Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Flores e Folhagens’

PRÍMULAS
Não se pode e nem deve usar o mesmo método que usa para plantar flores no jardim quando as for plantar em vasos. Não pense que se trata de nenhum tipo de técnica complicada, porém, sim, é diferente.

A seguir como se faz para plantar flores em vasos e quais são as mais indicadas para esse tipo de plantio.

1 – Primeiro passo é escolher a planta (busque flores que são adequadas para vasos). Em geral, podemos dizer que as flores de vasos são as suculentas, pois elas conseguem “guardar” água no caule, nas raízes ou nas folhas e isso faz com que as regas não precisem ser em curtos espaços de tempo. Mas, não somente as suculentas são mais indicadas para serem plantadas em vasos, flores com lobélia, gerânio, petúnia, prímula e amor-perfeito se adaptam bem a esse tipo de cultivo.

2 - Não é qualquer vaso que serve para plantar flores.
É importante entre as variedades de vasos disponíveis, saber escolher o que é melhor para sua planta. Os materiais mais comuns e recomendados são: barro, cerâmica, plástico, amianto, fibra e cimento. Confira um pouco sobre cada um deles:
a) Plástico: destaca-se pelo preço baixo e porque é leve, mas por outro lado, sendo um material sem nenhum porosidade, merece maior atenção no que diz respeito ao sistema de drenagem.

b) Cerâmica ou barro: ambos materiais são considerados os melhores para o cultivo de plantas, pois são bem porosos e isso ajuda tanto na drenagem quanto na ventilação necessária. Porém, as regas deverão acontecer com um espaço de tempo maior porque o escoamento é mais rápido.

c) Cimento ou amianto: o problema é que assim como o plástico, ambos materiais possuem pouca porosidade e isso faz com que seja necessário caprichar na drenagem no fundo do vaso, com argila, cacos de telhas ou seixos. Por outro lado, a irrigação deverá ser feita com menos frequência.

3 - Adubação é outra parte importante para ser levada em consideração por quem está querendo flores de vaso. A primeira coisa que você precisa saber é que ela NÃO deve acontecer logo após a compra das plantas. O momento de adubá-las deve esperar pelo menos duas semanas depois que o cultivo foi feito. Além disso, não se esqueça da fertilização mensal e dependendo da planta, ela vai precisar de um reforço nos meses da primavera e do verão. São informações sobre as necessidades das plantas que você deve ficar sabendo logo no momento em que as mudas foram compradas.

4 - Quando falamos de vasos e drenagem, queremos dizer que esse é um ponto muito importante para quem está cultivando flores em vasos. No fundo, além de furos para o escoamento da água, é necessário criar uma cada de drenagem que pode ser feita com: pedregulho, cacos de telha, argila ou seixo. Além disso, é aconselhável colocar uma camada de manta geotêxtil.

5 – Na hora de plantar lembre-se que as raízes devem ser bem colocadas dentro do vaso e se for o caso, faça a poda, quando estão grandes demais. A planta deve ficar na posição reta e a terra deve ser colocada sem amassar a muda e deixando 1 cm para a borda. Aperte levemente a terra em volta da planta depois de terminar para ter certeza de que ela ficará firme dentro do vaso.

Flores de vaso – Dicas
Podemos dizer que os exemplos abaixo são flores que se relacionam muito bem com os vasos. Veja algumas dicas:

onze-horas-jpg
1- Onze-horas: além de ser muito fácil de plantá-la no vaso, ela não exige muito tempo para manutenção. Sem falar que as suas pétalas fazem da onze-horas uma ótima flor para decoração dos ambientes.

Ela dá flores o ano todo, mas gosta muito do sol, por isso, o ideal é deixá-la perto da janela ou na varanda.

violetas
2- Violetas: podem ser encontradas em várias cores. São bem pequenas, mas lindas para decoração. As folhas têm uma textura especial e as flores fazem um show a parte.

São bem simples na hora do cultivo e também fáceis na hora de cuidar. Elas são mais cultivadas em vasos de plástico e por terem raízes curtas, são melhores ainda. A principal atenção com as violetas é em relação a irrigação. É muito comum colocar muita água e acabar apodrecendo as raízes.

Gerberas
3- Gérbera: é uma flor muito usada para decoração pois as suas cores são marcantes, de um brilho intenso. Assim como a violeta é bem fácil de ser cultivada em vasos e além disso, dispensa muitos cuidados.

Ela suporta terra seca e até mesmo dias sem água. Na verdade, o ideal é regá-las somente duas vezes na semana. Porém, ela precisa da luz do sol e para cultivá-la em vasos é necessário comprar os exemplares compactos.

Crisantemo-
4- Crisântemo: ele floresce no inverno e também se adapta muito bem aos vasos. Por isso, a fase que a planta fica mais bonita é quando os dias são mais curtos.

Lisianthus roxo
5- Lisianto: o problema dessa flor, apesar de se adaptar muito bem ao cultivo em vasos é o fato de ser muito vulnerável ao ataque de doenças e pragas. Neste ponto, merece atenção. Fora isso, é muito fácil de cuidar dela.

mini-margarida
6- Mini margarida: é muito usada para o plantio em vasos, delicadas e bem pequenas elas fazem o maior sucesso na decoração. Sem falar as pétalas, em várias tonalidades. Para ela se desenvolver bem, o segredo é usar material orgânico e não esquecer de uma boa drenagem no fundo do vaso.

azaléia3

7- Azaleia: vermelha ou rosa, até mesmo branca ou em uma mistura de cores, é uma planta perfeita para vasos que ficarão dentro ou fora de casa. Elas são bem resistentes ao ataque de pragas e exigem pouco, na hora da manutenção.

As regas devem ser feitas de forma irregular e elas suportam baixa umidade e falta de luz, por outro lado, isso acaba fazendo com que pragas ataque a sua planta.

begonia-semperflorens2
8- Begônia: é fácil de cultivar e de cuidar. Ela pode chegar a altura de 30 centímetros e suas folhas verdinhas as fazem especiais na hora de ornamentação.

Ela pode ser cultivada como uma planta anual. Observe na hora de escolher a muda, pois se trata de uma planta com diversas variedades, umas que se adaptam melhor aos vasos e outras aos jardins.

Na decoração
Se você deseja fazer uma mudança na decoração de sua casa ou, até mesmo, decorá-la pela primeira vez, aqui vai uma dica bastante interessante: arrase na decoração colocando nos ambientes da casa alguns vasos de flores, pois, com certeza, sua casa ficará linda e com um clima super legal. Isso porque as flores têm o poder de passar boas vibrações ao local onde estão.

Você pode utilizar vasos com flores artificiais ou naturais, isto fica a seu critério. Porém, uma casa com flores naturais é muito mais chique, pois as flores naturais exalam um perfume maravilhoso e são incrivelmente lindas.

Confira, a seguir, algumas dicas de flores que são indicadas para serem plantadas em vasos.
Azaleia:
Uma dela flor que pode ser cultivada em vasos. Porém, é importante que o vaso tenha pelo menos 30 cm de profundidade para comportar bem a raiz.

Bromélia: Trata-se de uma planta que não precisa de muitos cuidados e é bastante resistente. Na hora de escolher a planta, leve em consideração o tamanho do vaso, que precisa ser proporcional ao da espécie de bromélia.

