Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cultivo’

crisântemo

O Crisântemo é personagem obrigatório nas prateleiras das grandes lojas de jardinagem ou floriculturas. Até em decoração de shoppings e eventos ele esta presente. Com muitos formatos e uma variedade de cores em todas as faixas, exceto tons azul, é eclético em arranjos multicoloridos e em combinações com outras espécies. O preço acessível e o amplo trabalho de melhoramento genético, vem tornando-o uma das flores de corte mais cultivadas no país.

Hoje existem dezenas de variedades, com inflorescências nos mais diferentes formatos: simples ou tipo margarida, anêmona ou girassol, pompom, decorativa, spider, globosa, entre muitas outras. A maioria das espécies que compõem as linhagens dos cultivares atuais, é originária da Ásia, principalmente da China. Depois, também foi melhorado geneticamente no Japão, onde se tornou a flor imperial devido à popularidade naquele país. Com o passar dos tempos, a planta foi introduzida na Europa pelos holandeses, mas só florescia no Outono.

Com o surgimento de novas variedades híbridas, essas desenvolvidas mais tarde na Inglaterra, Estados Unidos e na própria Holanda, o crisântemo passou a florescer o ano todo, com técnicas de controle de florescimento. Para se tornar tão popular no Brasil, não foi difícil, pois a planta tem flores que duram bastante, são resistentes, estão disponíveis a ano todo e possuem muitas variedades, o que atrai os consumidores em geral.

Da família Compositae, o crisântemo também é conhecido popularmente por crisântemo-do-japão, pelo histórico da planta. Na região sul do país é chamada ainda de flor de Páscoa.

Cultivo
Se você quer uma planta saudável e com belas flores, deve levar em conta dois fatores: luz e água. Procure colocá-la em locais com temperatura amena e, de preferência, com dias curtos e noites longas. Se ela receber cinco horas por dia de luz direta e ficar no escuro durante à noite, vai florescer constantemente. As regas devem ser frequentes, porém, o crisântemo não gosta de ambientes extremamente úmidos. Vale o velho truque de colocar o dedo indicador no substrato e perceber o nível de umidade.

Em dias chuvosos, por exemplo, não é preciso molhar. Se regar demais, podem aparecer fungos e apodrecer a raiz. Se achar que exagerou na dose de água, você deve ficar um tempo sem regar a planta até que o excesso de água escoe pelo prato. É uma planta rústica, que se recupera fácil. Quanto à adubação, recomenda-se o uso de 1 parte de nitogênio para cada 1 1/2 parte de potássio, de preferência toda semana ou a cada 15 dias. Se for crisântemo de jardim, utilize esterco bem compostado. Seguindo esses conselhos, terá crisântemos floridos e belos enfeitando a casa e o jardim.

ilha333

ipomoea carnea

Arbusto florífero, rústico e ornamental, originário da América do Sul, Brasil, pertencente à família Convolvulaceae.

Seu porte é médio, atingindo de 1 a 4 m de altura. De caule ramificado, ereto, com textura herbácea e interior esponjoso.

As flores são campanuladas e surgem com abundância durante quase o ano todo, mas principalmente na primavera e verão. Podem apresentar cores róseas, violáceas ou brancas, de acordo com a cultivar. As sementes se dispersam pelo vento e pela água.

O algodão-do brejo é uma destas poucas plantas que tem a capacidade de produzir flores vistosas em todas as estações. No jardim ele pode ser plantado isolado ou em grupos, organizado em renques ou em formas livres.

Cresce somente em solo de barro (argiloso), muito alagável. É muito comum em lagoas rasas nas planícies de inundação dos rios Negro, Abobral e Paraguai.

Apesar de arbustivo, também pode ser conduzido como trepadeira, com o devido tutoramento. Suas flores são atrativas para beija-flores, abelhas e borboletas.

Seu cultivo deve ser sob sol pleno, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente.

A planta é é rústica, tolera podas severas, queimadas, estiagem prolongada e inundações. É uma planta potencialmente perigosa para criações de gado. ,

Deve ter uma poda de controle para a renovação da folhagem, que rebrotará com vigor.

Planta típica da caatinga, por esse fato, não tolera geadas ou frio intenso. Sua multiplicação é feita facilmente por estaquia, mergulhia e por sementes.

pordosol

physalis_sp_

Também conhecida popularmente como Balão, Bate-testa, Bucho-de-rã,  Capucho, Cerejas-de-judeu, Erva-noiva, Fisales, Físalis, Joá-de-capote, Juá-de-capote, Juá-poca, Juá-roca, Tomate-barrela, Tomate-capucho, Tomate-lagartixa.

É uma planta herbácea ou arbustiva e conhecidas no mundo todo por seus frutos saborosos e de aspecto singular. Elas são originária da Amazônia e dos Andes e pertencem à família Solanaceae, a mesma dos tomates, berinjelas, batatas e pimentões.

