Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cultivo’

Iris_Germanica_

Os apaixonados por flores a conhecem e não há um que não se renda aos encantos dessas maravilhosas. Estamos falando das Íris, uma das espécies mais lindas e delicadas presentes na natureza.

Devido seu aspecto são constantemente confundidas com orquídeas diversas, no entanto, essas incríveis plantas possuem detalhes únicos e especiais e nascem em diferentes tons, indo do branco ao azul vibrante.

A Íris é perfeita para o clima brasileiro e por isso desperta ainda mais a atenção dos cultivadores de nosso país. É a opção perfeita para você decorar o jardim com uma espécie delicada, exuberante e de simples cuidados.

Diferente da grande maioria de flores presentes na natureza, a Iris conta com mais de 200 variações de espécies entre si. A grande maioria delas conta com flores roxas ou em tons azulados de 3 pétalas.

iris siberica

Cada tipo possui suas características especiais e cuidados únicos que devem ser observados atentamente caso queira ter uma planta de aspecto saudável.

É importante escolher a espécie que melhor se adapte a sua região, até porque isso tornará o cultivo mais barato e simples. Para isso recomendamos uma pesquisa mais aprofundada sobre a espécie que escolher, devido ao grande número que citamos acima.

Cuidados
Falar sobre quais cuidados tomar com a Íris pode soar meio contraditório, pois como citamos há características únicas e diversas espécies, mas os cuidados são comuns e semelhantes a boa parte das espécies.

Levando em consideração que o Brasil é um país tropical também faz-se necessário optar às variações que melhor se adaptam ao nosso clima, como a Íris sibirica, versicolor ou de Louisiana.

Iris_squalens_

Sabendo disso, alguns cuidados principais são:
A Íris possui uma espécie de bulbo (o famoso rizoma) e por isso, a melhor época de plantio acontece no finalzinho do verão. A temperatura estará amena, porém ainda quente o bastante para ajudar no desenvolvimento do rizoma até que chegue o inverno.

Se o inverno é mais ameno na região onde você mora e o verão mais prolongado, abril pode ser um período bom para a plantação da Iris. Agora, se sua região não apresentar essas características, fevereiro a março torna-se o período ideal.

Ao plantar a Íris é indispensável deixar o rizoma parcialmente exposto. Obviamente é necessário que uma parte dele esteja na terra, porém é fundamental também que uma parte fique acima do solo para garantir o perfeito desenvolvimento da planta. Afundando o rizoma e deixando-o completamente coberto você corre o risco de impedir o crescimento da planta.

iris-versicolor

Um outro cuidado importante é em relação a proximidade de duas ou mais Íris. É um fator indispensável que elas possuam, pelo menos, trinta centímetros de distância uma da outra para que possam se desenvolver de forma saudável. Caso plante duas Íris próximas, o rizoma e as raízes não terão espaço o suficiente para desenvolvimento.

O resultado disso? Nenhuma das flores ficará tão bonita ou com aspecto saudável quanto as que forem plantadas respeitando a limitação de espaço. Caso esteja pensando em cultivar em vasos, o ideal é que cada Íris tenha seu próprio vaso.

Por se tratar de uma estrutura bastante delicada, o rizoma precisa de alguns cuidados específicos. Afinal, sem ele a planta não se desenvolverá e caso ele fique abafado ou úmido, poderá mofar ou servir de criadouro para pragas.

Para evitar esse tipo de coisa é necessário certificar-se que o solo tenha uma boa drenagem. Caso o plantio seja em vasos, torna-se indispensável uma camada de drenagem ou um vaso de cerâmica.

A rega é muito importante e precisa ser realizada com frequência, principalmente no começo do desenvolvimento da Íris. Geralmente, uma rega caprichada a cada 5 ou 7 dias ajuda a planta a se desenvolver bem e fornece tudo que ela precisa.

Conforme o desenvolvimento da planta, as regas devem tornam-se menos frequentes e em alguns casos poderão até deixar de existir caso o inverno seja mais úmido ou mais ameno. Sendo assim, observe atentamente a planta e seu aspecto e não exagere na quantidade de água, afinal isso pode causar um efeito contrário do que se espera.

É bem comum, principalmente no inverno, a Iris apresentar algumas folhas secas, amarronzadas ou murchas. Em casos como esse, pode ser que a saúde da planta esteja sendo afetada e por isso as folhas precisarão ser retiradas.

Iris Louisiana_

Assim sendo, sempre que notar uma folha que não apresenta aspecto saudável procure cortá-la com cuidado. Já as folhas verdes, é muito importante que não sejam cortadas, pois elas irão garantir nutrientes importantes para o desenvolvimento da flor.

