Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Flores e Folhagens’

bergenia-crassifolia

Nome científico: Bergenia crassifolia.
Família: Saxifragaceae.
Nomes populares: begônia-de-inverno, chá-siberiano, couve-de-Santa-Terezinha.

Origem: Ásia, Sibéria e Mongólia

Flores: Inverno e Primavera

Planta rizomatosa, herbácea, perene e porte de 20 a 30 cm de altura. As folhas são ovaladas, simples, carnosas, grandes, de coloração verde-brilhante. As inflorescências são eretas, ramificadas, com flores brancas, róseas ou arroxeadas.

Deve ser cultivada a pleno sol, em solo orgânico, permeável e com irrigação periódica. Não tolera climas muito quentes.

Propagação: Rizomas, divisão da planta ou touceira.

Usos: cultivada como flor de vaso ou em canteiros formando conjuntos e bordaduras.

Curiosidades: esta espécie também é conhecida como ‘Flor-de-São-José’ devido seu florescimento ocorrer próximo ao dia dedicado a esse santo, 19 de março.

As bergênias têm diversos usos, além do cultivo como ornamental. Pode-se fazer chá de suas folhas. Já as raízes, que apresentam alto teor de tanino, e o caule têm sido usados no curtimento de couro, como conservante para vinho, tônico ou adstringente. A medicina oriental indica o uso dessa planta para o tratamento de rins e cálculos biliares, infecções pulmonares, além de ser curativa para bolhas e hemorróidas. Os ingredientes ativos dos extratos incluem o ácido gálico-bergenina.

1489354rx2fypo7b5

alocasiacuprea

Nome científico: Alocasia cuprea.
Família: Araceae.
Nomes populares: pulmão-de-aço, escorpião.
Origem: Borneo.

Características gerais: é uma planta herbácea perene, ereta, de caule rizomatoso e suculento, atingindo de 30 a 40 cm de altura. As folhas são grandes, com formato ovalado, constituídas de pecíolo longo e várias nervuras aprofundadas e recurvadas, de coloração verde-escura na face superior e arroxeada na face inferior. As inflorescências ocorrem ocasionalmente e não possuem valor ornamental.

Deve ser cultivada a meia-sombra, em terra rica em matéria orgânica e com boa porosidade. Não tolera baixas temperaturas.

Propagação: multiplica-se por separação das brotações.

Usos: indicada para uso em vasos, jardineiras ou canteiros.

Neste gênero existem aproximadamente 70 espécies, encontradas em regiões tropicais úmidas do Brasil e sudeste asiático.

As alocasias são plantas tóxicas, apresentando cristais de oxalato de cálcio.

lua

vincas

Nome científico: Catharanthus roseus
Altura: 15 a 20 cm
Largura: 80 a 100 cm

Plantas pendentes, perenes, e tolerantes ao calor e umidade. É a substituta perfeita para as petúnias pendentes para quem mora em lugares quentes demais, onde o cultivo da petúnia pode ser trabalhoso.

A vinca, também conhecida como boa-noite, é uma planta nativa de Madagascar que se adaptou extremamente bem ao Brasil pois é bem tolerante ao calor, seca, e alta umidade.

As vincas só eram vendidas na forma convencional, que cresce ereta e não se espalha muito, mas agora foram introduzidas as vincas pendentes da série Cora Cascade. São perfeitas para jardineiras e cestas pendentes. Elas não param de florir em nenhuma época do ano e tem flores com o dobro de tamanho das vincas convencionais.

