Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘bonsai’

Ligustrum

Origem: Europa, Ásia e Austrália.

Características: Árvore de folha semicaduca com uma floração abundante na primavera. As flores são brancas ou amarelas, dispostas em pequenos cachos que se formam nas extremidades dos ramos. Por este motivo, deve-se tomar cuidado com as podas no início da primavera se a intenção for obter flores. Os frutos são pequenos de cores roxa azulada ou branca. Em climas frios, perde as folhas no inverno, porém em climas quentes, elas permanecem por todo o ano. Apresenta crescimento vigoroso. O Ligustrum ovalifolium é originário do Japão. O Ligustrum vulgare procede da Europa e o Ligustrum sinensis, da China. Porém os três adaptam-se perfeitamente ao nosso clima e são os mais utilizados para bonsai. Adapta-se a todas as situações, com preferência de locais mais ensolarados. Suporta bem as geadas, desde que não sejam extremamente fortes ou contínuas. Em ambiente interno, coloque-o muito próximo a uma janela com sol direto e boa ventilação.

Rega: Regue abundantemente durante o período de crescimento e mais moderadamente no inverno, procurando manter a umidade do solo, porém evitar seu encharcamento.

Adubo: No período de crescimento, na primavera e outono, podendo ser usado um adubo líquido para bonsai (Nutri bonsai). Não adube no inverno. Lembre-se de que não se deve adubar uma árvore doente ou recém transplantada.

Transplante: A cada dois ou três anos. Deve realizar-se no final do inverno, antes de iniciar a brotação. Procure cortar 1/3 das raízes. Tolera bem as podas das raízes.

Poda: Para conseguir uma boa ramificação, podamos os brotos quando têm de sete a oito pares de folhas, cortando acima dos dois ou três primeiros pares. Se desejarmos modificar a formação do bonsai, devemos podar os galhos no inverno, antes da brotação da primavera, ou quando se observe um novo crescimento que venha a alterar a forma.

Limpeza: Elimine a folhas amarelas.

Dicas: Para reduzir o tamanho das folhas, deve-se desfolhar no mês de janeiro preferencialmente. Com esta operação, é preciso também cortar as pontas dos brotos, para evitar o excessivo crescimento dos galhos.

sol

Cambuí - (Myrcia Selloi)

Família: Myrtaceae
Origem: Brasil

Características: Característica da floresta semidecídua de altitude e mata de pinhais. Comum ao longo dos rios, gosta de locais úmidos e sombreados, mas também em locais a pleno sol. Floresce durante os meses de novembro-dezembro (no extremo sul um pouco mais tarde), com inflorescências pubérolas e insignificantes. Os frutos amadurecem de janeiro a março. O fruto é tipo baga globosa, glabra e brilhante, de cerca de 5mm de diâmetro, com polpa carnosa de cor vermelha ou vinácea-escura quando madura, contendo uma a duas sementes. As folhas são simples, opostas, glabras em ambas as faces e geralmente pequenas, com a coloração da brotação nova variando entre o amarelo e o vermelho claro. A árvore apresenta copa globosa, com troncos pouco tortuosos e cilíndricos, de 20-30 cm de diâmetro, com casca marmorizada e descamante, podendo chegar a 6-7 metros de altura.

Ambiente: Gosta de locais úmidos e sombreados, mas também se desenvolve bem a pleno sol. Em ambientes internos somente próximos de janelas bem iluminadas e com uma boa ventilação, procurando sempre evitar longos períodos nesta situação.

Rega: Nos meses de verão, regue generosamente até sair água pelos orifícios de drenagem e repita a operação quando a superfície do solo estiver ligeiramente seco. Durante o inverno, diminua as regas.

Adubação: Utilizar adubo químico foliar ou mesmo adubo orgânico. Do início da primavera até o final do verão, adube a cada quinze dias. Durante o outono e inverno, a cada quatro semanas. No caso de adubos de liberação lenta como o Osmocote a adubação poderá ser feita a cada 45-60 dias.

Transplante: A melhor época é o início da primavera e deverá ocorrer sempre que a massa de raízes estiver se tomando muito compacta, normalmente a cada dois anos. Nesse momento, aproveite para fazer a poda de 1/3 das raízes, retirando raízes defeituosas ou que estejam muito entrelaçadas.

Poda: Na poda de manutenção, corte os galhos mais finos e os brotos indesejados que interferem na forma, com o objetivo de manter um estilo definido. Devem ser podados os novos brotos que tiverem seis a oito pares de folhas, deixando-se apenas um ou dois pares. Para galhos mais grossos, podas radicais ou estruturais da planta, a melhor época é o final do inverno.

