Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘dicas’

Amarílis_

A amarílis é uma planta herbácea e florífera adorada por todo mundo. Ela é originária do cruzamento de duas plantas diferentes. Foram os holandeses os principais responsáveis pelo seu melhoramento, criando esta classe de híbridas que faz tanto sucesso.

No entanto, a amarílis tem o problema de que quando floresce, costuma ser apenas uma vez por ano, as vezes pode ser até duas mas ainda assim é pouco tempo para apreciar estas flores que podem chegar a ter até 10 cm de largura. Mas existe uma forma de fazer com que elas floresçam novamente.

Quando a floração chega a seu fim e as flores começam a desaparecer ou cair, você deve cortar o caule dois centímetros acima do bulbo.

Amarílis_1

Deixe o bulbo do amarílis num local seco, escuro e fresco para que ele possa descansar. O local ideal é dentro de um saco de papel (como os de padaria, usados para colocar pão) escuro, este saco pode ficar dentro da gaveta de legumes da geladeira. Neste estado as folhas vão começar a murchar e cair, o bulbo ficará intacto.

Espere entre oito e doze semanas, após isso, retire o bulbo da geladeira, do saco e plante-o. O local deve possuir terra fértil, boa fluidez de água e uma boa incidência solar para que o amarílis volte a florescer.

Em casos de inverno rigoroso
O amarílis deve permanecer dentro de casa e protegido de geadas durante o inverno. Mantenha o bulbo sempre úmido mas nunca encharcado demais.

Adicione substrato, fertilizantes ou adubos orgânicos na mistura da terra do amarílis. Leve-o para fora quando o risco de geada estiver cessado.

Amarílis_22

Geralmente, este método funciona muito bem para que ela floresça novamente, mas você também pode usar métodos de multiplicação para não ter que esperar tantas semanas para que ela possa florescer novamente.

A amarílis pode ser reproduzida por  estaquia, mantendo as características genéticas da planta que a originou mas podendo florescer da mesma forma. O método utilizado é estaquia de raízes.

pingosnas folhas

Sophronitis cernua_1

A orquídea é uma flor bonita e muito delicada, que precisa de muitos cuidados para se manter sempre bonita. Precisa de uma temperatura, irrigação e luz adequadas. Também precisa que a trate de imediato caso tenha algum fungo ou infecção por alguma bactéria.

Você deve estar querendo saber porque quer saber por que sua orquídea tem as folhas amarelas. Conheceremos agora todas as causas das folhas amarelas nas orquídeas e também alguns detalhes sobre os cuidados que precisam, desta forma poderá cuidar delas como merecem.

Excesso de luz e temperatura
As orquídeas são plantas com flores e folhas delicadas que precisam de muitos cuidados para se manterem em um bom estado de saúde, florescer e ficarem bonitas, trazendo alegria e serenidade onde estiverem. De seguida, uma explicação dos  principais motivos para a sua orquídea ter as folhas amarelas.

A primeira coisa que tem de verificar é a luz que as suas orquídeas recebem. Estas flores precisam de absorver a luz natural, mas também é verdade que uma luz excessiva aumenta a temperatura da terra e queima-as. De fato, um dos motivos pelos quais as orquídeas têm as folhas amarelas é porque se queimam com o sol. Daí a sua cor passar de ser verde a ter um tom mais amarelo.

Excesso de água
A quantidade de água com a qual rega as suas orquídeas também pode ser determinante na hora de saber por que tem as folhas amarelas. Quando as orquídeas recebem muita água, as suas folhas incham e se tornam de cor marrom ou amarela. Verá que a sua planta se torna macia e perde vitalidade. Se este for o seu caso, deverá apenas regar a sua planta com mais distância entre cada rega.

Fungos nas orquídeas
Muitas vezes os fungos nas plantas aparecem devido ao excesso de água, mas além disso há vários tipos de bactérias e micro-organismos que podem ser prejudiciais para a saúde da sua orquídea. A maioria deles resolvem-se comprando um produto específico de jardinagem em uma loja especializada em plantas e flores.

