Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Orquídeas e Bromélias’

Arundina-bambusifolia-02

A Arundina é uma orquídea terrestre, semi-herbácea, rizomatosa, ereta, entouceirada, com 1,2 a 2,0 m de altura, de florescimento e ramagem extremamente decorativos. Folhas laminares, alongadas e lisas. Seu preço agrada aos consumidores e a beleza de suas flores encantam crianças e adultos e por isso é uma das espécies mais vendidas nos viveiros de mudas.

As formas de cultivo e de apresentação são características marcantes e peculiares que distinguem a bela orquídea-bambu (Arundina graminifolia ou Arundina bambusifolia) das outras espécies pertencentes à família Orchidaceae.

Tanto o nome popular quanto o científico referem-se ao jeitão dos pseudobulbos da planta, longos e com folhas finas, que, de fato, lembram bambu. Sua floração colorida e perfumada atrai abelhas, besouros e borboletas. Com cerca de 9 cm, as flores duram apenas uns três dias, mas nascem quase o ano todo, sempre na ponta dos galhos.

Única representante do gênero Arundina (por isso, também é comumente chamada por este nome), é proveniente da Ásia Tropical, região que abrange desde Índia, Nepal, Tailândia, Malásia, Cingapura, China Setentrional até Indonésia e ilhas do Pacífico.

Sua peculiaridade esta relacionada principalmente, ao fato de ser uma orquídea terrestre. Graças ao volume de sua folhagem e à beleza de suas flores, é utilizada em acompanhamento de muros, muretas e paredes ou em grupos, compondo conjuntos isolados.

orquídea bambu

Também é possível cultivá-la em vasos, desde que receba algumas horas de sol diariamente.

A Arundina apresenta porte alto, ereto e delgado, com caule juncoso, que forma grandes massas e pode atingir até 2 m de altura. Os escarpos florais surgem no ápice dos caules e suas folhas possuem cerca de 20 cm e são semelhantes às do bambu.

Entre as curiosidades dessa espécie estão sua floração contínua, que acontece durante o ano todo, e a quantidade de flores ou keikis (mudas que nascem na parte terminal da planta).

Quando multiplicada por semente, a floração ocorre em quatro anos. Se for por keiki, costuma ser em um ou dois anos. Produzidas em sucessão, as folhas resistem por até uma semana e possuem tonalidade lilás-rósea e um disco branco com labelo púrpuro, mas também podem ser encontradas na cor branca.

Arundina Alba

Na Indonésia encontra-se uma variedade alba. Os rácemos são bastante abertos, com cerca de dez flores, que têm entre 5 cm e 8 cm de diâmetro. As brácteas são triangulares e envolvem o caule principal do ramo.

Por ser adepta do clima tropical, necessita de solo úmido e muita luz, deve ser regada abundantemente no calor, dê preferência à noite. Embora a orquídea-bambu prefira sol pleno, também se adapta à meia-sombra, contando que a umidade seja controlada, neste caso o ideal seria usar uma tela sombrite de no máximo 50%, pois um sombreamento maior poderia impedir a floração.

Neste caso precisa de água de duas a três vezes por semana. Para se manter a orquídea-bambu sempre saudável é importante plantá-la em solo rico em matéria orgânica, ou seja, preparar a terra com adubo orgânico, como terra vegetal, húmus de minhoca ou adubo caseiro.

Na carência de algum nutriente importante, ela pode apresentar sinais de amarelamento e queda de folhas, no caso da falta de água o crescimento de novos bulbos fica prejudicada, por cauda da desidratação da planta.

Arundina semi-alba

A pouca luminosidade faz com que os bulbos cresçam finos e fracos e não consigam se manter eretos, além de não florirem. Em locais sombreados, ela pode ser acometida por fungos, que são facilmente controlados com o uso de fungicida.

Outro fator que compromete a orquídea-bambu é o ataque de cochonilhas, pulgão e percevejo. Se você não quiser fazer uso de produtos químicos então o fumo é uma boa opção, basta fazer uma calda de fumo de corda com álcool, ou ainda uma combinação de alecrim e losna.

