Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cultivo’

glechoma_hederacea
Há diversos arbustos conhecidos, dentre eles está a Glechoma hederacea, também chamada de Hera-terrestre. Planta que pertence à família Lamiaceae e originária da Europa e Ásia.

A hera terrestre, também conhecida por diversos outros nomes, é uma planta herbácea, com característica rasteira, de florescimento e folhagem ornamentais. Suas folhas produzem um aroma e apresentam formação arredondada a reniformes, ou seja, com formato de rim, apresentando coloração arroxeada ou esverdeada, com pontas crenadas, e um comprido pecioladas.

Ainda há uma forma variada da planta, que possui as folhas margeadas de branco, sendo bastante comum para cultivar. Os ramos das plantas são longos, quase em formato quadrangular e apresenta áreas cobertas por uma lanugem fina. Da parte de onde provem os nós saem as raízes e os pecíolos foliares, fazendo com que a planta se espalhe pela superfície do lugar.

Essa planta apresenta flores bastante bonitas e delicadas, geralmente em formato tubular e axilar, com coloração que pode variar entre o roxo e o azul. As flores aparecem sempre na primavera. Determinadas variedades oferecem uma folhagem mais de aparência decorativa, enquanto as demais se sobressaem pelo florescimento em excesso.

Em razão de serem bastante variadas, as heras terrestres possuem um forte uso paisagístico. Elas servem tanto para cobrir os canteiros ou até mesmo os maciços que estão à meia sombra, para se transformar em verdadeiros tapetes, especialmente embaixo de arbustos e das copas das árvores. Em lugares com temperatura mais baixa, ela pode ganhar um pouco mais de luz solar, sendo uma excelente opção para ser usada em jardins rochosos, desde que tenham um pouco de umidade.

Quando a mesma é plantada diretamente em vasos, cestas pendentes ou jardineiras suspensas é capaz de formar charmosas e longas cabeleiras. Atuando tanto como pano de fundo para outras espécies de flores, tais como a boca-de-leão, o amor-perfeito, dentre outras. Entretanto, seu crescimento deve ser sempre muito bem supervisionado, já que a mesma pode fugir do controle, chegando a áreas como jardins e dentro da residência.

Apesar de ser bastante vistosa, ela é uma planta delicada e frágil, portanto, não suporta ser pisoteada. Além disso, durante o plantio é preciso que seja manuseada com bastante cuidado, bem como durante a etapa da adubação e do replantio. Para que ocorra a renovação de suas folhagens é necessário que se roce um pouco os arbustos, usando para isso lâminas bem afiadas, senão os galhos não são removidos de acordo.

Como cultivar
A Hera Terrestre deve sempre ser cultivada à meia sombra, num solo de grande fertilidade, bem adubado, com a drenagem adequada, e ainda enriquecido com uma grande de matéria orgânica, bem como uma rega frequente, pois ela gosta de água. Essa planta tem preferência pelo clima ameno e não suporta seu solo seco.

Quando se vai fazer a aplicação de fertilizantes, é importante que não se aplique aqueles que contenham o boro em sua composição, já que o mesmo apresenta toxidade para essa espécie. A planta não gosta também de muito calor, pois suas folhas e flores acabam murchando com grande rapidez. Sua multiplicação é mais eficaz quando feita através da estaquia dos ramos, mergulhia ou divisão das touceiras enraizadas.

Vasinho de Flores

roseira Meidiland

Atualmente tem sido bastante comum usar a plantação de roseiras rasteiras, usadas como uma forma de cobertura do solo, deixando de lado aquelas tradicionais, que crescem para cima e acabam ficando sem muito espaço para se desenvolver. Há uma grande variedade de roseiras rasteiras, especialmente as roseiras “Meidiland” e “Flower carpet” e ainda outras, que além de cobrirem o chão, ainda trazem um colorido especial ao ambiente.

Entretanto, a plantação das roseiras rasteiras precisa ser efetuada com bastante cuidado. É importante saber que as mesmas, com o decorrer do tempo perderão as suas folhas e, por isso, ficarão um tanto fragilizadas no tempo de dormência e necessitam de iguais cuidados que aquelas roseiras normais, ou seja, comuns.

Forma de Plantio
Dê inicio ao plantio a partir de poucas plantas, algo mais ou menos entre 3 a 7 plantas. Faça a preparação adequada da terra contando com grandes quantidades de matéria orgânica, e até mesmo usando produtos próprios para a compostagem. Faça o plantio das mudas usando as telas de proteção, que podem ser encontradas em centros de jardinagens e viveiros, buscando evitar o surgimento de infestações de pragas.

Deixe as plantas distantes umas das outras conforme o quanto cada variedade irá crescer. Se possível, faça a instalação de um sistema de irrigação através por gotejamento e, para que a roseira fique ainda mais bonita e florida, faça a cobertura da área com bastante mulch orgânico, que pode ser casca de árvore.

Características das Roseiras rasteiras
Fáceis de cultivar e bastante resistentes, as roseiras rasteiras mostram toda a beleza desta flor tão apreciada por homens e mulheres, mas diferentemente das comuns, está planta se estende e se expande por todo o solo. Estas espécies não exigem cuidados exagerados e têm uma folhagem mais resistente às doenças, e floresce durante todo o período de crescimento.

Estas plantas podem chegar a medir mais ou menos entre os 0,3 a 1 metro e podem se expandir até 02 metros de largura. Muitas das roseiras rasteiras não apresentam aroma algum, porém, esse fator é compensado pela imensa quantidade de lindas flores, que deixam qualquer cantinho mais alegre e bonito.

Como plantar
Dê inicio ao plantio a partir de poucas plantas, algo mais ou menos entre 3 a 7 plantas. Faça a preparação adequada da terra contando com grandes quantidades de matéria orgânica, e até mesmo usando produtos próprios para a compostagem. Faça o plantio das mudas usando as telas de proteção, que podem ser encontradas em centros de jardinagens e viveiros, buscando evitar o surgimento de infestações de pragas.

