Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘adubos’

adubo

É correto dizer que as plantas irão fazer uso de quaisquer recursos que encontram no solo. E é tentador assumir a partir deste, que a adição de mais fertilizante resultará em maior crescimento, pois a maioria das pessoas têm observado que as plantas crescem mais quando são fertilizadas, no entanto  isto não é bem assim. As plantas diferem grandemente em suas respostas aos nutrientes do solo que é ditado por suas taxas de crescimento inerentes, a duração de seus períodos de crescimento, suas idades, os tipos de sistemas de raízes que têm, e sua capacidade de absorver nutrientes. As plantas têm taxas de crescimento muito diferentes.

A maioria das pessoas que cultivam uma grande variedade de espécies sabem que algumas árvores tem rápido crescimento e outras rastejam. O aumento dos níveis de nutrientes no solo (adubação), não vai alterar essas taxas de crescimento inerentes. Compare as taxas de crescimento do ácer tridente com o do buxus. Se você aplicar a mesma quantidade de fertilizantes a uma árvore de cada um, que são do mesmo tamanho e idade, você vai obter a mesma quantidade de crescimento de ambos, isto é, será que eles assimilarão a mesma quantidade de nutrientes e irão incorporá-las em novas estruturas? A resposta é não. O buxus vai ficar muito atrás do Ácer tridente no seu nível de crescimento. Até as árvores dentro do mesmo gênero, tem significativas diferenças de exigências nutricionais e respondem diferentemente a níveis de nutrientes no solo. O crescimento de vários pinheiros durante uma temporada, varia muito na quantidade de crescimento da vela e da duração do crescimento. Pinheiros branco e vermelho, atingirão 10 a 15 cm no crescimento da vela na primavera e não aumentam significativamente depois.

Pinus taeda, Pinus echinata irão atingir 15 centímetros na primavera também, mas  continuam crescendo até o verão (Bioquímica e Fisiologia dos Hormônios Vegetais “, de Thomas Moore). Pinus thunbergi é bem reconhecido pelos bonsaístas, o pinheiro negro japonês tem uma taxa de crescimento significativamente diferente do Pinus parviflora, o Pinheiro branco japones. Esses dois nunca vão crescer na mesma taxa ou da mesma maneira, assim, mesmo dentro das limitações de um gênero, você vai encontrar respostas diferentes de crescimento para níveis de adubação.

Os efeitos aumentam com a adubação crescente
Aumento de fertilizantes não provoca aumento das taxas de crescimento, mesmo dentro de uma determinada planta. As respostas de muitas plantas para adubação têm sido muito bem estudadas, há um ponto de diminuição, ou decrescente com o aumento das aplicações de fertilizantes. Em “Solos: Uma Introdução ao Solo e Crescimento de Plantas” por Donahue et.al. mostra um gráfico da resposta de crescimento da planta à aplicação de fertilizantes. A curva é sigmoidal (“em forma de S”), e não linear. Há um platô na resposta de crescimento à medida que há aumento de fertilizantes e queda enquanto ela fica mais intensa, indicando que o aumento do fertilizante torna-se mais prejudicial do que bom.

À medida que mais e mais fertilizante é adicionado, o ganho em produtividade de cada incremento sucessivo é cada vez menor. A curva descendente, com o aumento da fertilização excessiva, deve-se a colheitas reduzidas por causa de coisas como problemas de sais e um crescimento desequilibrado (que pode aumentar a suscetibilidade da planta à doença e ao crescimento anormal).

Quantidades ideais de fertilizantes
Há definitivamente uma quantidade ideal e regime de adubo para cada árvore (que varia de árvore para árvore) e superior a isso pode ser prejudicial. Dr. Carl Whitcomb em “Produção Vegetal em Recipientes” também adverte sobre a aplicação de fertilizante excessivo e desequilibrado. Ele escreve: “O nível ideal de um nutriente para planta é, provavelmente, de alcance limitado, em vez de um determinado nível. Nota-se que escondido … toxicidades podem ocorrer muito antes de os sintomas de toxicidade aparecerem …”. Ele também mostra uma resposta de crescimento semelhante versus curva de fertilizantes. Eu li que tais advertências sobre as aplicações de fertilizantes excessivamente em todas as referências que tenho na nutrição das plantas. Mais uma vez, além de não aumentar diretamente o crescimento, o aumento dos níveis de fertilizantes pode causar problemas.

