Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Reino Vegetal’

briófitasMusgo: uma das espécies de briófitas mais conhecidas, são plantas  não vasculares (sem vasos condutores)

Por regra geral, as plantas briófitas ou não vasculares são plantas pequenas que podemos encontrar em ambientes e ecossistemas muito variados. E é que podemos encontrar plantas desse tipo em selvas, desertos, ao nível do mar, em costas altíssimas, a sua vida estará sempre intimamente relacionado com a água no estado líquido.

As briófitas são plantas sem flores e com uma reprodução por esporas. Nos seus órgãos femininos está contida a célula feminina. Paralelamente se desenvolve o órgão masculino (anterídio).

A sua característica principal é que são plantas sem vasos condutores, nem frutos nem flores. Estamos diante os primeiros vegetais que o Paleozóico assegurou o passo da vida terrestre, devido à versatilidade geográfica deste tipo de plantas.

Encontramos cerca de 20.000 espécies. Dentro delas encontramos os musgos, os antóceros e as hepáticas.

Os musgos são plantas não vasculares que crescem em grande variedade de condições. Apesar de estarem sempre em solos úmidos. Com cerca de 13.000 espécies em todo o planeta, os musgos são o grupo mais numeroso e diverso de plantas briófitas.
São plantas simples, sem vasos condutores, nem flores nem frutos. Ao inibir a erosão do solo e promover a retenção da umidade do mesmo, podemos encontrar musgo entre os primeiros organismos que colonizam as rochas. Ao crescer sobre as rochas, modificam a sua superfície formando um substrato onde se podem agarrar outros tipos de plantas.

Os antóceros são um grupo de plantas essenciais para a evolução das plantas. O gametófito é de estrutura simples e os seus traços são primitivos. Conhecem-se aproximadamente 100 espécies de antóceros em todo o planeta.

As hepáticas são plantas não vasculares que se encontram em locais úmidos. Mostram um caule revestido de rizóides que lhes serve para fixar e absorver alimento. Apesar de não apresentar vasos condutores, mas sim células muito especializadas. Há plantas hepáticas talosas.

janel30

feto dos bosques

As plantas sem flor, como por exemplo, os musgos e os fetos, não produzem sementes e apresentam um processo reprodutor diferente do das plantas com flor.

Todas as plantas sem flor, vivem em locais úmidos e sombrios.
Em determinada época do ano, estas plantas produzem, em estruturas próprias, umas células especializadas para a reprodução – os esporos. Quando essas células estão maduras e devidamente formadas espalham-se pelo vento e só dão origem a uma nova planta quando encontram condições para isso.

musgo

O Musgo não possui verdadeiros tecidos tal como as restantes plantas. Este possui uma estrutura parecida com as raízes, os rizóides, outra parecida com o caule o caulóide e outra estrutura parecida com as folhas os filóides. Como é uma planta extremamente pequena, não necessita da presença de vasos condutores que conduzem água, sais minerais e nutrientes até todas as partes da planta. Estes são transportados de célula a célula por todo o vegetal.

É por isso que não existem briófitas muito grandes. O transporte de água de célula a célula é muito lento e as células mais distantes morreriam desidratadas (sem água). Na época reprodutiva a planta forma um filamento com uma cápsula na extremidade que contem esporos. Quando estão maduros, a cápsula abre-se e estes espalham-se com o vento.

avenca

Os Fetos e as Avencas são plantas bastante maiores que os musgos e desta forma possuem vasos condutores. Têm verdadeiros tecidos como raízes, caule (neste caso subterrâneo e rizoma) e folhas com pecíolo bastante alongado e limbo muito recortado. Na página inferior das folhas existem pequenas cápsulas (os soros) que na altura da reprodução se enchem de esporos e posteriormente são levados pelo vento.

cach67

flor-fecundada

Quando o grão de pólen cai sobre o estigma (entrada do aparelho genital feminino), cresce-lhe uma espécie de tubo que ao unir-se com o óvulo dará lugar a uma nova célula chamada de zigoto. O novo zigoto será a origem da nova planta. De pouco a pouco se irá dividindo e crescendo. Para alimentar-se, este se rodeia de substâncias nutritivas que lhe serve de alimento conforme vai crescendo. Vai formando um tecido mais resistente, como protecção. A tudo isto é o que chamamos de semente.

