Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Orquídeas e Bromélias’

orquidea-grapete

Orquídeas são plantas caras, frescas, que só crescem num substrato especial, detestam água, dão poucas flores e só uma vez por ano.

Orquídea-grapete tem flores com perfume e cor de uva
O gênero Spathoglottis inclui cerca de 40 espécies, das quais a orquídea-grapete e a Spathoglottis plicata são as mais conhecidas (as duas são também muito parecidas, mas as flores da Spathoglottis plicata têm uma tonalidade clarinha, quase rosa).

A orquídea grapete é uma planta terrestre, herbácea, rizomatosa, acaule e ornamental. É originária do sudeste asiático e sudoeste do Oceano Pacífico onde ela forma grandes touceiras em encostas rochosas e clareiras de florestas. Geralmente lugares onde há muita umidade e sol direto durante quase o ano todo.

A Spathoglottis unguiculata é famosa por seu perfume, que lembra o cheiro de uva, daí seus nomes populares.

Ela faz grandes touceiras em encostas rochosas e clareiras de florestas, lugares onde há alta umidade e incidência direta dos raios de sol durante quase o ano todo.

Os numerosos botões surgem numa haste que pode alcançar 1 m de altura, e se abrem em sequência, uns cinco ou seis ao mesmo tempo, ao longo do ano todo, com mais frequência na primavera e no verão.

Floração
A orquídea grapete floresce durante quase o ano todo, principalmente na primavera e no verão. Suas inflorescências aparecem acima da folhagem e as flores vão abrindo de baixo para cima.

As flores são pink arroxeadas, com detalhes amarelos e um delicioso cheirinho de uva. Sua floração pode se estender de 30 a 45 dias.

Folhagem
Apesar de florescer bastante, o que mais se destaca é seu efeito entouceirado e suas folhas grossas e plissadas. Os cultivadores de orquídeas não costumam dar muita bola para ela, que muitas vezes é vendida como planta comum de jardim.

Possui pequenos pseudobulbos, de onde saem folhas grandes, plissadas, verde vibrantes, Formando uma linda touceira.

Por ser uma orquídea terrestre, seu cultivo é o mesmo da orquídea-bambu (Arundina bambusifolia) ou da orquídea-buquê-de-noiva (Neobenthamia gracilis). Isso significa que você não precisará de nenhum substrato especial para plantá-la, somente terra e húmus de minhoca.

spathoglottis-unguiculata

Ela também pode ser cultivada diretamente no chão, numa mistura de terra, areia e composto orgânico, adicionando farinha de osso à terra uma vez por mês.

Se preferir fazer a adubação das folhas, dilua 1 colher (café) de NPK 20-20-20 em 1 litro de água e borrife a folhagem uma vez por semana, de preferência de manhãzinha ou no final da tarde, quando o sol não está tão forte. Suspenda a adubação quando a planta estiver nos meses de dormência – nesse período, ela não tem atividade nenhuma.

Substrato e rega
Ela gosta de solo úmido, mas não encharcado. Quando não estiver florida e durante o inverno, quando ela entra em repouso vegetal, diminua as regas.

Como é uma orquídea terrestre, ela pode ser cultivada diretamente em canteiros adubados com húmus de minhoca, como forração, ou em maciços ou bordaduras, em locais semi-sombreados ou até mesmo ensolarados.

Também pode ser cultivada em vasos ou jardineiras. É bom misturar um pouco de areia no substrato para que ele fique mais permeável.

Como preparar o solo, a regas e a adubação da orquídea-grapete
Como adora sol e têm folhas grandes e plissadas – bem diferentes das folhas de outros gêneros mais populares de orquídeas –, essa espécie costuma ser vendida como planta comum de jardim, sem a pompa toda com que são comercializadas as Cattleya, por exemplo.

Além dessas particularidades, a orquídea-grapete também gosta de água: regue-a dia sim, dia não, mas não deixe que a água fique parada em suas raízes (portanto, nada de pratinho embaixo do vaso).

orquídea grapete

Mantenha-a úmida especialmente durante os meses em que estiver florida, diminuindo as regas quando notar que a floração acabou e a planta entrou em dormência, normalmente durante o inverno brasileiro.

