Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Jardins e Manutenção’

ervas-daninhas

As ervas daninhas normalmente são descritas como plantas indesejáveis, crescendo em terras cultiváveis e aguardam o plantio, depois de uma nova onda de germinação as ervas daninhas emergem com a lavoura.

Em algumas lavouras perenes, como por exemplo de pés de frutas, videiras, seringueiras, dedenzeiros, entre uma série de outros, as ervas daninhas costumam crescer de forma contínua, e este crescimento deverá acompanhar o clima e também as mudanças de estação.

Existe uma série de fatores que as ervas daninhas podem ser indesejadas.

Vejam algumas razões a seguir:
Primeiramente, elas competem com plantas de lavoura por luz, água e também nutrientes, reduzindo safras e a qualidade da plantação e dos frutos.

Podem servir como uma série de habitat para pragas ou mesmo doenças, onde podem atacar até mesmo de forma silenciosa a lavoura.

Ervas daninhas maiores, sendo trepadeiras ou mesmo espinhosas, poderão dificultar as entradas da lavoura, para que aconteça o controle de pragas e doenças, bem como a aplicação dos fertilizantes, colheita e também outros vários procedimentos.

Normalmente as ervas daninhas são pouco estimulantes, porém nem sempre um problema, podem porém em alguns casos desempenhar papéis importantes reduzindo assim a erosão do solo, e ainda servir de habitat para insetos que são úteis e a vida silvestre, aumentando assim a biodiversidade da região.

Ervas-Daninha

Não são somente os efeitos através das lavouras atuais que podem contar, e as ervas daninhas deverão ser sempre manejadas.

As ervas daninhas se tornam um verdadeiro problema quando atingem um tamanho exato e também um número crítico de plantas, que dependem exclusivamente da agressividade de uma determinada espécie.

É parte do trabalho de qualquer agricultor o manejo e a remoção de ervas daninhas, e o paraquat, que é um produto químico utilizado e seguro, é ótimo para se economizar, e de forma segura colocar no meio ambiente.

Com isto podemos contar com uma série de ervas daninhas, estas com suas gravidades específicas se estiverem em determinado local, veja a seguir os tipos de ervas daninhas.

ervas-daninhas-1

Tipos de ervas daninhas
As ervas daninhas devem ser classificadas de acordo com o formato de suas folhas, em seu ciclo de vida e sua preferência por climas ou estações, elas são classificadas da seguinte forma.

Sobre o formato de suas folhas, como folhas largas, ou as chamadas gramíneas, as folhas das ervas daninhas contam com vários formatos, possuem folhas estreitas e longas, se diferenciam claramente, sendo que todas as demais pertencem a um grupo de folhas largas.

As ervas daninhas de folhas largas possuem sem4entes com um par de órgãos que são armazenados os quais depois de sua germinação se transformam nas primeiras folhas, podem também ser chamadas de dicotiledôneas.

As ervas daninhas gramíneas são consideradas monocotiledôneas, existem porém algumas exceções onde uma monocotiledônea incomum poderá contar com folhas largas, como ervas daninhas de gênero Commelina, o que é bem importante nas regiões tropicais.

Existem outras classes bastante semelhantes as gramíneas, que contam com relativamente poucos membros, que são os caniços, estes são importantes pois são difíceis de serem controlados e na verdade as pragas  tiririca, junça ou “barba de bode” podem certamente ser consideradas as piores ervas daninhas do mundo.

Anuais ou perenes, são assim caracterizadas pois germinam, florescem, e ainda produzem sementes em apenas uma estação. As perenes possuem órgãos de armazenamento subterrâneos, que são chamados rizomas, oferecendo o seu crescimento por muitos anos.

Podem se reproduzir através de sementes em uma só estação. As perenes deverão contar com órgãos de armazenamento subterrâneos, geralmente se reproduzindo por muitos anos, tanto através da semente como também pelas extensões de rizomas, onde crescem as plantas filhas.

flor-do-guarujá

Já um terceiro tipo de germina em uma estação e floresce na outra, estas são as chamadas bianuais. A estação do inverno faz com que elas soltem um ramo alto e florescente.