Seu caule é ereto e ramificado, podendo alcançar de 0,75 até 2 m de altura com tutoramento. As folhas são simples, opostas, pecioladas e com margens onduladas.

Suas flores são solitárias, hermafroditas, apresentam corola tubular curta e sua cor varia com a espécie podendo ser amarela, amarela com o centro marrom, branca ou arroxeada.

physalis_sp

O fruto é esférico, sendo muito semelhante a um pequeno tomate e sua cor pode ser verde, amarela, laranja ou vermelha. O que o diferencia é o cálice desenvolvido, que envolve todo o fruto, de cor verde à princípio e que gradativamente seca adquirindo uma cor dourada, concomitantemente com maturação do fruto.

São frutos bonitos, ricos em vitaminas C e têm sabor ácido e doce, sendo amplamente utilizados in natura, simplesmente banhados em chocolate ou envolvidos com creme chantilly. Também podem ser utilizados na preparação de compotas, doces, geléias,  sorvetes, licores, saladas, molhos, cozidos, assados e como frutas secas.

Algumas espécies também podem ser especialmente ornamentais, como ocorre por exemplo com a lanterna-chinesa (P. alkekengi). De pequeno porte e com frutos de cálices vermelhos, ela é apropriada para a formação de maciços e bordaduras, ou mesmo plantada em vasos e jardineiras.

Seu cultivo deve ser à sol pleno, meia sombra ou em ambiente protegido, sempre em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente.

Sua multiplicação é feita facilmente por sementes.

gif20lua345

Orquídea-grapete ((Spathoglottis unguiculata)

O gênero Spathoglottis inclui cerca de 40 espécies, das quais a orquídea-grapete é uma das mais conhecidas.

Nativa de vários países no sudeste asiático e sudoeste do Oceano Pacífico, ela é famosa por seu perfume, que lembra o cheiro de uva, daí seu nome popular. Ela faz grandes touceiras em encostas rochosas e clareiras de florestas, lugares onde há alta umidade e incidência direta dos raios de sol durante quase o ano todo.

Os numerosos botões surgem numa haste que pode alcançar 1 m de altura, e se abrem em sequência, uns cinco ou seis ao mesmo tempo, ao longo do ano todo, com mais frequência na primavera e no verão.

Por ser uma orquídea terrestre, não precisará de nenhum substrato especial para plantá-la, somente terra e húmus de minhoca. Ela também pode ser cultivada diretamente no chão, numa mistura de terra, areia e composto orgânico, adicionando farinha de osso à terra uma vez por mês. Se preferir fazer a adubação das folhas, dilua 1 colher (café) de NPK 20-20-20 em 1 litro de água e borrife a folhagem uma vez por semana, de preferência de manhãzinha ou no final da tarde, quando o sol não está tão forte. Suspenda a adubação quando a planta estiver nos meses de dormência – nesse período, ela não tem atividade nenhuma.

Como adora sol e tem folhas grandes e plissadas – bem diferentes das folhas de outros gêneros mais populares de orquídeas –, essa espécie costuma ser vendida como planta comum de jardim, sem a pompa toda com que são comercializadas as Cattleya, por exemplo. Além dessas particularidades, a orquídea-grapete também gosta de água: regue-a dia sim, dia não, mas não deixe que a água fique parada em suas raízes (portanto, nada de pratinho embaixo do vaso). Mantenha-a úmida especialmente durante os meses em que estiver florida, diminuindo as regas quando notar que a floração acabou e a planta entrou em dormência, normalmente durante o inverno brasileiro.

Uma curiosidade é que essa orquídea é tão barata e popular, que na Indonésia e em Taiwan se fabricam embalagens com suas folhas.

janel3

Adenium boehmianum
O Adenium, embora alguns pensem ser uma planta difícil de ser cuidada, é uma espécie relativamente fácil de ser cultivada, desde que você considere a sua planta como se fossem duas completamente diferentes, com necessidades diferentes em diferentes períodos do ano.

No verão, quando está em pleno crescimento, ele deve ser tratado como planta tropical, regado abundantemente e com frequência, e bem adubado.

No inverno ele precisa de ambiente seco, deve ser tratado como um cacto, com muita iluminação e com regas ocasionais.

Como a maioria das suculentas, o Adenium quando adormecido durante o inverno, é suscetível a podridão radicular causada pelo acumulo de água no substrato. Por isso, deve ser plantado em substrato bem drenado a arejado. A combinação é: 50% de substrato para plantio de hortaliças, 40% de areia grossa e 10% de pedrisco de brita peneirado.

O vaso deve ser apenas um pouco maior do que o tamanho da massa radicular, para reter pouca umidade e evitar a podridão das raízes. No entanto, o tamanho do vaso restringe o crescimento da planta. Assim, a cada ano, o tamanho do vaso deve ser aumentado. O ideal é que o vaso tenha o formato de tigela, um pouco maior que o sistema radicular.