No caso de inseticidas o mais indicado é o do tipo malatiom que vai garantir uma boa eficiência. Se a haste estiver desidratada, a planta precisa ser podada para retomar um desenvolvimento vigoroso.

Quando envelhece, alguns bulbos começam a secar, o corte deve ser feito a aproximadamente 1m da ponta. Os métodos mais comuns de multiplicação da orquídea-bambu são por meio de sementes, keiki e divisão de touceiras, no entanto outra técnica não muito divulgada é o enraizamento.

Esta espécie costuma soltar brotos logo após a floração, que devem ser removidos quando atingirem 15 cm de comprimento. Depois de extraídos, precisam ser plantados em vasos ou saquinhos plásticos com terra bastante fértil até o enraizamento e, a seguir, transportados para um canteiro definitivo.

Quando a planta está saudável, costuma soltar muitas brotações (chamadas keikis) no meio ou na ponta dos ramos. Espere que os keikis tenham umas duas ou três raízes de uns 5 cm pelo menos e destaque-os da planta-mãe, plantando as mudas em vasos com um pouco de esfagno em volta das raízes.

Quando as mudas tiverem “pego”, podem ser transplantadas para terra e areia com bastante composto orgânico.

arundina
Ao usar orquídea-bambu no paisagismo, atente para que nada faça sombra na planta – seja um muro, uma árvore maior ou mesmo a marquise de um prédio vizinho.

Quando isso acontece, ela alonga os ramos e vai se curvando em busca do sol, tornando o conjunto feio e desengonçado. Isso também afeta a produção de flores e deixa a orquídea mais “rala”. Vamos combinar que se a gente quer um jardim no auge da moda, planta bonita e saudável faz toda a diferença.

orquidea arquivo gif

ORQUIDEA PROMENAEA

A Promenaea xanthina é um gênero que agrupa cerca de 20 orquídeas brasileiras que são encontradas em florestas úmidas que crescem entre o musgo dos troncos das árvores até alturas de quase 2.000 m em ambientes de luz filtrada. Eles estão intimamente relacionados ao gênero Zygopetalum.

Nativa do sul do Brasil, é uma planta pequena, suas folhas finas, com uma tendência a dobrar de cor verde pálido não excedendo a 25 cm. Os pseudobulbos são ovóides, bifoliados e a raiz é formada por uma infinidade de raízes finas, o que causa seu crescimento cespitoso característico.

O que mais chama a atenção nessa orquídea são suas lindas e perfumadas flores, com tons amarelos puros, com exceção do lábio que geralmente tem um ponto central e manchas de granada.

Nascem na base dos pseudobulbos, em pequenos paus florais pendentes com uma ou duas flores de grande tamanho em proporção desde que atingem 5 cm. As plantas maduras se enchem de flores que circundam a base da planta e que duram entre 1 e 2 meses se as condições de cultura forem adequadas.

ORQUIDEA PROMENAEA

Tem uma certa exigência no cultivo. A coisa mais simples é colocá-lo em um lugar com luz peneirada, suave no período de verão e o restante das estações em lugares mais iluminados.

Precisa de alta umidade, quase todo o ano (pouco mais de um mês de descanso) em torno de 80%, especialmente na estação quente, um pouco menos durante o período de descanso, quando devemos reduzir os riscos, mas sem o substrato secar.

O resto do ano, o substrato deve ser mantido úmido, garantindo que ele drene bem para que não acumule água nas raízes. Prefere temperaturas amenas, bastante frias, por isso, se o tivermos em casa, devemos procurar direções nas quais não receba sol durante a tarde e longe do aquecimento.

Durante o verão podemos aumentar a umidade vaporizando-a com água morna sem cal e sem cloro, sem molhar as flores que geralmente aparecem no final da primavera ou no início do verão em geral. A ventilação adequada ajudará a planta a se sentir confortável.