As plantas atingem apenas 15 cm de altura, e depois começa a crescer galhos bem longos que podem chegar até 1 m de comprimento. Plantada no solo crescem como um tapete de flores, e plantadas em vasos irá dar o efeito pendente, caindo nas laterais
Elas precisam de pouca água e assim que criam raízes conseguem viver apenas com a água da chuva (se plantadas no solo). Em vasos a irrigação deve ser mais frequente, porém elas se recuperam muito rapidamente no caso de esquecerem de regar as plantas.

vinca mediterranean

A diferença dessa espécie para a Mediterranean é que essas plantas possuem resistência patenteada à Phytophthora, uma doença presente no solo em alguns locais e que tem como características matar as plantas muito rapidamente (amanhecem normais e estão mortas no fim da noite). Em lugares que sabidamente possuem essa doença no solo prefira a resistência da Cora Cascade, porém em vasos esse tipo de doença não se faz presente.

pes

sideralis fuscata

Família: Commelinaceae
Origem: Sul e Sudeste do Brasil

É catalogada e citada pelos especialistas como erva rizomatosa, formando touceiras, revestida por pilosidade castanho-avermelhada (exceto nas pétalas), sem caule aéreo visível. Inflorescências no centro da roseta de folhas.
Vegeta sem muita raridade na Mata Atlântica do Sul e Sudeste brasileiros, entre 200 e 400m acima do nível do mar. Sempre em solos úmidos e cobertos de detritos da vegetação. Vivem bem na sombra discreta onde ainda alguns raios de sol conseguem chegar. Nos lugares onde se estabelece, sempre inspiram uma impressão de muita tranquilidade. É uma planta que cresce com muita morosidade, por fim ao atingir volume termina por esconder por completo o topo do vaso, formando densa folhagem que dificulta até o molhamento. As folhas e o aspecto geral são únicos. É a única espécie do gênero, as outras parentes da mesma família botânica, parecem simplórias perto dessa sedutora. Em comum com elas, tem apenas a mesma cor das flores e a forma conspícua das 3 pétalas em evidência.

Devem ser cultivadas apenas em locais à meia-sombra e protegidos, além de serem sensíveis às baixas temperaturas das épocas frias. É recomendada a aplicação de fertilizantes granulosos, deixados sobre a turfa, ao redor do vaso, longe de onde saem as folhas, de preferência no início da primavera. Há quem indique regar com água morna e cal virgem para evitar a coloração das folhas, mantendo assim a planta sempre arbustiva.

Seu método de propagação é obtido pela divisão de rizomas, tubérculos, bulbos ou touceiras.. Adequada para o cultivo em ambientes fechados, sua necessidades de água é média, mantendo a rega regularmente e não excessiva, e seu crescimento é perene, aglutinando rosetas.
Embora seja cultivada principalmente por suas folhas (recoberta de finos pêlos), a trapoeraba-peluda tem atraentes flores roxas, de até 1 polegada de diâmetro (2,5 cm). A temperatura ambiente ideal ao cultivo varia de 10 a 24°C, sob alta umidade. Na natureza, vegeta em turfa. É muito utilizada em paisagismo.

A espécie é conhecida popularmente e no comércio como Violeta Silvestre, de fato e sem muito esforço, nos faz lembrar uma violeta africana gigante. A cor e disposição das flores na planta também nos ajudam nessa inevitável comparação; mas nem de longe a Siderasis é parente dessa, os pontos em comum são mera convergência evolutiva.

Mundialmente é conhecida também como Brown Spiderwort (ninho de aranha marron, por seu miolo aparentar uma aglomerado de aranhas) e Bear Ears (orelhas de urso, pela aparência das folhas grossas e peludas).
Sem dúvida é uma das plantas mais surpreendentes, magnífica em sua formação e um tanto quando estranha quando expõe anualmente suas flores, pois elas abrem e fecham sem momento certo.

O epíteto de Orelha de Urso é devido aos conspícuos pelos vermelhos que cobrem as folhas dessa planta, aliás, é sempre bom lembrar que cobrem a planta inteira.

Os botões florais e os frutos, que ficam bem ocultos dentro da folhagem, sugerem – pelo seu aspecto agregado, hirsuto, truncado e queratinoso – um ninho cheio de venenosas e temidas aranhas-marrom. Especificamente nas hastes de botões florais e depois nas de frutos, vê-se sem dificuldade a ilusão de umas 5 aranhas agarradinhas e aninhadas, escondidas dentro da planta. É uma visão desagradável, dá receio mesmo.

imagem-neve06

mil folhasNome popular: Mil folhas
Altura: 60 cm
Cor: Amarelo, vermelho cor-de-rosa e branco
Época de floração: Do início até meados do Verão
Exposição: Pleno sol
Pragas e doenças: Galhas, míldio e ferrugem podem ser um problema

Esta pode ser uma planta indispensável em jardins onde não se deseja ter muito trabalho. É boa para corte e pode ser usada fresca ou seca. Tende a tornar-se invasiva em solos ricos e úmidos.

