Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Técnicas de Propagação’

hibisco_colibri

O que é bonito deve ser multiplicado. A frase não poderia ser mais adequada para os hibiscos-colibri. Belos por Natureza, eles florescem durante todo o ano, têm diversos usos no jardim e são muito fáceis de reproduzir.

O processo adotado para tanto é a estaquia, técnica que consiste em cortar uma parte da planta – no caso específico do hibisco-colibri é usado um ramo – para criar uma nova muda. Acompanhe o passo a passo a seguir e garanta novos exemplares para seu jardim ou mudinhas para presentear.

poda1

Passo a passo
1 – Com uma tesoura de poda, corte um dos ramos secundários da planta. O corte deve ser feito bem rente ao ramo principal.

2 - Pegue o ramo cortado e divida-o em dois, deixando a parte de baixo – aquela mais grossa e que estava presa ao ramo principal – com entre 30 cm e 40 cm. Faça o corte logo acima de um nó – ponto de onde saem as folhas. A ponta do ramo pode ser descartada.

3 – Caso o ramo seja totalmente lenhoso – firme como madeira – tire todas suas folhas. Já se ele for semilenhoso – firme na parte de baixo e mais tenro na de cima –, mantenha uma ou duas folhas cortadas pela metade no topo. Isso vai garantir que o ramo continue fazendo fotossíntese.

poda2

4 – Coloque a estaca em um copo com água e mantenha-o em local sombreado, arejado e fresco. É importante trocar a água, no máximo, a cada dois dias.

5 – Passados 40 dias, novas folhas terão brotado e as raízes estarão começando a se desenvolver. É hora de transplantar a estaca para um vaso.

poda3

6 – Coloque a estaca em um recipiente de 15 cm de altura preenchido com substrato pronto e mantenha-o em local sombreado. Após dois ou três meses, a muda poderá ser transplantada para o local definitivo.

A técnica usada para multiplicar hibiscos-colibri também funciona com outras espécies. A violeteira (Duranta erecta) – arbusto muito ornamental, que encanta por suas flores e frutos – e a budleia (Buddleja davidii), famosa por suas inflorescências exuberantes, são duas delas.

lguinho

alporquia

O método da alporquia é um dos métodos mais antigos usados para a reprodução de plantas. É recomendado para a multiplicação de espécies que produzem caules e ramos rijos e lenhosos ou que sejam difíceis de enraizar por estacas de galho.

Dentre os métodos de reprodução vegetativa, a alporquia é especialmente indicada para plantas que perderam suas folhas inferiores e ficaram com sua aparência comprometida.

O processo consiste, principalmente, em incentivar uma região próxima à extremidade de um caule principal ou de um ramo lateral a produzir raízes. Assim, com a separação da extremidade enraizada, é possível obter um novo exemplar da planta.

Uma das grandes vantagens deste método é que o funcionamento vegetativo da planta não é prejudicado, de forma a preservar e até favorecer a planta-mãe. Outra vantagem da alporquia é permitir o controle do crescimento de plantas que crescem em damasia para o cultivo em interiores, como a costela-de-adão, comigo-ninguém-pode e outras.

Quando se pretende usar o método para a obtenção de novos exemplares, recomenda-se selecionar ramos laterais para a operação. Por outro lado, quando a intenção for controlar a altura, deve-se fazer o alporque na extremidade do caule principal.

alporque

Este método consiste basicamente em interromper o fluxo de seiva em um determinado ponto da planta, imediatamente abaixo do ponto de onde queremos fazer a divisão, forçando o aparecimento de novas raízes.  O período ideal para a alporquia é o início da primavera ou o final do verão.

Quando se pretende usar o método para a obtenção de novos exemplares, recomenda-se selecionar ramos laterais para a operação. Por outro lado, quando a intenção for controlar a altura, deve-se fazer o alporque na extremidade do caule principal.

1 – Com uma faca ou canivete afiado, faça dois cortes logo abaixo da última folha do tronco ou ramo escolhido. Retire a casca entre os cortes, tomando o cuidado de não danificar a parte interna do caule.
2 – Logo em seguida, pincele a parte que foi descascada com um pouco de pó de hormônio enraizador (encontrado em lojas especializadas).
3 – Prepare um pouco de esfagno, colocando-o na água e, depois, espremendo-o bem para retirar o excesso de água.
4 – Amarre um plástico ao redor do caule, logo abaixo do corte, formando uma espécie de saco.
5 – Encha o saquinho plástico com o esfagno umedecido, apertando-o bem ao redor do corte, de forma que fique totalmente coberto.
6 – Feche o saquinho, amarrando-o com um barbante ao redor do caule. Para garantir a umidade interna, vede as extremidades amarradas com fita isolante impermeável.
7 – Coloque o vaso sobre um prato com pedrinhas e água, mantendo-o num ambiente quente e úmido. Após algumas semanas, as raízes começarão a surgir através do esfagno. Retire, o plástico e corte o caule logo abaixo da bola de esfagno, usando uma tesoura de poda e fazendo um corte horizontal.
8 – Prepare um novo vaso com uma mistura de solo adubado e plante a nova muda imediatamente. Mantenha o esfagno no local, para não danificar as novas raízes. Regue em seguida.

alporquia-jabuticabeira

Plantas indicadas para reprodução por alporquia:
* Dracena-listrada(Dracaena deremensis)
* Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia)
* Ficus (Ficus pandurata, Ficus elastica e Ficus benjamina)
* Filodendro (Philodendron)
* Monstera (Monstera)
* Dracena (Cordyline terminalis)
* Cróton (Codiaeum variegatum) .

