Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Técnicas de Propagação’

hydrângea
A origem das hortênsias e da Ásia, podemos dizer que  dos seguintes países, do Japão e da China.  Por esse motivo é comum ouvir chamá-las de Rosa-do-japão.

As pesquisas sobre as hortênsias revelaram que existem mais de 600 cultivares de vários modos das hortênsias.

As hortênsias possuem o ciclo de vida chamado de perene e é arbustiva podendo chegar a altura de 1,5 m. Sua florescência acontece em duas épocas do ano, nas estações da primavera e do verão.

As flores da hortênsia podem variar entre vermelho, branco, lilás, azul, branco, rosa e violeta. São plantas que preferem o frio ou climas amenos. Calor nem pensar.

Só é possível fazer mudas de hortênsias através dos galhos, estacas que devem ser retirados ainda quando estão bem, normalmente, o período é aquele de florescimento da hortênsia principal.

Outro ponto importante é fazer o corte das estacas com atenção, além de cortá-las em bisel, a medida deve ficar em torno de 1 cm de diâmetro e 20 cm de comprimento.

hortênsia1
Outros Detalhes:
*
É recomendado na hora de fazer mudas de hortênsias usar o hormônio enraizador.
* A parte que será aquela enterrada é que deverá ser mergulhada no produto.
* Não espere que surjam raízes antes de dois meses mesmo usando o hormônio enraizador.
* Plante as estacas em pequenos balaios e durante o processo de enraizamento elas devem ficar sob a sombra.
* Você pode usar para fazer a sombra que as estacas precisam: estufas, embaixo de árvores ou em ripados.
* O sol não pode bater direto na sua muda de hortênsia.
* Como fazer o solo do pequeno balaio: areia fina misturada com terra vegetal, na seguinte proporção: terra duas partes e areia uma parte igual. Deve ser bem misturada.
* Outro detalhe importante é o corte na parte inferior da estaca. Porém, ele deverá ser feito abaixo de uma gema ou de um nó. O mesmo deve repetir-se na parte de cima da estaca.
* Faça o desbaste das folhas na parte de baixo com muito cuidado, mas não retire todas elas, deixe entre 2 ou 3 pequenas que estão posicionadas na parte superior.
* O modo correto de fazer as mudas de hortênsias é no outono. Sendo que é uma planta fácil de ser cuidada não exige muito.
* A dica para deixar as hortênsias mais bonitas é colocar sempre uma boa quantidade de material orgânico. As flores serão mais bonitas.
* O solo deve ser mantido úmido.

Como fazer mudas de hortênsias com cores diferentes
*
O que faz com que uma hortênsia tenha uma cor e não outra é o pH do solo. Veja então a diferença de cada um e as cores que eles “produzem”.
* O solo ácido faz com que a hortênsia seja azul.
* O solo com sulfato de alumínio em grande quantidade faz com que a hortênsia seja azul violáceo.
* O solo alcalino faz com que a flores sejam rosas.
* Quando é muito alcalinizado o solo as flores nascem brancas.
* A dica para conseguir uma diversidade grande de cores de hortênsias é colocar carbonato de sódio no solo.

Essa planta é usada de várias formas pelos paisagistas para compor um jardim, do solo a plantada em vasos. Também é usada em grupos chegando a criar uma cerca viva ou é colocada em um lugar só seu, um pouco mais isolada.

Outro uso comum das hortênsias em jardins é para fazer maciços ou bordas e vale ressaltar que também podem ser cultivadas em vasos e enfeitarem a parte externa da casa.

Hortênsia 3
Os cuidados que as hortênsias exigem
As hortênsias exigem poucos cuidados porque são consideradas plantas rústicas. Porém, é recomendado que o solo para plantá-las tenha bastante matéria orgânica.

Se temos que falar em preferência em tido de solo, podemos afirmar que a das hortênsias é o ácido. Neste tipo de terra ela cresce mais vistosa, com flores bem mais coloridas e flores em maior quantidade.

