Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Cultivos e Cuidados’

Rhododendron indicum

A azaléia é um arbusto da família das Ericáceas originária da China e Japão. Tornou-se muito popular e hoje pode ser encontrada formando cercas-vivas, compondo maciços em jardins, alegrando corredores e entradas mesmo plantada em um vaso.

Um dos segredos do seu sucesso é que a floração ocorre justamente nos meses de inverno e traz um pouco de colorido num período em que a maioria das plantas encontra-se em repouso. Outro segredo é que a azaléia é uma planta relativamente rústica e resistente: suporta com bravura certas condições bem adversas e, por isso, é muito usada em jardins e praças públicas, dando um toque de “vida” até mesmo nos canteiros das grandes avenidas de cidades como São Paulo, tão castigada do ponto de vista ecológico-paisagístico.

A variedade mais popular no Brasil é a Rhododendron indicum, que originalmente produz flores roxas, rosas, brancas e brancas, mas graças à intervenção humana, pode ser encontrada em inúmeras matizes chegando até ao vermelho brilhante.

Por ser um arbusto rústico, a azaléia adapta-se bem a qualquer tipo de solo, porém, para produza uma florada exuberante, o ideal é cultivá-la usando a seguinte mistura de solo:
· 2 partes de terra comum de jardim
· 1 parte de areia
· 1 parte de composto orgânico

As azaléias não florescem dentro de casa e precisam de luz solar plena para crescerem bem. Para mantê-las em áreas internas, deixe as plantas fora de casa até que as flores se abram, aí então podem ser levadas para dentro, mas é preciso que fiquem em um local bem claro, próximo à janela. O cultivo pode ser feito à meia-sombra desde que a planta receba luz solar direta pelo menos 4 horas por dia. Evite o excesso de água nas regas: o ideal é fornecer água à planta apenas quando o solo apresentar-se seco, sem encharcar.

Floradas pouco exuberantes ou brotos que não crescem significa que falta nutrientes para a azaléia. Adube uma vez por mês com a seguinte mistura:
- 1 parte de farinha de ossos
- 1 parte de torta de mamona
Se for utilizar fertilizante químico, dê preferência para aqueles ricos em fósforo (o P da fórmula NPK). Ou seja, escolha um NPK onde o P seja maior que o N e o K. Ex: um NPK de fórmula 4-12-4.

Depois da floração, a poda é uma boa medida para estimular o surgimento de novos brotos e garantir uma próxima florada bem exuberante. Aproveite para fazer uma boa limpeza na planta, retirando as flores murchas e as folhas amarelas. Assim que terminar a floração das azaléias, retire os galhos em excesso e corte as pontas dos outros galhos, até chegar ao formato e tamanho que você quiser. Para aumentar a próxima floração, elimine as pontas de todos os galhos que floresceram este ano.

Controlando problemas
Galhas – É quando as folhas e pétalas atacadas tornam-se espessas e deformadas apresentando, às vezes, manchas esbranquiçadas. As extremidades dos ramos também podem manifestar o problema, tornando-se “esgalhadas”.
Controle: Elimine as partes afetadas e utilize um fungicida do tipo Calda Bordalesa.

Oídio – A planta começa a apresentar manchas esbranquiçadas na frente e verso das folhas e até no cálice da flor. Com o tempo, as folhas apresentam coloração cinza escuro e começam a cair prematuramente.
Controle: Reduza a quantidade de água nas regas, isole as plantas atacadas ou suspeitas e faça pulverizações com fungicida em casos mais severos.

Seca de ponteiros – Apresenta-se na forma de uma podridão marrom escura, que se inicia na ponta do ramo e se espalha para baixo, atingindo a haste principal. Pode provocar até a morte da planta.
Controle: Faça a poda dos ponteiros atacados e proteja o corte com uma pasta à base de oxicloreto de cobre.

Clorose – Toda a folhagem pode tornar-se amarela.
Controle: Normalmente, o problema surge por deficiência nutricional. Deve-se observar a adubação correta, verificando se há carência dos nutrientes.

Ferrugem – São manchas semelhantes à ferrugem nas folhas que acusam a presença de fungos.
Controle: Aplique Calda Bordalesa.

chuva88

Cacto (Rebutia muscula)

Embora muitos pensam o contrário, os cactos são plantas que merecem um cuidado todo especial para que eles vivam por muito mais tempo. Se você se interessa em cultivar cactos e quer saber como cuidar deles, basta ler o artigo e aprender algumas dicas para que esta planta viva mais e deixe a sua casa ainda mais enfeitada.

