Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Trepadeiras e Ornamentais’

bougainville

A Bougainvillea é um arbusto escandente, pertence à família das Nyctaginaceae, nativa da América do Sul, perene, muito ramificada, de até 5 metros de altura.

Caule apresenta espinhos verdadeiros, isto é, que são vascularizados e danificam tecidos subjacentes se removidos.

Folhas pequenas levemente coberta por pelos finos, curtos e macios.

Flores pequenas, envolvidas por 3 brácteas grandes, vistosas, nas cores branca, rosa claro, coral, carmim, laranja, púrpura e amarelo. Surgem principalmente na primavera-verão e esporadicamente durante o ano.

Espécie intensamente híbrida, existindo hoje em cultivo dezenas de cultivares com formas e tamanhos bem diferentes da espécie típica. As brácteas formam-se em grandes cachos nas pontas dos ramos, simples ou dobradas em diversas cores.

Cultivada como trepadeira para revestir carramanchões, arcos, pórticos, muros de entrada, são sempre muito utilizadas no paisagismo.

Transplantação
Atente para realizar mudas quando a bougainvillea estiver nova , transplante-a anualmente em Fevereiro, mudando o adubo e vasos. De maneira que, as mais antigas precisam ser mudadas, em pelo menos, de dois em dois anos.

Ela prefere ficar à luz do sol, mas nada de exageros para que sua folhagem não adoeça.

Sua multiplicação  acontece com a  alporque, estaquia e através de sementes; pode ter de tentar com vários ramos, mas em 4 a 6 semanas esta planta cria um bom sistema radicular.

primavera

Clima: Tropical, Subtropical, Equatorial, Oceânico.

Rústica não é muito exigente quanto ao tipo de solo, embora prefira o solo fértil, fofo, com pH levemente ácido de 6,0 a 6,5 e que não retenha água em excesso.

As regas devem ser frequentes quando recém plantada, porém, quando estabelecida as regas devem ser esparsas, a planta prefere uma boa rega profunda, em vez de pequenas regas frequentes.

No entanto, não permita que o solo fique completamente seco porque uma planta estressada pela água não florescerá. Regar a planta imediatamente se parecer murcha.

Floresce em abundância quando ocorre uma queda brusca na temperatura.

Adubar no fim do inverno ou início da primavera com adubo orgânico e na primavera-verão com adubo mineral NPK 04-14-08, seguindo orientação do fabricante.

Bouganvíleas não gostam de ter suas raízes perturbadas, evite mudar a planta de lugar.

Recomenda-se podas no fim do inverno. Como a Bougainvillea floresce no novo crescimento, pode-se fazer podas mais leves depois de cada ciclo de floração.

Confunde-se com a “Bougainvillea glabra” que é uma árvore de grande porte.

primavera-1

Propagação
Multiplica-se por estacas, que devem medir 20 centímetros cortadas em diagonal numa profundidade 13-14 cm em local sombreado.

Seu crescimento e rápido atingindo facilmente 4-5 m de altura aos 2 anos.

Para que tenham um bom desempenho em vasos, precisam ter de 80 cm de diâmetros, pois elas precisam de espaços para as raízes.

janela-flor

Para deixar pergolados, muros ou cercas mais coloridos, uma das estratégias mais belas é apostar nas trepadeiras. Elas podem dar um ar mais romântico ao paisagismo e ainda ajudar a florir o ambiente, garantindo aconchego.

Como elas se apoiam em superfícies, acabam formando uma linda cortina verde, que ainda contribui para a criação de sombras, um fator importante para vivenciar o jardim

Para plantar, algumas espécies pedem direcionamento. A grande maioria das trepadeiras precisa ser conduzida com fio de náilon ou cabo de aço, para que ela vá se enrolando e subindo pela estrutura.

maracujazeiro

Maracujazeiro (Passiflora edulis)
O maracujazeiro exige bastante sol e adubação periódica para garantir floração abundante (no verão) e frutificação.