Não descuide da rega diária das hortênsias no período seco, se ela estiver no período do aparecimento das flores, se torna mais importante ainda.

Assim como no cultivo ela precisa ficar à meia sombra, o mesmo se repete quando a planta já se desenvolveu. O contato direto com o sol não é recomendado em momento nenhum, pior ainda durante o verão.

Somente no sul durante o período mais fresco é que a hortênsia pode ficar exposta ao solo da manhã.

Outra dica é não plantá-las perto de árvores. É comum nestes casos, que elas percam um pouco da umidade para as árvores. O que é péssimo para o crescimento delas.

Outra dicas de como cultivar e reproduzir as hortênsias
*
A transposição pode ser feita em qualquer momento do ano, preferível evitar o calor em excesso.
* O buraco que irá receber a muda deve ser duas vezes maior que o tamanho da raiz da hortênsia.
* O nível do chão é o lugar certo que planta deve ficar depois de cultivada.
* Tenha o cuidado de evitar bolsões de ar apertando o solo que está em torno da planta.
* A primavera é o período ideal para adubar a hortênsia. Prefira os produtos que tenham fósforo e nitrogênio. Ou escolha aqueles que devem ser usados a cada 15 dias.
* O adubo é preferencialmente feito durante o inverno e serve para ajudar no crescimento saudável e mais rápido, mas lembre-se, sem exageros. Se perceber que as flores e folhas são poucas pode ser que você tenha errado para mais.
* A poda deve acontecer logo depois do fim da floração. Os galhos que ficarem sem flores dessa vez darão na próxima, preserve-os.
* O transplante também é melhor que seja feito durante o outono.
* E você pode usar os galhos que foram retirados da poda para fazer novas mudas.

Não esqueça que a água é essencial para que a planta cresça e fique bonita e saudável, mas é mais fácil uma espécie morre pelo excesso do líquido do que pela falta. Antes de regar confira se a terra ainda está úmida ou seca.

janel10

Daylily - Hemerocallis - clump division

Fazer mudas através do processo de divisão de touceira é simples, porém um pouco delicado. É um método muito utilizado em jardinagem para propagação vegetativa de plantas ornamentais, (orquídeas, samambaias, etc.), e também em alguns casos em plantas alimentícias, (bananeiras, gengibre, assafrão, etc.).

Essa técnica é também chamada de divisão de rizomas, ou divisão de plantas,  como o próprio nome diz, é repicar uma planta matriz em vários pedaços  para transformá-la em várias mudas, Porém requer muito cuidado para  não danificar suas gemas de brotação nem comprometer demais o seu sistema radicular.

A multiplicação por touceiras apresenta alguma vantagem, quando plantas entouceiradas que poderiam perfeitamente ser multiplicadas por sementes demandarem mais tempo para atingirem a fase adulta e florescer. Além de que, a divisão de touceiras é um método fácil e garantido, ideal para propagação de plantas domésticas.

Dividindo as touceiras:
O método é simples e poderá ser descrito da seguinte maneira:
Em primeiro lugar deve-se verificar se a planta está realmente entouceirada.

Se a planta estiver em vasos:
- Remova a planta do vaso, com todo o cuidado para não danificar as frentes de crescimento (brotos);
- Remova o excesso de substrato para facilitar a visualização do sistema radicular;
- Estude a planta para observar onde deverá ser recortada de forma que cada parte permaneça com um número de brotação não inferior a 3;
- De posse de uma tesoura de jardim ou qualquer outro instrumento cortante, separe as novas mudas, sem machucar demasiadamente os rizomas além do necessário.

