Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Orquídeas e Bromélias’

Phal

Essa planta praticamente não apresenta caule, tem folhas bem largas nas quais encontram se a reserva de nutrientes. As raízes da phalaenopsis são grossas, flexíveis e longas. Essa é uma planta monopodial e o crescimento dela é do tipo sucessivo. A floração se desenvolve em uma haste nascida do caule da phalaenopsis.

Qual é o melhor tipo de ambiente para cultivar a Phalaenopsis?
O melhor tipo de ambiente para cultivar a falenópsis são os fechados, como os apartamentos por exemplo. É necessário que haja no mínimo uma circulação natural de ar e, em especial, uma boa luminosidade ambiente, ou seja, aquela que não é incide diretamente na planta.

É recomendado expor a planta ao sol indireto durante a manhã, das sete às nove horas e durante à tarde a partir das dezesseis horas.

A dica é plantar a phalaenopsis em vasos e deixar próximos a , corredores bem iluminados ou janelas. Na natureza, as falenópsis desenvolvem se em baixas altitudes nos ambientes tropicais da Ásia, no qual a variação média da temperatura durante o dia é de 25 a 35º C e durante a noite a variação média da temperatura chega a ser de 18 a 25º C.

Essa variação da temperatura considera que a incidência da luz é amenizada pela copa das árvores. Essa é a característica que torna a falenópsis muito propicia para o cultivo tanto em ambiente fechados como em ambientes abertos, desde que sem a incidência direta da luz solar.

A dica é plantar a phalaenopsis em vasos e deixar próximos a , corredores bem iluminados ou janelas. Na natureza, as phalaenopsis desenvolvem se em baixas altitudes nos ambientes tropicais da Ásia, no qual a variação média da temperatura durante o dia é de 25 a 35ºC e durante a noite a variação média da temperatura chega a ser de 18 a 25ºC.

Essa variação da temperatura considera que a incidência da luz é amenizada pela copa das árvores. Essa é a característica que torna a falenópsis muito propicia para o cultivo tanto em ambiente fechados como em ambientes abertos, desde que sem a incidência direta da luz solar.

phalaenopsis amarela

Como devemos regar essa espécie de orquídea?
Como a maior parte das orquidáceas, a falenópsis cresce muito bem com se houver uma boa umidade no local em que estiver e se o vaso no qual ela for plantada for um vaso arejado, úmido mas jamais encharcado. O indicado é regar essa planta no máximo uma vez ao dia, de preferência quando o dia amanhece ou quando entardece.

É nesse período que os estômatos, que localizam se nas folhas, encontram se abertos e receptivos devido a maior umidade do ar, o que permite uma boa absorção dos nutrientes, esse fato se percebe também nos velames micro porosos das raízes das orquídeas. Procure plantá-la inclinando a planta, assim você irá evitar que a água se acumule nela e apodreça a raíz da phalaenopsis.

phalaenopsis pintada

Qual a frequência e o tipo de adubação que essa orquídea necessita?
É comum ouvirmos falar sobre o uso de adubo cristalizado solúvel em água, que possuem uma série de micronutrientes em sua respectiva fórmula.

Para estimular a floração dessa orquídea, recomenda se adicionar adubos que tenham na composição uma quantidade maior de Fósforo e de Potássio, essa característica vale para quase todas as orquídeas.

Procure se informar sobre a composição dos abubos indicados para orquídeas nas lojas de jardinagem ou produtos agropecuários da região na qual você reside. Uma mistura muito popular feita com ingredientes caseiros serve, também, como um ótimo adubo. Essa mistura contém torta de mamona, farinha de osso ou farinha de ostras e cinzas de madeiras variadas.

Phaleanopsis sanderiana

Mesmo sendo uma mistura orgânica, esses ingredientes devem ser manejados com o mesmo cuidado que temos ao aplicar adubos industriais. Vale lembrar que o ideal é aplicar poucas quantidades da mistura para que surjam problemas na sua orquídea.

Por exemplo, quando for aplicar o adubo industrial leia a bula do produto. Se o modo de usar descrever que você deve, a cada colher de chá do adubo dissolvê-la em um litro de água, nessa orquídea funciona um pouco diferente. Você deve diluir ainda mais.