Estações adequadas
O crescimento das plantas também difere em épocas de crescimento. Existem algumas plantas que emitem novo crescimento contínuo durante a primavera e o verão, como os Juníperos e a Nana Obtusa, e algumas que apenas emitem novo crescimento na primavera. A aplicação de grandes quantidades de fertilizantes para todas as árvores pode resultar em mais crescimento em algumas, mas não em todas. Adicionando altos níveis de fertilizante durante todo o verão é sem dúvida um desperdício, uma vez que nenhum novo crescimento será provocado.

Planta Madura
Árvores também diferem em seu crescimento global, dependendo se a planta é jovem ou madura. A fisiologia das árvores jovens é diferente do que nas árvores mais velhas. As árvores jovens tendem a crescer mais rapidamente e por períodos mais longos de tempo. Algumas mudas podem dobrar de tamanho em um ano. Muitas árvores maduras crescem um pouco na primavera e param de crescer no meio do verão e realmente começa a ficar dormente. (Árvores mais velhas tendem a abrandar. Obviamente, uma árvore que dobra de tamanho a cada ano seria incrivelmente enorme, se mantida essa taxa por muitos anos). A adição de fertilizantes não vai fazer uma árvore que está indo para dormência, crescer novamente. A quantidade e o tempo de absorção de nutrientes serão bem diferentes em uma árvore mais velha do que em uma árvore jovem e apenas o aumento dos níveis de nutrientes no solo não altera isso também.

Taxas de absorção de acordo com a espécie
As raízes das plantas também diferem substancialmente na sua capacidade de absorver diferentes nutrientes. Por exemplo, a capacidade de absorção de magnésio pode ser até 60 vezes maior em uma planta do que em outra. Esta é uma diferença tremenda. Além disso, o capacidade de absorver um nutriente pode ser adversamente afetados por altos níveis de outro. A resposta aos níveis mais elevados de nutrientes não é igual e, novamente, altos níveis de fertilizante pode levar a desequilíbrios nutricionais e de crescimento desequilibrado que pode causar problemas de saúde, com suas árvores.

Há um velho ditado que diz “Todas as coisas com moderação”, e isso certamente se aplica à vida humana, bem como para os níveis de fertilizante para Bonsai.

borboletas_1

adubar

As misturas de adubos são perfeitas pra quem não tem muito tempo e prática nos cuidados com as plantas.

Elas devem ser aplicadas sempre em volta das plantas, misturadas de leve com a terra na superfície e logo em seguida deve-se fazer uma rega. Você pode manter tudo já misturado num potinho e usar a cada 3 meses.

Essa primeira mistura pode ser usada para vasos com folhagens e plantas floríferas após a floração:
3 colheres (sopa) de torta de mamona ou torta de algodão
1 colher (sopa) de farinha de ossos
1 colher (sopa) de uréia
8 colheres (sopa) de húmus de minhoca

A mistura toda dá para um vaso grande, tipo esses usados para frutíferas, para um vaso médio use a metade.

Essa outra mistura é para frutíferas ou outras árvores no solo e floríferas:
3 colheres (sopa) de farinha de ossos
1 colher (sopa) de torta de mamona
1 colher (sopa) de NPK 4-14-8
8 colheres (sopa) de húmus de minhoca

Para as árvores, faça uma vala em toda a projeção da copa (como um círculo com o diâmetro da copa), coloque o adubo espalhando pela vala, feche-a e regue em seguida. Para as floríferas, use da mesma forma que eu sempre falo para outras plantas, sem encostar no caule e regando sempre após a aplicação.

As misturinhas aqui devem ser aplicadas sempre em volta do vaso, misturadas de leve com a terra na superfície e logo em seguida deve-se fazer uma rega. Você pode manter tudo já misturado num potinho e usar a cada 3 meses.