25

begonia eliator

Nome Científico: Begonia elatior
Nome Popular: Begônia
Família: Begoniaceae
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene

As Brgônias são plantas perene / anual de 30 a 40 cm de altura. São bem delicadas e suculentas,e estão entre as flores envasadas mais comercializadas no país. Suas folhas são suculentas e com bordas recortadas, verdes ou avermelhadas. As flores são muito vistosas, parecem rosas, pois são dobradas e de cores variadas, entre o branco, o rosa, o amarelo, o salmão e o vermelho, além de tonalidades intermediárias e combinações de cores. As begônias parecem buquês de flores e sua delicadeza a torna própria para o cultivo em vaso, para a decoração de interiores, durante sua floração.

Gostam de ambientes bem iluminados, ventilados e se possível de temperaturas mais baixa; um pouco de sol pela manhã ou a tarde fará com que as flores continuem a abrir. Suporta a meia sombra, mas produzirá menos flores.
Mas cuidado com os extremos, procure manter constante a umidade, sem encharcar. Molhe sempre direto no substrato e não deixe água no prato por muito tempo, isso compromete a durabilidade da planta.
Nunca esqueça de alimentar sua planta com o adubo NPK 10-10-10, uma vez por semana, pois água não é alimento e sua planta também sente fome.

Modo de Cultivo :
Substrato de cultivo rico em húmus e matéria orgânica em canteiros ou vasos bem preparados, com um pouco de areia, pois solos encharcados tendem a permitir o desenvolvimento de fungos que acabam por apodrecer a muda.
Divisão de touceira e estaquia de ramos é uma das formas de propagação, mas também pode ser multiplicada por sementes.

Paisagismo:
Para grandes canteiros como cobertura vegetal florida, bordaduras de canteiro e em conjunto com outras plantas.

Utilização: Em ambientes internos, aproveite o colorido decorando mesas, janelas. Em ambientes externos prefira local de sombreado e/ou meia sombra e de preferência protegidos da chuva. Coloque em cestos, floreiras, vasos ou recantos.

Dica: Limpeza de folhas e flores secas e leves podas renova a maioria das plantas.

Olhando-pela-janela_

achimenes

A pequena achimenes nasce espontaneamente no México e em várias regiões da América do Sul. Possui viçosas folhas brilhantes, suavizadas por delicadas flores tubulares, que desabrocham durante todo o verão, e cujas tonalidades vão desde branca e amarela, até rosada, vermelha, azul e púrpura.  Cada flor dura apenas alguns dias, mas é logo substituída por outra, numa sucessão que se estende de dezembro a março ou abril. Os ramos longos de várias espécies arqueiam sob o peso das flores. Desse modo, essas plantas destacam-se como peças decorativas quando colocadas em vasos suspensos, perto de janelas ou em outros locais onde haja bastante luz.

A planta gosta de receber regas com água amornada, nos meses de setembro, outubro e novembro, pois dessa maneira tem estimulado seu crescimento vegetativo, que ocorre durante a primavera. Existem muitas variedades híbridas de achimenes obtidas através de cruzamentos de espécies diferentes, todas floríferas.

É uma bela e volumosa florífera para plantarmos em grandes cestas suspensas e floreiras. Também é uma planta excelente para cultivar em varandas, visto que aprecia o sol da manhã ou da tardinha, não tolerando apenas o sol forte do meio-dia. Adapta-se a uma variedade de climas, desde o equatorial até o subtropical, resistindo a períodos de frio.
Deve ser cultivada sob meia-sombra, em substrato arenoso, fértil e bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente.

