Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘vasos’

vasos
Uma orquídea não precisa ser plantada em vaso grande, uma vez que a cada dois anos deve-se trocar o substrato (fibra de xaxim, casca de pinus, etc.) para renovar a fonte de alimentação da planta.

As mudas devem ter no mínimo 3 bulbos, para que a planta possa florir logo.

O instrumento de corte das orquídeas deve ser esterilizado ( com a chama de um isqueiro ) para que uma planta doente não contamine outra. Esse procedimento deve ser seguido a risca, para se evitar surpresas desagradáveis (contaminação).

O substrato usado varia muito: fibra de xaxim, de coco, casca de pinus (excelente) etc. O pó de xaxim não é muito recomendado, por reter muita umidade, provocando o aparecimento de muitos fungos e pragas.

Os vasos mais comumente usados são os de cerâmica, que já vem com furos laterais e consequentemente mais arejamento nas raízes. Mas, pode-se, perfeitamente, utilizar vasos de plástico, que se forem furados lateralmente, proporcionarão o mesmo arejamento que os de cerâmica. Digo isso por experiência própria.

No fundo dos vasos, deve-se colocar uma camada de pedra ou cacos de cerâmica com o objetivo de drenar o excesso de água e manter um pouco de umidade.

screens-20

Embora não exista regra, o importante é manter uma proporção agradável entre o vaso e aplanta.
No mercado existe vários tipos de vasos, como:

Cerâmica: São porosos, assim permitem que a terra “respire” e drene bem o excesso de água. Não resistem a impactos, se cair…já viu né? Devem ficar de molho na água 24 antes de plantar ( e estiverem ao natural, sem pinturas). Requer mais regas.

cerâmica

Plástico: São baratos, leves, práticos e encontrados em diversos formatos. Por serem impermeáveis devem ser preparados com uma boa drenagem para que a água não acumule no fundo. Requer menos regas.

plastico
Cimento: Resistentes e duráveis, são como os de cerâmica em relação à drenagem, só que bem mais pesados.

cimento
Madeira: Muito bonitos e rústicos, mas duram menos. Devem receber impermeabilização e serem forrados com plástico antes do plantio.

madeira
Metal: existem diversos modelos no mercado, mas não deve entrar em contato direto com o solo pois enferrujam. Use-os como cachepô ou forre com plástico antes de plantar e lembre-se de furar o vaso e o plástico também.

metal

folhinhas

bromélias
Existem inúmeras diferenças entre o cultivo de plantas num jardim e o cultivo de plantas em vasos, mas a principal delas é a necessidade do transplante no cultivo em vasos.

Veja aqui, quando e como realizar esta tarefa.
O cultivo de plantas em vasos nos permite ter dentro de casa as mais variadas espécies. É claro que para mantermos as plantas bonitas e saudáveis é preciso alguns cuidados especiais, principalmente com relação à luminosidade, temperatura, adubação e regas. Mas, existe também um outro fator fundamental, que muitas vezes é esquecido: o transplante.

No jardim, as raízes das plantas têm espaço e liberdade para crescer e podem buscar na terra toda a água e nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Mas nos vasos essa liberdade fica limitada. Com o tempo, mesmo com adubações regulares, a qualidade do solo fica prejudicada e o espaço para a expansão das raízes torna-se pequeno. Daí a necessidade do transplante.

Mas, como saber quando transplantar nossa plantinha? Alguns sinais podem indicar o momento certo. Eis alguns:
* raízes saindo pelos furos de drenagem;
*
partes das raízes aparecendo na superfície da terra;
*
o vaso começa a ficar pequeno em relação ao tamanho da planta;
*
florescimento escasso ou inexistente;
*
aparecimento de folhas muito pequenas ou defeituosas;
*
raízes formando um bloco compacto e emaranhado.

Passo-a-passo, para não errar
Para facilitar o trabalho com o transplante de plantas, faça tudo planejado, em etapas:
1 – No dia anterior ao transplante, de preferência à noite, comece os preparativos: regue todas a plantas que serão transplantadas, para facilitar a retirada do vaso. Limpe bem os vasos que serão utilizados. Se for utilizar vasos novos de cerâmica ou barro, mergulhe-os num tanque cheio de água até que parem de soltar bolhas. Isso ajuda a limpá-los bem e impedem que absorvam a umidade da mistura de terra que será colocada.

2 – Antes de iniciar o trabalho, escolha um local sombreado. Separe todas as plantas que necessitam de transplante e deixe todo o material necessário à mão (vasos, ferramentas, mistura de solo, cascalho para ajudar a drenagem, etc).

3 – Prepare a mistura de terra ideal para o replantio e reserve. Coloque cascalhos para drenagem no fundo do vaso, de forma que não obstruam totalmente o furo, prejudicando o escoamento do excesso de água.

4 – Coloque uma parte da mistura de solo no fundo do vaso e reserve.

