Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘pragas’

orquidea-doente
- Algumas se transmitem por contágio, que pode ocorrer quando se introduz uma planta contaminada na coleção, ou por meio de instrumentos, como tesouras e canivetes (por isso, desinfete-os bem após usa-los em cada planta).

2- A não observância de fatores como luminosidade, umidade, temperatura e ventilação também pode provocar a infestação em seu orquidário.

3- O excesso de umidade propicia a ocorrência de lesmas e caramujos. Proteja a planta envolvendo sua base com um chumaço de algodão. Mas se esta já estiver contaminada, destrua-os com iscas especiais à venda no comércio.

4- As cochonilhas e os pulgões aparecem geralmente em função da desidratação das plantas. As cochonilhas são muito resistentes à ação dos inseticidas comuns porque, uma vez fixadas à planta, se revestem com uma carapaça cerosa. Uma forma de combate-las é a limpeza cuidadosa com uma escova de dentes macia embebida em caldo de fumo-de-rolo. Os pulgões estragam os botões, as folhas e os brotos bem novos.

5- Outras pragas que atacam as folhas são: os tripes (insetinhos de 0,5 mm com quatro asas), que surgem quando o ar é quente e seco; a aranha vermelha (de 0,5 mm), e a larva mineira (besouro de 2 mm de comprimento), que perfura verdadeiros túneis nas folhas de orquídeas.

6- A vespa dos brotos é uma espécie de larva que se instala no interior dos brotos, deformando-os. Neste caso, corte o broto e destrua a larva.

7- Há três tipos de doenças causadas por vírus, que atingem a planta internamente: a) a bexiga que forma máculas em baixo-relevo no interior das folhas, sem alterar-lhes a cor; b) estrias, manchas ou máculas irregulares nas flores, que enfraquecem a planta até mata-la; c) máculas amarelas irregulares ou manchas pretas com áreas amarelas ao redor, provocadas por um vírus conhecido como “mosaico”. Essas doenças se transmitem por contagio. Em qualquer dos casos, corte a parte atingida.

8- As doenças causadas por bactérias ou fungos manifestam-se quando há excesso de sombreamento. Algumas fazem surgir manchas, tipo queimadura, nas folhas; outras, como a podridão negra, destroem bulbos inteiros tornando-os moles e cheios de líquido pútrido; a podridão parda ataca os rizomas e a base dos bulbos, destruindo a planta gradativamente. O melhor remédio para isso é o corte das partes afetadas.

9- Se a sua planta apresenta pontinhos brancos imóveis como se fossem “casquinhas”, está definhando e você não sabe explicar o motivo, comece a desconfiar: ela pode ter sido atacada por cochonilhas. “São insetos que sugam continuamente a seiva da planta”. Dependendo da variedade pode atacar brotos, pseudobulbos e folhas. Pertencem à ordem de insetos denominada Homoptera e são “parentes” das cigarrinhas e pulgões.

Observe também se há presença de formigas na planta. Como as cochonilhas se alimentam da seiva, as formigas procuram a secreção açucarada eliminada. “Parte dessa solução açucarada cai sobre as folhas e um fungo negro, conhecido como fumagina, cresce sobre ela e reduz a área de fotossíntese da planta”. A formação deste “pó” preto é mais um indício de que há o ataque de insetos sugadores. Em troca da substancia açucarada, as formigas protegem as cochonilhas, por isso causam um dano indireto. É preciso eliminar as cochonilhas para acabar com o problema e não adianta exterminar só as formigas.

As cochonilhas causam clorose e podem transmitir doenças às orquídeas.

10- A Hemelia causa grandes estragos nas folhas das ONCIDIUNS, MILTONIAS e outras orquídeas. Produz manchas oleosas e amareladas, cobertas na página inferior por um verdadeiro feltro amarelo, lembrando a “FERRUGEM” de outras plantas e composta pelos concidióforos do fungo responsável. Combate: pulverizações com solbar a 5% ou lisofórmio a 1% ou outro produto que sirva à finalidade. Aparece mais freqüentemente nas plantas expostas diretamente aos raios de sol.

“Todas as plantas doentes devem ser afastadas das sãs e tratdas de acordo com as regras”.

24

orquidea_phaius_tankervilleae

Numerosas são as entidades que se dedicam às orquídeas e muitos os orquidófilos em todo o território nacional. Mais de cinqüenta exposições de orquídeas são levadas a efeito por todo o Brasil, e é deveras surpreendente que os associados tragam de longas distâncias seus vasos com plantas, para mostrar sua beleza, seu estado cultural e seu estado sanitário. Da mesma maneira que todas as plantas cultivadas, as orquídeas também estão sujeitas a diversas pragas, parasitas de origem vegetal e animal.
A incidência dessas pragas é motivo de muitas preocupações por parte dos orquidófilos. Dentre estes parasitas, apenas nos ocuparemos no momento, daqueles de origem animal e pertencentes aos grupos de insetos, ácaros e moluscos. Na classe dos insetos, encontramos a incidência de insetos das seguintes ordens:

Thysanóptera; Hemíptera; Homóptera; Lepidóptera; Coleóptera; Hymenóptera; Díptera.

De cada uma destas ordens daremos alguns caracteres que permitam identificar as pragas pertencentes ao seu grupo, bem como as espécies mais comuns encontradas no cultivo das orquídeas.

