Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘cuidados’

vandas Devemos estar preparados para o frio intenso e principalmente a geada que é o que causa a maior parte dos estragos em diversas orquídeas, principalmente Vandáceas, Phalaenopsis e Catasetíneas que são muito sensíveis ao frio intenso. O frio intenso e as geadas podem se tornar um problema importante para nossas coleções de orquídeas, portanto é importante que fiquemos ligados e nos preparemos bem para quando tiver risco de ocorrer esses fenômenos e para isso a melhor maneira é está sempre ligado na previsão do tempo, pois é ela que norteará todos os demais cuidados que serão descritos a seguir, mesmo que a previsão não se confirme. Vamos agora entender quais os problemas fisiológicos que o frio intenso e as geadas podem provocar em nossas orquídeas. Podemos dizer que os problemas pelo frio podem ser distúrbios imediatos, como queimaduras por frio e o congelamento totalmente dito e ainda os distúrbios a longo prazo e de efeito mais prolongado que pode ser a estagnação da planta e definhamento progressivo. Agora uma explicação de cada um desses efeitos: Distúrbios imediatos (agudos) – São aqueles distúrbios que de fato ocorrem no momento em que ocorre o frio mais intenso e as geadas e aí pode-se separar 2 tipos mais importantes:

queimadura devido ao frio

* Queimadura por frio – Ocorre quando o ar está muito frio com muito vento e geralmente o ar mais seco e tempo aberto. Nesse caso as queimaduras ocorrem pelo congelamento dos espaços entre as células dos tecidos das orquídeas terminando com o rompimento das células extravasando seu conteúdo causando aquele sintoma amarronzado a negro lembrando queimaduras e para diferenciar do congelamento total ela ocorre em menor grau e muitas vezes com pequenas lesões que podem ser pequenas manchas ou manchas médias com formato e tonalidade variada, mas geralmente não costuma matar a planta e quando ela é tirada dessa condição ela tende a recuperar; congelamento por geada * Congelamento pela geada – esse é o mais grave e pode danificar seriamente a planta levando a morte. No caso a geada branca que cobre a planta de gelo por cima e pode causar problemas precisa de noites muito frias, tempo aberto e bastante umidade no ar e pouco vento, mas a geada negra que causa o pior tipo de congelamento congelando a planta inteira precisa de noites mais secas muito frias e bastante ventilação e quando ocorre esse congelamento pelas geadas aí muitas vezes é uma planta perdida e quando ela descongela os sintomas ficam muito semelhante ao de uma podridão bacteriana, pois os pseudobulbos e folhas ficam empardecidas e moles e podem ficar com cheiro desagradável também por ação de bactérias secundárias que se aproveitam da situação. Distúrbios a longo prazo (crônicos) – Esses são distúrbios que não estão ligados a danos físicos causado pelas queimaduras de frio e congelamento, mas sim por distúrbios fisiológico muitas vezes hormonais que podem causar a estagnação da planta ou mesmo seu definhamento progressivo, muitas vezes irreversível. O principal gatilho desse tipo de distúrbio não é necessariamente a temperatura baixa, mas sim um acúmulo de horas e dias que a planta passa por essa temperatura baixa. Esse problema é mais comum para aquelas plantas tradicionalmente de climas mais quentes e que em seus locais de origem não existem esse clima frio mais intenso ou ele é raro, como é o caso das vandáceas, das Phalaenopsis e da maior parte das Catasetíneas também. Nesse tipo de situação em geral os problemas podem ocorrer quando a temperatura fica abaixo dos 10ºC, mas não significa se tiver uma ou 2 ou mesmo 3 noites com temperaturas abaixo dos 10ºC que a planta terá problema. folhas moles Não, na verdade para que ela entre em um estado de estagnação ou definhamento é necessário que se tenha um longo período com essas temperaturas muito baixas, geralmente de 2 a mais semanas consecutivas para que elas apresentem os problemas e uma vez que o distúrbio acontece, por exemplo em Vandas elas podem passar meses estagnadas ou até mais de ano, mesmo que depois as condições de clima fiquem mais favoráveis. Felizmente no Brasil essas condições ficam mais restritas a certos locais de serra e alguns pontos do Sul do Brasil, pois na maior parte o frio, mesmo sendo intenso tem um período de curta duração. Agora que já conhecemos os principais problemas que podem ocorrer com o frio intenso e as geadas, vamos ver como podemos nos prevenir contra elas. geadas Como dito antes, a primeira coisa é ficar antenado na previsão do tempo. A segunda coisa é saber quando iniciar as intervenções e para isso vamos entender como que é o comportamento básico das ondas de frio aqui no nosso Brasil. Antes de chegar a onda de frio trazida pelo ar polar sempre vem na frente uma frente fria, ou algum outro sistema que deixa áreas de instabilidades e chuva que pode durar de 1 a alguns dias e depois quando esse tempo passa costuma vir a onda de frio que limpa o tempo e costuma trazer as geadas e frio muito intenso. Uma vez que sabemos desse comportamento a melhor hora de iniciar as intervenções é exatamente o momento em que inicia as chuvas, sabendo que a previsão do tempo já alertou que vem uma onda de frio pesada com riscos de geadas depois da chuva. Existem várias medidas que podemos tomar para prevenir esses problemas, mas o mais eficiente para pequenos colecionadores é retirar as plantas do local de cultivo, caso esse seja um telado ou outros locais no quintal ou varandas e terraços abertos e levar para locais mais secos, aquecidos e protegido do vento frio, como varandas protegidas com janelões, banheiros ou interior de outros cômodos mesmo e nesse período as regas são diminuídas ou mesmo suspendidas e as adubações também até que a o frio mais crítico passe e as plantas possam voltar para o local de cultivo. proteção Em coleções maiores em que levar para dentro de casa seja inviável o melhor a fazer é suspender as regas já quando as chuvas chegam e manter suspensa até que o frio mais crítico e alertas de geada passem. Se possível também pode-se estender por cima das plantas, ou da bancada ou mesmo fechando o local de cultivo o plástico agrícola para que se tente segurar perto das plantas o máximo de calor possível para que evite o congelamento. Pode-se também para quem tem condição após fechar o orquidário com o plástico agrícola fazer um fogo controlado queimando lenha ou mesmo carvão para que se aqueça o local e ainda tem os mini aquecedores e aquecedores mais sofisticados que podem ser usados durante esses dias com riscos de geadas. Passado o risco pode-se remover a proteção e voltar as plantas para o cultivo normal até que venha o próximo alerta. folhasaovento9