Orquídea: Uma planta bastante apreciada, a orquídea é bem mais fácil de ser cultivada do que parece. Entretanto, tenha o cuidado de escolher uma espécie que combine com o local onde você pretende deixar o vaso, se tem incidência de sol ou não.

Brinco-de-Princesa: Por ser uma flor que cresce de forma pendente, é ideal para o cultivo em vasos suspensos.

Gardênia: Trata-se de uma planta muito bonita e resistentes. Entretanto, uma de suas características mais marcantes é o perfume, por isso não é indicado colocar o vaso em lugares fechados se você não quer que o cheiro fique ainda mais forte.

Moreia: Uma flor delicada, porém fácil de ser cultivada. Combina com ambientes decorados em diversos estilos e também perfuma.

ouvindo-a-chuva

Eucharis Grandiflora2
A estrela-de-belém faz parte da família. A origem dessa planta é a América do Sul e ela suporta três diferentes climas, que são: tropical, subtropical e equatorial.

Além do nome estrela-de-belém, também é conhecida popularmente estrela-d’alva, lírio-do-amazonas e estrela-da-anunciação.

A altura média da planta fica entre 0.1 e 0.3 m e ela gosta de dois tipos de luminosidade diferentes: meia-sombra e luz difusa. Já o seu ciclo de vida é perene.

Características da estrela-de-belém
Planta bulbosa e herbácea, muito florífera que no Brasil, pode ser encontrada na floresta amazônica em grande quantidade.

As suas folhas são ovais e bem grandes, além de ter um bonito verde-escuro. Também são coriáceas, brilhantes e pecioladas. Quando chega o período da inflorescência se vê as flores que se sustentam em um longo escapo floral, elas ficam muito parecidas com a umbela.

Suas flores aparecem em quantidades que varia de 3 a 10 unidades e são bem grandes, cerosas, brancas e muito perfumadas. As flores da estrela-de-belém são muito parecidas com as flores de narciso. Elas surgem durante a primavera.

Eucharis Grandiflora
Uso na decoração
Esta é uma espécie perfeita para usar em ambientes internos e também em varandas de apartamentos. É uma rara exceção de planta que mesmo sem a luz do sol consegue florescer e as flores são bonitas e saudáveis.

Mas, mesmo quando ela não está com flores, é uma planta bonita de se ver, porque as folhas fazem um espetáculo a parte. Por esses motivos, que ela se torna uma ótima espécie para o uso na decoração.

As flores podem aparecer até três vezes, em momentos distantes, a cada ano. A estrela-de-belém deve ser cultivada, de preferência, em vasos grandes e durante a fase de cultivo deve receber a claridade do sol, além de exigir boa adubação e irrigação.

O lugar perfeito para a estrela-de-belém é um canteiro adubado sob uma copa de árvore, pois é o lugar que ela receberá luz difusa e se desenvolverá da melhor maneira possível.

Cultivo
Essa espécie deve ser cultivada sob sombra ou meia-sombra. O substrato ideal para o cultivo da estrela-de-belém é drenável, fértil e leve. Importante: que seja enriquecido com matéria orgânica. É necessário que ela receba irrigação frequente. É uma planta que gosta muito do calor dos lugares tropicais, mas em estufas, podem sobreviver as temperaturas mais baixas.

A cada dois anos é necessário fazer as reforma dos canteiros, caso a plantação tenha sido no jardim. Uma das suas desvantagens é que se trata de uma planta muito sensível a fungos, lagartas e ácaros. Sua multiplicação pode ser feita através de separação dos bulbos.

Eucharis Grandiflora5
Características da planta
*
Ela possui bulbos arredondados que chegam a medir 6 cm de diâmetro.
* As folhas que também são bem grandes, podem chegar a mediar 40 cm de comprimento.
* As flores são brancas e perfumadas e surgem em racemos, medindo cada uma delas 10 cm de diâmetro. Além disso, suas pétalas, seis, são distribuídas quase que formando uma estrela.
* A haste floral onde surgem as flores pode chegar a medir 70 cm de altura.
* Aprecia locais bem iluminados apesar de não gostar da luz direta do sol.
* Precisa ficar em lugares com boa ventilação.
* No interior dos ambientes, os vasos devem ser colocados em lugar que tenha boa iluminação. Já nos canteiros, onde tenha sombra, ajudando a criar ótimo efeito de forrações e folhagens baixas.

Solo ideal para seu cultivo
*
Argilo-arenoso.
* Tem que ser rico em matéria orgânica.
* A mistura ideal do solo é de 2 partes de terra argilosa com 1 parte de areia e mais uma parte de composto orgânico.
* Para que as flores cresçam bonitas e rápido é melhor colocar farinha de ossos na mistura.

Eucharis Grandiflora1
Como plantar
* O espaço entre os bulbos na hora do cultivo deve ser entre 40 ou 50 cm entre eles.
* Não coloque terra demais para cobrir os bulbos. Basta uma fina camada de terra.
* Pressione, sem fazer força, o substrato em volta dos bulbos para firmá-los.
* Quando se cultiva em vaso, o ideal é que ele tenha pelo menos 20 cm de diâmetro.

Dicas para cuidar da planta
* Não se deve regar a estrela-de-belém demais para evitar que os bulbos terminem podres.
* Ao sinal da haste floral é hora de colocar fertilizante líquido e esperar que as flores apareçam. A diluição na água deve ser aquela recomendada pelo fabricante.

Reprodução da planta
*
A propagação é feita através da divisão dos bulbos mais velhos.
* Normalmente, esse processo acontece entre o fim do inverno e o início da primavera.
* O primeiro passo é retirá-las do canteiro ou do vaso e os bulbos devem ser retirados com cuidado para remover a terra.
* Em seguida, se separa os bulbos com muito cuidado para que não se quebrem.

54

Argyranthemum_frutescens
Temos na natureza uma infinidade de flores e muitas são bem semelhantes fisicamente. Conhecer um pouco de cada uma delas é importante principalmente se o desejo for um lindo jardim, já que a composição mesclada com diversos tipos de flores deixa o ambiente muito mais agradável e com um aroma bem mais diversificado também.

A Margarida-de-paris faz parte do grupo de plantas que pertence a família Asteraceae. Popularmente, além de Margarida-de-paris, essa flor também recebe o nome de Crisântemo, margarida, margarida dos floristas e margarida-francesa.

Cada um desses nomes é popular em uma região diferente e podem ainda existir outras variações. É uma flor típica do continente europeu, mais precisamente das ilhas Canárias. Com altura medindo entre 30 e 40 cm e sua floração são anuais e perenes, dependendo da região e da forma de cultivo.

As cores predominantes na margarida-de-paris é o branco, o rosa e o amarelo claro sendo ainda algumas encontradas em coloração verde um pouco amarelada. Algumas de suas flores, mais precisamente as diminutas, não apresentam aromas, mas as outras variações são bem odoríferas levando ao ar um aroma bem agradável para quem as cultiva.

Apesar das flores serem pequenas, a ramificação completa pode chegar até 1,20 m de altura o que facilita o seu plantio isolado.

O ideal é cultivar flores com as mesmas necessidades de adubação, iluminação e rega, da margarida-de-paris, para evitar ter alguma planta pouco desenvolvida ou sem florescimento. Algumas pessoas gostam de cultivá-las isoladas em vasos para incrementar a decoração de ambientes internos, por ser considerada uma flor rústica, nenhum problema terá se deixar a flor com as condições ideal de cultivo.