A flor mágica se desenvolve a partir de um rizoma (caule subterrâneo que cresce quase sempre em sentido horizontal, a pouca profundidade no solo) de tonalidade rosa ou branca, de onde nasce um único caule. Por isso, a fim de conseguir uma touceira bem formada, será necessário plantar vários rizomas no mesmo vaso.

Nos meses de inverno, a flor mágica seca e os rizomas não têm atividade, recomeçando o ciclo vegetativo apenas na primavera. Entretanto, exigem calor e umidade constantes para reviver. A florada acontece do início de dezembro até meados de março, quando a planta seca e, aparentemente, morre, entrando em total hibernação até se iniciar o próximo período vegetativo e aparecerem os primeiros brotos.

achimenes-grandiflora

Achimenes grandiflora é a espécie mais alta (até 60 cm), produz caules arqueados, ótimos para vasos suspensos. Possui folhas denteadas e rubescentes, em tons avermelhados no verso. As flores, vermelho-purpúreas, atingem até 5 cm de diâmetro e nascem de dezembro a abril.

achimenes-longiflora2

Achimenes longiflora
é a mais adequada para vasos pendentes. Cresce uns 30 cm, produzindo folhas pequenas, ovais e cobertas de penugem. As flores azul-violáceas formam tubos longos e delgados. A variedade ‘Alba’ apresenta grandes flores brancas, com gargantas amarelas pintadas de púrpura.
Na variedade ‘Major’ as folhas são brilhantes e as flores, grandes, colorem-se de azul-violáceo com belíssimas gargantas amarelo-douradas.

achimenes_candida

Achimenes candida
é baixa, com caule marrom-avermelhado e folhas denteadas e rijas. As pequenas flores apresentam o formato de um funil levemente arqueado e nas tonalidades branca e amarela, com uma garganta matizada de púrpura; a parte externa das pétalas geralmente é amarelo-ouro. É uma espécie de crescimento bastante rápido.

Achimenes skinneri
Achimenes skinneri é outra espécie para vasos suspensos, só que seus ramos são menos cheios. Os ramos produzem bulbinhos que, eventualmente, são plantados como os rizomas. Com folhas verde-bronzeadas, apresenta flores de cor púrpura (de tonalidade pálida ou média), com gargantas amarelas.

Primavera e verão
Utilize um composto orgânico adequado e plante os rizomas no fim de agosto ou em setembro, a 2,5 cm de profundidade. Coloque de seis a oito rizomas para obter um vaso cheio e compacto. Regue-os com água morna, para umedecer o composto. Depois disso, mantenha o vaso úmido, regando-o normalmente durante os meses de dezembro a março. Não o deixe secar, mas não o encharque demais.

No início da germinação, evite que a planta sofra temperaturas inferiores a 15°C. O Achimenes precisa de boa luminosidade, mas não de sol direto. Se a temperatura subir muito, borrife água em volta do vaso, mas nunca deixe que caiam gotas sobre as folhas e flores. Adube com um bom fertilizante a cada duas semanas, logo que a florada começar; continue a fazê-lo até a chegada do outono.

Para obter plantas encorpadas, faça uma poda manual, utilizando o polegar e o indicador para cortar 2,5 cm da ponta dos caules ainda novos. Cada planta crescerá formando dois caules, o que resultará em um vaso bem cheio. Caules muito compridos podem ser estaqueados com varetas de bambu ou ripas de madeira.

Outono e inverno
No outono reduza as regas assim que as flores forem rareando até que entre em dormência, quando perde a folhagem.  Quando as folhas começarem a murchar – o que acontece com incrível rapidez – corte os caules bem rente à terra e pare de regar completamente, até o início da próxima primavera.
Durante o repouso vegetativo, Deixe os rizomas no vaso ou retire-os com cuidado, limpe-os e guarde em areia seca.
Na primavera, então, replante os rizomas em terra nova.

Propagação
No fim do verão, cada rizoma já produziu de três a seis “filhotes”. Plante todos juntos, para formar um vaso encorpado, ou separe-os de modo que se desenvolvam como mudas independentes.