Nas estações frias e quentes, as ervas daninhas evoluíram para crescer melhor tanto em temperaturas diferenciadas como na duração do dia específicos. Isto certamente pode definir o tipo de lavouras que podem ser encontradas e nas épocas que elas germinam, existem as anuais de inverno e as anuais de verão.

As de climas tropicais com estações secas e chuvosas, diversas espécies tentam predominar mais em uma estação do que a outra.

Os herbicidas considerados de utilização em pós emergência costumam agir entrando nos ramos e também via solo. Os herbicidas de pré emergência devem afetar as sementes em germinação apresentando algum grau de persistência no solo, para um efeito que seja redizual evitando novas ondas de germinação das pragas.

Raízes são adaptadas para absorver água, por este motivo os herbicidas solúveis ativos no solo, possuem um caminho fácil para entrarem nas plantas. Os ramos das plantas podem contar com uma espessa cutícula cerosa, que deverá auxiliar na retenção de água.

Já os herbicidas foliculares, precisam por sua vez, cruzar esta barreira para entrar na planta. As folhas deverão ter poros, que são os chamados estômatos, através dos quais o dióxido de carbono, o oxigênio e o vapor da água deverão se difundir, porém eles geralmente são pequenos demais para que permitam a penetração nas gotículas pulverizadas.

Ao ter contato com o solo, alguns herbicidas costumam se mover de forma extensiva pela erva daninha, e este movimento acontece através da transpiração ou mesmo de água, o que é absorvida pelas raízes evaporando nos estômatos das folhas, ou mesmo com os açúcares produzidos através da fotossíntese os quais normalmente são levados das folhas para os pontos de crescimento.

lguinho

jardim miniatura

Quem não gosta de um belo jardim não é verdade? Ou mesmo de plantas? O ato de plantar poderá ser uma terapia bastante interessante que pode até mesmo ser comparado como o de cuidar de uma criança.

As plantas requerem um cuidado especial, ela requer sempre que possível amor, e podemos ter todos os tipos de planta, mas ela somente deverá ser bonita se lhe dermos o devido amor e carinho. Uma planta é uma vida e para a vida temos de dar amor e cuidados.

Confira As Dicas
É muito importante temos um jardim, já que o oxigênio vem das plantas, se mora em apartamentos por exemplo, poderá ter vasos com plantas. Existe uma grande variedade de plantas ornamentais que são próprias para quem mora em apartamentos ou casa, e existem plantas que para este efeito não se adaptam bem pois não gostam de muito sol.

bonsai azaléia

Plantas ideais para plantar dentro de casa
Uma das plantas ideais para se ter dentro de casa é o bonsai, esta que é uma árvore pequena e muito bonita, que poderá ornamentar o seu apartamento ou mesmo a sua casa. O bonsai tem sua origem na China no século III a.c.

Apesar disto foram os japoneses que começaram a aprimorar esta técnica, incluindo na sua cultura como uma arte e também objeto de culto e meditação. A técnica do bonsai não se trata apenas de uma planta específica, porém de uma técnica utilizada em uma árvore como um objeto que deverá estar em miniatura. Não existem árvores do bonsai, mas sim árvores que podem se transformar pelo processo de bonsai.

As manutenções de criação do bonsai consistem em conservar a terra úmida, e manter o vaso em locais ventilados, que tenham incidência de raios solares direta, e geralmente por meio período. Além disso outra alternativa interessante é podar os galhos para que aconteça a manutenção dos formatos desejados.

Adubar a terra apenas a cada três anos em média, dependendo das espécie que você tiver, a troca da terra deverá ser realizada por processos simples, que não devem tomar muito o seu tempo, levando praticamente em torno de uma meia hora, e os fertilizantes utilizados podem ser orgânicos ou mesmo químicos.