Se a planta estiver plantada no chão:
- De posse de uma ferramenta apropriada, ex: enxada, remova a planta com cuidado;
- Em seguida siga as mesmas orientações acima;
Dividida as partes, plante cada muda  em seu respectivo vaso, com substrato apropriado para cada tipo de planta;
- Na maioria dos casos, a nova muda já poderá ser transplantada diretamente em seu local definitivo;
- Coloque os vasos em locais sombreados até o pegamento total da muda;
- Recomenda-se  regar as plantas regularmente, sem encharcamentos;
- Assim que a novas plantas começarem a emissão de brotos e folhas, já poderá ser colocadas em seus locais apropriados.

janel9

Hidrângeas

As hortênsias são flores de exterior muito bonitas e fáceis de cuidar, requerem pouca atenção para estarem bem bonitas e saudáveis.

São originárias da Ásia, mais especificamente da China e do Japão, razão pela qual também é conhecida como Rosa do Japão.

A melhor maneira de propagá-las é através de mudas ou estacas (galhos), obtidas a partir de ramos saudáveis da planta-mãe, geralmente a melhor época de retirar essas estacas é após o florescimento da planta.

estacas de hydrângeas

As estacas deverão ser cortadas em bisel, e preferencialmente as que apresentarem as medidas aproximadas de 20 centímetros de comprimento por 1 centímetro de diâmetro.

Para facilitar o enraizamento pode-se utilizar um hormônio enraizador.

Mergulhar as estacas no hormônio enraizador, justamente na parte que irá ser enterrada.

Mesmo assim, demorarão em torno de dois meses para que desenvolvam raízes.

As estacas deverão ser plantadas em balainhos e em seguida, levadas à sombra para enraizamento. A sombra pode ser de árvores, ripados, estufas, sombrites etc. , protegendo-as da incidência direta do sol.

O solo dos balainhos deverá ser uma mistura bem homogeneizada de terra vegetal e de areia fina, na proporção de 2 x 1, ou seja: duas partes de terra para uma parte de areia.

Obs. Ao preparar as estacas para o plantio, deverá ser observado o seguinte detalhe: cortar a parte inferior da estaca, logo abaixo de um nó ou gema, o corte da parte superior também deverá ser imediatamente acima de um nó.

Outro detalhe importante é o cuidado de se fazer o desbaste das folhas da base deixando-se somente 2 ou 3 folhas pequenas na parte superior da estaca.

A época recomendada para o plantio e o outono.

A hortênsia é uma planta bastante rústica, portanto, exige poucos cuidados.

Porém se plantada em terra de cultura, com boa dosagem de material orgânico ela se tornará mais robusta com flores mais vistosas.

Devem-se fazer regas freqüentes, para manter o solo sempre bem umedecido. Passadas 3 semanas já estarão começando a aparecer os primeiros brotinhos, lá podem ser deixadas ao sol, no exterior.

a-beautiful-day-174599_640

Semear

A propagação dos vegetais pode ser feita pela reprodução sexuada, ou seja, por sementes, ou pela multiplicação ou reprodução assexuada.

Essa é a técnica mais conhecida, muitas vezes banalizada por sua simplicidade na maioria dos casos.

A semeadura pode ser feita em pequenas caixas de madeira, em saquinhos plásticos, canteiros ou em bandejas de isopor, com uma camada de terra composta de areia, argila e adubo. As sementes grandes podem ser plantadas individualmente, enquanto que as pequenas devem ser misturadas com areia, para facilitar a semeadura. Devemos, depois, peneirar uma fina camada de terra, para cobri-las.
Podem ser semeadas ao ar livre, à meia-sombra ou sob proteção de telhados e estufas,
De um modo geral, as plantas ornamentais são semeadas em sulcos rasos, cobrindo as sementes com terra fofa ou pó de serragem.
Os diferentes métodos de semeadura das plantas ornamentais são muito semelhantes aos das hortaliças.

Devemos analisar qual é o método mais adequado para a planta em questão e qual é a estrutura disponível para realizarmos a semeadura.

Como semear?