Argyranthemum frutescens1
Cultivo da margarida-de-paris
As margaridas-de-paris devem ser cultivadas sob o sol pleno e com ação diretas dos raios solares. O solo deve ser bem fértil e enriquecido com matéria orgânica, pois como já foi mencionado, essa flor é considerada uma planta rústica então vai exigir um pouco mais de fertilidade para crescer saudável.

As regas devem ser regulares e sem exagero, então nada de deixar o solo encharcado porque isso vai atrasar o crescimento da planta ou até mesmo matá-la. Essa planta gosta de ambientes frios, o que faz com que ela seja cultivada com mais facilidade e frequência em locais de altitude e clima com características subtropicais e/ou temperados.

A multiplicação é feita por estacas. A margarida-de-paris vai exigir temporariamente uma poda e é necessário saber exatamente como fazê-lo para evitar perder ou danificar a sua flor.

Como Podar a margarida-de-paris
Como qualquer outra planta, a margarida-de-paris precisa de poda. Acontece que por ser uma planta um pouco mais delicada, apesar de rústica, ela vai precisar de podas especiais, dessa maneira: As podas devem ser regulares então o ideal é que seja  programado sempre para evitar que a planta cresça desregular. Mantendo as podas, as margaridas-de-paris crescerão de forma igual, densa e fechada.

Argyranthemum frutescens
O que é preciso para podar a margarida-de-paris
Uma tesoura de poda com o cabo longo e uma tesoura para poda comum

Agora basta seguir os passos abaixo:
Passo 1:
Mesmo ela possuindo sempre a mesma característica, algumas sempre se desenvolvem mais que outras, então o que vai deixar o seu cultivo bonito são todas iguais. Nesse  primeiro passo, deve-se arrancar todas as hastes longas e em forma esguia ou aqueles ramos que estão isolados que acabam crescendo nas laterais da planta. Deve ser retirado também, todos os galhos que estejam localizados perto da base da folha. Isso fará com que os seus arbustos fiquem mais uniformes e cresçam mais densos.

Passo 2:
Agora é a vez de podar as folhas mortas e/ou doentes da planta. Observe cada uma delas cuidadosamente para eliminar todas, pois se uma única folha doente permanecer poderá infectar todas as outras. Apare a mais ou menos 5 cm  do tecido saudável.

Passo 3:
Com a tesoura de cabo longo, faça a poda de todas as flores da margarida-de-paris. De preferência faça esse corte no meio na primavera, porque é após essa estação que a maioria delas começar a secar. No outono, estação propícia para florescimento, elas crescerão muito mais regulares.

flores ao vento gif

Tacca chantrieri2

Conhecida popularmente como Planta-morcego, Orquídea-morcego, Flor-negra, Bigodes-de-gato, Taca-negra, a Tacca chantrieri tem sua origem na distante Malásia e pertence à família Dioscoreaceae.

É uma flor de visual extremamente exótico, quase totalmente negra, possuindo “filetes” que podem atingir 20 cm, também pretos que emprestam uma composição diferente de outras espécies ornamentais, que conquistou espaço na vida de muitos brasileiros apaixonados por plantas.

Aceita ser cultivada em vasos, floreiras ou diretamente no solo, sempre a meia sombra, muito bem suprido de água, mas sem encharcamentos. Prefere solo rico em matéria orgânica. Apresenta melhor floração a partir do final de outubro em regiões mais quentes.

Multiplica-se por extração de brotações laterais da planta mãe ou ainda por sementes que tem bom poder germinativo. Não aceita sol direto.

Conhecida popularmente no Brasil como flor-morcego, assim chamada devido a semelhança de suas pétalas com a asa do morcego em vôo, a Tacca chantrieri é uma planta tropical, muito conhecida por suas flores exóticas e ornamentais.

Florescendo na primavera e verão a flor-morcego possui inflorescências que se assemelham com pequenos morcegos, com duas brácteas de um tom marrom escuro, quase negras e longas “bigodes”.

Tacca chantrieri

As flores verdadeiras são pequenas e globulares. Os frutos que se seguem são cápsulas papiráceas que levam cerca de um ano para amadurecer.

Suas raízes são longas e tuberosas, suas folhas são elípticas, de cor verde-oliva, brilhantes, glabras, com nervuras bem marcadas e sustentadas por longos pecíolos.

Apesar de ser chamada também de “orquídea-morcego”, esta espécie exótica não tem parentesco com as orquídeas, na verdade ela pertence à família Dioscoreaceae, a mesma do inhame (Dioscorea sp).

Cultivo
O cultivo da Tacca é considerado difícil e deve ser cultivada sob luz difusa, sendo ideal para áreas sombreadas, por ser uma planta tropical e se desenvolve melhor em climas quentes e úmidos. Prefira cultivá-la em vasos ou floreiras em ambientes arejados.

Quando a planta se adapta ao local de cultivo ela cresce produzindo novas mudas e tende a definhar se o local não lhe for agradável.

Tacca_chantrieri02

Utilize um solo bem aerado e um vaso com um furo no meio para essa planta, ou plante-a no quintal usando somente a terra bem aerada. Se a terra que você comprou se compactar, adicione areia para que ela se torne mais aerada.

O solo deve ter uma boa drenagem de água, mas também deve reter umidade suficiente para as plantas, que precisam permanecer úmidas o tempo inteiro. A Tacca precisa estar levemente úmida constantemente, por isso não a deixe ressecar entre as regas.

As folhas também se dão bem se você as borrifar com água de leve durante as épocas mais quentes do verão. Coloque húmus no solo para fertilizá-lo. A Tacca torna-se dormente durante os meses do outono. Deixe-a quente e seca até a primavera, quando você poderá retomar os horários de regas regulares em preparação às novas flores.

Esta planta não é propensa a nenhuma praga em particular, mas é bom sempre dar uma inspecionada nas plantas e procurar por sinais de pragas, como buracos nas folhas ou a presenças de insetos visíveis antes de comprar.

Multiplicação
A Tacca se multiplica por sementes ou pela separação de mudas da planta-mãe, sendo que as mudas formadas por sementes tendem em florescer só depois de 2 anos.

Ela não tolera o frio intenso ou longos períodos de estiagem, necessita de fertilizante a cada 15 dias durante a primavera e o verão, os melhores são os orgânicos como, esterco curtido, bokashi, farinha de osso, torta de algodão ou mamona ou húmus de minhoca e para revigorar a planta é aconselhável replantá-la a cada 2 ou 3 anos.

O melhor substrato para o cultivo é o humoso, leve, bem drenável, mas que deve ser irrigado com frequência.

56 - 1

petúnia hybrida
Dentre tantas opções de flores, as petúnias se destacam pelo ar de mistério e pela grande variedade de tipos. Cultivar essas flores pode ser mais fácil do que se imagina quando se faz por amor e com dedicação.

Essas flores tiveram sua origem principalmente na América do Sul em países como Brasil e Argentina. Uma curiosidade é que essas flores estão bem diferentes hoje em dia de como eram quando foram descobertas.

No momento da sua descoberta, haviam alguns tipos de petúnias como: Petúnia axillaris (flores brancas) e a Petúnia violácea (flores roxas). Porém, essas flores não obtiveram sucesso junto aos europeus por serem fraquinhas e muito pequenas.

