Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Jardins e Manutenção’

ervas aromáticas

As ervas aromáticas oferecem as mais variadas formas e ainda produzem flores delicadas e bonitas. Muitas ervas aromáticas são de pequeno porte e tão fáceis de cultivar que podem ser plantadas até em pequenos vasos ou jardineiras, formando um belo conjunto ornamental.

Diversas ervas aromáticas podem compor um jardim útil e perfumado. Plantar ervas aromáticas podem trazer benefícios, além de aproveitar suas propriedades como temperos ou medicinais.

Alecrim, alfavaca, camomila, cerefólio, melissa, erva-doce, hortelã, manjericão e sálvia,  são apenas alguns exemplos. Algumas ervas preferem crescer em local aberto e ensolarado, enquanto outras conseguem crescer bem até à meia-sombra. Por essa razão, é importante conhecer bem as exigências de cada uma delas.

Tanto no jardim como em vasos, o solo ideal para o plantio de ervas aromáticas deve ser leve, fofo, poroso, bem drenado e arejado, para favorecer a circulação do ar e da água – essenciais para o bom desenvolvimento das plantas. A adição de areia e matéria orgânica à terra comum do jardim, torna-se essencial para garantir essas condições.

jardim-aromático1

Para o plantio em vasos e jardineiras, recomenda-se a seguinte mistura:
- 1/3 de terra comum
- 1/3 de adubo orgânico bem curtido
- 1/3 de areia grossa lavada

Antes de encher o vaso ou jardineira com esta mistura, coloque no fundo uma camada de cascalho para garantir a drenagem.

Algumas ervas podem ser semeadas diretamente no local definitivo, outras devem ser semeadas em sementeiras, para a formação de mudas que serão transplantadas posteriormente.

Na etapa do plantio, é importante escolher sementes de boa qualidade, com alto poder germinativo. Por essa razão, o ideal é adquirir as sementes em lojas especializadas.

Algumas ervas aromáticas podem ser multiplicadas por meio de estacas de caule ou divisão de touceira. Neste caso, observe sempre que a planta-mãe (da qual serão retiradas as estacas ou touceiras) deve ser sadia, robusta e livre de pragas ou doenças.

Mudas de ervas aromáticas devem ser cuidadosamente regadas no início de seu desenvolvimento. De forma geral, deve-se evitar as regas escassas e as muito frequentes.

É preferível fazer regas fartas e esparsas, escolhendo o período da manhã ou o final da tarde para realizá-las. A drenagem é outro fator importante: terra encharcada pode ser fatal para as ervas.

A adubação orgânica é a mais indicada para este tipo de cultivo. Bem curtido, o composto orgânico fornece os nutrientes necessários às plantas e ainda melhora as condições gerais do solo.

O composto orgânico deve ser incorporado à terra cerca de um mês antes do plantio. Já a adubação química (à base de nitrogênio, fósforo e potássio – NPK) pode ser uma boa opção como complemento e manutenção.

Neste caso, recomenda-se observar as exigências de cada planta e aplicar o produto seguindo rigorosamente as orientações do fabricante

Em geral, as ervas aromáticas são muito resistentes ao ataque de pragas e doenças, sendo que algumas são até boas repelentes de insetos.

jardim-aromático1

Entretanto, certas medidas são fundamentais na prevenção destes problemas:
* Usar sementes ou mudas de boa procedência;
* Obedecer às exigências das plantas, garantindo-lhes os tratos culturais adequados;
* Observar as condições de luminosidade e umidade essenciais para o bom desenvolvimento das plantas.

Pequenos insetos podem ser combatidos com a tradicional calda de fumo e lagartas podem ser catadas manualmente, facilmente atraídas com cascas de chuchu ou abóbora espalhadas à noite pelo canteiro ou perto das jardineiras. A calda bordalesa pode ser aplicada como medida preventiva contra o ataque de doenças.

