Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Algumas lições de vida mui importante podem ser aprendidas, pela simples observação do bambu. Por exemplo, ele fortalece primeiro suas raízes antes de se projetar para fora da terra. Só depois de bem consolidado no subsolo, começa seu desabrochar pleno, tornando-se uma planta vistosa e alta, mas com hastes fininhas. Nas tempestades, enquanto as árvores de troco grosso se desgastam e quebram durante a luta contra a natureza, o bambu faz uso de sua incrível flexibilidade, envergando sobre os ventos e chuvas, para se levantar majestoso, quando o tempo abre.
Essa pequena biografia explica porque ele se tornou a árvore símbolo de algumas das principais escolas do Oriente, como o Zen, o Tão, o Reiki e muitas outras, além de estar associado à felicidade, sorte, retidão e equilíbrio  entre força e flexibilidade.

Quem pratica a jardinagem como um meio de se conectar com a perfeição da natureza e incorporar suas características na vida, não pode deixar de ter o bambu em seu jardim.

Como se trata de uma família botânica bastante extensa, é possível encontrar espécies  adequadas aos mais diversos tipos de arranjos de espaço ou estilo que se possa imaginar.

bambu

Anatomia do Bambu
O cultivo de bambu não tem muitos segredos, mas exige que se conheça o básico de sua estrutura para entender melhor o seu comportamento e não perder nenhum lance no seu desenvolvimento.

Folhas – As folhas de bambu na verdade são lâminas de caulinares que crescem em galhos e se diferenciam das folhas caulinares dos colmos, “tomando a forma e a função fotossintética de uma folha”. São resistentes e longevas.

Colmo - É a parte que se identifica com o “caule” do bambu, formado por fibras de lignina e silício com nós e entrenós bem visíveis. Normalmente são ocos e possuem características diferenciadas de diâmetro, altura, cor e textura para cada espécie. Concentra quantidades variáveis de amido.

Flores – A floração do bambu ainda não foi totalmente compreendida pelos botânicos, nem pelos produtores. Sabe-se que ela ocorre a intervalos muito longos, que vão de 10 a 100 anos. Na maioria das vezes, após a floração, os bambus secam, não conseguindo mais produzir novos brotos. Muitos lavradores orientais aceitam isso como mau presságio, mas é apenas o ciclo de floração que é longo.

Solo - O bambu se adapta bem em quase todos os tipos de solo e climas, só não tolera a terra com excesso de umidade. Ele se dá melhor em solos levemente ácidos e argilosos, com 5.5 a 6.5 de pH. Gosta mais dos locais planos ou com inclinação bem leve, arejados, férteis, com terra fofa, boa drenagem e boa quantidade de matéria orgânica.

Rizomas - A formação rizomática pode ser paquimorfa, que tem origem tropical e lembra uma espécie de bulbo, formando touceiras densas, ou lepmorfa, de origem temperada, cuja forma alongada e fina lembra uma vara subterrânea do próprio bambu. Eles são alastrantes.

Conheça algums espécies encontradas no Brasil

1

Bambuza vulgaris “vittata”
Esta espécie também é conhecida como bambu-amarelo, bambu-imperial e bambu-brasileiro, mesmos tendo a sua origem verdadeira na China e sudeste asiático. Seu colmo de coloração amarelo rajado de verde tem alto valor ornamental. É uma espécie entouceirante não invasiva de grande porte (pode chegar aos 30 metros). Gosta de exposição solar plena e dos climas tropical e subtropical.

2

Guadua angustifolia
Bambu nativo da América, especialmente de países como Equador, Colômbia e Venezuela. É muito resistente e rústico. O traço marcante fica por conta dos nós brancos bem mais chamativos do que o encontrado nas outras espécies. É muito utilizado economicamente para a construção, pois possui um dos melhores colmos lenhosos. Atinge cerca de 25 metros e gosta de sol pleno, com baixa tolerância ao frio extremo. Forma touceiras não alastrantes.

3

Dendrocalamus giganteus
Também conhecido pelo nome de bambu-gigante, pode atingir 36 metros de altura, e seus colmos são bastante grossos, chegando a até 30 cm de diâmetro. Crescem em moitas e de forma bem acelerada (cerca de 94 cm por dia). O ciclo de florescimento é a cada 30 anos. Prefere climas tropicais, mas é bem resistente às mais variáveis situações. Utilizado na constução civil e no artesanato além de seus brotos serem comestíveis.

4

Phyllostachys nigra
Originário da Ásia, o bambu negro se destaca como uma das espécies mais ornamentais no grupo dos bambus. Quando jovem, os colmos são verdinhos e brilhantes, mas vão adquirindo uma coloração escura com a maturidade. Quando adulta, além de estar com as varas totalmente pretas, pode atingir até 7,5 metros de altura. Seus colmos são fininhos, cerca de 2 a 4 cm de diâmetro. As folhas são verdes na página de cima e levemente acinzentadas abaixo. Gosta de sol pleno e solos profundos e é sensível a ventos frios e excesso de calcário na terra. Exige cuidados para não se alastrar.

5

Phyllostachys nigra ‘Boryana’
A variante da Phyllostachys nigra tem colmo verde salpicado de manchas marrons e é muito rústica e resistente. A folhagem é densa e vistosa. Os efeitos pintalgados do colmo ficam ainda mais bonitos quando exposto ao sol pleno, assemelhando-se à pele de leopardos e onças.

1

Bambusa mulfiflex
É uma das espécies mais populares de bambu, bem tolerante ao frio. Gosta de solos ricos e forma touceiras de fácil controle. Tem porte médio de cerca de 3,5 metros, colmos delicados e folhagem densa. Muito usado tanto no paisagismo quanto no artesanato.

2

Bambusa vulgaris
Como o primeiro nome revela, é o tipo mais comum de bambu. Atinge até 15 metros de altura, e seus colmos de cor verde bem intensa e marcado tem cerca de 10 cm de diâmetro. Apesar de ser muito adaptado e presente em todo territóroi brasileiro, é originário da China. Gosta do clima tropical.

3

Buddha’s belly bamboo
Nome comercial para designar espécies de bambu de aparência muito exótica, com entrenós inchados nos seus colmos curtos, e coloração verde e brilhante. Podem ser manuseados como bonsais ou atingir muitos metros de altura, sendo resistentes a secas e ao frio, embora não suportem geadas. As duas variedades mais comuns com essa característica de alargamento dos entrenós, são a Bambusa vulgaris “Wamin” e a Bambusa ventricosa, que em alguns estudos e compêndios aparece como Bambu tuldoides “Ventricosa”.

4

Pleioblastus variegatus
Espécie arbustiva de porte pequeno. Atinge média de 14 cm de altura e tem folhas verdes variegatas de branco. Outras nomenclaturas possíveis de encontrar são Pleioblastus fortunei “variegata” e Arundinaria variegata.

flowers11

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.



Comente sobre o post