Exatamente por isso, ingleses e alemães passaram a cruzar flores na busca de ter petúnias maiores e com mais cores. Dessas experiências de cruzamento surgiram as petúnias mais comuns que tinham como nome científico Petúnia x hybrida.
Petúnia axillaris 1
As petúnias no jardim
As petúnias mais comuns podem chegar a tamanhos de 15 cm a 30 cm e se adaptam muito bem a canteiros, vasos ou forrações. Essas flores devem ser cultivadas em solos que sejam férteis, rico em matéria orgânica e bem drenada.

Mas, o que realmente enriquece a natureza das petúnias é o fato de elas passarem pela chamada hibridação natural, ou seja, contrariando as leis da natureza uma mesma espécie é capaz de gerar através do cruzamento de suas características um ser totalmente novo e híbrido. Assim você pode ter petúnias de cores totalmente diferentes num único vaso.

Plantio de petúnias através de sementes
O primeiro passo para cultivar belas petúnias no jardim ou dentro de casa é comprar as sementes das mesmas. Essas sementes podem ser encontradas em várias lojas especializadas e até mesmo em supermercados sendo vendidas em saquinhos.

Observe na hora de escolher as sementes que vai utilizar as cores das Petúnias resultantes. É possível escolher uma flor da cor que você deseja.

Ciclo de vida da petúnia
A petúnia é uma flor capaz de florescer o ano todo, porém, depois de um ano mostra-se necessário fazer o replantio. Apesar disso essa flor não é muito exigente ao que diz respeito aos cuidados e condições necessárias para sobreviver e se destacar.

Quando observar que as petúnias já não florescem e seu aspecto está bem caído não hesite em fazer o replantio. Pelo fato de serem flores anuais depois de passado o ciclo de um ano as petúnias começam a atrofiar até que acabam morrendo.
Petúnia violácea
Cultivo
Para que o cultivo das plantas em geral seja bem sucedido é importante oferecer a elas o necessário para ter condições de vida e florescimento.

As petúnias precisam de sol pleno para que possam crescer, use meia sombra somente se contar com uma ótima luminosidade. Porém, fique atento que enfrentando temperaturas muito altas essas flores podem murchar. O ideal é ter sol, mas temperaturas mais amenas.

Geralmente as regas das petúnias devem ser feitas de duas a três vezes por semana. Nos períodos de verão pleno é melhor regar todos os dias. Porém, sempre fique atento para não encharcar o solo.

Quando vamos fazer o cultivo de qualquer tipo de planta devemos atentar para o tipo de solo que utilizaremos. No caso das petúnias o solo deve ser fértil, rico em matéria orgânica e com uma drenagem.

Após três meses de feito o plantio é importante fazer a primeira adubação da planta. Para isso pode utilizar um fertilizante foliar. Repita a adubação mensalmente a partir da primeira para garantir mais saúde para as suas petúnias.

Uma dica para o uso do fertilizante é aplicá-lo sempre com a planta na sombra e de preferência pela manhã.

Nos locais em que chove muito e com muita intensidade as petúnias podem ter sérios problemas. Como as suas pétalas são muito frágeis essas flores tendem a ficar rasgadas e com um mau aspecto quando são atingidas muito de perto pelas chuvas. Embora se recuperem com rapidez é sempre um fator estressante paras petúnias.

petunia-axillaris-x-integrifolia-f
As folhas são uma parte muito importante das plantas e no caso das petúnias podem ser atacadas por fungos que promovem um tipo de “queima” nas mesmas. Se observar que há algo de errado com as folhas das petúnias saiba que há algo errado com as plantas.

É importante que sempre que as petúnias começarem a murchar seja retirada da planta aquelas que estão com mau aspecto, pois assim evitará o possível aparecimento de fungos na planta.

Propagação
Embora as petúnias possam ser plantadas em qualquer época do ano durante a primavera as suas sementes tem mais chance de se propagarem. O nível de floração também é muito maior nessa época do ano. No caso de espécies de petúnias maiores a sua propagação pode ser feita através de estacas.

Pequenos cuidados
Se for realizar o cultivo de petúnias no seu jardim tem alguns pequenos cuidados essenciais. Dentre eles está a necessidade de plantar as sementes a uma certa distância uma da outra, pois assim haverá espaço para que elas cresçam e se desenvolvam.

Outra coisa bem importante é que quando for regar essas flores tenha sempre o cuidado de não encharcá-las, pois isso pode resultar em flores murchas. Depois que essas flores enfrentam uma geada dificilmente se recuperam e por isso mesmo é necessário fazer  descarte e começar o cultivo novamente. Com as condições corretas e cuidado, as petúnias podem crescer muito bonitas e compondo um belo colorido em seu jardim.

janel3

begônias-tuberosas
A begônia é uma espécie botânica que pertence à família Begoniaceae. São, de maneira geral, plantas ornamentais, de folhagem característica, e ocasionalmente flores atraentes.

Elas provêm principalmente da América tropical, de florestas úmidas ou nichos de umidade das savanas, com muitas espécies epífitas ou rupícolas, embora a maioria seja terrestre.

Algumas espécies apresentam tubérculos subterrâneos que as mantêm vivas por muitos anos, embora a parte aérea normalmente pereça no fim de cada ciclo anual. As assim chamadas “begônias tuberosas” são apreciadas por serem plantas duradouras, que podem ser armazenadas em forma de tubérculos fora da terra durante algum tempo para rebrotar na época apropriada.

Outras begônias, mesmo sem tubérculos, podem se tornar espécies bastante longevas, sobrevivendo por décadas mantendo seu viço. Quase todas as espécies se propagam por meio de rizomas.

As begônias são gêneros de plantas com mais de mil espécies de plantas e até dez mil variedades híbridas. Algumas são cultivadas por sua folhagem colorida, outras para as suas flores.

Todas as espécies podem ser cultivadas com sucesso como plantas da casa, mas alguns também são capazes de viver fora. Felizmente, para os produtores de begônia, apesar da diversidade do gênero, os cuidados são semelhantes, tais como:

Begonias
Luminosidade
Procure conceder para todas as begônias a luz do sol de uma janela ao leste ou do sul. Para begônias cultivadas pela sua folhagem, a luz não deve ser direta, mas sim filtrada por uma cortina transparente ou à sombra de uma árvore do lado de fora da janela. Begônias floridas, no entanto, precisam de várias horas de luz solar direta a cada dia.

Esta representa a grande diferenciação entre os dois gêneros com relação à energia do sol. Forneça temperatura estável para begônias. Elas são sensíveis às flutuações bruscas de temperatura e, portanto, devem ser mantidas longe de correntes de ar. Tome cuidado para não sobrar água, o excesso pode apodrecer a espécie.

Begônias exigem algum sombreamento. Se certifique em não plantar nas áreas que recebem luz direta do sol o tempo todo. Quando recebe muito sol, as folhas podem aparecer de maneira magra. Iluminação moderada é o melhor cenário em que prospera a maioria das begônias. Fique de olho nas begônias e ajuste a iluminação precisa de conformidade.

Vasos pequenos
A begônias devem ser mantidas em vasos pequenos, pois elas têm sistemas radiculares pequenos e não precisam de frequentes reposições. No entanto, a cada primavera se se faz necessário verificar se as raízes estão completamente envolvidas em torno do fundo do vaso. Caso isso aconteça, atualize a planta begônia para potes maiores.