Cresce com vigor e escala cercas e pérgolas. Curiosidade: com a idade, costuma perder a beleza e requer replantio. Além da beleza da flor, a frutífera cresce com vigor e escala cercas e pérgolas

glicínia

Glicínia (Wisteria sp)
A glicínia escala arcos, portões e pérgolas, cobrindo-os. Não é indicada para estruturas frágeis e precisa ser tutorada. Floresce entre o outono e o inverno.

Cresce lentamente, mas vive bastante e pode chegar aos 100 anos. Nas regiões de clima frio, floresce com mais intensidade. Exige pleno sol, regas regulares, além de adubação e podas anuais.

Gloriosa-rothschildiana

Gloriosa (Gloriosa rothschildiana)
A gloriosa escala cercas e treliças. Tem gavinhas na ponta das folhas, que ajudam na sua fixação, e florescem na primavera e no verão.

No inverno, a planta passa por um período de repouso e perde quase todas as folhas. Precisa de sol pleno ou meia-sombra. e, curiosamente, tolera baixas temperaturas.

jade

Jade (Strongylodon macrobotrys)
A jade é uma ótima opção para cidades de praia, porque aprecia a umidade e o calor. Floresce na primavera e no verão: suas flores têm o formato de garras invertidas e um colorido de encher os olhos.

Gosta de sol pleno ou meia-sombra, além de podas para contenção e renovação da folhagem. Cresce rápido em suportes e escala pérgolas resistentes.

sete-léguas

Sete-léguas (Podranea ricasoliana)
A sete-léguas floresce durante o ano todo, com mais vigor na primavera e no verão, e tem flores perfumadas. Cresce rápido: seus ramos podem chegar a 10 m de comprimento.

Exige sol pleno e podas anuais no inverno, além de se adaptar bem às cidades praianas.

Allamanda cathartica

Alamanda (Allamanda cathartica)
A alamanda escala pérgolas e muros, mas deve ser tutorada inicialmente. Floresce o ano inteiro e cresce rápido em regiões quentes. Exige pleno sol e regas regulares. Tóxica, deve ser mantida longe de crianças e animais.

Por florir o ano todo, as alamandas fazem com que o seu jardim fique com cara de primavera durante as quatro estações.

flor-de-cera

Flor-de-cera (Hoia carnosa)
A flor-de-cera é fácil de manter, mas deixe-a longe de correntes de ar. Escala treliças e grades, desde que tutorada com fios de náilon.

Exige meia-sombra ou intensa iluminação difusa – o sol direto pode queimar as folhas. Floresce na primavera: forma buquês carregados de flores cerosas. A Flor-de-cera floresce na primavera e forma buquês carregados.

parreira

Parreira
A parreira cresce bem depressa e, depois de dois a quatro anos após o plantio, dá frutos. Após a colheita, perde as folhas e aparenta estar morta.

Exige sol pleno, em local protegido de ventos fortes, e escala pérgolas resistentes.

Jasminum polyanthum

Jasmim-dos-poetas (Jasminum polyanthum)
A jasmim-dos-poetas possui um perfume agradável e floresce no outono e no inverno. Suas flores são rosadas por fora e brancas por dentro.

Exige sol pleno – mas floresce mais em clima ameno – e regas regulares. Cresce rápido, por isso é preciso fazer podas anuais de limpeza. Escala muros, pórticos e treliças.

Thunbergia erecta

Tumbérgia (Thunbergia erecta)
A tumbérgia gosta de sol pleno e regas regulares. Adubações periódicas estimulam a floração, que acontece, em especial, na primavera e no verão.

Cresce rapidamente e cobre suportes com facilidade, além de escalar pérgolas e arcos. Requer poucos cuidados.

Bougainvillea glabra

Primavera (Bougainvillea glabra)
A primavera floresce em abundância entre os meses de setembro e dezembro. Cresce com vigor, escala pérgola e suporta bem frio, geadas e áreas de altitude elevada.

Recomenda-se pleno sol e podas de formação e de manutenção anuais, que estimulam o florescimento e renovam a folhagem.

Ipomoea cairica

Ipomeia (Ipomoea cairica)
A ipomeia escala grades, treliças, cercas ou pérgolas, chegando a cobri-las. Floresce da primavera ao outono e cresce rápido, de forma bastante rústica.

