Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cultivo’

Orquídea-Cimbídio-Pendente-1

A Orquídea Cimbídio Pendente é uma espécie vegetal cientificamente chamada de Cymbidium spp. Esta planta é popularmente chamada de Orquídea Cimbídio e de Cimbídio.

A Orquídea Cimbídio é nativa do continente asiático, da região onde se localiza o Himalaia (Nepal), sendo encontrada na China, no Japão, na Austrália e na Indonésia. Esse tipo de orquídea se caracteriza por apreciar viver em locais com altitude e clima frio.

Esta espécie vegetal pertence a família botânica Orchidaceae, famosa por abrigar um dos mais belos grupos de flores existentes que são as orquídeas.

A orquídea cimbídio é uma flor muito bonita, e costumeiramente é dada de presente, principalmente na época do dias das mães, pois essa flor perene se destaca por sua beleza e por ser possível o seu cultivo em ambientes interiores.

Cymbidíum Pendente Branco

A família botânica Orchidaceae
A família botânica orchidaceae é considerada uma das maiores existentes no reino vegetal, pois existem mais de 25.000 diferentes espécies de orquídeas em todo o planeta.

Encontramos orquídeas sendo cultivadas nos mais diversos tipos de clima, desde o tropical (onde existem uma boa parte das espécies e os principais países produtores) ao clima temperado.

As orquídeas são plantas que cultivam a muitas pessoas, pois são flores de grande beleza e colorido, que acabam se destacando e chamando a atenção de todos. Essas belíssimas flores podem ser cultivadas em vasos, na ornamentação de ambientes internos e como flores de corte.

As características da Orquídea Cimbídio
Esta belíssima flor, que é a Orquídea Cimbídio é típica de locais que possuem clima temperado, se adaptando melhor aos locais que apresentam clima ameno, tanto que o seu florescimento acontece de melhor forma em locais que possuem climas ligeiramente frios.

A Orquídea Cimbídio são flores de ciclo de vida perene, isto é, são plantas que possuem tempo de vida maior que 2 anos. Essa espécie vegetal é de pequeno porte, e atinge uma altura média de 90 cm.

A Orquídea Cimbídio é uma das poucas espécies de orquídea que se caracterizam por serem terrestres. Essa planta possui crescimento de forma simpodial, pois a Orquídea Cimbídio forma rizomas e falsos bulbos de forma horizontal.

Cimbídio pendente

Essa espécie de orquídea é bastante conhecida no Brasil, e caiu no gosto popular devido a sua grande beleza e por ser uma planta rústica, isto é, não necessita de maiores cuidados da parte de quem a cultiva para se desenvolver. As folhas da orquídea cimbídio possui aspecto coriáceo, possui textura similar ao couro.

As folhas são longas e os falsos bulbos possuem forma ovoide. As raízes da orquídea cimbídio são grossas, no entanto possuem aspecto delicado que são facilmente quebradas se forem manuseadas sem maiores cuidados.

A orquídea cimbídio possui diversas espécies híbridas, que possuem aspecto comercial. Essas espécies vegetais possuem diversas cores, entre as quais: amarela, rosa, vinho, branco e outras cores e combinações. Uma das diferenças é que esta orquídea tem o labelo com cores vibrantes e diferenciadas.

A inflorescência da orquídea cimbídio normalmente se forma na época da primavera, de tamanho grande e tem muitas flores em sua composição. A floração se caracteriza por ser duradoura, ocorrendo apenas uma vez por ano, mas chegando a durar cerca de 75  dias.

O cultivo da Orquídea Cimbídio
A Orquídea Cimbídio é uma espécie vegetal típica de clima temperado, no entanto ela é encontrada sendo cultivada em locais que apresentam climas: tropical, subtropical e mediterrâneo.

Por ser uma espécie vegetal que aprecia o clima frio e ameno, e é cultivada em locais que possuem climas mais quentes, ela se torna uma planta apropriada para o cultivo sob meia sombra. No entanto, é necessário cuidado com a questão da luminosidade, pois quando essas plantas são cultivadas em locais que apresentam baixas condições de luminosidade, conseguem apresentar folhagem bonita e exuberante, contudo elas não florescem.

Uma dica dos especialistas para que o florescimento seja incentivado, é fazer com que a orquídea cimbídio receba a luminosidade solar no período da manhã, contudo não deixe a orquídea cimbido exposta diretamente ao sol.