1 – Ordem Thysanóptera
Esta ordem compreende os insetos conhecidos pelo nome genérico de “trips”.  São de pequeno porte, com o corpo estreito e dotado de dois pares de asas de tipo peculiar (franjadas), que, estando o inseto em repouso, se dispõem longitudinalmente na linha mediana do corpo. As formas jovens são geralmente amareladas, e os adultos escuros ou mesmo pretos. Os machos são de menor tamanho do que as fêmeas. O desenvolvimento se processa por paurometabolia, isto é, não há metamorfoses completas. As formas de insetos jovens são semelhantes aos adultos, embora não tenham ainda asas. São fitófagos, possuem aparelho bucal do tipo picador-sugador, peculiar a esta ordem (raspador).
Há nas lavouras de cacau, da cebola, do algodão, bem como no cultivo de plantas ornamentais, a incidência desses “trips”. A famosa “lacerdinha” é encontrada geralmente entre os hibiscos. Duas espécies são assinaladas entre as orquídeas: o Taeniothrips xanthius Williams e o Anaphothrips orchidearum Bondar, em Minas Gerais e Bahia. É preciso bastante atenção nas plantas originárias desses Estados, os quais atacam as Laelias e Cattleyas, produzindo lesões simétricas nas folhas, por se introduzirem entre elas quando ainda estão novas, fechadas. Esta característica é bastante observada nas plantas atacadas pelo Heliothrips haemorrhoidalis Bouché, cujo desenho anexamos.

Deve ser usado um dos inseticidas encontrados no mercado que seja de baixa toxicidade, de preferência sistêmico, isto é, de ação prolongada.
Poderá ser utilizado ainda um dos antigos defensivos agrícolas caseiros, cuja fórmula é a seguinte:
Calda sulfo-cálcica a 32 graus B. …………… 150 g
Água …………………………………………………. 10 litros
Sulfato de nicotina a 40 % ……………………… 10 cc

2 – Ordem Hemíptera
É o grupo dos chamados percevejos das orquídeas, vulgarmente conhecidos por “baratinha vermelha das orquídeas”. Estes insetos estão entre os que mais têm provocado estragos entre as orquídeas, notadamente pelo Tenthecoris bicolor Scott, igualmente descrito por Reuter como sendo Eccritotarsus orchidearum. Causam a stigmonose, que tanto deprecia as plantas por eles atacadas.
Estão entre os insetos desta ordem os famosos e perigosos “barbeiros”, causadores do “Mal de Chagas” e os percevejos comuns encontrados em lugares sem a devida higiene.
A saliva do Tenthecoris hidrolisa os hidratos de carbono, sendo até mesmo capaz de dissolver a celulose das folhas. Provocam igualmente condições para transmitir doenças viróticas às plantas. Possuem aparelho bucal do tipo picador-sugador. Entre as orquídeas são também encontrados o Neofurius carvalhoi Costa Lima e o Neoneelia zikani Costa Lima, ambos com os mesmos hábitos do Tenthecoris bicolor Scott.
O desenvolvimento desses insetos assemelha-se muito entre as várias espécies. Quando larva, parecem-se com uma pequena formiguinha com 1,5 mm de comprimento, de cabeça globosa e avermelhada e com olhos escuros, o abdômem é maior que a cabeça, São avermelhados, com exclusão do mesotorax e das patas que são brancas.
As antenas possuem quatro segmentos, sendo o último deles um tanto maior. Passando pelo estado ninfóide, chegam ao estado adulto, apresentando a forma normal.

Os mesmas produtos e recomendações inerentes à ordem anterior (Thysanóptera), poderão ser igualmente aplicados.
Plantas ainda não instaladas (coletadas), deverão ser imersas em 20 litros d’água, com uns 20 cc de um bom inseticida sistêmico, facilmente encontrado no mercado, ou ainda em:

Água …………………………………. 20 litros
Sulfato de nicotina a 40% ……….. 25 cc
Sabão comum ………………………. 400 g

3 – Ordem Homóptera
Esta ordem engloba espécies muito divergentes quanto ao porte e aspecto, pois nela estão inclusas as cigarras, os pulgões e as cochonilhas. Apresentam dois pares de asas semelhantes, membranosas, que em repouso não se cruzam. Desenvolvem-se por paurometabolia, sendo comum a partenogênese. Sugam tanto a parte aérea das plantas quanto suas raízes. É relativamente comum o dimorfismo sexual, como se verifica facilmente entre as cochonilhas, em que o machos possuem uma evolução normal e as fêmeas não. Embora de vida efêmera, os machos são alados, locomovendo-se totalmente, enquanto as fêmeas (todas elas) têm vida fixa.

Entre as principais cochonilhas que infestam os ripados e culturas de orquídeas, citamos as seguintes:

Diaspis boisduvalii
- Diaspis boisduvalii Signoret
Entre as orquídeas, esta é a que marca mais sua presença nos ripados, formando colônias de aspecto lanoso, ou massas brancas, nas quais machos e fêmeas encontram-se protegidos por secreções cerosas, formando fios. Os meios de combate consistem na aplicação de inseticida liquido, após a remoção das cochonilhas, por meio de um pincel mais ou menos resistente Para tal fim recomenda-se o uso de uma solução de água e sabão de coco. Deve-se usar um inseticida sistêmico, preferência recomendada para as plantas em brotação.