A fecundação não se efectua, salvo em condições muito específicas. Primeiramente, como a probabilidade da fecundação do pólen diminui em função da distância, as duas plantas devem estar suficientemente perto uma da outra.
As plantas devem ser da mesma espécie ou de espécies semelhantes. O pólen da planta emissora não fecundará a planta receptora, se ambas as plantas não estão em flor nesse momento.

No caso de uma transferência de um carácter por fecundação cruzada de outras plantas, a importância da propagação será marginal, se a característica não proporciona vantagem seletiva decisiva à planta que a adquiriu.

janelas07

Salvia

As plantas, tal como os restantes seres vivos, necessitam de obtermateriais paracrescer e de energia para realizarem assuas funções vitais.
Elas retiram do ambiente água, minerais e dióxido de carbono para fabricarem o próprio alimento e libertam oxigênio para a atmosfera.Tudo isto na presença de luz solar.
Os minerais que estão dissolvidos na água, são absorvidos pela planta através da zona pilosa da raiz.

Uma vez dentro da planta passamos a denominar essa mistura de seiva bruta.

Seiva Bruta
É o conjunto da água e sais minerais (nela dissolvidos) que a planta absorve pela zona pilosa da raiz.Circula em vasos condutores em sentido ascendente pela parte mais interna do caule.
A seiva bruta sobe desde a raiz até às folha devido, principalmente, à transpiração.
A transpiração é feita pelas folhas da plantae aspira a água pelos vasos condutores fazendo-a entrar pela zona pilosa.

As folhas têm umas estruturas minúsculas que se chamam estomas que permitem as trocas gasosas com o meio.
As plantas possuem um pigmento verde que é responsável pela sua core pela absorção da energia luminosa que se chama clorofila (encontra-senos cloroplastos).

Seiva Elaborada
É um líquido xaroposo, constituído por substâncias orgânicas, como o amido, produzidas pelas plantas e que constituem o seu alimento.
Circula em sentido ascendente e descendente, pela parte mais externa do caule.

Fotossíntese
Processo que as plantas realizam que lhes permite fabricar matérias que lhes servem de alimento,como o amido, a partir da absorção de água e sais minerais e na presença de    dióxido de carbono e luz solar.
Através da clorofila, as plantas captam energia da luz solar que é usada, juntamente com o dióxido para transformara seiva bruta (matéria inorgânica) em seiva elaborada (matéria orgânica) e oxigênio (que é libertado).

Muitas vezes os alimentos produzidos pelas plantas, durante a fotossíntese, não são utilizados na totalidade.
Muitas plantas armazenam substâncias de reserva (geralmente amido) em órgãos de reserva, como a raiz, caule, folhas, flores, frutos e sementes.

As substâncias de reserva servem para que a planta consiga sobreviver a períodos de escassez e no caso das sementes para o desenvolvimento de novas plantas uma vez que ainda não conseguem realizar a fotossíntese.

Troca gasosa
As plantas realizam trocas gasosas com o meio na fotossíntese, respiração e transpiração.
Na fotossíntese libertam para o meio ambiente o oxigênio, consumindo o dióxido de carbono.
Na respiração libertam dióxido de carbono, consumindo oxigênio. Estas trocas gasosas fazem-se principalmente nas folhas,através dos estomas.

Transpiração na planta
A seiva bruta sobe da raiz até às folhas devido à perda de água que ocorre continuamente nas folhas.
Na transpiração as plantas perdem água sob a forma de vapor. Esta perda dá-se principalmente através das folhas.

9vk8089w