Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Sem categoria’

planta p-meiasombra

A luz solar é um dos fatores responsáveis pelo bom desenvolvimento das plantas. É graças a ela que os vegetais realizam a fotossíntese. E cada espécie tem necessidade de um tipo de exposição para a sua sobrevivência.

Assim, quem quiser ter um jardim saudável ou uma casa cheia de plantas bem cuidadas, deve conhecer o tipo de exposição solar que cada espécie exige.

Saiba mais sobre iluminação para jardim e para plantas domésticas a seguir:

cactos


Luz i
ntensa e direta
O exemplo mais conhecido de plantas que precisam de luz solar direta e forte são os cactos – uma espécie de planta bastante famosa por se adaptar bem a climas secos, até mesmo ao do deserto.

Outras plantas que necessitam de luz direta e intensa são a Amarílis, a boca-de-leão, a escovinha e a dália, sendo consideradas flores do sol. Esses tipos de planta possuem flores e folhas macias e devem receber raios solares por, no mínimo, seis horas ao dia. Outras plantas que também precisam de sol pleno por, pelo menos, seis horas diárias são as ervas frutíferas.

flor-de-maio-vermelha

Luz média
Flor-de-maio, begônia, maria-sem-vergonha, beijos-de-frade, campainha e lírio são espécies que precisam de exposição solar média.  Esse tipo de exposição solar é conhecido como “meia sombra” e se caracteriza pela intensidade luminosa.

No entanto os raios do sol não incidem diretamente sobre a planta. As plantas de meia sombra precisam receber luz durante parte do dia – cerca de três horas – e, no restante, ficar à sombra, ou seja, sem ter o sol diretamente em suas folhas.

chifre-de-veado

Luz fraca e indireta
O antúrio, o chifre-de-veado e a fitônia são plantas que estão aptas a aproveitar o pouco de luz que recebem. Assim sendo, não há necessidade de maior exposição solar. Elas se adaptam bem aos ambientes com menor claridade. Aspargo, violeta-africana e a árvore da felicidade também são exemplos de plantas que vivem bem com esse tipo de iluminação.

Avenca _ 03

Sombra
As samambaias, renda portuguesa e avencas são algumas das opções que sobrevivem à sombra. Elas são ideias para se ter dentro de casa, pois não precisam de luz intensa ou exposição constante à luz solar. Mas é preciso entender que sombra não é a inexistência total de luz, pois, em um ambiente de escuridão, nenhuma planta irá crescer ou florescer.

Desse modo, é importante contar com um nível adequado de iluminação. As plantas que vivem bem na sombra possuem características comuns, como folhagem abundante, dura e brilhosa.

sol entre nuvens

Beaucarnea_recurvata

A planta conhecida como pata-de-elefante é um tipo de planta arbustiva, possui textura semilenhosa e com um aspecto escultural. Quando observamos a foto de uma planta dessas podemos chegar a pensar que se trata de uma palmeira.

Apesar de seu visual muito parecido com o das palmeiras a pata-de-elefante não é uma palmeira verdadeira. Pode ser considerada um tipo de arbusto ou arvoreta, quando essa planta se torna adulta pode chegar a medir em torno de 5 m.

Trata-se de um tronco ornamental que possui a base dilatada para poder fazer o armazenamento de água. Essa característica se desenvolveu nessa planta para que ela pudesse sobreviver a grandes períodos de estiagem.

Características da pata-de-elefante
Uma das características mais marcantes dessa planta é a sua folhagem que lembra uma simpática cabeleira. As folhas em si são muito bonitas e estão dispostas em tufos densos que ficam nas extremidades dos ramos da planta. Folhas com um aspecto áspero, recurvado, achatado e longo.

Para ver flores nessas plantas você deverá procurar pelos exemplares mais velhos, pois somente aqueles com características já arbóreas é que tem a capacidade de produzir flores. Essas belas flores nascem de inflorescências longas e eretas com uma grande quantidade de flores pequenas e brancas.

Também é interessante dizer que existem variedades de plantas inflorescências machos e fêmeas, são plantas dióicas.

beaucarnea-recurvata

O uso da pata-de-elefante no paisagismo
A planta é bastante famosa no segmento de paisagismo, essa planta é capaz de criar pontos de destaque no seu jardim. Exatamente por isso quem gosta de jardins mais decorativos opta por essa bela planta arbustiva.

O mais interessante é que no paisagismo a pata-de-elefante vai bem cultivada sozinha ou mesmo num grupo com outras plantas. Uma planta que fica perfeita em jardins mais esculturais com estilo desértico ou mesmo com um visual mais tropical. Devido ao fato de crescer bem lentamente essa planta pode ser cultivada envasada.