Como a grande maioria das flores, a Iris também se beneficia de fertilização para garantir uma suplementação de nutrientes afim de se desenvolver de forma plena. No entanto, para que essa fertilização traga benefícios é preciso que seja feita da maneira correta e claro, com os fertilizantes corretos.

Fertilizantes ricos em nitrogênio não são recomendados devido ao risco de o rizoma apodrecer. Os de uso geral são os mais recomendados. É importante saber que o fertilizante não deve ser aplicado diretamente no rizoma e é necessário realizar uma rega logo após a aplicação para evitar que o fertilizante queime a planta.

A Íris é uma das flores com maior número de variedades disponíveis na natureza e também uma das mais adaptáveis e resistentes.

Bonita, delicada e de fácil cultivo ela torna-se uma ótima opção para decoração de jardins trazendo beleza e elegância ao ambiente.

barco1

Clerodendrum-bungei

O clerodendro-da-china, também chamado de hortênsia-mexicana e flor-da-glória é um arbusto decíduo, semi-lenhoso, de ramagem ereta e pouco ramificada, com florescimento ornamental. Pertence à família Lamiaceae e origina-se da Ásia – China e Índia.

Suas folhas são grandes, opostas, ovaladas a cordiformes, de cor verde escura, com margens serrilhadas e aroma almiscarado. As inflorescências surgem no fim da primavera e a floração permanece até a primeira geada.

Clerodendrum_bungei_

As flores se unem em inflorescências do tipo corimbo, muito numerosas, pentâmeras, de formato afunilado e cor rosa. No inverno, o clerodendro-da-china perde as folhas e aparenta estar morto, no entanto, rebrota lindamente na primavera. O fruto é uma baga pequena e azulada.

O clerodendro pode ser utilizado em maciços ou renques, preferencialmente em locais onde sua contenção seja possível. Assim, não é interessante plantá-lo junto a plantas menores, pois ele tende a sufocá-las.

Da mesma forma, como ele emite vigorosas brotações diretamente das raízes, pode ser difícil controlá-lo em alguns locais. Evite portanto locais acidentados, onde seu cortador de grama não possa chegar.

Uma maneira maravilhosa de conduzir essa planta é em vasos e jardineiras. Desta forma, não há porque se preocupar que ele se espalhe demais. Suas flores são perfumadas e ricas em néctar, e exercem grande atração em borboletas e beija-flores.

Clerodendrum_bungei_

Seu cultivo deve ser sob sol pleno ou meia sombra, num solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente durante o período vegetativo.

Aproveite o inverno para realizar uma boa poda, removendo ramos secos, doentes e dando forma à planta. É uma planta tolerante à estiagem depois de bem estabelecido. Não resiste ao encharcamento.

Sua multiplicação é feita facilmente por divisão da ramagem enraizada, separação das brotações que surgem entorno da planta mãe e por estaquia das raízes.

golfinhos

Orquídea Caucaea

Frágeis e delicadas, as orquídeas são uma festa para os olhos. E seu cultivo não é tão difícil assim: com, alguns cuidados e um pouco de dedicação, a arte de colecioná-las pode se transformar num hobby muito agradável.

Saiba como e experimente
Uma orquídea em flor é um espetáculo de rara beleza. E que, ao contrário do que geralmente se pensa, pode acontecer todos os dias em sua casa, sem grandes dificuldades.

A verdade é que, apesar do aspecto frágil e delicado que muitas vezes chega a inibir aqueles que gostariam de cultivá-las as orquídeas são resistentes e ótimas para o nosso clima. Afinal, não se pode esquecer que muitas espécies são nativas de nossas florestas.

Assim, com certos cuidados básicos de cultivo e algumas mudas de boa qualidade, você poderá ter uma coleção que vai proporcionar belas floradas durante o ano todo.

Sophronitis amarela

O caminho certo para conseguir boas mudas
O primeiro passo é comprar muda de cultivadores conceituados, de preferência aos poucos. Lembre-se de que em qualquer época do ano sempre há inúmeras espécies em floração. Assim, se você comprar duas ou três orquídeas por mês, acabará formando uma coleção que vai garantir sempre plantas com flores.

Um jeito gostoso de fazer isso é visitar orquidários ou feiras de orquídeas, onde, além de encontrar ótimas plantas, você tem a oportunidade de conhecer cultivadores que gostam de trocar informações e orientar os iniciantes.