Apesar de ser delicada no primeiro ano, com o tempo se torna resistente. Exige sol pleno ou meia-sombra, regas periódicas e podas após o florescimento.

Abutilon megapotamicum.

Lanterninha-japonesa (Abutilon megapotamicum)
A lanterninha-japonesa floresce durante todo o ano, mas é intensa na primavera e no verão.

Escala cercas e treliças com condução, amparando sua ramagem.Cresce até 3 m de altura e pede sol pleno e podas anuais.

Clerodendrum thomsonae

Lágrima-de-cristo (Clerodendrum thomsonae)
A lágrima-de-cristo escala pérgolas, porque produz sombra no verão e permite a passagem de luz no inverno – as duas estações na qual floresce.

Cresce lentamente e precisa de sol pleno – é sensível a geadas.

Congea tomentosa

Congeia (Congea tomentosa)
A congeia floresce entre o final do inverno e o começo da primavera, e muda de cor com o tempo: de branca a rosa e cinza. Cresce moderadamente: para auxiliar a formação mais volumosa, faça podas regulares após o florescimento.

Seus ramos floridos são densos e cobrem toda a folhagem. Exige sol pleno, regas periódicas e não tolera geadas.

Thunbergia mysorensis

Sapatinho-de-judia (Thunbergia mysorensis)
A espécie sapatinho-de-judia exige pleno sol ou meia-sombra, mas sua floração é intensa quando fica exposta diretamente ao sol.

Suas inflorescências são pendentes, como penduricalhos, e floresce na primavera e no verão. Uma curiosidade: atrai muitos beija-flores.

chuvas_2

amor_agarradinho_branca

Uma beleza delicada que encanta quem vê e cria paisagens incríveis. Quando falamos em uma planta versátil, a amor-agarradinho ganha destaque por vários motivos. Para poder obter todos os benefícios dessa planta, porém, é essencial saber como plantar amor agarradinho.

Essa planta nativa do México fica perfeita como cobertura de muros e telhados. Além disso, suas flores alimentam insetos como abelhas e pássaros, dando vida ao seu jardim. Felizmente, o processo de como plantar amor agarradinho é bem mais simples do que se pode parecer.

Aprenda mais sobre essa planta, bem como o processo necessário para o plantio da trepadeira amor agarradinho.

amor-agarradinho

Características da planta Amor-agarradinho
As cores de suas flores podem variar entre branca ou cor de rosa. Porém, isso não diminui em nada a beleza da paisagem que você vai criar. Isso, claro, depende dos cuidados que terá com o amor agarradinho.

Geralmente, é muito usada quando se quer fazer uma cerca-viva, de preferência alta e volumosa. Essa trepadeira tem um crescimento lento e constante, mas isso depende das suas atitudes no dia a dia.

Como gosta de sol, uma dica é encontrar um local em que a planta amor agarradinho pegue muito sol.

O solo deve ser enriquecido com matéria orgânica, e essas adubações devem ser feitas regularmente. Isso contribui para que mais flores apareçam na trepadeira amor agarradinho.

Se você gostou dessa planta, veja abaixo 4 etapas para você começar o processo de como plantar amor agarradinho na sua casa. Você vai ver que ela é muito fácil e prática de ser cultivada.

Vamos começar:
* Escolha o local onde você vai plantar. Ao contrário do que muitas pessoas dizem, as trepadeiras crescem de forma controlada. Essa planta, porém, pede um lugar amplo para ser plantada. Escolha um muro ou uma árvore para isso.

* Plante no sentido onde pegue sol. A planta amor agarradinho se desenvolve melhor com luminosidade. Não se preocupe se no começo ela crescer aos poucos, pois isso é normal.

* Molhe regularmente, especialmente no verão. Caso você queira propagar mais ainda a planta amor agarradinho, enterre em um buraco superficial um dos ramos flexíveis no solo, que vai criar raiz com facilidade.

amor-agarradinho
Caso queira, apare a trepadeira de acordo com o seu gosto. Por mais que não cresça muito, tudo depende da paisagem que deseja formar. Isso quer dizer que pode ter o molde da trepadeira amor agarradinho da maneira que você quiser.