Essas plantas podem ser cultivadas em vaso, inclusive, normalmente a orquídea cimbídio é comercializada neste tipo de recipiente. Os vasos precisam ser preparado com a aplicação de substrato, composto por areia e terra vegetal, com boa capacidade de drenagem, para absorver bem a água aplicada na rega.

O substrato pode ser adubado, contudo deve ser evitado o uso excessivo de adubo, pois essa situação pode ocasionar a morte de sua orquídea cimbídio. O substrato indicado para o cultivo da orquídea cimbídio são os fabricados com a fibra do xaxim e a fibra de coco.

Cimbídio pendente-1

A orquídea cimbídio é uma planta que aprecia uma ligeira umidade, por isso ela deve ser regada com regularidade. Contudo, é importante frisar que a planta não aprecia a água em excesso, preferindo o solo seco ao extremamente úmido.

Para gerar o ambiente úmido ideal para o cultivo da orquídea cimbídio, você pode realizar a pulverização de água sobre as folhas desta planta. Para avaliar se a planta está precisando ser regada, é indicado que seja colocado o dedo no substrato e verifique o estado em que este se encontra.

Estando seco, pode regar novamente sem nenhum problema para as raízes da planta. A irrigação com água bastante gelada quando se inicia a primavera ajuda a orquídea cimbídio a florescer.

É importante que os vasos para o cultivo da orquídea cimbídio sejam colocados em locais com boa condição de proteção, como por exemplo, as estufas e os orquidários.

É indicado que seja evitado o cultivo da orquídea cimbídio em locais que apresentem ventos muito fortes. A orquídea cimbídio se caracteriza por apresentar grande beleza o que a torna muito vistosa.

Esta planta se caracteriza por ser bastante resistente e conseguir sobreviver e florescer mesmo que a planta não seja bem cuidada, isto é, o cultivo seja negligenciado por parte da pessoa que aprecia essas belas flores.

No entanto, quando a orquídea cimbídio é cultivada de forma correta e adequada, ela consegue gerar belíssimos cachos florais que chamam bastante atenção das pessoas.

Graças a sua grande resistência, essa planta consegue resistir a ocorrência de pragas. Uma das que atacam a orquídea cimbídio é o ácaro vermelho, que acontece se o ambiente se encontrar seco ou no caso da orquídea não ser regada por muito tempo.

Cimbídio pendente_1

A multiplicação da Orquídea Cimbídio
A orquídea cimbídio é uma espécie vegetal que se propaga por meio da divisão da planta após a ocorrência da floração.

A formação de mudas de orquídea cimbídio se dá com a divisão dos falsos bulbos, com pelo menos dois em cada muda.

riachinho

petúnias-Medium

Poucas coisas dão mais satisfação e alegria do que a presença de flores em uma casa. Seja em um jardim florido ou nos vasos do apartamento, as flores colorem o ambiente e se tornam não apenas parte da decoração da casa como também moradores dela própria.

O cultivo de flores pode ser extremamente relaxante, mas também é trabalhoso, portanto, escolha espécies que sejam condizentes com a quantidade de tempo que você tem disponível para cuidar delas.

A primeira coisa a se levar em consideração é a sua disponibilidade de espaço e a quantidade de luz solar. Existem flores, como a onze – horas e o girassol, que exigem uma grande quantidade de luz, enquanto outras, como a begônia, morrem se ficarem tempo demais no sol.

Não se esqueça também de verificar as possíveis doenças de cada flor e suas curas, para não ser pega desprevenida, assim como a quantidade de água ideal para cada espécie. Procure dicas em sites especializados, assim, suas flores estarão sempre lindas.

Não existe nada mais belo do que um jardim florido e bem cuidado. Mas, como cultivar flores para que elas fiquem bonitas? Antes de tudo, é necessário ter espaço para poder realizar o plantio.

O ideal é um local plano e bastante iluminado pelo sol. Uma dica importante é verificar o ph do solo, adubar e preparar a terra antes do plantio (eliminando as ervas daninhas, e raízes ou outros intrusos no jardim).

Flores-Plantadas-4

Com as flores escolhidas e o solo preparado, basta realizar o plantio. Fique atento a alguns pontos. Se optar por sementes, siga as instruções presente na embalagem, mas se a sua opção for por plantas já desenvolvidas, é necessário cavar um buraco na terra entre 5 e 6 cm de profundidade, colocar a flor, tampar e irrigar.

