Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘vasos’

Sophronitis Cernua

Quando nos deparamos com a beleza de uma orquídea alguns detalhes são sempre observados como, por exemplo, as flores e a parte vegetal não é mesmo?

Mas e o vaso?
O vaso e o substrato são os responsáveis pela saúde das raízes de uma orquídea e por esse motivo também podem ser vilões se, por exemplo, após um período de tempo não houver manutenção como um replantio e troca do substrato a medida que ficar velho.

Atualmente as orquídeas que são vendidas comercialmente na sua grande maioria vêm acondicionadas em recipientes próprios para o cultivo em escala comercial dentro de ambiente controlado como uma estufa.

Por esse motivo devem ser sempre avaliados se são a melhor opção para serem usados no cultivo doméstico visto que muitas vezes o substrato e o vaso da planta comprada não tem o mesmo desempenho na aeração e na secagem naquele novo ambiente para que as raízes continuem saudáveis.

vasos Pet

Vaso de garrafa pet com reservatório
É muito importante definir qual o melhor tipo de vaso para se cultivar as orquídeas no ambiente da sua casa, pois é o recipiente onde vão crescer e ficar as raízes que são responsáveis por quase toda a captação de nutrientes e água.

Além disso, as raízes também são responsáveis pela fixação da planta,  e uma planta solta ou sem raízes acaba não florescendo e tem muita dificuldade de vegetar.

Na nossa casa dificilmente temos o ambiente correto para o cultivo e o mais certo para quem realmente quer ter sucesso com as orquídeas é criar esse local especialmente para elas.

Atualmente existe uma grande variedade de opções onde a variedade se estende até a recipientes usados para outros fins como, por exemplo, um cesto de prendedores de roupa de plástico, que já vi sendo usado para acomodar uma Vanda.

Entre os tipos mais comuns de vasos para orquídeas, existem os que secam mais rápido enquanto outro mais lentamente, por isso é bom conhecer quais as características de cada um para descobrir qual vai ser o melhor para usar no seu ambiente.

Para a escolha do vaso certo para sua planta saiba que o item beleza importa, mas é o menos relevante para a saúde da planta.  Muitos orquidófilos procuram aproveitar embalagens para transformar em vasos, o que além de original mostra respeito pela natureza.

Além disso, muitas vezes criar um recipiente próprio pode solucionar a dificuldade de cultivo de determinada planta em nosso ambiente.

vasos de barro

Veja os exemplos abaixo:
Observem que a criatividade no cultivo de orquídeas sempre é muito aproveitada e para poder definir qual o melhor tipo ou quais os melhores tipos que podemos usar nas nossas plantas devemos observar seguir “Três passos principais”.

1 – Primeiro devemos eleger o material do vaso usado. Para a escolha do mais apropriado deve ser levado em conta a necessidade  de umidade para as raízes da espécie de orquídea a ser plantada nele.

Os que são mais comumente usados pelos orquidófilos são os de cerâmica com furos, que permitem maior ventilação e tem uma secagem bem mais rápida que os de plástico, além disso os vasos cerâmicos em ambientes úmidos são os ideais para a grande maioria das espécies de orquídea vegetarem com saúde.

A porosidade auxilia na ventilação mantendo a umidade para as raízes sem encharcamento.

cachepo

2 - Depois de definido o material do vaso devemos pensar no tamanho de vaso que vamos usar observando a compatibilidade do vaso em relação ao porte do exemplar, verificando se o vaso é mesmo o mais indicado para a planta em questão. Se ele é muito pequeno ou se ele é muito grande.

O que mais prejudica uma orquídea é com certeza utilizar um vaso grande demais comparado com o tamanho da planta. Na maioria das espécies de orquídeas o crescimento é lento se comparado a outros tipos de plantas e de nada adianta um vaso muito grande, pois atrapalha muito a secagem do substrato e consequentemente atrapalha as raízes da planta também. Sem contar que o uso de vasos grandes também vai exigir que se tenha espaços maiores para o orquidário.

Além disso, os vasos maiores acabam servindo também de moradia para formigueiros e outras pragas que adoram as raízes das orquídeas como lesmas caracóis e larvas de mosquitinhos. Para que isso não ocorra existe uma regra que uso para definir o tamanho do vaso que dá certo na hora da escolha:

Ao colocar a parte traseira da planta encostada numa das bordas fique sobrando no máximo três dedos de distancia na frente da planta para chegar a outra borda. Dessa forma além de ter espaço para crescer dentro do vaso a secagem do substrato não vai prejudicar as raízes.