E se você mora numa região onde as feiras de plantas são raras, pode comprar orquídeas pelo reembolso postal. Basta solicitar um catálogo, escolher as variedades de sua preferência e fazer a encomenda.

Mas quem gosta de aventuras tem ainda uma outra alternativa: coletar orquídeas em seu próprio habitat. Sem dúvida, esta é uma tarefa emocionante, mas exige bom senso para preservar a natureza. Tome cuidado para não estragar nenhuma planta, nunca corte árvores para alcançar um exemplar muito alto e só colha as mudas que você tem condições de cultivar.

Nunca colha uma planta, inteira. Retire apenas três ou quatro pseudobulbos da parte frontal, para que a muda possa continuar a crescer conservando a espécie na natureza. Após a colheita, faça a limpeza da parte retirada no próprio local, removendo partes secas, doentes ou quebradas e limpando toda muda com uma esponja bem limpa, macia e úmida.

Phalaenopsis_8

As orquídeas precisam de um cantinho especial
Na natureza, as orquídeas podem ser encontradas em florestas, montanhas, vales pântanos e até em rochas Por isso fica difícil determinar de modo geral qual o melhor ambiente para cultivá-las.

As epífitas, por exemplo, nascem em árvores e gostam de iluminação intensa e difusa, enquanto as terrestres podem tanto viver sob densas florestas, com baixa luminosidade, como em campos abertos, onde a luz é farta, Já as rupículas nascem fixadas em rochas, expostas ao sol pleno.

Mas, como a maioria das orquídeas cultivadas são provenientes de florestas, de modo geral pode-se afirmar que em ambientes onde as samambaias se dão bem o cultivo de orquídeas terá sucesso.

orquidário

Monte você mesmo o seu orquidário
Para fazer um orquidário é importante ter um cantinho que receba o sol da manhã. Num clima como o nosso, uma boa solução é construir ripados de madeira ou bambu, de modo que os raios solares fiquem filtrados, proporcionando luz na medida exata.
Esses ripados se assemelham a armários com cerca de 2,40 m de altura.

A parte do fundo, as laterais e a parte superior são feitas com ripas de madeira com 5 cm de largura. No teto, essas peças devem ser dispostas no sentido norte-sul, para o sol caminhar sobre as orquídeas no sentido leste-oeste e gradativamente ir passando sobre as plantas.

Em geral, a distancia entre as ripas é de 3 cm, mas pode ser menor em regiões de luminosidade Intensa,

Com essas condições, é possível montar um orquidário com capacidade para acomodar até 200 orquídeas, considerando-se uma largura média de 5 metros. Os exemplares maiores, que necessitam de bastante aeração junto às raízes, podem ficar pendurados.

A prateleira central é um bom lugar para as mudas recém plantadas e em fase de crescimento. Na parte de baixo, apoiadas em blocos, podem ficar as espécies que gostam. de mais sombra, como os cimbídios.

De preferência, use peroba sem pintura, a prateleira poderá ser pintada com óleo queimado e nos caibros de sustentação deve ser aplicado Neutrol, para evitar o apodrecimento da madeira.

No mercado há ainda o Sombrite, uma tela especial para proteger as plantas do sol excessivo. Esse material, que substitui as ripas, chega a filtrar 60% dos raios solares, criando uma atmosfera ótima para a maioria das orquídeas, já que deixa os ambientes bem ventilados e protegidos tanto do sol como de insetos e outros animais.

Seja qual for o material escolhido, não esqueça que a parte sul deve ficar ao abrigo dos ventos. Portanto, deixe esse lado com a parede mais fechada e nas épocas mais frias coloque protetores de plástico transparente.

Se você não dispõe de espaço externo, pode também cultivar dentro de casa ou até no apartamento, pois a temperatura em interiores, entre 15 e 251°C é ideal para essas plantas. É só construir prateleiras junto a janelas bem iluminadas (face norte ou oeste), protegidas no lado de fora por uma tela, para que os vasos recebam sol filtrado.

Rhynchostylis11

Segredos para manter plantas saudáveis
Além de ambientes quentes, bem ventilados e com atmosfera úmida, as orquídeas precisam de regas e adubações criteriosas, e muita limpeza para crescerem sadias, sem o ataque de pragas ou doenças.

Por isso, conserve o ambiente limpo, sem mato, lave as prateleiras e bancadas com produtos à base de cloro e limpe periodicamente as folhas com uma flanela macia para remover o pó. De seis em seis meses, é bom lavar todas as plantas com uma esponja embebida em água e sabão neutro. Assim elas vão ficar com todos os poros desobstruídos para respirarem livremente.