ORQUIDEA PROMENAEA

Embora você possa montá-lo em um ramo ou placa de cortiça com musgo nas raízes, é preferível colocá-lo em um pote de plástico ou uma cesta de madeira, com um substrato baseado em casca fina, perlita e esfagno, também um pouco de argila para ajudar a drenagem, uma vez que a água retida irá danificar rapidamente as raízes.

Alguns produtores a têm em uma vasilha apenas com sphagnum verde (viva), mas possivelmente essa opção é reservada para especialistas, dada a grande quantidade de água que o musgo retém e o perigo que o excesso significa para as raízes.

orquidea arquivo gif

Dendrobium anosmum

Que tal multiplicar suas próprias orquídeas? Quem ama essa espécie de planta sabe que elas têm um ciclo de crescimento muito lento e que por isso, cultivá-las por sementes é bem complicado, não é que multiplicá-las seja fácil. Porém, com os cuidados necessários, usando a técnica correta, dá sim, para ter novas orquídeas lindas e saudáveis.

Critérios para a multiplicação das Orquídeas
Para começar, o primeiro critério básico para fazer a multiplicação de uma orquídea é que ela apresente crescimento simpodial.

O que significa, o termo botânico, que a planta deve crescer lateralmente, das gemas localizadas na base e não nas terminações.

Pode citar como exemplos de orquídeas que crescem dessa forma: as catleias e as laelias. Além disso, as orquídeas cespitosas, exemplos: dendróbios e cimbídios.

Existe um outro tipo de orquídea, em relação ao crescimento, que são as monopodial, exemplos: falenópsis e vandas.

Em ambos os casos é bem complicado fazer a multiplicação por divisão. Somente jardineiros com muita experiência e uma pitada de sorte é que são capazes de realizar tal tarefa.

Laelia purpurata sanguinea

Cuidados necessários para fazer a divisão e replantar uma Orquídea
Quando se está disposto a dividir uma orquídea, como primeira coisa a ser pensada, está se o momento é aquele ideal para fazer isso. É muito importante essa espera e a escolha certa do momento.

Porque se por acaso a planta for dividida antes da hora, para ter logo novas orquídeas, o resultado pode  ser  uma planta fraca e facilmente atacada por doenças, além de possíveis atrasos na floração. Destaco esse ponto porque é muito comum que pessoas iniciantes na orquidofilia cometam esse erro.

Quando se tem uma orquídea e ela fica maior do que o vaso, isto é, não cabe mais nele, isso não pode ser considerada uma razão para fazer a divisão. Neste caso, faça somente um replantio e o assunto estará resolvido.

A pergunta sempre é, qual é o momento de dividir uma orquídea?
* A orquídea para ser dividida deve ter pelo menos 3 pseudobulbos.
* Os pseudobulbos devem estar muito bem desenvolvidos.
* A orquídea precisa ter ainda pelo menos dois brotos guias com boa distância entre eles. (Isso garante que cada nova muda que for conseguida terá pelo menos 3 pseudobulbos)

Mas, atenção: caso sobre mais pseudobulbos, digamos 2, não tente fazer uma nova muda. O procedimento correto é cortar a orquídea fazendo com que os pseudobulbos acompanhem aquelas mudas que deverão ser formadas. Não tente fazer uma muda a mais para não prejudicar a sua planta.

Bulbophyllum Elizabeth Ann Buckleberry

Como agir em casos de orquídeas que ainda não floresceram
Os jardineiros experientes dizem que não existe nenhuma restrição para uma orquídea que não floresceu seja dividida, porém, não é recomendado.

Segundo eles, o fato da planta ter muitos pseudobulbos, mas não ter florescido ainda, pode indicar que ela passa por algum tipo de problema.

Normalmente, pode ser falta de fertilizante ou falta de luminosidade.

O sinal de que uma planta está bonita e saudável é justamente a floração na fase adulta. Por isso, é melhor esperar e não tentar dividi-la.

Como agir em casos de orquídeas que ainda não floresceram
Os jardineiros experientes dizem que não existe nenhuma restrição para uma orquídea que não floresceu seja dividida, porém, não é recomendado.