Então se o replantio for feito usando o tamanho do vaso certo o crescimento da planta se mostrará saudável e o substrato manterá suas características saudáveis pelo tempo que a planta permanecer nele.

Normalmente nesse mesmo tempo a planta alcança a outra borda do vaso mostrando a necessidade de um novo replante.

substrato

3 – O terceiro passo é a escolha do substrato que vai ser usado junto com o vaso. É fundamental que esse substrato respeite as necessidades do exemplar cultivado e entre em equilíbrio com o tipo do vaso escolhido, mantendo a umidade necessária e também permitindo a aeração para as raízes.

De nada adianta usar o melhor tipo de vaso se o substrato não é o adequado a espécie daquela orquídea que se vai replantar, pois acaba prejudicando a planta a enraizar e vegetar com saúde.

As orquídeas são plantas muito adaptáveis, mas de crescimento lento, por isso é necessário sempre se certificar  que o vaso escolhido para a planta é o mais acertado. Em caso de erro nas escolhas a recuperação da planta também será lenta e mais difícil.

Bom até aqui já deu pra entender como podemos acertar na escolha do melhor tipo de vaso para as nossas plantas se observarmos as características de cada espécie.

As orquídeas como foi dito acima, são plantas que pelo modo como vivem na natureza conseguem se adaptar com mais facilidade e praticamente todas as espécies podem ser cultivadas em recipientes plásticos, cerâmicos e de madeira.

O que deve ser levado em conta quando a planta não vai bem a um determinado tipo de vaso é que muitas vezes o vaso é que não é compatível com o ambiente que a pessoa tem na casa dela.

Por isso a regra principal que vai definir realmente qual é o melhor tipo de vaso para se cultivar orquídeas é antes de qualquer coisa avaliar o ambiente e a necessidade de umidade para as raízes que você tem no espaço onde cultiva suas plantas.

Se tem dúvida sobre qual vaso usar, mas sabe o nome da espécie da orquídea, pode pesquisar sobre a planta observando fotos no google e ver os tipos de vaso que são mais usados para cultivá-la.

Também pode descobrir sobre o habitat e quais as características do clima. Esse conjunto de ações e observações são o que fazem a diferença para escolher certo.

Confira a característica de alguns dos modelos de vasos fabricados e mais usados hoje em dia:

Vaso-plastico

1-Vaso plástico vazado
Esse tipo de vaso aparece em diversos formatos e tamanhos e foi desenvolvido especialmente para o cultivo comercial de vandáceas. Serve como suporte para planta e as raízes ficam aéreas para fora do vaso como normalmente as vandáceas estão acostumadas na natureza.

Usando a criatividade também pode ser usado para espécies que emitem flores para baixo, como exemplo a Stanhopea e também ser usado para qualquer espécie de orquídea que necessite de grande aeração nas raízes. Eu por exemplo tenho uma espécie de Dendrobium sendo cultivada assim e está dando certo.

vaso

2 -Vaso plástico
Os vasos plásticos pretos são usados em larga escala também para a produção comercial de orquídeas. Possui custo barato e é leve e versátil, servindo para milhares de espécies de orquídeas e plantas em geral.

Para se usá-lo no cultivo de orquídeas em casa é imprescindível redobrar a atenção quanto ao excesso de umidade, pois retém a água de rega por mais tempo podendo permanecer úmido por dias e para os desavisados é a principal causa de apodrecimento de raízes.

Neste tipo de vaso é muito comum o substrato secar na parte de cima do vaso enquanto que no fundo ainda continua úmido. A dica neste caso é verificar, então antes de regar novamente afaste um pouco do substrato para ver se está úmido ainda, ou ainda com um palito de madeira verifique a umidade no fundo do vaso. A rega nesses tipos de vaso é mais espaçada esperando secar entre as regas.

Nos replantes que fazemos em nossa casa é importantíssimo fazer um dreno no fundo do vaso para que o excesso de água escoa e não acumule. Para isso pode ser usado pedras, isopor, argila expandida, caco de telha, etc. desde que seja material duro e sem deterioração.

Uma dica muito utilizada para algumas espécies de raízes mais sensíveis é fazer furos na lateral do vaso também aumentando a aeração. Como a rega em casa é frequente no verão não atrapalha a secagem.

vaso cerâmica

3 – Vaso cerâmico
Os tipos de vasos cerâmicos mais usados pelos orquidófilos são fabricados sem impermeabilização e em vários tamanhos e formas. Devem ser escolhidos conforme o tamanho da planta.