A maneira de semear é uma etapa muito importante e deve ser feita com cautela. A semeadura fica melhor se feita com o solo pouco úmido, não muito seco, muito menos molhado. É melhor colocarmos sempre um pouco de sementes em cada espaço. Para sementes grandes, cave uma linha de acordo com a profundidade recomendada. Coloque as sementes com o espaço desejado, e cubra o local devolvendo o solo cuidadosamente.

Para sementes pequenas, um truque é separar um pouco de solo, o suficiente para cobrir as sementes. Quebre os torrões que houverem, deixando o solo retirado como um pó leve. Coloque as sementes cuidadosamente sobre o solo, na quantidade e espaço desejados. Coloque uma fina camada do solo refinado sobre as sementes.

Normalmente, nem todas as sementes germinam. Para não ficarem espaços vazios, é recomendado que sejam colocadas mais de uma semente em cada espaço, para que retiremos a que estiver pior. Essa seleção das melhores plantas, chama-se “desbaste”.

Caso seja necessária a semeadura em bandejas, siga os passos desse item. Caso a semeadura possa ser feita diretamente no solo, pule ao item seguinte do nosso artigo.

Para obter as bandejas de isopor, procurem em casas de produtos agrícolas, mas há um custo, o número de células (divisões) é normalmente só acima de cem, além de às vezes, não ser tão fácil encontrá-las à venda para uso doméstico, só para produções comerciais.

Para terminar a semeadura, a rega é essencial. Mas lembrem-se, nos primeiros dias devemos regar bem, mas com uma lâmina bem fina de água, nunca jogando jatos de água.

A bandeja deve ser colocada em um local com um pouco de luz, não em pleno sol, de preferência um local fresco, podendo ser à meia sombra. Se estiver utilizando as bandejas de isopor, não a coloque apoiada em uma superfície lisa, isso impediria o escoamento de água.

A bandeja deve ser regada regularmente, pois a terra nessas bandejas seca muito rápido. Mas não devemos encharcar demais a terra, procurando molhá-la com uma lâmina fina de água, nunca jogando jatos de água, isso deslocaria o solo e derrubaria as pequenas e frágeis plantas emergidas.

Deixe a bandeja em descanso até que as plantas atinjam uma certa altura, normalmente de uns 5 a 10 cm(essa altura é especificada na embalagem da semente). Isso normalmente leva de 10 a 20 dias, quando as plantas estão suficientemente fortes para serem plantadas na horta.

O tamanho que as plantas devem estar para serem transplantadas é especificado nas embalagens das sementes, não ultrapasse muito esse tempo, pois isso fará com que a planta fique atrofiada.

Ao final desse passo, teremos pronta a nossa muda pronta para ser plantada no canteiro definitivo.

bird2

propagação in vitro

A micropropagação consiste na produção rápida de milhares de clones de uma planta, a partir de uma única célula vegetal somática ou de um pequeno pedaço de tecido vegetal.

As técnicas a que a micropropagação recorre baseiam-se em métodos modernos de cultura de tecidos vegetais in vitro. Deste modo, a micropropagação é utilizada para multiplicar plantas jovens, produzidas pelos métodos convencionais de produção de plantas, e mesmo plantas genéticamente modificadas.

É um método de propagação vegetativa amplamente utilizado nos dias atuais na produção de mudas.

É utilizada sobretudo em plantas ornamentais, como nas orquídeas, e em árvores,  como nos pinheiros.

Essa técnica de laboratório se baseia no princípio da chamada “totipotência” celular, que é a capacidade de uma única célula vegetal se multiplicar e gerar uma nova planta, o que não é possível nos humanos, exceto com células-tronco.

Vantagens da técnica
Por meio dessa técnica, é possível a produção de mudas em larga escala, gerando plantas completamente livres de qualquer doença. Além disso, o processo gera mudas que, em geral, florescem mais rapidamente que as mudas geradas por sementes.

Desvantagens
Alto custo de implantação do sistema, além da necessidade de mão-de-obra especializada.

Como é realizada?
É uma técnica inviável para uso doméstico, sendo destinada apenas à produção comercial de mudas, ou à pesquisa. Por esse motivo, não detalharemos a técnica nesse tópico.

