Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cultivo’

flores-dalias
As Dálias são flores de aparência suave e elegante, sendo perfeitas para enfeitar o jardim ou decorações de ambientes. Pertencem à família das Asteraceaes, tendo características bulbosas, pétalas volumosas e de tamanho pequeno.

As Dálias são belas plantas perenes que são fáceis de cultivar. Existem 32 espécies diferentes, e elas têm uma ampla variedade de cores. A maioria das pessoas planta dálias a partir de tubérculos.

Essa linda flor foi encontrada pela primeira vez na América do Norte, mais especificamente no México, o que a faz se adaptar com maior facilidade em climas Tropical, Subtropical, Temperado e Equatorial, precisando de sol pleno para se desenvolver. A flor pode alcançar de 40 a 60 cm de altura, devendo ser plantada em um local espaçoso.

Você pode ver dálias nos jardins em torno das casas, parques, hospitais, bancos e outras empresas. Se você quiser se aventurar no paisagismo, considere cultivar dálias. Elas podem ser plantadas durante todo o ano, pois florescem em qualquer época. Porém, o que vai determinar a qualidade do caule e das pétalas que nascerão são os cuidados que a planta recebe.

dalias-1
As Dálias não requerem cuidados especiais, uma vez que não fazem mal à saúde dos seres humanos e animais.

Como cultivá-las
*
Determine quais das variedades de dália você gostaria de cultivar. As plantas variam de 30,48 cm a 2,44 m de altura.

* Selecione um local para plantar as dálias.
Você pode adicionar as plantas a um jardim já existente ou criar um jardim de dálias.
Deve ser cultivada em um local em que o solo seja rico em nutriente, além disso, a incidência de sol deve ser constante, pois ela precisa de luminosidade para se desenvolver.

A Dália também pode ser plantada em vasos, mas eles devem ter mais de 15 cm de profundidade, permitindo que ela cresça sem impedimentos. É indicado adicionar compostos orgânicos na terra para renovar os nutrientes.
Em regiões onde o vento é forte é recomendado instalar pequenas proteções, pois a estrutura da planta é sensível.

* Prepare o seu solo para o cultivo de dálias.
Use uma pá para adicionar fertilizante de batata em seu jardim algumas semanas antes de plantar as dálias.
Adicione areia ao seu solo para melhorar a drenagem do seu jardim.
misture musgo ou composto em jardins de solo argiloso para descompactar o solo. Isso pode facilitar o plantio das dálias.

* Cave buracos para plantar as dálias.
Os furos devem ter de 10,16 a 15,25 cm de profundidade.
Deixe espaço suficiente entre as plantas para que as dálias não bloqueiem ou roubem os nutrientes umas das outras. Para dálias médias ou gigantes, deixe de 0,61 a 0,91 m de espaçamento entre os furos. Para as variedades menores, deixe 0,61 m de espaçamento entre os furos.

* Coloque composto, farinha de ossos e uma pequena quantidade de fertilizante em cada um dos buracos.

dalias-
* Plante as dálias nos buracos preparados. Certifique-se que o ponto de crescimento do tubérculo fique voltado para cima.

* Cubra cada tubérculo com terra e ague cada planta antes de ir para a próxima planta.

* Coloque estacas para as dálias se você estiver usando variedades mais altas. Você pode fazer isso enquanto planta ou adicionar estacas quando as plantas começarem a sair do solo.

* Regue as plantas com uma mistura de água e fertilizantes em pó. Fertilizantes podem ajudá-lo a cultivar dálias com uma aparência saudável.

* Incentive plantas fortes, apertando com os dedos a parte superior da dália, uma vez que ela tenha desenvolvido vários ramos de folhas espessas.

* Fertilize suas dálias semanalmente e regue-as com frequência para incentivar belas flores. Uma vez que as flores desabrochem, você pode molhar as dálias com menos frequência.

Dicas
- Se for o caso, espere para plantar dálias na época em que sua região estiver com baixa ameaça de geada.
- Você pode dividir tubérculos de dália na primavera ou no outono. Quando os “olhos” do tubérculo estiverem difíceis de ver, é melhor dividir as touceiras em metades ou quartos.
- Você pode armazenar tubérculos em uma caixa de papelão com uma tampa até a primavera. Colocando uma folha de jornal entre as camadas, armazene os tubérculos para o inverno em um lugar fresco e seco, como num porão.

flores45

Rodriguezia lanceolata Lind

A maioria das orquídeas agrada a qualquer jardineiro, seja ele de longa data ou apenas um aprendiz de jardineiro.

Existem diversos tipos de orquídeas  desde aquelas mais conhecidas, como as violetas e de pétalas pequenas, como as que ainda mal foram estudadas por botânicos especializados.

Uma delas é Rodriguezia lanceolata, uma espécie difícil de se ver por ai. Porém, devido os tons das pétalas de suas flores e por causa do seu design exótico, ela tem sido usada para decorar vasos, jardins, varandas, pátios e outros jardins ao ar livre.

A espécie ainda está sendo estudada e recentemente, por causa de uma mudança de ambientes, passou a ser amplamente pesquisada. O nome do gênero da espécie foi dado em  homenagem ao botânico e médico espanhol do século 18, Manuel Rodriguez.

Além das informações científicas pesquisadas por especialistas, existem aquelas botânicas que ditam as características mais úteis da espécie para os jardineiros de plantão.

Rodrlanceolata

Para começar, a forma de produção da espécie é sementeira e pode atingir até 15 cm quando já é uma planta madura, ou seja, já adulta. Bem como a expectativa de floração, o tamanho da muda corresponde a uma fase mais adulta em seu desenvolvimento. O cultivo da planta é considerado difícil, até mesmo por causa da sua manutenção complicada. A forma de cultivo da espécie ajuda a dificultar ainda mais o seu plantio.

A origem da espécie não é apenas uma. Ela já foi encontrada em diversas regiões do planeta. Em algumas delas, foi descoberta em grandes quantidades. Os locais onde a Rodriguezia lanceolata foi mais encontrada são: Panamá; Guiana; Equador; Suriname; Venezuela e sudeste do Brasil

Como já deu para perceber, a espécie é nativa da América do Sul, sendo extremamente resistente ao clima tropical de todo o continente.