Aramação: Normalmente aproveitamos sua forma natural de “vassoura”, ou seja trabalhamos mais com a poda do que com o processo de aramação para formarmos a planta. Se for necessário usar o arame procurar colocá-lo um pouco frouxo para evitar marcar os galhos e os troncos.

Propagação: A propagação é feita facilmente através da semeadura de sementes retiradas de frutos frescos, imediatamente após sua coleta.

Dicas: Por ser uma mirtácea procurar fazer a adaptação para vasos mais rasos em diferentes etapas para aumentar a formação de raízes secundárias.

ursinho

calliandra selloi

Nome Popular: Caliandra
Origem: Américas

Arbusto de folha perene procedente das regiões tropicais e sub-tropicais das Américas, onde são seus habitats naturais, com mais de 120 espécies. Também podem ser encontradas na Ásia e na ìndia. Devido a delicadeza e finura de suas folhas ocorre num processo natural um fechamento das mesmas durante a noite. Suas flores são muito graciosas em forma de pompom em cores que vão do branco ao vermelho. Surgem frutos no verão após a floração primaveril. Em mabiente natural a Caliandra chega a 6 metros de altura.

Características: É um pequeno arbusto de folhas perenes e delicadas, num verde exuberante, que se fecham à noite ou quando a planta sofre um déficit hídrico. Possui flores que vão do rosa ao vermelho, com formato de pompom. Os brotos das flores que se desenvolvem no final da primavera e ao longo do verão parecem pequenas framboesas e surgem da axila das folhas. Das flores surgem frutos característicos das leguminosas que partem quando maduros, espalhando as sementes. A coloração do tronco, quando novo, é de um cinza claro, tomando-se quase negro, com o passar do tempo. Quando transformado em bonsai, esta planta propicia um brilho e um exotismo especial, que embeleza nossa coleção.

Ambiente: A Caliandra é uma planta sensível ao frio, normalmente seu crescimento é lento em temperaturas baixas. Quando a temperatura estiver abaixo de 10ºC devemos protegê-la em locais onde o frio não a atinja. Quando a temperatura normalmente já ultrapassa esta faixa, devemos colocá-la em local onde a mesma possa receber raios solares diretamente em suas folhas em períodos onde o sol não esteja muito forte, sempre antes das 10 h e após as 16 h.  A exposição da Caliandra ao sol, favorece a floração.

Rega: A Maneira correta de regar um bonsai é fazer com que toda a terra que esta no vaso se umedeça. A Maneira correta de regar um bonsai é fazer com que toda a terra que esta no vaso se umedeça. Para isso coloque água distribuindo em toda a área da superfície até que esta saia pelos orifícios do fundo do vaso. No inverno o consumo é moderado, mas da primavera ao outono, o crescimento da Caliandra é muito intenso e isso faz com que o consumo de água nesta época seja abundante. A Caliandra não gosta de solos encharcados. Nos períodos em que a Caliandra estiver em ambientes internos, protegida, teremos que ter cuidados redobrados evitando regar enquanto a terra estiver úmida.

Adubação: A Caliandra é sensível ao excesso de adubo. Devem ser adubadas nos períodos de crescimento, ou seja, do início da primavera até o final do outono (quando estará brotando bastante). Os adubos mais indicados são os ricos em Fósforo (P), ajudará a estimular a floração.  Como sugestão, escolha traços de proporção de N-P-K (Nitrogênio – Fósforo – Potássio) na ordem de 04-14-08. Não esqueça que no mínimo uma vez por ano é necessário a Adubação com micro nutrientes (Ca {Cálcio}, Mg {Magnésio}, S {Enxofre}, B {Boro}, Cl, Cu, Co, Fe…). Nunca adube plantas doentes ou recém transplantadas.

Transplante: A cada dois anos, preferencialmente na primavera, cortando 2/3 das raízes. É importante utilizar um solo com boa drenagem, com pelo menos 30% de pedrisco (2mm).

Poda: Podar é estilizar a formação de uma árvore. Com a poda, eliminamos os ramos defeituosos ou os ramos desnecessários. Devemos podá-la principalmente durante a estação de crescimento. Corte os brotos novos deixando apenas uma ou duas folhas tão logo o broto tenha desenvolvido cinco ou seis novsa folhas. A Caliandra brota com facilidade na madeira velha e suporta muito bem, graças à sua brotação intensa.

