Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Reino Vegetal’

Eufrásia -(Euphrasia officinalis)Eufrásia -(Euphrasia officinalis)

RafflesiaRaflésia

Ao contrário das epífitas, que apenas buscam a luz solar, as plantas verdadeiramente parasitas vivem à custa de outras. Há muitos graus e tipos de parasitismo, desde o da eufrásia, arbusto europeu usado em medicina, até o da gigantesca Rafflesia e o da mortífera cuscuta, que dependem de maneira total de seus hospedeiros. Algumas das plantas hemiparasitas jamais seriam suspeitadas de parasitismo, pois sua ação predatória se realiza inteiramente no interior do solo, onde suas raízes se ligam às das plantas vizinhas, delas retirando certa quantidade desconhecida de nutrientes, presumivelmente reduzida.

erva-de-passarinhoErva-de-passarinho – (Struthantus flexicaulis)

A erva-de-passarinho, é por outro lado, verdadeira parasita, apesar de à primeira vista parecer que vive do mesmo modo que as epífitas. Suas várias espécies crescem nas regiões temperadas e tropicais, germinando e vivendo nos galhos de árvores e arbustos. No entanto, não possui raíz propriamente dita, mas penetra no sistema vascular dos hospedeiros através de formações que a ela se assemelha, assim recolhendo água, que não poderia obter de outra maneira. As espécies das zonas temperadas causam pouco ou nenhum dano aos hospedeiros. Mas nos trópicos a situação é diferente. Neles a água retirada pela parasita é tanta que chega às vezes a causar a morte do hospedeiro. Certa árvore tropical possui um meio específico de defesa contra a ação predatória da erva-de-passarinho. Trata-se de uma espécie espinhosa da paineira.

Em sua variedade de galhos lisos, a paineira é sujeita a ataques sobremodo severos do visco. Os acúleos não causam embaraço, ao parasito, mas afastam os pássaros que lhe transportam as sementes. Estes apreciam os frutos da erva-de-passarinho, cujas sementes atravessam intactas seu aparelho digestivo, sendo depositadas nas árvores, com suas excreções. A maior parte das ervas-de-passarinho possui uma semente única, revestida de certa substância pegajosa, o que lhe permite aderir a qualquer galho de árvore. Mas ao ser excretadas pelos pássaros, prendem-se às suas penas. Estes se livram dessas sementes esfregando-se de encontro às árvores, não o fazendo no caso da paineira espinhosa, cujos acúleos os levam a desistir de assim proceder. Certos fanerógamos são parasitas totais, não possuindo clorofila nem verdadeiras raízes. Alguns deles, como a cuscuta ou cipó-chumbo, têm hastes longas, pequenas e enrodilhadas, que circundam os hospedeiros e lhes penetram nos caules.
As hastes da cuscuta formam densas camadas ao redor das plantas que ataca,muitas vezes acabando por fazê-las definhar por completo.

cuscutaCuscuta racemosa

Fel_da_terra - (Erythraea centaurium) )Fel-da-terra – ((Erythraea centaurium))

Em vivo contraste com a cuscuta, existe o fel-da-terra, que parasita o trevo, a alfafa e outras espécies cultivadas. Quando suas minúsculas sementes caem perto das raízes de um hospedeiro, germinam e a elas se agarram, abastecendo-se livremente dos nutrientes e da água laboriosamente por elas reunidas. O fel-da-terra cresce com rapidez, ostentando hastes grossas, que se erguem do solo à maneira de espessas inflorescências, de 7 a 20 cm de altura. Não tem necessidade de poupar alimentos: estes se acham profusamente à sua disposição. E à medida que o fel-da-terra prospera, o trevo, por exemplo, seu hospedeiro, vive à míngua. Uma forte devastação produzida por essa planta nas culturas de trevo ou de alfafa constitui sério problema para os agricultores, pois resulta em safras drasticamente reduzidas.

Embora seja uma parasita, o visco, semelhante à erva-de-passarinho, contém clorofila e realiza a fotossíntese em escala reduzida. Essa planta se auto-abastece pelo menos de uma parte de suas necessidades alimentares. No entanto, depende inteiramente da árvore que lhe serve de hospedeiro, em matéria de água e de sais minerais. Para obter tais elementos, o visco possui formações semelhantes a raízes, que crescem ao longo de seu caule onde este entra em contato com a árvore. São conhecidas pela denominação de haustórios, palavra derivada do verbo latino haurire, que significa beber.

marelua

jibóia (Scindapsus aureus) 2
Em botânica, as folhas são órgãos das plantas especializados na captação de luz e trocas gasosas com a atmosfera para realizar a fotossíntese e respiração. Salvo raras exceções, associadas à plantas de climas áridos, as folhas tendem a maximizar superfície em relação ao volume, de modo a aumentar tanto a área da planta exposta à luz, quanto a área da planta onde as trocas gasosas são possíveis por estar exposta à atmosfera.