Para fazer sementeiras, utilize composto orgânico misturado a um pouco de areia. Em setembro, semeie e mantenha o conjunto a uma temperatura entre 21 e 27°C, até a germinação total. Você também pode fazer mudas de estacas utilizando caules que não floresceram, enraizando-os na mesma mistura empregada para a sementeiro. Mantenha as estacas em ambiente quente e úmido, cobrindo o conjunto com um plástico transparente e folgado.

Problemas e Soluções
A achimenes constitui uma planta ideal para quem está se iniciando em jardinagem porque raramente é afetado por algum problema – os poucos que apresenta quase sempre resultam de um manuseio inadequado.

Um exemplar fenecido pode ter recebido regas demais, o que resulta no apodrecimento dos rizomas. Seque o vaso, deixando de molhá-lo por alguns dias, até que a terra esteja levemente úmida. Daí em diante, mantenha a terra com pouca água.

A planta também pode ressentir-se com a falta de água, tendo os rizomas a tal ponto desidratados que não consigam mais brotar. Regue-a abundantemente.

Quando os botões florais não desabrocham e escurecem, é provável que a planta tenha permanecido num local de temperatura muito alta e diretamente ensolarado.

Cuidados
Adquira os rizomas de achimenes no inverno. Escolha os que tenham aparência rija e fresca, separando cerca de seis, para formar um vaso bem encorpado. Peça orientação ao vendedor a respeito das espécies híbridas.

É menos dispendioso comprar rizomas do que um vaso formado. E, além disso, ganha-se o prazer de observar todo o desenvolvimento da planta, desde o plantio.

t29

lobularia_maritima_sweet_alison_close_large

Ciclo de Vida: Anual

Sua aparência é muito delicada e lembra muito, um pequeno buquê de noiva, por causa de suas inúmeras florzinhas brancas, elas têm um forte perfume de mel.
O Álisso é uma planta magnífica e também são encontradas nas cores: branca, rosa, alaranjada ou roxa. É também é conhecido popularmente como Doce-álisso e Açafates-de-prata.

O plantio do Álisso em canteiros dá ótimos resultado, também pode ser plantada em jardineiras com outras flores ou isolada. Seu principal uso é em forração, mas é possível obter um efeito surpreendente plantando o Álisso em vasos suspensos porque ao crescerem, os caules rastejantes acabam pendendo pelas bordas do vaso, formando uma pequena cascata.

Devem ser cultivados em locais de clima quente à meia sombra com boa luminosidade, e  a pleno sol (pelo menos 4 horas por dia), em clima frio. O solo deve ser composto de terra de jardim e terra vegetal, com regas regulares. Tolerante ao frio e às geadas e necessita reforma anual. Multiplica-se por sementes.

O Álisso é uma herbácea da família das Cruciferáceas, originária do Mediterrâneo. Floresce no verão e atinge cerca de 20 cm de altura.

Propagação: Os métodos mais simples são por divisão de touceiras e estacas de galhos, feitos em qualquer época do ano.

Solo: A mistura ideal é 2 partes de terra comum, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de areia.

Regas: Nos dias quentes, recomenda-se regar duas vezes por semana e no período frio, apenas uma vez por semana é suficiente.

035

A Avenca é uma planta ornamental, que faz parte do grupo das pteridófitas, herbáceas perenes como as samambaias e as selaginelas, com rizomas e folhagem delicada, de 30 a 40 cm de altura. Elas são muito utilizadas na decoração de ambientes internos ou em jardineiras, suavizando os ambientes onde são colocadas, devido à folhagem com formatos e disposição bastante interessante. Algumas variedades são variegadas (manchadas).
Estes tipos de plantas não produzem flores, sementes, nem frutos.

Exigem cuidados constantes, pois, muito suscetível, sente-se agredida pela mais leve mudança no ambiente. Todas as espécies possuem folhagem delicada, com muitos folíolos que pendem de caules finos, eretos, rijos e de cor marrom-escuro.