Begonia-6
Estações do ano
As begônias floridas devem ser movidas para fora durante os meses de verão, outono e primavera, assim você pode criar condições adequadas para elas. Begônias floridas desfrutam de varanda com sombra, desde que a temperatura não caia abaixo de 60ºC. Begônias crescem fora e precisam de regas frequentes.

Begônias possuem inúmeras variedades. Elas têm folhagem variegadas e flores comestíveis. Para cuidar de uma begônia tuberosa durante o inverno se faz necessário salvar a raiz tuberosa da planta e preservar a mesma para a partida dentro de casa no início da primavera.

Permita com que a planta begônia seque seu solo no outono e rejeite todas as folhas. Cave em torno de onde o vegetal cresceu, delicadamente, usando a espátula e as suas mãos para localizar a raiz tuberosa.

Depois, coloque em um tubérculo dentro de lugar seco para secar por três dias. Preencha meio saco de papel cheio de musgo de turfa seca. Coloque o tubérculo seco na bolsa, situado no musgo.

Begônias são plantas com as origens dos trópicos, embora sejam altamente adaptáveis em variados climas. A maioria das begônias crescer o seu melhor em temperaturas de frio para ajustes moderados.

Existem alguns tipos de begônias que podem prosperar em condições de tempo frio, mas geada é a pior coisa para begônias.

Caso residam em regiões que congela no inverno a boa ideia está em desenterrar e guardar as plantas na garagem ou em qualquer área livre de gelo que esteja ventilada. Antes de armazenar as begônias se certifique de que estejam limpos com areia seca ou turfa.

begônia branca
Solo para begônias
O melhor tipo de solo para crescer que as begônias cresçam é o ácido. Isso significa que ele tem um nível de PH mais baixo. Além disso, especialistas o uso do solo misto para suas begônias. Uma boa medida representa a mistura de solo pesado, esterco e turfa.

Leve o tempo que for necessário para experimentar a e descobrir qual tipo é melhor para as suas begônias. Lembre-se de tomar as suas condições de meio ambiente em consideração ao escolher o melhor tipo de solo, os dois aspectos possuem relação íntima quando o assinto está relacionado com a escolha da melhor terra.

Regas das begônias
As begônias devem ser regadas com frequência, pois suas raízes nunca devem estar secas. Devido a isso, certifique-se de manter constantes regadas. No entanto, nunca deve encharcar a plantas, sendo necessário manter a estrutura úmida. Com o tempo os produtores pegam o jeito e pode saber melhor quanto de água se faz necessário para o seu tipo de begônia.

Fertilize a begônia, mas não com muita frequência. Isto irá manter as plantas saudáveis e vivas, mas somente quando feito de maneira correta. Quem quiser begônias com folhas maiores vai encontrar no fertilizante o caminho correto a se percorrer.

Begônias exigem algum sombreamento. Se certifique em não plantar nas áreas que recebem luz direta do sol o tempo todo. Quando recebe muito sol, as folhas podem aparecer de maneira magra. Iluminação moderada é o melhor cenário em que prospera a maioria das begônias. Fique de olho nas begônias e ajuste a iluminação precisa de conformidade.

begonia-semperflorens-
Controle de pragas
Apesar de ser livre de pragas de maneira considerável, produtores podem encontrar problemas com insetos se não for tratada da maneira correta. Há diversos tipos que amam begônias.

Fiquem de olho atento às lagartas, que apreciam de forma especial o consumo das folhas da espécie floral. Uma dica está na aplicação direta dos repelentes.

Recorte as folhas mortas ou amareladas. Flores que já não estão vivos e saudáveis devem ser cortadas. Se você achar que as hastes estão ficando muito tempo, também faça o corte, que impede com que as begônias fiquem livres de pernilongos.

Propagação
É comum cortar os caules, sementes e as seções das folhas de begônias. Ao fazer isso, se pode expandir o jardim e compartilhar a beleza natural com seus amigos.

Estas foram apenas algumas ideias básicas e práticas que cada produtor begônia deve saber. Ao conhecer as noções primordiais do cultivo até mesmo os produtores que estão começando a carreira devem ser capazes de fazer os ajustes, bem como conhecer melhor as necessidades das espécies floras excêntrica.

Com o tempo e a experiência se desenvolver o estilo próprio na maneira correta de crescer conforme ambiente específico.

Diversos amantes de naturezas e espécies exóticos estão em busca de dicas para cultivar begônias de forma qualitativas e por consequência aumentar o número de exuberância no jardim. Conheça dias para fazer o cultivo de begônias.

begonias1-

Plantio de begônias
Grande parte dos especialistas que se relaciona no sentido das begônias consiste em iniciar o plantio no mês de abril, quando se trata de plantação em terras nacionais. Existem diversos tipos de begônias e cada estrutura demanda de cuidado especial que pode ser conquistado na embalagem das sementes que tratam das flores do tipo.

Clima ideal para begônias
Não se pode ignorar que o máximo de cuidado durante o processo representa ponto necessário ao levar em conta o nível de delicadeza que existe nas estruturas conhecidas por serem de solos com climas tropicais.

De forma prática e sob a ótica do clima existe a necessidade de plantar nas regiões que variam entre 20 e 30ºC. Por esse motivo que em países frios as espécies do gênero se estabelecem em estufas que são feitas para manter esse tipo de temperatura.

Claro que o tipo da espécie se relaciona com o clima em si. Por exemplo, existem begônias denominadas “cerosas” e que de modo geral se estabelecem em canteiros.

Espécies do gênero possuem a preferência de não receber as chuvas torrenciais que acontecem nas épocas de clima quente do ano, ao ponto que também se desenvolvem com melhor qualidade em zonas com clima ameno. Caso contrário, cerosas podem perder a qualidade da saúde e demonstrar os sintomas na estética que fica melada.

begonia
Itens necessários e como plantar begônias
Por causa do tipo de fragilidade que existe na espécie há a necessidade de ter os seguintes materiais em mãos antes de iniciar o processo de cultivo: Vaso, areia, estercos (de preferência do curral), terras, mudas e húmus.

Agora que estão expostos os materiais básicos para fazer esse tipo de plantação chegou a hora de colocar as mãos à obra.
* Primeira intenção que deve existir em mente consiste em criar estrutura na qual exista processo de drenagem com qualidade, sem contar que o ambiente precisa ser perfeito para acontecer o desenvolvimento da flor.

* Na sequência faça composição que tenha partes iguais de húmus, terras e areia, pelo menos um terço de cada elemento. Depois de misturados, os ingredientes precisam receber o esterco e continuar com nova mistura até que as substâncias estejam misturas com qualidade.

* Não se pode ignorar o fato de que parte dos plantadores que querem cultivar demanda opta por fazer o cultivo em vasos que servem para embelezar com melhor qualidade o local. Não há problemas para fazer o procedimento, desde que aconteçam trocas constantes de vasos nos momentos em que começam a crescer.

Tenha em mente de que quando as estruturas se encontram em vasos pequenos e começam a crescer, as raízes se entrelaçam entre si e por consequência atrapalham de forma direta no caminho da água e na absolvição dos nutrientes.