Para acabar de vez com os preconceitos, uma última curiosidade: essa orquídea é tão barata e popular, que na Indonésia e em Taiwan se fabricam embalagens com suas folhas.

Ainda bem que aqui no Brasil não temos esse hábito. Afinal, as folhas da orquídea-grapete são tão bonitas que seria uma pena arrancá-las para fazer caixas.

primavera

bromelia-aechmea

Cultivar flores e plantas em casa é ótimo para dar um toque mais alegre ao ambiente e ter uma atividade para distrair a cabeça e relaxar. Inclusive você sabia que ter contato com plantas e com a terra é recomendado para aliviar o estresse?

O lado bom da história é que você não precisa de um curso de jardinagem para cuidar de algumas plantas. Se ainda não decidiu quais você quer ter em seu jardim – ou dentro da sua casa – pode apostar nas bromélias. Elas são muito bonitas e não tão difíceis de cuidar quando comparadas com flores e outras plantas.

Descubra o que você precisa fazer para cuidar de bromélias e entenda porque vale a pena sim cultivá-las!

Bromélias são bonitas fáceis de cuidar e se adaptam facilmente a qualquer ambiente. Você pode cultivá-las em casa ou apartamento e mesmo em um espaço menor conseguirá fazer com que cresçam tranquilamente.

Há também uma grande variedade de bromélias. Você pode ter mais do que uma em seu jardim ou espacinho de flores. Outra grande vantagem desta planta é que ela não atrai o mosquito da dengue, um dos grande vilões de quem tem vasos em casa.

bromelia

Como cuidar de bromélias: vaso ou aéreas
Quem quer ter bromélias em apartamento provavelmente vai optar por um vaso para plantá-las. O mesmo é válido para aqueles que não querem deixar a planta no jardim. Como as raízes se expandem e bromélias precisam de bastante água, o ideal é apostar nos vasos mais pesados, como os de barro.

O vaso também não pode ser muito grande, para evitar excesso de umidade nas raízes, que pode acabar deixando a planta doente. Tanto para plantio em vaso quanto direto da terra, você deve cuidar para que a base das folhas não fique em contato direto com o solo.

As bromélias aéreas são vendidas junto a um pedaço de madeira. Elas não devem ser plantadas no solo e sobrevivem presas a outras plantas (estilo as orquídeas). Nesse caso o ideal é ter alguma planta que se dê bem com a bromélia, para que você possa deixá-las juntas.

Luminosidade e temperatura
A luminosidade a que as bromélias devem ser expostas depende muito da variedade da planta que você apostar para ter em casa. Algumas delas, geralmente as com folhas mais acinzentadas, espinhentas, avermelhadas e prateadas gostam bastante do sol e podem ficar expostas por mais tempo.

Já aquelas que possuem folhas macias, verdes ou verdes mais escuras gostam mais de ficar a sombra e apreciam menor quantidade de luz ao longo do dia. Elas devem pegar sol, mas não ficar expostas o tempo todo, mas sim parte do dia e de preferência com momentos de sol mais leve.

Quanto a temperatura, por se tratarem de plantas tropicais, bromélias gostam de temperaturas mais elevadas. Se você vive em regiões mais frias, opte por deixá-las dentro de casa e em espaços mais quentinhos.

bromelia

Rega
Como são plantas de clima tropical as bromélias gostam de solos mais úmidos, mas isso não significa que você deve encharcar o vaso em que está a planta. Você deve molhar a área ao redor da base das plantas e nunca diretamente a base. O ideal inclusive é acrescentar a água diretamente no tanque ou roseta.

Em regiões mais úmidas a rega pode acontecer de uma a duas vezes por semana, enquanto que em locais com climas mais secos e durante o verão de três a quatro vezes por semana.

Nos dias muito quentes (temperaturas acima dos 30ºC) e com umidade do ar mais baixa você poderá usar um borrifador para espirrar um pouco de água diretamente sobre as folhas. Ainda assim, sem exageros. A ideia é manter a umidade da planta.