Para que o plantio seja um sucesso é necessário cuidar e estar sempre limpando a região.

O cultivo de flores além de ser um passatempo para quem gosta de jardinagem é uma forma de embelezar o seu lar. Quem deseja ter um jardim aposta nas flores para dar mais cor e perfume ao ambiente.

Independente de você ser um jardineiro iniciante ou de estar retomando a jardinagem após alguns anos afastado da atividade vale a pena conferir esse artigo sobre como cultivar flores.

Como cultivar flores
O cultivo das flores é um hábito bastante interessante pelo lado que ajuda a relaxar enquanto atividade e também porque oferece um belo resultado. Para que você comece a fazer o cultivo das suas flores preferidas confira a seguir os passos e as dicas que selecionamos.

flores_1

Localização e luz
A primeira coisa que se deve analisar quando se está começando a cultivar um jardim de flores é a sua localização. Se você é iniciante na arte da jardinagem deve procurar por um local plano e que esteja bem exposto ao sol, com pelo menos meio dia de sol. Outro fator que deve ser levado em conta e o pH do solo.

Ressaltamos que não existe uma regra geral uma vez que algumas flores preferem o solo ácido enquanto outras precisam de solo alcalino. Há ainda as flores que se adaptam aos dois tipos de solo. Além disso, é necessário verificar quais são os tipos de nutrientes que o solo possui e a umidade do mesmo.

A partir do conhecimento do solo que se tem para trabalhar é bem mais fácil escolher as espécies mais indicadas de flores para cultivar nesse local. Para os iniciantes a dica é começar cultivando uma área pequena com aproximadamente 1m20cm por 3 metros.

Isso porque esse pequeno pedaço é mais fácil de manter inicialmente bem como é fácil de aumentar se for necessário. O jardim também deve ficar próximo de água para que a rega seja facilitada.

suculentas14

Escolhendo as flores
No momento em que se decide cultivar um jardim é importante pensar no tempo que se tem disponível para cuidar das flores e plantas que serão cultivados no mesmo.

A escolha das plantas deve obedecer a alguns critérios inerentes a sua sobrevivência. O primeiro critério a ser avaliado é o tipo de flor que se deseja cultivar.

Existem basicamente dois tipos de flores que são as anuais aquelas que têm expectativa de vida de um ano e as perianuais que possuem expectativa de vida de sobreviver ao inverno e voltar a florescer na primavera.

Outra questão essencial de ser levada em conta no momento da escolha das suas flores para o jardim é o estilo de jardim que se deseja obter.

Leve em conta qual o orçamento disponível para investir no jardim, quais as cores que se deseja para o mesmo, qual o nível de manutenção das flores (se você está disposto a investir em flores que exigem cuidados especiais ou flores mais simples) entre outros. Fazendo essas análises será bem mais fácil chegar ao jardim ideal.

Os utensílios para cuidar do jardim
Para que o seu jardim esteja sempre bonito e saudável é fundamental manter alguns cuidados. Esses cuidados devem ser tomados utilizando as ferramentas corretas para cada atividade. No que diz respeito a jardinagem os utensílios essenciais são pás, tesouras, regador e forquilha.

rosa-do-deserto

A preparação do solo
Grande parte do êxito de um jardim reside em preparar corretamente o solo, isso quer dizer evitar o aparecimento de ervas daninhas entre outros intrusos no jardim. A primeira coisa a se fazer é limpar corretamente o solo de todo e qualquer tipo de erva bem como de lixo e raízes.

É importante remexer a terra antes de incorporá-la com o adubo. Após a incorporação do adubo na terra a mesma deve ser alisada totalmente e em seguida regada.

Uma boa dica é aproveitar a terra lisa para desenhar sobre ela, com a ajuda de um pedaço de madeira, o layout que deseja que o jardim tenha. Basicamente você poderá desenhar a forma como deseja dispor as diferentes flores.

Atente para questões como, por exemplo, de que as plantas mais altas deverão ser colocadas na parte de trás do jardim assim como as médias ao centro e as menores ou rastejantes logo a frente.

