Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Polinização’

flores-e-borboletas1

A  polinização pelo vento (anemofilia) tem lugar em muitas árvores e gramíneas.
As flores estão, geralmente, em amentilhos ou inflorescências pendentes em forma de espanador ou borlas que o vento pode sacudir facilmente. Os estames possuem também longos filamentos que fazem com que as anteras possam ser sacudidas pelo vento com maior eficácia. Desta maneira, o pólen pode soltar-se com grande facilidade. O pólen é rápido e é produzido em grandes quantidades, já que a polinização pelo vento desperdiça grande quantidade e somente pequena parte chega a sua meta, constituída pelo pequeno alvo que apresenta a superfície do estigma.

A polinização por insetos (entomofilia) é o método mais comum de transporte de pólen para a fecundação. Há muito tempo se sabe que a cor brilhante e o aroma das flores, não foram feitos para a satisfação estética do homem, e que seu objetivo principal é atrair os insetos.

Os agentes polinizadores de menor importância:
A água transporta o pólen de algumas plantas aquáticas. Os grãos de pólen tem flutuadores finos que os levam sobre a superfície da água até que atinjam alguma flor que esteja na superfície. Os pássaros são polinizadores freqüentes nos trópicos, os morcegos podem ser os polinizadores de algumas flores, especialmente nos trópicos. Outros animais podem também polinizar durante suas viagens, mas não são polinizadores regulares.

3b872de2

polinização
Todos os segredos de um novo organismo vegetal estão contidos em cada minúsculo grão-de-pólen (invisível a olho nu). Envolto em grânulos resistentes a ácidos, a altas temperaturas e a outros fenômenos da natureza, resistem protegidos e reconhecíveis por centenas de milhares de anos.

A polinologia tem condições de analisar sedimentos de lagos e pântanos, podendo reconstituir o estado da antiga vegetação destes ambientes. Através de longos tubos que trazem das profundidades material sedimentado em camada, é possível revelar o diagrama polínico daquelas localidades, e assim obter-se dados como: clima dominante na época, a chegada de novas plantas, desmatamentos, uso de herbicidas, mudanças ambientais, etc.

A polinização pode se dar através de diversos agentes: vento, insetos, pássaros, água, morcegos e homem. Se o transporte é feito pelo vento, as plantas são chamadas anemófilas; se através de insetos, são denominadas entomófilas; se realizado pela água, as plantas são chamadas de hidrófilas; se pelas aves, as plantas denominam-se ornitófilas; se pelos morcegos, as plantas são quiropterófilas; se polinizadas com a ajuda do homem, são plantas antropófilas.

As flores polinizadas pelo vento, como as coníferas, as gramíneas e ciperáceas, são desprovidas de nectários, de aromas e de envoltórios coloridos. Apresentam entretanto, superprodução de pólen, pólen pequeno e peso reduzido; alguns com câmaras de ar e outros comestigma plumoso.

Na polinização feita por animais, diversas são as formas de atração que as plantas apresentam, como: coloração do cálice, da corola, modificações da flor, odores e nectários.

As flores polinizadas por morcegos, como algumas paineiras e o baobá, só se abrem à noite, exalando um odor forte.

As polinizadas por mariposas, como a dama-da-noite, possuem um perfume suave. Assim como os nectários, se situam no fundo de uma longa corola tubulosa. Somente as mariposas podem promover sua polinização, pois só elas possuem uma espirotromba capaz de alcançar o fundo da corola.

As flores diurnas polinizadas por multidões de insetos ou aves, possuem odor suave. São ricas em néctar e muito coloridas, como a maria-sem-vergonha, polinizada por borboletas, as margaridas e girassóis por abelhas, a eritrina e hibiscos por beija-flores.

As plantas aquáticas como a Vallisneria, têm sua flor masculina levada para a feminina pela correnteza da água.

A polinização feita artificialmente pelo homem, em certos vegetais como a baunilha e a tamareira, cujas polinizações naturais são muito deficientes, contribui acentuadamente para o aumento da produção de seus frutos. Nos desertos da Arábia, cultiva-se o hábito de sacudir cachos masculinos sobre a inflorescência feminina das tamareiras, promovendo dessa maneira uma maior fecundação com resultados surpreendentes na época da colheita.

