Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Gramados e Forrações’

Pogonatherum paniceum

O bambu-alemão é uma planta herbácea, entouceirada, de folhagem ornamental, nativa de diferentes países da Ásia e Oceania. Apesar do aspecto de bambu, esta espécie é na verdade uma gramínea.  Pertence à família Poaceae e é também conhecido popularmente por mini-bambu, grama-de-gato, bambuza-mini, taquarinha e bambu-miniatura

É uma planta que forma densas e baixas touceiras, com aspecto arredondado. Seus ramos são longos e finos e as folhas são brilhantes, verde claras ou variegadas de creme, com formato e disposição semelhantes às folhas de bambu.

As inflorescências surgem na primavera ou outono, abaixo da folhagem, e são rácemos simples de espiguetas achatadas que carregam aristas longas e finas.

O bambu-alemão é muito versátil no paisagismo, assumindo o papel de destaque ou como plano de fundo, dependendo do projeto.

Além de grupos e conjuntos de plantas espaçadas entre si, para evidenciar seu formato, ele também pode formar maciços e bordaduras, ideais para suavizar caminhos, muretas e pedriscos, criando manchas arredondadas.

Pogonatherum paniceum_33

Ele ainda é uma escolha perfeita para vegetar bordas de lagos e cascatas, pois aprecia a umidade constante destes locais, onde pode desenvolver uma ramagem um pouco mais aberta e até mesmo um tanto pendente.

Seu aspecto de bambu, torna seu uso interessante em jardins de inspiração oriental-tropical, não obstante, pode ser encaixado em outros estilos, dependendo da função que lhe seja imputada.

Pode ainda ser plantado em vasos, e assim adornar a entrada da casa, a mesa da sala de jantar e o balcão do banheiro, etc.

No entanto, em locais não tão iluminados, o bambu-alemão terá um aspecto mais “solto”, igualmente encantador. É comum o uso de seus ramos em arranjos florais delicados, que ganham um charmoso “toque” oriental.

Pogonatherum paniceum_5

Seu cultivo deve ser sob sol pleno, meia sombra ou luz difusa, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado com frequência. Aprecia substratos rochosos e arenosos para o crescimento profundo das raízes.

Não resiste a estiagem, devendo permanecer em solo permanentemente úmido ou até mesmo encharcado. Não há que se ter medo em regar essa planta, pois a água dificilmente será demais para ela.

Durante o crescimento deve-se encorajar o adensamento da planta, através da técnica do beliscamento ou mesmo podas.

Apesar de crescer com mais vigor e velocidade em clima quente, o bambu-alemão também tolera o frio e resiste a geadas leves.

Sua multiplicação é feita por divisão das touceiras, permanecendo cada muda com a estrutura completa da planta.

campoflorido

Hemigraphis Alternata

A planta conhecida como popularmente como hera-roxa  pertence à família Acanthaceae. Essa planta pertence a categoria de forrações à meia sombra ou sol pleno ou então folhagens. Dentre os climas preferidos da espécie estão o subtropical, o tropical e o oceânico.

A origem da hera-roxa é países como Indonésia, Índia, Java e Malásia. A altura média dessa planta fica entre 0.1 e 0.3 m. A luminosidade que prefere é a sol pleno ou meia sombra. O seu ciclo de vida é o perene.

Descrição
Muito colorida essa planta herbácea é bastante utilizada para a forração de jardins devido ao belo contraste que proporciona. A ramagem dessa planta é ramificada, reptante, densa e prostrada. Não ultrapassa 30 centímetros em altura, as suas folhas são opostas, ovais e contam com nervuras bem marcadas bem como bordos serrilhados.

Na parte superior das suas folhas apresentam degradês de verde-acinzentado a roxo ou vermelho com lindos reflexos metálicos para completar. Na parte inferior das folhas a planta ela tem um tom de vermelho vinho. O florescimento acontece na primavera e também no verão.

As flores da hera-roxa são brancas e pequeninas, as inflorescências dessas plantas são do tipo espiga. Uma planta que não possui grande importância ornamental. Outra variedade bem comum é aquela que possui folhas enrugadas cujas margens são enroladas e tem uma tonalidade arroxeada chamada de “Exótica”.

hera-roxa-

A hera-roxa no jardim
No paisagismo a hera-roxa é uma planta que se destaca pelo seu colorido e também pelo volume e textura das suas folhas. Enquanto está florindo essa planta tem lindas flores brancas que surgem sobre um fundo roxo que também é bem ornamental. Uma planta que pode ser usada como forração, formação de maciços e bordadura.