Vale a pena ainda usar pedras ou outros objetos para fazer a delimitação do jardim bem como ajudar a evitar problemas durante as chuvas como a terra escorrendo, por exemplo. A borda do jardim ainda ajudará a evitar o ataque de ervas daninhas que podem estar em outros pontos do terreno.

bromélias2

Plantando as flores
Depois de fazer a escolha das espécies de flores desejadas e adequadas e preparar o terreno chega o momento decisivo de plantá-las efetivamente. No caso de plantas envasadas ou com estacas é necessário começar fazendo um buraco no solo. Atente para o fato de que o buraco deve ser pelo menos das vezes maior do que o vaso, é importante que tenha 6 ou 7 cm mais profundo do que o vaso.

No fundo do buraco é necessário colocar uma camada de aproximadamente 6 ou 7 cm de compostagem ou adubo para ajudar a alimentar as flores nas suas primeiras semanas. Após colocar a compostagem é necessário encher o buraco com água e em seguida aguardar que a terra absorva a mesma.

Coloque então a flor dentro desse buraco e encha novamente com água, em seguida cubra-o com terra até fechar o buraco. Faça o mesmo para todas as plantas que estiver cultivando. Regue o jardim e torça para que cresçam com saúde.

Manutenção
Dentre os cuidados principais com o jardim estão a limpeza e a rega diária das plantas. Fique atento ainda a possíveis doenças que podem afetar a saúde das suas flores.

Observe o jardim para saber quais são as horas em que as plantas recebem mais sol e quais as horas do dia em que não recebem. Se perceber que o local não é indicado para uma determinada espécie mude-a.

No caso de quem começou a cultivar um jardim menor e pretende aumentá-lo é importante fazer uma análise para descobrir quais flores melhor combinam com aquelas que você já tem.

janel427

Cyperus Papyrus Nanus_1

Essa espécie vegetal é considerada como uma planta anã, e é conhecida pelo fato de ser muito parecida com a Cyberus papirus.

Além de ser popularmente conhecida por Mini Papiro e Papiro Anão, essa espécie vegetal também é chamada de Papiro e Papiro do Egito. Esta espécie vegetal é nativa do continente africano, mais precisamente da África do Sul.

O Mini Papiro é uma espécie vegetal eu pertence a família botânica Cyperaceae.

Essa espécie vegetal é considerada como uma planta anã, e é conhecida pelo fato de ser muito parecida com a Cyberus Papirus.

Além de ser popularmente conhecida por Mini Papiro e Papiro Anão, essa espécie vegetal também é chamada de Papiro e Papiro do Egito. Esta espécie vegetal é nativa do continente africano, mais precisamente da África do Sul.

O Mini Papiro é uma espécie vegetal eu pertence a família botânica Cyperaceae.

Cyperus Papyrus Nanus_3

A família botânica Cyperaceae
Esta família botânica é composta por 98 (noventa e oito) gêneros e 4.350 (quatro mil trezentos e cinquenta) diferentes espécies. Essas plantas se caracterizam por serem espécies vegetais herbáceas e perenes, e são encontradas em diversas partes do mundo.

Essas plantas se adaptam com facilidade aos solos pobres em nutrientes e as regiões que apresentam climas frios e temperados.

Entre as espécies vegetais mais conhecidas desta família se encontram o capim cidreira, o papiro e o próprio mini papiro.

As características do mini-papiro
O mini-papiro é uma espécie vegetal similar ao papiro original, o Cyberus papirus, no entanto apresenta um tamanho reduzido, por isso é chamado de mini-papiro ou papiro-anão.

É uma espécie vegetal aquática que possui bastante valor ornamental, graças a sua belíssima folhagem, que apresenta um aspecto bastante bonito e delicado.

O mini-papiro é uma planta rizomatosa (possui caules subterrâneos que acumulam nutrientes chamados rizomas) e entouceirada.

É uma planta de pequeno porte e a sua altura média é de 60 cm e se caracteriza por compor touceiras densas.

O mini-papiro é uma espécie vegetal que possui ciclo de vida perene, isto é, consegue viver um período maior que 2 anos.

As hastes do mini-papiro são bastante firmes e na sua copa ou topo brotam folhas curtas e lineares, no formato de uma roseta. As hastes são longas e podem chegar a apresentar 60 cm de altura.

As folhas são curtas e lineares. Elas apresentam cor verde clara e quando nascem são bastante parecidas com um pompom que fica localizado em hastes. As folhas possuem persistência permanente, sendo bastante resistentes.

As suas flores não possuem importância ornamental, com a coloração marrom clara e ela fica localizada entre as folhas do mini-papiro. A floração desta espécie vegetal acontece normalmente na primavera.