Pata-de-elefante-em-vaso

O cultivo em vaso
A pata-de-elefante pode ser cultivada em vaso, mas somente enquanto é jovem, pois como cresce bem devagar essa planta se adapta ao pequeno espaço. Porém, quando começar a transição para a vida adulta a planta precisará ser transferida do vaso para um espaço no jardim.

Enquanto está envasada essa planta pode ser usada para decorar os ambientes de casa, varandas, pátios, sacadas e outras partes da sua casa a sua escolha. Vale dizer ainda que essa planta quase não exige cuidados uma vez que é adaptada para sobreviver em situações extremas, mas que pode chegar a um valor de mercado muito bom.

Uma verdadeira planta ornamental que pode fazer toda a diferença em qualquer jardim vale a pena considerar a possibilidade de ter uma planta.

pata-de-vaca

Cultivo
A planta pata-de-elefante como toda planta tem as suas preferências na hora do cultivo que pode ajudar e muito a fazer com que ela cresça mais forte. Para começar essa é uma planta que deve ser cultivada em solo fértil e a sol pleno. Também é bastante importante que o solo seja bem drenado e irrigado num espaço de tempo bem elástico.

Isso porque é importante evitar o apodrecimento das raízes da planta, como se trata de uma planta que armazena muita água pode ser prejudicial uma rega em excesso. Se a sua planta ainda é jovem e você está pensando em cultivá-la em vasos dentro de casa é importante escolher um local em que haja a incidência direta do sol.

O ideal mesmo, tanto para cultivo em vaso como direto na terra, é que haja uma boa incidência de sol e meia sombra. Uma planta bem rústica que tolera bastante frio e bastante calor, por isso mesmo é uma planta relativamente fácil de cultivar.

A única coisa que a pata-de-elefante não suporta é o encharcamento, dessa forma na hora de regar tenha o cuidado de apenas umedecer o solo e não encharca-lo. A sua multiplicação acontece através de estaquias e com sementes das plantas fêmeas, lembrando que essa planta é dióica.

patadevaca

Como plantar
No caso de optar por plantar num vaso deve-se ter bem claro se pretende que a sua planta cresça ou se mantenha do mesmo tamanho.

Geralmente a pata-de-elefante tem a capacidade de se adaptar ao tamanho do recipiente e a fase de transição para a fase adulta pode não chegar. Assim é importante observar bem a sua planta para saber se ela está precisando de mais espaço ou não.

Escolha um vaso de um tamanho considerável para que a sua planta não sofra com um espaço muito apertado num vaso pequeno. Se for cultivar a pata-de-elefante no jardim é importante atentar para a distância dela para as demais plantas. Deixe um espaço considerável entre as plantas.

Assim será possível que elas se desenvolvam melhor e não ocorra nenhum tipo de agressão entre as raízes. Pense no futuro, ou seja, quando essa planta crescer ocupará um bom espaço e será bem diferente do que é no momento do plantio. Para que a planta se desenvolva bem você pode e deve usar bons substratos e adubos.

Dica: Para acertar na quantia e na hora da rega é importante sentir que o solo está bem seco, pois a pata-de-elefante tende sempre a sugar toda a água para as suas raízes para sobreviver a situações de estiagem. Por isso muita água fará com que as suas raízes apodreça. Tome cuidado com isso.

banconolago

regandoflores

Quem cultiva plantas há muito tempo sabe da importância e da atenção que deve ser dada a elas na hora de regá-las. E quem ainda está começando a plantar e cuidar das plantas não deve dar a missão de molhá-las como fácil, pelo contrário, é uma tarefa que exige muita atenção.

Talvez já saibam que é mais comum uma planta morrer pelo excesso de água do que pela falta dela. Com o medo de deixá-las sem água, normalmente, os principiantes acabam colocando água de mais. Porém, verdade seja dita não é nada complexo regar as plantas, basta saber como fazer e pronto. Não tem erro.

Não importa se as plantas estão no jardim ou em vasos na parte interna da casa, dos dois modos, elas devem receber os mesmos cuidados, incluindo, principalmente, a rega.

Lembrando que as espécies diferentes exigem um tipo de cuidado diferente uma das outras. Porém, o horário para que as plantas recebam água é sempre o mesmo, não importa de qual espécie ela é, molha-se na parte da manhã, bem cedinho, e depois no fim da tarde, sempre superando 15 horas.