Não é preciso ter um vasto conhecimento de plantas para saber como cultivar essa trepadeira, mas é preciso ter cuidados para que ela cresça forte e linda, deixando a sua casa ainda mais viva e maravilhosa.

O segredo de uma paisagem linda está no dia a dia, por isso pense na disponibilidade que você terá para cuidar das suas plantas. As espécies e cuidados são diferentes, mas com um planejamento simples, sua casa pode parecer um sonho com as plantas certas.

Agora que você viu como plantar amor agarradinho, você poderá desfrutar do seu charme e transformar o visual da sua casa. Essa trepadeira, com sua forma e flores, dá o toque que você quiser.

barcos

árvore

alho-da-mata

As espécies trepadeiras são incontáveis, com floradas exuberantes nos mais variados tons de cores. São tantas espécies que algumas são até um tanto “injustiçadas” que é o caso do alho-da-mata. Essa trepadeira de floração espetacular é mais conhecida no exterior que aqui no Brasil.

Ela é bastante vigorosa e extremamente florífera, floresce várias vezes durante o ano, sua floração surge em grande quantidade com inflorescências compactas e arredondadas.

As flores recém desabrochadas são de coloração rosa-arroxeadas e à medida que vão ficando mais maduras vão mudando para rosa bem claro quase branco resultando em efeito visual muito interessante, semelhante aos dos manacás. A floração dura cerca de uma semana.

alho-da-mata

O alho-da-mata é encontrado em estado nativo por toda a Amazônia brasileira e de países vizinhos do norte da América do Sul onde é chamado de ajo sacha em espanhol quíchua que significa alho silvestre.

É muito difundida na Índia, África do Sul, Flórida (EUA), e em outras localidades de clima tropical.

Existem referências que essa planta é usada na culinária para substituir o alho e também para fins medicinais. Em paisagismo apresenta inúmeras utilidades: para cobrir alambrados, cercas, caramanchões e também pode ser conduzida como arbusto isso através de podas frequentes.

O alho-da-mata, também conhecido como cipó-alho, cipó-de-alho é uma trepadeira perenifólia, de pequeno porte e pertencente da família das Bignoniáceas, a mesma família dos Ipês.

Mansoa alliacea

A planta produz diversos caules desde a raíz, que se entrelaçam entre sim e no suporte, atingindo de 2 a 3 metros de comprimento.

Suas folhas são lisas, opostas, divididas em dois folíolos também opostos, de cor verde-clara e brilhantes, com venações bem marcadas.

Quando amassadas ou cortadas, as folhas da planta liberam um odor de alho. Floresce mais de uma vez ao ano, despontando inflorescências globosas, densas, formadas por flores em forma de trompete.

Em contraponto a outras trepadeiras da família das Bignoniáceas, o alho-do-mato, apesar de vigoroso e rústico, apresenta crescimento moderado, não atingindo proporções tão grandes como a sete-léguas (Podranea ricasoliana) ou a trombeta-chinesa (Campsis grandiflora).

Assim, torna-se uma espécie ideal para adornar estruturas mais leves, de menor porte, como treliças e arquinhos, e também no coroamento de cercas e muros. Apesar de seu comportamento trepador, o cipó-do-mato pode ser conduzido também como arbusto, com podas de formação periódicas. Pode ser cultivado em vasos e jardineiras.

Seu cultivo deve ser sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente.

Mansoa alliacea

Aprecia o calor e a umidade tropicais, mas é capaz de tolerar o frio subtropical, desde que não alcance menos de 0ºC (temperatura de congelamento) e fora do alcance de geadas.

As podas devem ser realizadas após a floração, e é importante atentar que se a poda for realizada durante o crescimento a floração poderá ser comprometida, já que os brotos de flores surgem nos ramos crescidos da última estação.

Apesar de tolerar meia-sombra, é importante que receba luz solar direta para que possa florescer. Plantas cultivadas em locais excessivamente sombreados, podem apresentar uma linda folhagem, mas sua floração será ausente ou rara.

Sua multiplicação é feita por sementes ou estacas semi-lenhosas postas a enraizar/germinar em substrato mantido úmido no verão.

barquinho