Orquídea-Tolumnia5

As orquídeas que pertencem ao gênero tolumnia anteriormente faziam parte do grupo das oncidium, entretanto, em razão do diferenciado tamanho de suas flores aliados a demais fatores passaram a ser designadas numa própria espécie.

As mesmas são originárias do Caribe e se desenvolvem em áreas mais úmidas. Caso seja tratada de maneira adequada, a orquídea tolumnia terá flores brilhantes e pequenas. Existem diversos meios de cultivá-las de forma adequada, já que essa espécie apresenta raízes bastante frágeis e finas.

Como cultivar adequadamente a orquídea Tolumnia
O uso da casca de árvore
A orquídea tolumnia se desenvolve de maneira bem aceitável em cascas de árvore, especialmente na casca de pinheiro, sendo esta a mais usada para a função, já que não causa compressão quando encharcada molhada. Ela oferece a quantia mais acertada de água, bem como a circulação de ar mais correta para a flor.

Geralmente a casca de pinheiro é usada para servir como hospedagem de plantas e mudas em miniatura, como a orquídea tolumnia. Entretanto, a mesma retira nitrogênio da orquídea, fazendo com que se já preciso o uso de um fertilizante com maior quantidade de nitrogênio. Com o passar do tempo ela acaba diminuindo, quando isso acontece é preciso que seja replantada, e com certa frequência.

orquidea-tolumnia-1

O uso das pedras
As pedras são bastante usadas para uma vasta lista de finalidades, especialmente nas orquídeas, até porque não se corre o risco das mesmas apodrecerem. A mais usada é a pedra de lava, que absorve a água sem encharcar demais a planta e, além disso, a mesma permite que haja uma segura circulação do ar.

