Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Plantas e Flores Exóticas’

aeschynanthus_2-600_600

A flor-batom é uma espécie herbácea pertencente à família Gesneriaceae, nativa de Java, uma região de florestas tropicais. Planta pendente que costuma ser cultivada em vasos ou jardineiras postas em locais altos. Os rizomas possuem boa capacidade de otimização das funcionalidades do substrato, desenvolvendo densos caules com muitas ramificações.

As folhas são perenes, de estética simples, dispostas em pares opostos nas hastes, são ovais, acuminadas e de textura serosa. As flores dessa espécie são vistosas, de coloração vermelha, com cálice tubular de cor variando de tom esverdeado ao avermelhado, com corola na cor vermelha de formato tubular, com as pétalas espaçadas e de pontas arredondadas.

Formadas nas pontas das hastes, as flores da planta-batom florescem, normalmente, quando a primavera está para findar e, a floração perdura até o final do verão.

A planta-batom pode ser cultivada em todo o Brasil, porém nas regiões de invernos mais rigorosos, recomenda se que a espécie seja cultivada sob alguma proteção durante outono até a chegada da primavera. A espécie tem como uma das características mais evidentes a grande ramificação das hastes, as quais chegam à mais de um metro de comprimento.

Por essa última razão, é comum e de boa aceitação da planta que ela seja cultivada em vasos suspensos, assim você permite que essas hastes cresçam livremente. Fato que destaca os muitos ramos pendentes e, também, facilita o acesso de beija-flores às flores da planta, pássaro conhecido pela preferência dessa espécie.

Aeschynanthus-Pulcher2

Propagação
As mudas dessa espécie pode ser feita através do corte de touceiras ou, também, por estaquia de hastes. Após o período da floração ou já no início da primavera há a possibilidade de remoção de uma haste, atente para remover aquela que esteja menos à mostra, assim você não prejudica a estética da planta.

Depois de escolhida a haste, remova as folhas da base e enterre a haste em um vaso com areia umedecida ou com perlita ou com uma mistura de casca de arroz carbonizada com composto orgânico.

Coloque o vaso com a haste recém removida em local protegido das imtemperies do tempo e, cuidando sempre, para que a umidade do vaso seja mantida. Quando a haste começar a se desenvolver no vaso, significa que a haste enraizou, ou seja, você possui uma nova muda da espécie.

Tendo se certificado do enraizamento da planta, transplante a com calma para outro vaso com terra de boa qualidade. Lembre se de regar o vaso quando o ar estiver com pouca umidade.

flor-batom

Cultivo da espécie
A planta-batom desenvolve se bem sob meia-sombra, em local de solo com bom dreno e enriquecido com matéria orgânica. A rega da planta deve ser feita apenas quando a superfície do substrato estiver com baixa umidade ou, caso você more em uma região muito quente, ao menos a cada dois ou três dias, melhor dizendo, sempre que o ar ficar com pouca umidade, fique mais atento com a rega da planta.

Uma dica importante é notar se as folhas da planta-batom se desprendem com facilidade quando as tocamos, isso é um sinal de que o vaso está úmido em excesso. Outra característica notável dessa planta é que ela gosta de se manter em um local e lá ficar, em outras palavras, escolha um local e deixe a lá se desenvolvendo vistosamente.

Adubação
Somente adube a planta-batom quando o exemplar que possuir estiver bem desenvolvido e acostumado com o local em que estiver. Preferencialmente, faça a adubação da planta com adubo orgânico.

Uma dica é utilizar adubo bovino, o qual é rico em fósforo e ajuda numa melhor e mais rápida floração. Porém, seja qual for o adubo escolhido, coloque pequenas quantidades na terra do vaso, conforme a quantidade e frequência indicadas na embalagem do produto.

