Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Dálias

Nome científico: dahlia (depende da variante) – Também conhecida por: dália de jardim
Semear: Janeiro a Maio
Profundidade: 15 cm
Florescem: Junho a Outubro
Altura: 1.50 cm (depende da espécie)
Luz: Prefere o sol pleno
Regas: Carece de regas regulares
Temperatura: Tolera o frio, mas não ventos
Ciclo: Anual
Originária: México e África do Sul

Existem diversas variantes que lhe atribuem diferentes formas: simples, dobradas, semi dobradas, em formato de estrelas, esféricas, lembrando pompons, crespas ou retorcidas, curtas ou alongadas, espessas ou delicadas, grandes como a cabeça de um homem e pequenas como um ovo de galinha, etc.
Multiplica-se por semente, estaquia e a forma mais segura, por divisão de raízes.
Ao retirar as raízes da terra deve-se deixá-las penduradas de cabeça para baixo, pois o caule ainda tem armazenada alguma água que precisa de ser drenada. Também se deve catalogá-la quando se vai guardar para saber que cor possui.

Dahlia, nome comum dália, é um gênero botânico pertencente à família Asteraceae.
É uma herbácea de porte médio, perene. Quando adulta, a planta chega a atingir até 1,50 m.

Hoje, graças ao surgimento de vários híbridos, podemos encontrar diversos tipos de dálias, o que resulta numa grande variedade de formas (pompom, bola, decorativa, etc.) e cores (branca, alaranjada, vermelha, amarela, pink).
São mais de três mil variedades resultantes de cruzamentos com outras espécies, como os crisântemos, por exemplo.

São flores sedentas, por isso verificar os níveis de água e retirar as folhas desnecessárias para reduzir a transpiração e consequente desidratação da planta.
O seu nome deriva do botânico que as propagou no norte da Europa, Anders Dahl
Originalmente, as suas raízes serviam de alimento aos astecas que apreciavam o seu ligeiro sabor amargo, mas agradável, das suas cocoxochitl como lhe chamavam.

Não são difíceis de criar, de uma forma básica e desde que tenham espaço para crescer, essencial nas variedades de maior porte, água em quantidade, uma dose de adubo semanal quando estão floridas, terra de boa drenagem (gostam de água mas não de estar alagadas) e bastante sol mas não demasiado quente, tudo correrá bem e o ciclo completar-se-á.
No entanto, os profissionais das estufas de flores de corte que comercializam as suas flores, possuem truques valiosos para as fazerem dar melhores flores.

As flores por vezes necessitam de ser tutoradas devido ao seu tamanho e peso.
Depois da floração a planta irá a pouco e pouco definhando e a água deve ser gradualmente reduzida ate desaparecer por completo. Os tubérculos (raízes), devem ser desenterrados e guardados em lugar seco e fresco até á próxima plantação.
É nesta altura que se podem dividir os rizomas e posteriormente criar novas plantas.
Caso deixe os tubérculos enterrados no jardim ou floreiras, certifique-se de que se mantêm secos e protegidos de geadas fortes.

* Reprodução: por meio de sementes, estaquia das pontas dos ramos ou divisão das raízes tuberosas; sendo que esta última permite a propagação de um exemplar com características idênticas às da planta-mãe;

* Substrato ideal para o plantio: 2 partes de terra comum, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de areia;

* Clima ideal: ameno;

* Luminosidade: Em locais de clima frio, precisa de no mínimo 4 horas de sol pleno; já em clima quente, recomenda-se o cultivo à meia-sombra;

* Regas: manter o solo sempre úmido, sem encharcar;

* Floração: produz flores isoladas na primavera e no verão, em várias cores.

Cuidados: necessita de proteção contra ventos e adubação orgânica a cada 3 meses.

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.



Comente sobre o post