Solo
Essas plantas podem ser um pouco mais exigentes quanto ao solo, mas nada que vá dar muito trabalho. Gostam de alto teor de nutrientes orgânicos e pH mais próximo do neutro. Será preciso adubar o solo antes de plantar sua bromélia. Se for colocá-la em vaso, o indicado é comprar substrato de terra e não usar aquela que você tem no jardim.

Prepare uma mistura de terra, areia, pó de fibra de coco e húmus de minhoca. A maioria das bromélias vivem bem em misturas de terra, areia e fibra de coco. O mais importante é que o substrato consiga reter água, para ajudar a manter a umidade que essas plantas tanto gostam.

Se você apostou nas bromélias aéreas, prepare bem o solo da planta principal, já que sua bromélia se alimenta a partir dela. Pode seguir a mesma dica, mas antes verifique qual o pH e o substrato ideal da planta a que a bromélia está fixada.

bromélia imperial

Poda e floração
Se a sua preocupação eram as podas, saiba que as bromélias não precisam disso. A única coisa indicada é a remoção das folhas secas ou danificadas, para dar mais vivacidade a planta e permitir que ela continue se desenvolvendo.

Plantas mais velhas, mas que ainda produzem mudas também podem ser podadas, com o intuito de dar mais luminosidade. De resto não se preocupe com podas. Inclusive as bromélias não vão reconstruir as folhas que você cortar. Então tome cuidado com podas com intuito “estético”, apenas para deixar a planta do jeito que você quer.

Quanto a floração, é interessante saber que bromélias florescem apenas uma vez na vida e quando o fazem é para gerar novos brotos e significa que irão morrer em seguida. O broto é lateral e substitui a planta que em breve irá morrer. As bromélias só florescem quando atingem a maturidade e isso varia de acordo com seu tipo.

Algumas delas podem florescer em alguns meses, enquanto outras podem levar anos. Em situações que a planta sente-se ameaçada – fica exposta a um ambiente muito seco, por exemplo – ela pode acabar desenvolvendo as flores antes do tempo. É apenas uma forma de preservação.

bromélia Nidularium

Para garantir que suas bromélias cresçam saudáveis, é preciso ter alguns cuidados, como:

1. Evitar os pesticidas e fungicidas
As plantas são bastante resistentes quanto a doenças e pragas, então o melhor é não usar produtos como pesticidas e fungicidas. As pragas mais comuns que atacam esse tipo de planta são lesmas e lagartas, que podem ser facilmente removidas com a mão ou com uma pequena pá. Use luvas de jardinagem para retirar as lagartas.

Se sua bromélia for atacada por fungos, faça uma mistura caseira de sabão de coco dissolvido em água, e use uma esponja sobre as folhas para removê-los.

2. Observar a temperatura e a umidade do ar
Você já sabe que as bromélias são plantas tropicais. Ou seja, elas gostam de calor, mas não de ambientes secos. Esteja a planta dentro ou fora de casa, você precisa ficar de olho na temperatura e na umidade do ar. E se optou por plantar ela no jardim, precisa levar esses itens em consideração antes de realizar o plantio.

Se necessário, faça mais regas e borrife um pouco de água sobre as folhas. Mas lembre-se de fazer isso sempre depois que o sol se pôs ou logo no começo da manhã. Você não quer queimar as folhas da sua bromélia, não é mesmo?

3. Cuide para a planta não cair
Apesar de poderem ser plantadas em todos os tipos de vaso, o grande problema dos de plástico é que conforme a planta cresce (e fica mais pesada) há o risco do vaso cair no chão.

Se você preferiu esse modelo de vaso devido a sua melhor capacidade de reter a umidade, deixe a planta em um local em que não possa cair ou virar. Vale até cercar a bromélia com outros vasos. Assim evita o acidente.

bromélia1

4. Coloque um pires de borda alta embaixo do vaso
Por gostarem a umidade, as bromélias precisam que seu pires esteja sempre com um pouquinho de água. Mas não se preocupe com o mosquito da dengue. Basta usar um pires de borda alta ou um tanque e terra com bastante matéria orgânica.