Desenvolvem-se em regiões terrestres e locais úmidos, algumas espécies habitam em água doce, mas não há nenhuma espécie marinha.

Em geral, crescem melhor em ambientes com temperaturas médias a altas, e precisam de alta umidade relativa do ar. Geralmente são cultivadas em vasos, e se adaptam melhor a ambientes de média a alta luminosidade, de preferência com luz indireta (sem sol direto). As avencas toleram baixas luminosidades. A planta não tolera bem baixas temperaturas. Podemos aumentar a umidade do ar colocando um prato com cascalho úmido sob a planta.

Mantenha a terra úmida, mas não encharcada. Nos meses mais frios, deixe o solo secar levemente antes de regar novamente. É importante que o substrato (terra) possua uma boa drenagem.

Recebendo tratamento adequado, ele estará em constante brotação, lançando novas folhagens que nascem enroladas como pequeninas bolas verdes e vão se soltando à medida que o caule se desenvolve.
O segredo para o cultivo da avenca reside em fornecer-lhe calor, muita umidade atmosférica e fora do vento direto, caso contrário a planta fenecerá.

'scutum_roseum'
Dentre as mais interessantes variedade encontramos a Scutum roseum, que apresenta brotos avermelhados que se tornam verde-escuros.

Adiantum Wrightii

A Wrightii, menor, é rosada ao nascer e se torna verde quando adulta.

Conheça agora, alguns de seus segredos.
Algumas variedades são usadas até na medicina popular como calmante para a tosse ou problemas no couro cabeludo. Mas é principalmente como planta ornamental que as avencas são admiradas.

O nome científico, Adiantum, deriva do grego ‘adiantos’ que significa ‘que não se molha’, pois as gotas de chuva deslizam sobre as folhas da avenca, sem molhá-las. O gênero Adiantum reúne muitas espécies e variedades. Dentre as avencas mais conhecidas e cultivadas, destacamos:

Adiantum capillus veneris2
· Cabelo-de-vênus (Adiantum capillusveneris)

Adiantum microphyllum
· Cabelo-de-anjo (Adiantum microphyla)

Adiantum macrophyllum
· Avencão (Adiantum macrophylla)

Adiantum radianum
· Avenca suíça (Adiantum radianum)

Cuidados na Compra
-
Escolha exemplares que estejam plantados em compostos bem úmidos e rejeite os que possuírem algum ramo ressecado.
- Evite plantas expostas ao ar livre.

Plantando Avenca na Primavera e verão
Plante ou replante a avenca nos meses de primavera, num bom composto orgânico formado por duas partes de terra, uma parte de calcário, uma de areia, outra de carvão vegetal granulado e um pouco de fertilizante de boa qualidade.
Coloque a planta em local semi-sombreado para que os raios solares não a atinjam diretamente. Verifique se a temperatura não está muito alta, pois as avencas detestam o calor excessivo. Quando isso acontecer, proteja o vaso, borrifando bastante água a seu redor para aumentar a umidade atmosférica no ambiente. Além disso, coloque o vaso sobre um prato contendo seixos molhados.
Regue com regularidade, nos meses de calor, apenas para manter o composto bem úmido, tendo o cuidado de não encharcá-lo. Em pleno verão, molhe duas vezes por semana.
Adube a cada quinze dias, com fertilizante líquido (você pode misturá-lo à água das regas), durante toda a primavera e o verão.

Plantando Avenca no Outono e inverno
Não exponha suas avencas a temperaturas inferiores a 13°C, senão sua folhagem desaparecerá e ela poderá morrer. O mesmo acontece quando a planta recebe correntes de ar frio.
Se os ramos escurecerem e começarem a murchar depois do inverno, corte-os com uma tesoura pontuda e afiada, bem rente à terra.
Veja mais »

tulipas1

As primeiras flores surgiram a milhões de anos, naquele período insetos primitivos como o besouro, por exemplo, comiam e danificavam os óvulos, gerando sucessivas pressões seletivas sobre as flores levando ao desenvolvimento do ovário da planta, que ao mesmo tempo protege os gametas e não impede que ocorra a fertilização.

