Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Orquídeas e Bromélias’

molhando orquídeas

Nos tempos antigos era considerada como espécie ornamental. Nos dias de hoje está presente com maior frequência nos jardins. Em termos práticos essa não consiste em espécie que aprecia água.

Porém, como quase todos os tipos de plantas há a necessidade de regar de forma qualitativa. Importante ressaltar que há valor aproximado de 35 mil espécies distintas que requer tipo de rega distinta.

Cuidado com o excesso
Nesse sentido um dos pontos que devem ser levados em consideração ao regar as orquídeas está na pouca quantidade de água que demanda a espécie. Orquídeas são espécies que apreciam ficar nos cantos úmidos das florestas e não demandam de H2O frequente como se fosse uma planta de caatinga, por exemplo.

Existem três aspectos que interferem de forma direta na evaporação da água ao que tange às orquídeas:
(A) Condições climáticas, ou seja, tenha em mente de existe excesso de vento, aumento de calor, entre outros aspectos que se relacionam com o clima da residência;

(B) As características do vaso no qual se estabelece a espécie. Por exemplo, quando a orquídea se encontra em vaso de plástico, então a umidade vai ser mantida por maior tempo do que se estivesse na parte interna das composições de barro, que embora seja ótimo para esse tipo de flor, também pode ressecar rápido, o que varia também com as condições do clima;

(C) Orquídeas possuem capacidade em nível extraordinário para conseguir fazer a retenção da água.

ragando

De olho na estrutura
Uma diferença fundamental para regar a orquídea consiste em considerar como existe a estrutura na sua parte externa, no principal ao que tange à presença de folhagem. Por exemplo, espécies que não possuem folhas em excesso na parte superior não precisam de grande quantidade em termos de água.

Por outro lado, com folhagem em excesso há maior demanda para regar em consequência do conjunto de folhas que necessitam do H2O para manter em condições plenas.

Fique de olho também nas partes com maior gordura que pode existir na orquídea que na prática representa em elementos que serve para reter os nutrientes. Nesse sentido, espécies que não possuem esse tipo de estrutura no caule precisam de maior demanda da água do que às orquídeas que deixam de ter esse tipo de estrutura.

Molhar as orquídeas
Modo simples e eficaz de molhar as orquídeas consiste no fato de colocar a espécie de baixo da água corrente que corre nas torneiras. Por consequência comece com o solo e o nível de estrutura em termos de folhagem.

Procure molhar todo o substrato. Não se esqueça de que os vasos precisam de pequenos buracos para ajudar no sentido de melhorar a flor sob a ótica da respiração. Porém, pessoas que possuem jardins repletos de orquídeas não precisa tirar cada vaso da estrutura, colocar de baixo da água corrente de torneiras e por consequência fazer o processo.

regas9

Para simplificar o sistema, especialistas indicam ser necessário usar a mangueira e realizar o processo sem ter que retirar as unidades do local. Não se pode ignorar o fato que por vezes a orquídea se encontra dentro do cachepot, o que representa estar com uma proteção adicional para proteger não apenas o vaso como também a orquídea em si.

Nesse sentido, não tem jeito, a prática consiste em retirar o vaso da proteção e colocarem baixo da água que corre das torneiras. Tenha em mente de que ao molhas a espécie coloque água nos dois lados das folhas e também não se esqueça de colocar o conteúdo dentro do substrato.

Depois que a planta escorrer o H2O nos espaços dos buracos do vaso o processo pode ser concluído e a flor pode voltar ao cachepot. Não se pode ignorar o ponto no qual se faz necessário ter paciência para esperar acontecer o completo vazamento antes de voltar com a espécie ao local no qual repousa ou serve como ponto de decoração no jardim.

Quando regar as orquídeas?
Ao em conta o clima tropical que existem em terras nacionais a rega da orquídea precisa acontecer pelo menos uma vez em cada dia. De forma prática as variações possuem relação com as condições climáticas.

Na parte Sul e Sudeste do Brasil durante épocas frias do ano a rega por acontecer uma vez por semana. Procure não encharcar o substrato, tenha em mente de que a medida não deve ultrapassar a casa dos 2 cm, conforme indica grande parte de especialistas no cultivo desse tipo de espécie.

Coloque o dedo na terra e sinta o limite no qual existe umidade, visto que se a mesma existir em quantidade excessiva não há a necessidade de fazer a rega, visto que o excesso de água pode apodrecer a estrutura. Também existe a possibilidade de colocar um palito, caso não queira ou possa sujar o dedo.

