Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Cultivos e Cuidados’

mini-rosa-rosa

Roseiras são rainhas de qualquer projeto paisagístico. Originárias do Hemisfério Norte as roseiras são cultivadas há cerca de cinco mil anos.

Em todo esse tempo foram feitos vários cruzamentos, portanto a maior parte das rosas que conhecemos hoje são chamadas de híbridas; existem mais de 35 mil espécies híbridas de roseiras.

E como ter belíssimas rosas durante o ano todo (ou quase)? Roseiras são plantas muito fáceis de cuidar, mas existem dicas que farão com que elas cresçam muito mais fortes e fartas.

Melhor solo para plantar roseiras
O solo comum no Brasil costuma ser mais ácido, mas as roseiras gostam de solo neutro ou alcalino. O que fazer? Se tiver como adquirir calcário em floriculturas ou casas agropecuárias, perfeito. Do contrário não se desespere. Elas irão produzir rosas, apenas não estarão 100% felizes, vamos dizer assim.

As roseiras gostam de uma terra mais seca e arenosa que não acumule água nas raízes por muito tempo. Para conseguir isso certifique-se de abrir um berço (melhor do que chamar de cova) com o dobro de profundidade e largura (circunferência) que a muda que irá plantar; caso seja em vaso, baste usar a mistura recomendada abaixo.

Uma vez que o berço (ou vaso) estejam prontos, você pode separar a terra que tirou e usá-la em outro lugar, ou usá-la na mistura que vamos propor a seguir para preparar um bom substrato.

E para fazer este substrato ideal para roseiras costumo usar as seguintes medidas (quando digo “parte” quero dizer que significa um copo, uma pazada, uma lata, enfim, depende do tamanho da muda que irá plantar):
* 2 partes da terra do seu jardim, ou terra vegetal;
* 1 parte de areia de construção (NÃO use areia de praia, por conta do sal!);
* 1 parte de húmus de minhoca (opcional, mas excelente se tiver);
* 1 parte de esterco curtido de aves;
* 200g de calcário por muda (100g por metro quadrado, se plantar até 4 mudas);
* 100g de Farinha de Ossos (para cada roseira que plantar).

Todos (ou quase) os “ingredientes” reunidos é só misturar bem.

O próximo passo é o plantio propriamente dito, que consiste em posicionar a muda no centro do buraco (berço) ou vaso e ter atenção na altura que vai enterrar. O ideal é não cobrir muito o caule, ou seja, alinhe o caule com o solo sem enterrar muito a muda para não sufocar a planta.

Agora é só completar com o substrato que preparamos até que o buraco esteja completamente preenchido.

Para finalizar, use uma cobertura no solo, pois as roseiras não gostam de raios solares na base do caule. As melhores opções são cascas de troncos em decomposição ou cascas de pinus, seixos ou folhas secas.

O importante é que a terra seja completamente coberta, preferencialmente com matéria orgânica que aos poucos vão nutrir ainda mais a terra e ajudarão a conservar a umidade.

roseiras-1

Clima e local recomendados para produzir mais rosas
As roseiras são muito rústicas e se adaptam aos mais diversos climas. Tanto o calor escaldante e a falta de frio na maioria dos Estados da parte superior do mapa, quanto o calor do verão e frio congelante do inverno na parte mais baixa do mesmo mapa do Brasil vão conseguir uma boa produção de rosas.

Pelo que pesquisei, as roseiras resistem a 40ºC NEGATIVOS e 50ºC POSITIVOS, então o clima não será problema.

A questão principal é o local de plantio. O ideal é que receba seis ou mais horas de sol por dia. Mas com quatro horas já é possível colher algumas rosas. Mas no caso de roseira e sol, quanto mais, melhor.

Ventilação é outro ponto que devemos prestar atenção. Se for plantar ao lado de outras plantas ou mesmo várias mudas de rosas, tente deixar cerca de 50cm de distância entre elas; ou seja, pode plantar até quatro mudas para cada metro quadrado de seu jardim.