Segundo eles, o fato da planta ter muitos pseudobulbos, mas não ter florescido ainda, pode indicar que ela passa por algum tipo de problema. Normalmente, pode ser falta de fertilizante ou falta de luminosidade.

O sinal de que uma planta está bonita e saudável é justamente a floração na fase adulta. Por isso, é melhor esperar e não tentar dividi-la.

Mais dicas de divisão de Orquídeas
O momento certo para dividir as orquídeas já falamos qual é, em relação a como elas se apresentam. Agora pensamos em momento do ano. Se a pergunta é, posso dividi-las em qualquer época do ano?

A resposta é sim. Porém, fique de olho nas particularidades da espécie que foi escolhida. O mais importante é esperar para ver aquelas pontinhas verdes (que são novas raízes) começarem a nascer. Neste momento, seja calor ou frio, pode começar a dividir as suas orquídeas.

Vanda-Dearei

Veja como fazer a divisão das Orquídeas
*
Será necessário usar uma tesoura bem afiada ou uma faca. Não use diretamente na planta, primeiro a ferramenta deverá ser esterilizada com álcool ou em água com cloro.

* Com a ferramenta esterilizada comece retirando os pseudobulbos que não servem mais, que são: os doentes, os murchos e ou os secos. Faça essa passagem preservando o máximo possível as raízes da planta. Mas, retire aquelas mortas e secas.

* A esterilização da ferramenta deverá ser feita depois do uso em cada orquídea e antes de iniciar na seguinte. É um modo de prevenir que uma doença de uma passe para a outra.

* Atenção: não precisa retirar todo o substrato velho das raízes. Retire somente o excesso e aquele substrato que tiver mais fácil de remover.

* Lembre-se de que quanto menos as raízes forem mexidas é bem melhor. Elas quebram com muita facilidade e isso destruiria todo o trabalho.

* Com uma escova muito macia e usando água corrente e sabão neutro, faça a limpeza da orquídea. Essa passagem deve ser feita caso a planta esteja com muitas pragas, como cochonilhas ou muito suja, se não for nenhum dos dois casos, evite-a.

transplante
* Vamos falar do vaso para a divisão, a principal característica que deve ser observada é que ele seja muito bem drenável, os furos na base devem ser grandes, os mais experientes aconselham também a fazer alguns nas laterais.

* Quanto ao material, não importa, até mesmo as garrafas de plástico podem ser usadas. Não use pratinho no fundo do vaso, para as orquídeas eles são vetados.

* Na hora de escolher o substrato dois fatores devem ser levados em consideração: o quanto o material é disponível naquela região e o tipo de orquídea que estará sendo plantada.

Alguns exemplos que podem ser usados: fibra de coco, pedra britada, argila expandida, casca de coco, caroços de coquinhos, carvão vegetal, cacos de cerâmica, sabugo de milho, esfagno, casca de arroz carbonizada, ramos secos picados, entre outros.

Não esqueça que você também pode misturar os substratos é um bom modo para equilibrar a drenagem, porque alguns deles seguram mais a água que outros. E mais um detalhe, as orquídeas terrestres e aquelas rupícolas só devem ser plantadas com substratos extraídos do próprio habitat.

* Depois que as mudas já foram separadas e estão limpas é hora de replantar. Comece sempre usando a ponta do rizoma mais “velha”. Coloque-a bem perto da parede do vaso é um modo de deixar um bom espaço para a planta crescer.

* Lembre-se que o rizoma não deve ser enterrado e sim sobreposto ao substrato que foi escolhido.  O que significa que a orquídea precisa ficar solta dentro do vaso, esse é o modo correto de replantá-la.

Para que ela fique firme, use arame ou bambu para amarrá-la ao tutor, mas sem apertar exageradamente.

Oncidium varicosum
Depois de replantadas fique de olho nos sinais:
* Se as folhas ficarem amarelas: a planta está tomando sol em excesso.