Pode não parecer, mas as folhas trabalham e muito. Elas são responsáveis pela respiração e transpiração dos vegetais e produzem o alimento para toda a planta (para isso, usam a água e os nutrientes absorvidos pelas raízes, a luz do Sol e o gás carbônico que elas retiram da atmosfera).
Para dar conta de todas essas tarefas, as folhas são bem equipadas.

A maioria das folhas é verde porque elas possuem muita clorofila. Mas existem outros pigmentos que também ajudam na fotossíntese ou dão proteção contra o Sol. Por isso algumas folhas são vermelhas, roxas, azuladas ou de várias cores.
Em regiões úmidas ou frias, há vegetais com folhas de pontas longas e finas, que não deixam a chuva ou a neve se acumular sobre elas. Já em regiões quentes, é comum vermos folhas grandes, que transpiram mais para ajudar a planta a se resfriar.

Disfarce inteligente
O copo-de-leite tem algumas folhas brancas, que imitam pétalas para atrair insetos e pássaros que polinizam a planta. A flor mesmo é só a parte amarela e alongada

Os trevos crescem em várias regiões e quase sempre têm três folhas. Os de quatro folhas são raros e ganharam fama de trazer sorte. Na verdade, essa folha é uma só, dividida em três ou quatro partes.
As plantas que crescem na sombra quase sempre têm folhas escuras, pois possuem bastante clorofila. Já as que vivem em lugares ensolarados costumam ser verde-claras, com menos clorofila. Além disso, as folhas novinhas são mais claras. Aos poucos, a produção de clorofila aumenta e elas escurecem. E, quando a folha morre, fica sem clorofila e amarelada.

Folhas podem ser armas de defesa. Os espinhos dos cactos, por exemplo, são folhas que se modificaram ao longo do tempo. Assim evitam que a planta transpire e também que ela seja comida por animais.

As plantas carnívoras não têm garras ou dentes. Elas contam com as suas folhas para capturar comida. Algumas folhas são grudentas, outras têm o formato de um tubo e prendem insetos que entram nelas. E há ainda as que têm formato de conchas e se fecham quando um inseto se aproxima.

Saibam que:
- As folhas das dormideiras murcham ao serem tocadas para proteger a região da planta que dá origem a novas folhas.

- Algumas folhas possuem glândulas especiais que produzem substâncias com cheiro forte para atrair polinizadores. É o caso do eucalipto, da laranjeira e da pitangueira, por exemplo.

- Existem folhas com pelos. Eles refletem os raios solares e protegem áreas mais sensíveis da planta.

- Para evitar perda de água em excesso, alguns vegetais têm folhas com uma cobertura de cera que parece brilhar.

ursinho

As Epífitas

As epífitas constituem o segundo grupo de plantas que vivem sobre as árvores, embora não sejam trepadeiras. Germinam no alto dessas árvores e aí crescem, mas apenas para obter um lugar ao sol. Não se trata de parasitismo. A maioria das epífitas é encontrada nas regiões tropicais úmidas, e o aspecto compacto das florestas tropicais se deve principalmente aos musgos, fetos, orquídeas e outras epífitas, que medram nos troncos e galhos das árvores.

Embora possa parecer bastante fácil para uma pequena planta tropical escapar das profundas sombras do âmago das florestas, utilizando-se de um galho de árvore sobre o qual possa crescer, são imensos os problemas que se deparam às epífitas. Poucas criam raízes suficientemente longas que lhes permitam alcançar o solo. Todas as demais têm de viver à custa da água e dos elementos nutritivos que consigam encontrar no alto das árvores. Em alguns casos, os pássaros distribuem as sementes dessas plantas, devorando os frutos que elas produzem e depositando-lhes as sementes, não digeridas, nos galhos das árvores. No entanto, numerosas epífitas possuem esporos muito leves, como é o caso dos musgos e dos fetos, ou sementes de reduzido peso, como acontece com as orquídeas e as bromeliáceas. As sementes são distribuídas pelo vento. Um único receptáculo de sementes de uma orquídea chega a conter até 3 milhões de sementes, o que proporciona, pelo menos a algumas, a oportunidade de se localizarem num galho.