Aramação: Devido aos galhos mais velhos quebrarem com facilidade, arame somente os galhos jovens que estão iniciando sua lignificação, no verão. O tempo de permanência dos arames deve ser de quatro meses. A melhor época para fazer a aramação é no Verão.
De maneira geral o arame deve ser travado no tronco, travando-o, depois nos ramos sem apertar demais para não deixar marca na casca do bonsai. O ideal é que o arame fique relativamente frouxo. Como os ramos engrossam devido ao seu crescimento, devemos tirar o arame antes que se crave na casca. Pode-se usar qualquer arame, preferivelmente o arame de alumínio, que é mais flexível e resistente. A grossura do arame dependerá da força necessária para se vergar o ramo.

Doenças e Pragas mais comuns
Alem dos fungos que podem ser tratados com a moderação na rega, retirada com uma escova e fungicida, pode ocorrer ataques de pulgão, cochinilhas e minúsculas aranhas vermelhas, estes podem ser tratados facilmente com inseticida para plantas ornamentais. Não esqueça que existindo um problema, este deve ser solucionado com brevidade para evitar a debilitação do bonsai.

Propagação: Uma maneira muito rápida de se conseguir um bom material de Calliandra é através do método de alporquia, no final do verão.

trio-de-florzinhas

Olea Europaea

Família – Oleaceae
Origem: Litoral mediterrâneo.

Características: E uma árvore de folha perene, verde todo o ano, de crescimento lento, porém constante. De seus frutos (as azeitonas), é extraído o apreciado azeite de oliva. Algumas espécies possuem folhas largas e delgadas, outras pequenas e redondas. A parte superior da folha tem uma coloração verde escuro brilhante e a inferior é clara. Como bonsai é raro que floresça e produza frutos.

Ambiente: Suporta bem os ambientes secos e ensolarados. Adapta-se perfeitamente ao interior, porém é necessário que fique perto de uma janela, para que receba o sol diretamente. Deve-se protegê-la das geadas, porém, durante o inverno, precisa de especial atenção a temperaturas inferiores aos 5°C.

Rega: Necessita sempre de uma rega moderada inclusive nos períodos de crescimento. Em geral, rega-se quando a terra está ligeiramente seca, fazendo-o abundantemente, até que a água comece a sair pelos orifícios do vaso, evitando o encharcamento. Pode-se borrifar as folhas para mantê-las limpas. Durante os meses de inverno, diminuir a rega.

Adubo: Precisa de adubação constante durante o período de crescimento. Pode-se usar o Nutri bonsai a cada três semanas, de setembro a março, quando a planta está em crescimento. Não se aduba uma árvore doente ou recém-transplantada.

Transplante:
A cada dois ou três anos, podendo ser prolongado. O transplante deve realizar-se ao final do inverno, antes de iniciar a brotação, procurando cortar 1/3 das raízes. Na mistura da terra, adicionar 35% de areia média (2mm).

Poda: Para conseguirmos uma boa ramificação, podamos os galhos novos quando têm sete ou oito pares de folhas, cortando acima dos dois ou três primeiros pares. Se desejarmos modificar a estrutura do bonsai, podaremos os galhos no inverno, antes da brotação da primavera.

Limpeza: Retire as folhas amarelas e os brotos indesejados que saem do tronco.

Aramação: Pode-se aramar durante todo o ano, porém a melhor época é durante o crescimento. Para aramar os brotos, é preciso esperar que estejam um pouco lenhosos. A madeira da oliveira é muito mole. Deve-se usar ráfia para aramar.

borboletinha2

Pinus (Small)

Família – Pinaceae
Origem: Regiões frias e temperadas do Hemisfério Norte.

Variedades mais indicadas Qara bonsai:
*   Kuro-matsu (Pinus thumbergii) –
pinus com duas agulhas e de crescimento vigoroso.

* Aka-matsu (Pinus densiflora) – pinus com duas agulhas, menores e mais finas que o Kuro-matsu. Também chamado de pinheiro vermelho por apresentar a velas avermelhadas.

* Goyo-matsu (Pinus parviflora “pentaphylla”) - pinus com cinco agulhas, bastante curtas e de coloração verde azuladas. No Brasil, recomenda-se o cultivo desta variedade somente em regiões com inverno rigoroso.

*  Nishiki-matsu (Pinus thumbergii “corticosa”) – pinus com duas agulhas, muito parecido com o Kuro-matsu, porém possui a característica de possuir a casca grossa e com profundas fissuras.

Características: Das coníferas, o pinus é o gênero mais apreciado entre os colecionadores de bonsai. É a maior família de plantas lenhosas aciculifólias, incluindo ao redor de cem espécies. Suas acículas são perenes, verdes todo o ano, e em algumas espécies azuladas. Possui frutos em forma de pinhas.