Parlatoria proteus

- Parlatoria proteus Curtis
A ocorrência desta cochonilha é manifestada no cultivo de Laelias, Cattleyas e seus híbridos. Formam carreiras paralelas junto à nervura central da folha. São de coloração um tanto escura, a partir da cor ocre.
Os meios de combate aso idênticos aos anteriores, devendo-se usar um pincel de cerdas um pouco mais duras, pois são de difícil remoção.

Chrysomphalus ficus- Chrysomphalus ficus Ashmead
Esta cochonilha tem a aparência de cabeça de prego. Ocorre entre os Dendróbiuns, Coelogynes, Vandas, Cymbidiuns e outras orquídeas de folhas finas e de pouca substancia. São dotadas de forte carapaça e muito resistentes aos inseticidas. O uso de inseticidas sistêmicos é o sistema mais recomendado, além da remoção cautelosa, para não ferir as folhas.

Asterolecanium epidendri

- Asterolecanium epidendri Bouche
Vista através de uma lupa esta cochonilha apresenta ao seu redor uma franja esbranquiçada, de aspecto ceroso. Muito embora ataque preferencialmente os pseudobulbos, tem sido também encontrada nas folhas, notadamente nas folhas coriáceas, como as das Cattleyas, Laelias e Vanillas. É comum encontrá-las nos Epidendruns.
Para eliminá-la, usar os mesmos produtos e cuidados para a eliminação do Diaspis boisduvalii. Uma escova de dente média tem dado melhor resultado que o pincel.

- Furcaspis biformis Cockerell
Raramente tem sido notada esta cochonilha entre as orquídeas pelo menos nos últimos tempos. Já foi entretanto praga comum nos orquidários, notadamente nos que portavam orquídeas oriundas das matas, e que não tivessem sido limpas e pulverizadas com fungicidas e passadas pela ação de um bom inseticida.
O expurgo gasoso fumigatório é o mais recomendado no seu combate. Não havendo essa possibilidade, recomenda-se uma cuidadosa limpeza de cada planta.

- Conchaspis bahiensis Lepage
Esta cochonilha descrita por H. S. Lepage, foi constatada entra as partidas de Encyclia oncidioides trazidas da Bahia. A simples limpeza com água e sabão de coco e posterior aplicação de um inseticida, foi o bastante para eliminar tal cochonilha. Hoje a mesma é raramente constatada nos ripados.

- Icerya brasiliensis Hempel
Apresentando forma avantajada com relação às demais cochonilhas, as Icerya são facilmente identificáveis. Tão comuns no passado, a ocorrência delas praticamente inexiste. Concorreu muito para tal, o uso de inseticidas sistêmicos, além de melhor profilaxia. As Icerya são de coloração esbranquiçada, apresentando dois ápices, um em cada extremidade, sendo um deles a cauda. Lembra-nos quase o aspecto de um camundongo, quando vistas sob uma lupa. As fêmeas desta cochonilha, ao contrário das de outras que possuem vida fixa, costumam movimentar-se de um lugar para outro com certa regularidade. Os meios de combate são semelhantes aos anteriores.

- Niveaspis cattleyae Lepage
Descrita por Lepage, esta cochonilha é de pouca freqüência nos nossos ripados. Está quase que erradicada. Uma boa limpeza com escovinha, água e sabão é necessária no seu combate. Depois, aplicar a solução de sulfato de nicotina a 40% já descrita anteriormente.

Coccus pseudohesperidium- Coccus pseudohesperidium Green
As fêmeas desta cochonilha estão entre as maiores das que conhecemos presentes
nas plantas dos nossos ripados. É comum vê-las rodeadas pelas formigas. Os meios
de combate são os mesmos já citados para as outras cochonilhas. Hoje esta praga está praticamente erradicada, sendo portanto bastante rara.

Entre os pulgões que atacam as orquídeas, os mais comuns têm sido os seguintes:

Macrosiphum luteum

- Macrosiphum luteum Buckt.
Conhecido por muitos como pulgão amarelo das orquídeas, este afídeo tem sido uma constante preocupação por parte dos cultivadores de orquídeas. É comum vê-los junto aos brotos novos ou nas hastes florais, formando inúmeras colônias, onde machos e fêmeas estão sempre em constante movimento. Quase sempre se acham “pastoreados” pelas formigas, que neles têm a obtenção de um produto adocicado. Causam a atrofia nos brotos e das hastes florais. O uso de um bom inseticida é o suficiente para eliminá-los. Usa-se também removê-los com pincel de cerdas bem macias.

Aphis sp- Aphis sp.
Este afideo é conhecido por “pulgão preto”. Os malefícios são os mesmos do seu predecessor, bem como iguais são os meios de eliminá-los.

Cerataphis lataniae

- Cerataphis lataniae Boisd.
Este inseto da Ordem Homóptera, lembra-nos à primeira vista uma cochonilha.
Entretanto, possuindo também forma alada, locomove-se com bastante freqüência. É praga comum nos Estado de São Paulo e outros vizinhos. A aplicação de inseticidas deve ser feita sempre com maior freqüência, pois temos notado uma maior incidência e também o retorno da praga. Os inseticidas sistêmicos são os mais adequados.

Produtos químicos:
Existem vários deles nas boas casas do ramo, sendo que seu uso deve ser sempre seguido à risca, conforme as recomendações dos fabricantes.

14-3

pulgoes-amarelos

Ataque de pulgões pode debilitar e matar plantas; sabia como acabar com a praga.