Após a germinação, as epífitas enfrentam outros problemas, como o de se fixar e obter alimento. Portanto, não é de surpreender que realizem inúmeras adaptações a esse estilo de vida especial e precário. Muitas são plantas suculentas, que possuem reservatórios internos de água, sob a forma de órgãos capazes de armazená-la; tecidos como os dos caules intumescidos; e pseudobulbos, no caso das orquídeas; as folhas grossas, como as da Peperomia. Outras têm reservatórios externos de água, a exemplo das bromeliáceas, aparentadas com o abacaxi, que apresentam folhas de bases dilatadas, verdadeiras taças capazes de recolher certa quantidade da água das chuvas. Esses reservatórios das bromeliáceas são de tal forma eficientes que outros animais e plantas se tornaram deles dependentes.

Dischidia rafflesiana 1
A adaptação mais característica de todas talvez seja a da Dischidia rafflesiana, epífita que possui longas hastes enroscadas, precariamente ligadas aos ramos das árvores por um reduzido sistema radicular. Ao lado de folhas comuns, apresenta grandes folhas em forma de urnas, com as quais obtém água e nutrientes. Cada urna tem uma abertura pela qual se liga ao caule e por esse orifício a planta emite uma raiz que se ramifica no interior. Algumas das urnas, em forma de pé-de-meia, ficam pendentes e recolhem a água da chuva; outras, voltadas para cima, permanecem secas e servem de abrigo às formigas, que nelas vivem. Os detritos desses formigueiros constituem fonte ideal de alimentos, e a planta obtém nutrição e água graças a esses depósitos que ela mesma produz.

Asplenium nidus,
Outras epífitas coletam o humo nos lugares elevados em que se situam. Uma delas é o feto Asplenium nidus, que apresenta rosetas de folhas muito grandes, em forma de cestos. Quando caem as folhas menores, dos ramos mais altos, são coletadas por esses cestos. Com o tempo, forma-se neles tão grande quantidade de humo que até mesmo certos vermes aí vivem. Em Java, não é raro encontrar minhocas de 60 cm de comprimento nesse humo.

Platycerium-superbum
Uma variedade mais complexa de receptáculo de humo é o que produzem os fetos australianos do gênero Platycerium. Vivem como epífitas, presos aos troncos e a grandes galhos verticais, e apresentam dois tipos de folhas: umas, largas e direitas, com suas bases apoiadas a troncos ou galhos e seus largos bordos projetados para fora; outras, mais estreitas, verdes por causa da presença da clorofila, projetam-se do ramo que lhes serve de hospedeiro. As folhas largas morrem ao cabo de algum tempo, permanecendo como cestas para a coleta de humo; as folhas verdes e estreitas, realizam a fotossíntese e produzem esporos destinados à reprodução.

barba-de-velho ( Tillandsia usneoides)
Uma das Epífitas mais bem sucedidas é o chamado musgo-espanhol nos Estados Unidos e barba-de-velho no Brasil. Aquela denominação é inteiramente imprópria, porque não é espanhol nem musgo. Na realidade, trata-se de uma bromeliácea que debrua as árvores das regiões tropicais e semi-tropicais das Américas. Não possui qualquer das adaptações que acabamos de descrever, ‘das epífitas que logram desenvolver-se bem. Não dispõe de tecidos capazes de armazenar água, nem coleta humo, como também é desprovida de raízes. Mais se parece a um emaranhado tapete cinzento a se decompor nos ramos do hospedeiro. No entanto, a barba-de-velho (Tillandsia usneoides) cobre mais árvores que qualquer outra epífita. Obtém água da chuva. Seus caules e folhas são recobertos de pêlos que se assemelham a escudos, fortemente comprimidos de encontro àqueles, e absorvem por capilaridade qualquer umidade que encontrem. A água é aspirada através das células protegidas de pêlos. Disso resulta um perfeito mecanismo de válvulas: a água penetra no interior das células, e quase nenhuma se evapora.

Esse mecanismo oferece ainda outra vantagem. Quando começa a chover, as primeiras águas que escorrem para dentro da planta, provenientes dos galhos situados acima dela, são ricas em minerais das células mortas do hospedeiro. Desse modo, a barba-de-velho se abastece amplamente de nutrientes, sob forma concentrada. Além disso, quando a água da chuva já tiver lavado os minerais, e escorrer pura, ela estará saturada, não a absorvendo mais. Isso explica porque ela é mais abundante nas velhas árvores, que lhe servem de hospedeiras, porque têm grande proporção de células e ramos mortos ou prestes a morrer. A barba-de-velho não mata os ramos onde cresce, conforme se supõe. Ao contrário, só prolífera quando seu hospedara tiver boa quantidade de células mortas.