Como a maioria das plantas suculentas, o Adenium precisa de muita luz para o seu florescimento, mas o sol muito forte pode queimar as às flores de tons mais escuros. O ideal é cultivar Adenium em viveiros cobertos com plástico e tela sombrite com malha 50%.

O Adenium pode permanecer com folhas em quase todo o ano, principalmente se cultivado em viveiros, mas, algumas espécies perdem todas as folhas durante o inverno. Para estas espécies, a rega durante a desfolha deve ser moderada, para evitar a podridão das raízes.

Os ácaros e a podridão das raízes, são os maiores problemas no cultivo do Adenium. Também os percevejos costumam aparecer na época em que a planta desenvolve as vagens de sementes após a polinização. Os pulgões aparecem ocasionalmente na época após a germinação, quando as mudinhas apresentam 3 pares de folhas.

Para o controle do Phytium SP, fungo causador da podridão radicular, é recomendável a adição de canela em pau no substrato de plantio. O Adenium, não deve ter um crescimento muito acelerado para não prejudicar na formação dos galhos. Fertilizantes nitrogenados na fase de crescimento, causam o alongamento da planta e a perda de seu valor estético e comercial. Utilize fertilizante com a formulação 8-6-6, a cada 25 dias, na fase de crescimento da planta. Utilizo também hormônio de floração logo após o período de dormência e fertilizante fosfatado, logo após a polinização manual e inicio do aparecimento de vagens de sementes, para fortalecer a planta e para que ela não aborte as vagens.

Substrato para Adenium
Utilizar 10kg de areia lavada de construção, 10 kg de pedrisco (brita) bem fina, 10 litro de esterco bem curtido de galinha ou de vaca, 10 litros de carvão bem miudinho, 10 litros de palha de arroz carbonizada ou palha velha (aquela que já está escurecendo de velha) misture tudo isso bem misturado, se preferir poderá acrescentar 5 colheres de torta de mamona e 5 colheres de sopa de farinha de osso, tudo isso vai deixar um substrato bem drenado e rico em nutrientes.

Nutrição para Adenium
PH do meio de Cultivo

A acidez e a alcalinidade têm ação preponderante sobre a absorção das substâncias nutritivas. O excesso de um ou de outro pode produzir alteração do sistema radicular e dos caules e folhas.

As plantas só absorvem os nutrientes numa faixa estreita de pH e esses valores variam dentro de certos limites para cada espécie vegetal.

Além disso geralmente o meio ácido dificulta a dissolução de certos sais. Sabe-se também que a acidez excessiva pode, por outro lado, solubilizar quantidades exageradas de sais de manganês, ferro, zinco, cobre e alumínio, o que torna o meio tóxico para as plantas.

Parece que só na faixa de pH compreendido entre 6 e 7 os sais são solubilizados nas quantidades ideais e entre 4 e 9, a absorção é possível. A alcalinidade alta, por sua vez, insobilizando o ferro, o manganês, etc., cria as deficiências desses minerais.

Cálcio
É um dos chamados macronutrientes secundários junto com o magnésio (Mg) e o enxofre (S). Os efeitos indiretos do cálcio são tão importantes quanto o seu papel como nutriente. O cálcio promove a redução da acidez do substrato, melhora o crescimento das raízes, aumento da atividade microbiana, aumento da disponibilidade de molibdênio (Mo) e de outros nutrientes. Reduzindo a acidez do substrato, diminui a toxidez do alumínio (Al), cobre (Cu) e manganês (Mn). Plantas que apresentam altos teores de cálcio resistem melhor a toxidez destes elementos. Os sintomas de deficiência de cálcio são morte da gema apical, clorose e necrose internervais nas folhas mais novas, sintomas de deficiências em Ca2+ são mais pronunciados nos tecidos jovens, já que praticamente inexiste o seu transporte no floema. Tecidos deformados e enrolados são encontrados em plantas deficientes. As vagens chochas e as folhas enroladas são sintomas de deficiência de cálcio.

Fósforo
Dos macronutrientes primários, o fósforo é absorvido em menores quantidades que os demais, entretanto sua presença no solo é indispensável para o crescimento e produção vegetal. Interfere nos processos de fotossíntese, respiração, armazenamento e transferência de energia, divisão celular, crescimento das células. Contribui para o crescimento prematuro das raízes e formação das sementes. Por interferir em vários processos vitais das plantas, deve haver um suprimento adequado de fósforo desde a germinação. O fósforo, na planta, apresenta uma grande mobilidade. As plantas quando jovens absorvem maiores quantidades de fósforo ocorrendo um crescimento rápido e intenso das raízes em substratos com níveis adequados do nutriente. A falta de fósforo ocasiona uma taxa de crescimento reduzida desde os primeiros estágios de desenvolvimento da planta. As folhas mais velhas adquirem coloração arroxeada, em razão do acúmulo do pigmento antocianina. Em estádios de desenvolvimento mais tardios, as folhas apresentam áreas roxo-amarronzadas que evoluem para necroses. Essas folhas caem prematuramente, e a planta retarda sua floração e frutificação. A absorção de fósforo pelo Adenium é afetada principalmente pela concentração de fósforo na solução do substrato. A acidez ou a alcalinidade do substrato, o tipo e a quantidade de matéria predominante, o teor de umidade, a compactação, o modo de aplicação dos fertilizantes e as temperaturas baixas na fase de emergência das plantas também afetam a absorção desse nutriente. A correção do substrato pode ser feita preventivamente com a aplicação de fertilizante fosfatado antes do plantio.