Deixe as plantas distantes umas das outras conforme o quanto cada variedade irá crescer. Se possível, faça a instalação de um sistema de irrigação através por gotejamento e, para que a roseira fique ainda mais bonita e florida, faça a cobertura da área com bastante mulch orgânico, que pode ser casca de árvore.

Dicas Para a Plantação
-
Escolha um lugar que bata bastante sol, já que quanto mais sol tiver o ambiente, mas flores as roseiras darão.
- Preste atenção também na drenagem do solo, que deve ser muito boa, para a roseira possa tirar mais nutrientes e se desenvolver melhor.
- Não se esqueça de fazer a adubação do solo usando bastante matéria orgânica.
- Coloque as mudas distantes um pouco uma da outra, ou plante as sementes com a mesma distância, para que as plantas possam crescer de forma adequada.
- Faça o combate diário das plantas de infestação.

- Há a possibilidade de se usar plantas rasteiras, tais como a pachysandra, a pervinca, e a hera, que se alastram formando um tapete grosso adequado para acabar com a infestação das plantas inimigas. Entretanto, as folhas das roseiras rasteiras não são tão fechadas ao ponto de asfixiar essas plantas, nem mesmo durante a alta do crescimento, já que durante o período da dormência as hastes podem ficar sem nenhuma folha.

Prevenir a infestação de pragas
Use sempre uma tela de proteção para plantar as roseiras rasteiras. Faça a aplicação de um herbicida pré-emergente já a partir da sementeira, especialmente no período que vai do começo da primavera e também no início do outono, isso irá impedir a  germinação das sementes ruins.

Uso no paisagismo
As roseiras rasteiras são bastante resistentes e colaboram num papel bastante importante no que se refere a paisagem. Elas trazem ao ambiente uma beleza mais rústica, especialmente nos lugares onde se quer cor, mas sem esconder nada do local.

Opções de uso
-
Demarcação de uma sementeira ou um caminho;
- Ajuntamento com a finalidade de montar uma franja de cor;
- Para cobrir um pedaço de encosta;
- Para cobrir uma parte de uma parede;
- Para formar uma baixa barreira impedindo o trânsito de pessoas;
- Fazer a delimitação de uma estrada, de maneira que o crescimento da roseira não permita o bloqueio da visibilidade.

Tipos de Roseiras Rasteiras
Roseiras Drift
Seu tamanho costuma não ultrapassar os 0,4 m de altura, chegando a mais ou menos 01 m de largura. As folhas possuem grande resistência às doenças, possuindo uma contínua floração, e apresentando um limitado crescimento.
Cuidados: A poda deve ser realizada a partir dos 10 cm sempre no começo da primavera.

Roseiras Blanket
Atingem o 0,5 m de altura e de largura apresenta uma estrutura maior, alcançando até 2 metros. A exemplo da Drift, também apresenta maior resistência a doenças, um limitado crescimento e uma continua floração.
Cuidados: De acordo com a forma de cultivo, poderá apresentar um arqueio e não se expandir. Observe muito bem o formato dela antes de partir para a plantação.

Roseiras Flower Carpet
Chegam a medir 01 m de altura por mais ou menos 01 m de largura. Ao contrário das demais, não se alastram tanto pelo solo, já que possuem uma elevação maior. Para fazer uma cobertura adequada, a plantação deve ser mais acentuada, que para os outros tipos. A diferença entre esta espécie e as demais é que no caule dessa é possível se encontrar espinhos, e ainda a Flower Carpet é muito mais resistente a períodos de estiagem.
Cuidados: No começo da primavera a planta pode atingir apenas 1/3 de seu tamanho total, por isso, não há razão para desespero.

Roseiras Meidiland
Diversas espécies podem atuar como coberturas do solo, a exemplo de: Fire Meidiland, vermelha, White Meidiland, Ruby Meidiland, e ainda a espécie muito bonita, chamada de Magic Meidiland, com coloração rosa magenta.
Cuidados: Todas essas roseiras ora destacadas apresentam maior agressividade e vigor que as demais e, em razão disso, as mesmas são perfeitas para serem utilizadas como coberturas de encostas.

Roseiras Shrublet
São as roseiras menores, chegam a medir bem menos que 75 cm e possuem a forma de arbusto e não expansivo como as demais. Para conseguir que haja uma cobertura eficiente do solo é melhor plantar uma quantidade mais generosa dessa planta.

Exemplos dessas roseiras: Rabble Rouser, com a cor amarela, Gourmet Popcorn, com o meio amarelo e branco, Teeny Bopper, com cores branca e vermelha e ainda a What a Peach, como o próprio nome diz, de coloração pêssego.

riach

rosa-trepadeira-vermelha

O nome científico da Rosa trepadeira é Rosa hybrid. É uma família de roseiras híbridas, desenvolvidas especialmente, para cumprir com essa função, contendo flores mais bonitas e ainda galhos com maior flexibilidade.

Essa planta é como se fosse um arbusto escandente, já que não possui sustentação que permita fixar num suporte, para que a mesma tenha a aparência de trepadeira, é necessário que seja amarrada.

É uma planta perene e pertence à família das Rosaceae e sua origem é o Japão, e parte da região asiática.

Seu porte é ligeiramente grande, chegando a medir até 06 m de altura. Quase sempre as flores dessa roseira apresentam um suave perfume, alcançando um tamanho piramidal, com diversas cores, dentre elas: amarela, branca, rosa e vermelha, despontando quase todo o ano, especialmente durante a primavera.

Ela apresenta um fino caule, flexível e longo e para se desenvolver precisa de bastante luminosidade solar.

Todas as roseiras preferem bastante umidade, entretanto, sem deixar que o solo fique encharcado. É importante que se regue entre duas e três vezes por semana, especialmente entre os meses mais quentes do ano e somente uma vez nos meses mãos frios.