Portanto, a roseira estando num local ensolarado e ventilado, resta o fator umidade. A umidade da sua região vai desempenhar um papel muito importante no cultivo. Não apenas em relação a chuva, mas também se é comum a ocorrência de névoa e neblina.

Quanto mais névoa úmida as folhas das roseiras receberem, mais folhas feias você verá. E se no verão chover muito e a quantidade de sol não for suficiente, vai facilitar o surgimento de fungos.

rosas vermelhas

Resumindo: clima ideal para as roseiras
Basicamente, o clima perfeito para as roseiras terá sol, calor e pouca água.

Se o clima de sua região se parece com isso, perfeito! Do contrário não desista! É perfeitamente possível plantá-las, só vai exigir mais cuidados com os problemas que certamente vão dar as caras.

Doenças e problemas comuns nas roseiras
Vamos agora abordar as pragas e fungos mais comuns de se encontrar nas roseiras:
Oídio
São manchas brancas acinzentadas nas folhas, semelhante ao mofo.

Míldio
Assim como o Oídio, o Míldio é um fungo, mas as manchas são amareladas. Comum em lugares onde as temperaturas costumam cair mais durante a noite, como grande parte do Sul e Sudeste. As manchas amarelas aumentam e as folhas ficam frágeis e caem.

Pulgão e Ácaro
Os ácaros são quase invisíveis, mas deixam uma fina teia entre as folhas, que podem ser confundidas com teia de aranha. Já os pulgões são pequenos pontinhos que podem ser pretos, amarelos ou brancos. Eles sugam a seiva das folhas que com o tempo enfraquecem e caem. Podem também atacar diretamente o botão das rosas.

Insetos
Grilos, besouros, lagartas e percevejos também podem trazer problemas, já que se alimentam das folhas.

Como combater esses problemas
A escolha é sua. Pode apelar para o caminho mais fácil, mas prejudicial ao meio-ambiente, que é simplesmente usar um inseticida adquirido em floriculturas ou lojas de jardinagem, ou usar soluções naturais.

Os inseticidas químicos prontos são encontrados em supermercados, floriculturas ou lojas de jardinagem e podem ser úteis no caso de um ou dois vasos. Mas lembre-se que ele pode matar também abelhas e joaninhas, que são essenciais para a natureza.

Joaninhas devoram pulgões, enquanto as abelhas são responsáveis por polinizar a maior parte dos alimentos que comemos; sem elas a umidade não duraria nem cinco anos, como já alertou Albert Einstein décadas atrás.

rosas-6

Mas então como resolver? Vamos lá.
O Oídio e Míldio são mais difíceis, porque dependem diretamente do clima onde as rosas são cultivadas. Elas apreciam locais quentes e secos, portanto um lugar mais frio e chuvoso, onde o dia é quentes e a noite é fria vai facilitar o ataque desses fungos.

Não regar demais, não deixar o vaso ou canteiro encharcado em períodos mais frios e pulverizar leite nas folhas pode ajudar. Sim, LEITE.

A receita é simples: em um borrifador de 1 litro, use 100 ml de leite, e 900ml de água. Mexa bem e pulverize os dois lados das folhas, quando o sol estiver bem fraco, antes das 8 h ou depois das 17 h mais ou menos.

Muito pouca gente tem acesso ao leite puro, saído da vaca, então os de caixinha podem ser usados sem problemas.

Outra opção é usar Calda Bordalesa, um fungicida que tem sulfato de cobre e cal hidratado. É possível encontrar os produtos para que você mesmo dissolva ou então uma solução pronta como Forth Cobre e Dimy Cupro. Deve ser aplicado preventivamente, uma vez ao mês, se for possível.

Mas mesmo com todos os cuidados não desista se algumas folhas aparecerem com manchas cinzas, pretas e amarelas e caírem. É normal.