Depois disso, cobre-se tudo com um plástico que pode ser de cor preta para evitar a entrada de raios solares (as raízes são foto sensíveis), prendendo-o tanto na parte inferior quanto na superior, tendo-se o cuidado de deixar uma pequena abertura por onde irá entrar a água,

Ao invés desse plástico, pode-se usar também um pequeno vaso ou copo descartável, o qual é cortado ao meio, arrumado em volta da “bola de esfagno” e o restante do recipiente completado com terra.

Após ter decorrido algum tempo, fazemos uma inspeção na raízes agimos, tendo o cuidado de não desmanchar a bola de esfagno, sob o risco de danificar as raízes que neste momento são muito delicadas.

cachoeiraarcoiris

adenium

A rosa-do-deserto, Adenium obesum, é uma planta espessa, suculenta, e que adapta-se facilmente a diversos tipos de clima, podendo ser cultivada também dentro de casa.

Famosas pelas suas flores, as rosas do deserto produzem sementes, mas estas exigem muito cuidado e esforço para germinarem, fazendo da estaquia o melhor método de reprodução para esta planta, embora também possa ser reproduzida através de mergulhia e alporquia.

Com dedicação, em cerca de 6 semanas você terá uma nova rosa-do-deserto.

Os materiais necessários são:
* Faca afiada ou tesoura de poda;
* Vaso para plantio;
* Fungicida;
* Substratos e hormônios para crescimento (pode se desenvolver sem problemas sem ajuda de hormônios).

estacas-1

Passos a seguir:
* Você deve começar por arranjar uma tesoura de poda ou uma faca muito afiada, para não afetar as fibras da planta;

* Escolha um ramo com cerca de 12 cem de uma rosa-do-deserto madura, retire as folhas encontradas entre a base e o meio do ramo, caso ele as possua.

* Antes de cortar o ramo, prepare uma solução para estimular a enraização da estaca, assim como um recipiente.

O recipiente não precisa ser definitivo por hora, você pode utilizar um copinho plástico descartável cortado no fundo, onde você colocará a terra e a seguir, o copo descartável sobre um outro, com a solução que já explicaremos como fazer.

estaca
* Utilize substratos para mudas para ajudar a enraização da nova estaca, um bom substrato deve conter a mistura de areia de beira de rio – não para todas as plantas, mas neste caso é muito eficaz – e misture-o com água e adubo.

Se quiser utilizar hormônios, adicione-os a esta mistura. Esta mistura deve ser depositada num copo de vidro ou de plástico, desde que este tenha maior diâmetro em comparação com o de plástico.

* Feita a mistura, prepare agora o copo de plástico com terra normal. De preferência não tão seca, mas também não muito úmida. Após completá-lo com terra, faça um furo na sua parte inferior, de forma que fique toda aberta, como se o copo fosse um anel muito comprido e cheio de terra dentro.

plantando

* Agora é a hora de cortar o ramo, faça conforme indicamos na logo acima.

* Molhe o ramo na mistura, que deve estar num copo de vidro ou de plástico conforme indicamos, deposite o “anel” de plástico dentro deste copo, de forma que a mistura de dentro possa umedecer constantemente a terra, e deposite o ramo de Rosa do deserto na terra.

* Regue-a de forma que apenas umedeça a terra, mas esta rega não deve ser frequente, já que ela estará constantemente em contato com a mistura preparada.

A mistura, no entanto, deve ser trocada semanalmente e a sua quantidade não deve ser abundante.

* Quando a planta criar raízes, transplante-a para um vaso grande.

chuva-7

estacas

A propagação vegetativa pode se dar de diversas maneiras, feita através de estaquias ela é uma técnica de clonagem. É de grande utilidade para melhorar espécies florestais, ou para plantio em produções comerciais, a partir da multiplicação de árvores. Através da estaquia você pode obter indivíduos idênticos geneticamente, o que do ponto de vista biológico não é vantajoso.

Estaquia: O que é?
É a multiplicação de uma planta, ou árvore, através de uma reprodução assexuada. É bastante usada em locais onde há produção de mudas de plantas, principalmente para jardins ou reflorestamento, ornamental e frutífero.

A estaquia é feita através do plantio de um ramo ou folha da planta, a partir daí uma nova planta se desenvolve depois do enraizamento da estaquia. Então você planta um “pedaço” ou uma parte da planta que pretende fazer a cópia e replantar.

Nem todas as espécies podem ser replantadas dessa maneira, cada espécie tem métodos diferentes que devem ser mais adequados as suas necessidades de replantio.