Potássio
É o nutriente mais extraído pelo Adenium. A deficiência de potássio torna lento o crescimento das plantas; as folhas novas afilam e as velhas apresentam amarelecimento das bordas, tornando-se amarronzadas e necrosadas. O amarelecimento geralmente progride das bordas para o centro das folhas. Ocasionalmente verifica-se o aparecimento de áreas alaranjadas e brilhantes. A falta de brilho e aveludamento nas flores, em muitos casos, é também devida à deficiência de potássio. O teor de potássio no solo, a taxa de lixiviação, a calagem excessiva ou a presença de altos teores de cálcio, magnésio e amônia no substrato afetam a disponibilidade de potássio para a planta. A correção pode ser feita com a adubação em cobertura de sulfato ou cloreto de potássio, seguida de irrigação.

Nitrogênio
A deficiência de nitrogênio leva ao amarelecimento e posteriormente à queda das folhas inferiores, as plantas ficam com folhas e flores pequenas e falta geral de robustez. Normalmente uma planta em baixos níveis de nitrogênio terá hastes nuas com tufos de folhas pequenas e rígidas nas extremidades. O excesso ocasiona um rápido crescimento da planta , ocasionando a produção de folhas grandes e ampliando os espaços de entrenós dos ramos. Níveis controlados de nitrogênio e fósforo devem ser utilizados para controlar o crescimento da planta. Baixos níveis contribuir para o crescimento demorado por isso o produtor deve decidir os níveis de nitrogênio para atender às suas necessidades. Eu utilizo a formulação química de fertilizante com 8 de nitrogênio, com isso a planta demora um pouco mais para crescer mas o seu ciclo de vida e bem maior. O nitrogênio pode ser utilizado em duas formas, amoníaco e nitrato. Utilizo na forma de nitrato N que favorece a um crescimento mais compacto da planta em comparação à amônia. As fontes orgânicas fornecem nitrogênio amoniacal. A foto mostra um Adenium com deficiência de nitrogênio

Nutrição
Problemas nutricionais ocorrem devido a inúmeras razões além da falta real de um nutriente específico ou até mesmo da composição química da água utilizada para a irrigação. Compreender as necessidades de nutrição desta espécie de planta é a chave para a solução e prevenção de muitos outros problemas que ocorrem no cultivo do Adenium.

O Adenium se desenvolve melhor com uma quantidade moderada de nutrição suplementada com micros e macros nutrientes. Parte da razão do sucesso de uma boa nutrição da planta é a composição do meio de cultivo, assegurando capacidade de ligação química destes nutrientes (por exemplo, cobre). Outro fator importante é uma boa drenagem do meio de cultivo para garantir a lixiviação dos nutrientes aplicados.

janela e borboleta

Hoya bella

Esta bela flor-de-cera miniatura, constitui uma planta rasteira, originária da Índia, Burma e Indonésia. Tem folhagem rija verde-escuro, ovalada e pontiaguda e buquês com oito a dez flores pequenas, perfumadas, cerosas, brancas, com centro vermelho, desabrochando no verão.

As folhas medem 1,5 cm de largura e 2,5 cm de comprimento. A planta cresce ereta até uns 30 cm e, depois, espalha-se formando um ótimo exemplar pendente. A Hoya bella pode subir por um suporte ou pender de um vaso suspenso.

A flor-de-cera é uma planta perene, de folhas carnosas e glabras, caule tortuoso com raízes que se prendem a suporte ou outras plantas, sendo considerada um cipó de tamanho médio.

É cultivada pela beleza de suas flores pequenas, estreladas, com pecíolo cor-de-rosa claro, parecendo açucaradas e que se prendem a estruturas cilíndricas que florescem todos os anos.

Seu florescimento vai da primavera até o outono, sendo que a abundância da florada desabrocha no começo do verão.

Cultivo:
Necessita de meia sombra, o sol forte queima suas folhas.

Tutores, fios de arame e treliças são necessárias para suportar seus ramos, podendo ser cultivada em solo de canteiro junto a muros ou mesmo em vasos.

Prepare o solo com uma mistura rica em matéria orgânica, como composto de folhas e húmus de minhoca, colocando na cova de plantio o adubo granulado formulação NPK 10-10-10.

No fundo da cova não esqueça de colocar areia para garantir boa drenagem.

A adubação de cobertura poderá ser feita uma vez por ano, no inverno, antes que inicie sua florada.

As regas deverão ser regulares no verão e quase suspensas no inverno.