Já com relação aos pulgões e ácaros você pode usar calda de fumo ou óleo de neem, em soluções já prontas ou para que você prepare em casa.

Ambos serves também para combater cochonilhas. Só tome cuidado com as paredes no caso do fumo, pois pode manchar.

Pulverização de Enxofre também é eficaz para controlar os ácaros. Outra opção, que é a que mais utilizo, é uma mistura muito simples de fazer; os resultados têm sido excelentes!

É só usar, para cada 1 litro de água, 20 ml de óleo vegetal (de soja, girassol, etc,) e 20 ml de detergente neutro ou sabão de coco dissolvido em água quente. Se usar o sabão, espere esfriar e misture primeiro o detergente (ou sabão) com o óleo sozinhos. Só depois acrescente a água e novamente misture bem.

Agora é só borrifar/pulverizar principalmente nas folhas mais novas, que são as preferidas das pragas. Se desejar pode pulverizar na planta toda. Se chover repita a operação até que pulgões e outras pragas desapareçam.

rosas-4

Lagartas e grilos, por sua vez, podem ser capturados manualmente. No caso das lagartas, se forem muitas é aconselhável utilizar um produto chamado Dimypel, que é natural, vai atrair e matar as coitadas, e mesmo se não forem comidos, se decompõem e adubam o solo.

A calda de alho e pimenta é outra alternativa, mas aviso que dá mais trabalho.

Você vai precisar picar 100 gramas de alho, 100 gramas de pimenta dedo-de-moça, colocar tanto a pimenta quanto o alho em recipientes separados e acrescentar 1 litro de álcool em cada recipiente.

Para finalizar, rale ou pique 100 gramas de sabão de côco e adicione 2 litros de água quente para dissolvê-lo.

Esses três recipientes devem ser guardados num local escuro, de preferência, por pelo menos uma semana.

rosas-1

Passado esse tempo é só colocar uma colher de sopa de cada preparado em um borrifador, e acrescentar um litro de água (em temperatura ambiente).

Agora é só borrifar nas folhas. O cheiro da pimenta e alho vão espantar a maioria dos insetos enquanto o sabão vai colar nos pulgões e ácaros que ainda estiverem na planta. Pode fazer isso uma vez por semana.

Se chover no dia seguinte borrife novamente, NUNCA NOS HORÁRIOS MAIS QUENTES DE SOL!

outono_!!

rega no inverno

Cuidar de plantas parece ser tarefa simples, mas é preciso dedicação especial, principalmente no inverno.

É preciso conhecer as espécies respeitar seus ciclos de floração, crescimento, frutificação e dormência. Um dos principais cuidados nesse tempo frio é borrifar levemente as folhas por conta do período seco e não usar adubo químico.

O inverno é o período de repouso das plantas e, por isso, é preciso diminuir as regas, pois a umidade favorece o aparecimento da cochonilha ou pulgão, que são insetos sugadores de seiva.

Se esses insetos sugarem a seiva da planta, que é o alimento dela, consequentemente ela ficará debilitada.

Durante os meses mais frios as regas devem ser espaçadas, pois a evaporação da água é mais lenta e os solos ficam mais úmidos, o que pode, nessa época, acarretar em doenças causadas por fungos.

Para as regas, é preciso observar se a terra está seca; (regar) duas vezes por semana seria o ideal. Isso porque no inverno a água fica na terra, pois não é o tempo propício para evaporação. O ideal é fazer as regas no período da manhã.

A maioria das plantas entra em um período chamado de dormência no inverno, quando a adubação deve ser feita com cautela. Dê preferência ao adubo orgânico bem curtido. Já a correção do solo é indicada para este período. Usar calcário dolomítico revolvendo o solo para evitar a compactação é ideal.

regando

Com exceção das plantas que estiverem em período de floração, o inverno é o período certo para podas de limpeza e formação, principalmente de arbustos e árvores.