Utilização da planta como elemento decorativo de espaços externos e internos:
Pela descrição da espécie logo se nota o potencial ornamental da planta. Mesmo quando não está no período de floração, essa espécie agrega beleza ao ambiente em que está pela grande ramificação das hastes que crescem a a partir da touceira.

florbatom

A planta-batom pode decorar ambientes internos, desde que esses possuam boa luminosidade indireta e natural. Para aqueles os quais gostam das flores vermelhas que marcam a espécie, porém não possuem um local interno ideal, a dica é cultivar a planta em um ambiente externo até o início de sua floração.

Contudo, vale lembrar que mudanças bruscas afetam o bom desenvolvimento da planta. Para que a espécie não sinta tanto a mudança de ambiente, traga a para o ambiente interno, deixe a por uma semana e leve a novamente para o ambiente externo, a fim de recuperar a planta.

Ambientes com decoração rústica ou moderna combinam com a planta-batom. Obviamente os ambientes rústicos são mais fáceis de receberem plantas como elemento decorativo. Para garantir que os ambientes mais modernos combinem com uma planta, coloque-a em um vaso com estilo mais moderno, com cachepô metálico ou de vidro por exemplo.

Outra dica é combinar as cores. Se a decoração da sua casa for de cores claras ou neutras, as flores vermelhas da planta-batom serão um charme à parte.

Essa é uma planta a qual está costumada à luz forte, porém sempre indireta. Indica se pendurar o vaso próximo de uma janela ou debaixo de uma lâmpada própria para estimular o crescimento de plantas, caso você a cultive em ambiente interno ou externo e pouco iluminado.

Os extremos da luminosidade não agradam essa espécie. Ou seja, o excesso de sol ou a falta dele são duas condições as quais prejudicam o acontecimento da fase de floração da espécie.

Solo ideal da Planta-batom
A planta-batom prefere um solo leve e gaseificado, para os casos de cultivo em ambiente interno. Uma dica que agrada a planta é fazer uma mistura de um pouco de violeta africana com bastante perlita e acrescentar no solo. Lembrando se sempre de que o solo deve estar bem drenado.

outono_!!

f_261354

A Amorphophallus titanum é uma planta bastante rara e muito conhecida pelas pessoas como flor-cadáver ou jarro-titã. Seu odor forte é comparado ao cheiro de uma carne que esteja no seu processo de putrefação.

Tal flor é considerada como uma das mais raras e “fedidas” de todo mundo e, mesmo assim, atrai uma legião de turistas que querem, a todo custo, registrarem a sua florada, que dura somente três dias.

Começa sua vida como um pequeno tubérculo, então solta uma única coluna afilada que cresce furiosamente, até 16,6 cm por dia.

Quando desabrocha, a inflorescência chega a atingir 3 m de altura e pode pesar até 75 quilogramas. Sua floração exala um forte odor que atrai insetos.

A sua raridade se dá por conta do tempo que a mesma leva para atingir a floração, que leva o tempo de dez anos entre uma floração até a outra.

A sua raridade também se deve ao fato da grande dificuldade em cultivar tal planta, por conta de sua pouca aptidão em locais não adequados. Ou seja, para cultivar a flor artificialmente, as condições são muito peculiares, o que dificulta e muito o cultivo dela em cativeiro, por exemplo.

Amorphophallus titanum

É uma planta tuberosa e com o seu poderoso e nauseante odor, atrai insetos. É comum, ao visitar a planta, perceber vários e vários tipos de inseto ao seu redor. O nome Isso porque a planta é originária de Sumatra, uma pequena ilha localizada na Indonésia, no Oceano Índico.

A planta, que demora muito para florescer, tem uma expectativa de vida considerada alta: pode viver até os 40 anos. No entanto, sua floração ocorre, no máximo, por três vezes.

Apesar das condições bastante inóspitas a qual a flor cadáver floresce, em vários locais do mundo, existem mudas da planta, que, de alguma forma, conseguiram se adaptar ao clima característico das regiões em que se encontram.

flor-cadaver
A Ilha de Sumatra
A planta citada anteriormente tem uma localização comum: a ilha de Sumatra, como já é de conhecimento. Ela é considerada a sexta maior ilha de todo o planeta, e também é chamada por “Samatra”. Ela possui 50 milhões de habitantes – quase a população da cidade de São Paulo multiplicada três vezes. Era conhecida, antigamente, por abrigar em seu território grandes jazidas auríferas, que estavam localizadas, principalmente, nas montanhas da ilha.

