normalmente ocorre no início do verão, declina no outono e cessa no inverno, quando a temperatura média se aproxima de 10º.

As helicônias vêm apresentando crescente comercialização no mercado internacional em função do aumento da área de produção nos países da América Central e da América do Sul, o que proporciona uma maior oferta do produto e sua maior divulgação.

Os principais países produtores são Jamaica, Costa Rica, Estados Unidos (Havaí e Flórida), Honduras, Porto Rico, Suriname e Venezuela. Existem também cultivos comerciais na Holanda, Alemanha, Dinamarca e Itália, mas sob condições protegidas. No Brasil, vêm áreas de cultivo já são encontradas nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Pernambuco, com expansão para os Estados do Amazonas e Ceará.

Entre as espécies e híbridos mais comercializados como flores de corte, destacam-se: H. psittacorum, H. bihai, H. chartaceae, H. caribaea, H. wagneriana, H.stricta ,H. rostrata, H. farinosa.

Os principais países importadores são os Estados Unidos, a Holanda, a Alemanha, a Dinamarca, a Itália, a França e o Japão.

As inflorescências pendentes são mais valiosas no mercado, mas seu cultivo é mais difícil, a produção é menor e é alto o investimento em manuseio, embalagem e transporte.

240x320_025

cabomba_caroliniana

Plantas vivas são um tesouro para o aquário. Elas dão aos peixes oxigênio e às vezes até um lanche, além de manterem as condições químicas da água mais estáveis. Elas dão um cenário e esconderijos para os habitantes de seu tanque. A maioria delas são fáceis de cuidar também.

Passos
a) Escolha a planta que quer cultivar, e neste ponto um pouco de leitura vai valer a pena. Verifique fóruns e sítios de aquários. Pense no tamanho do seu tanque, o cenário que quer produzir, o tamanho das plantas que quer cultivar, as necessidades de seus peixes. Lembre-se que as plantas crescem muito mais que a muda que comprou na loja de aquários. Você quer uma com muitas folhas, um musgo ou algo que sirva de alimento a seus peixes?
- Existem plantas pequenas, anãs que crescem somente alguns centímetros, e outras muito maiores para tanques maiores.

b) Consiga uma muda da planta. Você pode pegar uma muda pequena e barata ou comprar uma maior. Estas plantas estão a venda em lojas de aquários, e pode conseguir uma muda de outros aquaristas da sua vizinhança. De um jeito ou de outro, tome cuidado ao introduzir elementos novos no seu aquário, pois eles (plantas inclusive) podem trazer habitantes indesejados, como caracóis, camarões, bactérias e parasitas. Pelo menos procure conseguir a muda de uma fonte que tenha boa higiene.

c) Procure caracóis nas plantas. Dependendo da fonte, você vai ter que procurar com cuidado, pois até os pequenos caracóis com somente milímetros são bem prolíficos e podem rapidamente dominar seu tanque. O ideal é manter as plantas em quarentena em um aquário separado e ver se alguma coisa (como caracóis) se desenvolvem nela.

d) Mantenha a planta molhada, e a maioria das plantas aquáticas preferem ficar completamente submersas. Não as deixe em hipótese alguma secar. Se seu tanque não estiver pronto ou se quiser criar mais plantas do que cabem no tanque, useum balde ou bacia com água.

e) Ancore as plantas. Dependendo da planta, isto pode ser feito por motivos estéticos, para evitar que fiquem boiando no tanque. Para outras, é melhor mantê-las amarradas a uma pedra até que se fixem.

f) Em geral, os rizomas (mais verdes e grossos que as raízes ou os caules) não devem ser enterrados, nem nas pedrinhas. Rizomas privados de fluxo de água podem apodrecer e matar a planta.

g) As plantas aquáticas, como todas as outras plantas, precisam de luz para a fotossíntese. Verifique quais os requerimentos das plantas que vai usar, pois várias precisam de iluminação extra. Plantas de baixa luminosidade vivem bem somente com a luz natural e a luz do aquário normal.
- Para inciar, use 2,5 watts de luz fluorescente por 4 litros de água, a não ser que vá usar um injetor de dióxido de carbono;
- Luzes para recifes de corais não são boas, pois vão estimular o crescimento de algas;
- Luz do sol também pode estimular as algas, e a iluminação natural deve sempre ser preferida.

h) Coloque os peixes. Apesar de ser possível manter um aquário somente com plantas, os peixes ajudam a nutrir as plantas, e as condições da água são mantidas em melhor qualidade na presença de plantas saudáveis, pois elas produzem oxigênio e fixam compostos nitrogenados. Se já não tiver peixes no aquário, espere uma semana para colocá-los no tanque com as plantas.

i) Troque a água periodicamente. As plantas não precisam de trocas de água como os peixes, mas é bom trocar a água das plantas assim como a dos peixes.

j) Remova as algas. O crescimento de alas no vidro ou nas folhas vai competir com as plantas por luz e nutrientes. As algas podem ser removidas manualmente com raspagem durante a troca de água, ou removidas gentilmente das folhas com os dedos. O método mais fácil é contratar habitantes do mundo aquático para fazer este serviço. Camarões e diversos bagres comem algas, e vão manter seu aquário limpo com pouco esforço da sua parte.

