2018 July 10 - PlantaSonya - O seu blog sobre cultivo de plantas e flores
Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




buxinho

Toda planta precisa de determinados cuidados para crescer bem e um deles é o adubo, como a maioria deve saber. Eles são responsáveis por dar à espécie cultivada, nutrientes suficientes para que elas possam concluir o processo de fotossíntese, que é importante para as plantas e também para nós, seres humanos. Então, se você tem plantinhas em casa, deve saber exatamente como e quando adubar cada uma delas.

Como cada tipo de cultivo e cada espécie vai exigir de você um tipo de adubação diferente, vamos aqui ensinar como adubar aquelas plantinhas que são cultivadas em vasos. O processo é bem simples e com um pouco de cuidado você ajuda as suas plantas estarem sempre bonitas e consequentemente, o seu jardim também.

Tipos de adubos
O processo de adubação é o mesmo para todas as plantas, o que muda é a quantidade de vezes que você aduba as espécies, como você vai fazer isso e principalmente, qual tipo de adubo você vai usar em cada uma delas.

Basicamente existem dois tipos de adubos diferentes e cada um destes vai levar um tipo de benefício diferente para seu cultivo. Vamos conhecer cada um deles separadamente.

adubo orgânico

Adubo orgânico
É o tipo de adubo adquirido a partir de matéria prima vegetal ou animal. Podemos dizer que é o adubo mais puro e natural porque ele não possui nenhum tipo de composto químico e por esse fato, ele não prejudica o solo e nem o meio ambiente de uma forma geral.

Mesmo sendo algo natural e sempre temos o que é natural como o mais “sadio”, o adubo orgânico também possui suas desvantagens.

O cheiro dele geralmente não é muito agradável, principalmente os que são obtidos a partir de fezes de animais. A absorção na terra também não é muito rápida. Você também terá que usar uma quantidade maior de adubo orgânico porque ele tem o teor nutricional menor do que os adubos químicos.

Esse tipo de adubo é obtido através de restos de alimentos, esterco, húmus de minhoca, farinha de ossos e muito mais.

No caso do cultivo de plantas em vasos, o adubo orgânico é mais indicado. Também torna-se importante o uso desse produto porque geralmente quem cultiva plantas em vaso, deixa-as em ambientes internos e como o adubo químico pode causar algum tipo de intoxicação, é preciso ter um pouco mais de atenção quanto ao seu uso.

adubo químico

Adubo inorgânico ou Adubo químico
Esse tipo de adubo já é totalmente inverso ao que citamos mais acima. Muitas pessoas não gostam de utilizar esse produto por ele conter química e com o tempo, danificar o solo que você cultiva, mas isso só acontecerá se você aplicar doses além do que é indicado pelo fabricante.

O adubo químico é muito mais efetivo por ser mais concentrado e produzido com todas as dosagens de macronutrientes que uma planta precisa. Esse também é o fator que faz com que você não use tanto em sua terra.

Esses adubos apresentam diferentes composições, então quando você for comprar no mercado, observe primeiro qual a maior necessidade da sua planta para não aplicar o que ela não precisa, enquanto aquele nutriente necessário vai ficando de lado.

É importante lembrar que por ser um produto químico, ele pode causar qualquer tipo de reação tóxica, principalmente em crianças e animais, portanto é indicado que ao aplicar o adubo químico em suas plantas, você deixe o ambiente reservado por pelo menos 24 horas para que o produto fixe-se totalmente à terra.

Antes de optar pelo adubo químico é importante se informar na hora da compra qual o produto ideal para as necessidades de suas plantas. O fabricante deve indicar a dosagem e forma de aplicação na embalagem.