Cyperus Papyrus Nanus

O cultivo do mini-papiro
Por ser uma planta aquática de clima tropical (quente e úmido), o mini papiro deve ser cultivado em lugares ensolarados, em terrenos úmidos, em terrenos pantanosos e na beira de lagos e rios.

Apesar de ser uma espécie vegetal típica de cultivo em pleno sol, o mini-papiro tolera ser cultivado em ambientes que contenham sombra. No entanto é interessante que a planta receba incidência direta de luz solar por alguns momentos do dia.

Apesar de ser uma planta aquática, caso a planta tenha condições de umidade bem mantidas ela pode ser cultivada fora ambientes aquáticos, pois consegue se adaptar bem. No entanto, é necessário muito cuidado com esse aspecto da água, pois caso a umidade não seja mantida a planta perde o seu aspecto ornamental.

A espécie vegetal pode ser cultivada em vasos, no entanto deve se tomar o cuidado de não cultiva-la junto a outras espécies vegetais que possuam uma necessidade ou apreciação diferente com relação a questão da umidade, pois a planta que precisa do ambiente úmido.

minipapiro

O mini-papiro pode realizar a composição de jardins aquáticos
É importante que o solo ou o substrato usado nos vasos, se mantenha rico em material orgânico, de forma que a planta receba os nutrientes necessários para o bom desenvolvimento e crescimento adequado, e a umidade do local seja mantida constante de forma que a planta encontra o habitat ideal para o seu cultivo.

Para adubar o solo e o substrato pode ser usado adubo animal (preferencialmente curral) curtido.

Deve ser tomado cuidado na hora de plantar o mini-papiro de forma que os rizomas não fiquem muito enterrados.

O mini-papiro quando encontram as condições ideais se multiplicam com muita facilidade e chega até mesmo ser considerada como uma planta daninha.

A utilização do mini-papiro
O mini-papiro se destaca para uso com fins ornamentais e paisagísticos, gerando um efeito muito bonito.

Essa planta é mais leve e apresenta dimensões menores que o Pairo original ou verdadeiro, o que permite a utilização em jardins de menor porte.

Além disso, é uma ótima opção para ser cultivada nas bordas de lagos e rios, no entanto não deve ficar mergulhado (nem por completo e nem parcialmente), o ideal é ser colocado em vasos com substrato úmido para compor o ambiente.

Uma ótima opção de ornamentação combinada com o mini-papiro é a adição de bromélias, junto ao lago. O efeito visual se torna extremamente bonito e agradável aos nossos olhos, formando um conjunto de grande beleza e harmonia.

O mini-papiro também está sendo utilizada para fabricar hastes para suprir o mercado de buquês e arranjos de flores.

cyperus-papyrus-nanus

A propagação do mini-papiro
A espécie vegetal se propaga através da divisão de suas touceiras. O melhor momento para que a divisão das touceiras seja feita para multiplicarmos o mini-papiro é a primavera, no entanto a planta pode ser multiplicada em qualquer uma das estações (primavera, verão, outono e inverno).

A multiplicação por divisão de touceiras consiste em realizar cortes no rizoma (raiz subterrânea), gerando novas espécies vegetais do mini-papiro. No caso do mini-papiro deve ser retirada a muda do solo, fazer uma boa lavagem dos rizomas e dividir a touceira com uma faca afiada.

Depois é só plantar os rizomas no substrato adequado e procurar proteger o rizoma até o inicio do desenvolvimento do novo mini-papiro.

Outra forma de propagação do mini-papiro, é a estaquia dos talos, no entanto esse método não é muito utilizado.

Na estaquia dos talos, estes são cortados abaixo da roseta de folhas com aproximadamente 5 cm de talo, para que este seja enterrado no substrato nas condições ideais de umidade, com isso eles enraízam e são transportados para serem cultivados em um local protegido.

borboletas amarelas

Dendrobium Thyrsiflorum

Luz – Quase todos gostam de luz natural intensa para que desenvolvam pseudobulbos saudáveis, mas deve ser evitado o sol forte direto, que pode queimar suas folhas. Esse tipo de luz, entretanto, não é necessário o ano todo, mas sim no período de crescimento ativo. Por causa disso é difícil criar Dendrobiums dentro de casa ou sob luz artificial.

Temperatura – Conforme já foi dito, há Dendrobiums para quase todas as condições de temperatura e por causa de suas necessidades especiais, em termos de água e calor, é possível dividir o gênero em seis grupos de cultivo, que consideraremos mais adiante.