Mas, muita atenção em relação ao tempo, que não anda muito certinho e pode ser que às 15 horas o sol ainda esteja quente demais, neste caso, regue a planta às 17 horas. E o horário de meio-dia não deve ser usado para molhar as plantas de maneira nenhuma.

quango-regar

Esse também é um detalhe importante que deve ser observado na hora de regar as plantas, as mudanças inesperadas de tempo. Verdade seja dita, não é que o tempo anda muito certinho, pelo contrário, dias quentes demais, dias frios demais, verão estendido, enfim, uma grande confusão.

Para evitar que as plantas sofram com isso, devem ficar alerta para regar de acordo com as necessidades delas.

Se esquecerem de molhar as plantas à tardinha, não faça isso à noite. Nesse período, elas não absorverão bem a água, o que fará com que as folhas fiquem por um período mais longo molhadas e isso pode acabar fazendo aparecer fungos.

regar-as-plantas

Quantidade de vezes que se deve regar as plantas
O primeiro passo antes de fazer a primeira rega das plantas é avaliar quais as condições do dia. O clima pode diferenciar para que seja necessário aumentar a quantidade de água ou diminuir a quantidade. Alguns dias estarão muito frio, em outros, muito quente. E claro, se um dia faz muito calor a planta precisa de mais água e no dia que faz frio, precisa de menos água. Por isso, não dá para não considerar o clima.

Porém, existe um modo de saber se a sua plantinha está precisando de água, sem erro. Usando os dedos ou um palito basta mexer na terra e observar se ela está seca ou úmida. No primeiro caso, é hora de regar, no segundo, não precisa, deixe para o dia seguinte.

Além de seguir as instruções anteriores, claro, não dessem se esquecer de se informar sobre o tipo de rega que é necessário para espécie de planta que foi escolhida.

rega

A quantidade de água que deverá ser usada na rega das plantas
No caso da rega, pode ter certeza, que é melhor pecar pela falta do que pelo excesso. Se a terra ficar encharcada tem grandes chances de acabar fazendo morrer as plantas, claro, que algumas espécies gostam disso. Por isso, é muito importante conhecer bem como cuidar daquelas que forem compradas. Porém, aquelas que não gostam acabam sofrendo porque a raiz se “afoga” não conseguindo ter o ar que precisa. Esse processo gera fungos e doenças na planta.

Quando for regar a planta vá colocando água lentamente e dê pequenas pausas caso perceba que a água está entrando muito devagar na terra ou quando perceber que ela já está saindo nos buracos do fundo do vaso.

A rega feita nas folhas
As folhas podem e não podem ser molhadas. Explicando melhor, depende da espécie de planta que você tem em casa, algumas podem ter as folhas molhadas enquanto as outras não podem. Principalmente, aquelas que possuem folhas muito sensíveis, como é o caso, por exemplo, das violetas. Porém, caso as folhas forem molhadas por acidente não se preocupe, não tem problema. Mas não deixe que isso se repita outras vezes.

Também dá para evitar esses “acidentes”. Ao invés de regar jogando a água diretamente na planta, a água poderá ser colocada nos pratinhos ou na base que fica embaixo dos vasos. Além de ter certeza de que as folhas ficarão sequinhas, será possível evitar várias doenças que acabam atingindo as plantas por causa de regas que não são feitas corretamente.

regarplanta-11

Mais Dicas para regar as plantas de maneira correta
Se a sua plantinha ficou sedenta e murchou não pense que agora fazendo a rega e encharcando ela estará tudo resolvido. Pelo contrário, essa água em excesso depois de um período sem o líquido provocará um estresse ainda maior no metabolismo da planta.

Na prática, esse processo acarretará a perda total da capacidade de reidratação da planta e isso fará com que ela sofra com a falência funcional das raízes e em sequência grande parte dos tecidos celulares irão morrer.

A rega não deve ser feita com um super jato de mangueira, o correto é fazer por aspersão, isto é, usando uma forma de chuveiro, com chuviscos, que caiam poucas gotas pouco a pouco. A planta quando recebe água dessa forma tem menos chances de ter as suas folhas lesionadas, principalmente, aquelas mais frágeis.

Além disso, com a água controlada não acontecerá de se formarem buracos na parte de cima do substrato.

Lembre-se sempre que a rega não deverá ser feita de maneira nenhuma em um único ponto. A água deve ser distribuída em toda a área do substrato. Atenção dobrada, como foi dito anteriormente, se a planta não puder receber água nas folhas.

Se quiser usar mesmo a mangueira, faça isso com bico aspersor, outras opções são o pulverizador manual, o regador de bico fino ou o regador com crivo.

borrifando Relembrando:
Regra nº 1:
Mantenha uniformemente úmido.
A maioria das plantas depende muito de umidade. No entanto, secar ligeiramente antes da irrigação promove o crescimento das raízes das plantas.

