Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




phalaenopsis_pink
Uma pesquisa patrocinada pela Sociedade Orquidófila Americana (American Orchid Society) mostrou que orquídeas do gênero Phalaenopsis tornaram-se as plantas preferidas do público americano. No Brasil nós a encontramos de norte a sul, vendidas em floriculturas e supermercados.

Isso é resultado da facilidade que a planta responde ao cultivo, sem exigir muito e adaptando-se facilmente em interiores (indoor). Ao contrário de outras orquídeas cujo ciclo vegetativo da fase “keiki” até a floração demora em torno de 4 a 5 anos, uma planta de Phalaenopsis bem tratada pode florescer em 2 anos, razão porque o comércio de orquídeas de corte ou decorativas investe em seu melhoramento genético criando centenas de híbridos com as mais variadas nuances de cores e que florescem o ano todo.

É ideal para cultivo em ambientes fechados ou apartamentos, desde que o local tenha uma mínimo de ventilação natural e principalmente boa luminosidade indireta e esteja exposta a um mínimo de luminosidade solar filtrada entre 7 e 9 horas da manhã ou das 16h  até o anoitecer. Resolve-se isso colocando seu vaso sobre aparadores junto de janelas. No habitat de origem, as Phalaenopsis vegetam em  baixas altitudes de florestas  tropicais asiáticas onde a temperatura média diurna varia entre 28 e 35º C e noturna na faixa dos 20 a 24º C e sob luminosidade natural filtrada pela copa das árvores, sem incidir diretamente nas folhas, a não ser aquela ainda fraca do amanhecer ou anoitecer.  Baseado nisso fica mais fácil seu cultivo em interiores ou exteriores.

Apesar de ser uma planta que pode florescer várias vezes durante o ano, o período de sua floração principal ocorre no final do inverno estendendo-se durante toda a primavera.

O gênero Phalaenopsis foi criado por Karl Ludwig von Blume em 1825, batizando a planta com esse nome associando duas palavras gregas “phalaina” (falena, mariposa) e “ópsis,-eos” (visão, ação de ver) para designar as flores. No seu entendimento são parecidas com as asas de mariposas.

No gênero Phalaenopsis estão catalogadas cerca de 50 espécies, a maioria epífita e ocasionalmente litófitas, distribuídas por toda Ásia tropical, sudeste da Índia e Nepal, Nova Guiné, norte da China, Taiwan e Austrália, mas é nas Filipinas que está concentrada maior riqueza de espécies nativas.

Características
As espécies do gênero Phalaenopsis apresentam caule praticamente nulo com avantajada folha larga e suculenta, onde está toda sua reserva nutricional, e sendo monopodial, de crescimento sucessivo, possui raízes longas, grossas e flexíveis, que crescem em profusão dentro de vasos plásticos arejados e bem drenados, com substrato misto de casca de coco, pinus e casca de arroz carbonizada. Na realidade a formulação de um substrato para orquídea epífita e monopodial não deve ser levado à risca  como REGRA, mas sim sugestão. Cada orquidófilo deve procurar na região onde vive, aquele de melhor adaptação para a planta – e nesse sentido, quanta criatividade existe no meio!

Só não vale inventar muito, achando que uma orquídea epífita e monopodial irá adaptar-se a substrato com terra e compactado! Em pouco tempo estará atacada por bactérias ou fungos, melando suas raízes e destruindo suas folhas.

Regas e Adubação
A orquídea Phalaenopsis, como a grande maioria das orchidaceas, aprecia boa umidade ambiente no substrato em vaso ventilado, mas nunca encharcado. Regas uma vez ao dia, preferencialmente no amanhecer ou entardecer, quando os estômatos nas folhas estão abertos e receptivos a nebulização úmida do ar absorvem  os nutrientes, o mesmo ocorrendo com os velames micro porosos que compõem todo o enraizamento da planta.

Para evitar acúmulo de água na junção de suas folhas, o ideal é cultivar a planta meio inclinada, principalmente nos casos em que a pessoa tenha muitos vasos, regando-os com esguicho ou aspersores.

Recomenda-se na adubação de manutenção e crescimento uso de Adubo Cristalizado solúvel em Água e que deve envolver além dos micronutrientes já incorporados na fórmula química, os macronutrientes N-P-K na proporção 10-10-10 ou 20-20-20. Para floração essa composição muda para reforço maior em Fósforo (P) e pouca coisa a mais em Potássio (K) - válido para a maioria das orquídeas – na fórmula 10-30-20. Se na região onde você residir não tem a fórmula com esses valores,  não é problema, compre o que encontrar desde que  tenha proporção parecida ainda que apresente esses números reduzidos (aliás é o que mais encontramos no interior do Brasil nas lojas de jardinagem ou produtos agropecuários).

Adubação orgânica composta pela mistura de torta de mamona substituindo o Nitrogênio (uréia) químico (N), a farinha de osso ou de ostras substituindo o Fósforo(P) e cinzas de madeiras diversas no lugar do Potássio (K), são excelente variante de adubação para orquídeas. Apesar de orgânico, esses componentes devem ser usados com a mesma cautela ou cuidado quando usamos adubação química, tendo em consideração que o ideal é usar em quantidade mínimas ou homeopáticas.

Exemplificando: Se no folheto ou modo de usar do frasco diz uma colher de chá para um litro de água, diminua para uma colher de café, ou naquela quantidade maior, aumente em três vezes a quantidade de água, guardando em frasco plástico fechado (garrafa pet, por exemplo) e com essa água molhe a planta uma vez ao dia, até que essa solução nutricional acabe. Lembrar apenas de agitar o frasco antes do uso.

Agindo assim a orquídea não terá problema de super dosagem e intoxicação.