Quem vê o tamanho de um pulgão dificilmente acredita que um bicho tão pequeno, com no máximo 5 mm de comprimento, possa colocar em risco a saúde de tantas plantas ornamentais. Mas quem já observou a voracidade desses insetos pôde entender por que eles estão entre as pragas mais perigosas às espécies vegetais, ao lado de besouros, formigas e gafanhotos. Quando não controlada rapidamente, a infestação de pulgões pode ser fatal.

Sedentos sugadores de seivas, os pulgões excretam um líquido açucarado que favorece o crescimento de fungos de coloração escura, levando à diminuição da área fotossintética da folha. Esse mesmo líquido funciona como atrativo para formigas e, para piorar torna a planta mais suscetível a doenças causadas por fungos e bactérias.

Considerando os pulgões que atingem espécies cultivadas e silvestres, estima-se que haja cerca de mil tipos diferentes desses insetos, que podem ser pretos, brancos, marrons, amarelos, cinzas e verdes.

Folhas mais novas e delicadas são os alvos preferidos desses intrusos, que vivem em colônias. Os grupos são compostos quase que exclusivamente por animais do sexo feminino, que se reproduzem rapidamente por partenogênese, ou seja, sem participação de machos. O resultado da infestação pode ser notado em pouco tempo, primeiramente através de folhas amarelas e enroladas, depois do atrofiamento da planta.

Operação de salvamento
Capazes de migrar por grandes distâncias, levados pelo vento, os pulgões podem aparecer em qualquer época do ano, mas os períodos mais propícios ao ataque são a primavera, o verão e o início do outono.

Algumas espécies, como a Aphis nerii, podem atingir até mesmo plantas tóxicas como a espirradeira, mas apesar da resistência desses insetos, controlar o seu desenvolvimento em ambiente doméstico não é tarefa complicada.

A principal recomendação é jamais tentar eliminar as colônias com inseticidas em aerosol indicados para controle de pragas urbanas, como baratas, pulgas, moscas ou pernilongos. Isso porque alguns tipos de pulgões, como o Myzus persicae e o Aphis gossypii, podem desenvolver resistência a esses pesticidas químicos, sobretudo quando aplicados repetidamente. Sem contar que o veneno tende a eliminar os predadores naturais do pulgão.

A presença de joaninhas, tesourinhas, bicho lixeiro, entre outros, é uma das formas mais eficazes para minimizar o aparecimento de pulgões. O controle biológico pode contar também com pequenas vespinhas parasitóides que colocam ovos dentro do corpo dos pulgões e alimentam-se do conteúdo interno do hospedeiro. “O pulgão parasitado transforma-se em uma múmia, adquirindo aspecto e coloração diferente dos demais”, explica Teresa. A pesquisadora recomenda que essas múmias jamais sejam removidas, uma vez que darão origem a outra geração de parasitóides que atacará outros pulgões sadios.

A guerra conta o pulgão pode ser vencida, ainda, com a aplicação de inseticidas de baixa toxicidade (malatiom, piretrinas) específicos para uso em plantas ornamentais. Outra estratégia de combate eficiente é a pulverização de extratos vegetais naturais, como a calda de fumo (ver receita abaixo).

Por fim, vale lembrar que ter plantas saudáveis passa também pela realização constante de podas de limpeza, pela utilização de substratos livres de pragas, e por limpezas manuais periódicas, com um chumaço de algodão umedecido com água e sabão neutro.

Receita de calda de fumo caseira
Fórmula é indicada para uso em pequenas áreas para controle de pulgões

Ingredientes:
250 g de fumo de corda
100 ml de álcool hidratado (comum)
1 litro de água fervente

Modo de preparo:
Pique o fumo de corda e coloque-o numa vasilha com tampa. Acrescente a água fervente e tampe, deixando a mistura em repouso por 24 horas. Depois disso, agite o conteúdo e filtre-o em pano fino espremendo bem para retirar o máximo de extrato. Acrescente o álcool, que servirá de conservante para a solução. Guarde-a em um frasco escuro. Para o tratamento das plantas infestadas, dilua 100 ml da solução de fumo em 1 litro de água. Acrescente dez gotas de detergente caseiro (para quebrar a tensão superficial da água) e pulverize sobre as plantas. Repita a aplicação quando necessário.

barrinha-de-flores4

Dasineura-rhodophaga - larva de roseiras

A larva deste inseto é branca e mede cerca de 1,8 mm quando adulta. Encontram-se cerca de 20 a 30 larvas nos brotos infectados.

Danos
Os novos brotos e botões tornam-se castanhos, depois ficam negro. Os botões de flor murcham, abortam e morrem. A floração é afetada durante o verão.

Como encontrá-los
Inspecione regularmente os brotos, com uma lupa, procurando larvas na base dos botões e das folhas jovens. Este inseto costuma estragar sobretudo as flores, mas pode causar graves danos também à roseira.

Medidas Preventivas Ecológicas
Corte e elimine todas as extremidades afetadas para destruir as larvas.

Na Primavera, coloque um plástico de cor escura por baixo das roseiras para conseguir ver e eliminar as larvas “maduras” que se deixam cair por terra.

No Outono, escave um pouco a terra à volta dos pés de roseira, expondo assim a larva ao tempo e aos predadores.