A preferência do clima pra essa roseira é frio e ameno.

As podas devem ser feitas de formas anuais, leves e proporcionando a renovação.

Essa planta gosta bastante de se desenvolver num solo areno-argiloso, que possua grande parte de matéria orgânica e ainda uma drenagem adequada, podendo suportar tranquilamente os ventos. Apesar disso é uma roseira bastante delicada, que pede um pouco mais de cuidado que outros tipos de plantas.

O melhor tipo de fertilização feita para essas roseiras é o uso de NPK, com a fórmula 06-12-06, colocando o produto em volta do caule, mas não diretamente nele.

O plantio delas é perfeito para serem colocadas em muros, paredes, cercas, pórticos, e pilares, entretanto, é necessário que se faça a amarração adequada.

A forma de se plantar a roseira é através de estaquia de galhos, especialmente durante o verão e a primavera.

Cada muda ensacada dessa roseira sai em média por R$ 3,00, vendida nas cidades produtoras, como Holambra. Porém, nas floriculturas o valor é mais alto.

Qualquer pessoa que esteja habituada a lidar com roseiras sabe que a roseira trepadeira é bem mais resistente que as outras, tendo um perfeito desenvolvimento, se estiver num ambiente adequado. Elas resistem melhor ao ataque das pragas e precisam de quase nenhum monitoramento durante a fase de crescimento.

Além de regar normalmente, fazer uma pequena poda e acrescentar os fertilizantes corretos, os únicos trabalhos que se tem com essa planta, o que mais se fazer é sentar e apreciar a beleza e o perfume das flores durante a época de verão e primavera. Esse tipo de roseira é bastante escolhido por aquelas pessoas que não têm grande experiência no cultivo, pois não requer uma criteriosa manutenção e cuidados, mas ainda assim é dotada de grande beleza.

Materiais que Devem ser Usados no Cultivo
*
01 Vaso com tamanho aproximado de 40 cm de diâmetro;
* 01 Pacote de Cascalho para ser depositado no fundo do vaso;
* 01 Pacote de terra da o envasamento;
* 01 Muda de Roseira trepadeira;
* 01 Pacote de cobertura vegetal, mas não solta, em pedaços;
* 01 Pacote de Fertilizante com numeração 10-54-10
* 01 Tesoura própria para se fazer a poda da roseira.

Procedimentos de plantio
*
A primeira coisa a se fazer é por no vaso uma camada que possua aproximadamente 05 centímetros de cascalho, para que o mesmo cubra o fundo do recipiente. Até a metade do vaso, cubra com a terra de envasamento.
* Retire a roseira trepadeira do saco que a envolve e faça a separação cuidados da raiz principal e das raízes exteriores, para fazer com as mesmas cresçam com maior facilidade no solo.
* Force um buraco no meio do vaso e no lugar disponha a roseira, de forma que fique na mesma profundidade que estava no saco de muda. Cubra toda a volta com o restante da terra de envasamento e reforce ao redor da base da roseira usando a força das mãos.
* Depois que tiver plantado a muda, ponha água na nova roseira. Logo depois, coloque uma leve camada de cobertura vegetal de aproximadamente 2,5 cm sobre a terra de envasamento, mas tomando cuidado para que ela não chegue muito perto do caule da roseira.
* Deixe o vaso num lugar que bata sol direto durante mais ou menos seis horas e regularmente.
* Durante a época do crescimento é importante que se mantenha roseira podada, fazendo a remoção das flores mais velhas. Esse procedimento irá contribuir para um novo florescimento da roseira em toda sua fase de renovação.
* É importante que a rega seja feita todos os dias, para que a terra seja mantida úmida e envasada o suficiente.
* Faça a fertilização da roseira sempre depois do surgimento das primeiras flores. Faça a mistura da água com o fertilizante, de acordo com as instruções trazidas na embalagem, tudo adequado com o diâmetro do vaso. Ponha a mistura ao redor da base da roseira, tomando cuidado para não colocar na folhagem. Faça essa fertilização ao menos uma vez durante o mês quando estiver em crescimento.
* Durante o período do inverno, ponha o vaso com a roseira num ambiente fechado, como uma garagem para que o mesmo seja protegido do frio. Essas roseiras que são cultivadas em vasos não se adaptam bem ao inverno, pois os vasos não protegem adequadamente as raízes das mais severas temperaturas.
* Caso queira proporcionar uma maior proteção à planta, deixe-a enrolada num serapilheira quando ficar em ambiente fechado.
* Sempre faça a poda da roseira entre o fim do inverno e o início da primavera, período em que a mesma se encontra em estado dormente. Remova aproximadamente um terço da planta, retirando os tocos até chegar ao broto. Remova pouco acima do broto e trace um corte voltado para o lado de fora, fazendo um ângulo com 45º.

1961222pue9132moc

Tabernaemontana divaricata

Planta da família Apocynaceae, originária da Ásia. Trata-se de um arbusto o perene, lenhoso, florífero e bastante ramificado. Apresenta folhagem compacta, com folhas grandes, verde escuras e brilhantes. Seus ramos tendem a crescer paralelamente ao solo, dando à planta um interessante formato horizontal.

Como em muitas outras espécies da família Apocynaceae, seus ramos vertem uma seiva leitosa quando partidos. Floresce esporadicamente o ano todo, mas com mais intensidade na primavera, despontando inflorescências em cachos terminais, com flores brancas, perfumadas e cerosas.

As flores têm as pétalas levemente torcidas, lembrando um catavento. Ocorre ainda uma variedade de flores dobradas, conhecida como ‘Flore Pleno’

No paisagismo, o jasmim-café é um arbusto ideal para emoldurar cenários e dividir espaços. Com sua folhagem espessa, pode ser plantado isolado, em conjunto com outras espécies, mas especialmente em renques, formando cercas-vivas informais ou formais, de acordo com o estilo do jardim. É usual também conduzi-lo como arvoreta, com tronco único.