Ambiente: Devem ficar sempre no exterior, em pleno sol. Suportam bem o frio e as geadas. Muitas espécies se adaptam também a climas mais quentes.

Rega: Deve-se deixar secar ligeiramente a parte superficial do solo do vaso entre uma rega e outra. Em ambientes muito secos, durante a estação mais quente, é conveniente borrifar as folhas ao anoitecer. As raízes dos pinus não suportam os solos encharcados nem com pouca aeração.

Adubo: São pouco exigentes com relação ao adubo, porém respondem vigorosamente nas adubações. Para não aumentar o tamanho das acículas, deve-se adubar principalmente no final do verão, e em menor quantidade na primavera, depois que as novas acículas tenham-se desenvolvido por completo. Os pinus preferem uma adubação orgânica, e que não prejudique as micorrizas, que são fungos esbranquiçados que vivem em simbiose com suas raízes, aumentando seu vigor e resistência.

Transplante: Normalmente os pinus são transplantados apenas a cada dois ou cinco anos, tendo como regra que quanto mais velha e estruturada for a planta, maior deverá ser o espaçamento entre um transplante e outro. Tem preferência por solos bem estruturados e com uma boa drenagem, devendo-se adicionar aproximadamente 30% de areia média na mistura da terra. A melhor época é o final do inverno, eliminando-se 1/3 das raízes. É conveniente após o transplante, regar com uma solução de Vita bonsai, ou qualquer outro estimulador de enraizamento.

Poda e pinçagem: Poda-se no inverno, quando diminui sua atividade de crescimento. As gemas e as acículas nunca devem ser totalmente eliminadas do ramo, pois acarretaria sem dúvida a perda deste galho. Se quisermos diminuir um ramo, devemos primeiro conseguir que se desenvolvam novas gemas de crescimento em seu interior, para então podarmos sua extremidade. Para conseguirmos esta “brotação” é necessário um pinçamento contínuo das brotações terminais. Existem dois tipos básicos de poda para os pinus: o pinçado das velas (brotos novos de forma alongada) antes de abrir as acículas, que serve para igualar a força entre os diferentes ramos da árvore. Executa-se ao final do outono. Outro tipo é a poda dos brotos novos, quando as folhas estão completamente desenvolvidas. Serve para estimular o crescimento de novos brotos nas partes interiores dos ramos. Este tipo de poda deve ser realizada no princípio do verão. No caso dos pinus de galhos mais grossos, a poda deverá ser feita no inverno, deixando-se sempre o toco do galho cortado junto ao tronco, para evitar a perda excessiva da seiva. Só corrigimos o corte quando este toco estiver completamente seco. Muitas vezes esta correção se faz no ano seguinte à eliminação do galho.

Aramação: Para os galhos mais grossos, poderá ser feita no início do outono, devendo permanecer até o início da primavera, cuidando sempre para o arame não penetrar na casca da árvore. Para brotos mais novos, deverá ser feita de dezembro a fevereiro, e muitas vezes podendo permanecer até a próxima primavera.

Curiosidades: Os bonsai de pinus no Oriente são considerados símbolo de longevidade, talvez por encontrarmos no Japão exemplares com mais de 1.000 anos de idade. Na cultura japonesa, os pinus são associados aos antigos guerreiros, os samurais. Sendo assim, é um símbolo de força, influenciando sua arquitetura e seus hábitos, e é também um símbolo de beleza.

Dicas: A maneira mais eficiente de efetuarmos a propagação é através de semeadura.

flor vermelha

chamaecyparis_obtusa (Small)


Família:
Cupresaceae
Origem: América do Norte, Japão e Taiwan (é uma das cinco árvores sagradas da religião shintoísta), podendo ser encontrados, em muitos templos, velhos exemplares.

Características: Vivem uma média de 300 anos. É um dos bonsai jovens mais oferecidos pelo comercio e se diferencia de outras espécies por suas folhas curtas, grossas e escamosas, com linhas brancas na parte inferior. Sua copa é cônica, com a terminação levemente pontiaguda. O tronco é cilíndrico, quase sempre reto e às vezes se bifurcando. A madeira é branca e sólida, com casca grossa e fissurada. Adquirem um porte majestoso com a idade. Seu crescimento é lento, mesmo se viverem em boas condições de desenvolvimento.

Ambiente: Trata-se de um bonsai de exterior. Preferem os locais sombreados, porém podem ser cultivados a pleno sol. Todas as espécies resistem ao frio do inverno.