A hera-roxa ainda pode ser usada em jardineiras elevadas, vasos ou cestas suspensas com um belo efeito cascata. Vale destacar ainda uma curiosidade a respeito da hera-roxa, estudos apontam que ela é uma das plantas mais eficientes do mundo em remover os poluentes orgânicos de ambientes internos como escritórios e mesmo casas.

O Cultivo da hera-roxa
Essa planta deve ser cultivada a meia-sombra ou então a sol pleno no solo fértil, enriquecido com matéria orgânica, bem drenado e a irrigação deve ser feita regularmente. Uma planta que pelo fato de ser um tanto rústica não exige muitos cuidados de manutenção.

Trata-se de uma planta que não exige podas, porém, você pode realizá-las para fazer a renovação da folhagem. Destacamos que a hera-roxa não tolera pisoteio e nem mesmo frio intenso com geadas. Durante os dias muito frios a planta pode perder as suas folhas. A hera-roxa tem preferência por climas mais quentes como subtropical e o tropical, a sua multiplicação é feita através de ramagem enraizada ou então por estaquia.

hera-roxa-1

Como fazer o cultivo em vaso
Essa planta tem um estilo bem rústico e não exige grandes cuidados de manutenção, prefere solo rico em matéria orgânica. O solo deve ser bem drenado, a dica para quem deseja fazer o cultivo em vasos é montar uma parte de terra comum de jardim, uma parte de terra vegetal, uma parte de areia grossa de construção, uma parte de composto orgânico (se preferir pode substituir por pó de fibra de coco). Lembre-se que essa planta não resiste ao pisoteio.

Perfil da hera-roxa
A seguir elaboramos um perfil da hera-roxa para que você conheça em mais detalhes a planta que pode fazer parte do seu jardim.

Folhas – De um colorido incrível as folhas da hera-roxa tem variações de tons como verde-acinzentada, vermelho ou roxo. As nervuras das folhas são bem definidas e bastante ornamentais. Existe uma variedade dessa planta cujas folhas são enrugadas.

Flores – As inflorescências dessa planta se formam em geral entre a primavera e o verão. O formato das inflorescências é de espiga, sendo curtas e as flores pequeninas e nesse caso de cor branca.

Tronco – Trata-se de uma planta com ramagem bem ramificada, cheia e rasteira.

Luminosidade – Prefere sol pleno ou então meia-sombra.

Regas – Essa planta não necessita de muitos cuidados, as regas devem ser feitas de 2 a 3 vezes por semana. Verifique o substrato da planta, se ele estiver seco chegou o momento de regar novamente. A dica é não encharcar a planta, pois as suas raízes podem acabar afogadas além de suscitar o aparecimento de fungos.

Clima – Dentre os tipos de clima preferidos estão o subtropical e o tropical. Uma planta que não suporta temperaturas muito frias.

Poda – Não é necessário realizar uma poda regular, porém, sempre que possível remova as folhas secas para deixá-la com um visual mais bonito e também para ajudar a promover a renovação da folhagem.

Hemigraphis-Alternata1

Fertilização – Quando for fazer o plantio é importante preparar o local misturando ao solo aproximadamente 5 colheres de sopa de NPK por metro quadrado com fórmula 04-14-08.

Utilização – Trata-se de uma planta bastante utilizada em projetos paisagísticos como bordadura, forração, vasos, criação de maciços, cestas elevadas e até mesmo em jardineiras.

Como é feita a propagação
Em geral a multiplicação da hera-roxa é feita por meio de separação de ramagens que estejam enraizadas ou então por estaquia.

cerejeira

gramado morto

Uma camada grossa de detritos pode dar a impressão de um gramado morto. Ela é uma camada de matéria orgânica viva imprensada entre o solo e a grama. Quando ela está com mais de 1,5 cm de espessura, sua grama pode aparentar estar morta toda vez que for aparada.

Evite esse visual através da retirada dos detritos do solo com um arador, o qual pode ser alugado em qualquer loja de jardinagem. Regue o seu jardim por três dias seguidos antes de realizar esse processo, e no terceiro dia, logo antes de começar.

Passe o arador sobre o gramado e pegue os detritos com um ancinho. Ajuste as lâminas da máquina para o nível médio, assim você evitará prejudicar o sistema radicular da grama.