Regra nº 2: Irrigue poucas vezes, mas com abundância.
No canteiro de flores, uma ou duas sessões de rega por semana são suficientes: melhor irrigar menos vezes, mas com abundância de água, em vez de um pouco de água com frequência.

Regra nº. 3: Irrigue no final da tarde ou no início da manhã.
Quando você molha o solo frio no final da tarde ou à noite, há menos evaporação de água do que quando o solo está quente durante o dia. E as plantas podem abastecer-se de água o suficiente antes do calor do dia seguinte.

Regra nº. 4: Mantenha as folhas secas.
Folhas molhadas tornam-se folhas doentes. Se passarem a noite molhadas, as folhas podem ser vítimas de doenças. Se forem molhadas sob o sol quente, podem desenvolver ligeiras marcas de queimadura (efeito de vidro queimado das gotículas de água).

Regra nº. 5: Proporcione a quantidade certa de água.
Quantidade certa de água significa molhar suficientemente as raízes. Quantidades muito pequenas de água geralmente cobrem apenas alguns centímetros da superfície do solo – ou nem sequer chegam até lá, quando, por exemplo, existe uma cobertura de folhas sobre o solo e a irrigação é muito pouca.

Regra nº. 6: Proporcione maiores quantidades de água, por partes.
A água precisa de alguns instantes para infiltrar-se no solo. Portanto, ao invés da preciosa água escoada no leito do vazo sem uso, é melhor irrigar repetidamente e por partes.

Regra nº. 7: Irrigue um alvo, mas de maneira distribuída.
Irrigar sempre apenas um ponto da raiz, conduz o crescimento das raízes para somente um lado e, consequentemente, gera uma absorção de nutrientes mais pobre pelo solo. Portanto, sempre regue ao redor da planta e distribua a água para toda a área.

Regra nº. 8: Irrigue com economia de água.
Água tanto quanto necessária e tão pouca quanto possível. Isto se torna mais simples com um sistema de irrigação automatizado com um sensor de umidade – no canteiro, na varanda e no gramado.

Regra nº. 9: Evite o encharcamento.
O encharcamento suprime o ar da respiração das raízes para fora do solo – as células das raízes se afogam sem oxigênio.

Regra nº. 10: Mantenha a qualidade com o solo rico em argila.
Uma terra de plantio rica em minerais de argila tem uma melhor propriedade de expansão e pode, portanto, manter melhor a água no solo e de uma maneira mais uniforme. Em verões e invernos úmidos, garanta a drenagem da água para evitar encharcamentos.

chuva-5

ervas

Você não precisa ter um grande jardim de ervas para produzir uma variedade de sabores interessantes de suas plantas. Um vaso de ervas simples pode fornecer muitas plantas interessantes para incrementar a sua cozinha e criar um espaço verde à mão para um pequeno jardim, cozinha ou pátio.

Para fazer o vaso de ervas será necessário os seguintes materiais:
* argila expandida
* jardineira ou vasos com buracos no fundo
* manta
* substrato
* luvas
* pá
* terra
* as mudas

Em primeiro lugar escolha suas ervas, ao fazer um vaso de ervas, é essencial ter uma boa variedade de ervas e plantas companheiras que ajudarão em suas atividades culinárias.

temperos

Vamos agora ao passo a passo de como montar o vaso de ervas.
Primeira etapa:
Pegue o vaso (jardineira) e coloque no fundo a argila expandida. Uma cama bem fina e bem espalhada em toda dimensão do recipiente.

Segunda etapa:
Agora, pegue a manta (bidim) e cubra toda a argila. Não deixe nenhuma parte de fora.

Terceira etapa:
Agora é hora de encher com a terra, que tem que ser bem fofinha e enriquecida. Coloque terra suficiente até a borda.

Quarta etapa:
É hora de colocar uma erva de cada vez na jardineira, vá colocando e montando como você achar mais bonita esteticamente.

Passo-a-passo vaso

Veja uma segunda idéia de como montar um vaso de ervas
Vamos agora saber de uma segunda maneira de montar um vaso de ervas. Você mesma poderá fazer o seu próprio vaso, seguindo cada uma das etapas abaixo.

O primeiro é separar sete mudas bem saudáveis para montar a sua jardineira, o ideal é que elas sejam do mesmo tamanho.
1 – Comece pegando um vaso de barro, o material ideal para fazer o vaso de ervas, de preferência, ele deverá ser revestido de plástico na parte interna e terá que ter um furo no fundo. Esse furo é de extrema importância para fazer a drenagem da água.