Locais protegidos de ventos e do frio são os melhores para cultivo, pois a flor-de-cera não tolera temperaturas muito baixas.

Para fazer a propagação da espécie, utilize ramos com folhas, pois as gemas têm capacidade de enraizamento fácil.
Por vezes ao tocar as folhas no solo estes enraízam. Aproveite a ocasião para fazer as mudas, mas aguarde a planta não estar com flores, evitando um stress muito grande.

Paisagismo:
Seu cultivo em pérgolas e arcos é muito interessante, porém não conseguirá sozinha preencher uma pérgola, necessitando de muitas mudas.

O melhor modo de colocá-la num projeto de ajardinamento é, em um poste da pérgula, enrolar a planta ao redor de uma luminária no jardim (desde que não fique com sol da tarde forte nas folhas), colocando num vaso com treliça de bambu.

A consorciação com outras plantas não costuma dar muito certo, pois ela é um cipó, uma liana que vai se enrolando nas outras plantas.

Se permitir ela irá se enrolar nas grades de ferro e formar uma rede, quando desejar pintar a grade verá que sua benevolência com ela é prejuízo seu.

Mas é uma bela trepadeira, exótica, que atrai olhares quando está florida e para pequenos espaços nos jardins, para jardins de sacada faz belo efeito.

Primavera e verão
Quando o exemplar estiver muito grande para o vaso, replante-o em setembro. No verão, as temperaturas acima de 27°C não perturbam a planta, desde que ela esteja numa posição bem clara, protegida dos raios solares diretos.

Nesse período realiza-se a maior parte da nova brotação, por isso regue com regularidade e nunca permita o ressecamento do solo, em especial no caso das miniaturas.

Mas evite encharcar o composto. Aumente a umidade do ar pulverizando água semanalmente ou todos os dias, se estiver muito quente. Deixe o vaso em lugar arejado e adube com fertilizante líquido, a cada três ou quatro semanas, de outubro a março.

Outono e inverno
Providencie uma boa luminosidade, sem deixar a planta em pleno sol. Mantenha a temperatura acima de 10°C e regue apenas para prevenir o ressecamento do solo. Areje o ambiente, mas evite correntes de ar. Pulverize água ao redor da planta, uma vez por semana, a fim de umedecer a atmosfera.

Propagação
Coloque as sementes em mistura apropriada, no final de setembro ou começo de outubro. Mantenha o solo úmido e sombreado; cubra o conjunto com plástico transparente para manter a umidade do ar e deixe-o à temperatura de 24°C. Depois da germinação, descubra a sementeira. No momento em que as mudas puderem ser manuseadas, plante-as em vasos individuais.

Em dezembro, faça estacas de galho, cortando logo abaixo de um nó. Mergulhe o corte em pó de hormônio enraizador e plante-a. Cubra com plástico transparente e deixe a 24°C, até que surjam as primeiras brotações, o que ocorre por volta de dois meses depois. Trate as mudas como plantas adultas.

Cuidados:
A flor-de-cera já foi muito usada em decoração de varandas e pátios.
Procure um viveirista para conseguir espécies bem formadas, com brotos e flores.
- Folhas amareladas resultam de excesso de água. Deixe o composto secar um pouco e passe a regar menos.
- Forneça bastante luminosidade ao exemplar, mas proteja-o do sol direto e nunca pulverize água na parte mais quente do dia.
-Folhas murchas, que caem, devem-se a regas inadequadas: mantenha o solo sempre úmido.
- Combata as cochonilhas lanuginosas com um pincel embebido em partes iguais de água e álcool.
- Para um arranjo atraente, conduza os ramos da planta por um arco de arame, enrolando-os com cuidado. Mantenha os ramos em posição amarrando barbante macio a sua volta, de maneira frouxa.

011

Hoya carnosa

A flor-de-cera (Hoya carnosa) é uma trepadeira originária da China, que durante o verão produz flores duráveis, com um perfume levemente adocicado.
É uma planta perene de fácil cultivo, pertencente à família das Asclepiadáceas.
O maior atrativo desta planta está justamente nas flores que inspiram seu nome popular: elas realmente apresentam uma aparência cerosa, como se fossem feitas de porcelana.

Dicas de cultivo
A flor-de-cera multiplica-se bem por estacas de galho. Depois de formada a muda, uma boa dica é plantá-la para que cresça sobre uma treliça ou caramanchão interno e até num vaso grande equipado com um anel de arame, onde a trepadeira possa apoiar-se. Plante-a num solo preparado com a seguinte mistura: 2 partes de terra comum de jardim, 2 partes de terra vegetal 1 parte de areia.

Luminosidade e temperatura
A planta precisa de muita luminosidade, mas não tolera sol direto. O sol da manhã é tolerável. Trata-se de uma planta de clima mais para o quente, sendo que a temperatura ideal gira em torno de 20 a 25 graus C.