Esse produto pode ser misturado a outras formas de cultivo e também com cascas para acrescentar minerais e modificar a textura. Não é aconselhável para ser usada em conjunto com água rica em minerais, já que pode trazer alimentação excessiva à tolumnia.

Outras formas de cultivo
Outras maneiras podem ser usadas para o cultivo da orquídea tolumnia, como por exemplo, o perlite, que é um produto vulcânico moído em pó ou em grãos pequenos que agrega muito bem com cascas médias ou finas e não afeta as frágeis raízes dessa espécie de orquídea.

Além dele também é possível usar o musgo esfagno tanto como aditivo como sozinho. Ele atua muito bem na retenção de água, podendo ser usado seco ou fresco e dificulta a formação de fungos.

Maiores considerações
As Tolumnias precisam passar pelo replantio sempre que surgirem as novas mudas e as mesmas cheguem ao tamanho compreendido entre 05 a 08 cm de altura. Ao proceder com o replantio, é necessário que se faça a remoção do meio de cultivo anterior e que se cortem as folhas, raízes, ou flores danificadas ou mortas.

Faça o plantio da orquídea aproximadamente em 1,5 cm sob o meio, que deve sempre ser mantido bem úmido até que as raízes novas apareçam.

tolummua1

Informações adicionais
Estas espécies de orquídeas são habitualmente chamadas como oncidium equitante. Suas folhas têm tamanho relativamente pequeno e não chegam a exceder as 8 polegadas no comprimento. As folhas ficam sempre em pares e se colocam uma sobre a outra, por isso, são denominadas de equitante.

Elas costumam florescer durante a época da primavera. A fácil adaptação nas mais variadas condições climáticas e o porte pequeno fazem dela uma planta bastante disputada.

É importante que se tenha cuidados acertados quanto a seu cultivo, como por exemplo, o de não cortar a haste após o encerramento da floração, pois ela pode apresentar uma segunda haste de flores.

O segredo do cultivo das tolumnias é saber reconhecer seu habitat natural. E, como já dito, essas plantas têm origem caribenha e grande parte dessas espécies surgiu de formas hibridizadas e estão prontas para serem cultivadas em lugares de temperatura quente e moderada, se dando melhor em galhos quando expostas a luz brilhante, alta umidade, movimento de ar e gosta bastante de rega diária, porém, desde que a planta não fico encharcada por bastante tempo.

tolumnia

Dicas importantes
Para cultivar adequadamente as tolumnias o melhor é que seja feito em lugares com temperatura variando entre os 13ºC e os 30ºC, sendo que a umidade relativa fique entre os 50% e 70%.

Luminosidade: a luz de cultivo deve ser difusa e brilhante. Claro que se tiver um pouco de luminosidade as plantas irão crescer bem, porém, as flores não se apresentarão da mesma forma que num ambiente mais claro.

As regas: este ponto pode ser considerado como o mais crítico da tolumnias. As plantas precisam secar totalmente antes que se faça a outra rega. A secagem mais rápida vai depender bastante do ambiente, do substrato e do vaso.

A adubação:  a adubação é importante e deve ser feita logo depois da segunda ou até mesmo da terceira rega juntamente com a solução de concentração de maneira bem diluída contando com a metade daquela orientada pela empresa que fabrica o adubo.

tolumm

Replantando: às vezes que são efetuadas as regas, bem como a seleção correta do substrato estão diretamente ligados. O foco da situação é conseguir conciliar a mistura apropriada que consista numa irrigação adequada com a secagem e a aeração acelerada das raízes.

O plantio pode ser feito em estacas, em placas, ou ainda em casca de árvores. Quando as mesmas são cultivadas em vasos o substrato que deve ser usado deve ser aquele mais poroso, para que aconteça a drenagem imediata da água.

Quando é feito o plantio em vasos é recomendado o replantio de dois em dois anos, fazendo-se a retirada da parte do meio que já se encontrará em pleno declínio, e deve ser efetuada quando aparecerem os novos brotos, durante a primavera.