As flores da Rodriguezia lanceolata chamam muita atenção por causa da sua cor exuberante em rosa e até mesmo meio avermelhada. O tamanho das flores é considerado pequeno. Muitas dessas espécies chegam a ter somente 2 cm a pétala.

Elas passam a brotar com um ou mais cachos para cada pseudobulbo existente na espécie, com brácteas idênticas a folha principal. A base do seu labelo é considerada uma pequena mácula branca e/ou amarelada, tendo em vista que a inflorescência será sempre mais puxada para o vermelho do que para o rosa propriamente dito.

Conforme o ângulo de visualização da espécie, as flores podem parecer brilhantes e translúcidas. Por isso, a localização da espécie do jardim é um fator muito importante para a sua função paisagística.

Há quem diga que o principal componente da espécie são as flores que nascem sempre na primavera, se estendendo por outras épocas do ano. Sem a folhagem magnífica que a espécie possui, jamais seria possível usá-la como design de interiores ou exteriores.

As folhas podem ser realmente pequenas, assim como as flores, e possuem tamanho de mais ou menos 10 a 25 cm, sendo bastante flexíveis no geral. Em sua maioria, são estreitas e lanceoladas.

O gênero da espécie Rodriguezia lanceolata está presente em vastos locais da América do sul e já compreende mais de 41 espécies diversas. Uma de suas principais características, bem como de suas variantes, são seus pseudobulbos uni ou bifoliados.

As flores da planta saem das axilas da folhagem bráctea e são idênticas àquelas do ápice do pseudobulbo formado, deixando uma bainha em formato de “V” na sua base como um todo.

A maioria das plantas desta espécie sobrevivem à florestas úmidas e são verdadeiras epífitas. Elas costumam vegetar em árvores de galhos finos ou cipós nessas mesmas florestas e ambientes frequentemente sombreados, do nível do mar até 1.500 metros de altitude.

Orquídea Rodriguezia lanceolata

Cultivo da Rodriguezia lanceolata
Uma das dicas de cultivo mais recomendadas, seguindo sempre as suas características gerais, é plantá-las em pés de laranja e pés de goiaba com galhos finos e úmidos e que estejam sempre à sombra.

A espécie também pode ser facilmente cultivada dentro de casa, desde que siga alguns pré-requisitos básicos:
* Telhado de sombreamento 70%;
* Regas abundantes durante períodos secos;
* Plantio preferencial em galhos de cafeeiros ou placas de madeira cortadas de forma mais estreita e disposta em vasos de garrafa pet, sabugos de milho ou mesmo em caixas de madeira, sendo elas guarnecidas com pedaços de coco seco dessalinizado.

Para cultivar da forma mais eficaz possível, não esquecer de utilizar 20% de sphagno misturado com 40% carvão e 40% de cascas moídas. Coloque tudo isso da muda da espécie em um local com 70% de sombreamento preferencialmente.

Uma das coisas que se deve ter muita atenção no cultivo da Rodriguezia lanceolata é que ela não tolera raízes úmidas e por isso, deverá ser plantada em cachepot e outros recipientes feitos com madeira. Com isso, é preciso regar a espécie pelo menos a cada dois, evitando o encharcamento.

O substrato da espécie deverá estar bem seco para que as regas voltem a ser feitas de forma constante. As regas e a adubação devem ser frequentes. Também podem se retirar os substratos dos cachepot, mas observe se a sua espécie vai se desenvolver bem nessas condições.

É preciso ficar atento ao período de floração da espécie que pode se relacionar e muito com as formas de cultivo da planta. Mesmo que as flores da espécie cresçam maravilhosamente na primavera, é preciso diminuir as regas neste período, por exemplo.

Outras regras básicas para o cultivo eficaz da Rodriguezia lanceolata são:
* Propiciar uma boa ventilação;
* Insistir em uma boa luminosidade indireta à planta.

Ainda que digam que o seu cultivo é bastante complexo, ainda existem aqueles especialistas que defendem a idéia de que a espécie é uma das mais fáceis de plantar.

Mesmo assim, vale muito a pena investir neste cultivo para quem quer deixar o jardim com um aspecto renovado. Este é um dos objetivos da bela Rodriguezia lanceolata.

flores ao vento gif

Gladiolus Murielae1

A Flor-pavão é uma planta originária do continente Africano, sendo nativa de países da própria região como Etiópia e Malawi.

É popularmente conhecida por: Gladíolo-da-abissínia e Acidantera. Ela é uma planta considerada parente próxima da Palma-de-santa-rita (Gladiolus Hortulanus).

Ela é uma planta que pertence à família das Iridaceae. As plantas pertencentes a essa família se caracterizam por serem perenes e por terem a presença de órgãos subterrâneos de armazenamento. Possuem folhas persistentes e as flores são bastante vistosas.

A Flor-pavão é uma planta do tipo herbácea, bulbosa (as plantas que se caracterizam por serem bulbosas são aquelas que apresentam bulbos em sua constituição. Bulbos são órgãos de reserva – um tipo de ralo comprimido – onde se desenvolvem as raízes da planta, sendo estas uteis para a reprodução da espécie vegetal).

As suas flores são muito bonitas, delicadas e pendentes (a planta pode ser cultivada pendurada em vasos e outros utensílios, com uma grande função decorativa). É uma planta perene (aquelas que possuem ciclo de vidas longos – os ciclos de vida das plantas perenes são superiores a dois anos), que atinge cerca de 01 m de altura.

As flores da Flor-pavão apresentam coloração branca e normalmente tem a presença de uma mancha marrom que tem uma tendência de cor meio arroxeada no centro. Essa mancha pode se apresentar de forma ocasional também na cor alaranjada, e exalam um perfume de odor bastante agradável, principalmente no período da tarde.

A planta pode florescer em qualquer época do ano, sendo necessário apenas a conservação dos cormos responsáveis pela reprodução da planta. Caso opte pelo florescimento natural, ele tende a acontecer nos períodos da primavera, outono e verão.

Suas folhas são longas, de formato linear, de coloração verde e possuem uma textura opaca.

Gladiolus-murielae-007

Cultivo da Flor-pavão
Esta é uma planta típica de cultivo de regiões com o clima tropical. No entanto, se adapta com extrema facilidade aos climas subtropical, mediterrâneo e temperado. É uma planta que deve ser cultivada a pleno sol.