Se o fungo for a causa de um excesso de água, poderia notar que as raízes apodrecem e tanto o talo como as folhas e as flores ficam mais macios, além de ver umas manchas brancas na superfície da planta. Para resolver esta situação, além de usar o produto que lhe indicaram na loja especializada em jardinagem, deverá fazer a rega mais distanciada.

brassavola-tuberculata-1

Cuidados básicos das orquídeas
Estas plantas são delicadas, mas se souber bem como cuidar das orquídeas, encontrando o equilíbrio entre a quantidade de luz, calor e água que precisam. Siga estes passos simples para ter a sua orquídea sempre saudável e bonita:
* As orquídeas precisam de luz solar, mas não direta. Se tiver a sua junto a uma janela que recebe sol direto, coloque uma cortina na janela ou mude a orquídea de lugar;

* Se não conta com luz natural, pode instalar uma lâmpada especial para plantas, disponível em lojas específicas de plantas e flores;

* A água para regar as orquídeas não pode ter muito calcário. Precisa de água macia ou água destilada ou engarrafada para as regas;

* Tem a opção de instalar um filtro de osmose inversa, hoje em dia vendem-nos a preços muitos acessíveis. São aparelhos que regulam o nível de pH, calcário e dureza da água ideal para a sua planta. Isto é ideal para quem tiver várias orquídeas;

Cattleya forbesii
* A drenagem da planta é importante. Nunca deixe que a sua orquídea se encharque, nem que seque. O ideal é encher a base do vaso com umas bolas de argila com água. Estas bolas irão manter as raízes úmidas sem as apodrecer;

* Regue-a por imersão uma vez a cada 15 dias aproximadamente. Isto significa que deve colocar o vaso com a sua orquídea em um recipiente com água, de maneira a poder absorver o líquido desde a sua base não pela superfície (por onde normalmente regamos). Não deve deixar que a água toque na parte superior do vaso, para a planta não se encharcar;

* Outra opção é usar vaporizadores, mas neste caso teria que vaporizar a sua planta praticamente diariamente;

* As orquídeas precisam de 40% de umidade no ambiente. Se vive perto do mar, abrir a janela umas duas vezes por dia é suficiente. Se não for o seu caso, pode instalar uma pequena fonte que mantenha a água em movimento e colocá-la junto da orquídea.

Este truque aumentará a umidade do ar que a rodeia e verá que é uma opção que se torna decorativa.

chuva_22

estufagarrafapet

A Mini estufa é uma ótima opção para quem não tem espaço para cultivar ou tempo para ficar cuidando. É ideal para a germinação de sementes e também para fazer mudas.

É bem simples e não tem mistério nenhum, consiste basicamente em pegar duas metades de garrafas Pet (uma de diâmetro maior – Base – e outra menor – Cobertura ou Tampa) e encaixar uma na outra.

Passo a passo para uma mini estufa

miniestufa
Base
Cortar a metade inferior de uma garrafa Pet grande (a de Coca-Cola de 2,5 litros é a maior, mas podem ser usadas de outros tamanhos). Use um estilete seguindo o próprio contorno da garrafa como guia para o corte. Essa será a base da miniestufa.

estufa

Tampa
Qualquer outra garrafa Pet de diâmetro menor (não muito pequena para não escorregar até o fundo da base). Pets de 2,25 e se 2L de Coca-Cola servem perfeitamente na base de Pet de 2,5L.

Corte com um estilete seguindo o contorno da própria garrafa. Se for usada uma garrafa Pet lisa (como a de Pepsi), cortando-a no meio, tanto o fundo quanto a parte da tampinha podem ser usadas como tampas de mini estufas (servem na base de Pet de 2L e outras).

Obs: As partes já cortadas devem ser lavadas com água e sabão antes de serem usadas (não esqueça de retirar os rótulos). Quando for reaproveitar uma mini estufa, lave com esponja, água, sabão e cloro para retirar restos de substrato antigo, algas e evitar a disseminação de patógenos. Nunca reaproveite substrato antigo.

A base da mini estufa é sempre maior (em diâmetro) do que a TAMPA porque a umidade que se condensa na tampa escorrerá pela parede da mini estufa de volta para o substrato. Se a tampa for maior (mesmo que esteja bem ajustada na base) a água escorrerá para fora e a mini estufa secará.