* Grande parte do público especialista indica que os transplantes devem acontecer quando o crescimento ultrapassa a casa dos 10 cm. Uma dica interessante para passar de um vaso para o outro está em regar pelo menos uma hora antes. Com esse procedimento a terra não vai desmanchar durante o processo.

begonia11
* Interessante notar que assim com qualquer planta exótica existe a necessidade de ter o máximo de cuidado quando for podar a begônia.
De forma prática, pelo menos uma vez pode semana os galhos que estão secos precisam ser retirados, de principal quando se estabelecem entre as folhas e atrapalham de forma direta não apenas na respiração como também no ato de captar nutrientes das raízes.

* A poda precisa acontecer de modo anual e jamais pode ser negligenciada por quem está responsável por cultivar. Especialistas indicam que a melhor época para fazer o procedimento consiste nos meses da primavera. Quando for realizar o processo tenha em mente de que precisa acontecer de forma intensa, o que de forma clara ajuda para que nasçam novos ramos com o processo de brotação. Jamais se esqueça de cortar na diagonal.

* O processo de adubação também representa em elemento importante para desenvolver a begônia. O adubo precisa acontecer em cada sessenta dias.

Para saber quando a planta precisa de aumento ou queda em termos de adubagem fique com os olhos atentos às características da tonalidade de folhas que quando estão marrons representam que há necessidade de fazer crescer a quantidade de umidade da terra.

* Quanto menor o cuidado no cultivo de begônias maiores são as chances de acontecerem ataques de fungos e ácaros que podem desintegrar a estrutura e colocar o trabalho em cheque.

Esse fato pode acontecer não apenas por causa da falta de atenção por parte de cultivadores como também porque espécies do gênero possuem o costume de se desenvolver em locais com alta taxa de umidade.

Caso isso aconteça com a sua plantação a melhor forma de proceder se encontra em busca auxílio com agrônomos que estão acostumados a tratar com esse tipo de flor, livros de agricultura que se relacionam com begônias ou visitar lojas especialistas que tenham funcionários capazes de fornecer orientação ou remédio que traz a cura.

* Outro ponto que não pode ser ignorado e que tem importância vital na vida de begônias está no processo de rega. Atenção! Molhe apenas a terra, jamais coloque a água nas folhas. Outra dica a se considera está em fazer buracos nos vasos para acontecer o escorrimento do excesso de água que não entre no ciclo de absorção da planta. Interessante notar que potes de plásticos aumentam as chances de gerar umidade, por esse motivo a melhor indicação para cultivar está em composições de barro.

* Seguindo as indicações que foram expostas no artigo aumenta a probabilidade de conquistar êxito ao cultivar as begônias. Procure seguir as dicas a risco, visto que espécies do gênero são frágeis e suscetíveis a ataques de fungos.

janel6

Callistephus chinensis11

O áster-da-china é uma planta anual, de floração ornamental, que surpreende a todos com suas flores coloridas em tons de aquarela.

Pertence à família Asteraceae e tem origem na Ásia – China e Japão. É também conhecida por outros nomes populares, tais como: Áster, Malmequer-de-sécia, Rainha-do-mercado, Rainha-margarida, Sécia.

Principais características
De caule rijo, chega a 50 cm de altura. As folhas são irregularmente denteadas, simples, alternas e verdes. Apresenta inflorescências grandes, com o disco central amarelo e as pétalas dispostas em uma fileira simples na variedade típica. No entanto, atualmente as variedades mais frequentes são dobradas, com inflorescências cheias, esféricas.

Apresenta-se nas cores branca, azul, roxa, vermelha e violeta. Na verdade, a áster-chinesa é uma espécie silvestre de margarida, daí o seu nome, menos rústicas que as outras espécies da mesma família. As pétalas delicadas da flor nem sempre são boa coisa para os produtores, já que elas se desfazem muito facilmente, até mesmo com a presença de ventos moderados.

Ela, por este motivo, é bem difícil de ser encontrada nas lojas especializadas. Para ver uma espécie dessas de perto, é melhor procurar em jardins e quintais. Como ela também é muito parecida com flores do campo, pode ser misturada às mesmas em buquês de flores.

A áster-chinesa adapta-se bem ao calor, assim como a climas temperados, e dura muito mais do que outras flores.

Callistephus_chinensis_1.

A primavera é a estação ideal para semear a espécie, que prefere o tempo de sol pleno e desabrocha em variedades de formatos, cores e números de pétalas. Entre as dezenas de espécies de “pérolas” (o significado em grego do nome), a rainha margarida destaca-se pela delicadeza.

A áster-chinesa é ideal para a formação de maciços e bordaduras no jardim.Também podem ser plantadas em vasos e jardineiras e suas flores podem ser colhidas para a confecção de arranjos florais graciosos.

Modo de cultivo
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, perfeitamente drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Não tolera solos encharcados. Em regiões quentes convém conduzi-las sob meia-sombra, resguardando-as do sol forte do meio dia.

Cuidado com a fertilização excessiva com adubos nitrogenados, isso deixará a planta fraca e suscetível às pragas e doenças.

Variedades de porte alto devem ser tutoradas para que não quebrem durante o crescimento e floração.

Callistephus_chinensis_

Multiplica-se por sementes postas a germinar no final do verão e outono. A áster-chinesa é sensível ao transplante: plante no local definitivo ou em sementeira, mas neste último caso transplante com cuidado em dias nublados.

Como plantar as sementes
Semeadura:
Para preparar as mudas, colocam-se de duas a três sementes em cada cavidade de uma caixa de ovos ou bandeja de isopor para semeadura (comprada em lojas de jardinagem). Cobrem-se com um substrato de terra e regam-se diariamente as mudas, mantendo-as sempre umedecidas. A bandeja deve ficar à meia-sombra até que a muda atinja 6 cm de altura, em cerca de três semanas.

Preparo da terra: Transpõe-se a muda para um vaso com uma parte de terra, uma parte de húmus e outra parte de areia ou vermiculita. Devem receber sol, ter de 10 a 15 cm de profundidade e ser preparados com húmus ou terra vegetal. Dispõem-se as mudas a cada 15 ou 20 cm.

callistephus-chinensis-

Rega e luminosidade: Molhar diariamente ou sempre que a terra ressecar-se e manter em local que receba sol pleno.

Floração: Ela ocorre normalmente durante a primavera e o verão.

janela-chuva

cravina barbatus dianthus-1

A cravina barbatus é uma espécie de Dianthus nativa das montanhas do sul da Europa, do leste dos Pirineus aos Cárpatos e Bálcãs.

É uma herbácea bianual ou perene de curta vida, podendo às vezes durar o terceiro ano. Dependendo da variedade pode alcançar 30 a 75 cm de altura, dependendo da variedade. As flores são produzidas em densos cachos (até 30 flores) e possuem um forte aroma, parecido com o do cravo-da-índia.

Ela foi introduzida ao norte da Europa no século XVI e mais tarde na América do Norte e demais países, e acabou de naturalizando em diversas áreas.

A propagação é feita através de sementes. A temperatura ideal fica em torno de 15°C a 20°C. Não enterrar, pois a luz ajuda a quebrar a dormência, germinação em 5 a 10 dias. As sementes consideradas anuais (que florescem e morrem em um ano) podem ou não cumprir o prometido, dependendo da variedade e de como elas reagem ao clima local.

A cravina barbatus é fácil de cultivar e manter, mas pode precisar ser replantada após um ou dois anos, já que ela raramente sobrevive mais tempo.