O comportamento da planta na Natureza
Diretamente na natureza as orquídeas tolumnia estão dispostas em finos galhos com arbustos ralos, apresentando algumas raízes soltas que ficam se balançando ao vento, da mesma forma que aquelas já são conhecidas.

As tolumnias se desenvolvem melhor quando expostas a bastante luz do sol, e dispostas nas pontas dos galhos. Em determinadas espécies, as folhas dessa planta chegam a se tornar um pouco bronzeadas ou queimadas.

folhas

Coelogyne-cristata-_2

Você pode não conhecê-la como branca-de-neve, mas pode ser que já tenha ouvido falar em orquídea-anjo, orquídea-branca ou pelo nome científico coelogyne, o que é bem menos provável.

Trata-se de uma entre tantas espécies de orquídea, neste caso, epífita, cuja suas origens são registras das montanhas do Himalaia. Esse tipo de orquídea é uma das que são mais cultivadas no mundo inteiro entre todas as espécies dessa planta.

As suas flores são um espetáculo à parte porque suas sépalas são de um branco branquíssimo, o mesmo podemos falar das pétalas franjadas com uma mancha amarelo ouro no labelo. Falando nas belas flores, para vê-las é preciso esperar o fim do inverno e o início da estação das flores, a primavera.

É dentro desse período que os pseudobulbos velhos e pendentes começam a ganhar flores na base, bem no plural, cada um pode receber até 10 delas.

As flores da orquídea branca-de-neve podem ser perfumada ou não, dependerá do tipo de cultivo que foi feito. Além do perfume o seu charme faz com que ela seja usada para decorar vasos suspensos.

orquídea branca-de-neve

É um tipo de planta que não exige sol direto e por isso, pode ser perfeitamente usada para enfeitar os ambientes da casa, até mesmo o banheiro, bastando somente que fique próximo a uma janela com boa luz natural.

Porém, se queremos falar de um lugar verdadeiramente apropriado a uma orquídea branca-de-neve devemos pensar em um local bem protegido de ventos fortes, que ela não suporta, e que possa usufruir do ar fresco das noites.

Outro detalhe sobre a orquídea branca-de-neve é se comparada com outras espécies de orquídea é uma daquelas que se mantém com flores por pouco tempo e é muito usada em buquês ou arranjos.

Ela pode ser cultivada sem muitos cuidados particulares, precisa: de um substrato feito com materiais porosos, que o cultivo seja feito sob luz difusa, que solo tenha excelente drenagem e que consiga reter bem os nutrientes e a água. Falando nisso, ela exige regas com frequência de modo que o solo sempre esteja úmido e nunca encharcado.

Outro detalhe importante é que ela exige fertilização a cada semestre na primavera e no outono e para isso devem ser usados somente os fertilizantes próprios para elas, consultar o florista.

Quando a branca-de-neve se vê em um lugar que faz muito frio é importante, sempre que possível fazer com que ela tenha a luz direta do sol. Os momentos mais apropriados são à tarde e pela manhã bem cedo.

No caso de orquidários se usa deixá-la em local com 70% de umidade. Enquanto a sua multiplicação se faz deixando 4 pseudobulbos por muda, através de multiplicação.

branca-de-neve

Como proteger a orquídea Branca-de-neve
Ao contrário do que muita gente imagina as orquídeas não são sensíveis, são robustas e resistentes. Mas, como é normal a qualquer ser vivo podem morrer ou adoecer.

Elas também estão sujeitas a ataques de insetos e parasitas, que podem gerar infecções e acabar levando-as à morte.  Porém, não é necessário virar-se em 4 para garantir a boa saúde da sua orquídea e muito menos gastar rios de dinheiro.

Para combater as pragas e as doenças, o principal hábito que devemos observar é a higiene, por exemplo, que usa telas na estufa para proteger as plantas deve mantê-la sempre muito bem limpa.

Não se deve também cuidar das orquídeas ao mesmo tempo e no mesmo espaço que está se cuidando de outra planta.  E mais, acabe com os desníveis do solo quando esses existirem, tampe os furos, acabe com frestas ou buracos nas paredes no local onde elas estão e não deixe que se acumule lixo perto das plantas.

