Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Orquídeas e Bromélias’

Brassocattleya Pastoral Innocence

Quando trocar uma orquídea de vaso? Quando a planta já “mora” há um tempão no mesmo recipiente ou, assim que você a traz da loja? Só quando virou um touceirão ou, enquanto ela é uma jovenzinha? No artigo abaixo há cinco motivos para você saber quando (e como) mudar uma orquídea de vaso. A lista vai do caso mais crítico ao mais fácil.

Antes de tudo: evite trocar – e até mesmo, mexer muito – na sua orquídea quando ela está florida. Isso porque, a planta, que tava ali, tranquila, sente que algo não vai bem com seu ambiente. E o resultado, é a perda das flores. A orquídea aborta a florada e lá se vai aquela beleza toda pro chão…

1 – Orquídea gravemente doente
Não é coisa pouca, é doente mesmo, de quase perder a planta. Manchinha, pintinha, mordida, haste quebrada, nada isso é “grave”, ao menos, pra planta. O motivo aqui é quando a orquídea está desidratada, perdeu praticamente todas as folhas, está visivelmente entrando em fase terminal.

Tira tudo o que não é planta (tutor, substrato, vaso velho) e, mantenha folhas, hastes e, principalmente, raízes. Num garrafão plástico, improvise uma estufa-UTI, com esfagno que ficou de molho em água com Bokashi. Acomode a paciente dentro desse garrafão, feche e deixe num local com claridade por 6 meses! A planta se vira bem lá dentro, é o mesmo que um terrário.

Laelia purpurata sanguinea

2 – Substrato vencido
Seja pínus, esfagno, chips de coco, pedacinhos de madeira ou uma mistura de tudo isso, o que chamamos de substrato pra orquídeas tem validade. Ele deve ter um cheirinho bom, que lembra um jardim depois de uma chuva.

Se estiver com cheiro de algo que foi esquecido há mais de uma semana na geladeira, aquele azedinho denuncia que o substrato venceu. Vale também trocar se já tem mais de 4 anos.

3 – Falta de espaço
A planta parece que mal cabe no vaso? Hora de trocar sua orquídea pra um vaso ou pote maior. Não tenha dó do vaso, porque quando chega neste estágio, tentar arrancá-la do recipiente vai machucar demais a planta, até correndo o risco de perdê-la.

Um bom truque é molhar bastante no dia anterior, pro transplante ser mais tranquilo. Esse aperto também nos leva pro próximo motivo, que é…

Rhynchostylis11

4 – Tirar mudas
Aproveita que a planta está grandona, mal cabe num pote e, separe algumas partes dela pra multiplicar sua orquídea! Aí, você já junta a vontade de trocar de vaso com uma dose gigantesca de conteúdo específico pra multiplicar suas plantas e, aprender a cuidar das suas orquídeas com um profissional!

5 – Estético
O motivo mais simples e, de longe, o que as pessoas mais tentam fazer o transplante de orquídea. Aquele vasinho simples, pode não ser o mais bonito da sua casa, mas é muito útil pra orquídea, já que ele ajuda a manter a umidade do substrato.

O truque aqui é fazer essa troca sem muito mexe-mexe: deixe a planta de molho um dia antes, pro substrato se soltar fácil do vaso e, só. Troca a planta com o torrão e todo o substrato que estiver entre suas raízes.

correnteza_33

As orquídeas necessitam de cerva de 13 elementos químicos para ter uma vida saudável. Três destes elementos não dependem bem mais e por isto são chamados de macronutrientes primários, são eles:

Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K)

Estes nutrientes são geralmente indicados em fertilizantes como uma relação numérica como 30-10-10, 20-20-20 (estes números indicam o percentual de cada um destes elementos na formulação do adubo).

Temos que considerar a nutrição mineral de suas plantas como uma combinação de água e do fertilizante que você adiciona.

A falta de minerais e suplementos irá resultar na redução do processo de crescimento, a perda prematura de folhas e a geração inexistente de flores em algumas plantas.

phalaenopsis

Por isso, se você deseja uma planta saudável e com flores, é preciso conhecer os sinais tanto da deficiência quanto ao excesso de conteúdo mineral para orquídeas.

Nitrogênio
Ele é necessário para o forte crescimento vegetativo como componente essencial de proteínas e clorofila. A deficiência do nitrogênio vai resultar em plantas raquíticas e de maturação  precoce. As folhas se tornarão amarelas e, eventualmente, cairão. O excesso de nitrogênio vai levar a um crescimento vegetativo excessivo, mas irá retardar o florescimento.