* Se as folhas ficarem um verde muito escuro: elas estão ficando demais na sombra.

* Regue normalmente e não tenha pressa porque o enraizamento é lento mesmo.

Que tal multiplicar as próprias orquídeas? Quem ama essa espécie de planta sabe que elas têm um ciclo de crescimento muito lento e que por isso, cultivá-las por sementes é bem complicado, não é que multiplicá-las seja fácil. Porém, com os cuidados necessários, usando a técnica correta, dá sim, para ter novas orquídeas lindas e saudáveis.

Critérios para a multiplicação das Orquídeas
Para começar, o primeiro critério básico para fazer a multiplicação de uma orquídea é que ela apresente crescimento simpodial.

O que significa, o termo botânico, que a planta deve crescer lateralmente, das gemas localizadas na base e não nas terminações.

Pode citar como exemplos de orquídeas que crescem dessa forma: as catleias e as laelias. Além disso, as orquídeas cespitosas, exemplos: dendróbios e cimbídios.

Existe um outro tipo de orquídea, em relação ao crescimento, que são as monopodial, exemplos: falenópsis e vandas.

Em ambos os casos é bem complicado fazer a multiplicação por divisão. Somente jardineiros com muita experiência e uma pitada de sorte é que são capazes de realizar tal tarefa.

cymbidium

Cuidados necessários para fazer a divisão e replantar uma Orquídea
Quando se está disposto a dividir uma orquídea, como primeira coisa a ser pensada, está se o momento é aquele ideal para fazer isso. É muito importante essa espera e a escolha certa do momento.

Porque se por acaso a planta for dividida antes da hora, para ter logo novas orquídeas, o resultado pode  ser  uma planta fraca e facilmente atacada por doenças, além de possíveis atrasos na floração. Destaco esse ponto porque é muito comum que pessoas iniciantes na orquidofilia cometam esse erro.

Quando se tem uma orquídea e ela fica maior do que o vaso, isto é, não cabe mais nele, isso não pode ser considerada uma razão para fazer a divisão. Neste caso, faça somente um replantio e o assunto estará resolvido.

A pergunta sempre é, qual é o momento de dividir uma orquídea?
* A orquídea para ser dividida deve ter pelo menos 3 pseudobulbos.
* Os pseudobulbos devem estar muito bem desenvolvidos.
* A orquídea precisa ter ainda pelo menos dois brotos guias com boa distância entre eles. (Isso garante que cada nova muda que for conseguida terá pelo menos 3 pseudobulbos)

Mas, atenção: caso sobre mais pseudobulbos, digamos 2, não tente fazer uma nova muda. O procedimento correto é cortar a orquídea fazendo com que os pseudobulbos acompanhem aquelas mudas que deverão ser formadas. Não tente fazer uma muda a mais para não prejudicar a sua planta.

Como agir em casos de orquídeas que ainda não floresceram
Os jardineiros experientes dizem que não existe nenhuma restrição para uma orquídea que não floresceu seja dividida, porém, não é recomendado.

Segundo eles, o fato da planta ter muitos pseudobulbos, mas não ter florescido ainda, pode indicar que ela passa por algum tipo de problema.

Normalmente, pode ser falta de fertilizante ou falta de luminosidade.

O sinal de que uma planta está bonita e saudável é justamente a floração na fase adulta. Por isso, é melhor esperar e não tentar dividi-la.

cimbidium
Como agir em casos de orquídeas que ainda não floresceram
Os jardineiros experientes dizem que não existe nenhuma restrição para uma orquídea que não floresceu seja dividida, porém, não é recomendado.

Segundo eles, o fato da planta ter muitos pseudobulbos, mas não ter florescido ainda, pode indicar que ela passa por algum tipo de problema. Normalmente, pode ser falta de fertilizante ou falta de luminosidade.

O sinal de que uma planta está bonita e saudável é justamente a floração na fase adulta. Por isso, é melhor esperar e não tentar dividi-la.