O recomendável é eliminar galhos secos, doentes ou mal formados. Isso auxiliará no desenvolvimento geral da planta e permitirá que a luz seja bem distribuída.

Plantas topiadas, como buxinhos, viburnos, ixoras também devem ser podadas como de costume, embora a frequência possa ser menor no inverno, pois, nessa época, elas entram em dormência.

Geralmente, as plantas de clima temperado e as que perdem as folhas no inverno são as mais indicadas para a poda nesse período”, disse.

As plantas do tipo palmeiras, rafias, licualas e samambaias se adaptam melhor a locais sombreados, mas muitos pensam que essas plantas não precisam de luz solar. São plantas com um verde mais escuro, e aí podemos incluir ainda os antúrios, mas temos que ressaltar que toda planta precisa de uma luz indireta do sol.

regar

Levar a planta para um local com maior incidência de luminosidade até, pelo menos, 9h30h é o ideal. Se estender muito o tempo de exposição ao sol, as folhas podem queimar.

No mais, no período de inverno é respeitar o momento de descanso da planta e tomar mais cuidado com a luminosidade, além de dar atenção maior às regas, lembrando que não pode ser em excesso.

flores (2)

planta-saudável1

Conhecer as exigências básicas de uma planta é metade da batalha para cultivar plantas saudáveis durante o ano todo. A implementação desses requisitos é a outra metade.

As plantas, de modo geral, dão muitos sinais de que algo não vai bem na rotina de cuidados com o cultivo. Entender cada um dos sintomas e como eles se correlacionam é importante para detectar as causas do problema e corrigir ações que possam estar prejudicando-as.

Entre os sintomas mais comuns que sinalizam que algo não vai bem está o amarelamento das folhas, comum a várias deficiências nutricionais:
* Em folhas jovens – deficiência de Ferro ou Manganês
* Em folhas do meio – falta de Molibdênio
* Em folhas antigas – deficiência de Nitrogênio, Potássio, Magnésio ou Zinco

Já o encolhimento das folhas para cima está associado à deficiência de Potássio e Cobre, ou seja fertilização excedente da planta.

No caso de plantas raquíticas ou frágeis, o aspecto é mais amplo e pode ter relação com diferentes fatores além de problemas nutricionais. Basicamente qualquer estresse que a planta sofre resulta nesse aspecto de fragilidade.

É importante ter atenção e buscar solucionar a situação antes de chegar a esse ponto. Dependendo do quanto a planta já estiver afetada, a recuperação pode ser bem difícil e talvez não reste outra saída a não ser recomeçar o cultivo.

plantas-em-vasos

Conheça a sua planta
Antes de adicionar novas plantas ao seu jardim ou horta é uma boa ideia fazer uma pequena pesquisa sobre ela antes, assim você não corre o risco de se frustrar com os possíveis problemas mais tarde.

Hoje existem muitos sites de jardinagem que oferecem inúmeras informações sobre os mais variados tipos de plantas.

O que é preciso para cultivar plantas saudáveis com sucesso?
a – Umidade – É importante saber qual é a quantidade de água que uma planta prefere no solo , bem como o nível de umidade (umidade do ar).

A água da planta precisa mudar sazonalmente? Plantas que crescem sazonalmente secas precisam de um período de dormência para florescer.

b – A qualidade da água  - A qualidade da água usada para irrigar pode ter um impacto sobre a planta, desde prosperar e crescer, até para florescer.

Se o pH da sua água é muito alto ou muito baixo, ou contém muito cloro ou cálcio, algumas plantas mais sensíveis podem deixar de prosperar. As plantas aquáticas como orquídeas, samambaias e plantas carnívoras utilizam a água da chuva ou água destilada.

flores

c – Luz - Algumas plantas preferem sol pleno, outras preferem sombra, meia sombra ou sombra na parte da tarde para não queimar a folhagem.