Obs.: Os meios de luta química não são muito eficazes neste caso, o melhor é apostar mesmo na vigilância e eliminação precoce, evitando que se reproduzam e propaguem.

formigas

nematoides

Nome Científico: Meloidogyne sp, Pratylenchus sp, Radopholus similis, Aphelenchoides sp
Partes Afetadas: Folhas, flores, caule, raízes, bulbos e tubérculos
Sintomas: Tamanho reduzido de órgãos vegetais ativos, necrose de folhas, raízes e flores, bulbos e tubérculos mal formados.

Os nematóides são minúsculos organismos que vivem em diversos ecossistemas, ocorrendo em quase todas as regiões do mundo.
Podem ser vida livre, não causando danos a outras espécies; podem alimentar-se de restos de outros animais ou plantas, sendo chamados de saprófitas; e podem ser parasitas de animais ou plantas.

Um exemplo prático desses animais são as conhecidas lombrigas que parasitam os seres humanos.
Já os nematóides que parasitam plantas, são encontrados nas raízes e no solo. São pragas importantes em grandes culturas como a soja em diversos estados brasileiros.

Também é grande causador de perdas em plantas ornamentais, seja na produção em larga escala ou em jardins domésticos. Os nematóides sobrevivem melhor em regiões com temperatura de solo acima de 28 °C. M. arenaria é muito comum em locais com solos arenosos. M. hapla é mais encontrado em clima ameno e tolera temperatura de solo abaixo de 12 ºC. M. incognita e M. javanica são mais cosmopolitas e são bem adaptados às diferentes condições climáticas brasileiras.

Os danos causados pelos nematóides são principalmente: redução no desenvolvimento das plantas que ficam com todos os órgão com tamanho reduzido, necrose nas folhas e raízes, tubérculos e bulbos mal formados, coloração anormal em folhas e flores. Além disso, deprecia o valor econômico dos vegetais.

Os nematóides parasitas de plantas mais comuns são: Meloidogyne sp, Pratylenchus sp, Radopholus similis e Aphelenchoides sp.
Os nematóides não têm grande mobilidade, movimentando- se alguns poucos metros durante seu ciclo de vida.

As formas mais comuns de disseminação a longas distâncias são: erosão de solos pela água da chuva, comercialização de substrato ou vegetais contaminados, descarte de substratos contaminados.O controle preventivo certamente é o mais eficaz e econômico contra esta praga.

O uso de substrato livre de nematóides, bem como aquisição de plantas sadias, destruição de restos de plantas infectadas.
Em áreas maiores como jardins, podem-se cultivar plantas antagônicas aos nematóides como crotalárias, que tem potencial uso ornamental e/ou Tajetes sp, que além de serem lindas ornamentais, liberam substâncias nematicidas nos substratos.

Ainda, a falta de umidade interrompe o ciclo da praga, de forma que secar ao sol o substrato é uma eficaz medida de controle.
Para um combate mais efetivo, recomenda-se o uso da Torta de Neem, que com uma única aplicação é capaz de erradicar a praga, entre em contato com o técnico no telefone abaixo ou por e-mail.

10523

inseto

Suas plantas ficaram infestadas com insetos? Por que isso ocorreu? O que fazer?
Entenda melhor sobre tudo isso.

Por que meu jardim é atacado por insetos?
São vários os motivos. Dentre eles:
1 – a planta pode ser suscetível ao ataque de insetos. Algumas plantas tendem a ser mais infestadas por determinados insetos que outras. A couve-manteiga, por exemplo, é normalmente infestada de lagartas;
2 – A planta pode estar com muito stress. Plantar em local inadequado, em falta de nutrientes, quantidade inadequada de regas, entre outros fatores, pode deixar a planta frágil, aumentando assim o ataque de insetos;
3 – A localização do jardim pode ter tendência a ser atacado por determinados insetos. Em regiões onde há muitos gafanhotos, é comum o ataque de gafanhotos no jardim;
4 – O ambiente pode estar desequilibrado;
5 – O uso indiscriminado de inseticidas causou fortalecimento da espécie de inseto, tornando-o muito resistente.

Devo usar inseticida?
Na maioria dos casos, é recomendável que inseticidas sejam evitados no seu jardim. Existem alguns inseticidas específicos que são hoje vendidos nos supermercados e casas de jardinagem. Mas nunca utilize inseticidas agrícolas em residências, pois eles são muito tóxicos, e seu uso doméstico é proibido por lei.
Listamos aqui alguns métodos para você controlar os insetos do seu jardim sem utilizar inseticidas.

Como controlar as pragas no jardim sem inseticidas?
Algumas são as recomendações para controlá-los:
1 – Verifique se a planta está na condição mais adequada de iluminação, regas, adubação, etc. Se for possível, torne o ambiente o mais favorável possível à planta;
2 – Veja se a região é infestada daquele inseto, se for, procure trocar as plantas por plantas que não são atacadas por esses insetos;
3 – Para infestação de pulgões, podemos deixar um pouco de fumo imerso na água por um dia, peneirando em seguida e utilizando o líquido resultante para aplicação nas plantas infestadas. Isso costuma ser eficiente sem ser agressivo às plantas e às pessoas;
4 – Evite ao máximo o uso de inseticidas, pois podem ser muito danosos;
5 – Se forem poucos os insetos, procure matá-los manualmente;
6 – Não matem os insetos que não estão atacando a planta e nem representam algum perigo às pessoas e animais. Esses insetos podem ser os predadores naturais dos insetos-praga. A joaninha, por exemplo, se alimenta de pulgões, devendo ser mantidas;
7 Se nenhum dos cuidados anteriores diminuir a infestação da praga, é recomendável a substituição da planta por outra mais resistente ao inseto.