O solo para o cultivo da planta deve ser fértil, preferencialmente argilo-arenoso e com boas condições de drenagem (capacidade do solo de absorver água). Caso seja necessário, para melhorar o plantio, podem ser feitos canteiros elevados, assim as condições de drenagem do solo serão melhoradas.

O solo também deve ser enriquecido com o uso de material orgânico (adubos e fertilizantes) e devem ser realizadas regas de maneira regular. São necessários alguns cuidados no cultivo da planta.

No caso do solo, deve se evitar o plantio em solos arenosos (os solos arenosos são solos extremamente secos, sendo muito permeáveis e deixam a água passar com extrema facilidade).

Com relação às regas, elas não devem ser excessivas, para evitar que ocorra o encharcamento do solo, pois essa situação faz com que os cormos apodreçam de maneira rápida.

Gladiolus_murielae232

Propagação
A Flor-pavão é uma planta que se propaga através dos bulbilhos ou pequenos cormos, que a própria planta produz ou fabrica em torno do cormo. Na parte de cima do cormo existe uma gema que fabrica raízes e brotos. Os cormos possuem folhas modificadas e menores que os bulbos-mãe ou principal da planta.

Os pequenos cormos ou bulbilhos devem ser destacados da planta assim que ela começar a amarelar, isso normalmente ocorre no período do outono. Após a colheita dos pequenos cormos, o primeiro passo é retirar todas as folhas dos pequenos cormos, lavá-los e deixá-los passar pelo processo de secagem.

Após esses passos, os pequenos cormos devem ser juntados, guardados e estocados em sacos plásticos em um lugar fresco ou refrigerados (na própria geladeira). Os bulbilhos ficam guardados até a primavera, quando será realizado o plantio e depois o cultivo da planta, para que ela floresça no verão.

Os cormos devem ser protegidos da desidratação excessiva. Devem ser plantados com 10 cm de profundidade, com um espaçamento médio de 20 cm entre os cormos a serem plantados e cultivados.

Devido as suas características extremamente ornamentais, a Flor-pavão pode ser cultivada de diversas formas, por exemplo, elas podem ser aproveitadas na formação de maciços e bordaduras. De uma forma geral, essas plantas não ultrapassam os 30 cm de altura.

As forrações cobrem o solo, e conseguem manter a sua umidade, no entanto elas não podem ser pisadas como a grama. Na formação de maciços da Flor-pavão, quando a planta é cultivada todas juntas, irá gerar uma floração mais bela e mais longa. Outra possibilidade ornamental de cultivo para o jardim é fazer uma mistura (mix) da planta em questão com outras espécies de plantas bulbosas de porte parecido com ela, o que oferece uma agradável visão para os apreciadores de um belo jardim.

Para as pessoas que não possuem tanto tempo, como a Flor-pavão é uma espécie de bulbosa de cultivo simples, ela pode ser cultivada em vasos, jardineiras e como flor de corte, sendo útil para fazer belíssimos buquês e como lindos arranjos de flores.

janel15

santolina-chamaecyparissus

Planta herbácea pertencente à família Asteraceae e tem sua origem na Europa, mais precisamente na Zona do Mediterrâneo.

A Santolina é uma planta arbustiva, entouceirada e popularmente conhecida pelo seu aroma delicioso.

Apresenta porte baixo, alcançando de 30 a 90 cm de altura, com ramagem ramificada, formando moitas densas. As folhas são cinzentas, finamente divididas, aromáticas e pontiagudas, que lembram folhas de cipreste. As inflorescências são delicadas e assemelham-se a pequenos pompons de cor amarelo brilhante, perfumados.

O florescimento desta planta normalmente acontece no verão, apesar disto a planta é mais cultivada pela sua beleza da cor de sua folhagem do que exclusivamente pelas cores.

Os tons acinzentados de sua folhagem formam interessante contraste com plantas de cor verde. As flores da santolina, quando colhidas, podem compor belos arranjos florais.

Santolina chamaecyparissus

Como cultivar
Esta é uma planta que precisa de muito sol para ser cultivada, podendo ser criadas em vários lugares como, por exemplo, os vasos, as jardineiras como pendentes, canteiros grandes ou unitários e até mesmo em alguns casos servindo para acompanhamento de árvores e também palmeiras.

No paisagismo, é possível encontrar esta planta como formação de maciços e bordaduras, demarcando canteiros e caminhos. É uma planta bastante tolerante a temperaturas mais frias, e por isso seu cultivo tende a ficar um pouco mais restrito a regiões de clima temperado ou altitude, aqui no Brasil o local perfeito para criação das plantas é o sul do Brasil e as regiões de serra.

Propagação da planta
A propagação da planta acontece de duas formas, como por sementes e também estaquia de galhos. A forma de propagação por sementes poderá ser feita a partir de uma retirada de partes maduras da planta, estas que deverão ser colocadas para secar em um jornal e também fora do sol.

Depois disto, em seguida é só se separar todas as sementes que na maioria das vezes podem parecer estar perfeitas e ainda colocar em sementeiras ou mesmo caixotes que tiverem substratos de casca de arroz e ainda uma mistura de solo mineral e também areia, estes que poderão ficar mantidos úmidos.

Depois de ocorrer a semeadura, é importante que se regue os substratos e eles deverão ser cobertos com sacos plásticos para que se ajude a manter a umidade na sua criação. Assim que elas tiverem emergido, procure retirar o plástico que estava envolvendo as plantas, apesar disto procure manter toda a umidade dos substratos até que as plantas possam se desenvolver.

Os transplantes desta planta deverão ser realizados quando ela estiver com um volume maior e mais de seis folhas que deverão ser manuseadas. É interessante que o cultivo tenha alguns substratos ricos em matérias orgânicas sendo assim é possível se misturar em partes iguais de areia, além de solo mineral e compostos orgânicos que deverão ficar bem misturados.

Santolina

Propagação por estaquia de galhos
Outra forma de realizar a propagação das plantas é retirando os ponteiros existentes de ramos mais jovens e procurar os colorar em um substrato de areia ou ainda casca de arroz que deverá ficar mantido até o seu enraizamento.

É importante ainda cobrir todo o substrato para se evitar a existência da perda de umidade. Depois que ocorrer o enraizamento, é importante se cobrir o substrato para que se evite a perda de sua umidade natural.