Rega: Procure mantê-los com umidade suficiente durante todo o ano. Deve-se evitar que haja o ressecamento da terra, porém nunca se deve encharcá-la. Regue abundantemente no verão e cuide para que o excesso de água seja eliminado pelos orifícios de drenagem. A água estancada provoca o apodrecimento das raízes e morte da árvore. Nunca regue em caso de geada. Como necessitam de umidade, borrife os ramos no verão ou até mesmo no outono, se a árvore estiver exposta ao vento. Com isto, as folhas serão mais verdes e brilhantes.

Adubação: Inicia-se a adubação no começo da primavera, aumentando a dose até o final do outono, para preparar a árvore para o inverno. Aplique um adubo orgânico, de decomposição lenta, uma vez ao mês. Espere dois meses após o transplante para iniciar esta operação.

Transplante: A cada dois ou três anos, na primavera, antes de iniciar a brotação, podando-se 1/3 ou a metade das ramificações das raízes. Os Chamaecyparis se desenvolvem melhor com uma boa profundidade de terra e com boa drenagem, para isto pode-se adicionar até 30% de areia média (2mm) no preparo da terra.

Bonsai_cedro nana

Poda: Desponte o extremo dos brotos durante o período de crescimento. Repita a operação duas ou três vezes. Não corte as folhas. Pode os ramos que crescem demais, eliminando um grupo de folhas. Esta operação pode ser efetuada com os dedos. Quando for cortar um galho, faça-o com uma tesoura de poda, procurando cortar apenas o galho e não as folhas que estão em sua volta.

Limpeza: Elimine as folhas amarelas no outono, assim como tudo que estiver seco no interior da folhagem. Limpe o solo para evitar os parasitas e as enfermidades.

Aramação: Quando quiser modificar o estilo da árvore, utilize a técnica de aramação, não deixando que o arame permaneça mais do que dez meses no galho. Cuide para que as folhas não fiquem amassadas entre os arames. Repita esta operação cada ano, até obter o formato desejado. Se o arame se incrustar no tronco, não deve ser arrancado, e sim, retirado delicadamente com alicate apropriado, cortando-o em pedaços.

Dicas: Essas árvores são sensíveis à podridão das raízes, devendo-se portanto evitar ao máximo o excesso de regas, assim como pratos ou bandejas sobre o vaso, para impedir o acúmulo de água parada. O cultivo em ambiente interno debilita muito a planta, culminando quase sempre na perda do bonsai.

fonte

Piracanta


Família:
Rosaceae
Origem: A maioria são originárias da China, porém outras procedem de regiões tropicais como as Filipinas. Também conhecida como “Espinho de Fogo”.

Características: As folhas são verdes escuras, largas e brilhantes. São arbustos espinhosos, perenes, com folhas alternadas. Têm flores brancas na primavera e depois aparecem cachos de frutos de tons alaranjados ou avermelhados. As folhas e flores das pyracanthas de origem tropical geralmente são menores que os das árvores de clima temperado. A variedade Angustifolia produz frutos alaranjados e avermelhados. Já a Coccinea produz frutos vermelhos e flores brancas. Seus híbridos e variedades de cultivo são amplamente utilizados para bonsai.

Ambiente: Preferem o exterior, a pleno sol. Durante os meses de verão protegê-la nas horas mais quentes. No inverno, devem ser protegidas das fortes geadas. Os “espinhos de fogo” suportam bem o vento, porém com a condição de receber uma boa rega.

Rega: É necessário manter a umidade constante, deixando secar mais no inverno. Deve-se regar um pouco mais durante a época da frutificação. Borrife as folhas, se possível quando o tempo estiver quente, exceto durante a floração e frutificação.

Adubo: Adube com intervalo de duas semanas durante a época de crescimento (primavera), reduzindo a frequência no outono. Já no inverno, adube somente se a planta estiver em fase de crescimento ativo.

Poda: A poda dos galhos grossos e delgados pode ser feita em qualquer época do ano. Elimine todos os novos brotos que saem do tronco. Quanto aos galhos mais finos, pode-os assim que os frutos murcharem, antes dos novos brotos aparecerem. O bom planejamento da poda estimulará o aparecimento de flores e frutos vistosos e sadios.

Aramação: Pode ser aramado ao final do inverno, no início do crescimento, e retirado no final da primavera. Os galhos mais grossos podem ser aramados durante todo o ano.

Transplante: A cada dois ou três anos, antes de iniciar seu crescimento (primavera). Retire 1/3 das raízes, utilizando uma terra com boa drenagem e aeração. Para os exemplares mais velhos, a poda de raízes deve ser bastante limitada.