Dicas
- Plantas de aquários vêm em todos os tipos de tamanhos e cores;
- Divirta-se. Esta é uma oportunidade para criar algumas plantas exóticas, e a maioria das plantas de aquário são fáceis de cuidar;
- Bastante fácil de plantar.

Obs.: Não jogue plantas aquáticas no sistema de esgoto ou em cursos de água, pois a maioria não é nativa, não pertence ao local e pode causar um desastre ecológico. Se tiver plantas em excesso, coloque-as para secar ao ar e jogue-as no lixo.

sininho

renda portuguesa

Veja como ter samambaias sempre verdes e bonitas em vasos e como cuidar, como podar, como adubar e como molhar. As samambaias não gostam de sol forte. O ideal é manter o vaso em local iluminado que pegue um pouco de sol de manhã. Essas plantas também são muito sensíveis ao vento, particularmente a samambaia-de-metro.

Regas
Fazer de duas a três vezes por semana, mas sempre no verão, as samambaias precisam mais água do que no inverno. Molhe o vaso por igual, tomando cuidado para não encharcar, o que poderia causar apodrecimento da raiz. O segredo é nunca deixar o vaso totalmente seco. As samambaias gostam de receber um chuvisco sobre as folhas.

Podas
Quando aparecem folhas amarelas, faça uma poda, abrindo espaço para as brotações. As mudas que surgirem da extensão do rizoma (caule subterrâneo) devem ser retiradas, evitando-se que a planta cresça demais e tenha que ser transplantada para um vaso maior. A renda-portuguesa e a samambaia-de-metro queimam com o frio; portanto, recomenda-se podá-las inteiramente antes de o inverno chegar ou deixá-las em local mais quente durante a estação fria. Depois, elas brotam vigorosas.

Adubação
Não deve ser realizada na época do plantio, pois pode causar deficiências nas raízes. Um mês após a muda passar para o vaso definitivo, faz-se adubação leve com 2 colheres (sopa) de torta de mamona e farinha de osso, repetindo a cada 40 dias. A adubação líquida é feita de 15 em 15 dias.

Pragas
É comum aparecerem lagartas que comem as folhas. Faça uma catação manual. Contra pulgões e ácaros, pulverize com calda de fumo para afastá-los. Se eles aparecerem na planta, corte as folhas afetadas tentando evitar que a doença se alastre. Para eliminar, só pulverizando com inseticida.

Mudas
A maneira mais fácil de fazer uma muda de samambaia é com parte do rizoma. Em algumas espécies, ele é um filamento, como ocorre nas samambaias-americana, de metro e rabo-de-peixe; em outras, parece o rabo de um bicho peludo. É o caso da mandaiana e das rendas portuguesa e francesa. No primeiro tipo, o rizoma lança novas mudas periodicamente (na rabo-de-peixe é mais raro).

Quando isso acontece, retire a muda cuidadosamente, cortando as folhas grandes na metade e tomando cuidado para não danificar os brotos. A seguir, plante-a em outro vaso. Quando os rizomas são do segundo tipo, formam um emaranhado compacto. Para fazer a muda, corta-se um pedaço, de preferência que esteja com broto, espetando-o em um vaso com substrato. Sempre no verão é a melhor época para retirar muda.

rosas

sinningia-speciosa

Família: Gesneriáceas
Porte: Pode atingir até 30 cm
Floração: O ano todo, alternando períodos de dormência
Propagação: Estacas de folhas e divisão de tubérculos

Planta perene, ideal para cultivo à meia-sombra, com muita luz e longe do sol forte. Resulta em belos efeitos mesmo plantada isoladamente.

Pertencente à família das Gesneriáceas, a gloxínia (Sinningia speciosa) é uma planta exótica que exibe em suas cores e formas toda a beleza e exuberância das matas tropicais. Intensamente colorida em tons avermelhados, rosados, alaranjados e arroxeados, a gloxínia ainda pode ser encontrada em variações que alternam a cor vinho ou púrpura, por exemplo, com as bordas das pétalas esbranquiçadas. Sua origem tropical pode ser notada no tamanho e características de flores e folhas: as flores, aveludadas e graúdas, podem atingir até 10 cm de diâmetro e a folhagem, igualmente de tamanho considerável, apresenta folhas ovaladas e também aveludadas.
Nativa do Brasil, é uma planta tuberosa, de fácil cultivo, que floresce praticamente o ano inteiro.