Essa primeira mistura pode ser usada para vasos com folhagens e plantas floríferas após a floração:
3 colheres (sopa) de torta de mamona ou torta de algodão
1 colher (sopa) de farinha de ossos
1 colher (sopa) de uréia
8 colheres (sopa) de húmus de minhoca

A mistura toda dá para um vaso grande, tipo esses usados para frutíferas, para um vaso médio use a metade.

Essa outra mistura é para frutíferas ou outras árvores no solo e floríferas:
3 colheres (sopa) de farinha de ossos
1 colher (sopa) de torta de mamona
1 colher (sopa) de NPK 4-14-8
8 colheres (sopa) de húmus de minhoca

Para as árvores, faça uma vala em toda a projeção da copa (como um círculo com o diâmetro da copa), coloque o adubo espalhando pela vala, feche-a e regue em seguida. Para as floríferas, use da mesma forma que eu sempre falo para outras plantas, sem encostar no caule e regando sempre após a aplicação.

gif

adubando

Muitos sabem que as plantas necessitam de diversos nutrientes para crescerem sadias e nem sempre o solo onde ela está plantada dispõe de todos eles, graças a isso foram inventados os fertilizantes que são compostos contendo os nutrientes necessários para uma determinada cultura.

É de extrema importância para quem vai cuidar de uma planta, mesmo que em vaso, jardim ou jardineira, conhecer os principais tipos de adubos para poder saber qual é o ideal para seu cultivo, plantas com falta ou excesso de nutrientes no solo ficam fragilizadas e com aparência aquém do desejado.

A fertilização pode ser feita de diferentes formas visando diferentes fins, por exemplo, pode se aplicar o adubo direto ao solo, tendo assim uma absorção lenta, misturado a água de rega, para mais fácil aplicação no solo de alguns elementos que vierem a faltar, ou pulverizado nas folhas da planta, o que causa uma absorção muito rápida, ideal para a época de floração/frutificação.

O fertilizante pode ser também de origem orgânica ou mineral, de pH ácido, básico ou neutro. Explicarei mais detalhadamente as característica de cada tipo de adubo a seguir.

Adubos Orgânicos
Embora existam várias fontes de adubo orgânico, como a vinhaça, adubo verde ou resíduos de indústrias que trabalham com animais e plantas, o que é mais utilizado em hortas caseiras e plantas ornamentais é o esterco, graças a sua facilidade de obtenção e o fato de apresentar bons resultados.

Os adubos orgânicos apresentam efeitos lentos pelo fato que existem várias reações neles que demoram a ser realizadas pelos microorganismos presentes, o que fazem deles ideais para plantas nas quais você não queira ter que se preocupar frequentemente.

Mesmo em casos onde se pretende utilizar adubos químicos é aconselhável a utilização de uma quantidade mínima de adubo orgânico pois ele além de garantir um melhor ecossistema a microorganismos naturais que coexistem com a planta, o fato de serem de absorção lenta faz com que a planta tenha uma quantidade mínima de nutrientes constante.

Adubos Minerais ou Sintéticos
Geralmente se apresentam em forma de pedrinhas, pó ou liquido, dependendo da forma de aplicação, têm função de fornecer de imediato à terra ou planta algum nutriente ou característica que ela não tenha. Costumam ser de absorção rápida logo perdem o efeito em pouco tempo, por isso a importância de sempre administrar um pouco de adubo orgânico ao solo também.

Em geral as embalagem possuem três números (como “12-12-16”) que informam respectivamente as concentrações de nitrogênio, fósforo e potássio (abreviado como “NPK” graças a seus símbolos na tabela periódica). Os adubos não neutros vêm também com informações sobre sua alcalinidade ou acidez (valor do pH), que deve ser observado pois cada planta tem sua faixa de acidez ótima para se desenvolver.

Veja um bom exemplo de adubos que usam o sistema NPK:
O nitrogênio costuma garantir bom crescimento uma vez que contribui com que a folhas fiquem mais verdes e realizem melhor a fotossíntese, já o potássio e o fósforo contribuem para uma melhor floração da planta, logo é bem útil a aplicação foliar de fertilizantes baseados nesses nutrientes logo antes e durante a produção de flores e frutos no intuito de termos melhores resultados.