Segundo pesquisadores, a abelha visita 10 flores por minuto, demorando-se dez minutos em cada excursão fora da colméia. Em média, faz 40 vôos diários, tocando 4.000 flores.
Uma família normal de abelhas manda para o campo pelo menos 10.000 trabalhadores que passam em 40 milhões de flores. Dois terços de aproximadamente 225.000 espécies de angiospermas (plantas com flores e frutos) dependem dos insetos.

585706q53cm0zj7x

Atualmente, o homem tem cerca de 35.000 orquídeas catalogadas. No entanto, é certo que a natureza reserva muitas surpresas e que, portanto, esse número pode ser muito maior. Além disso, há também as plantas criadas artificialmente em laboratório. Com isso, pode-se concluir que o conhecimento sobre a família Orchidaceae é pequeno perto do que, realmente, é possível encontrar ns matas de todo o mundo.

Coryanthes

Com espécies encontradas de Honduras a Guatemala, estendendo-se até o Brasil e o Peru, as plantas do gênero Coryanthes apresentam flores, que, além de exóticas esteticamente, possuem um processo de polinização bastante complexo.  Alguns orquidófilos comparam essa complexidade ao processo de fecundação com o das espécies Paphiopedilum. Um par de glândulas na base da coluna solta um líquido que enche o labelo (com a forma de uma taça) até um orifício de drenagem.

As abelhas são atraídas pelo labelo, atropelando-se e, então, caindo no liquido. O único meio de fuga é por meio de um orifício de drenagem. As abelhas ao passarem por ele, ficam com políneas (agrupamento de grão de pólen) aderidas ao seu corpo.
Caso venham a cair em outra flor, ao atravessarem o mesmo orifício, deixam as políneas no estigma, realizando a polinização.

Cultivo em casa
Plantas desse gênero apresentam difícil cultivo. De forma geral, necessitam de boa umidade ambiente, porém é preciso cuidado com a rega, já que não toleram umidade em excesso.

Angraecum sesquipedale

A Angraecum sesquipedale, originária da África e das Ilhas do Índico, é uma bela planta, que apresenta flores, com cerca de 18 cm de diâmetro, no formato de estrela, sendo bastante perfumada. Esta espécie apresenta como diferencial um esporão nectarífero verde esbranquiçado com quase 30 cm de comprimento. Uma característica já estudada pelo naturalista britânico Charles Darwin há cerca de cem anos. Ao pesquisar a polinização das orquídeas pelos insetos, em Madagascar, ele previu a existência de uma borboleta noturna com uma tromba capaz de atingir o néctar no esporão, dessa forma, fecundando a flor. Passado muito tempo, a borboleta foi encontrada e identificada como Xanthopan morgani.

Cultivo em casa
Essa espécie aprecia luz intensa, mas sem incidência direta dos raios solares. No entanto, há outras plantas do gênero que sem luminosidade direta não florescem como esta espécie.

Bulbophyllum

Bulphophyllum é o maior gênero da família Orchidaceae, abrangendo mais de 1.000 espécies, todas epífitas. Em sua maioria, apresentam flores pequenas de formato diferenciado entre as diversas plantas que compõem o grupo, além de possuírem cheiro desagradável.

Este último aspecto pode ser o principal responsável pela pouca procura por parte de colecionadores de orquídeas. As sépalas são maiores que as pétalas e podem aparecer em várias tonalidades. Elas são responsáveis por atrair os insetos polinizadores. O rizoma rastejante suporta os pseudobulbos, que são cônicos ou esféricos, com apenas uma folha.

Cultivo em casa
A forma de cultivo das espécies pode variar um pouco, já que se trata de um gênero muito grande. Mas, de forma geral, pode-se cultivá-las em ambiente com luminosidade indireta e quente.