1. Cactos devem receber muito sol. Os cactos são plantas vindas do deserto e por isso devem ser expostos a bastante sol para que elas possam viver por muito mais tempo. Não o coloque em lugares com sombra, pois isso deixará que a planta sofra consequência e possa vir até a morrer.

2. Locais com bastante ventilação. Os cactos também precisam de bastante vento para que se desenvolva de uma maneira muito positiva. O vento é tão importante quanto o sol nesta parte de cuidados.

3. Pouca umidade. Como foi dito, o cacto é uma planta que vem do deserto e por isso, não necessita tanto de água. Por isso, evite deixar cactos em lugares com muita umidade para evitar que ele apodreça com muita água.

4. Plante-o em lugares com boa drenagem. Quando for plantar o cacto prefira coloca-lo em lugares com bom substrato de drenagem. A areia é o melhor exemplo disso. E lembre-se de não ficar adubando a planta, pois isso não é necessário.

5. Regando o cacto. Quando for regar o seu cacto, coloque apenas um pouco de água. Uma boa medida é uma tampinha de remédio, daqueles de xaropes, sabe? Então, regue-a de quatro a cinco dias com essa tampinha que já será suficiente.

Cuidar de cactos não é muito complicado, pois não necessita de tantos cuidados como outras plantas. Você só precisa ficar atento ao local que deixará o seu cacto para que ele não apodreça. E cuidando ao regá-lo também, pois com muita água ele morrerá certamente, já que não está acostumado a receber muita água, pois vive em regiões bastante árida.

3b872de2

Amor-Perfeito

O amor-perfeito-dos-jardins é uma versão em miniatura do amor-perfeito tradicional. Suas flores são pequenas e delicadas, muito vistosas e têm o aspecto de “carinha”. As cores e combinações são muitas e variam de amarelo, azul, roxo, branco, rosa e marrom.

Apresenta ramagem verde-escura, macia e frágil. Esta espécie é também mais rústica que a tradicional e pode compor belos maciços, canteiros e jardineiras no inverno, enquanto outras plantas estão sem flores ou dormentes.

Originário dos continentes europeu e asiático, é uma planta rústica que pode ser encontrada em duas famílias, a das Violáceas e a das Scrophularcáceas.

Cultivada em canteiros na forma de bordas ou forrações, a planta de pequeno porte pode atingir uma altura entre 20 e 30 cm e se propaga através de sementes no outono.

Caracterizadas por caule curto e ramificado, com folhas lisas, cerosas e denteadas, preferem clima ameno e se desenvolvem bem em canteiros férteis e úmidos.

Suas flores podem ficar isoladas ou agrupadas em hastes florais. Florescem quase o ano inteiro, mas principalmente durante o inverno e a primavera. São flores geralmente violetas, amarelas e rosas, podendo apresentar bordas mais escuras, que formam um lindo contraste.

Essas plantas precisam estar em ambientes com meiasombra e muita luz durante o verão, embora não suportem sol direto entre 10 e 17 horas, e devem ser também protegidas de ventos fortes.

O solo ideal deve ser arenoso e rico em matéria orgânica. O Amor-perfeito precisa ser regado de duas a três vezes por semana nos meses quentes e uma vez por semana em temperaturas mais baixas.

O plantio das sementes pode ser feito em canteiros, vasos ou bandejas para plantas.

Utiliza-se como substrato um composto encontrado no comércio ou prepara-se uma mistura peneirada, contendo 2/3 de terra vegetal e 1/3 de areia fina. As sementes são colocadas em sulcos rasos, em fileiras contínuas, quando se faz uso de canteiros ou caixas, e utilizadas na proporção de 2-3 sementes, em cada forma ou tubete, quando semeadas em bandejas. Após semear, irrigar o substrato.

Quando semeadas em canteiros, utilizar cobertura alta nas horas mais quentes do dia, para proteção das mudas.

As mudas devem ser transplantadas para o local definitivo, para plásticos de ½ litro ou para caixas coletivas, quando atingirem 10 cm de altura. O transplante deve ser feito pela manhã ou à tarde e precedido de uma irrigação.

É preciso adubar uma vez por ano com farinha de osso, farinha de peixe ou torta de algodão e também usar fosforita, superfosfato, termofosfato ou NPK rico em P (fósforo).