Basicamente, uma pequena parte do tecido de uma planta é retirada, sendo colocada em meios de cultura específico, em ambiente com iluminação artificial. As mudas produzidas são transferidas a outros recipientes, até a sua venda e plantio definitivo.

bird12

mergulhia

A mergulhia é uma técnica de reprodução assexuada de plantas (propagação vegetativa), semelhante à estaquia, sendo a alporquia um tipo particular de mergulhia.

O método consiste no enraizamento da planta a ser multiplicada, na própria planta. Isso é feito através do enterramento (mergulho) de um ramo ainda ligado à planta, sendo por isso chamado de mergulhia.

Comercialmente, algumas espécies são multiplicadas dessa forma: jabuticabeira, macieira, abieiro, camu-camueiro, entre outras.

Vantagem da técnica
Algumas plantas que não podem ser reproduzidas por estaquia, podem ser reproduzidas facilmente por mergulhia.

Desvantagem
É um método mais difícil que a estaquia, sendo recomendado somente quando a estaquia não é possível.

Como realizar a mergulhia?
Há vários tipos de mergulhia, mas de maneira geral, podemos simplificar em alguns passos:
- Escolha - Escolher um ramo que seja flexível e alcance o chão, sem quebrar. Devemos verificar qual parte do ramo que poderá ser enterrada. A parte enterrada não deve ser o ponteiro, mas sim na parte mediana do ramo. Nessa parte que será enterrada, devemos fazer um anelamento (retirada da casca) de 2 a 3 cm e/ou a retirada das folhas do local.

- Enterrio - Abaixar o ramo até o solo, e enterrar uma pequena parte do ramo (a que está anelada e/ou desfolhada), prendendo esse ramo ao solo com uma estaca de bambu, pedra, estaca de madeira, ou mesmo com um arame grosso. Recomenda-se regar constantemente, mantendo o solo úmido, sem encharcar, até que ocorra o enraizamento.

- Corte e plantioApós o enraizamento do ramo, basta cortar o ramo de uma só vez, ou gradativamente, formando assim uma nova muda. É recomendado que a planta seja plantada em um vaso ou saco de mudas antes do plantio no local definitivo.

2e3f4799

Daylily - Hemerocallis - clump division
A divisão de touceiras, ou também chamada de divisão de rizomas, é uma das técnicas mais utilizadas na jardinagem para propagação vegetativa de plantas ornamentais, sendo também utilizada em algumas plantas alimentícias.

A técnica consiste no corte dos rizomas subterrâneos, gerando novas plantas. Alguns exemplos de plantas que podem ser reproduzidas por esse meio são: estrelitzia, flor-de-leopardo, moréia, agapanto, grama-preta, várias orquídeas, bananeira, entre muitas outras plantas.

Vantagens da técnica
As plantas denominadas “entouceiradas”, geralmente não podem ser reproduzidas por estaquia, enxertia ou alporquia.

Normalmente essas plantas podem ser reproduzidas por sementes, demorando mais a atingir a fase adulta e florescer, do que as mudas geradas por divisão de touceiras.

Quase todas as plantas podem ser reproduzidas por micropropagação em laboratório, mas é algo inviável para realização doméstica, por motivos óbvios.

Além disso, a divisão de touceiras é um método fácil e mais garantido, ideal para multiplicações em pequena escala.

Limitações
Muitas vezes, cada planta gera poucas outras plantas por vez que é dividida, diferentemente da reprodução por sementes e pela micropropagação.

Para tudo dar certa, faça isso na Primavera, quando as plantas estão em desenvolvimento.

Para dividir as touceiras, escolha um vaso que esteja bem cheio, isso, além de permitir que você forme vários vasinhos novos, também é benéfico para a planta que já não estava mais no vaso antigo, e se continuasse nessa situação, logo perderia o viçi e começaria a definhar.