Depois do enraizamento é interessante se transplantar a planta para potes que tenham um mesmo preparado que for descrito acima. Em seguida para que você possa colocar em um canteiro ou mesmo em vasos definitivos, procure preparar o seu solo revolvendo em até 15 cm de profundidade, colocando assim um pouco de adubo animal de gado, e aves que deverá estar bem curtido, e ainda compostos orgânicos procurando misturar bem.

Se quiser poderá ainda colocar uma adição de adubo químico NPK formulação 10-10-10 esta que deve ser feita em um solo muito pobre, em uma quantidade relativa a 100 g/m² e que deverá ficar muito bem incorporada nas terras.

Procure em seguida fazer uma boa cavidade do tamanho do torrão que você for utilizar, acomode a sua muda e a deixe chegar a terra procurando apertar levemente para fixar o material. Depois da realização de todo o plantio procure regar com jatos que sejam leves e finos.

Criando um jardim utilizando Santolina
Antigamente nos jardins romanos existia uma influência grega bastante considerável além de persa da santolina. Os jardins eram criados para a recreação sendo sempre em locais fechados de observação externa. Este tipo de jardim se caracteriza principalmente por uma simetria, e também utilizando fontes bem como elementos artificiais como as mesas através de colunas e estátuas relativas de mármore.

É importante neste caso utilizar alguns números reduzidos de espécies consideradas vegetais como, por exemplo, o buxinho, a santolina, e a murta, o louro anão, ciprestes, entre outras plantas são espécies bastante interessantes que poderão permitir este tipo de criação, e utilizadas nos estilos de jardins. As heras, por exemplo, poderão ser utilizadas de forma bem vinda cobrindo todos os muros e também as suas paredes. É importante também utilizar alguns canteiros simétricos de ervas tanto aromáticas, medicinais e ainda poucas flores.

Santolina chamaecyparissus66

Regas sempre na medida certa
Procure sempre se informar de todas as suas plantas sobre a quantidade de água que cada uma das espécies ficam ao longo do dia. Procure evitar regar as plantas á noite. Sem ter uma luz natural, a sua umidade é um pouco maior o que poderá ainda facilitar a proliferação dos fungos. É importante se pensar em toda a irrigação antes das espécies serem plantadas.

E desta forma não irá ser necessário se rasgar gramados para instalar tubos. Mas se for molhar as plantas com mangueiras comuns, procure fazer torneiras de 20 metros para facilitar a rega ao trabalho com as suas mangueiras menores. Entre as plantas medicinais é fundamental que se tenha melissa, que é excelente contra a gripe, o orégano é um ótimo expectorante, e por isso você deverá as ter no seu jardim porém não podem ficar em sol direto já que poderão ficar queimadas facilmente.

flores123

rosa emperor

A Ixia é originária da África do Sul e por isso, se adapta muito bem ao clima brasileiro. Como toda planta, a ixia pertence a uma família, a sua é a Iridaceae.

É uma planta que se propagada através dos próprios bulbos, porém, pode acontecer que na natureza, em consequência da polinização realizada pelas abelhas e também pelos besouros, ela se multiplique espontaneamente. Os pequenos animais fazem o “serviço” de espalhar a flor pela natureza e basta que seja uma terra boa e em pouco tempo, lá estão elas, crescendo.

A planta faz parte do grupo de plantas que exige mais atenção quando o assunto é irrigação. Ela aprecia muita rega e precisa do líquido para crescer saudável e se desenvolver. Por isso, a rega deve ser feita periodicamente.

Mas, não basta dar água suficiente para ter uma flor bonita, é necessário, também, que a preocupação comece no cultivo, que deverá ser feito em solo fértil.

As exigências da ixia não param por aqui, outro fator de extrema importância para que ela se desenvolva é ficar em um lugar que tenha sol pleno durante a parte da tarde.

Além de se preocupar com uma terra fértil, na hora do cultivo é muito importante dar uma atenção especial para o tamanho da cova onde ela será cultiva. Para plantar a flor ixia é necessário deixar uma distância de 7 cm entre os bulbos e a profundidade para colocá-los também deve ser de 7 cm.

ixia maculata2

As Características da Ixia
As plantas variam muito quanto as suas características, elas podem crescer mais ou menos, ter mais flores ou menos, não tê-las, ter frutos de uma forma ou de outra, além das diferenças das folhas. No caso da ixia, a altura média que ela chega é 40 cm. Porém, algumas podem superar essa medida e chegar a medir 60 cm.

O porte da ixia é ereto e falando de folhas são particularmente delicadas. Falando de flores, podemos dizer que possuem inflorescências flexíveis. Outro detalhe que vale a pena destacar em relação às características da ixia é o fato de ela ter nervuras com a cor lilás e suas flores possuírem pétalas rosa ou branca.

A ixia se apresenta em uma grande variedade. Pode-se dizer que existe, pelo menos, cerca de 30 variedades. Podemos encontrá-la nas mais variadas como como: roxa e branca, rosa muito suave,  vermelhas e amarelas, fúcsia e branca com o centro mais escuro.

As flores da flor ixia surgem bem no início da primavera, às vezes, começam a dar sinal no fim do inverno. Esse é o único momento em que a planta tem a sua florescência. Depois que as flores se vão, só aguardando novamente o fim do inverno e o início da estação das flores.

A ixia se adapta bem a várias situações, falando do seu uso para decoração. Ela pode ser cultivada tanto dentro de vasos como pode servir para projetos paisagísticos de jardins, muito usada, neste caso, para fazer bordaduras. Já para quem tem quintal, a planta pode ser uma solução para fazer um lindíssimo canteiro.

Quando é plantada em uma região cujo o clima é mais frio, se adapta melhor, porém não quer dizer que ela não suporta o calor. No primeiro caso, quando as flores aparecem são mais bonitas, em maior quantidade e com a cor mais viva.

É uma planta muito procurada para projetos de paisagismo justamente pela variedade como se apresentam as pétalas das flores, são muitas tonalidades. Além disso, o fato de ser uma flor que não encontra problemas em dividir espaço com outras de espécies diferentes.

Ixia_pg

Cultivo da ixia
1 – O primeiro passo é escolher a planta que mais gostar em relação a cor das flores. Consulte o vendedor da muda.