A umidade na medida certa também é muito importante. Regue os vasos semanalmente, logo pela manhã, e nunca esqueça que as orquídeas gostam de solo úmido, mas detestam água empoçada junto às suas raízes. As plantas floridas não necessitam de muita água. Nessa fase, molhe apenas o solo, deixando as flores secas.

Para manter a umidade do ar, pulverize as folhas com água na temperatura ambiente, principalmente nas épocas mais secas.

Na hora de adubar, você pode escolher entre duas alternativas. Aplicar um fertilizante químico com fórmula NPK 15-15-15 ou NPK: 18-18-18 a cada 15 dias, ou então um adubo natural a cada seis meses. Nesse caso, uma boa recomendação é a seguinte mistura, desenvolvida pela Sociedade Bandeirante de Orquidófilos: 30% de farinha de osso, 50% de torta de mamona, 15% de esterco de passarinho ou de codornas e 5% de cinza.

Aplique longe dos rizomas das plantas para não queimá-los.
Após a floração, corte as flores murchas sempre na junção das folhas. Isso é muito importante, pois as hastes das flores são ocas e, se forem mantidas, vão acumular água e poderão apodrecer, prejudicando toda a planta.

Não se esqueça de que facas, tesouras e alicates devem ser previamente esterilizados com álcool, e logo antes de serem usados em qualquer muda, a fim de evitar transmissão de doenças de uma planta para outra.

Ryncholaeliocattleya Alma Kee

Na hora de plantar, muito carinho
Na hora de plantar ou replantar suas orquídeas, um pouco de cuidado e carinho é fundamental para elas logo pegarem bem e retomarem com todo o vigor seu ciclo de crescimento.

Embora os vasos de barro sejam ótimos para essas plantas, elas podem também ser cultivadas em placas de xaxins (o xaxim está proibido, pode-se utilizar placas de coco), troncos ou pranchas de madeira. Para plantar em vasos escolha recipientes novos, a fim de evitar contágio de possíveis doenças.

Como substrato, use fibra de coco. Primeiramente, lave bem o vaso e também a fibra para eliminar todo o pó. Depois, tampe o furo de drenagem com cacos, coloque uma camada de xaxim e a muda, já com as raízes envoltas em um pouco de fibra.

Para terminar, preencha o vaso com o substrato, compactando bem nas laterais, mas deixando as raízes da frente mais soltas para elas se fixarem à vontade no novo meio.
Se você preferir criar algumas mudas em troncos ou placas, envolva as raízes em um pouco de fibra de coco e fixe-as amarrando com um fio de cobre ou com um barbante.

As várias maneiras de reprodução
Entre pequenos cultivadores as orquídeas são normalmente reproduzidas através de mudas ou de sementes. O sistema por divisão de mudas assegura variedades idênticas à planta-mãe, mas é muito demorado para quem deseja reproduzir em quantidade, pois são necessários de dois a três anos para se obter uma nova muda.

Já a reprodução por sementes, embora demorada (leva até sete anos, desde a fecundação da flor até a primeira floração), proporciona inúmeros exemplares, mas com características diferentes da planta-mãe. Isso acontece porque o cruzamento pode ser feito entre duas espécies distintas resultando numa nova orquídea.

vanda amarela

Por isso, cultivadores que comercializam essas plantas em larga escala, já há alguns anos, recorrem a clonagem, uma técnica de laboratório que assegura inúmeros exemplares idênticos à planta-mãe, a partir de células de folhas ou raízes. Para isso, algumas células são separadas e colocadas em um tubo de ensaio com um líquido nutriente.

Depois de alguns meses, as células se multiplicam dando origem a uma pequena muda. Graças a essa técnica é possível reproduzir plantas raras ou em processo de extinção, tornando-as mais acessíveis a todos os cultivadores.

marrevolto

Santolina_chamaecyparissus

A santolina é um arbusto entouceirado, sendo muito mais reconhecido por seu delicioso aroma, que perfuma tudo ao seu redor. Costuma ter um tamanho baixo, não chegando a ultrapassar os 90 cm de altura, contando com uma ramagem bastante ramificada, que acabam por formar densas moitas.

Suas folhas costumam apresentar uma coloração acinzentada, divididas finamente, pontiagudas e aromáticas, lembrando as folhas ciprestes.

As flores são do tipo capítulo, bastante delicadas e lembram pompons pequenos com cores amarelo brilhantes, e bastante perfumadas. Costumam florescer mais durante o verão.

Em se tratando de paisagismo, a santolina pode ser usada para formar bordaduras e maciços, para demarcar caminhos e canteiros.