Ainda assim, nada de acumular água ou encharcar o vegetal. Lembre-se que suas raízes gostam de umidade, mas podem apodrecer se estiverem sempre com água.

5. Não é necessário trocar a água
Quando as bromélias possuem tanque ou reservatório, não é necessário trocar sua água. Você deve apenas acrescentar mais água quando perceber que é preciso regar a planta novamente.

6. Faça mudanças de forma gradual
Se for preciso mudar sua bromélia de lugar, principalmente para um espaço menos ou mais ensolarado, o ideal é fazer isso com calma. Mesmo que você tenha notado que a planta na verdade precisa de mais luminosidade.

Algumas vezes você pode não acertar de cara que sua bromélia é daquelas que gostam bastante de sol – ou as que preferem menos luminosidade – e colocá-la no lugar errado. Mas vá com calma na mudança. Bromélias se adaptam aos poucos.

Se o problema for a luminosidade, comece colocando a planta por um pouco mais de tempo exposta ao sol, mas não vá imediatamente de 2h de sol para um dia inteiro.

janela-flor

orquídea drácula

Drácula é uma orquídea epífita muito incomum, popular entre os jardineiros por causa de sua beleza gótica ligeiramente estranha. É também chamada de orquídea-de-macaco por causa da forma da flor, que se assemelha à face do macaco. Esta espécie é isolada do gênero Masdeville, cujo cuidado é muito semelhante.

Drácula cresce principalmente nas florestas montanhosas do Equador e oeste da Colômbia, agarrando-se a árvores cobertas de musgo com raízes. Cresce a cerca de 1.800-2.200 m acima do nível do mar.

Agora esta espécie tem cerca de 135 variedades. Todas as espécies desta planta são relativamente baixas. A principal característica desta orquídea são as flores. Sépalas grandes, largas na base e nas extremidades parecem formar uma “cauda” fina.

Pétalas leves parecem insignificantes em comparação com sépalas. A folha inferior é aumentada e parece um lábio em forma de xícara. A coloração das pétalas varia muito, mas espécies com sépalas escuras são principalmente populares.

Durante a floração, uma orquídea traz em média 6 flores polinizadas por insetos, morcegos e até roedores.

Atualmente, muitas espécies de Drácula são muito raras, pois seu habitat é o Equador, um dos primeiros desmatamentos na América do Sul. O problema acabou sendo tão grande que, atualmente, existe uma reserva de orquídeas drácula projetadas para preservar as espécies dessa planta na natureza.

Infelizmente, uma das ameaças à orquídea é a sua popularidade, pois muitos amantes de orquídeas querem incluí-lo em sua coleção, retirando-o da natureza. Mas cuidar dessa planta em casa não é tão simples.

dracula-orchid

Drácula precisa fornecer uma luz brilhante, mas ao mesmo tempo difusa – como receberia em sua floresta tropical nativa.

Também é necessário garantir alta umidade, pois há nevoeiro e chuva nas montanhas. A planta não deve secar em princípio. O nível de umidade deve ser de pelo menos 75-80%.

Às vezes, as inflorescências “esperam” até que a umidade relativa atinja um certo nível para crescer ainda mais. Recomenda-se que 90% e mais, mas o risco de deterioração de novos brotos aumente.

Nesse caso, o ventilador ajudará, de modo que, em alta umidade, a flor não sofra parasitas, ou pelo menos garanta que a sala com a orquídea seja ventilada com bastante frequência.

Algumas espécies de drácula são sensíveis a sais dissolvidos – portanto, você também deve cuidar da água da mais alta qualidade. Se a planta no momento da rega com “espigões”, você deve garantir que não caia uma gota de água sobre eles, caso contrário, o “espigão” começará a apodrecer.

O solo também deve ser cuidado – a orquídea está contida em um substrato contendo musgo esfagno. Muitas espécies têm inflorescências suspensas, pelas quais devem ser mantidas ou imediatamente contêm a planta em uma cesta.