2 – Em seguida, deve ser escolhido o lugar em que ela deverá ser plantada, lembrando de respeitar os 7 cm que foram assinalados logo no início desse artigo. Caso tenha planejado plantá-la em um vaso, lembre-se de que precisa ter uma boa drenagem para evitar que água se acumule e mate a raiz.

3 – Tenha uma terra boa, fértil e enriquecida com material orgânico para dar bons nutrientes para a sua planta.

4 – Escolha uma época mais fria do ano na sua região para cultivar a flor ixia.

5- Coloque a muda no lugar escolhido e use a terra com as mãos para terminar de fechar a cova e “prender” a planta.

6 – Faça a primeira rega e espere que ela cresça um pouco, mas não deixe de colocá-la sob o sol da tarde, o horário que ela mais gosta de receber raios solares.

7 – Ela deverá estar sempre com a terra úmida, mas cuidado para não exagerar na quantidade de água. Esse é um problema para qualquer planta, goste ela de muita água ou não, jamais podemos encharcar as raízes, que acaba matando.

Agora é só escolher a sua flor ixia preferida, a mais colorida, e encontrar o lugar certo para plantá-la. Tenha paciência, pois valerá a pena, quando a cada fim de inverno e início de primavera, ela ficará linda e toda florida.

Lembre-se de pegar todas as informações necessárias na loja onde você adquirir a planta, inclusive de como fertilizar a ixia durante o período de pós-crescimento.

janelachuva

Sida sp

Em todo mundo encontramos uma diversidade de plantas e com infinitas propriedades. As plantas medicinais acabam recebendo um destaque maior porque a curiosidade popular anda cada vez mais frequente quanto ao uso de plantas no tratamento de problemas de saúde, afinal elas são naturais e não oferecem risco nenhum, ou não deveriam. Isso porque dependendo da forma como você toma, essas plantas podem se tornar extremamente tóxicas.

A planta Vassoura é um bom exemplo desse tipo de planta. Extremamente funcional, não só apenas para a medicina natural, mas ao mesmo tempo apresenta algumas propriedades tóxicas que devem ser atentadas.

Vamos conhecer as principais características sobre essa planta e aprender o básico de como cultivá-la no seu jardim.

A planta Vassoura tem origem no continente americano, incluindo toda a sua extensão. Estando entre as espécies de plantas da família das Malvaceae, a está categorizada como uma planta medicinal e ao mesmo tempo, como uma planta daninha e dependendo da região onde é cultivada, pode receber diversos outros nomes populares como Vassoura-de-relógio, Vassourinha, Guaxima, Vassoura, Chá-da-índia, Malva-preta, Vassoura-do-campo, Malva-brava e Malva.

Sendo cultivada sob as condições ideais de solo, iluminação, regas e clima, ela pode chegar até 1 m de altura e vai florescer sempre, já que possui um ciclo de vida perene, o que significa que você terá a planta brotando durante todo o ano em seu jardim.

As folhas dessa planta são simples, o formato é de um losango ou então oval e as bordas são serrilhadas. As flores são muito bonitas e na cor amarela, por vezes mais viva ou mais clara quase chegando a branco. Apresentam-se sempre em cinco pétalas e algumas flores dessa planta possuem o centro avermelhado.

Na natureza é encontrada muitas espécies diferentes da planta Vassoura, principalmente as que nascem em pastagens, pois como servem como forração para gado, muitas vezes elas multiplicam-se de forma diferente. Essa mesclagem da planta Vassoura com outras espécies de plantas e até mesmo com as próprias plantas Vassouras, fez com que diversas funcionalidades surgissem com o tempo, entre elas as condições medicinais dessa planta. Ela também é muito usada na produção de cordas e sacos de aniagem, principalmente em locais onde não existe a juta. O nome “Planta-vassoura” veio porque as fibras dessas espécies são muito usadas na confecção de vassouras artesanais.

sida

Dicas sobre a melhor forma de cultivo da Planta-vassoura, para ter lindos ramos em seu jardim.
A Planta-vassoura é considerada uma planta muito rústica, o que nos leva a concluir que não há necessidade de cuidados muito especiais com a plantação, pois com as condições mínimas ideais, ela vai se desenvolver muito bem. Para manter a sua planta sempre bonita, ela deve ser cultivada sob o sol pleno ou meia sombra, o solo pode ser pobre ou fértil que ela se desenvolve bem. Como é uma planta de regiões onde o clima tropical e subtropical predomina, a planta não vai tolerar ser cultivada em regiões onde o clima é bem frio.

Propriedades Medicinais
Como já foi citado acima, a Planta-vassoura possui algumas poucas e eficientes propriedades medicinais. Ela pode ser utilizada no tratamento de febres, diarréias, cólicas, hemorróidas, problemas com o colesterol alto, problemas de respiração, pressão alta, irritações na pele e diversas alergias.

As principais propriedades dessa planta são, portanto a de anti-inflamatória, emoliente, diurético, hepatoprotetora e tônica, sendo utilizada toda a planta para o preparo de medicamentos ideais no tratamento dos problemas de saúde que citamos mais acima.

Para fazer o chá da planta vassoura, é necessário de algumas poucas colheres da planta seca ou fresca, dependendo do gosto, alguns gomos de maçã e água apenas. Para fazer a dosagem ideal, deve-se misturar seis colheres da planta ainda com as bagas da roseira, uma maçã seca cortada em gomos, em 1 litro de água fervendo. Deixe por 10 minutos em fogo baixo e para tomar coe o chá. Pode ser bebido ainda quente ou reservar na geladeira.

Caso não deseja tomar o chá e prefere o medicamento e cápsulas ou comprimidos, ele é facilmente encontrados à venda em qualquer farmácia de medicamento natural ou de produtos naturais em todo o Brasil.

Toxicologia
Como já foi citado acima, a Planta-vassoura também apresenta algumas características tóxicas e deve-se ficar atento bem antes de sair tomando sem controle o chá ou qualquer medicamento. Não são todas as espécies dessa planta que apresenta componentes tóxicos, portanto é bom verificar na embalagem quando for adquirida as sementes as sementes, se a mesma apresenta alguma característica do tipo. Caso a semente ou a muda seja doada de alguma pessoa conhecida, também deve se certificar de qual espécie de planta vassoura está prestes a cultivar.