Reduza para uma colher de café para a mesma quantidade de água. Ou se for uma colher de chá, triplique a quantidade de água e guarde essa mistura em garrafas bem fechadas. Quando for o momento de regar a orquídea, agite a garrafa, coloque um pouco da mistura em um frasco borrifador e molhe as partes debaixo das folhas e o substrato. Desse modo a phalaenopsis não será super dosada ou sofrerá riscos de intoxicação.

phalaenopsis

Em que tipo de terra essa orquídea pode ser plantada?
A orquídea é um tipo de planta diferente da maioria. Como necessita das raízes bem arejadas e de umidade no ar é indicado plantá-las em um tipo de substrato.

Esse substrato pode ser composto pela casca da arvore do pinus, pela casquinha do arroz carbonizado, por carvão, pelas fibras da casca do coco desidratado, por sementes de açaí carbonizada ou, ainda por uma mistura de todos os substratos citados.

Como dito anteriormente, esse substrato deve ser mantido umedecido, sem ser encharcado, pois as raízes da orquídea podem apodrecer e matar a planta.

Como Nascem As Flores Dessa Orquídea?
A phalaenopsis possui flores de cores bem variadas, podendo ser vermelhas, lilás, brancas, amarelas, esverdeadas e com estrias variando as tonalidades da cor. As estrias costumam aparecer nas nas espécies híbridas dessa orquídea. As flores dessa orquídea tem pouquíssimo perfume.

Phalaenopsis equestris

Na natureza essas flores seriam polinizada por insetos de hábitos noturnos, portanto é a partir da noite e ao longo da madrugada que as mariposas polinizam a orquídea. Ou seja, é nesse período que se pode sentir melhor o odor da flores da falenópsis.

As phalaenopsis são orquídeas que normalmente, quando se forma uma nova floração, ela ocorre na mesma haste em que se formaram as flores da florada anterior. Nessa mesma haste forma se uma nova inflorescência nas gemas antigas.

É por essa característica que se indica esperar que a haste resseque por completo para então cortar, quando finda uma floração.

flores

gênero-Neoregelia

As bromélias se caracterizam por serem flores muito bonitas e resistentes, além de serem muito fáceis de serem cultivadas.

Além disso, as bromélias possuem a vantagem de não atrair os malfadados mosquitos transmissores da dengue. As bromélias estão distribuídas nas regiões tropicais do planeta, com exceção de uma espécie que é nativa do continente africano.

As bromélias podem ser encontradas por todo o continente americano: desde os Estados Unidos, passando pela América Central e pela América do Sul. As bromélias estão divididas em 60 gêneros e em torno de 3.000 espécies.

No Brasil, existem bromélias sendo cultivadas por todas as regiões, pois em vários lugares o clima e as condições são favoráveis para o cultivo das bromélias, sendo essas espécies vegetais sendo encontradas com muita facilidade na mata atlântica, sendo presente cerca de 40  gêneros e 1.200  espécies.

Uma das curiosidades das bromélias é que essas plantas só florescem somente uma vez quando se encontram em seu estado adulto, depois geram filhotes para encerrar o seu ciclo de vida. A grande maioria das Bromélias são espécies vegetais epífitas que vivem apoiadas em outras plantas, principalmente nas florestas tropicais.

bromélia  Neoregelia

Esse gênero é nativo do Brasil, e se caracteriza por não apresentar caule e ser uma planta rizomatosa, isto é, possui rizomas que são uma espécie de caule subterrâneo que tem como função armazenar nutrientes para o sustento e desenvolvimento da espécie vegetal embaixo do solo. As bromélias que fazem parte do gênero Neoregelia possuem rosetas bem abertas, que apresentam até 40 cm de diâmetro.

As folhas das espécies vegetais que pertencem a este gênero, podem ser largas e estreitas, mudando de acordo com a espécie de bromélia. As folhas das bromélias do gênero Neoregelia são duras e possuem aspecto coriáceo (lembram o couro), e apresentam espinhos em suas margens. As folhas podem ser encontradas na coloração verde.