linha de flores

emurchecimentojpg

Emurchecimento – A causa provável é um ataque de pragas ou doenças no sistema radicular ou cuidados inadequados, como água em excesso, secura excessiva ou um arrefecimento repentino.

veget

Vegetação raquítica – Primeiro, suspeite de um ataque de aranhiços vermelhos ou de outros insectos sugadores, especialmente afídios ou cochonilhas-lapa. Senão, a causa poderá ser um ataque de pragas ou doenças no sistema radicular. Nos pelargónios suspeite de uma doença causada por vírus.

manchas

Manchas brancas pulverulentas – São provocadas por um fungo designado por oídio.

teia

Teia fina – A teia começa nas páginas inferiores das folhas e alastra a estas e aos rebentos. Indica um ataque de aranhiços vermelhos.

zona

Zonas pretas ou castanhas em decomposição – Nas plantas adultas, a causa é provavelmente um apodrecimento do caule e do colo. Se o apodrecimento se situa na base de uma estaca inserida em mistura para enraizamento, suspeite de podridão do pé. O apodrecimento dos caules das plântulas resulta de damping off.

desap

Desaparecimento das pontas dos caules e entalhes irregulares nestes – Estas plantas devem estar a ser atacadas por lagartas, bichas cadelas ou gorgulhos. Os entalhes irregulares são provocados por estas pragas, que roem as partes mais suculentas da planta. Devem ser exterminados imediatamente.

folhas

Amarelecimento e emurchecimento das folhas – Se a planta não estiver a ser atacada por pragas sugadoras, tais como afídios, cochonilhas, ácaros, aranhiços vermelhos ou moscas brancas, a causa poderá estar em condições de cultura deficientes. Considere todos os aspectos dos cuidados adequados.

amarel

Amarelecimento sem emurchecimento – Esta anomalia pode ser causada por luz muito forte ou por clorose – excesso de calcário na mistura de envasar ou na água. A clorose em geral só se verifica em plantas que apreciam condições ácidas, como as camélias ou as gardénias. A maneira mais fácil de tratar a clorose é com aplicações de sequestrene ou de um composto de ferro.

buracos

Buracos ou margens dentadas – A causa é um insecto roedor. Procure lagartas, bichas-cadelas ou gorgulhos.

deform

Deformações – Se as folhas se enrolam de uma maneira pouco natural ou apresentam deformações, suspeite de um ataque de pragas sugadoras, tais como afídios, ácaros dos cíclames ou aranhiços vermelhos ou tripes. Nos pelargónios a causa pode ser uma virose.

extrem

Extremidades castanhas e secas – As plantas com folhas compridas estão bastante sujeitas a este problema. O ar ou a mistura estarão secos? Estarão as folhas a ser danificadas pelas pessoas que roçam pela planta?

folha

Folhas a cair – Se as folhas começarem a cair subitamente e a planta não estiver a iniciar o seu periodo de dormência, trata-se provavelmente de negligência no que respeita aos cuidados devidos.

folhas_enro

Folhas enroladas – Se as extremidades estão unidas por uma teia branca, procure uma lagarta verde ou uma pupa castanha dentro da folha enrolada. Trata-se de uma infestação de uma lagarta enroladora nas folhas

formações_encor

Formações encortiçadas – As manchas húmidas nas folhas podem estar na origem do problema. A doença, conhecida por edema ou crosta de cortiça, resulta em geral da rega excessiva dada à planta cultivada em luz insuficiente.

manch

Manchas – Porções descoloridas de forma irregular – amarelas, castanhas ou pretas – são normalmente indício de más condições de desenvolvimento.

man_irreg

Manchas brancas irregulares – Devem-se a larvas minadoras de folhas.

man_pret

Manchas pretas de bolor – Trata-se de fumagina, uma doença causada por um fungo, a qual é um dos efeitos secundários da infestação de insectos sugadores, como ácaros e aranhiços vermelhos.

perda

Perda de variegação – Não se trata de uma doença. As plantas têm tendência a voltar às suas cores originais. Corte todos os ramos que tenham folhas verdes. Se as folhas estão a perder a cor gradualmente, a razão é luz insuficiente.

pont

Pontuações – As folhas podem ser afectadas por uma grande variedade de pontuações e manchas, desde pequenas e de forma regular a grandes e irregulares e de húmidas e salientes a secas e côncavas. A sua causa mais provável é a negligência nos cuidados requeridos, mas podem também ser devidas a infecção por bactérias ou vírus. As pontuações castanhas pequenas, arredondadas e planas são as mais comuns e a sua causa é, em geral, a rega ou a pulverização descuidada.

pont_ama

Pontuações amarelas – A causa provável é uma ataque de sugadores de seiva. Nos pelargónios e nas peperónias pode também ser um sinal de doença por vírus, se ao mesmo tempo se verificar deformação nas folhas.

risc

Riscas – A presença de riscas vermelhas ou esbranquiçadas anormais deve-se provavelmente a uma infestação de ácaros dos bolbos nos hipeastros ou de tripes em qualquer outra planta. As folhas compridas e esguias de muitas plantas bolbosas podem ainda ficar torcidas e deformadas, com crostas castanhas ou encarnadas ao longo das margens.

subs

Substância pegajosa – Trata-se de uma secreção de insectos sugadores – como os afídios, cochonilhas ou moscas brancas. Quando a acumulação de líquido é muito grande, este pode cair em gotas do vértice das folhas.

inseto4

Manejo – Tratos Culturais do Jardim
Uma grande área com plantas da mesma espécie, pode facilitar o surgimento e rápido desenvolvimento de pragas e doenças, e mesmo depauperar o solo, visto que há uma concorrência pelos mesmos nutrientes. A necessidade de suplementação dos nutrientes do solo, é obrigatória, e a falta dela está diretamente relacionada ao ataque de pragas e doenças.