Em caso de ter essa planta no jardim, procure deixar fora do alcance de crianças e animais e mesmo assim, se existir caso de infecção através de Planta-vassoura, procure uma emergência o mais rápido possível para que seja dado o atendimento correto para esse caso. Indicamos também que deve ser levado um ramo da mesma planta consumida para que seja feita a analise. Se não tiver mais o exemplar do mesmo ramo ingerido, leve da mesma planta que ainda assim será eficiente.

A multiplicação da planta é feita através de sementes.

ONDA

Amaranthus_tricolor

Existem plantas que, por causa de sua cor, podem até ser confundidos com belas flores. Este é o caso da espécie Tampala. As folhas desta planta possuem cores de fogo e misturam tons quentes como vermelho e o amarelo. Uma ótima combinação para decoração e outros fins. Por isso que a espécie é muito utilizada em jardins e em quintais para alegrar ainda mais o ambiente. Ela também pode ser mesclada com outras plantas de cores mais neutras.

A Tampala pertence à família Amaranthaceae e originária da Ásia, como China, Japão e outros países do continente.

A Tampala é uma planta considerada herbácea e ainda muito cultivada em seu lugar de origem, a Ásia. Lá, ela é plantada como uma verdura, embora tenha várias características para ser uma planta decorativa. Mesmo sendo uma planta ornamental, ela possui folhas comestíveis e que enfeitam mesas por diversos locais do mundo.

O seu caule é bastante ramificado e e ereto, alcançando em média de 0,5 a 1,5 metros de altura. Sua folhagem é considerada lanceolada, mas também pode ser ovalada. Elas também podem ser pecioladas. Quando a espécie varia em seus diversos tipos, pode ter as folhas modificadas, onde elas se tornam mais eretas ou pendentes.

A coloração das suas folhas são muito marcantes. Em uma mescla de vermelho brilhante com um amarelo vivo, ela atrai diversos insetos que confundem a sua folhagem com belas pétalas de flores.

Essas cores podem combinar com outros tons como verde, o roxo, o rosa e as próprias cores da suas folhas. O marrom e qualquer combinação de degradeé podem também estar por perto da espécie em qualquer forma de cultivo.

Amaranthus_tricolor_

As flores são demasiado pequenas e reunidas em espigas bastante volumosas. Elas também são consideradas plumosas e crescem em número bastante grande. Na maioria de suas variantes, as flores não possuem grande postura escultural e muito menos importância ornamental.

A espécie, como foi dito anteriormente, possui folhas que podem ser facilmente ingeridas, com sabor bastante característico. Além disso, elas podem ser muito bem adotadas para fins decorativos.

As sementes dos frutos que surgem na planta são bastante numerosas e diminutas. Elas podem se formar pelo método conhecido como autopolinização ou a difícil técnica da polinização cruzada.

Por causa da rápida e eficaz multiplicação, propagação e dispersão, a planta poderá se tornar extremamente invasiva. Este é um alerta muito importante para os jardineiros que desejam cultivar a espécie. Vale lembrar que é apenas em determinadas situações que ela se torna uma invasora nata. As podas podem evitar bastante a sua rápida multiplicação.

Forma de cultivo
A planta pode ser uma ótima opção na hora de produzir maciços e boas bordaduras para jardins, quintais, pátios e varandas.

Desde que estejam  em pleno sol, estas armações podem contribuir diretamente para a beleza de locais mais amplos e também de lugares menores como vasos. Por causa da sua coloração especial, ela é ótima para enfeitar ambientes de cunho tropical.

Amaranthus tricolor1

Na horta
Plantada dentro de uma horta, a espécie pode trazer folhas nutritivas e macias. Elas se tornam abundantes quando bem cultivadas e podem oferecer um sabor bastante agradável. Elas podem ser servidas cruas em saladas ou também podem estar cozinhas, assim como o espinafre. Suas folhas são ótimas para complementar alimentos como em sopas, caldos, bolinhos e recheios diversos.

Como Plantar?
A Tampala é uma planta que se dá muito bem com o sol e por isso, deve ser cultivada sob os seus raios mais fortes. Em solo fértil, bem drenado e completamente enriquecido com matéria orgânicas a espécie pode se desenvolver sem maiores problemas. Vale lembrar que a planta deve ser altamente irrigada frequentemente para que possa crescer e desenvolver as suas características mais marcantes. O adensamento da espécie é feito através do estímulo do beliscamento do ápice das mudas.

Já deu para perceber que a Tampala precisa de muita umidade e temperaturas altas para o seu desenvolvimento sadio. Por isso, ela é bastante adaptável aos climas tropical e subtropical, típicos da região da América do Sul. Elas podem ser facilmente plantadas em vasos dentro de casa quando não se tornam muito invasoras. Quando cultivadas em áreas de clima temperado, elas podem ser levadas para casas de vegetação.

É muito importante dar uma atenção especial para a Tampala em seus primeiros meses de cultivo. Elas precisarão de um tutoramento diário para evitar a sua quebra. Além disso, utilize-se sempre do método das podas para evitar que a planta se torne invasiva em canteiros, vasos e outros locais de plantação. Nas horas, as podas também podem ser feitas sem maiores problemas.

Multiplicação
A propagação da espécie pode ser feita de diversas maneiras: sementes e postas que começam a germinar na primavera. Elas tendem a se multiplicar de forma ágil e eficaz

ouvindo-a-chuva

Chlorophytum_orchidastrum_001

O Clorofito-lumina é uma espécie da família Agavaceae e tem sua origem na África. É uma planta herbácea que se destaca pelo colorido incomum da folhagem. Ela alcança cerca de 30 a 40 cm de altura, com largas folhas em roseta, que crescem de um rizoma carnoso.

As folhas são o principal atrativo desta planta. Elas são largas e longas, com o limbo verde escuro e fosco e uma longa e grossa nervura central, de brilho translúcido e cor creme-alaranjada. A sua inflorescência vem de importância ornamental em um segundo momento, além de apresentar hastes avermelhadas com pequenas flores brancas.