Umidade e rega – Durante seu período de crescimento, o Dendrobium necessita de regas abundantes, particularmente no verão. Entre uma rega e outra é importante deixar o substrato secar quase completamente.

Boa ventilação e a boa secagem das raízes entre as regas são absolutamente essenciais, senão a função respiratória da planta, da qual as raízes são responsáveis, fica seriamente comprometida.

No verão a frequência das regas é de uma vez a cada dois ou três dias. No outono e no inverno, há duas situações a considerar:
Dendrobium com folhas persistentes: deve ser dada uma quantidade de água que evite os pseudobulbos murcharem (+/- uma vez por semana).

Dendrobium com folhas decíduas: não deve ser regada, a não ser muito espaçadamente, para evitar que ele seque demais. O nível de umidade deve ser 60-70% durante o crescimento e ele pode ser reduzido grandemente no período de repouso.

dendrobium

Adubação – O Dendrobium em geral necessita de muita adubação e isso deve ser feito no mínimo duas vezes por mês no verão e enquanto está crescendo, com um fertilizante do tipo NPK 30-10-10 ou 20-20-20 e no fim do verão e no outono um fertilizante com mais fósforo (P) para prepará-lo para a floração.

Exceção a essa regra geral são as espécies de grande altitude da Nova Guiné, que necessitam bem pouca adubação.

Nunca se deve esquecer de molhar o substrato antes de aplicar o fertilizante. Os livros aconselham que durante o período de repouso não se deve adubar os Dendrobiums, mas há orquidófilos que usam adubo nessa época, porém em menos quantidade.

Replantio e substrato – Replantar é um aspecto importante no cultivo dos Dendrobiums. Eles devem ficar firmes no vaso, com algum suporte. Plantas frouxas nunca se desenvolvem. O vaso deve ser tão pequeno quanto possível, proporcional ao tamanho das raízes.

Um vaso pequeno garante uma melhor drenagem e a secagem das raízes entre as regas. Sob essas condições o substrato se decompõe muito mais devagar e o replante, que é um evento dramático para o Dendrobium, somente será feito a cada três ou quatro anos. Esse intervalo ajuda a produzir raízes vigorosas, o que não seria o caso se replantado anualmente.

O problema do equilíbrio que surge com plantas longas num vaso pequeno, pode ser resolvido colocando o vaso pequeno dentro de um maior e entre eles pedras ou então dependurando o vaso.

O vaso dependurado é ideal para cultivar Dendrobiums pendentes e mais, essa solução beneficia a planta com mais calor e luz, melhora a drenagem e concorre para seu melhor crescimento.

Vasos com aberturas no fundo e na lateral arejam o substrato e o seca mais rapidamente. Muitos orquidófilos usam placas de xaxim, casca de árvores ou troncos para amarrar os Dendrobiums, criando condições parecidas com as do habitat.

Dendrobiumnobile

O momento ideal para o replantio é quando as raízes começam a crescer, o que acontece com os Dendrobiums na primavera. É um erro grande replantar quando a orquídea está em repouso, o que pode ocasionar a sua morte.

Algumas precauções a serem a serem observadas:
Não regar por uma ou duas semanas, mantendo a planta na sombra, onde não seja muito quente.

Deve-se usar um spray na folhagem para evitar ressecamento.
O tipo de substrato varia consideravelmente : xaxim, coco, pedaços de casca de pinho, etc. Não se deve usar esfagno ou outro substrato que retenha muita água.

Propagação – As espécies de Dendrobium são facilmente reproduzidas através das sementes. Também através de meristema ou outras técnicas de cultura de tecidos.

Um método extremamente fácil e bem popular de propagação é através dos keikis, pequenas plantas que se desenvolvem em pseudobulbos, tipo canas antigas, que devem ser destacados quando tiverem dois ou três pseudobulbos e raízes de 5 a 10 cm. Essas mudas são idênticas à planta mãe.

A divisão das plantas, ao replantar, não é um bom método de reprodução. Se a divisão é feita com um rizoma muito curto, o choque da planta pode ser muito grande. A tendência moderna é replantar e deixar um intervalo de umas três semanas antes de fazer a divisão no próprio vaso e não regar dentro de uma semana.

Como em todas as orquídeas simpodiais, a regra dos três pseudobulbos deve ser seguida. Isto produz um melhor efeito estético e as flores serão de melhor qualidade.