O canteiro deve ser preparado com antecedência, revolvendo-se o solo e acrescentando uma mistura de esterco bem curtido e fertilizante, na proporção de 2,5 kg para cada 30 m.

flores se abrindo

Dama-da-noite (Hylocereus undatus)

Dama-da-noite é o nome popular planta, cuja flor é espetacular, de grandes dimensões e perfume intenso, produzindo um fruto saboroso e rico em vitaminas.

É também chamada de Flor-da-noite, Rainha-da-noite, Pitaia, Cardo-ananás, Flor-da-lua, entre muitos outros. No Oriente é conhecida como Fruta-dragão porque tanto o fruto como o caule que antecede as flores é recoberto por escamas que lembram as das tradicionais figuras dos dragões. O nome pitahaya deriva de palavra indígena que quer dizer fruto de escamas.

Não há certezas sobre a origem desta planta, sendo provavelmente da Índia ou das zonas tropicais do continente americano, desde o México até a Colômbia.

É uma cactácea de ciclo de vida perene, com raízes fibrosas e numerosas. Possui raízes aéreas das quais faz uso para fixar-se no solo ou em alguma superfície, além de serem utilizadas para a obtenção de nutrientes.

Produz uma grande quantidade de ramos divididos em artículos. Só começa a florir após o terceiro ano e desde que cultivada em condições adequadas.

A floração dura de finais da Primavera até princípios do Outono, sendo mais intensa em pleno Verão. As flores só desabrocham quando começa a anoitecer, permanecendo abertas até começar a nascer o sol. Algumas podem chegar a ter 30 cm de diâmetro. Produz um fruto comestível de casca vermelha e polpa esbranquiçada. Sua consistência lembra a do kiwi e o sabor é semelhante ao melão.

No paisagismo pode ser utilizada tanto em vasos como trepadeira. Devido às grandes dimensões que pode alcançar é mais apropriada para o plantio no solo, junto a uma superfície na qual as raízes aéreas possam agarrar-se. É ideal para jardins de pedra e pode também ser plantada junto a uma árvore na qual possa enramar-se.

Deve ser cultivada preferencialmente em sol pleno, mas tolera meia sombra. Não suporta temperaturas abaixo dos 13ºC, sendo ideal quando está entre 18 e 32ºC. Caso passe por um longo período de frio pode mesmo morrer. O solo para seu cultivo deve ser leve com uma mistura de uma parte de terra de jardim uma de composto orgânico e duas de areia. As regas devem ser espaçadas, pois o excesso de água pode apodrecer a planta. Só deve ser regada quando o solo estiver seco na superfície. De 3 em 3 anos convém ser replantada.

A reprodução da Dama-da-noite pode ser feita por estaquia dos caules, que é o método mais prático. Quanto maior for o segmento utilizado para a criação de uma muda mais rápido será seu enraizamento. Pode-se utilizar produtos que estimulem o enraizamento para apressar o processo, pois a tendência é que demorem cerca de 2 meses até enraizarem. Neste período de espera pelo enraizamento deve-se ter muito cuidado para evitar o excesso de umidade que pode levar ao apodrecimento da base. As estacas devem ser enterradas a apenas 1 cm de profundidade. Os possíveis brotos laterais que apareçam devem ser eliminados deixando apenas os que estejam mais verticais, permitindo que a planta tenha um crescimento melhor.

Também pode ser reproduzida através de sementes, mas é um pouco complicado e deve ser deixada para profissionais, pois esta reprodução é mais adequada para a produção de mudas para o melhoramento da espécie.

ploki

Masdevallia Angel frost1
O cultivo dessas plantas não oferece maiores dificuldades. Com um pouco de boa vontade e dedicação, em pouco tempo podemos fazer uma bela coleção. Cultive-as em local mais sombrio e mais úmido do que os recomendados para as outras orquídeas. Pulverize o ambiente e as plantas diariamente, na parte da manha e à tarde, mesmo durante o inverno. Cultive-as em pequenos vasos plásticos, em xaxim desfibrado ou sphagnum. O seu substrato deve ser trocado anualmente.

Algumas pessoas são meramente juntadores de orquídeas. Colocam em um canto de sua casa ou apartamento um grupo de orquídeas, compradas ou recebidas de presente, sem nenhum critério de escolha.