É uma planta tropical e atraente. Suas características que chamam muito á atenção é a sua exuberância que pode ser apreciada tanto em interiores que estiverem bem iluminados, perto de janelas, porém sem receber sol diretamente, o que normalmente queima as suas folhas.

clorofitolumina

Além de vasos, a planta poderá ser cultivada em jardins totalmente isoladas, ou ainda em pequenos grupos, em locais que poderão contar com luz filtrada e ainda totalmente protegida pelas sombras de árvores. É importante salientar que o grande exotismo deste tipo de planta é totalmente valorizado nos jardins de coloração tropical e contemporâneos.

O cultivo da planta
O cultivo do Clorofito-lumina deverá acontecer em meia sombra contando com substratos drenáveis, que deverão ser enriquecidos com matéria orgânica e ainda mantidos úmidos. Pelo fato de ser uma planta rústica ela não precisa de cuidados especiais.

Este tipo de planta aprecia bastante o calor e também toda a umidade dos ambientes tropicais, devendo ser cultivadas nas estufas em países que tiver um clima temperado. Uma peculiaridade interessante é que não é necessário a realização de podas nesta planta, basta apenas se remover as folhas que estiverem mortas que estará pronto.

É interessante investir em adubações leves realizando um replantio desta inflorescência pelo menos duas vezes no ano, sempre na época da primavera, o que são suficientes para todo o desenvolvimento de folhagens que sejam vibrantes. Este tipo de planta costuma se multiplicar através de divisões de touceiras e ainda rizomas devido a ocasiões do seu replantio realizado.

janel10

Elaeagnus Pungens

Espécie também conhecida pelos nomes populares, de: Eleagno, Oleastro e Oleagno.

A Oliveira-ornamental é uma planta pertencente á família Elaeagnaceae, que se caracterizam por serem plantas angiospérmicas, aquelas plantas que possuem flores em sua composição e pertence à ordem de plantas Rosales.

As plantas pertencentes à família das Elaeagnaceae são árvores de pequeno porte ou arbustos nativos das regiões que apresentam clima temperado.

Essa família agrupa em torno de 50 espécies diferentes de plantas, que de uma forma geral, são espinhosas e possuem folhas simples e cobertas por pequenas escamas ou pelos. A maioria das plantas que pertencem a esta família são xerófitas, isto é, plantas que não precisam de muita água para sobreviver, no entanto existem algumas espécies que são halófitas, que são plantas terrestres, que estão aptas a viverem no mar ou próximo deste e são tolerantes a salinidade.

A planta é nativa do continente Asiático, mais precisamente da China e do Japão que foram os primeiros lugares onde foram identificadas a sua presença. Devido a sua grande beleza esta planta é bastante utilizada com fins ornamentais.

A Oliveira-ornamental, se caracteriza por ser um arbusto lenhoso, ereto e com muitos ramos. Além disso, o pequeno arbusto é uma planta que possui ciclo de vida perene, isto é, possui um ciclo de vida longo – superior a dois anos.

Elaeagnus_pungens_bonsai

Uma planta do tipo arbusto é uma planta que se ramifica junto ao solo e possuem um porte pequeno quando comparado às árvores, os arbustos precisam de um espaço grande para se desenvolver bem.

A Oliveira-ornamental atinge uma altura média de 1,20 m a 2,40 m, porém já foram encontradas plantas com até 4,0 m de altura. Seus ramos são muito lenhosos, mas quando jovens possuem grande flexibilidade, o que facilita a condução dos ramos e sua utilização como cerca-viva.

Suas folhas são de formato ovalado e são cerosas. As folhas possuem uma coloração verde-oliva em sua parte superior e na parte inferior elas apresentam uma coloração prateada. As margens da folha do são irregulares e suas escamas são amarronzadas.

Normalmente a Oliveira-ornamental floresce no verão, e as flores desta planta possuem o formato de um sino pequeno. Elas possuem uma cor rosada tendendo a branco creme. As flores são axilares (se formam nas axilas das folhas), bastante perfumadas e muito discretas, pois elas ficam escondidas e camufladas em meio à ramagem.

Ela produz frutos, de tamanho pequeno, e que possuem uma coloração marrom-avermelhada, e possuem uma superfície prateada.

Os frutos do arbusto são comestíveis, no entanto o seu sabor não é dos mais apreciados, por não ser muito saboroso. No entanto, os frutos são atrativos para os pássaros e aves, servindo como alimento para estes.

Outra característica do vegetal é que ela possui espinhos esparsos.

Existem várias espécies de Oliveira-ornamentais, no entanto as que são mais conhecidas e cultivadas são as variedades que possuem as folhas com as margens ou o centro de coloração amarelada ou creme.

Cultivo
A Oliveira-ornamental é uma espécie de planta que gosta e aprecia o clima ameno, sendo uma planta tipicamente apropriada para o cultivo em regiões de clima temperado, contudo, ela é uma planta que se adapta facilmente aos climas: continental, oceânico, tropical, mediterrâneo e subtropical.

É uma planta que deve ser cultivada sob pleno sol ou a meia sombra. É um das poucas plantas arbustivas que pode ser cultivada sob meia sombra sem maiores preocupações e cuidados, pois ela tolera plenamente essa condição de cultivo.

O solo apropriado deve ser fértil e enriquecido com a utilização de material orgânico, no entanto, não tolera ser cultivada em solos alcalinos. É importante que o solo apresente uma boa permeabilidade e seja profundo.

Além disso, devem ser realizadas regas periódicas para que o solo fique apropriado para o cultivo. É uma planta que apresenta certo grau de resistência, inclusive ela suporta curtos períodos de estiagem.

elaeagnus-pungens091013-0489dukez

Pode ser cultivada de forma isolada ou em grupos de plantas, em jarros e jardineiras e também pode ser cultivado em regiões litorâneas, sendo colocadas em sacadas, varandas e coberturas, pois tem a capacidade de suportar ventos mais fortes. A planta também pode ser cultivada em sua forma natural, ou podem ser realizados trabalhos, como exemplo a topiaria, assim (arte de podar plantas em formas ornamentais).

Por ser uma planta arbustiva pode ser utilizada para a formação de cercas-vivas com bastante resistência, rusticidade e acima de tudo com grande beleza. Contudo, é uma planta que possui um crescimento considerado de moderado a lento.

Dependendo da forma de cultivo, esta planta pode sofrer podas de formação. Esse tipo de poda é importante para a confecção das cercas vivas, e também para controlar o crescimento invasivo da planta.