Se o pedaço de madeira sair com umidade não regue ao ponto que se ficar seco existe a necessidade de colocar água. Não se pode ignorar o fato de que em casos de dúvida é melhor não aplicar a rega, visto que espécies do gênero preferem a falta ao excesso.

orquídea

Qual a quantidade de água?
De forma prática, embora seja espécie que aprecie a umidade, tenha em mente de que ao começar o processo de rega coloque água abundante. As orquídeas apreciam sim água, desde que não estejam com umidade.

Nesse sentido, ao notar a presença de seca, comece a colocar água de forma abundante e de modo lento, demorado, para o conteúdo chegar com calma nas raízes depois de ultrapassar o substrato. Procure iniciar o movimento até o H2O começar a vazar nos buracos compostos para acontecer a drenagem.

De acordo com especialistas o melhor momento para fazer o processo de rega acontece durante a manhã no sentido da planta conseguir absorver o conteúdo com calma e a favor do clima.

Tenha em mente de que os períodos noturnos são péssimos no sentido de ajudar na secagem da folhagem.

pombos

phalaenopsis pintada

Cultivar orquídeas em casa com sucesso pode ser um desafio que precisa de um pouco de tempo e paciência. No entanto, a exótica beleza das flores sem dúvida que pode fazer com que o cultivo das orquídeas valha a pena. Por outro lado, plantar orquídeas não é tão difícil como costumava ser, existem híbridos mais resistentes disponíveis hoje em dia, bem como meios especializados: vasos, ferramentas, e estes conselhos.

Escolha da orquídea
O primeiro passo é a escolha das orquídeas. Há viveiros especializados e catálogos exclusivos, mas hoje as orquídeas podem ser compradas em qualquer lugar, inclusive nas grandes lojas e supermercados. No entanto, se as comprar em um viveiro é geralmente o melhor caminho se não estiver familiarizado com o cultivo de orquídeas.

O pessoal de um viveiro é mais especializado sobre a saúde das plantas e seu cuidado. Ao escolher as plantas, evite que estas apresentem muitas manchas de cor marrom ou preto nas folhas, já que podem indicar uma doença. As folhas amareladas também podem indicar má saúde em uma orquídea jovem.

Selecione plantas com a folhagem de cor verde brilhante e saudável para a primeira tentativa, isto indicará uma melhor oportunidade de sucesso.

Cattleya-harrisoniana

Ambiente adequado para as orquídeas
Proporcionar um bom ambiente de crescimento para suas orquídeas é fundamental, o que pode fazer é simular o habitat natural da planta tanto quanto possível. A maioria das orquídeas que se cultiva no interior é epífita, comumente chamadas plantas aéreas.

Este tipo de planta encontra-se com frequência em climas tropicais, cresce na rachadura de árvores altas, os resíduos e fungos nestes espaços proporcionam os nutrientes que a planta precisa para prosperar. À sombra da copa da árvore, a orquídea está protegida de toda a força do sol quente do meio dia.

Para criar as condições de iluminação mais benéficas para a orquídea de sua casa, deve colocá-la sob luz filtrada, uma janela com orientação é o ideal. Se a única opção é uma janela com luz solar direta, uma cortina escarpada pode proporcionar a proteção que a orquídea precisa contra a intensidade do sol.

Irrigação das orquídeas
A orquídea precisa de umidade também para ajudar a que se sinta em casa em seu ambiente natural, uma tarefa que pode ser conseguida com um umidificador, ou colocando um prato de cascalho úmido debaixo do vaso.

Certifique-se apenas de que não deixa água estancada na planta, estas condições podem promover os fungos, as doenças, ou o apodrecimento da raiz. Quando plantar as orquídeas em vasos deve fazê-lo com a drenagem superior em mente.

Rhynchostylis11

Normalmente, a maioria das orquídeas cresce com força quando as raízes se mantêm razoavelmente secas, por isso um vaso poroso e luz é o melhor, com uma mistura de casca de pinheiro. Um vaso de barro com os buracos de drenagem um pouco maiores que o normal pode ajudar a proporcionar as condições ótimas de drenagem. A irrigação deve ser feita só quando o solo do vaso estiver seco.