Em razão de ser rústica e possuir maior tolerância à falta d’água, acaba sendo a planta ideal para ser cultivada em jardins rupestres, que cumprem o estilo mediterrâneo, contemporâneo ou campestre.

Apresenta ainda nomes populares, como, por exemplo, santolina, guarda-roupa, roquete-dos-jardins e pequeno-limonete, Faz parte da família Asteraceae e é originária do Mediterrâneo.

As cores cinza de sua folhagem compõem um interessante contraste com outras plantas que apresentam cores verdes.

Santolina-Chamaecyparissus-3a

As flores dessa planta, assim que colhidas, podem fazer parte de um bonito arranjo floral e, quando secas, são ótimas para pout pourri de ervas aromáticas, usada para manter a saúde dos armários, deixando-os longe das traças e ainda para que os mesmos fiquem perfumados, guarda-roupas e bibliotecas. Pode ser plantada em jardineiras e vasos.

Pode ser cultivada preferencialmente em sol pleno, em terras com perfeita drenagem, de preferência em arenosos, ricos em matéria orgânica e com irrigação com intervalos espaçados.

Tolera períodos curtos de estiagem, e não gosta de solo encharcado. A poda suficiente ajuda na estimulação, no adensamento e ainda no formato mais arredondado do arbusto.

Depois de alguns anos, a planta pode vir a perder a beleza e precisa passar pelo replantio. Prefere um clima mais ameno de regiões tropicais ou subtropicais de altitude.

As flores são bastante delicadas e, por isso, chamam bastante a atenção nos jardins. E são amplamente utilizadas.

Costuma-se formar os jardins a partir de tonalidades diferentes de cinzas, contrastando com o amarelo.

Santolinac-hamaecyparissus-BY

Cultivo
Precisa de muita água, e sol para se desenvolver de forma adequada. Propaga-se por estacas e sementes no verão

Formas de plantio
Pode ser multiplicada por divisão da ramagem já com raiz, sementes ou estacas. É recomendado o espaçamento de aproximadamente 40 cm entre uma planta e outra

Por sementes
Após colher as sementes deixe-as secando for do sol sobre um jornal. Depois basta fazer a separação das sementes que parecem perfeitas e deixar em sementeiras ou ainda em caixotes que tenham uma mistura de areia e solo mineral ou ainda substrato de casca de arroz, desde que mantidos úmidos.

Depois da fase de semeadura, é necessário regar o substrato e deixar sob um saco plástico para auxiliar na manutenção da umidade.

Assim que ocorrer a brota das plantas é preciso remover o plástico, e ainda manter úmido o substrato até que as plantas se desenvolvam completamente.

O transplante da planta para seu lugar definitivo deve ocorre somente quando apresentar um número maior que seis folhinhas e, assim podem passar pelo manuseio.

O saco ou o pote deverá possuir grande quantidade de substrato rico em matéria orgânica, e mistura com partes iguais com solo mineral e areia, além de composto orgânico.

santolina

Por estaquia de galhos
Outra maneira de se cultivar essa planta é remover os ponteiros de jovens ramos e deixar repousar em substrato inerte de casca de arroz ou de areia mantido úmido até que atinja a fase de enraizamento. É necessário cobrir o substrato para procurar evitar que a umidade se perca.

Depois de ocorrer o enraizamento, deve-se fazer o transporte dos potes para o mesmo preparado usado acima.

Para deixar no vaso definitivo ou no canteiro, deve-se primeiramente fazer a preparação do solo, revolvendo com uma profundidade aproximada de 15 cm, juntar adubo animal de aves ou de gado, bem curtido e ainda mais composto orgânico, misturando ambos.

O agregamento de adubo químico NPK com fórmula de 10-10-10 pode ser feito se a terra estiver pobre demais em nutrientes, sendo que uma quantia de apenas 100 g/m², bem misturada a terra.

Faça um buraco que tenha o tamanho do torrão, coloque a muda e ponha por cima a terra, dando suaves apertadinhas para que fixe bem.

Depois de concluir o plantio é necessário que se faça a rega por meio de jatos d’água finos e leves. Como mencionamos anteriormente, a santolina é uma planta que precisa de bastante sol.

Seu cultivo pode se dar em lugares variados, como em jardineiras, vasos, canteiros extensos unitários ou em conjunto com palmeiras e árvores. Ainda é utilizada como acabamento de caminhos e bordadura de maciços.

Ela tolera um pouco as geadas e o frio, entretanto seu cultivo fica mais centrado em áreas de clima temperado.

chuva-1