RS45T

tacca_integrifolia

A Tacca integrifolia, também conhecida como planta-morcego ou flor morcego branco, é distribuído por todo o sudeste da Ásia, mas pode ser observado em outras partes do mundo onde é popular entre os conservatórios e horticultores amadores. Seus peculiar “bigodes” são realmente bractéolas filiformes, ou pequenas brácteas (folhas modificadas) que surgem na axila mesmo como as flores.

As flores incomuns de Tacca fazer uma pergunta por que tal uma estrutura elaborada floral pode ter evoluído. Muitas vezes, as estimativas podem ser feitas, bem como Darwin previu que a orquídea Angraecum sesquipedale teria um polinizador com uma tromba longa o suficiente para atingir o seu nectário. A posterior descoberta de seu polinizador, em 1903, o falcão traça Xanthopan morgani praedicta, provou Darwin direito.

Quanto Tacca, alguns têm sugerido a “síndrome do engano” como uma razão para a evolução das flores elaboradas. A semelhança de Tacca à matéria orgânica em decomposição é citado como prova de que ele está tentando atrair moscas (sapromyiophily) para facilitar a polinização cruzada. Alguns traços associados sapromyiophily incluem flores escuras e brácteas, apêndices filiformes, os mecanismos de aprisionamento ea ausência de néctar – todos os traços que são possuídos por Tacca espécies (Tacca integrifolia também é relatado para ter um cheiro de mofo). No entanto, um estudo descobriu que as espécies Tacca são principalmente de auto-fertilização e não têm grande necessidade de polinizadores.

passarinho

aechmea-nidularioides
Plantas exóticas são fascinantes e dão requinte para todos os lugares. Elas ficam muito bem em escritórios, salas de reunião, clínicas ou mesmo em apartamentos. Porém nem todas podem ser colocadas em lugares fechados ou mesmo expostas a temperaturas artificiais ocasionadas por ar-condicionado, por exemplo. Veja essas sugestões:

Aralia – essa é uma planta pouco conhecida, mas extremamente bela. Ideal para ficar próxima às janelas. Sua adubação deve ser feita uma vez por mês. Detalhe; gosta de muita água.

Dracena – mais conhecida como Pau d?água, sobrevive em vasos cheios de água. Essa planta depende de adubação intensa e de preferência diluída em água.

Ficus – a variação de tipos e forma é grande. Ela não gosta de muita água e adubação deve ser feita com regularidade, mas não em abundância. Dica, para manter esta planta saudável e bonita limpe suas folhas. O acúmulo de poeira pode prejudicá-la.

Filodendro e Jibóia – indicada para ambientes com pouco espaço, por ser uma trepadeira. Ela se adapta bem em cantos, paredes, armários ou pendurada em qualquer lugar. Adora água, borrife todos os dias, nas folhas e raízes.

Palmeira Ráfia – sua principal característica é a resistência.  Às vezes suas folhas têm a tendência de amarelar, isso mostra que a planta precisa de mais adubo. Nesse caso, retire as folhas doentes e fertilize a ráfia.

Palmeira Areca – pertence ao grupo das plantas que gostam de água e luz. Deixe-as perto da janela e regue sempre que possível.

Yuca ou Iuca – bem adaptável. Vai bem em todos os tipos de locais desde escritórios fechados até espaços abertos. Essa espécie costuma juntar grande quantidade de pó, assim limpe-a constantemente.

Zamioculca – o seu maior atributo é a beleza. Ela não é tão resistente como as anteriores. Sua adubação deve ser feita mensalmente. Cuidado, ela é sensível ao acumulo de água e poeira. Tais fatores podem levá-la a morte.

farol