Entre os erros mais comuns que cometem os iniciantes nisso de cultivar orquídeas é o excesso de irrigação. Teste o nível de umidade colocando um lápis recém afiado no centro da terra. Se a madeira estiver úmida quando se extrair da terra, não precisa de água durante um ou dois dias.

Aprender a criar um meio ideal para cultivar orquídeas é a chave do sucesso. Enquanto as orquídeas podem precisar de mais tempo e atenção que a média das plantas de interior, a satisfação chega quando admira a beleza das suas flores delicadas e exóticas. Uma boa recompensa.

barquinho22

Cattleya Aurantiaca

As plantas ajudam a decorar qualquer canto da casa com um estilo muito natural, romântico e elegante, transmitindo, ao mesmo tempo, paz e bem-estar. Você se anima a decorar sua casa com plantas? Nós apostamos na natureza, e por isso abaixo segue algumas explicações de como cuidar das orquídeas no verão.

Vamos aos passos:
A primeira coisa que deve saber sobre o cuidado das orquídeas é que a qualidade da água é muito importante. Recomenda-se usar água pobre em minerais, já que a água da torneira pode prejudicar esta planta.

Tenha cuidado também com a quantidade de água usada para regar as orquídeas. Na realidade, este tipo de planta não precisa de muita. O ideal é manter a terra levemente úmida, mas sem exagerar na quantidade de água usada.

Durante os meses do verão, será suficiente regar as orquídeas uma vez a cada três ou quatro dias. Neste sentido, um detalhe importante para cuidar das orquídeas é borrifar a planta com água. Experimente!

Outro aspecto que deve considerar para cuidar das orquídeas no verão é o sol. Não deixe nunca suas orquídeas expostas diretamente à luz solar, já que pode ser muito prejudicial para esta planta tão delicada e bela. As orquídeas são plantas de interior que precisam de luz natural e claridade para crescerem saudáveis e fortes, mas não de uma exposição muito direta.

Bulbophyllum eberhardtii

A temperatura é outro detalhe que deve considerar para cuidar das suas orquídeas durante o verão. Não se esqueça que este tipo de planta não resiste a temperaturas superiores a 30 graus.

Mesmo que não precisem ser regadas com muita frequência, as orquídeas precisam de um clima com aproximadamente 40% de umidade. Por isso, lembre-se deste detalhe ao cuidar das orquídeas no verão.

Apesar de serem plantas de interior, as orquídeas também agradecem um pouco de brisa fresca, principalmente no verão. Por isso, ventile sua casa mas evite o vento forte, que é o pior inimigo no cuidado das orquídeas.

Além de controlar todas as condições climáticas próprias do verão, você também pode ajudar suas orquídeas para que cresçam saudáveis e bonitas.

Como fazer isso? Para um cuidado correto das orquídeas no verão, é recomendado usar algum fertilizante específico para orquídeas, que ajude a melhorar a saúde da sua planta. Pergunte em qualquer comércio especializado.

entardecer

Infelizmente, as belas orquídeas são tão frágeis que diversas doenças podem atacá-las. Abaixo, uma lista das mais graves:

mancha aquosa

1. Mancha aquosa com mancha marrom
Principais Características: Essa doença é causada por uma bactéria difícil de ser tratada. Ela é encontra, na maioria das vezes, em apenas duas espécies de orquídeas, as falaenópsis e catléias. Na primeira espécie, a bactéria se prolifera muito rápido e ataca toda a planta. Já na segunda, atinge apenas as folhas velhas. Para que a bactéria se dissemine tão rapidamente, conta com a ajuda de insetos, chuvas ou até mesmo através da água de irrigação.

Sintomas: Formam-se pequenas lesões de cor branca, que ficam úmidas e depois tornam-se escurecidas.

Prevenção: Procure um bactericida em lojas de jardinagem. Remova as partes atingidas pela bactéria, isolando a planta e reduzindo a quantidade de água de irrigação.

podridão mole

2. Podridão mole
Principais características: Ocorre em orquídeas que possuem folhas não eretas. As espécies atingidas podem ser as  vandas, falaenópsis, vanilas, arachinis, paphopediluns, phalus e dendróbios. Essas espécies proporcionam o acúmulo excessivo de água. Insetos, irrigação de água e chuva podem disseminar a doença.

Sintomas: Lesões nas folhas que fazem lembrar uma banana madura e mau cheiro.