Vale lembrar que por ser um produto químico o cuidado com o contato, principalmente de crianças e animais, é ainda maior.

plantas envasadas

Como colocar o adubo nos vasos
Agora que você já escolheu o tipo de adubo ideal para suas plantas, é necessário aplicar em todas cuidadosamente.  Se você vai adubar uma planta pela primeira vez, esse processo é bem simples. As plantinhas envasadas geralmente são vendidas em vasos de plástico e você pode aproveitar esse mesmo recipiente para cultivar a espécie ou colocar a planta em outro mais bonito ou de um material de sua preferência.

Se você escolher manter a sua planta no mesmo vaso em que comprou, o processo de aplicação de adubo vai ser feito com o produto diluído em um pouco de água.  Você vai dissolver o adubo da seguinte maneira:

Dicas
1 (uma) colher de chá do adubo diluída em 500 ml de água em temperatura ambiente. Quando você compra o adubo, ele sempre vem acompanhado de uma medida que equivale a duas colheres de sopa, então se for utilizar essa medica, observe a quantidade para não colocar além do necessário na sua planta.

Essa mistura vai ser acrescentada na sua rega portanto, antes de colocar o adubo, umedeça levemente o seu substrato para que ele absorva bem o produto que você vai colocar. Importante também que o adubo seja colocado apenas ao redor da planta. Jamais jogue sobre as folhas ou os talos.

plantas em vaso

Quantidade e frequência  de adubação
É claro que você não vai usar sempre a mesma quantidade de adubo porque pode acabar matando a sua planta ou fazendo com que ela cresça com algum tipo de desordem. Em vasos pequenos, você vai colocar um copo pequeno da mistura que ensinamos no tópico anterior.

Já para os vasos grandes, você pode colocar a medida que vem no adubo (equivalente a duas colheres de sopa) e diluir em 1 ou 2 litros de água, dependendo do tamanho da sua planta. Então após esse preparo você vai colocar de 2 a 4 copos pequenos no vaso.

Quando colocar o adubo vai depender do tipo de planta que você cultiva. Cada espécie possui uma necessidade, mas o intervalo de reposição é em média de 3 a 4 meses para espécies de folhagens e de 2 a 3 meses para espécies floríferas. Sempre aplicado antes e depois da camada de florescimento para que a planta cresça bem.

barquinho22

Nephentes-1

Nepenthes é o nome dado para uma variação de uma espécie de planta carnívora angiospérmica, que possuem as sementes protegidas pela estrutura que geralmente é o fruto, mas no caso dessa planta é o seu “jarro” localizado na ponta de suas folhas. Natural de ambientes tropicais se da muito bem em locais com umidade relativa à 60% ou mais.

Esta planta carnívora apresenta uma certa dificuldade no plantio e cuidados em geral, portanto, ym breve manual de como cuidar de Nepenthes para te ajudar a deixar a sua planta mais bonita e saudável, afinal, uma Nepenthes com seus jarros coloridos e saudáveis se torna o orgulho de quem a cultiva.

Primeiramente, antes mesmo de comprar a muda ou semente da sua Nepenthes você precisa se certificar de que possui um local adequado para ela, se o clima da região onde você mora se assemelha ao clima tropical.

No caso do Brasil isso não é difícil a não ser que você more numa zona com clima seco. Mesmo se for o caso, para tudo se dá um jeito, caso você more num local com clima seco, falta de umidade no ar, você pode plantar a sua Nepenthes numa estufa ou terrário.

Para cultivar a Nepenthes em terrários, você vai precisar de um aquário, normal, como aqueles que usamos para os peixes onde você pode deixar o vaso de sua planta.

Os terrários fornecem um clima semelhante aos de uma estufa, onde a umidade é alta e a planta pode se desenvolver muito bem, tão bem que é comum elas ultrapassarem o tamanho do terrário, deixando-o ótimo para cultivar a sua planta enquanto ainda jovem para que ela chegue na idade adulta já saudável e desenvolvida.

A Nepenthes necessita de boa incidência de luz para se desenvolver, quando você a plantar em um terrário lembre-se de colocar uma lâmpada para fornecer a iluminação necessária, esta lampada pode ser do tipo fluorescente tubular.