Há muitos tipos de flores algumas se reproduzem de mudas e outras através de sementes. Algumas flores são perenes o que significa que não devem ser replantadas a cada ano e as demais tem que ser replantadas a cada ano.

A melhor maneira de um iniciante cultivar flores é através de sementes. Prepara-se o solo, planta-se as sementes, rega-se de acordo com as especificações de cada flor e é só aguardar a florada! Flores que se reproduzem de sementes são: amor-perfeito, dahlia, petunia e sempre viva dentre tantas outras.

As rosas são talvez as flores mais comuns que crescem de mudas. Apenas corte uma muda de uma roseira, replante e em alguns meses ela terá crescido. As rosas tem uma beleza impar e como todos sabemos estão presentes em todas as ocasiões importantes. Um vaso de rosas torna qualquer ambiente elegante e iluminado. Para aqueles que não tem muito espaço um vasinho de violeta africana dá o toque de beleza e leveza sem ocupar muito espaço.

Não podemos esquecer ao presentear alguém com flores de que estas podem causar alergias. É sempre bom confirmar antes se o recipiente não é alérgico.

Flores do campo ou as tradicionais rosas, cravos e margaridas são sempre um símbolo de afeto, amizade e um presente delicado que será sempre lembrado.

Os vários tipos de margarida
O termo margarida na verdade é usado para uma grande variedade de plantas, há mais de 20.000 espécies de margaridas, que também podem ser chamadas de bem-me-quer, malmequer, bonina, etc. São flores em formato de estrela, muitos tipos de alfaces e os girassóis não são considerados margaridas, mas compartilham muitas características em comum.

Quando a maioria das pessoas pensa em margaridas, imediatamente pensam em uma única flor, mas na verdade as margaridas além de serem muito antigas, remontando a mais de 50 milhões de anos e constituem mais de 10% das flores do mundo. Até mesmo a equinácea e a arnica e muitas plantas comestíveis com as alcachofras e as endivas são da família das margaridas.

Os crisântemos são também confundidos com as margaridas. E muitos crisântemos são muito semelhantes às margaridas, com seu centro amarelo e as pétalas brancas. Outros tipos, no entanto tem cores decorativas, do rosa ao roxo ou vermelho. Na Ásia o Chrysanthemum coronarium, é um grão com flores muito parecidas à margarida, mas as suas pétalas e centro são amarelos.

A margarida Africana tem pétalas púrpura brilhantes que se enrolam nas extremidades, e uma coleção de azuis, com pontos amarelos no centro.

As margaridas se apresentam em muitas cores e tamanhos, do marrom ao branco e podem ser encontradas em todos os climas do planeta. São fáceis de cultivar e se espalham muito facilmente, mesmo nos solos mais secos.

Os vários tipos de vasos
Vasos que decoram varandas e sacadas das janelas têm muitas funções e variedades. Vasos não somente acomodam as plantas, mas também conferem estilo, elegância, beleza.

A sua função é permitir que tenhamos flores e plantas em locais onde não há terra e até um certo ponto permitem a mobilidade da planta. Aquela planta que fica num canto pouco iluminado da casa pode ser levada ao sol por algumas horas, ou pode ser regada pela chuva. Até mesmo pequenas árvores podem ser colocadas em vasos.

Vasos de flores, não são usados simplesmente para a mobilidade da planta, eles propiciam o uso, em apartamentos e coberturas, de uma variedade quase infinita de flores e plantas, tornando os ambientes mais iluminados, conferindo estilo e elegância.

Os vasos de barro são sem dúvida os mais tradicionais. Eles podem ser encontrados em vários tamanhos e formatos e são acompanhados de uma base para proteger evitar derramamento de água. Podemos também usar uma variedade quase infinita de potes, vasos, do xaxim ao vidro, tudo vale para obter o resultado desejado.

Use vasos para os canteiros das janelas e varandas, plante a sua flor favorita, um canteiro de temperos, tomates, uvas, o que a sua imaginação decidir.

estrelinhas-2345