Potássio
É um elemento necessário para o crescimento das raízes, produção de açúcar e de amido, e da integridade celular da membrana. I excesso de Potássio resultará em sintomas de deficiência de nitrogênio, magnésio, cálcio, ferro, zinco, cobre e manganês, veja abaixo.

Cálcio
É necessário para a formação da parede celular, atua como catalisador enzimático, e tem um papel muito importante na neutralização de metabolitos tóxicos. A deficiência de cálcio em orquídeas resulta em crescimento deficiente, deformidade e clorose das folhas mais novas, áreas escurecidas nas extremidades das folhas e brotos com bordas amarelas, atrofiadas e raízes encurtadas, e pontas mortas das raízes. O excesso de cálcio irá resultar em sintomas de deficiência de magnésio.

ausência de cálcio

Magnésio
É importante na produção de clorofila e de proteínas, metabolismo de hidratos de carbono e da ativação de enzimas. A deficiência de magnésio é manifestada em clorose marginal e das veias e começam na folhas mais velhas. Hás também  um aumento do aparecimento de antocianina, e manchas necróticas.

Fósforo
É um componente importante dos ácidos nucleicos, as coenzimas NAD e NADP, que são necessárias para a fotossíntese, respiração e muitos processos metabólicos, e a energia composta ATP.

É também essencial para o crescimento das raízes, florações e produções de sementes. A deficiência do fósforo afeta as mais velhas primeiro. Haverá um aumento de pigmento antocianina e coloração azul esverdeado escuro, por vezes com áreas de necrose e nanismo.

Fósforo em excesso irá resultar em sintomas de deficiências de nitrogênio, zinco e ferro.

Enxofre
O enxofre é um fator importante na formação de proteínas, fotossíntese e do metabolismo do nitrogênio. Raízes atrofiadas, clorose geral começando com as folhas mais jovens será o resultados se não houver enxofre suficiente.

Boro
Ele ajuda no transporte de açúcar e na síntese de DNA. A falta de boro resultará na morte do tecido meristemático, atrofiação das raízes e a não formação de flores. O excesso de boro resulta na necrose inter venal das folhas.

Ferro
É um componente de citocromos e ferrodoxina e ajuda na síntese da clorofila. A deficiência de ferro resulta em clorose das folhas mais novas.

Sophronitis acuensis

Manganês
O seu papel é na ativação enzimática na respiração e no metabolismo do nitrogênio. A deficiência de manganês resultara em manchas cloróticas e necróticas inter venais. O atrofiamento, manchas necróticas e necróticas nas folhas são os resultados do excesso de manganês.

Zinco
É importante na síntese e de triptofano e na ativação de enzimas. A deficiência de zinco resultará em folhas menores, distorcidas, atrofiadas e clorose inter venal nas folhas mais velhas, manchas brancas necróticas e formação de rosetas, O excesso de zinco irá manifestar em sintomas de deficiência de magnésio ou de ferro.

Boro
Ele ajuda no transporte de açúcar e na síntese de DNA. A falta de boro resultará na morte do tecido meristemático, atrofiação das raízes e a não formação de flores. O excesso de boro resulta na necrose inter venal das folhas.

Ferro
É um componente de citocromos e ferrodoxina e ajuda na síntese da clorofila. A deficiência de ferro resulta em clorose das folhas mais novas.

Manganês
O seu papel é na ativação enzimática na respiração e no metabolismo do nitrogênio. A deficiência de manganês resultara em manchas cloróticas e necróticas inter venais. O atrofiamento, manchas necróticas e necróticas nas folhas são os resultados do excesso de manganês.

Zinco
É importante na síntese e de triptofano e na ativação de enzimas. A deficiência de zinco resultará em folhas menores, distorcidas, atrofiadas e clorose inter venal nas folhas mais velhas, manchas brancas necróticas e formação de rosetas, O excesso de zinco irá manifestar em sintomas de deficiência de magnésio ou de ferro.

phalaenopsis-1

Cobre
É um componente enzimático e proteína carregador de elétrons no cloroplasto. Falta deste irá resultar em crescimento atrofiado e disforme de orquídeas, enquanto um excesso manifestará em sintomas de deficiência de ferro ou de manganês.

Molibdênio
Ele ajuda no metabolismo do nitrogênio e do potássio. Manchas inter venais cloróticas, necrose marginal, dobras nas folhas e a falta de flores será o resultado se houver deficiência de molibdênio.

Água
A água limpa é um bom começo para a nutrição de orquídeas. Se a água for limpa e pura irá permitir ao cultivador adicionar os minerais corretos nas proporções necessárias, adicionando uma solução devidamente formulada com os nutrientes certos para a orquídea. A água da chuva é a fonte mais barata e mais facilmente disponível  de água limpa.