O corte de pseudobulbos é outro método de reprodução. É possível cortar um pseudobulbo velho em 10 ou mais peças, cada uma possuindo entrenós. Coloque-os num meio úmido e morno como em areia ou sfágno. Em poucas semanas algumas plantinhas aparecem, tipo keikis, que podem ser plantados mais tarde.

Dendrobium parishii var semialba

Grupos de cultivo – Levando em conta suas necessidades em termos de rega e temperatura, os Dendrobiums podem ser divididos em seis grupos de cultivo:

Grupo I: É o dos Dendrobiums de folhas decíduas, que devem ser mantidos numa temperatura intermediária ou quente na primavera e verão e fria no inverno.

Enquanto em crescimento as plantas devem ser regadas e adubadas generosamente e ter bastante luz, enquanto no inverno a rega deve ser totalmente suspensa e a adubação interrompida, mantendo bastante luz.

Se não tiverem esse tratamento no inverno, eles não vão florir propriamente e, no lugar de flores, eles produzirão keikis. As principais espécies nesse grupo são: Dendrobium nobile, Den. chrysanthum e Den. wardianum.

Den. chrysanthum

Grupo II: É o dos Dendrobiums de folhas decíduas e que devem ser mantidos numa temperatura quente o ano todo e mantido seco no período de repouso no inverno, apenas tendo alguma rega leve para os pseudobulbos não murcharem.

Rega e adubação devem ser abundantes no verão e interrompidas no inverno.
Apesar de sua necessidade de luz, esses são os únicos Dendrobiums que tem alguma chance de se adaptar dentro de casa.

Grupo III: É o dos Dendrobium de folhas persistentes e que devem ser cultivados como os do Grupo I, mantidos na temperatura intermediária ou quente no verão e fria no inverno.

Entretanto, devido ao fato de terem folhas persistentes, eles não precisam de um período seco no inverno, somente regas menos freqüentes neste período, por causa da evaporação mínima e da diminuição do metabolismo da planta. Rega e adubação devem ser abundantes no verão.

Grupo IV: É o dos Dendrobiums de folhas persistentes, mas, na maioria, plantas de altitude alta que devem ser cultivadas o ano todo em temperatura fria, com boa luminosidade. A temperatura noturna não deve cair abaixo de 12 graus centígrados no inverno e 15 graus no verão.

A rega deve ser suspensa por um breve período de cerca de três semanas após a fase de crescimento, isto é, no começo do outono.

Den. wardianum.

Grupo V: É o dos Dendrobiums de folhas persistentes, tendo necessidades semelhantes às do grupo IV, mas são cultivados em temperaturas mais altas, isto é, em temperatura intermediária, nunca abaixo de 15 graus centígrados.

Muito orquidófilos não proporcionam período de repouso a este grupo, mas as opiniões variam e outros dão cerca de três semanas após o período de crescimento, com bons resultados aparentemente.

Este grupo inclui os conhecidos como Dendrobium antílope, em referência às pétalas laterais torcidas. As principais espécies são: Den. taurinum, Den. undulatum, Den. veratrifolium, Den. gouldii e Den. stratiotes.

Grupo VI: É o dos Dendrobiums de folhas persistentes, mas que devem ser mantidos em temperatura quente. A temperatura noturna, nunca abaixo de 15 graus centígrados no inverno e abaixo de 17 no verão. Gostam de luz intensa, mas os híbridos de Dendrobium phalaenopsis crescem em condições de pouca luz.

A redução de regas após o período de crescimento é necessária para a boa formação da inflorescência. A água deve ser abundante quando a floração começa e diminuída outra vez até o aparecimento de novos brotos. É essencial usar a água em spray durante esses períodos de racionamento de água.

Estão incluídos neste grupo: Den. phalaenopsis (também híbridos), Den. bigibbum e Den. superbiens (híbrido natural entre Den. bigibbum e Den. discolor).

Den. undulatum

Pragas e doenças – Dendrobiums sofrem com as mesmas pestes que as outras orquídeas criadas num orquidário: ácaros, pulgões e cochonilhas são as piores. Caramujos e lesmas atacam os brotos e botões das flores e devem ser catados à noite.

Também várias bactérias e fungos atacam os Dendrobiums. Vírus não é um grande problema com os Dendrobiums, a não ser que sejam contaminados por plantas infectadas na coleção.

chuvisco