Caso queira cultivar a Nepenthes dentro de casa, saiba que também é possível mas com os devidos cuidados. Para cuidar da sua Nepenthes dentro de casa você precisa deixá-la próxima a uma janela para que ela obtenha a luminosidade indispensável para o seu crescimento.

nephentes_2

Uma Nephentes dentro de casa, quando saudável e com belos jarros, além de pegar alguns mosquitos ainda decora o ambiente com a sua aparência exótica. As plantas devem ser mantidas em janelas ensolaradas que possuam ao menos quatro horas de sol por dia, independente do período.

Caso a umidade da sua casa não seja a ideal, o que é bom pra planta mas não é bom para a sua casa, você pode borrifar água limpa na planta, com um borrifador que pode ser facilmente encontrado em lojas de jardinaria, desta forma fornecendo a umidade relativa que ela precisa para se desenvolver.

Agora, para cultivar a sua Nepenthes ao ar livre não existem muitas coisas que você pode fazer pois quem dita se é possível ou não é o clima da sua região, se for favorável, ótimo, se não for… Bom, se não for você pode plantar mas saiba que sua planta não vai durar muito.

Dependendo das condições climáticas do local você pode plantar mas fique sempre atento as variações climáticas muito brutas, algumas espécies de Nephentes aguentam as variações, assim como as geadas ou dias muito quentes, outras não.

Você também vai precisar verificar qual é a espécie de sua Nepenthe, já que existem muitas mas falando nas espécies uma boa escolha é sempre uma Nepenthe híbrida, além das híbridas apresentarem mais beleza por serem resultado de cruzamentos entre espécies diferentes, as híbridas também são sempre mais resistentes à doenças, pragas e clima.

De qualquer forma, deixe o solo sempre úmido mas não encharcado e proteja a sua planta das temperaturas muito baixas.

Agora vamos falar do substrato ideal para a Nepenthes. Esta planta, como já foi dito, por ser de origens tropicais necessita de umidade, bastante umidade e para que isso não apodreça a terra ou favoreça o aparecimento de fungos ou bactérias a terra deve ser bem aerada.

A terra ideal para a Nepenthes se desenvolver se consiste em 4 questões: fertilidade, acidez, fluidez e matéria orgânica. A seguir uma lista de como deixar cada uma dessas questões favoráveis para ter uma Nepenthes saudável.

nephentes

Fertilidade: Um solo fértil para uma Nepenthes não é igual a um solo fértil para a maioria das espécies de plantas. É possível criar a sua planta com uma grande variação de substratos, que vão desde musgo de arvores até argilas. Para deixar o solo fértil para a sua Nepenthes você deve usar uma quantidade de argila misturada com ingredientes orgânicos ou inorgânicos;

Acidez: A acidez do solo se obtém a partir de alguns materiais inorgânicos e por parte também do adubo utilizado, de preferência o NPK 8-8-8 que além de nutrientes também fornece a acidez necessária do solo, somados com a argila e a areia, e então a próxima questão;

Fluidez: A fluidez ideal para a Nepenthes pode ser obtida através da mistura e areia e argila ao substrato, que além de favorecer na acidez do solo possuem a capacidade de fazer com que a água flua mais, evitando estagnações e encharcamento. A mistura de areia é essencial não só por este motivo mas também por arejar o solo, deixando-o arejado o suficiente para que as raízes da Nepenthes cresçam sem dificuldade.

Matéria orgânica: Você pode utilizar materiais como sphagnun, turfa de sphagnun, casca de árvore e fibras de coco.