Outros fatores importantes
Além de uma fonte adequada dos elementos necessários, sefuintes fatores também devem estar presentes:
* Níveis de temperatura adequados;
* Umidade adequada;
* Níveis de luz adequados;
* Suprimento de ar adequados.

Tome nota de que, mesmo que os níveis de minerais sejam adequados, o crescimento ainda pode ser afetado se todos os fatores ambientais acima não forem suficientemente acessíveis.

Além disso, a fertilização em excesso pode levar a um fraco crescimento tornando as plantas vulneráveis a qualquer doença.

pétalas ao vento

ambiente

Algum tempo atrás pensava-se que as plantas epífitas, como grande parte das orquídeas que possuem as raízes expostas ao ar, não precisassem de fertilizantes já que na  elas estão anexadas a uma árvore  com pouco ou nenhum húmus ou qualquer outra fonte orgânica de nutrição.

Embora já se sabe que este não seja o caso, a nutrição da orquídea ainda é uma questão importante para muitos cultivadores: afinal, como as orquídeas suprem as suas necessidades nutricionais?

As orquídeas devem utilizar uma estratégia diferente para conseguir os nutrientes de que precisam, mas como? Preste atenção nas orquídeas que crescem no habitat natural, você vai perceber que na maior parte das vezes elas se desenvolvem nas proximidades das forquilhas e bifurcações de galhos.

O motivo é que exatamente nestes locais sempre acaba se acumulando detritos de origem vegetal, como sementes, casca, pequenos frutos, folhas, etc. Também ali se acumulam detritos de origem animal, como excrementos, cartilagens, cascas de ovos, insetos mortos entre outros.

Estes detritos depois de algum tempo se decompõe e se transformam em nutrientes que serão aproveitados também pelas orquídeas. Já quando cultivamos as orquídeas em nossa casa elas não possuem este recurso natural e precisamos utilizar de adubos para suprir estas necessidades da planta.

olho-de-boneca

Conceitos essenciais
Orquídeas devem adubadas somente nos meses quentes ou quando estão em pleno desenvolvimento vegetativo, porém evite fazer a adubação nas horas mais quentes do dia. A temperatura ideal fica na casa dos 20ºC.

Uma boa prática é regar as orquídeas na véspera da adubação foliar. Não esqueça também que as orquídeas possuem um crescimento lento e não possuem a capacidade de absorver uma dose grande de adubo de uma só vez, por esta razão é importante que você utilize quantidades pequenas de adubo.

Lembre-se do famoso ditado: “a diferença entre o remédio que cura e o veneno que mata está apenas na dosagem”.

Outros critérios essenciais
* Luminosidade: a luz é absolutamente indispensável no processo de absorção de fertilizante através das folhas;
* Umidade: a umidade do substrato desenvolve um papel fundamental, pois quando a planta está desidratada a absorção foliar diminui drasticamente.

barco1

Rhynchostylis11

A rega juntamente com correta iluminação são sem dúvida os fatores importantes na cultura de orquídeas, conhecer a dose certa de água que sua planta precisa é essencial.

É necessário regar a planta apenas quando o meio em que se encontra estiver seco.  A orquídea absorve água do ar, portanto este elemento desempenha um papel fundamental.

Ao molhar as orquídeas deve haver a combinação certa de ar e água. Se não houver ar suficiente para as raízes, o excesso de umidade fará com que o meio de cultura apodreça, propiciando doenças causadas pelos fungos e infecções.

A frequência da rega dependerá da temperatura e da umidade do ambiente.

Como saber quando a planta precisa de água
Uma maneira simples de saber quando suas orquídeas precisam de água é verificar o seu peso quando estiver molhada e depois quando estiver seca. Coloque o dedo cerca de 2,5 cm no meio para verificar a umidade.

Regue novamente quando o peso baixar consideravelmente ou quando o meio ficar seco a uma profundidade de 2,5 cm.

Necessidade baixa de água
Cattleyas, Lealiocattleyas , Brassolaeliocattleyas, Oncidiums, Miltonias e Odontoglossums são orquídeas epífitas ou enraizadas no ar com reservatório de água próprio ou pseudobulbos.

Elas devem ser regadas a cinco dias para permitir que sequem ligeiramente entre as regas e para que o ar possa circular entre as raízes epífitas.

Elas podem precisar de rega a cada 3 a 4 dias durante o meio do verão e entre 10 a 14 dias durante o inverno. Se tiver que “errar” então erre sempre para o lado seco em e tratar de rega.

Labiata-tipo-AD

Necessidade moderada de água
As Phalaenopsis também são epífitas, mas são monopodiais e não tem reservatório próprio de armazenamento de água, no entanto, alojam um pouco de água em suas folhas.