Floração e Novas Mudas
Apresentam flores vistosas, coloridas, que variam do branco ao vermelho, passando pelo amarelo, creme-esverdeado, roxo, estriadas e incontáveis nuances de cores, pintalgadas ou não, principalmente nas espécies híbridas, plantas mais usadas para embelezar interiores! São sempre trilobadas e podem apresentar diferenças de forma, considerando a origem de sua origem genética nos cruzamentos. Apesar da exuberância de suas florações seu perfume, se existir é praticamente nulo. Ainda não encontrei durante o dia uma Phalaenopsis híbrida perfumada. Diz-se que ela seria polinizada na madrugada por um tipo de mariposa (falena) que, aliás, são insetos de hábitos noturnos, diferentes das borboletas que possuem hábito diurno. Será que ela é perfumada na madrugada? Não sei…nesse horário estou dormindo!

As orquídeas Phalaenopsis têm uma tendência em reflorir numa mesma haste floral onde tenha tido floração anterior, soltando nova inflorescência nos nódulos velhos (ou gemas).

Em algumas situações pode soltar nesses nódulos velhos, novas mudas.

Alguns orquidófilos após a floração anterior, costumam medir cerca de um palmo (cerca de 22 cm) na haste floral a partir da base da planta, cortando ali. Em seguida cauterizam o ferimento com uma colher quente e/ou passam pasta de canela em pó úmida evitando germes oportunistas como fungos e bactérias.

Nesse pedaço de 22 cm de haste que ficou na planta costuma nascer outra haste floral.   Borrifar solução de água filtrada com complexo vitamínico B ou hormônio enraizador (tiamina de boro ou 2 comprimidos de Benerva esmagados e dissolvidos num litro de água -  e ácido giberélico).  Com o tempo poderá surgir novas mudas nos nódulos dessa haste. Somente destacar as novas mudas quando estas estiverem com as folhas duplas crescidas e apresentando enraizamento, replantando-as conforme já explicado acima.

Dicas Finais: Muitos orquidófilos usam pulverizar com canela em pó colocada na palma da mão e soprando-a sobre as raízes das Phalaenopsis, visando proteção contra fungos e bactérias, e dizem, obtendo  melhor floração com a planta mais saudável.

Para se fazer mudas de Phalaenopsis deve-se fazer o seguinte:
Logo após a floração da sua orquídea, quando as flores murcharem e secarem por completo elas devem ser manualmente removidas, então é possível induzir o nascimento de uma muda clone que brotará na própria haste floral, com a aplicação de pó de canela no substrato.

Após o corte com tesoura de poda (esterilizada com fogo ou produto específico) no terceiro nó da haste floral da planta, é comum brotar uma nova haste que vai fazer sua Phalaenopsis gerar uma segunda floração no mesmo ano, quando bem tratada.

Mas se você fizer a poda da haste floral na altura do mesmo terceiro nó e colocar uma colher média de canela em pó em toda superfície do vaso, isto vai estimular o nascimento de uma nova planta que brotará na haste, na altura deste nó.

Em alguns meses, logo que a planta estiver com quatro folhas de cerca de quatro centímetros cada e emanando duas ou três raízes de até 3 centímetros, faça o corte da nova muda pela haste, um pouco abaixo e replante a nova muda em outro vaso menor.

Lembre-se de que as plantas jovens precisam de maior umidade, por isso, fique atenta a rega até que as plantas se desenvolvam.

orquídeas

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.



7 Responses

  1. ola su de umuarma-pr, tenho um orquidario e gostaria de saberr como e usado e em que proporçao, o acido giberelico, teho o produto e nao sei como usa-lo e se pode ser usado em orquideas. ok se for atendido desde ja agradeço. uma grande abraço.

    anizio
    umuarama-pr.

  2. #2
    flaviana 
    Sunday, 2. January 2011

    gostaria de saber quanto tempo leva pr sair outra hastea da minha orquidea apodreceu eu cortei

  3. #3
    jefferson 
    Monday, 14. February 2011

    gostaria de saber se apos a queda das flores quando deve ser feito a poda, se por pó de canela ajuda a surgir uma nova muda?
    obrigado…

  4. #4
    geruza lina de souza araujo 
    Saturday, 2. July 2011

    gtostaria de saber com mais detales sobre com fazer mudas de falenoples pois nunca tirei mudas tenho que cortar as astes semore que cair as folhes

  5. Eu pesquisei na Net sobre as phalaenopsis e descobri que podemos tentar fazer novas mudas a partir da haste que “sobra” qdo fizermos a poda, após as flores, através da UTI para orquideas. Estou procurando essas sobras das hastes para fazer essa experiencia. Alguem aí gostaria de me ajudar, me enviando as pontas das hastes???

  6. Ganhei uma orquidea Phalaenopsis há mais de 2 anos. ela deu flores uma vez ano passado e depois disso foi ficando fraquinha. Fui numa floricultura e me deram TERRA!! Isso mesmo, terra pra renovar o vaso. Conclusão: quase morreu!! Estou tentando de tudo pra ela voltar a ficar boa! Tirei do vaso, coloquei numa pet transparente com brita e um pouco de água e estou esperando ela reagir.. O que mais devo fazer??? Se ela der raiz (pois toda a raiz foi ficando branca e fininha até secar. Aí eu tirei e deixei só o caule com as folhas), o que eu devo fazer?? Tira da pet e põe no vaso? Qual o melhor substrato??? Por favor, me ajudem!!!!!

  7. #7
    Lourdes 
    Tuesday, 21. May 2013

    Boa tarde! Agradeço suas explicações, mas as minhas mudinhas de phalenopsis não querem dar raizes, eu tive que tirar da haste pois estava morrendo, agora sei como fazer. Abraços. Lourdes

Comente sobre o post