Este é um método é bem fácil de ser feito. O método pode ser generalizado da seguinte forma:
- Retire do vasoCertifique-se de que a planta já pode ser dividida, contando-se o número de brotação, que em geral, devem ser de no mínimo 6. Se a planta estiver no solo, devemos desenterra-la inteira ou parcialmente, com uma boa quantidade de solo, de preferência, com o auxílio de uma enxada. Se estiver em um vaso, retire a planta totalmente do vaso.

Antes de retirar a planta do vaso, você deve facilitar essa operação, aplicando uma boa rega. A água ajuda a consolidar o bolo de terra do vaso e, ao mesmo tempo, desprende as raízes grudadas nas paredes do vaso.

Mas para que esses efeitos sejam obtidos, você deve esperar algumas horas depois de ter regado. Feito isso, é só retirar a planta, virando o vaso de cabeça para baixo e batendo sua borda de encontro a uma mesa, a cada batida, vire o vaso, até que o bolo de terra saia em suas mãos.

- Divida as partes – Retire o excesso de solo, para que o rizoma e as raízes possam ser vistos melhor. Agora, avalie bem quantas novas mudas você poderá obter com a touceira. Lembre-se que de cada novo vaso deverá separar a planta que contenham 3 ou 4 folhas em um bolo de terra proporcional ao tamanho da original, para que haja melhor pegamento.

Você poderá dividir as touceiras com as próprias mãos, mas caso as raízes se embaracem, use sem receio uma tesoura, de preferência esterilizada. Assim, obtém-se novas mudas da planta.

- Plante – As mudas divididas devem ser replantadas imediatamente para que as raízes não sofram. Por isso, convém que você deixe tudo preparado, vasos, mistura de terra, regador, etc.

Procure não colocar a muda no fundo do vaso. Primeiro encha-o com a nova mistura até a altura em que o torrão possa ser adequadamente nivelado, ou seja, sua parte superior deve ficar a uns dois dedos da borda do vaso.
Terminado o replantio regue planta, sem encharcá-la.

natureza

alporquia1

A alporquia é uma técnica de multiplicação vegetativa de plantas, utilizada principalmenteem algumas plantas com as quais a estaquia não funciona facilmente.

Consiste em enraizarmos um ramo quando ele ainda está preso na planta, retirando a muda em seguida. Na realidade, é uma variação da mergulhia, uma outra técnica de propagação vegetativa de plantas.

O método funciona em algumas plantas nas quais a estaquia não é eficiente. Na alporquia, a “estaca” continua recebendo água e nutrientes da planta, não utilizando somente as suas reservas, motivo pelo qual é um método mais eficiente.

Limitação da técnica
É difícil de realizar quando comparada com a estaquia, exigindo mais conhecimento e técnica de quem a faz. Comercialmente, é um método caro e de baixo rendimento, mas ainda é muito utilizado em produções comerciais de mudas frutíferas.

Como realizar a alporquia?
Podemos separar o processo em algumas etapas:
- Inicialmente, devemos escolher um ramo de uma planta adulta. Esse ramo deve possuir de 1 a 3 cm de diâmetro. No ramo escolhido, fazendo um anelamento (retirada da casca) com a ajuda de uma lâmina afiada (faca, canivete, estilete, etc.), sendo este anel formado de 3 a 5 cm de largura.

- Cobrimos a parte anelada com um material úmido que retenha bem a água, que pode ser: esfagno, mistura de esterco e serragem úmida, entre outros possíveis. Prendemos o material com um plástico, que deve ter as suas pontas bem amarradas. Assim, ocorrerá o enraizamento do material com o passar do tempo, no local cortado.

- Podemos fazer desde o in ício, um outro anelamento, pouco abaixo do local em que vai enraizar, o que força a brotação das gemas (enraizamento) no local cortado.
Ao alcançarmos um enraizamento razoável, vamos cortando a base de pouco a pouco com o passar dos dias, até destacarmos completamente o ramo bem enraizado, obtendo-se assim uma nova muda.