Combatendo as formigas
Das 12 espécies de formigas, conhecidas como cortadeiras, que habitam os jardins, 2 são encontradas com mais facilidade. A saúva e a quenquém.
Para pequenas áreas, o melhor remédio é fazer o controle preventivo, com meios mecânicos, impedindo que as formigas cheguem até as folhas das plantas. Assim, elas acabem tendo de procurar outras fontes de alimentos, o que não é difícil, já que de acordo com os agrônomos cerca de 77% dos vegetais são considerados adequados à dieta das cortadeiras.

Veja a seguir alguns métodos de controle de formigas:
Espalhar sementes de gergelim no formigueiro ou no caminho das formigas pode garantir a redução das cortadeiras.

Amarrar um saquinho de pano, de preferência gaze, cheio de pimenta vermelha na planta é um outro macete bastante usado.

As árvores podem ser protegidas enrolando-se ao redor dos seus troncos uma faixa melada com algum tipo de graxa.

Existe também uma cinta de plástico, encontrada no mercado, que impede as formigas de subirem nas árvores.

Outras dicas
Plantar mudas de hortelã-pimenta, calêndula e batata-doce, distribuídas pelo local atacado pelas formigas pode ser uma boa saída. Menta, lavanda, manjerona, absinto, cravo-da-india e alho podem servir de repelente, quando espalhados pelo jardim. Existem iscas específicas para saúvas e para as formigas quenquém, disponíveis no mercado, mas somente com receita agronômica. Agora, se elas já estiverem fazendo estragos no jardim, tente o controle natural com uma receita à base de angico: Pegue 1 kg de folhas de angico e deixe de molho em 10 litros de água durante 10 dias. Depois, coe o líquido e aplique nos “olhos” dos formigueiros encontrados. Se sobrar o produto, guarde-o em vidros tampados, para que possa ser reutilizado, sempre que elas resolverem voltar.

Outras pragas
Tatuzinhos –
Evitar a umidade excessiva em vasos e canteiros;
Percevejos- Evitar a umidade excessiva em vasos e canteiros;
Caramujos, lesmas e tatuzinhos – Latas de pouca espessura contendo sal e cerveja também são bastante atraentes para estes pequenos insetos.
Ácaros – Adicionar sabão à calda de fumo comum e pulverizar na folhagem.
Cochonilhas – Pulverize inseticidas naturais, tais como Calda de fumo. Pode-se ser usado também a emulsão de óleo mineral.
Pulgões – Macerado de urtiga.

lagartas

Phalaenopsis danificada por bactérias

Phalaenopsis danificada por bactérias

Para garantir plantas saudáveis e bonitas, existem três regras básicas:
*
Higiene e limpeza no ambiente de cultivo;
* Estado sanitário das plantas;
* Condições ambientais favoráveis à planta e não às pragas e doenças.

Essas três regras permitem a prevenção no mais possível o ataque de pragas e doenças que, uma vez instaladas, são difíceis e demoradas de controlar. O ambiente onde se cultivam as plantas, além do fato do cultivo ter melhor aparência, evita a instalação de pragas, visto que folhas mortas e secas, raízes velhas cortadas, poeira acumulada, detritos, vegetação rasteira nos vasos, são, seguramente meios propícios ao desenvolvimento de microorganismos nocivos.

A boa saúde da planta é outro fator de impedimento à instalação e proliferação de pragas e doenças. Uma planta tem seus mecanismos de defesa, e, estando forte e saudável, resiste melhor às pragas e repele e vence as infecções. Dito isto, é essencial uma adubação adequada, capaz de suprir as necessidades básicas da planta. O excesso, escassez, ou insuficiência são igualmente nocivos.

A limpeza da planta é também importante à sua saúde. Folhas e bulbos sujos de pó ou outros detritos, dificultam a fotossíntese, além de retardar e mesmo impedir a absorção de carbono e oxigênio. Remova as bainhas dos bulbos, espatas e hastes florais secos ou apodrecidos, assim como bulbos e folhas afetados por pragas ou doenças, secos ou mortos. Ambiente confinado, poluído, ou com ar estagnado oferece condições propícias à disseminação de fungos, ácaros e bactérias, que acabam por infectar as plantas. Outros males que afetam as orquídeas são:
* as infecções por viroses, bacterianas e fungos e ácaros.
* as pragas, tais como, insetos e outros animais que se alimentam do tecido da planta. São eles:
- os que se aninham na planta ou no substrato em que é cultivada (cochonilhas, afídios, oídios, míldios, lavras, lesmas, piolhos, caracóis, tatuzinhos, besourinho vermelho, nematóide, etc.
- os voadores que causam mal indireto ao por seus ovos dentro do bulbo, dentro do qual as lavras se desenvolvem alimentando-se dos tecidos internos (tentecoris e a Mordistella). As viroses são incuráveis, devendo a planta ser incinerada.