Tabernaemontana divaricata1

Apresenta baixa manutenção que se restringe a adubações semestrais e podas anuais, que lhe garantem a forma e simetria. Também pode ser plantado em vasos, adornando pátios e varandas.

Seu cultivo deve ser sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, profundo, drenável e irrigado regularmente no primeiro ano de implantação.

Aprecia o clima tropical e deve ser resguardado do frio intenso ou geadas. Não tolera longos períodos de estiagem, mas pode resistir à salinidade de áreas litorâneas. Em regiões de clima temperado pode ser conduzido em estufas.

Para um arbusto mais compacto, cultive sob sol pleno e faça podas anuais de formação. Sua multiplicação é feita por estaquia dos ramos e por sementes.

Importante:
Todas as partes dessa planta são tóxicas. Maneje com cuidado e mantenha longe do alcance de crianças pequenas e animais domésticos.

Casa-na-floresta_663

images

A cebola é um vegetal popular no jardim caseiro, pois tem uma ampla variedade de uso, seu cultivo é fácil e requer muito pouco espaço. Além disso, elas têm uma fase vegetativa de crescimento curta, que significa que você pode começar a colher no outono ou primavera e então secá-las e armazená-las para uso no inverno.

O que será necessário: terra de jardim, bulbos de cebola, colher de pedreiro, garfo para jardinagem e água.

- Esses vegetais não são tão exigentes quando se trata de condições de cultivo, mas eles têm, sim, algumas preferências. Escolha um lugar com bastante espaço e luz solar diária. As cebolas crescem muito se lhes for dado espaço suficiente, então se lembre de que quanto maior a área que você reservar para o seu cultivo, maiores ficarão as cebolas. Evite plantar em locais onde plantas ou árvores maiores façam sombra.

A cebola cresce bem em canteiros elevados, por isso, se você não tiver um espaço adequado no jardim, é possível construir um canteiro elevado separado para sua plantação de cebola.

- O solo para a plantação dos bulbos de cebola devem ser preparados no outono. Em seguida, faça linhas que podem ser longas mas que a distância entre elas seja de 30 centímetros e a profundidade deve ser de 10 centímetros.

- Depois cubra com ráfia de solo a cama de cebola. É um modo para manter bem longe as ervas daninhas e também facilita na hora de tirar detritos e folhas.  Também pode ser um problema o gelo das geadas achatando os sulcos. Use o garfo para soltar o solo e quebre e vire a terra na profundidade de 10 centímetros.

- No meio de cada sulco cave uma trincheira e medida deverá ficar entre 1,25 a 5 cm. O bulbo da cebola deverá ter o lado pontudo par cima. A distância entre eles deve ser de 5 centímetros e se for usar cebola madura, essa distância deverá aumentar para 15 centímetros.

- A cebola é uma planta relativamente delicada, pois tem raízes frágeis que podem ser facilmente prejudicadas por ervas concorrentes. Use uma enxada para remover as ervas-daninhas que emergem, em vez de arrancá-las; puxar essas plantas pode danificar a raiz da cebola e complicar seu crescimento.

- Regue as cebolas todas as tardes e complemente com fertilizante à base de nitrogênio uma vez por mês, para nutrientes. Uma me após o plantio, cubra o vão entre cada sulco com folhas secas, para armazenar umidade e afastar ervas concorrentes.

- É necessário ficar de olho na manutenção e as ervas daninhas devem ser retiradas regularmente. Durante o período vegetativo a planta deve ser molhada com 2,5 centímetros de água. Se as ervas daninhas tomarem conta das cebolas elas hibernarão porque estarão sobrecarregadas. O resultado será a colheita de cebolas pequenas.

- Se quiser que suas cebolas tenham um sabor um pouco mais suave, regue com mais água do que você faria normalmente.

- Se alguma cebola florescer, ela deve ser recolhida. Essas cebolas floresceram prematuramente, provavelmente devido ao stress (causado tanto pelo calor, quanto pelo frio excessivo), e não continuarão a se desenvolver em tamanho ou sabor. Para impedir que isso aconteça, proteja suas cebolas do frio repentino cobrindo-as com uma tela, e regue-as bastante durante ondas de calor.

- Escale com intervalo de duas semanas, as plantações dos bulbos de cebolas, durante o período da primavera. Isso ajudará aumentar a safra das cebolas maduras.

Quando as cebolas plantadas estiverem maduras é possível misturar com fertilizante e dar mais força a raiz. Isso ajudará na hora da colheita no início do verão.

por do sol

Hibiscussabdariffa-Roselle
A vinagreira. é um arbusto perene da família das Malváceas que pode atingir cerca de 2 a 3 m de altura. É uma planta pertencente gênero Hibiscus, que compreende cerca 200 espécies de plantas.

De origem africana e asiática, é conhecida popularmente como hibisco, hibiscus, rosela, groselha e quiabo-de-angola.

Seu caule possui poucas raízes e com tonalidade mais avermelhada. Suas folhas apresentam aspecto simples sendo que as da parte de baixo e de dentro são ovadas e as de cima lobadas, com longo pecíolo e de cor roxa. As folhas são bastante suculentas e apresentam um gosto ácido, um pouco até adstringente. Enquanto que as flores xiliares, têm cor rosada, cujo pedúnculo possui cor vermelha.

O conjunto formado pela corola e pelo cálice é a parte fundamental da planta, sendo reconhecido como fruto, com aparência de uma cápsula ovalada, contendo cinco lóbulos, cobertos com pelos picantes e finos, que guarda muitas sementes.

Nas plantas novas, as folhas são inteiras e simples, mas depois, com o seu crescimento, as novas folhas são recortadas, formando de 3 a 5 lóbulos. Existem seleções com maior ou menor quantidade e tamanho de folhas, nas cores verdes ou avermelhadas.