Estão lá porque tinham uma flor bonita. Em dado momento, evoluem para colecionadores e começam a comprar por gosto com a planta. Em seguida tornam-se orquidófilos, ou seja: uma pessoa que gosta de orquídeas, estuda para melhor saber a respeito delas, onde são encontradas e como devem ser cultivadas.

Dentre os orquidófilos existem os especializados, que se fixam em um determinado gênero ou espécie e procuram saber tudo a respeito e tentam adquirir o que existe de melhor e mais bonito no gênero escolhido ou espécie escolhida. Já os diversificados procuram variedades, raridades, originalidade. Muitas vezes as plantas não são bonitas, mas dão prazer individual, apenas.
De maneira geral, as micro-orquídeas apresentam flores com pouco ou nenhum interesse decorativo. São difíceis de encontrar, pois não é qualquer orquidário que as vende e são difíceis de cultivar, pois exigem um bom sombreamento, uma dose adequada de umidade.

Hábito vegetativo
Algumas, como as pertencentes à sub-tribo Laeliinae que possuem pseudobulbos, são mais tolerantes às variações de umidade.
As pertencentes ao grupo Oncidiineae são pouco tolerantes a luz, pois, possuem folhas muito delicada.
Os gêneros Stereochilus e Cleisostoma, pertencentes à sub-tribo Sarcanthinae, também não tem como armazenar umidade e, por isso, precisam de cautela neste aspecto.

Umidade e eliminação
As micro-orquídeas são muito sensíveis a mudanças bruscas no cultivo. Necessitam de umidade controlada, proteção contra excesso de luminosidade, pois suas folhas podem ser queimadas quando expostas ao sol e se isso acontece dificilmente se recuperam.

Cuidados
Tipos de vasos: devem-se procurar vasos que reproduzam o ambiente natural, pois não gostam de ser contrariadas e custam a sobreviver em condições adversas.
Ambiente de cultivo: buscar fazer micro-climas dentro do orquidário.

Ambientação
Quando trouxer uma planta para a sua coleção deve-se começar a cultivá-la em ambiente mais escuro, mudando gradativamente para um mais claro até conhecer suas preferências. Quanto à temperatura, deve-se proceder da mesma maneira.
Avaliar a umidade relativa de seu ambiente e, se for necessário, usar de artifícios, como, por exemplo, cultivo em garrafas pet fazendo um reservatório de água no fundo.

Ventilação
Este item é fundamental, pois todos os outros são anulados na falta de uma boa ventilação no seu ambiente e ventilação não quer dizer vendaval.

Consequências
O cultivador de micro-orquídeas terá uma coleção personalizada, que será totalmente diferente da coleção de outras pessoas. Isto é o que alguns buscam quando cultivam micro-orquídeas. Acabam tendo destaque nas exposições e o desprezo dos repolhistas, que vão dizer que você tem estufa em uma caixa de sapato.

e4d337ec

Nardo

Nardo vem de duas palavras gregas “polyos” = branco e “anthos” = flor e significa “planta com flores brancas.” A corola tem uma ligeira tonalidade rosa. É comumente conhecida como jacinto indiano.

Gênero botânico pertencente à família Agavaceae, nativa da América do Sul e é composto por apenas uma espécie. Foi introduzido na Europa no início do século XVII. Pertence à família das Amaryllidaceae.

É herbácea, perene, de raiz tuberosa. As folhas são longas, verde-claro, e reúnem-se na base das hastes florais. Em geral, esta planta é cultivada para flores de corte, mas também pode ser plantadas para formar pequenos grupos isolados.

As flores ocupam quase um terço das hastes floridas. Geralmente atingem uma altura de cerca de 1 m, e exalam um perfume muito doce e florescem do Verão ao Outono. Cada haste produz 2 ou 3 flores.

A planta é sensível ao frio e o seu plantio deve ser feito pleno sol no mês de abril, a uma profundidade de 4-5 cm, em solo rico em matéria orgânica, leve e muito permeável. A rega deve ser moderada ao longo do ano, exceto no verão e na época da floração, que deve ser mais abundante.

Não há dificuldades de cultivo. A primeira coisa a lembrar é que só florescem uma vez. Os pequenos tubérculos que se formaram em torno do bulbo principal são separados e armazenados em local fresco e seco, à espera de ser plantada na primavera seguinte. Floresce no terceiro ano de ser plantada.