Multiplicação
A planta se propaga e dispersa com extrema facilidade, por isso em algumas localidades ela é considerada como uma planta invasiva (plantas que proliferam com facilidade e acabam invadindo áreas indesejadas).

Pode se propagar de duas maneiras: através da dispersão de suas sementes e por estaquia.

A propagação por dispersão das sementes acontece através da ação humana e de forma espontânea, onde os pássaros se alimentam dos frutos e espalham as sementes. As sementes são colocadas em outros locais para que germinem e assim gerem uma nova planta.

Na multiplicação por estaquia, são formadas estacas com os ramos da Oliveira-ornamental, e esses ramos necessitam ter a presença de folhas e raízes para que quando as estacas forem transportadas e colocadas em outros locais, elas tenham condições e capacidade de criar uma nova planta.

Os ramos que serão utilizados para reprodução da planta por estaquia podem ser feitos através do aproveitamento dos cortes feitos na poda de formação.

Na propagação da Oliveira-ornamental por estaquia, muitas vezes são usados enraizadores para acelerar o processo de estaquia.

226175jfr3l9jh8u

Alpinia_zerumbet

Também conhecido como Alpínia, Louro-de-baiano, Cardamorro, Helicondia e Jardineira, o Gengibre-concha é uma planta herbácea, rizomatosa, robusta, ereta, forte e entouceirada.

Pertence à família Zingiberaceae e é oriunda do continente asiático, mais precisamente do Japão e da China.

Ela é uma planta que pode ser considerada como parente do gengibre, que é bastante conhecido e popular, sendo cultivado no Brasil como uma planta ornamental e decorativa.

A gengibre-concha é uma planta rústica de médio a grande porte, que tem uma altura média de 1,80 m a 2,40 m.

Ela é uma planta arbustiva que se adapta com extrema facilidade aos vários tipos de climas, porém ela é uma planta que se adapta melhor ao clima tropical, porém ela também se adapta com tranquilidade aos climas equatorial e subtropical.

Floresce melhor em locais com um clima ameno, mas que tenha calor (a planta precisa receber pelo menos 04 horas de incidência solar) e úmidos.

O gengibre-concha produz belas inflorescências, e suas flores são perfumadas, ornamentais e podem ser utilizadas como flor de corte. Normalmente, suas flores  surgem no verão e no outono.

São flores com cores em tons de branco, perolada e rosada e podem ser encontradas em agrupamentos de cachos semi-pendentes. Elas apresentam um aroma suave e agradável, o que reforça a característica ornamental e decorativa do gengibre concha. Elas se assemelham muito as orquídeas, o que dá a planta as suas características ornamentais. As flores também possuem uma aparência cerosa, isto é, parecem que foram fabricadas com porcelana.

Alpinia zerumbet1

As folhas do gengibre-concha são grandes, largas e brilhantes e a sua textura é semelhante ao couro e se quebra com facilidade, possui hastes longas, e coloração verde. Também possuem características aromáticas e ornamentais devido a sua grande beleza e são próprias para serem usadas em jardins em áreas tropicais.

Existe uma espécie de gengibre-concha do tipo variegata, que possui folhas com manchas de cores branco-creme e amareladas. A floração da planta ocorre normalmente no verão e na primavera, que são as épocas mais quentes do ano.

Os frutos do gengibre-concha são de coloração laranja. Eles são do tipo cápsula, de formato globoso abrigando várias sementes.

Cultivo
Como as outras espécies de gengibre, o gengibre-concha é uma planta que gosta e tem preferência por solos ricos em matéria orgânica e precisam de regas e irrigação regulares e periódicas. As regas apesar de serem periódicas e regulares, precisam ser espaçadas e de cuidado para não encharcarem o solo, pois a planta não se adapta ao solo nesse tipo de situação.

Ela é uma planta que pode ser cultivada como touceira de forma isolada ou em grupos (renques).

Alpinia_zerumbet_

O gengibre-concha é uma planta que preferencialmente deve ser cultivado em locais ensolarados (podem ser cultivadas a pleno sol) ou no máximo levemente sombreados (a chamada meia sombra), e é uma planta que não possui nenhuma resistência ao frio, isto é, não suporta climas muito frios ou em casos extremos de geadas.

Pode ser plantado da seguinte maneira: realiza-se a plantação dos rizomas em buracos pequenos e com pouca profundidade. É uma planta em que o plantio pode ser realizado em qualquer época do ano, já que possui um ciclo de vida perene, desde que o clima preferencialmente esteja quente.

Além de serem cultivados diretamente no solo, podem ser cultivados em vasos e jarros, e as suas flores podem ser usadas na confecção de belos arranjos florais.

Reprodução
O gengibre-concha se propaga e reproduz com muita facilidade como resultado da divisão dos rizomas em touceiras, mas é necessário tomar o cuidado de sempre deixar uma parte do rizoma e de folhas em cada muda.

Uso do Gengibre-concha
O gengibre-concha é uma planta muito utilizada para o paisagismo e a ornamentação, devido a sua grande beleza, elas são utilizadas com o objetivo de explorar o seu efeito decorativo de ambientes. No uso paisagístico e decorativo, o gengibre concha é bastante usado na confecção de arranjos florais.

A planta também possui propriedades medicinais. As folhas e raízes do gengibre concha possuem as substâncias: kavaína e dehydrokavaína. Conforme os estudos, essas substâncias possuem propriedades relaxantes e anti-stress. Além disso, o extrato e o óleo do gengibre-concha possui ação anti-hipertensiva.

No gengibre-concha podem ser encontradas outras substâncias com propriedades medicinais, como por exemplo: alcaloides, taninos, cálcio, ferro, zinco, cardamonina, sódio, potássio, isalpinina, canfeno, magnésio e canfora.

Todas essas substancias ajudam a planta a ter uma aplicação fitoterápica, sendo indicado contra doenças como: artrite, asma, etc.

Além disso, o gengibre concha possui propriedades: anticatarral, antitérmica, anti-ulcerogênica e estomáquica.

No entanto, não é recomendado que o gengibre concha seja utilizado por gestantes. A ingestão da planta pode causar intoxicações de grau leve e alguns efeitos cardíacos. É necessário cuidado em caso de contato com a seiva, pois ela pode causar irritações em áreas como a pele e nos olhos.

janel3