As raízes de muitas orquídeas epífitas possuem uma característica que lhes é peculiar. Suas células externas são vazias de substância e cheias de ar. Têm raízes grossas, cinzento-esverdeadas quando secas, as quais absorvem a água da chuva de maneira rápida e total, como se fossem mata-borrão. Imediatamente após obter água, tornam-se verdes. A razão dessa estranha mudança de cor reside no fato de que tão logo a água da chuva substitui o ar, nas camadas externas das células das raízes, estas ficam translúcidas, ao passo que as células impregnadas de clorofila, situadas abaixo das primeiras, tornam-se visíveis. A exemplo da barba-de-velho, tais orquídeas também retiram da chuva seu supre-mento, pois esta carreia os minerais existentes nos galhos que lhes ficam acima.

cach12

Fabaceae

Erythrina crista-galli

Fabaceae é uma das maiores famílias botânicas, também é conhecida como Leguminosae (leguminosas), e possui ampla distribuição geográfica. São aproximadamente 19.000 espécies em mais de 725 gêneros. Uma característica típica dessa família é apresentar o fruto do tipo legume, também conhecido como vagem. É subdividida em 3 subfamílias muito distintas: Faboideae (ou Papilionoideae), Caesalpinioideae (ou Caesalpiniaceae) e Mimosoideae (ou Mimosaceae). A variação no nome se deve à possibilidade de uso de nomes alternativos consagrados em algumas famílias botânicas, regra prevista no Código Internacional de Botânica.

Quase todas as espécies da família apresentam simbiose de suas raízes com bactérias do gênero Rhizobium e semelhantes, que fixam o nitrogênio da atmosfera, uma característica ecológica de extrema importância. Também são de grande importância econômica pela produção de alimentos.

É a terceira maior família de Angiospermae, após Asteraceae e Orchidaceae, compreendendo 727 gêneros e 19 325 espécies. As Leguminosae ocorrem em quase todas as regiões do mundo, excetuando-se as regiões árticas e antárticas e em algumas ilhas. A família é considerada como a de maior riqueza de espécies arbóreas nas florestas meotroícais. Alguns ecossistemas brasileiros são centros de diversidade para o grupo e muitas das espécies são exclusivas destes ambientes. No Brasil ocorrem cerca de 220 genêros e 2736 espécies.

Uma das hipóteses de surgimento do nome do Brasil diz que ele é originário da árvore pau-brasil (Caesalpinia echinata) pertencente subfamília Caesalpinioideae (ou Caesalpiniaceae), nativo da Mata Atlântica.

Uma característica ecológica importante da família é a simbiose de suas raízes com bactérias do gênero Rhizobuim e semelhantes, que fixam o nitrogênio da atmosfera.Têm grande potencial ornamental, sendo a principal família utilizada na arborização urbana no Brasil com o flamboyant (Delonix regia), a pata-de-vaca (Bauhinia variegata) e o sombreiro (Clitoria fairchildiana).

Em regiões temperadas o (Lupinis)) é um gênero muito utilizado em ornamentação de jardins. Também produzem madeiras de ótima qualidade como o Jacarandá (Dalbergia nigra), utilizado na manufatura do corpo de instrumentos de corda, como o violino.
São de hábito variado podendo ser herbáceas, trepadeiras, arbustivas e arbóreas. Em geral as folhas são alternas e compostas, podem ser pinadas, bipinadas, trifoliolares e digitadas. Há presença de estípulas que podem ser de tamanho variado, muitas vezes essa estípula é transformada em espinho. Na base da folha e dos folíolos existem articulações chamadas, respectivamente, de pulvinos e pulvínulos. Algumas espécies do gênero Mimosa usam essas articulações para movimentar-se rapidamente em resposta a agentes externos, alguns autores denominam essas plantas como sensitivas.

Flores
Suas flores são andróginas, zigomórfa ou actinomorfas, heteroclamídeas. O cálice gamossépalo ou raramente dialissépalo, com prefloração aberta, valvar ou imbricada. Androceu tipicamente com 10 estames, alguns gêneros podem ter em maior ou menor número. Gineceu de ovário súpero, unicarpelar, unilocular, às vezes divididos por falsos séptos, em geral multiovulado.

Frutos
O fruto é mais comumente do tipo legume, monocarpelar, seco e deiscente. Às vezes pode ser indeiscente (Arachis), sâmara (Machaerium), entre outros.

cach 666