Mas a vantagem de replantar através de estaquias, é que é mais fácil da planta pegar, ela se desenvolve mais rápido, além de você conservar as mesmas características da planta matriz.

estaquias

Como se faz a estaquia?
Em cada planta elas podem ser feitas de diversas maneiras, e é preciso saber qual o melhor método para cada espécie. Como estaquias é um meio muito rápido para fazer, você pode tentar de várias formas até que uma dê certo.

As estacas podem ser feitas com diversas partes da planta e os procedimentos são bem simples também, veja detalhadamente:

ramosnovos

Ramos novos
É o melhor método de estaquia para plantas ornamentais, por causa da clonagem.
Ele é feito da seguinte forma: Um ramo lateral é cortado, que será a estaca, de cerca de 10 cm de tamanho, os ramos mais bonitos e saudáveis são melhores para brotar geralmente.

Depois de retirar as folhas da base do ramo, para estimular o crescimento das raízes, colocamos o pequeno ramo em um substrato já preparado para o plantio, cubra com terra toda a parte de onde você retirou as folhas.

Algumas pessoas usam plantar a muda primeiro na água, para depois que o ramo enraizar ser plantado na terra. Desse jeito, dá pra ver se o ramo está se desenvolvendo ou não.

ramosemilenhoso

Ramos semi-lenhosos:
É bastante comum esse tipo de estaquia em plantas arbustivas. É feito quase da mesma forma que o de ramos novos, mas a estaca deve ser um pouco maior, com uns 15 cm. Nesse caso, o que deve mudar é que as outras folhas que você não cortou, deve cortá-las pela metade, isso diminui pela metade a perda de água da planta por transpiração. Depois de plantar no vaso é só esperar brotar.

ramolenhoso

Ramos lenhosos:
Esse é mais usado para fazer com árvores, a maioria frutíferas, roseiras e arbustos também. Para algumas espécies que perdem folhas em alguma estação, é preferível fazer estacas delas quando estiverem sem as folhas. Também é feito quase da mesma forma, mas com ramos também um pouco maiores, com 30 cm.

Como esse tipo de planta geralmente fica muito grande, você pode plantar a estaca no local fixo logo de cara, mas é aconselhável o vaso primeiro, ou sacos de mudas, dá pra manter o cuidado mais apto pro local onde você pretende plantá-la futuramente.

folha de suculenta

Folhas:
É uma metodologia usada mais para plantas ornamentais e principalmente com suculentas, esse tipo de estaquia gera plantas muito parecidas com a original, o que é muito interessante.

Depois de escolher as folhas saudáveis da planta e tirando-as da base, um terço dela deve ser enterrado no substrato já tratado. Também pode ser feito na água primeiramente, e depois passado pra terra. O processo acontece da mesma forma, as folhas enraízam e formam o começo da nova planta.

Para espécies como o Pínus, a propagação feita por estaquias é usada a décadas pelas empresas que preferem adotar o sistema de estacas enraizadas para a propagação progressiva do eucalipto.

Para o Pínus ainda é um pouco difícil o enraizamento por causa da recuperação da idade fisiológica da planta. Como a estaquia é conhecida como clonagem, é preciso utilizar as partes novas das plantas matriz para fazer as estacas, e ter êxito com o enraizamento.

muda de videira

O que é difícil no enraizamento do Pínus é a incapacidade que as cepas têm de rebrotar depois do corte, e essa espécie também não responde a outras técnicas de brotações. Por isso o material madura da copa dessas árvores é mais usado na hora de fazer a enxertia, devido ao rejuvenescimento da futura planta.

A propagação por estaquia em Pínus depende de diversos fatores que podem influenciar ou não o desenvolvimento da pequena muda, assim como o enraizamento. A idade da planta de onde será feita a estaca, a umidade do local, a turgidez da planta matriz, o estado nutricional, a lignificação, temperatura ambiente e a composição do substrato também pode influenciar.

O uso de hormônios pode induzir o enraizamento, eles agem nos propágulos que são coletados dos ramos laterais das matrizes que enraízam melhor que ramos que contenham gemas apicais.

Assim como feita em eucaliptos, a mini-estaquias também é usada para propagação de várias espécies. Este método mostra vantagens em relação à estaquia comum, economizando mão de obra pelos procedimentos de preparação e tudo o mais, que se deve ter com a idade das estacas, e a porcentagem de sucesso com o enraizamento é maior também, geram plantas de excelente qualidade e acabam saindo mais barato e gerando menos custo.

calliandra-4

Dicas para obter sucesso fazendo estacas
Depois de fazer todos os processos que devem ser feitos para fazer a estaquia, algumas coisas ainda podem ser feitas para melhorar, ajudar, e acelerar o crescimento da nova planta.

Corte as estacas em diagonal, isso acelera o enraizamento e evita o armazenamento de água na ponta superior.

Para acelerar o processo, molhe a estaca em um hormônio, não é muito usado para fazer estaquias domésticas porque é muito caro, mas para produção em larga escala funciona muito bem.

Depois de plantar a muda, deixe-a na sombra por 15 ou 30 dias e ela já poderá ser replantada em outro local.

outono