Regas
No período da primavera e verão a flor-de-cera necessita de regas regulares, mas no outono e inverno o ideal é reduzir bastante a freqüência, deixando secar a superfície do substrato entre uma rega e outra. As folhas carnosas armazenam água e fazem uma “reserva”.

Adubação
A flor-de-cera não é muito exigente em adubações. Para estimular a floração e a saúde da planta, é recomendável fertilizá-la com um produto rico em potássio a cada 20 dias durante a primavera e na época de floração.

Como evitar e tratar problemas
Folhas secas e com manchas
Indica ambiente muito seco. Como medida de emergência, recomenda-se pulverizar toda a planta com água. Providencie um local com mais umidade no ambiente.

Manchas escuras nas folhas
Geralmente são indícios de que a planta recebeu muita luz solar direta. Em alguns casos, as manchas indicam ataque de fungos.

Queda de brotos e botões
Podem ocorrer quando a planta recebe corrente de ar frio; por ter sido trocada de lugar, alterando suas condições de luminosidade, temperatura e umidade ou por calor excessivo.

A planta não floresce
Por luminosidades insuficiente; pode estar faltando algum nutriente para a planta; a umidade do ambiente pode estar muito baixa ou a planta necessita ser replantada por estar muito grande.

Folhas amarelas com pontos pretos
* Pode ser excesso de regas. A solução é cortar as partes danificadas e reduzir as regas até que a planta esteja recuperada.
* Excesso de sol direto. Mude a planta de lugar.
* Substrato pobre em nutrientes, especialmente nitrogênio. Forneça uma boas adubação para a planta, por exemplo, (NPK 30-10-10)
Esse enorme grupo de plantas congrega cerca de 200 espécies diferentes. A maioria revela-se trepadeira, enquanto algumas têm hábitos arbustivos ou, ainda, pendentes.

Em relação a outros tipos de planta, a flor-de-cera quase não apresenta problemas, como pragas e doenças. O gênero tornou-se muito popular no cultivo em função de seus buquês de pequenas flores, com formato de estrela e consistência rija, semelhante às antigas flores feitas de cera, fato que lhe valeu o nome popular.

janela pássaro

Echeveria agavoides
Provenientes de regiões de bastante calor, as suculentas são espécimes ideais para ambientes de sol forte e pouca água, pois absorvem e armazenam quase toda a água que conseguem extrair do meio. Encontram-se vários exemplares na África, Madagascar, desertos e regiões semi-áridas, como o cerrado brasileiro. Facilmente adaptáveis, são encontradas hoje em dia em barracas de hortos em grandes cidades.

Qualquer um se apaixona pelas suculentas. Elas são plantas fofinhas e bem pequeninas que se assemelham aos cactos, tanto na hora dos cuidados quanto em aspectos. Essas plantinhas são ótimas para enfeitar a casa, o quintal e qualquer parte interna ou externa do lar. Porém, para mantê-la sempre saudável e com um bom desenvolvimento, é preciso tomar algumas precauções e saber trata-la. Neste artigo, você vai descobrir como cuidar das suas suculentas e qual a melhor forma de protegê-la.

Só pra esclarecer, suculenta é qualquer planta capaz de armazenar água, seja nos troncos, raízes ou folhas. Assim os cactos, as agaves, são todas suculentas, embora chamemos só essas de folhas gordinhas por esse nome.

A capacidade de armazenar água e a grande resistência faz com que elas exijam pouquíssima manutenção. Geralmente basta u substrato bem drenado, no mínimo 4 horas diárias de sol(quando tomam pouco sol, as folhas crescem mais espaçadas) e um bom regime de regas.

Para tê-las em casa por um bom tempo, basta seguir estas dicas:
Sua suculenta pode ser plantada tanto no vaso plástico como no de cerâmica, mas tenha sempre em mente que o plástico vai exigir um número menor de regas, pois ele não absorve a água como o de cerâmica, e permanece mais tempo molhado.

Use um substrato bem drenado:
1 parte de terra vegetal
1 parte de terra comum
2 partes de areia de construção grossa

Depois de plantar,regue e cubra o substrato com pedrinhas brancas, para dar mais um cherme!
As regas devem ser cuidadosas, uma vez por semana no verão, de maneira abundante, e uma vez a cada quinze dias no inverno. Não use pulverizadores para não formar um ambiente úmido em torno das plantas. Essa é só uma sugestão – você descobre a medida – se perceber que suas plantas estão murchando, aumente gradativamente a quantidade de água. Se elas ficarem encharcadas, vão apodrecer de baixo para cima e aí sua plantinha já era…

Não adube excessivamente seus vasos. O excesso de adubo faz com que as plantas cresçam exageradamente e fiquem muito suculentas. A planta fica estiolada (comprida e magrinha) e com as portas abertas para o aparecimento de doenças. Use 1 colher de café rasinha de NPK 10-10-10 a cada mês nos vasinhos e elas se manterão bonitas. Use só a farinha de osso (1 colher de chá/vaso) uns 2 meses antes da floração, que ocorre na primavera.