As pragas são combatidas com inseticidas e acaricidas: Makathion, Tamarone e Diazinon. Lagartas, grilos e gafanhotos combater com Orthene. Não exceder a mais que 4 aplicações/ano.

As infecções fúngicas (manchas negras ou pardas, afundamento das folhas) se combatem com fungicidas (não cúpricos, ou com pouco teor de cobre – Cerconyl, Benlate, Dithane). As infecções mais graves são a podridão negra, que é mortal. Deve-se cortar as partes afetadas, aplicando uma pasta fungicida no tecido ainda sadio; podridão parda da coroa (nas monopodiais) sobretudo quando a bainha do bulbo novo permite a acumulação de água, como que formando um cálice. Botritys, que se forma danificando flores e folhas por excesso de umidade, e tempo frio ou chuvoso.

3827

plantas-aromaticas-e-medicinais
Para que você tenha ervas sadias são necessários certos cuidados para proteção contra as pragas e doenças. Utilize produtos caseiros e adote medidas preventivas. Evite os produtos químicos que sempre acabam acarretando algum problema para as plantas e as pessoas.

As doenças que atacam as hortas, geralmente não podem ser vistas a olho nu, pois são provocadas por bactérias, fungos ou vírus. Mas as pragas podem ser facilmente identificadas, pois, entre elas, incluem-se as formigas, lagartas, pulgões, caracóis, lesmas, grilos, tesourinhas, besouros, percevejos, gafanhotos e outras.

Para prevenir a incidência de doenças ou pragas, você deve observar diariamente a plantação, retirar os insetos e suas larvas ou ovos, e também eliminando as plantas doentes. Evite machucar os caules das plantas; pois nesses machucados podem penetrar insetos ou microorganismos causadores de doenças. Aqui vão algumas dicas para você livrar suas plantas dos males mais comuns.

Pulgão – O pulgão, um inseto sugador de aproximadamente 2mm de comprimento, com um formato de pêra, é um velho e feroz inimigo das hortas. Ele aparece geralmente nas brotações novas, na face dorsal das folhas e nos caules macios. O pulgão pode ser branco, verde, marrom, cinza, preto e azul, e seu inimigo natural é a conhecida joaninha.

Para combater o pulgão, quando ele está iniciando seu ataque recomenda-se água morna com sabão, que deve ser espargida sobre a planta e depois enxugada. Uma outra maneira de acabar com ele é o uso de extrato de fumo, um eficiente inseticida, que não prejudica a planta, mas que deve ser manuseado com cuidado, pois, sendo tóxico, pode causar danos aos seres humanos.

Há três maneiras de se conseguir o extrato de fumo. A primeira consiste em deixar um pedaço de fumo de corda de molho na água; até que esta se torne amarelada. A segunda maneira é ferver, durante meia hora, 100 gramas de fumo, em um litro de água. A terceira forma de se produzir esse extrato é colocar o fumo em um recipiente com álcool e um pouco de água. Depois de o fumo ter absorvido todo líquido, deve-se adicionar mais álcool e água, deixando de molho num recipiente fechado, durante quinze dias. Em qualquer dos casos, o extrato de fumo deve ser guardado numa garrafa bem fechada.

Cochonilha – Outro famoso sugador de hortas é o inseto cochonilha, que pode ser encontrado em dois tipos: com ou sem carapaça. Os que tem carapaça podem ser vermelhos, marrons ou pretos. Já o sem carapaça são brancos ou rajados. Os dois tipos atacam os ramos, a face dorsal e as axilas das folhas, fazendo com que fiquem amarelas.

A calda de fumo funciona muito bem no combate ao tipo que não tem carapaça. Para acabar com a outra espécie, no entanto, recomenda-se uma mistura de água, sabão, querosene e extrato de fumo ou extrato aquoso de melão-de-são caetano.

Ácaro – Os ácaros, parentes das aranhas, são aracnídeos que medem meio milímetro, têm o formato oval. É bastante comum, podendo ser encontrado nas cores amarela, vermelha ou branca. Ele é um sugador inconfundível, porque faz uma espécie de teia nas folhas, que parece ferrugem. Os frutos, as flores e as brotações novas são sua refeição favorita. Você pode combatê-lo, com eficiência, usando também a calda de fumo, com um pouco de sabão ralado e um pouco de enxofre. Existem ácaros nocivos aos vegetais, podendo, por isso, representar importante método de controle biológico para a redução de pragas diversas.

Lesma e CaracolO controle pode ser feito catando os bichinhos e esmagando-os assim que forem vistos, ou então fazendo armadilhas, com tampinhas, onde são colocados sal e cerveja ou sal e chuchu. Esses ingredientes atraem os moluscos, que morrem ao ingeri-los.

Vaquinha – A vaquinha é um besourinho verde, com manchas amarelas nas asas, medindo de 5 a 6mm. Ela come as folhas, e pode acabar com toda a planta. Você pode catar as vaquinhas sempre que ver, ou então usar o arbusto maria-pretinha para atraí-las. Coloque-o perto das plantas e quando as vaquinhas se juntarem, pegue-as todas de uma só vez.

Lagartas – Você pode controlar a incidência de lagartas esmagando seus ovos ou catando os próprios bichinhos nas plantas. Ou ainda, aplicando água de fumo.

ervas-1