- Devemos passar a muda a um substrato adequado, sem que j á seja plantada no seu local definitivo, já que a muda ainda é muito frágil. Essas mudas devem ser mantidas por um certo período em um local protegido do sol forte, molhado constantemente, sem encharcar, até que a muda se torne forte o bastante para ser plantada no seu local definitivo.

janel7

enxertia

A enxertia é um método muito curioso de propagação vegetativa de plantas, sendo muito utilizada na produção de mudas de frutíferas, para a fruticultura. A técnica consiste basicamente em juntar os tecidos de uma planta aos tecidos de outra planta, que geralmente é da mesma espécie, passando a formar uma planta com as duas partes: o enxerto (copa, base) e o porta-enxerto (cavalo, topo).

Seu uso comercial é amplo na produção de frutas (fruticultura), utilizada na produção de mudas de: laranja, limão, ponkan, manga, uva, tomate, pêssego, entre muitas outras.

É comum o plantio de laranjeiras cujas raízes são de limão cravo e a copa é de laranjeira. Essa planta produzirá frutos de acordo com a parte aérea.

O propósito da enxertia é juntar as melhores características de duas plantas em uma só.

Os principais motivos do uso da enxertia são as doenças de plantas presentes na agricultura, que inevitavelmente tem atacado os pomares em todo o mundo. Certas copas produzem bons frutos em quantidade e qualidade, mas suas raízes morrem com o ataque de certas doenças. Enxertando a copa em um cavalo (base) resistente, temos uma planta produtiva e resistente!

Seu uso em plantas ornamentais é mais restrito, apesar da enxertia ser muito usada no enxerto de cactos. Os cavalos (bases) armazenam e absorvem bastante água, acelerando o crescimento e desenvolvimento dos cactos enxertados (topo).

Vantagens
A vantagem da enxertia é a possibilidade de driblarmos características ruins das raízes ou parte aérea de uma determinada planta, permitindo a sua produção eficiente. Pode ser utilizada para minimizar ou eliminar os danos causados por doenças de plantas (fitossanidade), problemas de adaptação das raízes a condições climáticas e de solo, além de muitas outras possíveis aplicações.

A principal limitação da enxertia é a sua dificuldade de operação. É necessária uma mão-de-obra muito qualificada para tal. Seu grau de dificuldade varia de espécie para espécie. O percentual de pegamento (sobrevivência) costuma ser muito baixo em muitas espécies, como na manga e o pêssego. Anos de treinamento são necessários para fazer a enxertia, o que faz a mão-de-obra custar caro.

Como fazer uma enxertia?
Seu grau de dificuldade é tão grande, que não estaremos abordando nesse tópico, já que foge aos nossos objetivos. Fazer em casa é normalmente inviável.

Mas podemos dizer que há vários tipos de enxertia, sendo os mais comuns a encostia, a borbulhia, e a garfagem. Cada espécie se adapta melhor a um tipo específico de enxertia.

Da próxima vez que ir a uma loja de mudas de árvores frutíferas, observe a base delas. É muito provável que você encontre sinais de que a planta é enxertada.

fantasia-878

estaca de jaboticabeira
A estaquia, ou “multiplicação por estacas”, é um meio de reprodução assexuada (propagação vegetativa), muito utilizada nas produções de mudas de plantas, principalmente as ornamentais e frutíferas.

O método consiste no plantio de um ramo ou folha da planta, desenvolvendo-se uma nova planta a partir do enraizamento das mesmas.

Não são todas as plantas que podem ser reproduzidas por estaquia. Cada espécie de planta possui um método diferente mais adequado para sua multiplicação. Algumas espécies muito difíceis de multiplicar por estaquia, podem ser reproduzidas facilmente por outro método: a alporquia.

As grandes vantagens de multiplicarmos as plantas por estaquia são a facilidade de fazê-la, e a possibilidade de propagarmos as melhores plantas, conservando as características da mesma.