Elas, portanto, requerem ser regadas mais frequentemente do que as orquídeas que possuem pseudobulbos. Elas devem ser regadas para manter o meio de cultura seco por mais de um ou dos dias.

Necessidade alta de água
Paphiopedilums e Haemeria são semi terrestres ou terrócolas (que significa terra enraizada) e não se importam de ter “pés molhados”

Elas são orquídeas que preferem uma abundância de umidade e o solo pode permanecer úmido por vários dias, sem quaisquer efeitos nocivos.

As orquídeas terrestres são normalmente colocadas em vasos em um meio à base de turfa no qual retém mais água do que a mistura de cascas.

Erro comum na rega em vasos
A maioria das plantas são normalmente cultivadas em solo, não em casca ou outros meios como os quais as orquídeas são cultivadas, Devido aos diferentes meios de envasamento ajustes específicos devem ser tomados quando regamos as orquídeas.

Às vezes, o cultivador vai regar as orquídeas e notar algumas horas depois que o meio parece seco novamente.

A tendência do cultivador inexperiente é regar de novo a cada vez que o meio parecer seco, resultando em rega demasiada e o afogamento da orquídea.

O meio da orquídea absorve rapidamente a água e depois seca. Ele é solto e permite que o oxigênio flua ao redor das raízes da planta, o que é necessário para as raízes funcionarem corretamente.

Se o meio do envasamento é mantido, molhado o tempo todo, as raízes vão apodrecer e em breve a planta começará a murchar já que não pode absorver a água necessária.

orquidea_3

Orquídeas montadas (orquídeas que são cultivadas agarradas a um tronco, ramo ou pedaço de casca de árvore)
As orquídeas montadas devem ser regadas frequentemente, se possível, diariamente. Elas podem passar por alguns dias sem água, mas isso estressa a planta.

A necessidade de água das orquídeas montadas depende da quantidade de luz, ar, calor e umidade e do tipo de planta.

Por isso não existe uma regra clara, você precisa dedicar atenção e observar sua orquídea para entendê-la durante as estações do ano.

Se a planta for mantida dentro de casa, ela deve ser levada regularmente para a pia para ser regada, se houver um suporte então a montagem inteira pode ser trazida para a pia para serem regadas. Deixe a água correr por pelo menos alguns minutos para que as montagens se ensopem completamente.

Quando aumentar ou diminuir as regas
Veja algumas dicas úteis sobre quando a rega deve ser aumentada ou diminuída.

Quando regar mais as orquídeas:
* quando a orquídea estiver em um vaso que é menor do que 10 cm;
* quando a orquídea estiver em vaso de barro;
* quando a orquídea for montada ou estiver em uma cesta;
* quando a umidade do ar estiver abaixo de 40%;
* quando a temperatura estiver acima de 27ºC e a orquídea estiver exposta à luz solar direta;
* quando houver aumento de evaporação em torno da orquídea por causa do movimento do ar;
* quando a orquídea tiver folhas finas ou que ainda esteja, crescendo.

Quando regar menos as orquídeas
* depois de três dias nublados consecutivos já que a orquídea não está recebendo luz solar e precisa de menos água;
* quando a temperatura durante o dia no ambiente externo é de 15ºC ou menos;
* quando a orquídea estiver em um vaso de 10 cm ou maior;
* quando a orquídea estiver em um recipiente plástico;
* quando não houver muito movimento de ar em torno da orquídea;
* quando a umidade do ar for 70% ou superior;
* quando a orquídea possuir folhas grossas ou que esteja crescendo.

Cattleya Chocoensis

Sobre a qualidade da água
Na natureza, as plantas são encharcadas pela água da chuva que é o resultado da evaporação, portanto uma água extremamente pura. A qualidade da água, portanto é muito importante para uma boa cultura de orquídeas.

Apesar disso a água da torneira é aceitável para regar orquídeas. Água de um poço também pode ser usada desde que o teor de sal mineral seja abaixo de 120 PPM.

O uso da água dura (água dura é aquela com muitos sais dissolvidos nela, geralmente proveniente de aqüíferos com pedra calcária e com teor mineral acima de 120 PPM) resultará em depósitos duros sobre asa folhas das plantas, o que por sua vez causa o entupimento dos poros redução da transpiração.

É preciso ter cuidado ao usar água mole (poucos sais dissolvidos), pois pode conter sal e cloreto de Potássio. Embora o cloreto de Potássio não prejudique as plantas o sódio na água será, ao longo prazo, fatal para as orquídeas.

A melhor água para as orquídeas é a água processada por meio de um sistema de osmose inversa, o que remove a maioria dos minerais, da água.

outono_1