Devido à grande variedade de cravina barbatus e a seus diferentes métodos de cultivo, você pode obter informações conflitantes sobre quando essas flores surgem e quanto tempo elas duram.

As variedades bienais florescem no segundo ano e morrem. Supõe-se que as variedades perenes produzam flores ano após ano, mas a cravina barbatus perene costuma levar dois anos para produzir flores e com frequência morre antes de florescer uma segunda vez.

O cuidado certo com a cravina barbatus perene aumenta a chance de produção de novas sementes conforme descrito na seção sobre como cuidar dessa planta.

Para que a cravina barbatus floresça em um ano, adquira mudas ou plantas adultas no outono ou na primavera. Confirme com cultivador se a planta vai florescer no ano corrente antes de levá-la para casa, já que algumas mudas podem não florescer até o segundo ano.

cravinabarbatus
Decida quando plantar
As sementes da cravina barbatus são suficientemente resistentes para sobreviver à maioria dos invernos e podem ser plantadas no outono ou no final da primavera para florescer 12 a 18 meses depois.

Se as plantas já começaram a crescer ou se você estiver preocupado com um inverno rigoroso, é possível manter as plantas em vasos em casa e, mais tarde, transplantá-las no exterior no início da primavera. Quando as mudas tiverem de seis a oito semanas, elas serão transplantadas com facilidade, com pouco risco de sofrer danos.

Encontre uma área com boa luz solar, mas temperatura amena
A planta cresce mais rápido debaixo do sol, mas se adapta melhor a climas frios. O ideal é que ela receba de quatro a cinco horas de luz solar direta por dia, mas plantá-la na sombra é uma opção inteligente se você mora em área de clima quente.

Verifique o solo
A cravina barbatus prefere solo rico, solto e bem drenado. A água deve ser drenada com rapidez pelo solo e nunca empoçar sobre terra compacta e dura. Como alternativa você pode revolver o solo existente e suplementá-lo com terra de vaso para fornecer mais nutrientes. Embora não seja preciso testar o pH do solo para cultivar a cravina barbatus, você pode ajustar o pH para que seja levemente alcalino (cerca de 6,75) caso já tenha um kit de jardim de medição de pH.

Os kits de medição de pH de solo de jardim encontram-se disponíveis em lojas de jardinagem ou online. Repetimos que essa não é uma ferramenta obrigatória para cultivar a cravina barbatus, que é bastante adaptável quando se trata de pH do solo.

cravina basbatus
Plante as sementes
Plante a cravina barbatus na primavera ou no verão. Coloque-a na superfície e cubra-a com 0,6 cm de solo ou cave uma trincheira com essa profundidade e a preencha com terra depois de plantar as sementes. Espace as sementes 15 cm em circunstâncias ideais para reduzir a chance de transmissão de doenças e apodrecimento. Se você não tiver todo esse espaço, pode agrupá-las mais perto umas das outras, mas, nesse caso, tome cuidado especial para não regar em excesso.

Se estiver transplantando mudas, basta transferir o solo em torno das raízes para um buraco que tenha duas vezes a largura da bola de solo e preenchê-lo. Tome cuidado para não enterrar o caule da muda; a planta deve ser enterrada no mesmo nível em que estava antes.

Regue depois de plantar
As sementes e mudas de cravina barbatus se beneficiam de rega imediata após o transplante, mas tome cuidado para não encharcá-las com mais água do que o solo é capaz de drenar. As mudas transplantadas devem ser mantidas em solo úmido, mas não encharcado, por alguns dias.

Quando elas estiverem estabelecidas e recuperadas de qualquer debilidade que possa ocorrer, cuide delas conforme descrito na seção de cuidados.

Cuidando da Cravina barbatus
Mantenha o solo ao redor das mudas levemente úmido. Quando a planta está madura e não cresce mais, a maioria das variedades não requer mais rega, exceto durante o tempo quente. Como ocorre com qualquer planta, regue com mais frequência se ela parecer debilitada ou se o solo ressecar.

A cravina barbatus pode apodrecer se exposta a muita umidade, portanto tenha cuidado para não regar em excesso. O solo não deve nunca estar encharcado ou ter poças d’água.

Se quiser incentivar o crescimento e florescimento mais rápidos, aplique um fertilizante para fins gerais ao solo uma vez a cada 2 a 4 semanas durante a época de crescimento (primavera e verão, quando o crescimento e a floração são notáveis). Siga as instruções sobre o fertilizante específico com cuidado para evitar queimar ou deteriorar a planta.

Borrife um inseticida inespecífico nas plantas jovens a fim de evitar doenças. A cravina barbatus é suscetível a nematóides. Se observar a presença de reumatóides, que parecem vermes redondos e minúsculos, use um fungicida nas plantas de acordo com as instruções do fabricante.

Observação: se você planeja comer as flores da cravina barbatus ou servi-las a um animal doméstico, não as trate com qualquer tipo de pesticida.

A cravina barbatus costuma florescer durante o final da primavera ou início do verão e depois perde suas flores com o calor do verão. Quando as flores da cravina barbatus tiverem secado, puxe-as com cuidado e descarte-as. Essa atitude incentiva o crescimento de novas flores e impede que a planta derrame sementes caso você deseje controlar o jardim.

6387-dianthus-barbatus
Multiplicação
Se você cuidar da cravina barbatus corretamente e a variedade for adequada ao clima, há grande possibilidade de que ela semeie o jardim com uma nova geração antes de morrer. Se você quiser uma grande área dispersa dessa planta no jardim, basta deixar as flores amadurecerem, morrerem e derramarem as sementes sem ajuda.

Algumas variedades da flor são híbridas de várias plantas e podem produzir sementes que se desenvolvem em plantas com aparência ou características diferentes da planta mãe.

No meio ou ao final do verão, depois que as flores morrem, elas formam vagens de sementes marrons secas. Remova-as quando as vagens estiverem se abrindo e quase liberando as sementes. Sacuda essas vagens em um recipiente para retirar as sementes pretas em forma de disco a fim de plantá-las no outono ou na primavera.

Depois que as sementes forem derramadas ou depois que você colhê-las, corte as vagens de sementes no caule. Em geral, a cravina barbatus gasta muita energia produzindo sementes para continuar a crescer outro ano, mas a remoção das vagens aumenta as chances de outro florescimento.

Se você tiver sorte de conseguir uma cravina barbatus que sobreviva mais de um ou dois anos, ela pode se tornar bem grande. No outono ou no início da primavera, antes que o crescimento comece durante a estação, corte uma das hastes mais largas perto da base usando uma tesoura ou uma faca limpa. Essas mudas podem ser plantadas para formar novas plantas, embora você talvez precise apoiá-las em uma estaca para mantê-las eretas.

Mantenha-as em uma área quente e úmida longe da luz do sol para impedi-las de secar. Alguns dias embaixo de um saco plástico transparente ou de um recipiente podem ajudar a criar as condições de umidade necessárias.

Dicas
* As flores de cravina barbatus são comestíveis, embora outras partes da planta possam ser perigosas de ingerir. Não coma flores cultivadas com pesticidas, próximas a estradas ou em áreas de acesso público.
* No cultivo da cravina barbatus, não costuma ser necessário usar composto ou cobertura vegetal, que pode manter excesso de umidade no solo caso você regue muito.