BLUEBIRDS

cattleya Turambeat

A maioria das flores de outras plantas utiliza-se de ofertas de alimento aos agentes polinizadores para atraí-los. As orquídeas, sendo plantas tão econômicas, que vivem de recursos tão esparsos, desenvolveram outras técnicas de atração que raramente incluem estes prêmios em forma de alimento. As formas mais comuns são o mimetismo a alguma forma que interesse aos insetos, cores, perfumes ou cera. Adaptaram-se também em sua forma de modo a forçar os agentes polinizadores a carregarem o pólen ao visitarem as flores, porém de maneira tão completa que somente o agente polinizador correto ajusta-se ao mecanismo da flor, outros visitantes não carregam o pólen. Isto ocorre devido ao fato de todo o pólen estar condensado em somente um polinário e este ser removida completo de uma vez, ou seja, a chance de polinização da flor é única. Da mesma forma o labelo de suas flores apresenta grande variedade de estruturas que objetivam colocar o agente polinizador na posição correta para que as polínias aderidas a ele alojem-se na posição exata no estigma da flor.

Por serem plantas geralmente epífitas, o material disponível para sua nutrição é limitado e a água disponível somente a partir das chuvas ou umidade presente no ar, assim as orquídeas aprenderam a tirar o maior proveito possível dos poucos recursos disponíveis. Adaptaram-se para o armazenamento de água em caules espessados, quase suculentos, chamados pseudobulbos, ou em raízes altamente porosas revestidas de uma camada esponjosa capaz de absorver umidade do ar, conhecida como velame, ou em folhas bastante espessas, ou ainda, quando terrestres, em pequenos tubérculos radiculares. Pela mesma razão, geralmente são plantas que apresentam longo período de repouso com baixo metabolismo, e rápido crescimento ou floração somente durante a estação em que os recursos são mais abundantes. Muitas perdem as folhas para evitar a desidratação nos períodos mais secos ou durante o período de repouso.

Pela sua estrutura reprodutiva, as orquídeas obrigatoriamente necessitam do auxílio de agentes externos para o transporte de pólen ao órgão feminino de suas flores, uma vez que a massa polínica é pesada demais para ser levada pelo vento, e a parte receptiva do órgão feminino não é exposta o suficiente para recebê-la. Assim, as orquídeas selecionaram as estratégias mais fascinantes para promover a polinização. As flores podem possuir cores e aromas que atraem a atenção de polinizadores diversos, como abelhas, borboletas, mariposas diurnas e noturnas, besouros e beija-flores. Sua forma e tamanho também correspondem ao tipo de polinizador.

Algumas flores podem assumir formas extremas. Orquídeas do gênero europeu Ophrys, por exemplo, apresentam a cor e a forma do labelo, ornado por cerdas, de maneira tal que se assemelham a fêmeas de uma certa espécie de abelhas. De forma que o macho, atraído pelo feromônio produzido pela própria flor e pela sua forma, copula com esta por engano, levando consigo as polínias, que depositará na próxima flor que visitar.

Outras, como o gênero africano Angraecum, com flores noturnas, produz néctar em tubos extremamente longos na base dos labelos, de modo que somente certas mariposas noturnas com probóscides igualmente longas, podem alcançá-lo. Ao posicionarem-se diante das flores, as mariposas esbarram sua cabeça nas anteras, fazendo com que as polínias sejam atiradas e presas em si.

As flores das orquídeas do gênero Coryanthes, contínuamente secretam um líquido que se deposita em um recipiente formado por seu labelo. Ao tentar coletar este líquido os insetos caem dentro do labelo e somente podem sair por pequena abertura. Ao passar por este estreito espaço levam as polínias em suas costas.

O labelo das flores do gênero Bulbophyllum são presos à coluna por uma estrutura muito delicada que permite que ele balance com o vento mimetizando o movimento dos insetos.[28]

As flores do gênero Catasetum podem ser masculinas, femininas ou hermafroditas. As flores masculinas são mais vistosas que as femininas e apresentam duas antenas muito sensíveis próximas ao labelo, as quais, quando tocadas pelos agentes polinizadores, ejetam o polinário com força suficiente para, se não atingirem o inseto, percorrerem mais dois metros de distância em uma fração de segundo.

Algumas orquídeas, ainda, não produzem néctar, mas perfume. Certas abelhas visitam suas flores para recolherem este perfume, que se acredita ser usado por elas para a síntese de feromônios.

Algumas espécies auto polinizam-se com facilidade em um processo chamado cleistogamia. Enfim, há incontáveis exemplos de estratégias de polinização entre as orquídeas, descrevê-los todos transformaria esta página em um livro. Outros mecanismos de polinização são discutidos nos diversos artigos sobre as espécies de orquídeas.

espantalho1