Uma boa dica de adubos orgânicos é a utilização de farinha de osso, além de torta de mamona ou esterco de frango curtido. No caso de adubos químicos é bem importante se ter o conhecimento de dosagens, e o excesso normalmente poderá ser fatal para o bonsai.

jardim

A escolha do melhor lugar para a planta
O sol durante a manhã, é algo ideal para se utilizar e colocar o bonsai. Por este motivo procure colocar nas janelas ou nas varandas que possam receber os primeiros raios do dia. E ainda jamais procure colocar sobre os eletrodomésticos, o calor emitido pelo equipamento poderá prejudicar a saúde da planta.

A utilização de ar condicionado por sua vez poderá ser algo fatal, procure evitar mudar o bonsai de lugar, o que é ideal é o girar de dois em dois meses, para que os brotos e também as folhas possam se desenvolver pelo mesmo período e a planta ainda não crescer de forma desproporcional.

Além disso, o vento excessivo e a chuva direta poderá danificar a planta, por este motivo procure escolher um local que seja arejado porém protegido.

jardiminitura

A frequência das regas e a umidade
Os horários ideais para se regar as plantas é no início da manhã, ou mesmo no final da tarde, isto deverá valer também para os bonsais. O que é importante é que o torrão possa estar sempre úmido, e nunca deverá estar encharcado.

Procure regar totalmente e lentamente até que a água comece a escorrer através dos orifícios inferiores.  Procure nunca deixar a água acumulada no seu pratinho, as raízes podem apodrecer com facilidade. Vale lembrar que é interessante se molhar as folhas, porém isto não significa regar a planta.

Se perceber que a terra estará muito seca, no caso de um ou mesmo dois dias sem a ausência de água. Caso quiser perceber que a terra está muito seca, no caso de um ou dois dias de ausência da água, procure mergulhar o torrão em uma bacia cheia, para que a terra possa absorver a água por igual, um período máximo entre as regas é de dois dias.

O melhor jeito de fazer as podas
A poda das folhas deverá servir para controlar o crescimento excessivo dos ramos, sempre que os galhos tiverem dez ou mais pares de folha, procure reduzir para quatro ou cinco pares. A poda ainda poderá ajudar a criar espaços vazios entre os galhos, com isto é necessário que todos os ramos da planta possam receber luz.

A poda das raízes dever ser realizada, e este corte deverá atrofiar a planta, permitindo assim que ela chegue á idade adulta sem crescer demais. Procure em seguida retirar o bonsai do vaso, cortando as raízes inferiores.

Nunca corte as laterais. Logo em seguida procure devolver ao vaso, completando assim os pedaços que estiverem livres com terra. Plantas que tiverem até três anos deverão ser podadas o ano todo, depois deste processo a poda deverá acontecer a cada cinco anos.

Outras plantas são interessantes e serem cultivadas em bonsai, como por exemplo, a roseira miniatura, que é uma planta reduzida que deverá reduzir e oferecer muita beleza por diversas vezes a fragrância das rosas tradicionais, mas também em tamanhos da miniaturas. Normalmente são utilizadas com plantas de vaso devido ao seu tamanho.

A floração, na roseira deverá contar com o início da primavera, até meados de outono.

A luz deverá sofrer uma incidência indireta, procure levar a planta para um local ensolarado e também bem arejado. Para que se floresçam bem a roseira precisará de um sol pleno, pelo menos de seis a sete horas diárias de luz solar, podendo ficar nas sacadas

Dicas para o crescimento
As roseiras deverão ser plantadas em terras drenadas, corte as flores velhas com frequência para ajudar as flores novas.

lguinho

jardinagem11

Para começar a cuidar do seu jardim é necessário seguir algumas dicas como essas que seguem baixo.

Inicie pelas pequenas coisas, comece plantando em vasos e colocando algumas filas de flores no jardim e certifique-se de que elas serão plantadas nas zonas apropriadas, pegando menos ou mais sol.

Sempre que ler ou ouvir que uma planta gosta de sombra, desconfie. As plantas necessitam realizar a fotossíntese para viver. Assim, por mais “de sombra” que seja uma planta, ela sempre vai gostar de um local bem iluminado, próximo a uma janela ou poço de luz.