Manter as plantas livres de folhas ou galhos secos, eliminar plantas daninhas ou concorrentes e afofar a terra periodicamente são tratos culturais simples, mas necessários para o sucesso no cultivo de ervas aromáticas.

Rosmarinus_officinalis01

Alecrim (Rosmarinus officinalis L.)
Planta pertencente à família das Labiadas, muito fácil de ser cultivada em canteiros e vasos. O plantio por meio de sementes é muito demorado, por isso recomenda-se a multiplicação por mudas ou estacas de galho (medindo cerca de 15 a 20 cm).

O alecrim se desenvolve bem em solos leves e bem drenados, mas o essencial para o seu desenvolvimento é receber sol direto em boa parte do dia.

As regas devem ser escassas, sem encharcamento e, para garantir sua floração, recomenda-se abrigar a planta contra ventos fortes. A colheita dos ramos mais novos favorece a rebrota.

Dica para secagem: amarrar pequenos maços de alecrim e pendurar com ramos para baixo, em local sombreado e arejado.

B/10/14 Basilico ( Ocimum basilicum )

Alfavaca (Ocimum basilicum L.)
Também pertencente à família das Labiadas, é uma planta de odor agradável que produz ponteiros floridos e muito ornamentais. Seu cultivo é muito simples em canteiros, vasos e jardineiras porém, é essencial que a planta receba luz solar direta na maior parte do dia. A propagação pode ser feita por meio de sementes ou mudas com boas raízes.

A mistura de solo ideal para o plantio é composta de 2/3 de terra comum e 1/3 de adubo orgânico. Quanto às regas, devem ser frequentes sem, contudo, deixar a terra encharcada, pois o excesso de umidade irá favorecer a proliferação de fungos.

Dica de secagem: a alfavaca costuma perder parte de seu aroma depois de seca. Quando a finalidade for a secagem, o ideal é colher os ramos duas a três semanas antes da floração, amarrar em pequenos maços e pendurar com as folhas para baixo em local arejado e com pouca luminosidade.

Matricaria chamomilla L.

Camomila (Matricaria chamomilla L.)
Planta da família das Compostas, produz flores pequenas e delicadas, responsáveis pelas propriedades medicinais e aromáticas. Seu cultivo é mais indicado em vasos ou jardineiras colocados em local onde recebam muito sol direto. O solo deve ser fofo, poroso e com boa drenagem, sem excesso de adubação.

Sua propagação se dá por meio de sementes ou estacas de galho (neste caso, o melhor período é a primavera). Durante as regas, recomenda-se cuidado para não encharcar demais a terra junto às raízes. As flores para secagem devem ser colhidas antes de se abrirem por completo, em dia de sol e tempo seco.

Dica para secagem: Colocar os galhos floridos estendidos sobre um tecido de trama larga e deixar à sombra, em local arejado e fresco.

Melissa officinalis L.

Melissa (Melissa officinalis L.)
Pertencente à família das Labiadas, a melissa apresenta propriedades aromáticas tanto nas sumidades floridas como nas folhas. Trata-se de uma planta perene cujas flores delicadas além de atraírem as abelhas ainda têm função ornamental. Seu plantio pode ser feito por meio de sementes, divisão de touceiras ou estaquia.

A melissa necessita de muita luz solar, mas tolera bem locais parcialmente sombreados durante parte do dia. Solos profundos e ricos e matéria orgânica são os ideais para o seu cultivo. A colheita da melissa deve ser feita em dias secos. Como se trata de uma planta que possui tecidos frágeis, recomenda-se manipulá-la o menos possível.

Dica de secagem: O processo de secagem pode ser o mesmo indicado para a camomila.

Mentha piperita L.

Hortelã (Mentha piperita L.)
Outra representante da família das Labiadas. A hortelã apresenta aroma muito característico, resultado da concentração de sua essência – o mentol. O cultivo em jardins, vasos e jardineiras é muito simples e a propagação é feita por meio de mudas e estacas de galho, uma vez que a planta não produz sementes.