A grande vantagem da mini estufa é manter um ambiente favorável ao desenvolvimento das sementes e mudas sem a necessidade de ficar regando toda hora. No começo é bom dar uma checada de 2 em 2 semanas até se familiarizar com o sistema, mas é raro precisar regar.

pequenas-estufas

Observações Importantes
- É altamente recomendado o uso de Substrato pronto para Floreiras por sua alta qualidade e ausência de patógenos. Use uma quantidade compatível com o desenvolvimento inicial da planta.

É fácil verificar quando as mudas pegaram pelas raízes visíveis no fundo da mini estufa transparente. A estadia na mini estufa é temporária, afinal é só um berçário, assim que a planta estiver desenvolvida deve ser transplantada para um vaso ou local definitivo.

É bom deixar a mini estufa em local bem iluminado para favorecer o desenvolvimento das plantas (pode até pegar o Sol da manhã ou da tarde), só não pode ficar no Sol o dia inteiro porque as mudinhas vão cozinhar lá dentro.

Quem mora em áreas de clima ameno não tem tanto problema, mas o pessoal do litoral (verão o ano inteiro) não pode se descuidar.

Prefira dias frios ou chuvosos para transplantar a muda da mini estufa para um vaso ou local definitivo porque a planta demora um pouco para se adaptar ao novo ambiente e vai murchar (ou até morrer) se o tempo estiver muito quente.

estufa

Se for plantada no local definitivo a muda deve ser protegida do Sol direto nas primeiras semanas. Dê atenção especial a plantas sensíveis (rosas, violetas, etc.), só quando começarem a brotar é sinal de que já se adaptaram.

A vedação da mini estufa é boa (as formigas não vão conseguir entrar), mas não é perfeita, portanto não se preocupe que as plantas não se sufocarão.

Só use galhos saudáveis e isentos de doenças para fazer mudas. Faça uma desinfecção prévia mergulhando-os por 20 minutos em uma solução de 2ml de detergente + 2 colheres (sopa) de cloro para 1L de água.

As garrafas Pet também servem como vasos desde que se façam furos de drenagem. É econômico e ecologicamente correto.

passarinho

bouganville

Morar em apartamento é, hoje em dia, uma realidade crescente nas grandes cidades e isso tem provocado uma grande procura por empresas e profissionais especializados em criar jardins para varandas e terraços.

“Quero um jardim na varanda do meu apartamento, com plantas bonitas e flores perfumadas!” – frases deste tipo têm sido ouvidas com freqüência pelos profissionais da área, pois fazem parte da realidade atual dos moradores dos grandes centros urbanos.

O medo da violência, a necessidade de novas moradias dentro de um espaço que não aumenta mais, o número crescente de pessoas que moram sozinhas (descasados, solteiros convictos, jovens independentes, etc.) são algumas das razões que explicam a proliferação dos edifícios de apartamentos.

A “nova realidade” gera necessidades básicas que precisam ser atendidas com rapidez, enquanto que outras, menos urgentes, ficam para depois, mas não são esquecidas. É o que acontece com as plantas.

Se não dá para caminhar no parque ou na praça a toda hora, as pessoas querem trazer um pouco da natureza para dentro do apartamento e, então surgem os problemas: Como escolher as espécies certas? Onde colocar? Como cuidar?

Gradualmente, foi surgindo um novo campo de trabalho: paisagistas, jardineiros, consultores e até decoradores são acionados para criar jardins em varandas e nas salas dos apartamentos.

E como as dúvidas são privilégios de quem faz, temos recebido inúmeras consultas sobre este tema. Entre as várias perguntas que recebemos, selecionamos a seguinte questão:

Brinco-de-princesa - (Fuchsia sp)

É possível usar trepadeiras nas varandas ou terraços de apartamentos? É perfeitamente possível incluir as trepadeiras nesses projetos, acrescentando um charme muito especial ao ambiente, uma vez que existem várias espécies adequadas, muitas delas com flores perfumadas.