Todas as dicas citadas acima “ajudam” as pragas a chegarem mais próximo da sua planta e gerarem doenças perigosas.

Coel. cristata  1

A limpeza acima de tudo para garantir o bem-estar da sua orquídea
Considere essa dica que servirá para usar com qualquer espécie de planta você tenha em casa. O lugar onde elas serão mantidas deve sempre ser muito bem limpo. Limpe o chão com água e sabão, além disso, utilize produtos com cloro, que ajudam a desinfetar o ambiente.

Essa é uma forma de prevenir a entrada de insetos e fungos. Além disso, não se esqueça de aplicar os inseticidas e fungicidas. O ideal é que esses produtos sejam usados a cada 3 meses.

Falando um pouco das pragas que podem atacar a sua orquídea e que por isso, você deve estar sempre atento para defendê-la, a mais comum é o percevejo da orquídea. Podemos dizer que essa praga faz aquele estrago porque suga a seiva da sua planta e depois de “colocar o seu veneno”, consegue matá-la em pouco tempo.

Outro grande vilão contra a boa saúde das orquídeas são os pulgões porque eles conseguem se espalhar muito rapidamente e também as levam à morte. Sempre, porque como os percevejos, sugam a seiva e a planta acaba desnutrida. Esse tipo de praga é levado até a planta pelas formigas.

Orquídeas 080

Também não menospreze o “poder de destruição” das cochonilhas, que são capazes de não acabar com uma única orquídea, mas com uma plantação inteira, e isso em bem pouco tempo. Porém, essa praga é mais fácil de ser combatida, basta lavar a área que ela atacou com sabão neutro e água com a ajuda de uma escova macia.

Fique de olho também na vespinha negra que prefere atacar os bulbos, enquanto os caracóis, outro problema para as orquídeas, elas devoram exatamente o lugar onde as flores da planta deveriam nascer.

E não para por aí, além dessas pragas que foram citadas, vírus, fungos e parasitas também podem criar problema para o seu cultivo de orquídeas. Então, use o ditado que diz “antes prevenir do que remediar”, cuide bem das duas plantas, principalmente observando a questão higiênica.

folhas no outono

begonia tuberosa

Begônias são gêneros de plantas com mais de mil espécies de plantas e até dez mil variedades híbridas. Algumas são cultivadas por sua folhagem colorida, outras para as suas flores. Todas as espécies podem ser cultivadas com sucesso como plantas da casa, mas alguns também são capazes de viver fora. Felizmente, para os produtores de begônia, apesar da diversidade do gênero, os cuidados são semelhantes.

Luz do sol
Procure conceder para todas as begônias a luz do sol de uma janela ao leste ou do sul. Para begônias cultivadas pela sua folhagem, a luz não deve ser direta, mas sim filtrada por uma cortina transparente ou à sombra de uma árvore do lado de fora da janela. Begônias floridas, no entanto, precisam de várias horas de luz solar direta a cada dia.

Esta representa a grande diferenciação entre os dois gêneros com relação à energia do sol. Forneça temperatura estável para begônias. Elas são sensíveis às flutuações bruscas de temperatura e, portanto, devem ser mantidas longe de correntes de ar. Tome cuidado para não sobrar água, o excesso pode apodrecer a espécie.

Begônias exigem algum sombreamento. Se certifique em não plantar nas áreas que recebem luz direta do sol o tempo todo. Quando recebe muito sol, as folhas podem aparecer de maneira magra. Iluminação moderada é o melhor cenário em que prospera a maioria das begônias. Fique de olho nas begônias e ajuste a iluminação precisa de conformidade.

Begoniatuberosa

Pequenos vasos
Mantenha begônias em vasos pequenos. Begônias têm sistemas radiculares pequenos e não precisam de frequentes reposições. No entanto, a cada primavera se se faz necessário verificar se as raízes estão completamente envolvidas em torno do fundo do vaso. Caso isso aconteça, atualize a planta begônia para potes maiores.

Estações do ano
Mova as begônias floridas para fora durante os meses de verão, outono e primavera, assim você pode criar condições adequadas para elas. Begônias floridas desfrutam de varanda com sombra, desde que a temperatura não caia abaixo de sessenta graus Fahrenheit. Begônias crescem fora e precisam de regas frequentes.