Naturalmente, também é necessária uma boa drenagem. A temperatura deve estar fria. A maioria das plantas germina em condições frias ou médias. Mas, ainda assim, vale a pena esclarecer as subespécies de Drácula para definir o regime correto de temperatura. Também é recomendado baixar a temperatura levemente à noite.

Drácula não precisa de poda e não gosta de transplantes. O transplante é recomendado apenas quando as raízes da planta crescem demais e vão além dos limites do recipiente que a contém.

Essa orquídea também pode ser chamada com segurança de conservadora – não tolera alterações em seu conteúdo. Não é recomendável nem virar o pote!

Fertilize a orquídea durante o período de crescimento, todas as semanas. O fertilizante é usado significativamente diluído (metade ou até quatro vezes menos do que em orquídeas comuns) e equilibrado; a planta deve ser lavada antes da nova rega para lavar os sais acumulados, cujo excesso essa orquídea não tolera.

A propagação de orquídeas é possível de várias maneiras, mas em casa apenas uma está disponível – vegetativa. A planta é dividida em várias partes, as fatias são secas com carvão.

orquídea drácula

Esta orquídea é afetada por um grande número de pragas e também é propensa a muitas doenças causadas por diferentes tipos de fungos e vírus.

Devido a todas essas dificuldades em criar um regime especial de temperatura, iluminação, ventilação e outras coisas, drácula é ainda mais atribuído às estufas do que às plantas domésticas. Mesmo os amantes mais experientes de orquídeas cometem erros no conteúdo de uma espécie em particular.

Mas esta planta agrada a floração em qualquer época do ano, você pode esquecer com segurança o período adormecido. Então, se você deseja admirar esta linda e incrível flor, terá que trabalhar duro.

mar

Catlleya Mossiae

As cattleyas são na maioria plantas epífitas, que no ambiente natural são encontradas nos troncos das árvores das florestas tropicais da América do Sul.

Foram descritas pelo horticultor e colecionador de plantas inglês William Cattley como as rainhas de todas as orquídeas. É um dos gêneros de orquídeas muito apreciadas em todo o mundo, possuem flores grandes e vistosas que cativam pelo formato e intensidade das cores.

Possuem pseudobulbos alongados e inchados, com uma ou duas folhas rígidas e intumescidas. A planta possui um rizoma, no qual nascem os pseudobulbos e as raízes.

Por norma os pseudobulbos menores e arredondados geralmente têm apenas uma folha na extremidade e vêm de climas mais quentes. Os pseudobulbos mais alongados e achatados geralmente terminam com duas ou três folhas alongadas e por regra vêm de habitats temperados.

As cattleyas são frequentemente confundida com as laélias, contudo diferenciam-se das demais por possuírem apenas quatro políneas (massa cerosa constituída por grãos de pólen), as laélias que possuem oito.

Como cuidar da Orquídea Cattleya
Condições favoráveis
As cattleyas apreciam climas quentes, com boa luminosidade, mas nunca sol direto, principalmente nas horas de maior calor. Não gosta de lugares muito abafados, procure colocá-la em ambiente bem ventilado.

Cattleya Chocoensis
Fertilização
A adubação é muito importante, deve ser generosa, mas suave e diluída.  É feita por adubos foliares ou granulados. Antes da floração forneça um adubo com formulação rica em fósforo e potássio, após a floração procure fornecer uma formulação equilibrada com os nutrientes NPK na mesma proporção.

Uma planta bem nutrida fica menos susceptível às doenças e oferecerá flores maiores e mais belas.

Rega
A irrigação deve ser regular mas com pouca água, uma a duas vezes por semana dependendo das condições ambientais. É importante deixar o substrato secar entre as regas.

Preferencialmente faça a rega no período da manhã com água morna. O equilibro é crucial porque o excesso de rega pode levar à podridão das raízes e consequente ao colapso da orquídea, em contra partida a falta de água pode levar à desidratação da planta e a cattleya pode não conseguir recuperar.

Pragas e doenças
A cattleya é sensível às doenças fúngicas, use um substrato de qualidade e mantenha uma boa ventilação. Tenha muita atenção aos sinais de modo a não deixar evoluir o ataque, porque depois da contaminação avançada as cattleya são difíceis de recuperar.