Entretanto, é preciso observar que algumas apresentam uma exigência impossível de ser esquecida: aquelas que possuem caules compridos e frágeis precisam de um apoio ou suporte para crescer, como telas, treliças, arames, arcos, etc.

Antes de falar sobre as espécies mais indicadas, é interessante observar alguns aspectos característicos, pois as plantas devem ser escolhidas de forma a conciliar as condições do local (espaço e luminosidade, por exemplo) e forma como precisam se apoiar:

Algumas trepadeiras se sustentam no primeiro apoio que encontram pela frente e vão se enroscando em torno dele, num movimento espiral até atingir o topo, quando, então, caem em ramos pendentes.

Espécies que produzem flores costumam resultar num visual surpreendente. Para que a planta não se torne um emaranhado de galhos, é preciso cuidados periódicos que incluem condução e podas.

Mandevilla sanderi

Um bom exemplo é a madressilva (Lonicera japonica), com delicadas flores perfumadas.

* Certas espécies são chamadas de trepadeiras quando, na verdade, são “arbustos escandentes”. Caso específico da primavera (Bougainvillea) – seus ramos são muito flexíveis, crescem em movimento ascendente mas, depois, tombam com o peso das folhas e dos cachos floridos. A primavera só dá bons resultados em locais bem ensolarados e exige um espaço considerável.

clematis

As boas opções para áreas sombreadas
* Costela-de-adão
(Monstera deliciosa) – também conhecida como banana-do-mato ou banana-do-brejo, apresenta rápido crescimento e suporta bem as variações de temperatura. Recomenda-se conduzi-la sobre uma estaca coberta de musgo para que as raízes aéreas possam fixar-se.

Nunca pode as raízes, pois elas levam nutrientes à planta. Requer local sombreado, regas moderadas e poucos cuidados, entre eles, a aplicação de fertilizante líquido na primavera e no verão e a limpeza regular das folhas mais velhas.

* Jibóia (Scindapsus aureum) - sobrevive bem à sombra, mas precisa de boa luminosidade. Os longos caules, repletos de folhas, resultam num visual muito bonito. Há quem conduza seus caules em fios de nylon, emoldurando quadros ou outros detalhes da decoração. Requer regas moderadas e poucos cuidados.

* Filodendro
(Philodendron sp.) – planta de rápido crescimento, aprecia locais sombreados e não suporta correntes de ar. Se a varanda ou terraço estiverem sujeitos a ventos fortes, o ideal é colocar o filodendro próximo à porta de vidro, mas do lado de dentro do apartamento. Também dá ótimos resultados como planta pendente.

E para um jardim de cobertura
As principais condições que encontramos num jardim de cobertura são sol pleno e ventos fortes e constantes – ambos contribuem para que o solo se resseque rapidamente e as plantas percam água com facilidade. Por essa razão, neste tipo de jardim os cuidados com as regas e adubações devem ser redobrados.

As espécies mais indicadas para um jardim de cobertura são:
* Brinco-de-princesa
- (Fuchsia sp.) – indicada para o plantio à meia-sombra, mas tolera bem locais que recebam sol direto poucas horas por dia. Recomenda-se colocá-la no local mais protegido de ventos fortes. Apresenta uma floração abundante e delicada. Para um bom resultado visual, pode tanto ser educada para subir, como ser plantada como pendente.

ipomoea


* Ipoméia
(Ipomea) – Também conhecida como “campainha”, é uma planta resistente ao sol e ventos fortes, sendo ideal para coberturas. Produz flores, em formato de trombeta, apenas sob sol pleno. Por essa razão, deve-se observar bem a insolação do local para escolher a melhor posição. Dá excelentes resultados apoiando-se em treliças.

* Alamanda
(Allamanda cathartica) – Outra planta muito resistente para as condições de um jardim de cobertura. Produz folhas brilhantes e flores graúdas, mas também apenas sob sol pleno – na sombra ela não floresce.

Precisa de espaço e de suporte para manter um formato harmonioso. Também resulta num ótimo efeito, apoiada em treliças. Flores nas cores amarela (a mais conhecida), rosa, vermelho e laranja.

vento