Dicas: Para que frutifique abundantemente é necessário que o ambiente seja ensolarado. Tome cuidados com os “espinhos de fogo” já que algumas pessoas apresentam reações alérgicas ao seu ferimento.

estações do ano

acer

Família – Aceraceae
Origem: Existem aproximadamente 200 espécies do gênero, sendo que a maioria são originárias das regiões temperadas do hemisfério Norte.

Espécies mais utilizadas para bonsai:
* Acer palmatum – originário do Japão, possui folhas verdes durante a primavera e o verão, sendo substituídas pela coloração castanho amarelada no outono.
* Acer palmatum “Deshojo” – no início da brotação (primavera) possui uma folhagem vermelho sangue que passa ao verde, mantendo-se até o outono, quando adquire a coloração outonal.
* Acer palmatum atropurpureum – suas folhas têm a coloração vermelho escuro ao longo de todo o ano, sofrendo uma leve variação no outono. Tem como característica, folhas um pouco maiores que os demais, sendo uma das poucas variedades de acer que não aceita a desfolha.
* Acer buergerianum – possui folhas em forma de tridente, de cor verde viçosa na primavera e verão, ganhando uma tonalidade que vai do amarelo alaranjado até o vermelho escuro no outono.
* Acer campestre – nativo da Europa, possui folhas verdes na primavera e verão que passam ao tom amarelado no outono.

Característica: Árvore de folha caduca, de exterior. Quando jovens, têm crescimento rápido, tomando-se lentos após ficarem adultos. Existe uma incomparável variedade de cores e formas das folhas, troncos e copas. Os acer, junto com os pinus, são as árvores mais importantes do cultivo japonês do bonsai. No inverno, quando perdem as folhas, mantém seu atrativo pela distribuição de seus ramos e galhos.

Ambiente: Ama os ambientes frescos e úmidos. Nos ambientes quentes e secos, ocasionalmente, pode ocorrer a queima das folhas com grande facilidade. Na sombra crescem melhor, mais rapidamente e com mais vigor. As plantas jovens e de espécies japonesas não toleram as geadas e devem ser protegidas no inverno. Os ventos frios constantes fazem com que os brotos cresçam escassos e irregularmente.

Rega: Estas espécies requerem regularmente muita água devido à sua folhagem densa e frondosa. Em períodos quentes pode ser necessário molhar mais de uma vez ao dia, desde que a terra tenha uma boa drenagem, pois estas espécies não toleram o solo constantemente encharcado. No viveiro deve-se regar somente quando o solo estiver levemente seco. Borrifar as folhas com freqüência, principalmente se a árvore encontra-se em um ambiente muito seco e exposto ao sol

Adubo: Aduba-se quando as folhas estão completamente desenvolvidas – aproximadamente quatro semanas após a brotação, até final do outono. Pode-se utilizar adubos líquidos (foliares) químicos ou orgânicos.

Transplante: De uma maneira geral, deve-se transplantar a cada dois ou três anos, eliminando 1/3 das raízes e procurando também eliminar cuidadosamente raízes mortas, lesionadas ou mal formadas. O transplante se realizará antes da brotação, cuidando para que, no período após o transplante e antes dos brotos novos surgirem o solo não fique encharcado, pois este fator poderia acarretar no apodrecimento das raízes. Os bonsai de acer necessitam de um solo com uma boa drenagem, sendo recomendado muitas vezes uma mistura de até 50% de areia média peneirada (2mm).

Poda: As de estrutura deverão ser feitas no inverno quando a planta estiver sem folhas, levando-se em consideração que uma boa poda estrutural proporcionará uma melhor brotação primaveril. Para conservar a forma, pinçam-se repetidamente os novos brotos desde a primavera até o verão. Somente quando se deseja um maior crescimento, deixa-se os brotos alcançarem a longitude desejada e só então pinça-se novamente. Devido a oposição das gemas, cada novo broto produzirá uma ramificação bifurcada, o que não é conveniente. Para evitar que isso ocorra, deve-se então eliminar a gema inoportuna antes que esta se desenvolva. Durante o período vegetativo ( de crescimento), deve-se podar os brotos com maior desenvolvimento, reduzindo-os sempre a 10 ou 20 pares de folhas.