2 – Para não entupir o furo ele deverá ser coberto com um caco de telha.

3 – O próximo passo é colocar uma camada de argila expandida ou pedriscos, essa parte deve ser de pelo menos 3 cm.

4 – Para completar, coloque por cima dos pedriscos, uma fina camada de areia de construção. Elas devem cobrir completamente as pedras.

5 – Chegou a hora de colocar terra, sobre a areia, que deverá ser muito fértil e bem porosa. A boa terra é aquela que é orgânica ou que pelo menos tenha muito húmus de minhoca. Para que não haja compactação da terra é necessário colocar um pouco de areia nessa mistura.

6 – Agora sim, pode colocar as mudas de ervas, lembre-se que elas devem ser plantadas deixando da borda do vaso pelo menos um dedo.

7 – Alguns detalhes devem ser observados na hora do plantio, como a posição das plantas na hora de colocá-las no vaso. Coloque as plantas mais altas no centro do vaso e, as menores perto da borda. Isso vai ajudar a garantir um melhor crescimento. Esse arranjo pode parecer confuso no início, mas não se preocupe, ele começará a ficar cheio e exuberante dentro de algumas semanas.

8 – O modo correto de colocar a terra é até a altura da raiz sem que o caule fique todo coberto. Na hora de molhar as ervas faça isso com bastante cuidado. Se fizer tudo certinho, em 1 ano meio e 2 anos você terá o seu vaso de ervas bonito e saudável. Depois não precisa replantar tudo, pode ir somente substituindo algumas mudas.

9 – Fertilize. Encontre um fertilizante de liberação controlada. Coloque 3-5 destes no solo, dependendo do tamanho do vaso. Basta empurrar o fertilizante de liberação controlada no fundo com o dedo e, em seguida, cobrir com terra. Estes fertilizantes de liberação lenta devem durar uma temporada inteira, o que significa que você não precisa fertilizar o vaso novamente.

10 – Molhe cuidadosamente, até que a água comece a escorrer para fora do fundo do vaso. O composto tem de absorver uma grande quantidade de água na primeira rega, então planeje aplicar quatro litros ou mais. Continue a molhar durante os próximos meses, pelo menos, todos os dias, ou quando o solo parecer seco. As ervas podem secar entre as regas e algumas, como o alecrim, podem facilmente ficar encharcadas.

hortinhaemvaso

Dicas:
Regar adequadamente envolve deixar escoar a água mais profundamente, mas também ajudar a promover o crescimento da raiz mais profunda, em vez de apenas pulverizar a água, o que só podem alimentar as raízes perto da superfície do solo, de modo que as raízes menores estariam em apuros.
* As ervas preferem solos bem drenados. Deixe o solo secar em cima entre a água e não deixe o vaso de pé em uma bandeja de água.
* Vasos de ervas são presentes fantásticos para as pessoas que gostam de cozinhar, jardinagem e cuidar de plantas. Adicione um grande arco no meio do pote e presenteie seu destinatário com um cartão.

jardineiradeervas

* Muitas vezes, se as plantas parecem murchas, é hora de regá-las. As plantas são mais fáceis de crescer, apenas as mantendo devidamente regadas. Em clima quente, quando as temperaturas chegam a mais de 27ºC, algumas plantas (especialmente no exterior) precisam ser regadas todos os dias (por exemplo, em solos arenosos ou bem drenados).
* Por outro lado, o excesso de rega pode fazer as folhas caírem e até mesmo matar algumas folhas nos ramos superiores – especialmente em vasos, com drenagem eficiente ou com produtos de retenção de água. Isso é porque muita água pode superalimentar o topo ou aumentar os fungos em torno da base e apodrecer a raiz. Uma quantidade menor de regas pode fazer as folhas amarelarem e morrerem em ramos inferiores.
* Manjericão é uma erva anual na maioria dos climas e voltará a crescer se mantido longe de geadas. Durante o seu período de crescimento, corte os botões de flor para incentivar o crescimento das folhas e dar à planta uma forma de arbusto.

ervas
* Se você tem uma grande área de peitoril na janela de sua cozinha, que recebe muito sol, isso pode ser um ótimo lugar para manter um vaso de ervas, uma vez que está sempre ao seu alcance, enquanto você está cozinhando.
* Ervas também podem ser plantadas ao ar livre se o clima estiver quente o suficiente, tanto no solo como em vasos próprios. Você pode obter safras maiores, desta forma, e plantar plantas maiores, como alecrim e lavanda.
* Se você gosta de jardins perfumados, faça uma versão apenas com ervas altamente aromáticas, como manjericão e ervas aromáticas cítricas.

chuva-5