Apesar disso, ela passa por um período de dormência, todos anos, quando parece ficar seca, sem produzir folhas ou flores. Durante esse período de descanso, recomenda-se diminuir as regas gradualmente, até que a planta seque por completo. Os tubérculos permanecerão em dormência pelo período de um a três meses, sendo que a terra deve ficar apenas levemente umedecida. Após esse tempo, pequenos brotos começam a surgir, dando sinais de que o descanso acabou e a planta está pronta para retomar o seu crescimento.

O processo de multiplicação das gloxínas é muito fácil: por meio da divisão de tubérculos ou estaquia de folhas é possível obter novos e saudáveis exemplares.
Para o cultivo bem-sucedido das gloxínias, recomenda-se solo poroso, podendo-se usar como base a seguinte mistura: 1 parte de terra, 2 partes de composto orgânico, 1 parte de areia grossa e 1 parte de farinha de ossos.
A gloxínia necessita de muita luminosidade para se desenvolver bem, mas não tolera a exposição direta aos fortes raios de sol. Locais próximos a janelas, onde possa receber luz e calor pela manhã e à tarde, são ideais para esta planta. Durante as regas, recomenda-se não molhar as pétalas, que mancham facilmente, ficando sujeitas ao ataque de doenças.

É preciso cuidado com o excesso de água: muita umidade contribui para a proliferação de fungos e insetos, que costumam se alojar nos brotos novos e na parte de baixo das folhas. No caso de ataques, recomenda-se lavar a parte afetada com água morna e sabão neutro e, depois, enxaguar. Folhas e pétalas murchas ou muito atacadas devem ser removidas.

Como uma planta tropical, a gloxínia prefere temperaturas entre 22 a 24 graus C e nível médio de umidade. Para não errar, pode-se usar um método simples para irrigação: encha o fundo de um recipiente grande e largo com cascalhos e coloque os vasos com as gloxínias sobre esta camada; em seguida ponha água no recipiente e deixe que a terra absorva a umidade necessária.

Dicas:
* Não molhe as folhas e hastes para evitar o apodrecimento.
* Remova folhas e flores mortas.
* Adube mensalmente durante o período de crescimento.
* Logo após a florada, deixe a planta em repouso por 2, 3 ou 4 meses.
* Diminua as regras de adubação. Após esse período, replante novamente a muda.

104

brócolis

O brócolis (Brassica oleracea), além de pertencer ao grupo das hortaliças “antivirais”, chamadas assim pela sua alta concentração de ferro e vitaminas, pode ser cultivado em vasos como uma planta ornamental.
Aprenda como cultivar esta hortaliça para consumo familiar ou como planta decorativa.

Materiais necessários
Turfa
Terra preta
Terriço
Vaso com prato
Dementes de Brócolis
Adubo orgânico

Passos
1 – Prepare o substrato misturando quatro partes de turfa com duas partes iguais de terra preta e terriço.

2 – Encha o vaso com o substrato, depois de confirmar se a base do vaso conta com furos para permitir a drenagem.

3 – Semeie duas a três sementes de brócolis no centro do vaso a uma profundidade três vezes maior do que o seu tamanho.

4 – Regue moderadamente, umedecendo o substrato sem deixar encharcar.

5 – Você pode colocar o vaso em qualquer lugar que receba pelo menos algumas horas de sol por dia. O brócolis se adapta a todos os climas

6 – Mantenha o prato do vaso com água para a planta absorver por meio das raízes a água de que precisar para se desenvolver. Troque a água todos os dias para combater a dengue.

7 – Evite molhar as folhas para evitar fungos, como os oídios, que prejudicam muito o desenvolvimento do brócolis.

8 – Na primavera, acrescente adubo orgânico para melhorar a qualidade do substrato.

9 – Colha as inflorescências (cabeças comestíveis) quando tiverem uma coloração verde-acinzentada ou azul-esverdeada e os botões ainda estiverem fechados.

10 – O melhor momento para colher são as horas menos quentes do dia, assim você evitará que a planta se desidrate.

- Se você quiser conservar por mais tempo o brócolis colhido mergulhe-o em água com gelo e depois mantenha-o a 0º C.

flores-53

lantana

O jardim pode ganhar ainda mais alegria com a presença da colorida lantana-cambará.
Originária das Américas, com ocorrência das Antilhas até o Brasil, a lantana-cambará  é considerada uma espécie nativa, sendo facilmente encontrada nas regiões Sul e Sudeste, além dos estados do Amazonas e Mato Grosso. Sua presença também é marcante na Ásia Tropical e Austrália.