As inflorescências deste gênero de bromélia são representadas pela mudança das folhas que ficam dentro da roseta, as chamadas brácteas, e de uma maneira geral apresentam coloração vermelha, com o objetivo de proteger as discretas flores brancas que são formadas. Essa combinação acaba compondo um conjunto bastante decorativo e ornamental, o que acaba ajudando o uso ornamental dessa espécie vegetal.

As principais características das Bromélias do gênero Neoregelia
As bromélias pertencentes ao gênero Neoregelia se caracterizam por serem plantas epífitas, isto é, são plantas que vivem sobre outras plantas, fazendo das espécies vegetais uma espécie de apoio para conseguir melhores condições de sobrevivência (nutrientes, ventilação, luminosidade e etc.).

Apesar dessas delas viverem sobre outras plantas elas não se caracterizam como seres parasitas, pois elas não roubam os nutrientes da espécie vegetal em que se apoiam. As bromélias deste gênero também são bastante encontradas vivendo nas fendas das pedras.

Esse gênero de bromélias possuem uma excelente capacidade de retenção de líquidos, fazendo com que a água seja retida na parte chamada de copo central, que se forma conforme a disposição das rosetas das folhas das bromélias deste gênero.

Bromélias-do-Gênero-Neoregelia-8

As folhas das bromélias que compõem este gênero se caracterizam por serem dura e apresentarem grande brilho, podendo ter a sua coloração modificada conforme as condições de luminosidade (maior ou menor quantidade de luz) e durante a época da floração, como uma maneira de realizar a atração dos agentes polinizadores destas bromélias.

Na grande maioria das vezes em que as folhas mudam de cor, elas passam a apresentar coloração vermelha e algo próximo as suas demais tonalidades. As folhas podem ter variegações (áreas com cores diferentes), com a presença de listras e de pequenas manchas que lembram salpicos. As flores desse gênero de bromélias são de tamanho pequeno, e geralmente possuem cor branca, azul, púrpura e rosa.

Depois que acontece a floração, elas costumam emitir brotações em suas laterais, das quais irão surgir novas espécies vegetais. Elas devem ser cultivadas fazendo a aplicação de substrato apropriado para as plantas epífitas, como por exemplo: a areia, a casca e a fibra de coco e outros tipos de substratos.

É interessante que o substrato seja mantido úmido para o bom desenvolvimento da espécie vegetal cultivada. O substrato aplicado para o cultivo das Bromélias deste gênero não precisam ser ricos em nutrientes.

A luminosidade é outro fator importante para o bom desenvolvimento das bromélias deste gênero, que podem ser cultivadas recebendo incidência de luz solar direta nos momentos em que esta for menos quente e mais amena (os melhores horários são pela manha cedo e no final da tarde). No restante do dia, as bromélias devem ser cultivadas a meia sombra.

Bromélias-do-Gênero-Neoregelia-12

A multiplicação das Bromélias do gênero Neoregelia
As bromélias pertencentes ao gênero Neoregelia se propagam de 3  maneiras: dispersão das sementes, por divisão dos rizomas e pela separação dos brotos laterais.

A multiplicação por dispersão das sementes é bastante comum, e consiste em espalhar as sementes geradas pelas bromélias pertencentes a este gênero, em locais apropriados para o cultivo, de forma que as sementes germinem e brotem uma nova planta.

A multiplicação por divisão por rizomas, consiste em dividir o rizoma da bromélia que pertence ao gênero Neoregelia em pequenas partes, de forma que estas partes possuam ramos, folhas e raízes. Esse pedaços serão colocados em novas covas para germinarem e gerarem uma nova bromélia.

A multiplicação por separação dos brotos laterais consiste em fazer a retirada das brotações laterais que surgem nas bromélias, e colocar as mesmas em locais apropriados para o cultivo de forma que estas brotações consigam gerar novas plantas.

Esses brotos devem ser retirados da planta mãe quando atingirem o tamanho aproximado de 2/3 da bromélia original.

Bromélias-do-Gênero-Neoregelia-10

A utilização das Bromélias do gênero Neoregelia
Essas espécies de vegetais são muito utilizadas pelos paisagistas e decoradores de ambientes, podendo ser usadas no jardins, em espaços abertos e com bastante sol.

Quando são cultivadas nessas condições climáticas (local aberto e expostas ao sol pleno), as suas folhas passam a apresentar uma cor verde amarelada, o que acaba deixando as plantas mais bonitas e com suas características decorativas realçadas.