Avisos
*
A raiz da cravina barbatus tende a apodrecer. É melhor regar pouco do que em excesso, a menos que você note debilidade ou manchas marrons.
* As folhas da cravina barbatus podem ser tóxicas, especialmente para crianças e animais domésticos. Entre em contato com o centro de controle de venenos ou com um veterinário imediatamente se suspeitar que um membro da sua família ingeriu folhas da cravina barbatus.

flor 43 3333

clarkia amoena 5469
A flor-de-cetim é uma planta originalmente dos Estados Unidos e está entre as espécies pertencentes à família Onagraceae, um tipo de planta com ciclo de vida anual e que pode ser cultivada em diversas regiões ao redor do mundo, contanto que seja cultivada sob as condições corretas de solo e umidade.

Dependendo da região onde é cultivada, ela pode mudar de nome. Algumas outras denominações populares para flor-de-cetim são: godetia e clárquia.

As flores dessa planta são muito bonitas, bem parecidas com as orquídeas. A sua textura é bem herbácea o que faz da flor-de-cetim seja extremamente delicada e muito charmosa.

A planta é tipicamente uma planta de clima montanhoso, pois ela é encontrada, mais precisamente, nas colinas costeiras e nas montanhas do seu lugar de origem. Com isso podemos concluir que a flor de cetim se adapta muito melhor a temperaturas mais frias.

Por isso a sua aparência tão delicada, mas se desenvolve muito bem em diversos climas e regiões. Aqui no Brasil ainda é uma espécie de planta muito rara, então que tal começar a cultivar a flor-de-cetim hoje mesmo e deixar a planta mais popular por nossas terras?

Clarkia amoena11
Características da flor-de-cetim
Com o caule ereto ou rasteiro, a flor-de-cetim cresce até 1 m em seu tamanho máximo e 40 cm em seu tamanho mínimo. Esse tamanho pode variar de acordo com a variedade da sua espécie. A melhor época para a flor-de-cetim florescer  é durante o verão onde flores solitárias vão brotando ou no máximo em alguns pequenos grupos.

São flores bem grandes e suas cores podem variar entre o rosa, o branco, o vermelho ou o roxo.  Elas também podem se apresentar em degrade mesclando as cores citadas acima. Uma das maiores características da flor-de-cetim é que elas se fecham no período da noite e retornam a abrir no período da manhã.

Seu fruto possui uma forma de cápsula bem seca e composta por uma quantidade considerável de sementes.  A planta é ideal para ser cultivada diretamente ao solo, mas também responde bem aos cultivos feitos em vasos, para serem usadas como enfeites de áreas internas, varandas e pátios de casas ou apartamentos.

clarkia-amoena-
Os climas ideais para cultivar a flor-de-cetim é o mediterrâneo, o oceânico, o subtropical e o temperado. Ao plantá-la, a mantenha sempre sob o sol pleno ou a meia sombra para que ela se desenvolva da melhor forma.

O solo deve estar sempre bem fertilizado, bem drenado e enriquecido com matéria orgânica para que a planta receba bem todas essas vantagens e floresça bem.  Sendo irrigada regularmente conseguirá mantê-la facilmente.

Os climas mais amenos sempre ajudam a desenvolver melhor a planta, mas ela também consegue ser bem cultivada em regiões litorâneas, contanto que não fique totalmente exposta ao sol. A flor-de-cetim tolera muito bem salinidade e alguns curtos períodos de estiagem assim como solos um pouco alcalinos.

A reprodução da planta é feita por sementes encontradas com muita facilidade nos pequenos frutos que brotam dessa planta. Para plantar, é preciso fazer uma cova de tamanho aproximado de uma mão fechada e inserir algumas sementes.

A terra que recobrirá essa região deve ser muito bem adubada como foi indicada mais acima, para que a planta receba bem esses nutrientes assim que começar a germinar.  O espaçamento não precisa ser grande e pode ser plantada todas juntas, pois isso irá favorecer a sua floração. A melhor época para começar a cultivar é no outono, inverno e no início da primavera.

Clarkia_amoena7263
Doenças
A flor-de-cetim é muito delicada e isso a deixa bem vulnerável a alguns problemas comuns em plantas. Essas doenças aparecem na maioria dos casos devido à falta de cuidados ou os cuidados reduzidos. O oídio é um desses problemas que é um fundo que absorve todos os nutrientes da sua planta e caso não seja identificado cedo e seja usado métodos que o combata, certamente a planta morrerá.

Ele causa uma camada esbranquiçada na planta, principalmente nas folhas. Apesar de ser um fungo mais comum em plantas lenhosas, ele pode ser absorvido por outros tipos, principalmente através do contato com plantas já infectadas.  É um fungo que gosta de locais úmidos, portanto atente-se sobre esse fator e observe bem a flor-de-cetim.

Também pode ser encontrado outro problema que são manchas nas folhas. Essas manchas acontecem geralmente devido a infecções de bactérias. Essas manchas são geralmente amarelas e sempre no corpo das folhas ou nas veias. Elas  aparecem a partir da água provavelmente suja ou não ideal para plantas. Observe sempre as condições da água que será colocada para as regas da planta.

Existem outros problemas que são naturais e causados pela deficiência de algum componente que posam ser colocados na planta. Por exemplo, manchas amareladas ou marrons nas pontas das folhas da sua planta são geralmente devido à água fria demais que está sendo usada nas regas. O correto é sempre usar água em temperatura ambiente. A rega mal feita pode causar alguns danos à planta, mesmo sendo essencial para sua sobrevivência. O correto é colocar exatamente o que ela vai precisar para se desenvolver bem.

folhasaovento

cravina001

Planta originária da Ásia – China, Coréia e Mongólia e pertencem à família Caryophyllaceae.

A Cravina é uma planta herbácea, anual, com 30 a 40 cm de altura. Ela possui flores solitárias, simples, de cores vermelhas, róseas, arroxeadas, brancas ou com mesclas de cores.

Sua principal característica são as pétalas largas com bordas serrilhadas, presentes nas suas flores, que geralmente surgem no verão. As mini-rosas são as plantas ideais para acompanhá-las nos jardins.

É muito utilizada em jardins, em maciços e bordaduras, criando um efeito campestre. Seu uso em ambientes internos é muito restrito, devido à necessidade de sol direto.

Dianthus_chinensis
Como cuidar
É uma planta fácil de cuidar e pode ser cultivada em jardins, vasos e jardineiras. Suas flores, além de serem muito bonitas, são geralmente perfumadas, e podem ser usadas como flores de corte. As flores da cravina geralmente têm uma agradável fragrância.

A cravina cresce bem em sol pleno em locais mais frios, e prefere locais com sombra à tarde em locais mais quentes. É uma planta que aprecia o frio da região sul, mas várias cultivares são tolerantes a altas temperaturas.

É ideal que o solo seja mantido sempre levemente úmido, mas é uma planta relativamente resistente a curtos períodos de seca.

Na realidade, a planta pode durar mais de 1 ano, mas devemos tratá-la como anual, renovando os canteiros todos os anos para que ela fique sempre bonita.

cravina004
Como reproduzir
Multiplica-se por sementes, que devem ser postas para germinar no período do outono-inverno, para florescerem nos meses de inverno e primavera.

A germinação deve ocorrer em torno de 7 dias. Transplante ao local definitivo de 18 a 25 dias após a germinação.

56 - 1