A adubação do solo deve ser fraca, para que a planta não se desenvolva muito, prejudicando a concentração da essência. Outro cuidado: as mudas devem ser protegidas contra o excesso de sol, que pode queimar as folhas.

Os ramos frescos de hortelã mantém seu aroma mais intenso, mas a planta pode ser submetida à secagem.

Dica de secagem: Pendurar os galhos de hortelã com as folhas para baixo, em local sombreado, fresco e arejado.

Salvia officinalis L.

Sálvia (Salvia officinalis L.)
A sálvia também pertence à família das Labiadas e é utilizada como erva aromática e medicinal há séculos. Existem variedades de sálvia com folhas largas e outras variedades com folhas estreitas, sendo que as de folhas largas são as mais aromáticas.

As flores da sálvia, conforme a variedade, podem ser azuladas, violetas, rosadas ou brancas. A multiplicação se dá por meio de sementes ou estacas de galho. É possível melhores resultados no plantio em vasos do que em canteiros, quando o local é bem ensolarado.

A planta adulta pede regas esparsas, sem encharcamento. A erva fresca mantém maior concentração do seu aroma.

Dicas de secagem: Os ramos, floridos ou não, devem ser pendurados com as folhas para baixo, em local seco, arejado e à sombra. Para conservar os ramos secos, guardar em recipientes fechados.

agua xzO

helicônia

Finalmente você realizou o seu sonho de morar em uma casa. Mais qualidade de vida, num condomino talvez, com o conforto que você sempre quis. E aquele tão desejado jardim! Um gramado… Naquele canto seria ótimo ter uma árvore!

São pensamentos mais comuns do que se imagina e as opções, infinitas. Revistas, livros, cursos e profissionais são fundamentais para se amadurecer uma idéia. Mas no trato diário posterior o que fazer? Ou melhor, o que não fazer?

Isso mesmo, o que não fazer, pois às vezes o excesso de cuidados pode ser ainda mais prejudicial do que a falta dele.

Aí vão algumas dicas, então, do que não fazer
* Não se deve adubar o jardim no final do verão, principalmente se você mora em regiões frias, sujeitas à geadas. A razão é simples: quando fertilizamos uma planta, enviamos uma informação para que ela cresça e se desenvolva.

Esse broto ficará sujeito a temperaturas baixas e ventos frios, correndo o risco de se danificar. Além disso, é o período que a planta está se preparando para descansar, depois de vários meses se desenvolvendo.

* A grama sim deve ser adubada. Especialmente para as que se desenvolvem em climas quentes, devemos evitar a adição excessiva de nitrogênio. Para aquelas em climas frios, podemos proteger o gramado, fazendo uma cobertura com solo.

* Não devemos podar o gramado muito baixo. Além de prejudicar o crescimento da grama, ainda proporcionamos o crescimento de ervas daninhas.

jardim2

* Não devemos estaquear as mudas de árvores pensando em orientá-las a crescer retas, verticais. Os tutores servem mais para sinalizar e protege-las de danos e quebras. As árvores seguirão sempre em busca do sol e da luminosidade, com ou sem estacas.

* Não ande sobre os canteiros, ou pelo menos, pise somente o necessário. Defina bem os caminhos, pois, ao pisarmos no solo, este fica compactado e prejudica o crescimento das plantas.

* Não trabalhe muito o solo. Algumas pessoas acreditam (erroneamente), que um bom solo é aquele bem fininho, homogêneo. Na verdade, quanto mais diversificada a matéria do solo melhor.

jardim em vasos

* Um solo muito homogêneo se compacta muito fácil. O ideal é que ele tenha bastante matéria orgânica para que possa ter uma boa drenagem e se mantém úmido por mais tempo, além de fornecer mais nutrientes às plantas.