Você também pode controlar periodicamente o seu terreno, medindo o pH. Assim, você saberá quando precisará de fertilizante ou de uma nova camada de terra. Outro fator que é importante é estar atento para as plantas que precisam de cuidados especiais, que podem ser influenciadas pelo clima ou estação.

jardim de suculents

Para os iniciantes (e muitos experientes também) o melhor fertilizante é o húmus de minhoca. É um adubo suave, que melhora as condições gerais do solo e não há risco de queimar a planta por excessos. Se você tiver acesso, utilize também doses pequenas de bokashi, que é uma opção bastante natural.

Adubos químicos como uréia, salitre ou NPK são muito potentes e um pequeno erro na dosagem pode resultar na morte súbita da sua planta. No entanto, você pode lançar mão das opções modernas, com liberação lenta, como o osmocote.

Adubos orgânicos que não foram curtidos, como estercos, tortas de algodão ou mamona também podem ser perigosos. Em excesso, os estercos tem o efeito semelhante ao uso de grandes doses de uréia.

Já as tortas, tendem a apodrecer e assim podem queimar o caule das plantas mais frágeis. Quando já estiver mais avançado, experimente outros fertilizantes, mas sempre respeitando a biologia da espécie da planta e as recomendações do fabricante.

Depois de plantadas, lembre-se de dedicar-se pelo menos uma ou duas horas por semana ao seu jardim, pois árvores, flores e plantas necessitam de cuidado como fertilização, regas, podas… e etc.

regas

Esqueça aquela dica do atendente da floricultura que disse para você regar dia sim dia não, entre outras periodicidades. A planta não bebe a mesma quantidade de água todos os dias. Assim como você, em dias quentes ou mais cansativos, ela bebe mais água. Assim, utilize a umidade da terra como parâmetro.

Coloque o dedo no solo e sinta se está úmido ou seco. Só regue se estiver seco (e regue sempre que estiver seco) A planta prefere que você regue bem o vaso a intervalos espaçados, molhando bem todo o substrato, do que um pouquinho por dia. Vale para a maioria das plantas.

Quando ganhar ou comprar uma planta, pergunte sobre modo de cultivo e ouça atentamente as dicas de quem vendeu, mas não fique só nisso. Exija saber o nome científico e se não for possível pelo menos o nome popular. Depois procure na internet ou em livros informações sobre a espécie que você adquiriu.

Conhecer a biologia da planta e os cuidados que são o consenso geral para ela são uma boa forma de obter sucesso no cultivo. É incrível como o que os vendedores dizem algumas vezes é exatamente o contrário do que a planta gosta.

planta-de-sombra

Mudanças
Você tinha uma planta há alguns meses na sombra e acabou de descobrir que ela gosta de sol. No entanto, as plantas detestam mudanças bruscas e se ressentem facilmente. Pense que ela levou meses para adaptar suas folhas às condições de pouca luz, além de ter desarmado toda sua proteção solar. Assim, faça sempre alterações graduais, ao longo de várias semanas, principalmente quando o assunto for luz.

Umidade do ar
Poucas plantas realmente gostam de ambientes secos. Desta forma, mesmo que aquela palmeira tenha ficado linda no seu escritório, com muita luz e alguém que poderá cuidar dela, não acredite que ela ficará bem se tiver um ar condicionado ligado como companheiro por boa parte do dia.

Geralmente este ar seco é o principal culpado de pontas de folhas secas. Neste caso, escolha plantas próprias para ambientes secos, como suculentas por exemplo. A escolha por plantas envasadas floridas, que são baratas e tem os dias contados, pode ser uma opção, desde que você tenha em mente que elas estão lá mas não vão durar muito.

Micro Orquídea Lophiaris Pumila

Plantas
Não é só porque você achou linda uma planta super rara que ela vai ser moleza de cultivar. Comece com espécies mais comuns, simples de achar e baratas. Além de serem mais fáceis de lidar, se você por acaso perdê-las, não será muito grave.