Atualmente os vasos de cerâmica são de longe os mais usados em orquidários com a umidade ambiente elevada, pois secam mais rápido devido a sua porosidade e possuem furos grandes em toda sua volta que ventilam as raízes.

Para as espécies de orquídea que necessitam que as raízes sequem após a rega o indicado são os vasos cerâmicos rasos, e quanto maior for o porte da planta os vasos cerâmicos mais fundos são os indicados.

cachepo

4 – Cachepot de madeira
Os cachepots podem ser usados praticamente por todas as espécies epífitas inclusive Vandas.  É um tipo de vaso para orquídeas que permite total aeração para as raízes além de servir de tutor para que as raízes se fixem.

Pode ser usado com ou sem substrato. Caso se opte por usar substrato escolha os mais duráveis como pedaços de madeira durável como a peroba, pois quanto mais tempo durar o substrato, mais tempo demora a ser feito o replante.

O ponto negativo do cachepots é que no replante é mais comum se perderem raízes que estiverem grudadas nele. Os cachepots podem ser confeccionados em casa, inclusive é possível encontrar vídeos que explicam como fazer na internet. As madeiras usadas na confecção dos cachepots devem ser de boa qualidade e resistentes ao tempo e a umidade.

vaso transparente
5 – O vaso plástico transparente
Tem as mesmas características do vaso plástico comum, mas com transparência para que as raízes da planta absorvam a luz. É usado em larga escala para o cultivo comercial de espécie Phalaenopsis, mas pode ser adaptado para muitas outras espécies de orquídeas, pois conserva a umidade por mais tempo e permite a entrada da luz, além de facilitar a visualização do interior do vaso e das raízes.

pote plástico

6 – Pote plástico transparente
Normalmente usado para outros fins no cultivo de orquídeas é muito usado para o cultivo especifico de algumas espécie com as Catasetineas, pois como não possui furos, é possível desenvolver um reservatório de água fazendo apenas um furo na lateral do vaso.

Onde vai ficar o reservatório no fundo do pote pode ser usado isopor(que ainda não possui reciclagem), aliem de pedras, cacos ou qualquer material que seja resistente a água para separar o reservatório do substrato. Também pode ser usado para o plantio de outras espécies de orquídea que necessitem de maior umidade para as raízes.

tronquinho

7 – Cascas de arvore, toquinhos, troncos de madeira
São tutores que funcionam como vaso e substrato ao mesmo tempo. Os melhores e mais indicados são provenientes de madeiras nobres que possuem pouco ou nenhum tanino, pois essa substancia prejudica o enraizamento fazendo a planta entrar em colapso.

Podem ser na forma de cascas como a casca-de-peroba, toquinhos ou troncos-de-sansão do campo, café, abiu, praticamente todas as frutíferas entre outras, desde que possua rugosidade que favorece o enraizamento.

A vantagem é que a planta se sente como no habitat e a desvantagem é a exigência maior de umidade no ar e regas frequentes. Indicado para o cultivo de espécies que não se adaptam a vasos da mesma forma que outras como a Cattleya schilleriana, Aclandiae, entre outras.

pau-de-barro

8 - Pau-de-barro
É um tipo de recipiente cerâmico em forma de cone que tem seu interior oco para que seja preenchido com água, inclusive pode ser água com adubo já dissolvido.
A planta é amarrada no lado externo onde existem ranhuras simulando um tronco de árvore e assim aos poucos a planta vai absorvendo a umidade e os nutrientes.

É amplamente usado para o cultivo de micro e mini orquídeas que necessitem de umidade constante. Também é ótimo para recuperar uma planta que esteja com dificuldades de vegetar devido ao ambiente seco.

Existem muitas outras opções de vasos e adaptações que podem ser feitas com outros tipos de recipientes. O que vale na hora da escolha é pensar no melhor para as plantas, pois dessa forma minimizamos as dificuldades de se cultivar orquídeas.

O intuito do post é sempre de facilitar o aprendizado, pois o melhor de se cultivar orquídeas é a transformação positiva que elas trazem para a nossa vida. Trabalham a nossa ansiedade e melhoram a nossa observação além de nos ensinar a conviver em grupo e se inserir na sociedade de uma forma benéfica a nos mesmos e aos outros.

Miltoniopsis híbrido

Abaixo mais algumas dicas.
* Sempre que for iniciar uma coleção procure utilizar o mesmo tipo de vaso e o mesmo tipo de substrato para todas as plantas, pois fazendo isso o cultivador, terá um cultivo mais homogêneo onde a rega pode ser igual para todas as plantas evitando que uma fique mais encharcada que outra.