Vinagreira-Hibiscus-sabdariffa
As flores apresentam os dois sexos na mesma flor (hermafroditas), são axilares, formadas ao longo da haste da planta e podem ser amarelo-pálidas, rosa-arroxeadas ou purpúreas. Os cálices são carnosos e vermelhos, com mais ou menos 2 centímetros de comprimento, e recobrem os frutos ovais onde estão as sementes.

Vale lembrar que este hibisco não é o hibisco ornamental tão comum nos jardins do Brasil, conhecido popularmente como hibisco-da-china ou rosa-sinensis.

Cultivo
Por se tratar uma planta adaptada ao clima quente, se desenvolve bem em temperaturas superiores a 21ºC. O solo ideal para o cultivo deve ser bem drenado, profundo e com alto teor de matéria orgânica.

Quanto à adubação, recomenda-se apenas adubo orgânico, sendo indicado colocar 2 litros de composto orgânico ou húmus de minhoca por cova antes do plantio. À medida que a planta for se desenvolvendo, pode-se fazer adubações de cobertura utilizando os mesmos adubos, só que desta vez colocando-os a 10 cm do colo da planta. Não há necessidade de usar agrotóxicos em nenhuma fase do cultivo.

A África é um dos maiores produtores de Vinagreira, e o país que mais a importa é a Alemanha, agregando valor aos cálices vindos da África. Já sua flor é muito utilizada na preparação de geleias, doces e xaropes.

riach

Daniela Tasmanica

A espécie ornamental é usada para decoração de jardins, no paisagismo, pertence a família Xanthorrhoeaceae. A origem da Dianela é da Tasmania, da Oceania e da Austrália. Se inclui em pelo menos quatro categorias, que são: gramados, forrações, folhagens  e forrações à pleno sol. Por isso, nem precisamos dizer que gosta de só pleno e no máximo, de meia sombra. Tem o ciclo de vida perene e pode atingir de 0.3 a 0.4 m de altura.

A Daniela é uma planta perene, herbácea, entouceirada e rizomatosa. Graças ao clima brasileiro, foi “importada” para cá e se dá muito bem nos nossos jardins. Os paisagistas usam muito a planta para fazer forrações, que alguns garantem, não há planta melhor para fazer esse tipo de efeito.

Ela possui os rizomas muito carnosos e deles saem as folhas, de cor verde-escura e as suas características são largura estreita e bastante longas com as margens em forma de serrinha.  Quando crescem chegam a medir 80 cm de comprimento e a largura não supera 5 cm.

Sua inflorescência acontece no que é classificado como tipo espiga. Na prática significa que as flores ficam no ápice. Apesar das lindas flores pequenas azuis, elas vêm em segundo plano. O efeito visual da planta é muito superior ao causado pelas flores.

Os frutos da dianela são na cor violácea e em forma de bagas, além de muito brilhantes e globulares. Não superam 1 cm de diâmetro de medida. Normalmente, o tipo de dianela mais cultivado no Brasil é a que forma variegata, isto é, com as folhas verde-escuro, porém, com bordas brancas.

Dianella_tasmanica_
O uso no paisagismo
Uma das maneiras preferidas dos paisagistas para usar a dianela no projeto de um jardim é criando maciços sob sol pleno. Estamos falando de lugares cujo o clima que prevalece é temperado ou subtropical. Outra possibilidade para usar a planta dessa forma é sob meia sombra, neste caso, é necessário que se trate de uma localidade cujo clima seja tropical, o caso do nosso país.

Não é por acaso que os paisagistas a elegem para criar os maciços sob sol pleno e sim pela textura única que ela oferece. É possível criar com a planta partes mais claras nas partes mais escuras do jardim. Porém, ela também pode ser usada separadamente, ou criando grandes maciços ou fazendo uma pequena touceira. Outras formas de usar a dianela na ornamentação é criando forrações com ela ou fazendo um misto com outras folhagens e outras flores.

Podemos dizer que a dianela é considera uma planta “coringa” porque é possível usá-la nos mais diversos estilos de jardim, do oriental ao tropical, passando pelo contemporâneo e muito mais. E não é só isso, é uma espécie que pode ser plantada em jardineiras ou vasos, e levam para dentro de casa um pouco de “luminosidade”.

Como cultivá-la
O bom da daniela é que ela não exige muitas particularidades para o seu cultivo, basicamente, para plantá-la é necessário seguir as regras básicas, usadas para uma boa parte das plantas. Para começar, é necessário observar quando deve acontecer o plantio, que no caso da dessa planta fica limitado a dois momentos: sob o sol pleno ou a meia sombra.

O próximo passo é preparar o solo para receber a planta, que deve ser enriquecido com matéria orgânica, deve ser fértil, com ótima drenagem e ser irrigado com regularidade.

Para se ter uma ideia do tipo de solo e ambiente que gosta a dianela, o seu ambiente natural é aquele de florestas úmidas, e fica nos lugares que são sombreados. A planta gosta de um lugar para vicejar.

Podemos dizer que a dianela é rústica e por isso, é muito resistente a quase todas as doenças e pragas que possam atacar as plantações. E melhor ainda, não é uma espécie que necessita de  muita manutenção, na verdade, você se quer pode podá-la.

Para que a sua dianela fique sempre viçosa e bonita, o único trabalho que você terá é de fazer a cada semestre, fertilizações. E também é indicado fazer replantios, mas neste caso, os períodos são bienais.

Para fazer a multiplicação da dianela se usa dos “métodos”, o plantio com as sementes ou através da divisão das touceiras. E vale ressaltar que os frutos da dianela não são comestíveis.

O que é touceira?
A chamada touceira na verdade se trata de um arranjo natural que é feito com um conjunto de vegetais e dessa forma, os troncos de cada um deles está compartilhado pelo mesmo sistema de raízes.

Como técnica de multiplicação consiste em cortar os rizomas subterrâneos e deles fazer nascer outras plantas. Várias plantas são multiplicadas através desse sistema, é considerado um dos mais usados. A orquídea é uma das espécies que são multiplicada pela touceira.