5 – Agora é a hora de retirar a planta do vaso. A terra um pouco umedecida facilita o trabalho. No caso de haver muita compactação, afofe a terra superficialmente e passe uma faca de lâmina comprida entre o vaso e o torrão.

6 – Se a planta estiver num vaso pequeno, coloque a mão espalmada por baixo das folhas, cobrindo a superfície da terra e firmando as hastes entre os dedos. Vire o vaso para baixo e, para facilitar, bata-o levemente na beirada de uma mesa ou balcão. Normalmente, a planta sairá com facilidade, mas se isso não acontecer, evite puxá-la com força. Volte o vaso na posição inicial e tente soltar o torrão passando a faca novamente. Se houver nova resistência, quebre o vaso.

7 – Para retirar uma planta de um vaso grande, passe a lâmina de uma faca longa entre o torrão e o vaso. Deite o vaso na mesa e bata levemente com um pedaço de madeira nas laterais para soltar o torrão. Segure a planta com uma das mãos e vá virando o vaso lentamente, batendo devagar em toda a superfície. Quando perceber que o torrão está solto, puxe a planta delicadamente com o vaso ainda deitado.

8 – Com a mistura de solo já firmada no fundo do novo vaso, posicione o torrão da planta bem no centro. Na maioria dos casos, o topo do torrão deve ficar entre 2 e 5 cm abaixo da borda.

9 – Continue a colocar a mistura de solo, pressionando-a nas laterais para firmar bem a planta. Espalhe mais um pouco da mistura por cima e observe que a terra deve cobrir as raízes, sem encostar nas folhas inferiores. Para eliminar as bolhas de ar e acomodar a terra, bata o vaso levemente sobre a mesa e depois pressione a superfície com os dedos.

linha de florzinhas

vasos-de-flores
Quem não gosta de flores? Quem não adoraria ter um jardim florido e acordar pela manhã com aquele perfume de flores tomando conta do ar, ao invés da poluição e aquele colorido exuberante dominando a paisagem, vislumbrada da janela, ao invés daquele mar cinza e sem graça que vemos nas grandes cidades?

Todos nós, certo? Mas, a maioria não pode dispor de espaço em seus apartamentos para ter um jardim. Cada vez menores; esses apartamentos e até as casas atualmente construídas são meras caixas sem vida e sem personalidade, criadas para acomodar o maior número de pessoas possível no menor espaço. Mas não precisa ser assim. Mesmo com um espaço pequeno, você pode ter um jardim de flores coloridas, perfumadas e que alegrarão a sua vida durante todo o ano.

Basta seguir algumas dicas simples e garantir que suas flores plantadas em vasos vivam bem, floresçam com vitalidade e alegria e encham a sua vida com satisfação e regozijo.

A primeira dica é conhecer as espécies e compreender que cada uma delas tem exigências diferentes e podem ou não ter um bom desempenho quando plantadas em vasos. Conhecer as que se adaptam melhor a vida em vasos é a chave para o sucesso de um jardim em vasos. Vamos indicar algumas plantas que produzem flores e se dão muito bem em jardins plantados em vasos de qualquer tamanho. Ao mesmo tempo, daremos algumas dicas de cultivo e de como obter uma bela flor de uma planta saudável e (porque não dizer) feliz:

Violeta Africana
É muito bem adaptada à vida em vasos e é extremamente fácil de ser cuidada. Basta ter um solo bem adubado, bem drenado e em áreas que não tenham a incidência de luz solar intensa e nem de ventos fortes. Quando você for efetuar as regas, não molhe as folhas e jamais deixe a água que sair pelo furo do vaso ficar depositada no pratinho. Isso fará com que as raízes da planta apodreçam e sua planta morra rapidamente.

Begônias
As begônias vivem muito bem em vasos, aguentando o sol forte e pedindo apenas uma rega por dia e um solo muito rico em matéria orgânica. É fundamental que você tenha um cuidado especial com a drenagem das águas usadas nas regas para que a planta não fique encharcada e não apodreçam. Use bolinhas de argila expandida no fundo dos vasos ou pedras de brita para garantir que os furos do fundo do vaso permaneceram livres e permitirão uma rápida passagem da água.

Orquídeas
As orquídeas se dão muito bem em vasos e são plantas robustas que podem ser criadas sem casa sem problemas. Evite apenas o excesso de água, as rajadas de vento e o sol direto. Um local com meia sombra e a garantia de uma boa manutenção de umidade sem, no entanto, deixá-la encharcada.

Como você pode ver, a chave para o sucesso de um jardim plantado em vasos é conhecimento das espécies que melhor vivem assim, cuidados com a exposição ao sol e aos ventos em excesso e a garantia de uma boa drenagem das águas usadas para regar as plantas.

Fazendo isso e seguindo essas dicas acima, você garantirá uma vida mais florida e perfumada com um jardim que lhe trará apenas alegrias e paz.

florzinha-branca