* O substrato que for utilizado pode ser misturado a outros com características mistas para permitir aeração, firmeza e reter nutrientes da adubação. Pode-se utilizar no vaso plástico, a casca de pinus misturada ao carvão vegetal e o pedrisco de rio e no vaso cerâmico a casca de pinus com carvão vegetal, mais o musgo sfagno por cima do substrato para melhorar a umidade.

Durante o inverno esse musgo que fica por cima é descartado e próximo ao verão com o aumento da temperatura pode voltar a colocar. O musgo de rio tem ótimo pH e favorece o enraizamento. Como durante o verão muitas plantas emitem raízes o musgo melhora muito o cultivo.

* Manter o ambiente úmido é essencial para o sucesso com os vasos cerâmicos. Para isso vai exigir mais dedicação e criatividade, como colocar uma fonte de água ou até mesmo criar um laguinho para que essa umidade se faça presente.

* A escolha do vaso plástico para cultivar permite fornecer grande umidade para as raízes, mas de nada adianta usar um substrato muito absorvente e que demore a secar, pois a chance de acontecer um desequilíbrio e apodrecimento das raízes é bem maior.
Nessa opção de plantio muitos cultivadores utilizam pedras e pedaços de madeira dura e pouco absorvente.

* Uma grande parte das Cattleyas preferem vasos cerâmicos.

* Os vasos em formato de cuia, são os mais usados para Coelogyne.

* Os pratinhos de plásticos, que são usados para ficar embaixo de vasos, podem ser usados para o cultivo de Bulbophilum com sucesso, pois a umidade é melhor e a aeração também, além de terem um tamanho ideal pelo tipo de crescimento dos Bulbophilum.

florlago

vasos

Com o a proibição da comercialização dos vasos de xaxim, quem cultiva orquídeas teve que buscar outros meios de cultivar suas plantas, orquidófilos de toda parte tem buscado encontrar meios de cultivo que seja tão bom quanto os encontrados em vasos de xaxim.

Para isso é necessário ter um pouco de conhecimento sobre a orquídea que se pretende cultivar. Nem sempre o que é bom para uma espécie é bom para outra, para algumas espécies o melhor é um substrato que demore mais a secar já para outra isso pode levar a podridão e morte, tem orquídeas que se dão bem ate mesmo sem nenhum substrato, como é o caso das Vandas, que podem ser cultivados em vasos sem nenhum substrato.

Tão importante como ter um substrato ideal, é ter um vaso também que seja o melhor para aquela planta. Ai surge a pergunta: qual o melhor vaso para se cultivar minha orquídea? É senso comum entre os orquidófilos que os vasos de barro são os melhores para o cultivo da grande maioria das espécies de orquídeas.

Por algumas razões eles mantêm uma temperatura ideal, os vasos de plásticos esquentam muito com o sol.
Eles mantêm a umidade sem reter água, tem uma boa drenagem e oxigenação, as raízes das orquídeas também respiram é não gostam de ficar completamente abafadas, ajudam a controlar a acides do substrato. Acides muito alta pode levar uma orquídea à morte.

Por serem porosos secam mais rápido. Excesso de umidade é a principal causa de doenças fúngicas e bacterianas.

CASTELO

vaso

A beleza que um vaso exibe por fora, depende, em grande parte, do que está escondido dentro dele. São várias camadas, cada qual com sua função. Por isso, é bom conhecer o interior de um vaso (que muda um pouco de acordo com a espécie a ser plantada) e saber o que deve ser usado caso você queira, mesmo que só uma vez na vida, ser um jardineiro.

Existem vasos para todos os gostos e uso. Eles podem ser de plástico, de barro, de concreto, de vidro, de metal… mas não leve em conta somente a aparência na hora de escolher, pois  alguns outros itens são bem importantes, como o tamanho, por exemplo, que deve ser proporcional à altura final da planta e ao volume das raízes. Por isso, antes de qualquer coisa, é importante informar-se a respeito da espécie que pretende plantar, procurando saber sobre seu crescimento e características.

Algumas plantas, como as ervas, crescem rapidamente, já outras, como as lenhosas (de caule mais alongado, tipo a espada-de-são-jorge) são mais lentas. De qualquer forma, à medida que a planta vai crescendo, o vaso pode ficando pequeno. E uma dos sinais que indica que sua plantinha está precisando de um vaso maior são raízes enoveladas, formando uma espécie de esponja. Mas para saber se esse é o caso, é preciso retirar a planta do vaso.

Se você notar que a planta está mesmo sofrendo com pouco espaço, providencie um vaso maior e trate de replantá-la. Na hora que fizer isso, nem precisa trocar a terra, mas é bom aproveitar para adubá-la com esterco, húmus de minhoca, farinha de osso ou outros nutrientes fortalecedores.