* Não use agrotóxicos. Antes de chegar a este extremo, existe uma infinidade de opções para se combater pragas e ervas daninhas. Para cada tipo de ataque temos um contra ataque que não terá efeitos colaterais, não contaminará o solo e não prejudicará o meio-ambiente nem sua família.

chuva-5

ervas-daninhas

As ervas daninhas normalmente são descritas como plantas indesejáveis, crescendo em terras cultiváveis e aguardam o plantio, depois de uma nova onda de germinação as ervas daninhas emergem com a lavoura.

Em algumas lavouras perenes, como por exemplo de pés de frutas, videiras, seringueiras, dedenzeiros, entre uma série de outros, as ervas daninhas costumam crescer de forma contínua, e este crescimento deverá acompanhar o clima e também as mudanças de estação.

Existe uma série de fatores que as ervas daninhas podem ser indesejadas.

Vejam algumas razões a seguir:
Primeiramente, elas competem com plantas de lavoura por luz, água e também nutrientes, reduzindo safras e a qualidade da plantação e dos frutos.

Podem servir como uma série de habitat para pragas ou mesmo doenças, onde podem atacar até mesmo de forma silenciosa a lavoura.

Ervas daninhas maiores, sendo trepadeiras ou mesmo espinhosas, poderão dificultar as entradas da lavoura, para que aconteça o controle de pragas e doenças, bem como a aplicação dos fertilizantes, colheita e também outros vários procedimentos.

Normalmente as ervas daninhas são pouco estimulantes, porém nem sempre um problema, podem porém em alguns casos desempenhar papéis importantes reduzindo assim a erosão do solo, e ainda servir de habitat para insetos que são úteis e a vida silvestre, aumentando assim a biodiversidade da região.

Ervas-Daninha

Não são somente os efeitos através das lavouras atuais que podem contar, e as ervas daninhas deverão ser sempre manejadas.

As ervas daninhas se tornam um verdadeiro problema quando atingem um tamanho exato e também um número crítico de plantas, que dependem exclusivamente da agressividade de uma determinada espécie.

É parte do trabalho de qualquer agricultor o manejo e a remoção de ervas daninhas, e o paraquat, que é um produto químico utilizado e seguro, é ótimo para se economizar, e de forma segura colocar no meio ambiente.

Com isto podemos contar com uma série de ervas daninhas, estas com suas gravidades específicas se estiverem em determinado local, veja a seguir os tipos de ervas daninhas.

ervas-daninhas-1

Tipos de ervas daninhas
As ervas daninhas devem ser classificadas de acordo com o formato de suas folhas, em seu ciclo de vida e sua preferência por climas ou estações, elas são classificadas da seguinte forma.

Sobre o formato de suas folhas, como folhas largas, ou as chamadas gramíneas, as folhas das ervas daninhas contam com vários formatos, possuem folhas estreitas e longas, se diferenciam claramente, sendo que todas as demais pertencem a um grupo de folhas largas.

As ervas daninhas de folhas largas possuem sem4entes com um par de órgãos que são armazenados os quais depois de sua germinação se transformam nas primeiras folhas, podem também ser chamadas de dicotiledôneas.

As ervas daninhas gramíneas são consideradas monocotiledôneas, existem porém algumas exceções onde uma monocotiledônea incomum poderá contar com folhas largas, como ervas daninhas de gênero Commelina, o que é bem importante nas regiões tropicais.

Existem outras classes bastante semelhantes as gramíneas, que contam com relativamente poucos membros, que são os caniços, estes são importantes pois são difíceis de serem controlados e na verdade as pragas  tiririca, junça ou “barba de bode” podem certamente ser consideradas as piores ervas daninhas do mundo.

Anuais ou perenes, são assim caracterizadas pois germinam, florescem, e ainda produzem sementes em apenas uma estação. As perenes possuem órgãos de armazenamento subterrâneos, que são chamados rizomas, oferecendo o seu crescimento por muitos anos.