Certas culturas não podem ter mais que uma quantidade específica de algum nutriente, como por exemplo os bonsais que necessitam de solo com pouco nitrogênio para que a planta não cresça muito, logo além de garantir que você não esteja deixando faltar nada a sua planta, garanta que não está exagerando em algo que não deveria ao utilizar um fertilizante sintético.

Formas de Adubação
* Adubação no solo
: Quando for plantar uma nova muda é aconselhável que você revolva bastante a terra em volta do lugar onde ela crescerá com o intuito de torná-la mais solta e facilitar o crescimento das raízes e absorção de nutrientes, depois disso deve-se remover parte da terra, misturá-la ao adubo e devolvê-la ao lugar.Aconselha-se para a maioria das culturas cerca de 1/3 de adubo orgânico dissolvido na terra, além de mais um pouco de adubo químico para suprir alguma deficiência.Se for realizar uma adubação superficial direta no solo depois do plantio, não coloque o adubo encostado ao caule, coloque ele a uma certa distância da planta de tal maneira que conforme ocorrer as regas ele seja levado lentamente para a raiz.

*Adubação por rega: Alguns adubos podem ser aplicados no solo através da sua dissolução na água utilizada durante a rega, praticamente basta dissolver a quantidade aconselhada pelo manual do produto e regar a terra com a solução.Esse tipo de adubo é menos duradouro que o misturado ao solo, mas é bem útil para suprir alguma falta que ocorrer por algum motivo.

* Adubação foliar: É a forma mais cara de adubação uma vez que ela tem ação muito rápida e nada duradoura, graças a isso é utilizada de forma auxiliar apenas em culturas onde o foco é produzir boas frutas ou flores vividas.Sua absorção ocorre de forma quase imediata pelas folhas da planta, mas apenas caso a acidez da solução for correta para o tipo de planta, por isso deve-se utilizar o borrifamento de fertilizantes apenas com produtos apropriados à espécie que está sendo criada e na concentração adequada.

Lembrando-se que podemos combinar as diferentes formas de adubação citadas acima no intuito de obter melhores resultados para certas culturas.

cats1

baptistonia_echinata
Adubo líquido químico
Composição:

Macronutrientes: NPK 10-8-8
Micronutrientes: Ca-1,0,/ Mg- 0,5/ S- 2,0/ Zn -1,0/ B- 0,5/ Mn-0,5/ Fe-0,1/ Cu-0,2/Mo-0,1

Modo de Usar
Recomenda-se aplicações semanais na quantidade de 0,5 ml ou 16 gotas, diluídas em 1 litro de água. Aconselha-se antes das regas com o adubo, sempre dar uma “boa molhada” nas plantas e seus substratos, para livrá-las dos acúmulos de sais.

Adubo Organomineral
Composição

Macronutrientes: NPK 6-6-4,4
Micronutrientes: Zinco, Boro, Cobre, Ferro, Manganês, Molibdênio, Cobalto.
Complementos: Matéria orgânica (mineral e animal)

Modo de Usar
Recomenda-se a utilização do adubo organomineral a cada l,5  à 2 meses. Deve-se colocar o equivalente a medida de uma tampinha de refrigerante descartável, ao lado ou atrás da planta (lado oposto ao broto novo).  A medida recomendada aplica-se em vasos com o tamanho da boca de 14 cm. Vasos maiores ou menores deve-se  adequar a dose.

Vantagens da aplicação do Adubo Organomineral NPK 6-6-4,4
Todos os macro e micronutrientes,  e mais  seus complementos, estão dosados de forma extremamente equilibrada (resultado de pesquisa de vários anos). Resulta daí, uma ótima metabolização pela planta, que não sofre com carências de nutrientes e nem tem seu crescimento forçado por um NPK  muito alto.
Temos registrado, com o uso constante deste adubo, orquídeas florescendo de 2 a 3 anos antes C

Cuidados no Uso
Este adubo pode apresentar, tanto na embalagem, quanto após seu uso no vaso, um bolor branco (fungo ), que não prejudica a planta, é normal e traz inclusive benefícios, ajudando na metabolização dos nutrientes. Este bolor branco (fungo) desaparecerá em aproximadamente 2 semanas.

7678