As suculentas são fáceis de cuidar, requerem pouquíssima água e muitas espécies possibilitam mudas obtidas através do destaque de folhas sadias e estas deixadas sobre o solo de um vasinho.

Suculentas dentro de casa:
Muitas espécies de suculentas adaptam-se bem em ambientes fechados. Crássulas mantêm-se bem perto de janelas com sol constante (norte), enquanto Haworthias preferem sol mais fraco (janelas voltadas para o sul). Aloes e Gasterias podem manter-se à meia-sombra.

Plantas pendentes, como Ceropegias e Hoyas também. Echeverias e Rosularias também preferem janelas com pelo menos 4 horas de sol.

Cultivando fora de casa:
Muitas suculentas preferem ambientes externos. Podem suportar bem geadas, no entanto, aconselha-se protegê-las de temperaturas menores que 5ºC.
Crássulas desenvolvem-se bem ao ar livre, mas não toleram geadas fortes. Gasterias, Aloes e Haworthias preferem locais sombreados.
Algumas espécies de pequeno porte (algumas echeverias e crassulas) não gostam do ambiente externo e precisam da proteção de um local fechado.

As suculentas procuram as fontes de maior luminosidade e tendem a inclinar-se. Deve-se girar de tempos em tempos o vaso ou bandeja onde elas se encontram.

Quanto à temperatura, algumas espécies suportam variações entre 5° C a 80° C, entretanto a maioria delas detesta geadas e temperaturas abaixo de 5° C.

Quando plantada em vaso, certifique-se que o vaso tem tamanho suficiente para acomodar as raízes com folga. V árias espécies de suculentas podem ser agrupadas em um único vaso. Tome o cuidado de colocar juntas apenas as espécies com as mesmas necessidades de solo, água e sol. Cuide também para que plantas mais altas não façam sombra em plantas pequenas.

Só faço o replantio caso deseje um jardim em bandeja, colocando algumas espécies de tamanhos, necessidades e cores que combinem. Cubra com pedrinhas brancas a terra e pronto.

Uma boa ventilação é importante apenas para espécies que possam ser cultivadas ao ar livre.

As suculentas podem ser adubadas de três em três meses, suspendendo durante o inverno.

Reprodução de suculentas
1 – Estaquia de folhasMuitas suculentas podem ser multiplicadas por estaquia de folhas, como Crassulas e Echeverias. Se a folha destacar com facilidade do caule, é provável que este método de propagação terá bons resultados. Esta é a maneira mais rápida e fácil de obter filhotes de rosetas.
* Escolha folhas maduras e saudáveis. Destaque-as com cuidado na junção com o caule e deixe-as em repouso por um ou dois dias.
* Você pode aguardar até que apareçam raízes e pequenas folhas no local de junção da folha com o caule para então plantá-la. Aguarde que as raízes estejam firmes e as novas folhas bem desenvolvidas antes de remover a folha-mãe.
* Outra maneira de induzir o aparecimento da muda é colocar as folhas (com o local de junção para baixo) em um vaso com terra e umedecer o substrato.

2 – Estaquia de galhos:
Caso a planta tenha caule lenhoso, é possível fazer a muda a partir de galhos.
* Escolha um galho saudável e com folhas novas. Corte o galho com estilete afiado e limpo.
* Elimine as folhas maiores ou corte-as ao meio. Espere um ou dois dias para que o local do corte fique seco.
* Você pode estimular o aparecimento de raízes aplicando hormônio de enraizamento no local do corte e então plantar o galho, ou aguardar o surgimento natural de raízes em alguns dias.

Filhotes:
Algumas suculentas, como a “rosa-de-pedra” produz “filhotes” logo abaixo de suas folhas, junto à planta, de maneira que basta retirar estas pequenas mudas e plantá-las em local definitivo.

LANDSCAPE2708A35

echinocactus-platyacanthus

O cacto é uma planta adaptada à vida em regiões desérticas, podendo passar longos períodos sem água. Os cactos são plantas suculentas, da família das cactáceas, sem folhas ou quase desprovidas delas. Podem enfrentar as secas graças à capacidade que têm de acumular água em seus tecidos, e a de condensar a umidade atmosférica em espinhos e estruturas denominadas aréolas. O sistema radicular desenvolvido permite-lhes explorar grande volume de solo, absorvendo a água disponível e acumulando-a nos parênquimas aqüíferos de seus caules.

Para que elas possam se desenvolver bem em sua casa, elas precisam de alguns cuidados básicos e essenciais.

Os cactos necessitam de sol, ventilação e não suportam excesso de umidade. Isso é o básico para quem deseja cultivar cactos. A exceção fica por conta dos minicactos (aqueles que encontramos até em supermercados, em pequenos vasinhos) que, em geral, têm menos de três anos. Como ainda são bem jovens, os minicactos apresentam menor resistência à exposição direta dos raios solares. Neste caso, é melhor colocá-los em áreas claras e arejadas, mas longe da luz solar direta.