Espalhe um herbicida pré-emergente para evitar que as sementes das ervas daninhas germinem após esse processo.

rega

Regando
Os gramados necessitam de 3 cm de água por semana, durante estações de seca, para que possam continuar verdes. A grama com aparência morta pode ser animada quando a rega adequada é utilizada para reduzir a quantidade de evaporação da água perdida. Regue o seu quintal de manhã cedo.

A rega no final da tarde pode incentivar que doenças fúngicas invadam o seu gramado. Certifique-se de que o seu sistema de irrigação está funcionando, verifique os pulverizadores.

Para que o seu quintal receba pelo menos 3 cm de água, os pulverizadores precisam ficar ligados por pelo menos uma hora. Quanto mais lenta for a liberação da água, mais profundo ela conseguirá penetrar no solo, a fim de promover uma fortificação do sistema radicular.

As folhas da grama se espelham em suas raízes. Portanto, folhas com uma aparência morta significam que as suas raízes também estarão assim.

Para saber a quantidade de água da chuva que o seu gramado está recebendo, coloque um pluviômetro em seu quintal e complemente a quantidade de água quando necessário.

gramado

Teste de pH do solo
A grama cultivada em seu quintal morrerá, caso esteja fora do nível de pH aceitável, pois ela não poderá absorver os nutrientes do solo. Realize um teste de solo em seu gramado, ele pode ser comprado em lojas de jardinagem.

Cave um buraco com cerca de 15 cm para coletar amostras e envie-as para um laboratório e assim, uma analise será feita.

Espere pelos resultados, os quais indicarão se o pH está incorreto e qual tipo de fertilizante você deve utilizar.Ele também indicará se você terá que usar cal, caso o seu solo esteja ácido ou enxofre, caso esteja alcalino.

gramado

Fertilização
As condições climáticas adversas do inverno podem ser um problema para o seu gramado, assim como as ervas daninhas que crescem no inverno podem ultrapassar o gramado morto na primavera.

Você pode ajudar a prevenir que isso aconteça, através da fertilização nos meses do outono. De acordo com uma pesquisa da Universidade Estadual de Ohio, fertilizar no outono é uma das práticas mais importantes que um jardineiro pode utilizar para produzir uma grama densa e grossa na primavera.

Use um fertilizante de nitrogênio a cada oito ou dez semanas.

chuva de flores

Aptenia_cordifolia

A rosinha-de-sol é uma planta rasteira muito conhecida pelos designers de plantão, além de ser uma das favoritas para a ornamentação de exteriores. A planta herbácea possui características bem peculiares e que pode ser uma boa opção para cultivo, já que é de baixa manutenção. Para plantá-la, com certeza é preciso seguir algumas regras básicas.

A espécie rosinha do sol começou a ser estudada a muito tempo atrás, desde que os seus primeiros vestígios foram encontrados pela África. A espécie possui apenas um nome popular, conhecido entre os botânicos mais interessados na planta. É a rosinha-de-sol. Faz parte da família Aizoaceae.

Clima para cultivo
Como a espécie é típica de países africanos, existem alguns climas onde a espécie pode ser facilmente cultivada, fazendo parte das regras para o plantio da mesma. Em alguns climas, ela se desenvolve melhor. São eles: Equatorial, Oceânico, Subtropical, Temperado e Tropical.

A espécie pode alcançar diversas tamanhos, dependendo da sua variante e  das formas diversas de cultivo, bem como clima para plantio. Para que cresça o máximo possível, o seu ciclo de vida perene deve ser respeitado, bem como a luminosidade em sol pleno.

Aptenia Cordifolia Variegata

Descrição
A rosinha-de-sol é uma espécie herbácea e muito vistosa, com florescimento que chama bastante a atenção para uma prática ornamental. É uma suculenta bastante especial de hábito rasteiro e que pode crescer até os seus 15 cm de altura.

É uma espécie muito ramificada e que pode atingir outras alturas dependendo de toda essa ramagem própria da planta. Em uma forma de plantio mesclada, ela acaba se misturando umas com as outras.

Folhas
Suas folhas também pode ser bem aproveitadas para ornamentação, já que possui design único, com uma cor viva em verde escuro. As folhas são ovais e quase cordiformes, podendo se apresentar em tons de verde musgo ou verde-claro variegadas com uma coloração de branco, com funções muito paisagísticas.

Os ramos volumosos e numerosos apresentam a mesma cor das folhas, sendo bastante brilhantes para ornamentação.