Aramação: O acer é uma das plantas com a casca mais delicada, por isso devemos prestar muita atenção para que o arame não marque o tronco. Procurar enrolar o arame cuidadosamente deixando-o ligeiramente folgado. Quando se arama um acer deve-se observar o crescimento dos ramos, que algumas vezes poderá ser bastante rápido, causando o seu estrangulamento. O ideal é aramar no outono, quando a árvore perde as folhas, tomando mais fácil a colocação do arame e deixá-lo durante todo o inverno. Também é possível aramar na primavera, desde que sejam observadas as regras de segurança necessárias. Recomenda-se que se utilize as técnicas de aramação somente quando as outras técnicas de condução já tiverem sido aplicadas.

Dicas: É habitual se fazer a desfolha do acer cortando-se o pecíolo da folha pela metade com uma tesoura bem afiada e nunca arrancando-as. A melhor época é quando as folhas amadurecem da brotação primaveril, ou seja, final de dezembro começo de janeiro. Com este processo conseguimos uma redução significativa no tamanho das folhas, melhorando a proporção da árvore assim como garantindo uma coloração mais duradoura e intensa no outono. Este método também é utilizado para melhorar a ramificação dos galhos.

regador e flores

ficus-nerifolia

Família - Moraceae
Origem: Regiões tropicais e subtropicais.

Características: É uma árvore de folhas perenes, brilhantes e verdes, e de um crescimento médio. Compreende cerca de 800 espécies, com as mais variadas características. Dentre elas podemos destacar o Ficus benjamina, Ficus retusa, Ficus natasha, que são mais conhecidos no Brasil como plantas ornamentais. Ainda temos as figueiras nativas assim como o Ficus oragnensis (região sul) e outras variedades que esporadicamente podem ser encontradas como: Ficus microcarpa; Ficus neriifolia; Ficus natalensis; Ficus formosa, etc…

Ambiente: Em zonas de clima temperado pode ser colocado em ambiente externo, desde que não haja perigo de geadas – seu crescimento se detém com temperaturas abaixo dos 13°C. Já em ambientes internos, este é um dos mais resistentes bonsai. Nesse caso, deve ser colocado próximo a uma janela bem iluminada. Lembre-se de girar o bonsai a cada quinze dias para evitar o crescimento desigual, devido à falta de luz. Como ocorre com todas as plantas que se adaptam a ambientes internos, o Ficus deve ser protegido de correntes de ar frio e jamais ser colocado perto de uma fonte de calor.

Rega: Necessita de uma rega abundante e diária nas épocas de intenso crescimento, entre a primavera e o outono. No inverno, deve-se regar com mais moderação. Quando a terra estiver levemente seca, regue com abundância até que a água comece a sair pelos orifícios de drenagem. É conveniente borrifar as folhas, já que lhes agradam os ambientes úmidos.

Adubação: Necessita de uma adubação abundante durante todo o período de crescimento. Poderá ser adubado com Nutri bonsai ou qualquer outro adubo para bonsai, a cada duas semanas, da primavera ao outono. Suspenda no inverno. E fique atento: nunca adube uma árvore doente ou recém transplantada.

Transplante: Anualmente ou a cada dois anos, conforme a situação das raízes. A época ideal para fazer o transplante é no final do inverno, antes do início da brotação. Procure cortar 1/3 das raízes.

Poda: Para podar os brotos é necessário esperar que desenvolvam cinco ou seis pares de folhas, deixando apenas dois ou três pares. Os galhos devem ser podados para corrigir a forma. Quanto aos galhos mais grossos, sua poda deve ser feita preferencialmente no inverno.

Limpeza: Eliminar as folhas amarelas. Limpe também o pó das folhas, usando um pano umedecido em água.

Aramação: Pode-se efetuar em qualquer época do ano, nos brotos já desenvolvidos. Retire o arame após seis ou oito semanas. Preste sempre atenção nas épocas de crescimento vigoroso, para que o arame não estrangule os galhos.

Dicas: Para reduzir o tamanho das folhas, deve-se fazer a desfolha no mês de janeiro, preferencialmente. Com esta operação, é necessário cortar todas as pontas dos brotos para evitar o excessivo crescimento dos galhos. Lembre-se que esta operação somente deverá ser feita em plantas sadias e com um crescimento vigoroso.

painel-florzinhas11

Ilex

Família – Aqüifoliáceas
Origem: Hemisfério Norte, América do Sul, Austrália, Polinésia

Características: Alguns exemplares vivem mais de 200 anos. Em condições de vida adequadas os ilex podem alcançar até 15m de altura. Arbusto cônico, de tronco reto, com ramas estendidas e levantadas nos extremos; de forma arbustiva e ramificada desde a base. Folhas ovaladas, recortadas em lóbulos terminados em espinhos, de cor verde escuro brilhante; os lóbulos desaparecem com a idade, ficando somente os espinhos terminais. Sua folha pode ser variegata (verde/amarela), ou também com a borda branca. As flores aparecem no inicio da primavera; são pequenas, de cor branca-rosada. Os frutos, que maduram no verão podem variar do roxo intenso brilhante ao marrom quase negro.