PARIS

Ciclâme

Cyclamen persicum rosa

De nome científico Cyclamen persicum o nome popular no Brasil varia entre ciclâme, ciclâme da Pérsia, ciclâme de Alepo ou ciclâmen. Isso se explica pela espécie ter vindo das Ilhas Gregas e a região do Mar mediterrâneo.

O ciclâmen é uma planta florífera muito cultivada em vasos graças a seu pequeno porte, menos de meio metro de estatura, folhas verde escuro e flores coloridas muito vistosas que contrastam com a cor de suas folhas causando um ótimo efeito no ambiente.

A planta é pequena, não ultrapassa 20 cm, e costuma ser cultivada em vasos de interiores. Costuma florescer em hastes, em tons de rosa e vermelho, exalando um perfume leve, mais no final do inverno e início da primavera, podendo ficar floridas o ano todo dependendo da forma de cultivo, porém tendem a morrer se passarem muito tempo a florescer graças ao enorme desgaste que isso causa a planta.

A planta é de clima ameno, de meia sombra, mas precisa de sol direto durante quatro horas por dia. Geralmente é plantada em vaso, embora possa ser cultivada em área externa desde que devidamente protegida do sol a pino. Devemos sempre mantê-la em local que receba uma boa quantidade de iluminação indireta, ou então que receba luz direta de manhã ou a tarde.

É uma planta perene, mas tem sido cultivada como anual. Assim, muitas pessoas, quando a vêem murchar, acreditam que ela está morta, mas seu bulbo irá florir dentro de um ano novamente, se hidratado como indicado.

Utilize solo fértil, geralmente o que a planta vier plantada da floricultura já terá a composição ideal, porém se necessitar plantá-la em outro lugar, não esqueça de adicionar um pouco de adubo orgânico e NPK rico em fósforo no começo da floração.

Para seus cuidados é ideal é que reguemos essa planta em dias alternados, não podemos deixar o solo secar, porém o excesso de água também pode matar essa planta, que alias é bem sensível a doenças. Graças a isso esteja sempre atento em remover ramos mortos que podem ser um prato cheio para a proliferação de bactérias e fungos.

Após o termino da floração lembre-se de reduzir a água e não adicionar mais fósforo durante alguns meses para que a planta descanse por um tempo, você pode tentar manter a floração dessa planta por mais tempo que o natural através da rega e adubação, porém ela provavelmente morrerá em pouco tempo. Após o tempo de dormência, logo antes do inicio de uma nova época de frio, volte a adicionar um pouco de adubo orgânico e NPK ao solo.

4mb8a69

astromelias
As Astromélias são de origem peruana, chilena e brasileira, apesar de ter um nome não muito atrativo, possuem flores de grande beleza.

Para quem não entende muito sobre a planta, é importante estar atento aos cuidados, pois essa planta não é muito tolerante em estações mais frias ou a seca. Elas são mais bem adaptadas para desenvolver em ambientes com solos mais úmido e fértil, é importante cultivar com adubos orgânicos regularmente.

As flores gostam de bastante sol, mas para evitar que as pétalas queimem é importante que sejam mantidas a meia sombra. Quando essas plantas são cultivadas em solo propício, muitas vezes ela é considerada como planta praga, pois cresce e se desenvolve muito rápido e ela se alastra com muita facilidade, podendo até prejudicar outras espécies de flores que estiverem próximas.

São plantas floríferas, rizomatosas e herbáceas, muito difundidas como flor-de-corte. Ela apresenta raízes carnosas e fibrosas, as vezes até tuberosas, como são as raízes das dálias. Seus caules são eretos, e ramificados na base, em geral alcançam de 20 a 25 cm de altura.

As folhas surgem no topo dos ramos, tendo um comportamento muito raro conhecido pela botânica, que é a ressupinação que essa planta faz como elas são torcidas na parte de baixo da base, o que fica pra cima como se fosse a parte superior da folha, na verdade é a parte de baixo.

Podem ser cultivadas em maciços e bordaduras, mas são mais conhecidas como flor-de-corte. Existem algumas variedades de Astromélia que possuem raízes comestíveis, podendo ser usadas na produção de farinhas.

Deve ser cultivada a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e ligeiramente ácido e drenável, que esteja enriquecido com matéria orgânica e deve ser irrigado regularmente. Gosta de adubações frequentes, oferecendo assim florações intensas. Não toleram geadas, mas podem tolerar o frio e curtos períodos de estiagem.