Por hora, deixe orquídeas raras, bonsais, carnívoras, entre outras beldades, para os mais avançados. Um dia você chega lá. Outro caso comum é querer trazer plantas exóticas de outros países, como as tulipas por exemplo.

Muitas espécies não serão capazes de se adaptar às nossas condições climáticas, por melhor que seja o jardineiro. Nessas ocasiões, o melhor é pesquisar antes para evitar de cair nessa roubada.

Colecionáveis
É tentador iniciar uma coleção de plantas. Sejam elas bromélias, suculentas, orquídeas, etc. Ao iniciar uma coleção, mantenha um registro impecável das suas plantas, com o nome de cada espécie, cultivar e híbrido.

Não esqueça também de usar e manter etiquetas ou plaquinhas de identificação. No futuro, quando quiser expor ou vender algum item da sua coleção, essa informação será primordial.

poda

Podas
Efetue as podas quando as plantas estão com o metabolismo mais lento, mas prestes a acordar. Ou seja, no final do inverno ou durante o período seco. Estude a poda ideal de cada espécie que será podada. Não existe uma forma de podar que sirva para todas as plantas.

Elimine ramos secos, mal formados, ladrões, doentes ou infestados com pragas. Evite podas drásticas e podas em períodos muito úmidos, que favorecem o aparecimento de doenças e dificultam a cicatrização. Um bom podador precisa de muita experiência e observação. Fique de olho em como a planta se comporta após a poda.

Ervas daninhas, pragas e doenças
As mazelas do jardim costumam infernizar a vida dos jardineiros iniciantes. Tenha em mente que é apenas a natureza tentando encontrar o equilíbrio. Mantenha suas plantas sempre bem nutridas e hidratadas, em local com luminosidade favorável à espécie.

Plantas fortes e saudáveis não deixam espaço para ervas daninhas e são muito mais resistentes a pragas e doenças. Foque em deixar suas plantas sadias, não em exterminar pragas. E por falar nisso, a palavra chave é controle.

Você controla os problemas, dificilmente acaba com eles. Afinal, para ver borboletas é preciso conviver com algumas lagartas. Tenha mão firme contra ataques em massa, mas tolere alguns visitantes.

A jardinagem pode ser trabalhosa mas deve ser relaxante, por isso divirta-se!

casa-floresta

jardim sustentável

Jardins sustentáveis compreendem no grupo díspar de hortícolas, em maior ou menor grau, com metas e objetivo associado ao desenvolvimento sustentável e sustentabilidade em programas desenvolvidos para abordar o fato de que os seres humanos estão usando recursos naturais biofísicos mais rápido do que podem ser repostos pela natureza.

Desenvolvimento histórico
Após a implantação da agricultura sustentável no início de 1980 foi tempo do surgimento de horticultura sustentável. Muitos dos princípios ecológicos e ideias defendidas pelos jardins sustentáveis e paisagens são estabelecidos como reação ao uso intensivo de recursos da agricultura industrial.

As práticas foram estabelecidas como movimentos de autossuficiência e agricultura de pequena escala com base em uma abordagem de sistemas holística e princípios ecológicos. O jardim botânico cria diretrizes nacionais voluntárias para construção sustentável da terra, design e práticas de manutenção.

Principais conceitos
Projeto, construção, operação e práticas de manutenção que atendam às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir as próprias necessidades. Ambiciona proteger, restaurar e melhorar a capacidade de paisagens para fornecer serviços ambientais e gerar benefícios que aos seres humanos e outros organismos.

Gestão global de ciclos biofísicos e serviços dos ecossistemas para o benefício dos seres humanos, outros organismos e as futuras gerações se tornaram responsabilidade humana global.

O método de aplicação da sustentabilidade para jardins, paisagens e lugares ainda está em desenvolvimento e varia um pouco de conforme contexto em consideração. No entanto, há série de básicos e comuns subjacentes princípios biológicos, operacionais e práticas na literatura local sustentável.

jardim

Princípios biológicos
Gestão sustentável das paisagens feitas por homem simula os processos naturais que sustentam a biosfera e seus ecossistemas. Primeiro e mais importante é o aproveitamento da energia do sol e a reciclagem de materiais, minimizando assim resíduos e uso de energia. Necessário esquecer as formas prejudiciais na qualidade da terra.