Mais dicas de divisão de Orquídeas
O momento certo para dividir as orquídeas já falamos qual é, em relação a como elas se apresentam. Agora pensamos em momento do ano. Se a pergunta é, posso dividi-las em qualquer época do ano?

A resposta é sim. Porém, fique de olho nas particularidades da espécie que foi escolhida. O mais importante é esperar para ver aquelas pontinhas verdes (que são novas raízes) começarem a nascer. Neste momento, seja calor ou frio, pode começar a dividir as suas orquídeas.

Veja como fazer a divisão das Orquídeas
*
Será necessário usar uma tesoura bem afiada ou uma faca. Não use diretamente na planta, primeiro a ferramenta deverá ser esterilizada com álcool ou em água com cloro.

* Com a ferramenta esterilizada comece retirando os pseudobulbos que não servem mais, que são: os doentes, os murchos e ou os secos. Faça essa passagem preservando o máximo possível as raízes da planta. Mas, retire aquelas mortas e secas.

* A esterilização da ferramenta deverá ser feita depois do uso em cada orquídea e antes de iniciar na seguinte. É um modo de prevenir que uma doença de uma passe para a outra.

* Atenção: não precisa retirar todo o substrato velho das raízes. Retire somente o excesso e aquele substrato que tiver mais fácil de remover.

* Lembre-se de que quanto menos as raízes forem mexidas é bem melhor. Elas quebram com muita facilidade e isso destruiria todo o trabalho.

* Com uma escova muito macia e usando água corrente e sabão neutro, faça a limpeza da orquídea. Essa passagem deve ser feita caso a planta esteja com muitas pragas, como cochonilhas ou muito suja, se não for nenhum dos dois casos, evite-a.

* Vamos falar do vaso para a divisão, a principal característica que deve ser observada é que ele seja muito bem drenável, os furos na base devem ser grandes, os mais experientes aconselham também a fazer alguns nas laterais.

Quanto ao material, não importa, até mesmo as garrafas de plástico podem ser usadas. Não use pratinho no fundo do vaso, para as orquídeas eles são vetados.

orquídea
* Na hora de escolher o substrato dois fatores devem ser levados em consideração: o quanto o material é disponível naquela região e o tipo de orquídea que estará sendo plantada.

Alguns exemplos que podem ser usados: fibra de coco, pedra britada, argila expandida, casca de coco, caroços de coquinhos, carvão vegetal, cacos de cerâmica, sabugo de milho, esfagno, casca de arroz carbonizada, ramos secos picados, entre outros.

Não esqueça que você também pode misturar os substratos é um bom modo para equilibrar a drenagem, porque alguns deles seguram mais a água que outros. E mais um detalhe, as orquídeas terrestres e aquelas rupícolas só devem ser plantadas com substratos extraídos do próprio habitat.

* Depois que as mudas já foram separadas e estão limpas é hora de replantar. Comece sempre usando a ponta do rizoma mais “velha”. Coloque-a bem perto da parede do vaso é um modo de deixar um bom espaço para a planta crescer.

* Lembre-se que o rizoma não deve ser enterrado e sim sobreposto ao substrato que foi escolhido.  O que significa que a orquídea precisa ficar solta dentro do vaso, esse é o modo correto de replantá-la.

Para que ela fique firme, use arame ou bambu para amarrá-la ao tutor, mas sem apertar exageradamente.

Depois de replantadas fique de olho nos sinais:
* Se as folhas ficarem amarelas: a planta está tomando sol em excesso.

* Se as folhas ficarem um verde muito escuro: elas estão ficando demais na sombra.

* Regue normalmente e não tenha pressa porque o enraizamento é lento mesmo.

orquidea arquivo gif

Tolumnia

Não importa a espécie, o tamanho, a cor ou o perfume, nós simplesmente não vivemos sem nossas queridas orquídeas. Elas alegram nossas casas, embelezam nossas mesas, presenteiam nossos amigos e arrancam suspiros e sorrisos.

Enfim, orquídeas nos encantam e isso não é bem um segredo por aqui, não é mesmo?