Para quem não está acostumado com jardinagem, o cultivo através de sementes é considerado o mais adequado. Outra opção é já adquirir a planta com um determinado tamanho.

peixes

Ruttya fruticosa red
Há flores e plantas tão lindas e diferentes que mais se assemelham a obras de arte, já que primam por cores alegres e vibrantes. Isso, sem esquecer de mencionar seu formato que beiram o intrigante, como se fossem moldadas à mão, como é o caso da Planta-coelhinho, chamada cientificamente de Ruttya fruticosa.

Mas essa planta não é uma exceção em sua família, pertencendo ao gênero Acanthaceae. Dela fazem parte mais de 200 tipos e beira as 3000 espécies diferentes, sem contar todas as suas variedades. Desse mundo de planta fazem parte os famosos e charmosos “camarões”.

No Brasil, são originários algo em torno de 40 gêneros, sendo que dessas se originam aproximadamente 500 espécies. A metades dos gêneros foram trazidos para cá, introduzidos. Muitos deles são bastante conhecidos e admirados, como a barléria, a crossandra, e ainda a asystasia.

A Planta-coelhinho é um arbusto com tamanho aproximado que pode variar entre os 02 e 03 m de altura, e possui flores bastante características e até um tanto bizarra, por se assemelhar a um coelho, e ao mesmo tempo mostrando um grande encanto e magia. As flores apresentam duas pétalas, que, unidas, lembram a cabeça de um fofo coelhinho.

Ao observar ao longe o arbusto, logo na primeira vez, pode-se notar certo nível de desproporção entre o tamanho da flor e o da planta em si. Isso porque as flores são bem miúdas, e o arbusto é bem grande. Olhando a grosso modo, você certamente verá varias orelhas de lebre espalhadas pelos arbustos.

Muitos a chamam popularmente de coelhinho, sendo uma planta perfeita para se ter em qualquer jardim, pois ela, por si só, já embeleza e atrai muito olhares curiosos e admirados. Essa aparência diferente da flor não é nenhum defeito estético, já que seus ramos estão sempre repletos de flores iguais, que formam um espetáculo à parte.

A Ruttya fruticosa é uma planta que permite as podas regulares e fica até mais viva e bonita sempre que isso ocorre. Em razão de aceitar bem às podas, ela além de embelezar o jardim, ainda atua como maciço ou cerca viva, para canteiros aberto ou fechados. Porém, para não colocar a perder todo o show de beleza das flores, a poda deve ser efetuada sempre após a florada, sempre na estação do outono, quando ocorre a diminuição das flores.

Esse tipo de arbusto pode ser utilizado em qualquer tipo de canteiro ou jardim, especialmente em lugares onde possuam bancos para descanso. Ainda que as pessoas não gostem muito da aparência de suas flores, depois de plantada o espetáculo pode ser ainda maior, visto que a mesma será frequentemente visitada por beija-flores e colibris que vêm em busca o néctar das flores, além do que, as cores fortes atraem ainda mais esses charmosos bichinhos.

Assim como muitas outras plantas ela também possui denominações mais popularizadas, como: Orelhas-de-coelho, Coelho, Planta-beija-flor, Aves-de-laranja, Dragão-laranja, e por último, como já sabemos, Planta-coelhinho.

As folhas dessa planta possuem formato ovalado e coloração verde bastante vibrante, medindo cerca de 08 cm cada uma.

Ruttya fruticosa Yellow
As flores aparecem mais nas terminações dos arbustos e cada um dos galhos pode vir a ganhar até cinco flores tubulares com aqueles formatos diferenciados e encantadores, cheinhas de néctar, atraindo um grande número de visitantes. Claro que a atração de outras espécies não acontece somente em decorrência da abundancia de néctar, mas ainda por causa das suas duas pétalas laranjas e vermelhas, sendo que a parte inferior possui formato abaulado, numa tonalidade vermelho escuro com um parte mais preta na base.

O fruto dessa flor nada mais que uma cápsula em formato de elipse com coloração amarronzada, que tem no máximo a presença de quatro sementes, que, como em outras espécies que pertencem à mesma família, são lançadas longe quando a cápsula se abre logo que amadurece. Ele se reproduz através das sementes ou ainda através de mudas.

Apesar de ser uma planta muito bonita seu cultivo não é tão difundido quanto se espera, mas a mesma pode ser perfeitamente plantada em climas subtropicais e tropicais, e até mesmo no temperado, onde, a fruticosa atua como semi-decídua, já no caso de ter de enfrentar temperaturas mais baixas, especialmente aquelas mais radicais, para economizar sua energia ela se faz de suas partes mais altas, retendo mais líquido e mantendo sua saúde. Porém, que a vê-la assim não é necessário susto, a mesma recuperará toda a sua beleza e vivacidade logo a partir de suas raízes assim que chegar a tão esperada época da Primavera, estação das flores.

Esta espécie de arbusto se desenvolve muito bem se tiver um sol bastante evidente sobre eles, mas, ainda assim, pode ter lindas flores se ficar à meia sombra, mas nunca escondido totalmente do sol e da claridade, que lhe proporcionam beleza e vivacidade.

Assim como várias outras flores, a Fruticosa não precisa de água em abundância e nem gosta muito de solo encharcado, por isso, a rega da mesma deve ser feita somente quando sentir que o solo, na parte de cima, está mais ressecado. Além disso, a quantidade de água a ser usada não precisa ser exagerada, senão escoará totalmente e levará consigo todos os nutrientes indispensáveis à boa saúde da planta.

janel5

Prunus campanulata

Espécie de cereja nativa de Taiwan, amplamente cultivada como planta ornamental e um símbolo do Japão. Pertence à família Rosaceae

Elas são um verdadeiro presente de Deus para os homens, pois a cada floração apresentam uma beleza infinda que enche os olhos e o coração. Nos países da América Latina, elas perdem suas folhas entre os meses de maio e junho e as ganham de novo somente a partir do mês de julho, o mais frio do ano.