* Ilex aquifolium – Já encontrado no Brasil como planta ornamental e apresentando varias sub-espécies, entre elas o mini-hiragui. Arbusto muito ramificado, de ate 5m de altura, com tronco reto e forma piramidal. Folhagem espinhosa, de cor variando do verde claro ao escuro, podendo também ser encontrado na forma variegata.

* Ilex microphylla – Arbusto de até 4 m. de porte rígido, com numerosas ramas. Folhas abundantes, de cor verde escura, relativamente rígida e não espinhosa. As folhas podem ser levemente serrilhadas ou ainda “convexas” (levemente recurvadas). Apresenta frutos pequenos e negros. E a espécie com um dos menores tamanhos de folha e muito conhecido no Brasil como “azevinho” , ou ainda “mini-buxinho”

*Ilex serrata sieboldii – Arbusto compacto, com numerosas ramificações; frutos de cor roxa, permanecendo na planta durante todo o inverno. Na primavera aparecem pequenas flores azuladas. É o tradicional Ilex japonês que vemos em revistas e livros fotografados no inverno sempre sem folhas e carregados dos seus característicos frutos. Ocorre a necessidade de macho e fêmea para a fecundação e posterior formação dos frutos. Muito difícil de ser encontrado no Brasil.

Ambiente: No geral suportam bem o sol, inclusive no verão. Algumas variedades devem ser colocadas em uma meia sombra no verão, e a pleno sol nas outras estações. Preferem o calor úmido. Devem ser protegidas em temperaturas inferiores a 5 °C, devendo ser protegidas contra ventos intensos e frios. São plantas que preferem os ambientes mais externos e ventilados, mas que também poderão ser cultivadas muito próximo de uma janela com uma boa insolação e bastante ventilação.

Rega: Proporcionar mais água depois da eclosão das flores e ate o momento em que aparecem os frutos, com a finalidade de obter uma abundante frutificação. No restante do tempo, deixar secar levemente a superfície do vaso entre uma rega e outra. Pulverizar as folhas nas épocas mais quentes e secas.

Adubo: Na primavera e outono, aplicar um adubo orgânico de decomposição lenta. No outono, o Ilex requer um pouco menos de fertilizante do que na primavera, portanto, diminuiremos a dose mantendo a freqüência.

Transplante: No inicio da primavera, antes do inicio da nova brotação, a cada dois anos. Retirar cerca de 1/3 ou até a metade das raízes, e transplantar em um vaso de tamanho superior ao anterior se for necessário.

Poda: Despontar os novos brotos que começam a se desenvolver, assim como todos os brotos que não serão utilizados, por outro lado, deixar que os brotos que serão trabalhados se desenvolvam até o endurecimento as folhas.

Poda de estrutura: Quando se corta um ramo principal deve-se cuidar que este seja côncavo e aplicar uma pasta cicatrizante.

Poda de manutenção: Podar sempre que necessário para manter a forma da planta, sendo que normalmente deixa-se os brotos novos apenas com 2-3 cm. Eliminar sempre os brotos “ladrões” que surgem ao longo do tronco e próximos as raízes.

Aramação: Da primavera até o verão. Amarrar as ramas jovens com ráfia, utilizando também a ráfia para proteger as ramas ao aplicar o arame de cobre, já que quebram-se com facilidade, evitando-se sempre que o arame marque o tronco.

Terra: Mescla de partes iguais de terra vegetal e areia média (2mm) Crescem melhor em solos argilosos, calcáreos e arenosos. Necessita de terra fértil.

Limpeza: Eliminar as folhas amarelas e os frutos que permaneçam muito tempo na árvore para não fatigá-la.

Dicas: Mostra um crescimento lento (aproximadamente 6m em 10 anos). Escolher uma vaso de profundidade mediana, de cor terra esmaltado ou de cor azul cobalto.

Estilos mais utilizados: vertical informal, tronco inclinado, semicascata, cascata, raízes expostas, tronco duplo e paisagem.

Observação: Como exemplo de uma outra variedade de Ilex cultivada em grande escala no Brasil e outros países da América do Sul, temos a Ilex paraguariensis, que é a erva-mate, o tão conhecido chimarrão.

12