Algumas plantas necessitam de um certo número de horas de luz solar para florescer com sucesso, outras precisam de noites mais longas (mais horas de escuro) para que as flores apareçam. Corrigir os níveis de luz é fundamental para a cultura de plantas com sucesso.

d – Solo - Algumas plantas preferem solo arenoso, outras preferem uma mistura pesada de solo com materiais orgânicos, algumas não gostam de solo (epífitas). Vasos com misturas orgânicas precisam ser substituídos a cada ano ou dois.

e – Temperatura - Algumas plantas gostam de calor, outras preferem temperaturas mais baixas , algumas precisam de dias quentes e noites frescas para florescer ou dar frutos.

f – Nutrição - Algumas plantas são ” alimentadores pesados ​​” e o solo pode não conter a quantidade suficiente de minerais essenciais que elas necessitam. Elas precisam de aplicações regulares de fertilizantes para crescer.

Outras plantas só precisam de quantidades pequenas de fertilizantes em uma base frequente ou podem ficar estressadas ou queimadas. Muitas plantas não conseguirão prosperar se sua necessidade de minerais não for atendida.

g – Circulação de ar – Plantas que crescem agrupadas não têm muito espaço para que o fluxo de ar percorra por entre as folhas e flores. Isto pode levar a infecções fúngicas e bacterianas ou criar um lar acolhedor para determinados tipos de pragas.

O crescimento de uma planta não é controlado pela quantidade total de recursos disponíveis, mas pelos recursos escassos. Muitas vezes o aumento da quantidade de nutrientes não aumentou o crescimento da planta.

Somente através do aumento da quantidade de nutriente escassos é que se observa o desenvolvimento das plantas.

Isto não se aplica apenas aos nutrientes, mas também a todas as outras necessidades, bem como (solo, água, luz e temperatura) se uma dessas necessidades não for atendida, ela se torna um fator limitante.

folhagens2

Erros que podem comprometer o cultivo
No que diz respeito aos fertilizantes, é necessário se atentar se a marca escolhida é de qualidade, se o produto está adequado à fase da planta e se não há superdosagem. Os três erros podem ser fatais para o cultivo.

Já a rega em excesso, bem como a falta dela, também podem prejudicar – e muito – o desenvolvimento das plantas. Algumas espécies, no caso a maioria das cultiváveis no clima subtropical brasileiro, necessitam de água diariamente ou várias vezes na semana.

cactáceas

Porém, famílias como as Cactáceas (dos cactos) podem sobreviver semanas sem receber água porque possuem um sistema de armazenamento bem adaptado para os períodos de seca.

Sendo assim, o sistema de rega depende muito da fisiologia e do local nativo da planta.

A maior parte das espécies cultivadas indoor precisa receber água semanalmente ou a cada dois dias em média. O importante é garantir que o vaso nunca fique constantemente molhado nem seco.

Devem haver ciclos, e o substrato deve estar levemente úmido ainda da rega anterior, porém nunca encharcado.

flores

O espaço físico também é fator determinante para o desenvolvimento das plantas. Se o  vaso é pequeno, é provável que suas raízes fiquem atrofiadas e, consequentemente, o vegetal perderá suporte e estabilidade e beleza.

É possível cultivá-la em um recipiente menor, mas assim que a planta brotar e crescer, deve ser transplantada para um vaso mais amplo.

A luminosidade também é fator crucial para o sucesso do cultivo. E quando está exposta demais ao sol ou não tem luminosidade suficiente para seu crescimento, as plantas apresentam problemas nas folhas.

As espécies adaptadas à  sombra, quando colocadas sob o sol, podem apresentar folhas amareladas ou queimadas, que secam até morrer. As de sol, quando ficam sem luz, têm folhas atrofiadas. Por isso, é muito importante estudar as particularidades e origens de cada espécie antes mesmo de iniciar o cultivo.

raio de sol