Elas vegetais podem ser utilizadas na composição de jardins suspensos, na composição de jardins verticais e podem ser cultivadas em vasos, jardineiras e cestas suspensas.

janel427

orquidea-catasetum

A orquídea catasetum é diferente das outras na hora de ser plantada em vasos, pois quando plantamos uma catasetum podemos colocar a muda no centro do vaso, pois ela brota para todos os lados.

Por essa razão é importante conhecer a espécie de orquídea que você tem em casa.

Existem aproximadamente 150 espécies de Catasetum. Elas são epífitas, endêmicas das Américas, do México à Argentina e, metade das quais no Brasil.

Possui flores unissexuais e raramente hermafroditas. Possuem nas flores masculinas duas anteras na parte inferior da coluna, que quando um inseto se aproxima, são lançados, se fixando no dorso do visitante, deixando-o pronto para fecundar uma outra flor.

As folhas, geralmente caducas ( caem antes da floração) são longas, largas e plissadas. A haste floral sai da base do pseudobulbo, e pode dar dezenas de flores, algumas perfumadas.

Há 4 elementos essenciais no cultivo do Catasetum: Luz, calor, umidade, rega e ventilação.

Orientação geral cultivo
Este grupo de orquídeas possuem flores cerosas, sendo que a maioria é decídua. Os pseudobulbos das plantas tem períodos de crescimento e repouso.

A maioria floresce antes do período de dormência quando perdem as folhas.

Luz: deve ser forte especialmente no final do período de crescimento. Proteger com tela de 50%.

No início do período do ciclo de crescimento, as plantas toleram menos luz de 1.500 a 3.000 velas. Plantas crescem melhor com nível de luz de 3.000 a 6.000 velas, ou 50% a 75% do sol pleno.

Com o pseudobulbo maduro, endureça os dando-lhes mais luz.  Não tolera o frio ( temperaturas abaixo de 10ºC irá estressar a planta, perdendo suas defesas, levando à doenças que poderão levar à morte.

Catasetum spitzii

Estas orquídeas são de área tropical quente e crescem durante os meses de chuva do verão.

Rega: é um fator crítico para a produção de grandes pseudobulbos que resultam em melhores floradas.

Quando as folhas caem a planta entra em estado de dormência e deve-se suspender a rega.

Uma grande quantidade de água deve ser armazenada pela planta no curto período de crescimento. Regue pesadamente quando as novas folhas estão formando. Com a maturação dos pseudobulbos reduza gradualmente a frequência da rega.

Folhas irão amarelar e cair. Neste momento a rega deve ser completamente interrompida até que novos brotos apareçam. Regar durante o período de dormência somente se o pseudobulbo estiver severamente ressecado.

catasetum

Umidade: Deve ser de 40% a 60%. Isto pode ser providenciado com uma bandeja de britas e água, sem permitir que as raízes toquem na água. Ar deve se movimentar ao redor da planta para prevenir doenças e fungos.

A falta de umidade faz abortar os botões e o excesso, em raízes encharcadas apodrece botões e brotos, daí a importância da ventilação

Quando a planta cessa o repouso e entra em atividade, com emissão de novos brotos e raízes, é hora de regar e adubar.

Adubação: adubar e regar regularmente produz pseudobulbos fortes. Use a formulação 30-10-10 enquanto as plantas estiverem em crescimento, diminuir a frequência à medida que os pseudobulbos formem. A formulação 10-30-20 deve ser usada no outono para estimular a floração, exceto para plantas que florescem na primavera.

Aplicar com frequência soluções de concentração fraca é mais eficiente que aplicar concentrações fortes de vez em quando.

Dica: adubar na parte da manhã e evitar adubos com excesso de Nitrogênio.

Catasetum-Mary-Spencer

Replantio: devem ser programadas para coincidir com o início das nova brotações, normalmente na primavera. Novas raízes serão produzidas rapidamente nesta época e as plantas sentirão pouco impacto. Estas plantas possuem um vigoroso sistema radicular e requerem um rico substrato úmido durante a estação de crescimento.

Muito produtos deixam as plantas com as raízes nuas durante o período de descanso da planta para mantê-la seca neste período.