Prevenção: Isole a planta e reduza a quantidade de água de irrigação. Use um bactericida apropriado.

podridão negra

3. Podridão negra
Principais Características: É causada por um fungo branco muito agressivo  que penetra pela raiz ou colo da planta. Ele pode surgir em épocas muito úmidas do ano. Ela pode ser disseminada por água da chuva ou água de irrigação, vasos e substratos contaminados onde se coloca a planta.

Sintomas: A planta tomba e fica com manchas negras que se proliferam das raízes até o restante das plantas. Os órgãos atingidos ficam podres. Essa doença também pode levar a morte da planta.

Prevenção: Use fungicidas apropriados para a doença.

antracnose

4. Antracnose
Principais características:
É um fungo que se prolifera em áreas com clima tropical e subtropical. Ela se espalha em climas úmidos e com temperaturas entre 10ºC e 20ºC.

Sintomas: As folhas começam a descolorir e ficam com os seus centros amarronzados.

Prevenção: Borrifar algum fungicida à base de sulfato de cobre em todas as partes em que a planta foi afetada. Em orquidários profissionais e lojas de produtos para jardinagem especializados vendem a maioria dos produtos para combater os fungos.

ferrugem-1

5. Ferrugem
Principais Características: Temperaturas amenas e muita umidade fazem com que este fungo apareça. O vento e pequenos respingos de água fazem o fungo se proliferarem de forma rápida.

Sintomas: Surgem pequenas lesões amarelo-alaranjadas na parte inferior das folhas ou podem ser marrom-avermelhadas. Lembrando que tais manchas pode se tornar escuras se não tratadas.

Prevenção: Use fungicida a base de sulfato de cobre nas partes afetadas da planta.

mancha foliar

6. Manchas foliares
Principais características: Diminui o desenvolvimento da planta e deixam ela feia. Por isso, elas são pouco comercializadas quando estão com esta doença.

Sintomas: Aparecem manchas escuras com tons castanhos e circulares ou ovaladas. Os centros das flores ficam com uma cor pardo-claro.

Prevenção: Remova as partes atingidas, isole a planta e reduza a quantidade de água para a irrigação. Use fungicida específicos.

mofo-cinzento

7. Mofo cinzento
Principais características:
É uma doença favorecida por grande quantidade de umidade, baixa ventilação e temperaturas amenas entre 16ºC e 18ºC. Ataca as pétalas, as sépalas e o labelo das flores das orquídeas, principalmente mais as mais velhas. A doença é disseminada pelo vento.

Sintomas: Manchas circulares aparecessem nas plantas. Com o passar do tempo e o não tratamento da doença podem gerar manchas acinzentadas parecidas com pó. As folhas que estão muito contaminadas, apodrecem e caem.

Prevenção: Use fungicidas específicos, isola a planta, remova as partes atingidas e diminua a quantidade de água de irrigação.

Murcha ou podridão de raiz e pseudobulbo

8. Murcha ou podridão de raiz e pseudobulbo
Principais características:
É uma doença conhecida por moléstia vascular que atinge as plantas pelas raízes ou pelos ferimentos nos rizomas, produzidos durante o processo de propagação da doença.

Sintomas: Coloração escurecida nos rizomas e círculos roxo-escuros no seu interior. A orquídea pode sofrer redução no seu desenvolvimento normal ou até morrer em apenas 30 dias.  Por isso, esta doença é uma das mais graves que se tem.

Prevenção: Assim como qualquer doença já mostrada, use fungicidas específicos para o combate a doença. Isola a planta e remova as partes atingidas pelos fungos.

percevejo em orquídea

9. Percevejo das orquídeas
Principais características: Os percevejos são insetos bem indesejáveis e quando eles atingem as orquídeas, podem se tornar um verdadeiro vilão, estragando a sua bela plantinha. Eles são tão pequenos que medem apenas 5 mm de comprimento, dificultando a sua visualização entre a planta. Ele possui cor alaranjada e asas azuis-escuras, com bordas externas também de cor laranja. Eles costumam atacar catléias, laélias e encíclias.

Sintomas: O percevejo faz furos que podem matar as folhas das orquídeas e deixa-las com manchas esbranquiçadas.

Prevenção: Pulverize toda a planta com inseticidas que tenham como principio ativo os fosforados e clorofosforados, principalmente nas partes mais atingidas. Use aqueles sprays conhecidos por SBP que são usados para matar insetos até mesmo dentro de casa. Nos supermercados e lojas de jardinagem, você encontra todos estes produtos.

agua corrente