Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Plantas e Flores Exóticas’

aechmea-nidularioides
Plantas exóticas são fascinantes e dão requinte para todos os lugares. Elas ficam muito bem em escritórios, salas de reunião, clínicas ou mesmo em apartamentos. Porém nem todas podem ser colocadas em lugares fechados ou mesmo expostas a temperaturas artificiais ocasionadas por ar-condicionado, por exemplo. Veja essas sugestões:

Aralia – essa é uma planta pouco conhecida, mas extremamente bela. Ideal para ficar próxima às janelas. Sua adubação deve ser feita uma vez por mês. Detalhe; gosta de muita água.

Dracena – mais conhecida como Pau d?água, sobrevive em vasos cheios de água. Essa planta depende de adubação intensa e de preferência diluída em água.

Ficus – a variação de tipos e forma é grande. Ela não gosta de muita água e adubação deve ser feita com regularidade, mas não em abundância. Dica, para manter esta planta saudável e bonita limpe suas folhas. O acúmulo de poeira pode prejudicá-la.

Filodendro e Jibóia – indicada para ambientes com pouco espaço, por ser uma trepadeira. Ela se adapta bem em cantos, paredes, armários ou pendurada em qualquer lugar. Adora água, borrife todos os dias, nas folhas e raízes.

Palmeira Ráfia – sua principal característica é a resistência.  Às vezes suas folhas têm a tendência de amarelar, isso mostra que a planta precisa de mais adubo. Nesse caso, retire as folhas doentes e fertilize a ráfia.

Palmeira Areca – pertence ao grupo das plantas que gostam de água e luz. Deixe-as perto da janela e regue sempre que possível.

Yuca ou Iuca – bem adaptável. Vai bem em todos os tipos de locais desde escritórios fechados até espaços abertos. Essa espécie costuma juntar grande quantidade de pó, assim limpe-a constantemente.

Zamioculca – o seu maior atributo é a beleza. Ela não é tão resistente como as anteriores. Sua adubação deve ser feita mensalmente. Cuidado, ela é sensível ao acumulo de água e poeira. Tais fatores podem levá-la a morte.

farol

begonia escargot
Planta exótica é aquela dada como proveniente de fora da flora original local. Ou seja, uma planta exótica, não é autóctone do ambiente nativo. Também diz-se que uma planta exótica é estrangeira, não é indígena.
Em muitos lugares do mundo as plantas exóticas causam desequilíbrios no ecossistema local e são consideradas como espécies invasoras. Em casos extremos, chegam a provocar a extinção de espécies animais e vegetais nativos da região aonde estas prosperam

Muitas plantas exóticas foram introduzidas em novos territórios. Inicialmente como plantas ornamentais, para controle de erosão, alimentação, ou exploração florestal. Se uma exótica se tornará uma espécie nativa é raramente entendido no começo. Assim, muitas plantas ornamentais não nativas são comercializadas durante anos até que repentinamente se naturalizaram e tornam-se espécies invasoras.

Muitas espécies introduzidas requerem contínua intervenção humana para sobreviver no novo ambiente. Outras podem tornar-se selvagens, mas não competir seriamente com as nativas.

Espécies exóticas podem trazer uma forma de extinção de plantas nativas por hibridação e “intogressão”, quer através da introdução intencional por seres humanos ou através da modificação do habitat, quando se colocam em contato com as indígenas, especialmente aquelas antes regionalmente isoladas. Estes fenômenos podem ser particularmente prejudiciais para a espécie rara que contata exóticas mais numerosas, cruza com elas e tem, todo o seu raro genoma, geneticamente inundado na criação de híbridos. Portanto, conduzindo todo o estoque de raça autóctone à completa extinção.
Ainda que algum grau de transmissão genética possa ser um normal, processo evolutivo e construtivo, já a hibridação com ou sem introgressão pode, contudo, ameaçar a existência de uma espécie rara.

Agravando esta questão, está o fato de que a dimensão deste problema nem sempre é evidente a partir de aspectos morfológicos (aparência externa da espécie).

Outro elemento é a pura competição entre espécies. Existem muitos casos graves como o da alga Caulerpa antes mencionado. Ou, por exemplo, algumas espécies de trepadeiras exóticas que simplesmente proliferam em demasia e debilitam a flora nativa crescendo excessivamente, sombreando e/ou estrangulando o seu hospedeiro até a morte.

38429

amorphophallus-

Amorphophallus é um gênero botânico da família das aráceas. São aproximadamente 170 espécies de plantas tropicais, tuberosas e perenes.
São típicas de terras baixas, crescendo em zonas tropicais e subtropicais, desde o oeste da África até as Ilhas do Pacífico. Não são encontradas nas Américas. A maioria das espécies são endêmicas e crescem preferencialmente em florestas secundárias.

A maioria das espécies de Amorphophallus não são muito difícil de cultivar, desde que um mínimo de condições sejam cumpridas: estas são uma terra rica, o uso de fertilizante adicional, sombreado contra luz do sol direta, uma temperatura mínima de 22 graus durante o dia e 19ºC durante a noite, um período de descanso bem definido, e um regime severo contra pestes, preferivelmente focado na prevenção. Com estes requisitos, aproximadamente o 80% de todas as espécies de Amorphophallus podem ser cultivados com êxito.