Podem se reproduzir através de sementes em uma só estação. As perenes deverão contar com órgãos de armazenamento subterrâneos, geralmente se reproduzindo por muitos anos, tanto através da semente como também pelas extensões de rizomas, onde crescem as plantas filhas.

flor-do-guarujá

Já um terceiro tipo de germina em uma estação e floresce na outra, estas são as chamadas bianuais. A estação do inverno faz com que elas soltem um ramo alto e florescente.

Nas estações frias e quentes, as ervas daninhas evoluíram para crescer melhor tanto em temperaturas diferenciadas como na duração do dia específicos. Isto certamente pode definir o tipo de lavouras que podem ser encontradas e nas épocas que elas germinam, existem as anuais de inverno e as anuais de verão.

As de climas tropicais com estações secas e chuvosas, diversas espécies tentam predominar mais em uma estação do que a outra.

Os herbicidas considerados de utilização em pós emergência costumam agir entrando nos ramos e também via solo. Os herbicidas de pré emergência devem afetar as sementes em germinação apresentando algum grau de persistência no solo, para um efeito que seja redizual evitando novas ondas de germinação das pragas.

Raízes são adaptadas para absorver água, por este motivo os herbicidas solúveis ativos no solo, possuem um caminho fácil para entrarem nas plantas. Os ramos das plantas podem contar com uma espessa cutícula cerosa, que deverá auxiliar na retenção de água.

Já os herbicidas foliculares, precisam por sua vez, cruzar esta barreira para entrar na planta. As folhas deverão ter poros, que são os chamados estômatos, através dos quais o dióxido de carbono, o oxigênio e o vapor da água deverão se difundir, porém eles geralmente são pequenos demais para que permitam a penetração nas gotículas pulverizadas.

Ao ter contato com o solo, alguns herbicidas costumam se mover de forma extensiva pela erva daninha, e este movimento acontece através da transpiração ou mesmo de água, o que é absorvida pelas raízes evaporando nos estômatos das folhas, ou mesmo com os açúcares produzidos através da fotossíntese os quais normalmente são levados das folhas para os pontos de crescimento.

lguinho

jardim miniatura

Quem não gosta de um belo jardim não é verdade? Ou mesmo de plantas? O ato de plantar poderá ser uma terapia bastante interessante que pode até mesmo ser comparado como o de cuidar de uma criança.

As plantas requerem um cuidado especial, ela requer sempre que possível amor, e podemos ter todos os tipos de planta, mas ela somente deverá ser bonita se lhe dermos o devido amor e carinho. Uma planta é uma vida e para a vida temos de dar amor e cuidados.

Confira As Dicas
É muito importante temos um jardim, já que o oxigênio vem das plantas, se mora em apartamentos por exemplo, poderá ter vasos com plantas. Existe uma grande variedade de plantas ornamentais que são próprias para quem mora em apartamentos ou casa, e existem plantas que para este efeito não se adaptam bem pois não gostam de muito sol.

bonsai azaléia

Plantas ideais para plantar dentro de casa
Uma das plantas ideais para se ter dentro de casa é o bonsai, esta que é uma árvore pequena e muito bonita, que poderá ornamentar o seu apartamento ou mesmo a sua casa. O bonsai tem sua origem na China no século III a.c.

Apesar disto foram os japoneses que começaram a aprimorar esta técnica, incluindo na sua cultura como uma arte e também objeto de culto e meditação. A técnica do bonsai não se trata apenas de uma planta específica, porém de uma técnica utilizada em uma árvore como um objeto que deverá estar em miniatura. Não existem árvores do bonsai, mas sim árvores que podem se transformar pelo processo de bonsai.

As manutenções de criação do bonsai consistem em conservar a terra úmida, e manter o vaso em locais ventilados, que tenham incidência de raios solares direta, e geralmente por meio período. Além disso outra alternativa interessante é podar os galhos para que aconteça a manutenção dos formatos desejados.