Conter o excesso de escorrimento da água representa princípios considerados indispensáveis. Nos grandes centros metropolitanos os jardins sustentáveis são necessários para reter o H2O que cai das chuvas, cujo excesso provoca fortes enchentes e grandes estrados em diversas regiões ao redor do mundo.

Plantas nativas
O uso de plantas nativas em jardim ou paisagem tanto pode preservar como proteger os ecossistemas naturais, reduzindo a quantidade de cuidado e energia necessária para manter jardim saudável ou paisagem.

As plantas nativas são adaptadas ao clima local e geologia, e muitas vezes exigem menos manutenção do que espécies exóticas. Espécies nativas também apoiam as populações de aves nativas, insetos e outros animais que evoluíram e promoveram saudável comunidade de organismos.

Plantas em jardim ou paisagem mantêm população de origem a partir do qual as plantas podem colonizar novas áreas. Evitar o uso de espécies invasoras ajuda a prevenir estabelecimentos de novas populações. Da mesma forma, a utilização de espécies nativas pode proporcionar fonte valiosa para ajudar as plantas a colonizar novas áreas.

Algumas plantas não nativas podem formar armadilha ecológica em que as espécies nativas são atraídas para ambiente que parece atraente.

jardimsustentável

Princípios operacionais
Aprimoramento dos serviços dos ecossistemas é incentivado em todo o ciclo de vida de qualquer site, fornecendo design claro, construção, (operações) e critérios de gestão. Para ser sustentável ao longo prazo o jardim deve fornecer sistemas regenerativos.

Orientações operacionais devem ligar e completar as orientações existentes para o ambiente construído. Impactos são avaliados e medidos em qualquer escala espaço-temporal ou contexto.

Princípios da jardinagem sustentável
*
Não fazer mal;
* Princípio da precaução;
* Design com natureza e cultura;
* Use hierarquia de tomada de decisão de preservação, conservação e regeneração;
* Fornecer sistemas regenerativos como equidade regional;
* Apoiar processo vivo;
* Use abordagem do pensamento no sistema;
* Atitudes colaborativa e ética;
* Mantenha a integridade na liderança e pesquisa;
* Administração ambiental;
* Regulação do clima local;

Jardim-com-panelas.

* Limpeza do ar e da água;
* Abastecimento de água e regulação;
* Controle de erosão e sedimentos;
* Perigo de mitigação;
* Polinização;
* Funções de habitat;
* Decomposição e tratamento de resíduos;
* Regulação do clima global;
* Benefícios a saúde humana e bem-estar;
* Alimentos e produtos renováveis;
* Benefícios culturais.
* Energia incorporada e água;
* Compostos de palha;
* Ecologia e biodiversidade;
* Fertilizante;
* Resíduos verdes;
* Ecologia e biodiversidade;
* Ausência de produtos químicos;
* Antigos materiais duros na paisagem.

jardim1

Sustentabilidade: Local de medição
Característica importante distingue a abordagem de sustentabilidade em jardins, paisagens e entradas nos ambientes de empresas semelhantes. Quantificação da sustentabilidade estabelece padrões de desempenho.

Porque a sustentabilidade representa conceito amplo e abrangente aos impactos ambientais dos locais que podem ser classificados de diversas maneiras.

O processo pode incluir minimização de impactos ambientais negativos e maximização aos impactos positivos. Como aplicado ao ambiente existe prioridade sobre os fatores sociais e econômicos que podem ser adicionados como parte inevitável e integrante do processo de gestão.

Um jardineiro da casa é provável que use métricas mais simples do que um paisagista profissional ou ecologista.

Qualquer tipo de auditoria ou avaliação comparativa dependerá da seleção e ponderação dos indicadores escolhidos: Profundidade e detalhe de análise necessária, finalidade para a qual os números são necessários e as condições ambientais do local particular.

passaro