Clima: O que foi dito acima sobre temperaturas é valido para aproximadamente 98 por cento das espécies. Se seu clima e mais frio a noite pode ser uma boa Idea proteger seus aamorphophallus ou simplesmente cultivar eles em vasos

Solo: Os solos devem ser ricos em matéria orgânica e nutrientes. A terra deve ser bem arejada. Quando a terra torna-se densa demais (por excesso ou falta de água de excesso) as raízes sofrearão. O problema é que a folha não morre mas continua a viver, apoiada pela energia do tubérculo, que finalmente será esgotado, torna-se fraco e de repente começará a apodrecer.

Fertilizar: Usando uma terra rica em matéria orgânica, não se necessita fertilizar muito freqüentemente, isto é uma vez num mês pode ser mais que suficiente. O fertilizante deve ser usado com cuidado, não dê uma concentração mais alta da que o que é recomendada para o fertilizante, já que o fertilizante em excesso bem pode aniquilar todas as raízes. O fertilizante ideal é um com um alto conteúdo de fosfato (por exemplo 15-30-15), que estimula crescimento de tubérculo. No fim a saúde de um Amorphophallus é medida pelo aumento do tamanho do tubérculo cada estação. Bem cuidado o tubérculo pode aumentar seu peso triplamente por estação.

Plantio: O topo dos tubérculos de Amorphophallus sempre devem estar bem abaixo da superfície da terra, já que as raízes emergem do topo (não da base como normalmente) e devem segurar o tubérculo para carregar a longa folha longa e a flor. Com este propósito as primeiras raízes cresçam muito rápido e na horizontal. O vaso deve ter o tamanho apropriado, quando o pote não é fundo o suficiente, a base do tubérculo será limitada contra o fundo e torna-se deformado. Esta situação geralmente não compromete a saúde do tubérculo, mas a vezes a água em excesso que freqüentemente é achada no fundo do pote pode causar apodrecimento local de partes da base de tubérculo. Por isso o vaso deve ter uma boa drenagem e não juntar água. O diâmetro do pote deve ser ao menos duas vezes que do tubérculo que é plantado, para razões óbvias.

Rega: Irrigação normal a abundante, sem excesso. Diminuir ou suspender no período de dormência.

Dormeência: Praticamente todos os Amorphophallus tem um período de dormência em natureza. Quando uma folha morre depois de que uma estação de crescimento regular o tubérculo invariavelmente tomará um período que descansa. Este período pode tomar 3 a 7 meses, dependendo da espécie, e depois uma folha pode emergir, ou quando a planta está suficientemente madura florescer. Os bulbos podem ser retirados dos vãos, ou deixados para que naturalmente voltem a brotar, nos assim fazemos e somos gratamente surpreendidos com novos e maiores plantas cada estação.

Pragas: As duas pragas primárias importantes de Amorphophallus em cultivo são nematóides e insetos nas raízes. Infelizmente para estes últimos não existe nenhum mecanismo biológico de controle. Portanto, o melhor método e usar um pesticida sistêmico de espectro. Estes devem ser dados em doses pequenas porque dano a folha pode ocorrer.

borboletas013

alfazema

As alfazemas pertencentes à espécie angustifólia e híbridos desta devem ser podadas todos os anos para manter a forma e retardar o envelhecimento. Os rosmaninhos beneficiam igualmente com podas regulares. Uma planta que não seja podada regularmente vai abrir deixando exposta madeira velha com poucas rebentações. A poda em madeira velha pode também ser problemática por não permitir a recuperação da forma adequada. Alfazemas bem podadas e com condições adequadas de solo e fertilização podem manter-se em ótimas condições durante muitos anos. Os rosmaninhos têm vida mais curta, mas em condições ótimas podem durar até 10 anos.

Quando
A poda pode ser feita a seguir à floração, no Outono ou na primavera. Se for feita na primavera não deverá ser muito tardia para permitir um bom crescimento antes da floração, e portanto uma maior quantidade de flores. Certas variedades podadas a seguir à floração podem ainda ter uma segunda floração no Outono, caso as chuvas comecem cedo e ainda permitam algum crescimento. A poda outonal permite um crescimento seguramente suficiente até a floração primaveril seguinte, no entanto deve haver o cuidado de não o fazer demasiado tarde em regiões muito frias para não correr o risco de o gelo destruir crescimentos novos.

Como
A poda é feita cortando uma boa parte da folhagem exterior, a quantidade aconselhada varia com os diferentes autores, na prática com a velocidade de crescimento da planta. Os cortes outonais de angustifólia nos primeiros anos podem ser bastante rentes porque a planta recuperará a forma redonda mais facilmente. Quando se fazem cortes mais superficiais convém manter uma forma arredondada. Em qualquer dos casos deve sempre haver o cuidado de deixar alguma rebentação. Cortes demasiado severos em madeira velha com pouca rebentação podem comprometer a planta.

As plantas pertencentes à secção Dentata não requerem grande poda, no entanto os híbridos intersecionais, como a L. x aillardii já beneficiam com a poda. Normalmente não é recomendada poda para as plantas pertencentes ao grupo Pterostoechas. No entanto, algumas destas plantas são frequentemente cultivadas em vasos como é o caso da Lavandula x christiana pelo que uma poda será benéfica para controlar o seu crescimento vigoroso, e diminuir o envelhecimento dos ramos.

alfazema1