Begônias possuem inúmeras variedades. Elas têm folhagem variegadas e flores comestíveis. Para cuidar de uma begônia tuberosa durante o inverno se faz necessário salvar a raiz tuberosa da planta e preservar a mesma para a partida dentro de casa no início da primavera.

Permita com que a planta begônia seque seu solo no outono e rejeite todas as folhas. Cave em torno de onde o vegetal cresceu, delicadamente, usando a espátula e as suas mãos para localizar a raiz tuberosa. Depois, coloque em um tubérculo dentro de lugar seco para secar por três dias. Preencha meio saco de papel cheio de musgo de turfa seca. Coloque o tubérculo seco na bolsa, situado no musgo.

Begônias são plantas com as origens dos trópicos, embora sejam altamente adaptáveis em variados climas. A maioria das begônias crescer o seu melhor em temperaturas de frio para ajustes moderados.

begônia_2

Existem alguns tipos de begônias que podem prosperar em condições de tempo frio, mas geada é a pior coisa para begônias.

Se você mora em lugar que congela no inverno a boa ideia está em desenterrar e guardar as plantas na garagem ou em qualquer área livre de gelo que esteja ventilada. Antes de armazenar as begônias se certifique de que estejam limpos com areia seca ou turfa.

Solo para as Begônias
O melhor tipo de solo para crescer begônias é o ácido. Isso significa que ele tem um nível de pH mais baixo. Além disso, especialistas o uso do solo misto para suas begônias. Uma boa medida representa a mistura de solo pesado, esterco e turfa.

Leve o tempo que for necessário para experimentar a e descobrir qual tipo é melhor para as suas begônias. Lembre-se de tomar as suas condições de meio ambiente em consideração ao escolher o melhor tipo de solo, os dois aspectos possuem relação íntima quando o assinto está relacionado com a escolha da melhor terra.

begônias

Regar com frequência
As raízes nunca devem ser secas. Devido a isso, certifique-se de manter constantes regadas. No entanto, você nunca deve encharcar a plantas, sendo necessário manter a estrutura úmida. Com o tempo os produtores pegam o jeito e pode saber melhor quanto de água se faz necessário para o seu tipo de begônia.

Você também pode querer usar fertilizantes, mas não com muita frequência. Isto irá manter as plantas saudáveis e vivas, mas somente quando feito de maneira correta. Quem quer folhas maiores em suas begônias encontra no fertilizante o caminho correto a se percorrer.

Begônias exigem algum sombreamento. Se certifique em não plantar nas áreas que recebem luz direta do sol o tempo todo. Quando recebe muito sol, as folhas podem aparecer de maneira magra. Iluminação moderada é o melhor cenário em que prospera a maioria das begônias. Fique de olho nas begônias e ajuste a iluminação precisa de conformidade.

Begonia-6

Controle de pragas
Apesar de ser livre de pragas de maneira considerável, produtores podem encontrar problemas com insetos se não for tratada da maneira correta. Há diversos tipos que amam begônias. Olhar atento às lagartas, que apreciam de forma especial o consumo das folhas da espécie floral.

Uma dica está na aplicação direta dos repelentes. Recorte as folhas mortas ou amareladas. Flores que já não estão vivos e saudáveis devem ser cortadas. Se você achar que as hastes estão ficando muito tempo, também faça o corte, que impede com que as begônias fiquem livres de pernilongos.

Propagação
É comum cortar os caules, sementes e as seções das folhas de begônias. Ao fazer isso, se pode expandir o jardim e compartilhar a beleza natural com seus amigos.

Estas foram apenas algumas ideias básicas e práticas que cada produtor begônia deve saber. Ao conhecer as noções primordiais do cultivo até mesmo os produtores que estão começando a carreira devem ser capazes de fazer os ajustes, bem como conhecer melhor as necessidades das espécies floras excêntrica.

Com o tempo e a experiência se desenvolver o estilo próprio na maneira correta de crescer conforme ambiente específico.

Chuva_1