Flores
A rosinha-de-sol possui belas flores, muito coloridas e especialmente feitas para enfeite, já que possuem um design bastante interessante. Elas são pequenas e possuem muitas pétalas, finas, mas com tons bastante diversificados e que cercam do vermelho ao rosa vivo.

Nascem nas pontas dos ramos e vão se tornando mais longas conforme a espécie e a variante. A floração se assemelha a margaridas que podem até ser brancas de acordo com a sua variedade.

A floração pode ser muito maior em algumas épocas, especialmente na primavera. Elas ficam volumosas até o verão e podem durar até mesmo no inverno, por causa da sua floração casual.

Por isso, ela é dita uma espécie bastante tolerante ao frio, além de ser uma excelente opção para cultivo em todo o país.

aptenia amarela

Para ornamentação
A rosinha-de-sol pode ser usada na forma de forração, em canteiros, maciços, bordaduras e em vasos, sendo eles grande sou pequenos, inclusive naqueles suspensos, em que a planta pode ficar pendente, enfeitando bem o jardim.

É uma espécie muito recomendada para os chamados jardins de pedras. Elas possuem a ótima capacidade de fechar bem o solo em que é plantada, impedindo o crescimento de ervas daninhas, que danificam muitas plantações.

Podem também formar grandes berços em vastos gramados, já que sua propagação acontece em uma velocidade alta, espalhando a ramagem por todo o espaço. Procure plantar a rosinha-de-sol em volta de espécies como palmeiras e cicadáceas.

A floração se estende durante o ano todo, por causa do seu ciclo de vida perene. As flores são muito atrativas para insetos como abelhas e borboletas, ajudando a enfeitar os jardins externos. É também uma planta que pode ser ingerida, se aproximando do espinafre em termos de sabor.

A rosinha-de-sol pode ser usada na forma de forração, em canteiros, maciços, bordaduras e em vasos, sendo eles grande sou pequenos, inclusive naqueles suspensos, em que a planta pode ficar pendente, enfeitando bem o jardim.

É uma espécie muito recomendada para os chamados jardins de pedras. Elas possuem a ótima capacidade de fechar bem o solo em que é plantada, impedindo o crescimento de ervas daninhas, que danificam muitas plantações.

Podem também formar grandes berços em vastos gramados, já que sua propagação acontece em uma velocidade alta, espalhando a ramagem por todo o espaço. Procure plantar a rosinha-de-sol em volta de espécies como palmeiras e cicadáceas.

A floração se estende durante o ano todo, por causa do seu ciclo de vida perene. As flores são muito atrativas para insetos como abelhas e borboletas, ajudando a enfeitar os jardins externos.

É também uma planta que pode ser ingerida, se aproximando do espinafre em termos de sabor.

Aptenia_cordifolia 2

Modo de cultivo
Para plantar a rosinha-de-sol é preciso seguir algumas regras e saber qual a melhor forma de plantio. Em locais ensolarados e com solo em boas condições, a planta pode se desenvolver da melhor maneira possível.

No solo, é preciso colocar muita matéria orgânica, sendo os mesmos bastante arenosos. Já em solos mais compostos por argilas, Em solos argilosos para garantir seu cultivo eficiente, é preciso adicionar um composto orgânico composto por bastante areia e elementos mais secos, incluindo cascas semi-decompostas para finalizar a preparação para cultivo.

Preste atenção ao solos sumidos demais e altamente encharcados. Eles não servem para estas plantas.

O canteiro para o plantio deverá ser bem preparado: Use o revolvimento de terra com pelo menos 15 cm de profundidade em uma cova bastante rica em matéria orgânica.  Adicione composto, a areia e as cascas secas, se for muito necessário.

Uma outra características que não devem ser colocada para trás é que o espaçamento entre as covas ou as mudas deverá ser de mais ou menos 20 cm e no mínimo 15 cm. Isso deverá ser feito por a planta se propaga de forma muito rápida, se espalhando velozmente.

As regas deverão ser altamente reguladas e bastante equilibradas para evitar que o solo fique muito úmido. Depois, é preciso minimizar as mesmas, apenas para garantir o enraizamento inicial da espécie. É importante notar que a rosinha-de-sol se desenvolve melhor em solos secos.

Propagação
A propagação das mudas também é uma etapa importante do seu cultivo. Para começar, é preciso utilizar a estaquia de ramos com pelo menos 3 ou 4 gemas de folhas e ramagem.

Elas podem ser colocadas em um recipiente com areia de construção não muito úmida. Esta umidade leve é necessária para que a emissão de raízes evite a perda da umidade da estaca.

folhas-9