Como fazer estaquia?
Como já foi dito, cada planta possui um método mais adequado de propagação. Há alguns tipos diferentes de estaquia, que apresentaremos a seguir. Para fazer a estaquia, é recomendável que procuremos saber qual é o melhor método para a planta que se pretende reproduzir. Caso você não encontre essa informação, tente alguns métodos até que dê certo, já que é um processo relativamente fácil.

Em alguns casos, o uso de hormônios enraizadores (em geral auxinas), ajuda a melhorar a formação de raízes nas estacas. Mas o uso domiciliar é raro, devido ao alto custo e dificuldade de manuseio.

Várias partes da planta podem ser usadas como estacas, com procedimentos levemente diferentes que detalhamos a seguir:

A) Estacas de ramos novos (ponteiros)
É o método mais adequado para ser utilizado para grande parte das plantas ornamentais, já que as plantas geradas por esse método são em geral, mais parecidas com a planta que as originou.

Passo-a-passo:
-
Cortarmos uma ponta de ramo lateral, formando uma estaca de aproximadamente 7 a 12 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores.
- Retiramos as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas.
- Colocamos os ramos em substrato adequado (terra, areia, entre outros), enterrando a base sem folhas. Assim, novas raízes se formam na planta, originando novas mudas. Em alguns casos, colocam-se as bases da estaca em água ao invés de substrato, plantando as mudas em terra assim que enraizadas.

B) Estacas de ramos semi-lenhosos (tenras na ponta e firmes na base)
Em plantas ornamentais, esse método é muito utilizado para propagar plantas arbustivas.
- Cortamos um ramo lateral, formando uma estaca de aproximadamente 10 a 15 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores.
- Retiramos as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas. É recomendado que cortemos as folhas restantes pela metade, para diminuir as perdas de água por transpiração.
- Colocamos os ramos em substrato adequado (terra, areia, entre outros), enterrando a base sem folhas. Assim, novas raízes se formam na planta, originando novas mudas.

C) Estacas de ramos lenhosos (firmes, lignificados)
É o método mais utilizado para árvores (a maioria das frutíferas), arbustos e roseiras. Para as plantas cujas folhas caem no inverno (planta decíduas), é recomendado que as estacas sejam feitas quando a planta estiver sem folhas, perto do período de rebrota das folhas.
- Cortamos um ramo lateral firme, formando uma estaca de aproximadamente 15 a 30 cm de comprimento. Devemos escolher sempre os ramos mais vigorosos, saudáveis e sem flores.
- Caso a estaca possua folhas, retire as folhas da base das estacas, o que estimula o crescimento de raízes, principalmente nas bases das folhas retiradas. É recomendado que cortemos as folhas restantes pela metade, para diminuir as perdas de água por transpiração. No caso das roseiras, recomenda-se a utilização de ramos que já floriram, mas sem flores no momento.
- Colocamos os ramos (estacas) em substrato adequado (terra, areia, entre outros), enterrando a base sem folhas. Essas estacas podem ser plantadas também diretamente no local definitivo, apesar disso, é recomendado o seu plantio anteriormente em vasos ou sacos de mudas. Assim, novas raízes se formam na planta, originando novas mudas.

D) Estacas de folhas
É um método utilizado em plantas ornamentais principalmente em suculentas, mas são utilizadas comercialmente na produção de mudas de algumas espécies de eucalipto. As plantas geradas por este método são muito parecidas com a planta que as originou, sendo por isso um processo interessante.

Um exemplo: Reprodução da violeta-africana.
- Cortamos uma folha saudável da planta, retirando-a até a base.
- Enterramos aproximadamente um terço da folha em um substrato adequado, com a base da folha para baixo. Para o substrato, pode ser utilizada areia, terra, etc. O mesmo processo pode também, em alguns casos, ser realizado na água. Assim, as folhas enraizarão e formarão novas plantas.

Fadinha