Substrato fino são comuns pra vasos pequenos e granulação média para vasos maiores. O esfagno tem sido usado com sucesso pela capacidade de reter água e o adubo.

Podem ser plantadas em estacas ou placas é mais fácil de cuidar no período de dormência., mas é mais difícil no período de crescimento.

noite

Rhynchostylis11

Dentre tantas plantas ornamentais disponíveis no mercado, por quê orquídeas? Ao longo destes dez anos de cultivo, tendo passado por fases de euforia por uma nova floração, compulsão por comprar cada vez mais orquídeas e depressão pela perda de inúmeros exemplares, chego a algumas conclusões, que divido neste artigo com vocês.

As orquídeas já eram conhecidas na Grécia Antiga, tendo sido descritas pelo filósofo grego Teofrasto, considerado o pai da Botânica. Desde os primórdios, esta grande família de plantas tem sido cercada de muito misticismo, glamour e diversos simbolismos.

Na antiguidade, as pessoas costumavam associar as orquídeas à fertilidade, além de lhes atribuir poderes afrodisíacos.

Na época do Japão feudal, a posse de uma orquídea simbolizava bravura e coragem, sendo exclusividade dos mais intrépidos samurais, capazes de coletar espécimes em locais ermos e de difícil acesso.

Já na Inglaterra da Era Vitoriana, a orquídea representava riqueza e opulência, uma vez que estas raras plantas precisavam ser mantidas em complexas estufas, sendo coletadas em distantes e exóticos países tropicais.

Paphiopedilum maudiae

Ainda nos dias de hoje, a despeito de toda a popularização que os modernos métodos de propagação proporcionam, as orquídeas são consideradas plantas especiais. Da beleza tímida, quase invisível, de uma micro-orquídea à exuberância descarada dos grandes híbridos repolhudos, há um quase infinito leque de opções para todos os cultivadores.

Neste contexto, saliento uma das primeiras lições que aprendi. Não são todas as orquídeas que podemos cultivar. É importante sabermos que não podemos escolher uma orquídea porque a cor é bonita ou porque gostamos do formato da flor.

Existe um abismo de diferenças entre o habitat natural de uma orquídea e as condições que oferecemos em nosso cultivo doméstico. Cabe a nós tentarmos mimetizar ao máximo o ambiente original de cada espécie.

Como nem sempre isso é possível, acabamos restritos a um certo grupo que melhor se adapta aos nossos lares. No final das contas, são elas que nos escolhem.

Ter este planejamento em mente acaba com a compulsão por comprar todas as orquídeas do mundo. Além disso, diminui drasticamente as perdas decorrentes de um cultivo inadequado.

O segredo é sermos criteriosos quanto às novas aquisições. Não há, contudo, uma receita pronta para esta curadoria. Levei anos para descobrir quais as orquídeas que me odeiam. Hoje, restrinjo-me às mais comuns e resistentes, espécies e híbridos que melhor se adaptam ao cultivo em apartamento, que é o meu caso.

Em resumo, cada um tem seus motivos para cultivar orquídeas. Uns visam o pódio, o reconhecimento por um cultivo impecável. Os colecionadores restringem-se às espécies puras, de forma e simetria perfeitas, exclusividades de alto valor de mercado.

Pleurothallis Acianthera luteola

Há os que apreciam as preciosidades quase microscópicas das florestas tropicais. Outros contentam-se com plantas mais simples, mas que trazem beleza e alegria a este mundo cada vez mais sombrio.

Eu me encaixo nesta última categoria. E, acima de tudo, cultivo orquídeas sabendo que não sou dono delas. Tenho a consciência de que sou um tutor temporário, que tenho o privilégio de cuidar, ainda que provisoriamente, de uma dádiva da natureza.

Uma joia que foi, em algum momento da sua história, retirada de seu habitat natural, outrora perfeito e incorruptível, e que agora enfrenta as agruras de um ambiente artificial e inóspito.

O meu empenho é que este trauma não tenha sido em vão, que o nosso convívio com as orquídeas sirva como conscientização da importância de sua preservação na natureza, que elas não sejam troféus ou meros bibelôs a decorar nossos lares.

borboletas