Adubar a terra apenas a cada três anos em média, dependendo das espécie que você tiver, a troca da terra deverá ser realizada por processos simples, que não devem tomar muito o seu tempo, levando praticamente em torno de uma meia hora, e os fertilizantes utilizados podem ser orgânicos ou mesmo químicos.

Uma boa dica de adubos orgânicos é a utilização de farinha de osso, além de torta de mamona ou esterco de frango curtido. No caso de adubos químicos é bem importante se ter o conhecimento de dosagens, e o excesso normalmente poderá ser fatal para o bonsai.

jardim

A escolha do melhor lugar para a planta
O sol durante a manhã, é algo ideal para se utilizar e colocar o bonsai. Por este motivo procure colocar nas janelas ou nas varandas que possam receber os primeiros raios do dia. E ainda jamais procure colocar sobre os eletrodomésticos, o calor emitido pelo equipamento poderá prejudicar a saúde da planta.

A utilização de ar condicionado por sua vez poderá ser algo fatal, procure evitar mudar o bonsai de lugar, o que é ideal é o girar de dois em dois meses, para que os brotos e também as folhas possam se desenvolver pelo mesmo período e a planta ainda não crescer de forma desproporcional.

Além disso, o vento excessivo e a chuva direta poderá danificar a planta, por este motivo procure escolher um local que seja arejado porém protegido.

jardiminitura

A frequência das regas e a umidade
Os horários ideais para se regar as plantas é no início da manhã, ou mesmo no final da tarde, isto deverá valer também para os bonsais. O que é importante é que o torrão possa estar sempre úmido, e nunca deverá estar encharcado.

Procure regar totalmente e lentamente até que a água comece a escorrer através dos orifícios inferiores.  Procure nunca deixar a água acumulada no seu pratinho, as raízes podem apodrecer com facilidade. Vale lembrar que é interessante se molhar as folhas, porém isto não significa regar a planta.

Se perceber que a terra estará muito seca, no caso de um ou mesmo dois dias sem a ausência de água. Caso quiser perceber que a terra está muito seca, no caso de um ou dois dias de ausência da água, procure mergulhar o torrão em uma bacia cheia, para que a terra possa absorver a água por igual, um período máximo entre as regas é de dois dias.

O melhor jeito de fazer as podas
A poda das folhas deverá servir para controlar o crescimento excessivo dos ramos, sempre que os galhos tiverem dez ou mais pares de folha, procure reduzir para quatro ou cinco pares. A poda ainda poderá ajudar a criar espaços vazios entre os galhos, com isto é necessário que todos os ramos da planta possam receber luz.

A poda das raízes dever ser realizada, e este corte deverá atrofiar a planta, permitindo assim que ela chegue á idade adulta sem crescer demais. Procure em seguida retirar o bonsai do vaso, cortando as raízes inferiores.

Nunca corte as laterais. Logo em seguida procure devolver ao vaso, completando assim os pedaços que estiverem livres com terra. Plantas que tiverem até três anos deverão ser podadas o ano todo, depois deste processo a poda deverá acontecer a cada cinco anos.

Outras plantas são interessantes e serem cultivadas em bonsai, como por exemplo, a roseira miniatura, que é uma planta reduzida que deverá reduzir e oferecer muita beleza por diversas vezes a fragrância das rosas tradicionais, mas também em tamanhos da miniaturas. Normalmente são utilizadas com plantas de vaso devido ao seu tamanho.

A floração, na roseira deverá contar com o início da primavera, até meados de outono.

A luz deverá sofrer uma incidência indireta, procure levar a planta para um local ensolarado e também bem arejado. Para que se floresçam bem a roseira precisará de um sol pleno, pelo menos de seis a sete horas diárias de luz solar, podendo ficar nas sacadas

Dicas para o crescimento
As roseiras deverão ser plantadas em terras drenadas, corte as flores velhas com frequência para ajudar as flores novas.

lguinho