Mas o que fazer quando a floração dessas lindas plantas termina?
Há algum tempo, foi falado aqui sobre como conservar suas orquídeas para sempre e um dos temas que mais despertou curiosidade foi o que fazer com a haste floral. Devemos cortá-la ou não?

A reposta para a questão sobre o que fazer com hastes das orquídeas após a floração baseia-se em três pontos fundamentais:

1. Qual é a orquídea?
Para se decidir sobre o destino de uma haste, é importante saber com que espécie de orquídea se está lidando. A maior parte das orquídeas floresce apenas uma vez ao ano e suas hastes não voltam a dar flores após o término da floração original.

Algumas orquídeas, no entanto, particularmente as híbridas, podem florescer por mais de uma vez na mesma haste.

Dentre elas, as mais conhecidas são as do gênero Phalaenopsis, cujas flores lembram as asas de uma mariposa e sobre as quais já foi falado em outros posts. Outra orquídea que apresenta esta característica é a Tolumnia, típica das ilhas do Caribe.

Tratando-se de espécies como as acima, é possível obter uma segunda floração na mesma haste. Algumas orquídeas, quando bem cuidadas, passam meses a fio florescendo assim. No entanto, este bônus não acompanha todas as espécies existentes.

phalaenopsis pintada

2. A vontade da orquídea
Após a última flor cair da haste, a própria orquídea irá “decidir” o que deve ser feito a seguir.

Ela pode considerar sua missão cumprida, hipótese em que a haste simplesmente seca. No ano seguinte, na mesma época, outra haste irá nascer e florescer, a seu devido tempo.

A orquídea também pode decidir manter a haste floral ativa. Neste caso, novas ramificações nascem a partir das gemas dormentes (aquelas pequenas saliências ao longo da haste).

Elas produzirão uma nova floração que, no entanto, costuma ser mais comedida, com um menor número de flores que a original, porque a floração requer muito da planta, podendo, inclusive, debilitá-la e até mesmo fazê-la morrer. Normalmente, na natureza, existe um período de descanso entre uma floração e outra.

Existe, ainda, uma terceira possibilidade. A orquídea pode produzir um keiki (significa bebê, em havaiano) a partir da haste floral antiga. Neste caso, o pequeno broto desenvolverá raízes e poderá ser destacado da planta mãe, produzindo sua própria floração no futuro.

Rhynchostylis11

3. A vontade do dono da orquídea
Muitas vezes, percebemos que a orquídea não está bem, seja pela aparência das folhas, seja pela aparência das raízes. Neste caso, é interessante cortar a haste por completo, de modo a impedir uma nova floração logo em seguida – o que somente debilitará ainda mais a planta.

Cortar a haste por completo é uma forma de dar um período de descanso à orquídea e proporcionar uma nova e revigorada floração no ano seguinte.

Para tanto, corta-se a haste rente à base e, na época apropriada, uma nova haste floral surgirá carregada de flores organizadas em fileiras paralelas e simétricas – isso raramente ocorre nas florações secundárias.

No entanto, caso a intenção seja manter a casa florida por mais tempo, é possível realizar procedimentos que estimulem o reflorescer de uma haste antiga: preservar a haste e esperar uma eventual floração é um deles.

Um outro – que visa acelerar o processo – é cortar a haste na altura da terceira gema (a saliência, contada de baixo para cima).

Sarcochilus

É importante lembrar, contudo, que o corte na altura do terceiro nó não garante uma nova floração. Pode ser que a orquídea emita um ou mais keikis, que, em vez disso, ela emita hastes florais secundárias ou, ainda, pode ser que nada aconteça.

Existe, ainda, um mito de que canela em pó no corte da haste estimularia uma nova floração. Na verdade, este procedimento apenas impede infecções oportunistas na área do corte, já que a canela possui propriedades antissépticas. A nova floração, contudo, não é garantida.

Esperamos que, a partir das observações acima, vocês consigam decidir com segurança como proceder após a floração de suas orquídeas. E que venham muitas e muitas outras florações pela frente.

wisterias