A água é talvez o fator mais importante para o sucesso no cultivo de cactos. A quantidade de água necessária para a manutenção destas plantas depende de outros fatores (terra, drenagem, temperatura, etc.), sendo difícil determinar uma periodicidade exata para as regas. Mas, dá para chegar numa média, de acordo com os períodos do ano. No verão, as espécies com mais de três anos devem ser regadas a cada 5 ou 6 dias; já os minicactos a cada 4 dias. No inverno, os cactos mais velhos devem receber água a cada 12 dias e os jovens a cada 8 dias. Toda a terra ao redor deverá ser molhada, mas não encharcada. Deixe que a água seja absorvida antes de colocar mais água.

A mistura de terra indicada para o cultivo de cactos pode ser obtida misturando partes iguais de areia e de uma boa terra para plantas caseiras. Para fertilizar, recomenda-se, uma vez por mês, substituir a água da rega por um fertilizante líquido básico para plantas verdes diluído na proporção indicada pelo fabricante.

Replantio
Uma questão que sempre se levanta é o replantio dos cactos: geralmente, o cacto deve ser replantado quando o vaso estiver pequeno demais para a planta, lembrando que a mistura de terra do novo vaso deve conter terra vegetal e areia (dessas usadas em construção), para garantir a boa drenagem. Além disso, para retirar o cacto do antigo vaso é preciso muito cuidado, pois os espinhos podem machucar. Uma boa dica é usar folhas de jornal dobradas várias vezes, em forma de tira, para envolver o cacto e desprender suas raízes com a outra mão (basta torcer levemente o vaso), sem forçar muito, para não quebrar a planta. Depois de solto, é só encaixar o cacto no novo recipiente. Com uma ferramenta de jardinagem pequena, pressione a terra do vaso, para firmar bem a planta.

Plantando em jardins
O plantio de cactos em jardins pede outros cuidados. O principal deles é escolher o local adequado para evitar acúmulo de umidade. Não se deve escolher um local baixo ou em desnível, para evitar que a água das chuvas forme poças ou fique parada. Como já foi explicado, a água em excesso causa o apodrecimento dos cactos e pode até matá-los. O ideal é escolher um local mais alto ou até fazer um morrinho, amontoando terra e apoiando com pedras. O aspecto visual fica bem interessante.

Preparo das covas:
Para espécies que chegam a mais de 2 m de altura, faça covas com cerca de 40 cm de profundidade; para espécies menores (as mais comuns) faça covas rasas, com cerca de 15 cm. Coloque no fundo das covas, uma camada de pedrinhas (tipo brita) e, por cima, coloque a mistura de terra (pode-se usar a terra retirada do buraco, misturada à areia de construção e terra vegetal, tudo em partes iguais).

Plante os cactos usando a dica de segurá-los com a faixa de jornal. Em volta dele, por cima da terra, espalhe outra camada de pedrinhas, para auxiliar na drenagem. Para fertilizar cactos de jardim, siga a mesma periodicidade indicada para os cactos de vasos.

É importante lembrar que para conseguir um bonito efeito com cactos em jardins é necessário saber escolher bem as espécies, que devem ter a resistência necessária à exposição direta aos raios solares, à chuva e ao vento constante. Uma boa idéia é consultar um produtor ou especialista na hora da compra, para ter certeza de escolher os tipos de cactos adequados ao seu jardim.

Obs.:
O ideal para cactos é deixar sem pratinho e regar por cima até sair água pelo fundo. Isso elimina sais e excesso de nutrientes, sem contar que se as raízes ficam enxarcadas eles morrem.

janel8

Callisia warszewicziana

Também conhecida como Tripogandra, Dragãozinho, a Callisia warszewicziana é uma planta suculenta, de folhagem e florescimento ornamentais, originária da América Central, Guatemala.

Seu caule é curto e emite ramificações que podem originar novas plantas. Suas folhas são dispostas em roseta, de aspecto triangular, textura suculenta e cerosa, de cor verde clara e com margens destacadas, bem claras. As folhas mais velhas adquirem tons avermelhados.

Floresce o ano todo, despontando longas hastes florais, com cerca de 60 cm de altura, carregadas de florzinhas roxas. As flores são atrativas para beija-flores.

É uma planta ideal para a formação de maciços, forrações e bordaduras. Por ter suas folhas com formas geométricas a tornam uma folhagem exuberante, mas o florescimento delicado e vistoso não deixa de ser um excelente atrativo também.

flores da Callisia warszewicziana
É uma planta de extrema rusticidade e baixa manutenção, não exigindo podas ou aplicação de defensivos. Também pode ser plantada em vasos e jardineiras.

Seu cultivo deve ser a sol pleno ou meia sombra, com um solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente.

Não é uma planta que suporta frio intenso ou geadas. Sua multiplicação é feita por divisão das touceiras e separação das pequenas mudas que se formam na haste floral após a floração.

1_gif49