Caracteriza-se por ser um arbusto perene, ramificado, lenhoso, florífero e com pelos curtos, cuja altura varia de 0,5 a 2 m. Possui ramos eretos ou reclinados, formando muitos galhos entrelaçados, às vezes com espinhos. Seu sistema radicular é forte e suas folhas são ovaladas, opostas (inseridas no mesmo nó e posicionadas em frente uma da outra), crenado-serradas (têm bordas serreadas, porém, com dentes arredondados), ásperas e de cheiro semelhante ao da erva-cidreira (Melissa officinalis).
Um atrativo dessa planta são as flores pequenas e de diversas cores, por exemplo, amarela, branca, alaranjada, rósea e vermelha, que constituem mini-buquês extremamente ornamentais. Por serem ricas em néctar e surgirem no decorrer do ano todo, são bastante visitadas por abelhas, borboletas e beija-flores.

Como estratégia, mantém as flores velhas no receptáculo (parte superior dilatada do “cabo” da flor), o que faz com que as inflorescências (conjunto de flores) apresentem maior durabilidade. Outra particularidade é a mudança de tonalidade da flor após o desabrochar.
Suas flores deixam de ser frequentadas por beija-flores quando outras plantas, como helicônias (Heliconiaceae) e estrelítzias (Strelitzia sp), estão próximas, pois oferecem néctar melhor e em maior quantidade, o que é mais recompensador a esses pássaros.
Em razão da beleza e da graciosidade de sua estrutura floral, a lantana-cambará é facilmente vista nos jardins, principalmente, compondo conjuntos e acompanhando elementos arquitetônicos, por exemplo, paredes, muros e grades.

É preciso atenção
Por florescer praticamente o ano inteiro, alguns floricultores a consideraram ornamental e, consequentemente, começaram a disseminá-la. No entanto, devido ao alto poder de germinação de suas sementes, é vista como planta invasora em determinadas regiões. la se espalhou rapidamente em países tropicais, adaptando-se como invasora em estado selvagem, tornando grandes áreas não-utilizáveis. No Brasil, apesar de ser encontrada em quase todo o país, não domina a vegetação.

Outra polêmica que envolve a lantana-cambará diz respeito a sua toxidade. Suas folhas e seus frutos contêm lantadeno A e lantadeno B como princípios tóxicos e, quando essas partes são ingeridas, em algumas horas, aparecem sintomas como falta de apetite, fraqueza, náusea, letargia, vômito, diarréia, efeitos hepatotóxicos (danos no fígado), pupilas dilatadas, fotofobia, cianose (coloração azul-arroxeada na pele e nas mucosas), fotossensibilização e, em algumas situações (no caso de ingestão excessiva), pode acarretar coma e até mesmo a morte. Além disso, quando tocada, é provável que cause dermatite por contato.

É importante lembrar que nem todas as espécies de Lantana apresentam propriedades tóxicas e que, apesar desse aspecto, tem sido muito utilizada na medicina popular como anticéptico, antiespasmódico e no tratamento de hemorragias, gripes e resfriados. São reconhecidas ainda suas propriedades alelopáticas (influência de uma planta sobre outra ou sobre um inseto) e efeitos repelentes contra larvas de mosquitos Aedes.

Mantendo a beleza
Seu hábitat consiste em áreas com solos de média fertilidade e argilosos e campos abertos, por exemplo, vassourais, capoeiras, cafezais, pastagens e culturas de palmeiras (Palmae) e algodão (Gossypium sp).
Com base nas características de seu ambiente natural, é possível afirmar que se trata de uma planta rústica e de fácil cultivo. precisa ser mantida a pleno sol e não requer um tipo específico de solo, mas responde bem a terrenos ricos e com boa quantidade de matéria orgânica. Em relação às regas, não é exigente, podendo tolerar excesso de água desde que não haja encharcamento.

Seu desenvolvimento ocorre de forma abundante em locais de climas tropical e subtropical, entretanto, é resistente a geadas.
Para o plantio, é importante atenção a alguns detalhes. Caso a terra apresente acidez elevada, deve-se corrigi-la usando calcário. Para fornecer nutrientes, é indicado incorporar matéria orgânica já decomposta e adubo NPK 4-14-8. Após o plantio é necessária irrigação mais constante por aproximadamente 15 dias para ajudar no ‘pegamento’ das mudas. Durante seu desenvolvimento, pode-se utilizar NPK 10-10-10, pois mantendo a boa fertilidade do solo, dificilmente será atacada por pragas e doenças.
A lantana-cambará aceita bem a poda e costuma receber esse procedimento quando adulta.

As miniaturas
Além da Lantana cambará, existe também uma variedade popularmente chamada de mini-lantana (Lantana spp). Ambas possuem características semelhantes, diferenciando-se sobretudo em relação ao porte. As mini-lantanas atingem, no máximo, 1 m de altura e apresentam ramos finos, sendo muito utilizadas no paisagismo. Suas flores aparecem nas cores amarela, branca e roxa e são levemente pendentes.

31