Há inúmeras espécies delas, mas todas gostam de um solo repleto de nutrientes, especialmente quando formados de partes iguais de composto orgânico e terra vegetal. Podem ser multiplicadas a partir do uso de semente, dando muito certo ou ainda através de mudas, porém, essas demoram aproximadamente cinco anos para florescerem a primeira vez.

Vamos falar de um tipo específico de Cerejeira conhecido como Cerejeira-de-Taiwan, que é tão belo quanto as outras.

Assim como as demais espécies, sua floração é abundante e perfeita, entretanto, em número menor que a espécie conhecida como Himalaia.

Ela apresenta pequenas flores, com uma tonalidade de rosa bem forte, e encantam logo a primeira vista. Esta variedade costuma florescer aproximadamente entre segunda metade do mês de junho até a segunda de julho e, em determinados casos, pode chegar até o mês de agosto.

Quem já viu uma dessas de perto pode dizer que a floração dessas árvores é maravilhosa. E toda essa beleza só chegou até o Brasil por ocasião da imigração japonesa, já que as Cerejeiras são tradicionais no Japão, e, desde então, as mesmas enfeitam as casas e ruas de muitos privilegiados.

Ela prefere os climas mais frios, entretanto a espécie que é vendida em nosso país floresce e se desenvolve melhor na parte sudeste do Brasil.

É possível que existam em algo em torno de 400 espécies dela em todo o mundo. Entre as inúmeras variedades.

Algumas variedades de cerejeiras apresentam as folhas na temporada do outono, antes um pouco de chegarem a cair, e obtém uma coloração bonita com diferentes tonalidades de amarelo, laranja e vermelho, proporcionando beleza e alegria aos lugares nos quais estão plantadas.

Assim que as folhas caem, os galhos se tornam limpos, e a planta enfrenta assim a rudeza do inverno. Logo em seguida, na próxima estação, acontecerá o desabrochar das flores, ficando tudo lindo e alegre, especialmente entre os meses que vão de junho até meados de setembro, variado conforme a variedade de cerejeira.

Essas árvores florescem apenas uma vez durante o ano, sendo que as flores duram aproximadamente uma semana e em alguns casos, um pouco mais que isso.

O nome dado à flor de cerejeira é Sakura, é conhecida como símbolo da felicidade e também é a flor nacional do Japão. Na época das floradas os estudantes começam o ano escolar e aqueles que acabaram de se formar passar a procurar trabalho.

As podem ser separadas em grupos determinados: Edohigan, Yamazakura, Mamezakura, Miyamazakura, Choojizakura, e Hikanzakura. Cada um deles concentra várias espécies, que por meio de cruzamentos, também ajudaram a somar o número de espécies. Grande parte delas tem o Japão como origem.

De acordo com especialistas em botânica, aqueles brotinhos que acabam formando as flores são gerados pela planta um ano antes. Quando as folhas caem, logo se formam os brotos e a cerejeira entra em estado de hibernação, sem mostrar suas flores.

Após um período longo e passando por temperaturas baixas, o broto da árvore desperta e parte a casca do caule, antes de chegar a primavera, o que aqui acontece em julho.
O chá de pétalas das flores de cerejeira é amplamente usado em rituais como ocasiões festivas e casamentos. Quando as mesmas florescem, são feitas as festas populares festas de “hanami”, que significa ver as flores, feitas em ambientes abertos, embaixo das cerejeiras floridas.

Acredita-se que apenas no Japão há aproximadamente 200 variedades de cerejeiras, com flores de várias tonalidades, indo do branco ao vermelho, passando pelo pêssego e rosa. Em nosso país, muitas poucas qualidades de cerejeira tiveram desenvolvimento considerável em razão das variações climáticas.

okinawa sakurá
A variedade de cerejeira que mais teve melhor adaptação em solo brasileiro foi a “okinawa sakurá”, já é originaria de uma ilha Japonesa que possui um clima bastante semelhante ao brasileiro. Em várias cidades e entidades japonesas no Brasil foram cultivadas grande quantidade de árvores e sempre as mesmas florescem o lugar se transforma grande espetáculo da natureza, sempre entre os meses de julho a setembro. Nesses lugares são feitos festivais onde predomina a cultura japonesa.

janela florida

Gladiolus_Callianthus

Planta pertencente à família Iridaceae e sua origem é a África, portanto é uma planta que gosta de um clima tropical, subtropical e mediterrâneo. Assim sendo, é uma planta que pode ser cultivada no nosso país, Brasil,  porque somos beneficiados pelo clima que ela gosta. A flor-pavão também pode ser conhecida por outros dois nomes populares, que são: gladíolo da Abissínia e Acidantera.

É uma planta classificada em três categorias diferentes, a de bulbosas, a de flores e a de flores perenes. Normalmente, a altura dessa planta fica entre 0.6 e 0.9 m e para crescer saudável e atingir o tamanho máximo, precisa de sol pleno, tendo o seu ciclo de vida perene.

Às vezes fica mais fácil conhecer uma planta se a compararmos com uma outra, no caso da flor- pavão, por exemplo, sendo uma “parente” muito próxima da Palma-de-santa-rita, cujo nome científico é Gladiolus hortulanus, se percebe por causa da quantidade de bulbos e pelo fato de também ser herbácea.

As flores dessa espécie de planta têm uma beleza única. Elas são lindas e perfeitas e chamam atenção dentro da sua delicadeza. São brancas e no interno, apresentam uma grande mancha uma tonalidade marrom arroxeada, marcando bem o centro da flor.

Em algumas flores, que são pendentes sempre, essa mancha pode apresentar uma tonalidade um pouco diversa, mais puxada para uma cor alaranjada. Outro detalhe que faz dessa flor uma espécie muito especial é que ela não encanta só pela sua beleza, mas também porque possui um delicioso perfume, que fica mais forte e pode ser percebido melhor, na parte da tarde.