O que você vai precisar na hora do plantio:
Vaso; muda de planta; manta de poliéster; terra com compostos orgânicos; pá de mão e regador.

1. Drenagem – uma camada de mais ou menos 2 cm de cinesita, argila expandida ou brita tem a função de drenar a água da rega.

2. Manta Bidim ou manta de poliéster – tem a função de filtrar a água e evitar que a terra se infiltre por entre as bolinhas de argila (ou pedras), entupindo o dreno. Se você não conseguir comprar esse tipo de manta, pode usar areia grossa (dessas de construção), que também ajudam no escoamento da água e previnem doenças das raízes.

3. Solo – a composição da terra depende do tipo de planta que você vai cultivar. Por isso, como eu já disse antes, é sempre bom informar-se sobre cada espécie.
Alguns exemplos:
- plantas desérticas, como cactos e suculentas, precisam de uma porção com metade de areia e metade de terra adubada.
- para samambaias e avencas, o ideal é colocar 50% de fibra de coco e o restante de terra vegetal.
- as espécies ornamentais, como palmeiras e begônias, pedem uma terra com 90% de terra vegetal e mais 10% de uma mistura de fibra de coco e bagaço de cana.

4. Torrão – na hora que for transplantar, dissolva com os dedos a terra do torrão para facilitar a adaptação das raízes.

5. Acabamento – a função do acabamento é decorativa. Você pode usar a mesma argila expandida que utilizou no fundo para dar esse toque final, cascas de árvores, que ainda ajudam a manter a umidade do solo, pedriscos ou plantas rasteiras, que evitam que a água respingue na hora da rega. Aqui na Jardinaria, na maioria das vezes, usamos cascas de pínus ou pedriscos.

Impermeabilização
Os impermeabilizantes servem para proteger o vaso e manter a umidade, porém, alguns profissionais contra-indicam o seu uso, pois eles reduzem a respiração das raízes. Mas, caso você opte por utilizá-los, passe uma camada generosa no interior do vaso e espere que o produto seque completamente antes de plantar. Caso você não queira usar impermeabilizantes, saiba que o seu vaso pode ficar sujeito ao bolor, mas aí você pode eliminar as manchas com vinagre ou água sanitária.

hands

vasos
Barro
-
Qualidades positivas: porosidade, equilíbrio térmico estável à temperatura ambiente permeabilidade, que permite a transpiração do excesso de umidade do substrato.
- Qualidade negativa: Menor resistência ao impacto.

Xaxim
O material de que são feitos os vasos de xaxim é obtido pela extração de partes do caule de uma espécie de planta nativa nas regiões de mata atlântica da costa brasileira, conhecida popularmente como samambaiaçu (Dicksonia selloviana), infelizmente em avançado processo de  extinção.
- Qualidades positivas: São voltadas apenas para o cultivo das espécies que requerem um substrato de umidade elevada.
- Qualidades negativas: Estão direcionadas às espécies de plantas que não suportam uma umidade elevada e quase permanente do substrato.

Madeira
É de  bela aparência, e de pouca durabilidade.

Cimento
É um dos materiais mais utilizados para a fabricação de vasos, devido  a sua alta resistência e durabilidade.
- Qualidades positivas – boa porosidade, alta resistência a impactos.
- Qualidades negativas: Peso elevado e baixo equilíbrio térmico.

Amianto
Qualidades positivas – boa porosidade, baixo peso, boa resistência estrutural e bom isolamento térmico.
Qualidade negativa: aparência grosseira quando não recebe bom acabamento.

Plástico (PVC)
Servem apenas como recipientes de cultivo transitório  pois, devido ao  fato de suas paredes serem totalmente impermeáveis.

Metal (estanho, bronze,latão,cobre etc)
São totalmente inadequados a essa finalidade, provocam reações químicas adversas. Devem ser utilizados como cachepôs.

Vidro
São apropriados para flores de corte.

Fibra de vidro
É um material totalmente impermeável e com deficiências térmicas, razão. Deve ser usado apenas como cachepô.

A importância da drenagem
O furo  que deve existir no fundo dos vasos é responsável pelo escoamento do excesso de água das regas, evitando encharcamento e conseqüentemente apodrecimento das raízes. Para evitar entupimento do furo de drenagem, são colocados estrategicamente no fundo dos vasos, cacos de telha, de blocos ou brita, para que só depois sejam colocados o substrato e a espécie botânica com a devida forração.

221l