Iluminação: A iluminação deve ser boa, portanto não excessiva. Três à quatro horas de iluminação diárias bastam para a maioria das espécies de Nepenthes e caso o local em que ela fique a incidência de sol seja muito forte e durante muito tempo do dia considere a ideia de comprar uma rede de retenção solar, 50% deve bastar.

nephentes

Rega: A rega varia de acordo com a estação do ano como na maioria das plantas, por exemplo, no verão ou em períodos quentes você deve regar diariamente, mas nunca deixe o vaso encharcado ou com excesso de umidade, uma vez que isso pode sufocar as raízes da planta e causar a sua morte.

As Nepenthes, em sua maioria não necessitam de poda, o que pode mudar de acordo com algumas espécies, como essa planta possui características de trepadeira, dependendo do local onde ela se encontra talvez exista necessidade de podar.

O recomendado é adubar a planta com químico sem uréia NPK 20-20-20 em diluição de 1/4 da recomendada na embalagem.
Duas aplicações por mês, no verão/primavera e uma aplicação a cada 2 meses no outono/inverno.

chuvas-1

phalaenopsis

É muito comum vermos nas orquídeas botões florais que não se desenvolvem, murcham, ficam amarelados, secos e morrem.

Cattleyas, Phalaenopsis e Dendrobiums são os gêneros mais afetados por esse problema.

Consequentemente, as florações dessas plantas ficam com poucas flores, ou até com nenhuma flor.

Vamos então às principais causas dos botões florais morrerem.

- Temperatura
Variações muito rápidas da temperatura ambiente ou temperaturas muito extremas são uma das principais causas da morte de botões florais.

Veja alguns exemplos:
*
A planta encontra-se em um local fresco (dentro de um supermercado ou floricultura) e é inserida em um ambiente quente (o carro que ficou no sol) ou vice versa;
* Plantas sob condicionadores de ar colocadas em ambiente mais quente, como varandas, jardim, etc;
* Dias muito quentes com noites frias. Essa mudança abrupta faz com que os botões sejam descartados pela planta.

- Ventos
Correntes de vento frias ou quentes, no local em que a planta se encontra, sendo ele mais quente ou fresco, respectivamente, causam a morte dos botões florais. Correntes de vento muito fortes também levam ao mesmo fim.

- Gases atmosféricos e de outras fontes
Os botões florais das orquídeas são a parte mais sensível dela.

Eles são sensíveis à fumaça de cigarros (qualquer tipo), poluição atmosférica, fumaça do escape de motor de carros, fumaça de fogões à lenha e gases como etileno ou metano.

O gás etileno é expelido pelas plantas polinizadas e por alguns frutos para amadurecerem, por isso é importante deixar as plantas floridas longe dessas fontes.

- Excesso ou falta de luz
Tanto a falta quanto o excesso de luz são prejudiciais.

A falta não deixará os botões se desenvolverem adequadamente.

O excesso poderá causar o abortamento e queimaduras nos botões, principalmente se tiver iluminação direta.

- Produtos químicos
Fertilizantes, inseticidas e fungicidas aplicados nos botões podem causar seus abortamentos.

- Água e umidade
Plantas com falta de umidade/água retiram esse elemento que lhes falta de alguma parte para sobreviver. Assim, fazem isso retirando água dos botões florais.

O excesso de água, além de favorecer o aparecimento de fungos, pode asfixiar as raízes da planta. Consequentemente, mesmo com muita água disponível, ela será incapaz de absorvê-la, fazendo com que a planta retire água dos botões florais.

- Insetos
Insetos que se alimentam das flores, como os ácaros e os trips, também podem causar o abortamento dos botões florais, sendo a infestação muito grande.

Deve-se usar inseticidas e acaricidas para o correto controle desses insetos.

botões

Conclusão
Essas são as causas dos abortamentos dos botões florais nas orquídeas. Algumas das causas citadas são difíceis de controlar, como a variação da temperatura diurna e noturna e a poluição atmosférica.

No entanto, há fatores passíveis de controle, bastando seguir as orientações corretas, como colocar as plantas em local adequado (sem correntes de vento) e fazer o controle periódico de insetos.

cachoeiraarcoiris