Falando dos seus bulbos, que como dito anteriormente são muitos, eles se apresentam na tipologia cormo, enquanto as folhas que são lineares na cor verde, possuem a textura opaca e são muito longas.

Uma das grandes vantagens de se cultivar a flor-pavão, além da beleza e do perfume das suas flores delicadas é o fato de que ela poderá florescer em várias épocas do ano. Para que isso seja possível basta que os seus bulbos sejam mantidos refrigerados até o  momento em que você deseja que aconteça a florescência. Porém, se não houver nenhuma tentativa de que as flores apareçam mais de uma vez por ano, a flor-pavão naturalmente irá florescer na primavera, no verão e no outono.

A flor-pavão é muito usada no paisagismo, e todas as suas vantagens fazem com que ela seja usada para fazer bordaduras ou maciços. Normalmente, os paisagistas preferem misturá-las com outras espécies bulbosas que tenham o porte bem parecido, ou ainda, se usa fazendo “escadas”, que cria um efeito muito agradável.

A planta também pode ser cultivada em jardineiras e em vasos. São consideradas de plantio simples e ditas como bulbosas rústicas. Outra forma de plantá-las é para destiná-las a flor de corte, isto é, para formarem lindos buquês e arranjos.

Como você leu lá no início, se tem uma coisa que a flor-pavão aprecia é o calor e principalmente o sol, então, para não errar, o momento certo para o cultivo é sob o sol pleno.

Além de observar a necessidade do sol para o cultivo da flor-pavão o solo e o tratamento dele também são de extrema importância para que a sua planta cresça bonita e vistosa. O solo para receber a flor-pavão deve não só ser fértil como deverá ser enriquecido com matéria orgânica. Além disso, é de extrema importância que o sistema de drenagem seja ótimo e que esse solo seja frequentemente irrigado antes do plantio. O ideal é primeiro preparar o solo como se deve para depois cultivar a planta.

Ainda falando de solo, nem pense em cultivar uma flor-pavão em um solo encharcado e muito menos argiloso. São duas situações que a planta não resiste e acaba tendo os seus cormos apodrecidos em um espaço de tempo curtíssimo. Se por acaso, você achar que terá problemas de encharcamento com o solo, uma alternativa é criar os canteiros elevados. Desse modo a drenagem natural será favorecida.

Com um solo perfeito, bem cuidado, como foi explicado anteriormente, e sob sol pleno, é hora de plantar os cormos da flor-pavão, porém, atenção, a profundidade correta para colocar cada um deles é de no mínimo 7 e no máximo 10 cm. Outro detalhe importante sobre espaçamento é aquele que deverá ter entre cada cormo, 20 cm.

Uma vez que se decide de multiplicar as plantas, o processo poderá ser feito com a separação dos pequenos cormos. Esses “pequenos cormos” são aqueles que vão se formando próximo ao chamado “cormo mãe’. Será possível observá-lo quando estiver chegando a colheita, que é bem depois do período vegetativo.

Sobre os cuidados com as plantas depois de já terem crescido, saiba que os cormos devem ser retirados quando elas começarem a amarelar. Será necessário cortar as folhas por completo. Em seguida, lave-as e coloque-as na sombra para secar. O lugar inda deverá ser arejado e seco.

Se quiser, para ter flores quando desejar, os cormos podem ser guardados depois de seco, em um lugar fresco e seco, em local refrigerado. Porém, é necessário observar se eles estão protegidos de uma desidratação excessiva.

A planta também pode ser cultivada em jardineiras e em vasos. São consideradas de plantio simples e ditas como bulbosas rústicas. Outra forma de plantá-las é para destiná-las a flor de corte, isto é, para formarem lindos buquês e arranjos.

Como você leu lá no início, se tem uma coisa que a flor-pavão aprecia é o calor e principalmente o sol, então, para não errar, o momento certo para o cultivo é sob o sol pleno.

Além de observar a necessidade do sol para o cultivo da flor-pavão o solo e o tratamento dele também são de extrema importância para que a sua planta cresça bonita e vistosa. O solo para receber a flor-pavão deve não só ser fértil como deverá ser enriquecido com matéria orgânica. Além disso, é de extrema importância que o sistema de drenagem seja ótimo e que esse solo seja frequentemente irrigado antes do plantio. O ideal é primeiro preparar o solo como se deve para depois cultivar a planta.

Ainda falando de solo, nem pense em cultivar uma flor-pavão em um solo encharcado e muito menos argiloso. São duas situações que a planta não resiste e acaba tendo os seus cormos apodrecidos em um espaço de tempo curtíssimo. Se por acaso, você achar que terá problemas de encharcamento com o solo, uma alternativa é criar os canteiros elevados. Desse modo a drenagem natural será favorecida.

Com um solo perfeito, bem cuidado, como foi explicado anteriormente, e sob sol pleno, é hora de plantar os cormos da flor-pavão, porém, atenção, a profundidade correta para colocar cada um deles é de no mínimo 7 e no máximo 10 cm. Outro detalhe importante sobre espaçamento é aquele que deverá ter entre cada cormo, 20 cm.

Uma vez que se decide de multiplicar as plantas, o processo poderá ser feito com a separação dos pequenos cormos. Esses “pequenos cormos” são aqueles que vão se formando próximo ao chamado “cormo mãe’. Será possível observá-lo quando estiver chegando a colheita, que é bem depois do período vegetativo.

Sobre os cuidados com as plantas depois de já terem crescido, saiba que os cormos devem ser retirados quando elas começarem a amarelar. Será necessário cortar as folhas por completo. Em seguida, lave-as e coloque-as na sombra para secar. O lugar inda deverá ser arejado e seco.

Se quiser, para ter flores quando desejar, os cormos podem ser guardados depois de seco, em um lugar fresco e seco, em local refrigerado. Porém, é necessário observar se eles estão protegidos de uma desidratação excessiva.

ar