Há diversas variedades de plantas para cada tipo de clima, com comportamentos anuais ou perenes, sendo mais ou menos rústicas também. Algumas subespécies necessitam de refrigeração dos rizomas no período de descanso. Sua multiplicação é feita por sementes e por divisão de planta.

Para quem não conhece muito bem, é importante ficar atento, pois as astromélias exigem alguns cuidados especiais com relação a clima, temperatura, luminosidade, e fertilização. Quando são respeitadas as condições ideais, crescem e se desenvolvem com muita facilidade, porém é preciso ter cuidado para que quando plantada em jardim junto a outras espécies, podem prejudicar o crescimento dessas mesmas.

Embora se pareçam muito com os lírios, são plantas de famílias diferentes, possuem essa aparência semelhante, mas têm um tamanho menor que os lírios verdadeiros que conhecemos. Essa semelhança só serve para comparar a beleza das Astromélias com a beleza dos lírios, são flores de grande potencial ornamental e estão presentes em diversas exposições pelo mundo todo, onde podem ser compradas, e ainda você aprende muito sobre formas de plantio, cultivo e forma de fazer mudas da maioria das plantas que encontra.

Vasinho de Flores

crista-de-galo

Esta planta florífera que também é conhecida como Celósia cristata é uma herbácea nativa da região tropical da América que tem por principal característica apresentar flores volumosas e retorcidas de cores fortes, como o vermelho, roxo e amarelo.

Devido a esta aparência peculiar de suas flores, a crista de galo é bastante utilizada no paisagismo, dando uma aparência diferenciada nos jardins e jardineiras.

Onde e Como Plantar
Esta é uma planta de grande resistência ao sol, não apresentando problemas quanto a queimaduras em suas folhas e flores, assim sendo, aconselha-se o plantio em local bem ensolarado, para que a planta faça muita fotossíntese e cresça forte.

Desaconselha-se o plantio desta planta em locais muito frios, uma vez que o frio atrapalha sua floração, porem ela dificilmente morre durante os invernos, voltando a florescer no verão.

Quanto ao solo, prepare-o de forma a ficar rico em nutrientes, adicionando bastante adubo orgânico antes do plantio.

Para realizar o plantio geralmente utiliza-se mudas compradas prontas ou saquinhos de sementes enterradas a poucos centímetros de profundidade. Após você já ter algumas destas plantas, obter novas sementes é bem fácil, uma vez que ela produz várias centenas após cada floração.

Lembre-se de irrigar sua planta de forma periódica para manter sempre o solo umedecido, porém sem exageros, uma vez que o excesso d’água pode favorecer a proliferação de doenças nas plantas.

Reforce a adubação sempre antes das primaveras e realize podas de limpeza sempre que a planta encontrar-se coberta por flores ou ramos mortos.

janel40

begonia linda

As Begônias para vasos são muito delicadas, plantas tropicais, preferem clima quente (entre 20º e 28º) e não gostam de ventos. As Begônias semperflorens de canteiros preferem um clima mais ameno e não toleram bem as chuvas de verão, pois “melam”.

Para plantar a Begônia é necessário que o local seja bem drenado. Prepare uma mistura de 1/3 de areia, 1/3 de terra comum e 1/3 de húmus e pode-se acrescentar também um pouco de esterco de curral.

Se estiver plantada em vaso, atente para transferir para um vaso maior sempre que a planta crescer muito ou dividi-la em vários vasos (nos pequenos suas raízes vão se entrelaçando umas nas outras bloqueando a passagem de água e nutrientes).

Uma hora antes de transplantar regue o vaso para compactar a terra e não prejudicar o torrão.
Semanalmente retire folhas e galhos secos e uma vez por ano, na primavera faça uma poda drástica para incentivar a brotação de novos ramos. Corte sempre acima de uma folha e na diagonal.

Recomendações ao comprar um vaso de begônia:

1. Adquira plantas com alguns dos botões florais ainda fechas;

2.
Mantenha a planta em ambiente com temperatura entre 20°C e 30°C e com boa luminosidade (luz indireta);

3.
Regue a cada 4 dias para que a terra se mantenha sempre úmida (não use água muito fria). Não deixe a água no pratinho e não molhe flores e folhas;

4.
Adube conforme as instruções contidas na embalagem do adubo.

natureza