Cattleya labiata Lindl
Aspectos sensíveis
Observe o crescimento das folhas, se as novas rebentações forem menores do que as já existentes é um indicativo de que a cattleya está em déficit, pode ser rega ou adubação inadequada, substrato velho ou vaso pequeno.

A coloração das folhas poderá indicar se a planta recebe a luz adequada. Folhas muito escura poderão indicar falta de luminosidade, já as folhas amarelas podem assinalar excesso de luz.

Plantar e transplantar as orquídeas cattleya
O transplante da cattleya deve ser realizado após a floração, quando começamos a verificar que a planta começa a ultrapassar os limites do vaso.

A escolha do novo vaso deve ser ponderada, nunca se deve abusar no tamanho, dois ou três dedos da gema de crescimento até ao rebordo do vaso são suficientes.
Antes de iniciar a mudança coloque o vaso da cattleya dentro de um recipiente com água, de modo a facilitar a retirada da orquídea com o menor transtorno possível, porque as raízes das orquídeas são mais fáceis de manipular quando estão hidratadas.

Cattleya Haw Yuan Angel

Depois do vaso devidamente molhado, retire-o da água e vá apertando as laterais de modo a ir descolando as raízes das paredes. Depois puxe delicadamente a planta, com o cuidado de não pressionar nenhuma gema de crescimento.

Depois tente limpar todos os resíduos de substrato velho, vá ajudando a remoção delicadamente com os dedos   e se necessário passe água.

Durante o processo realize a limpeza dos pseudobulbos, remova a bainha (casca seca) que os envolve. Esta operação vai permitir verificar se a planta está em boas condições sanitárias, livre de fungos ou cochonilha.

Na hora de plantar a cattleya encoste a parte mais velha da planta à parede do vaso e mantenha a secção com gemas de crescimento liberta, de modo a que esta cresça livremente.

É importante colocar uma camada de drenagem no vaso, entre uma rega e outra o substrato têm de ficar completamente seco.  Depois posicione cattleya e aconchegue-a com o substrato.

cattleya-labiata7

As orquídeas cattleya possuem um rizoma, uma extensão que liga os pseudobulbos. Este rizoma não deve de modo algum ficar enterrado, deve ficar sempre sobre o substrato, mesmo que as raízes não fiquem totalmente enterradas. Caso contrário ele poderá apodrecer e levar ao definhamento da cattleya.

Por fim tutore a planta, é essencial que a cattleya se sinta segura, regue bem até a água sair pelos furos do pote.

É importante escolher um bom substrato, uma mistura que tenha por base a casca de pino. Mas atenção, não é qualquer casca de pino. Um substrato indicado a orquídeas passa por um processo de tratamento, onde é retirado o tanino da casca de pino.

O tanino é prejudicial ao desenvolvimento das orquídeas, leva ao definhamento e secagem das raízes.

Cattleya_leopoldii_

Plantar cattleya em árvores
A cattleya também pode ser amarrada nos ramos das árvores, desde que lhe seja oferecida uma boa luminosidade e ao mesmo tempo fique protegida da incidência direta do sol.

Acomode a orquídea na árvore, com um pouco de musgo e prenda-a com algo que não a machuque, como um barbante de tecido, sisal ou outro material que se decomponha com o tempo.

No inicio procure molhar a cattleya até ela se adaptar, depois ela quase caminha sozinha.

Multiplicação da orquídea cattleya
Os pseudobulbos da cattleya, assim como a grande maioria das orquídeas são reservatórios de água e nutrientes, eles permitem alimentar a planta e apoiá-la nas alturas de maior stress.

Na hora de dividir deixe pelo menos quatro pseudobulbos por planta, de modo a facilitar a recuperação e futuro desenvolvimento da planta.

Depois de executar o processo de limpeza descrito acima na descrição de transplante, é hora de cortar a planta. Antes de concretizar a incisão, esterilize o material de corte.

Corte o rizoma com firmeza e separe delicadamente as raízes com as mãos, até separar a ramagem. Depois de realizada a separação convém selar o core, poderá fazê-lo com canela.

Paisagem