Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Causas e Soluções’

solo

O Potencial Hidrogeniônico, mais conhecido como pH, consiste num índice que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de um meio qualquer, neste contexto iremos considerar este meio como sendo os solos. O termo pH (potencial hidrogeniônico) define a acidez ou alcalinidade e os solos possuem pH variando de 0 a 14.

Essa variação é decorrente da região em que está localizado. Os solos que possuem valores de pH 0 a 7 são considerados ácidos, valores em torno de 7 são neutros e valores acima de 7 são considerados solos básicos ou alcalinos.

O pH indica se o solo é ou não fértil, ou seja, se o local é apropriado para o cultivo de plantas. Para a agricultura, o valor do pH ideal é entre 5,5 a 5,8, ou seja, um solo ácido. Isso porque ele cria excelentes condições para o armazenamento de nutrientes no solo. Mas devemos observar qual o tipo de planta e qual o nível de pH que ela melhor se adapta, pois existe uma variação de espécie para espécie, mesmo havendo uma indicação ideal.

O pH do solo pode variar de acordo com sua composição (rochas), concentração de sais, metais, ácidos, bases e substâncias orgânicas que são adicionadas no seu preparo para o plantio. O valor de pH de um solo pode ser modificado através do uso de substâncias alcalinas como o calcário, por exemplo.

medidor de Ph

Solo ácido:
Um solo é considerado ácido quando há excesso de alumínio e hidrogênio ou ocorre deficiência de cálcio e magnésio, o crescimento das raízes é reduzido. Um sistema radicular pouco desenvolvido limita a absorção de água, de nutrientes e, consequentemente, a produtividade das culturas.

Solo alcalino:
O solo alcalino, em geral, tem superfície clara ou esbranquiçada. É rico em matéria orgânica e bem fornecido de nutrientes, mas geralmente provoca ferrugem nas plantas mais suscetíveis.
O aparelho que permite medir o pH de solos é denominado de phmetro. É ele que faz a leitura das características ácidas ou básicas.

Como verificar o Ph do solo
Para verificar o pH do solo, existem kits próprios à venda em casas de jardinagem. O teste é muito simples. Basta colocar uma pequena quantidade de terra de onde vai ser feita a plantação dentro da solução química que vem no kit.

Depois de um tempo, a mistura se estabiliza e aparece uma das cores sinalizadoras:
* Amarelo alaranjado – Solo ácido.
* Verde claro – Solo neutro.
* Verde escuro – Solo alcalino.

Como corrigir:
A correção do solo é um dos requisitos básicos para uma maior produtividade agrícola. Para deixar o solo mais ácido, basta acrescentar matéria orgânica e fazer regas frequentes ou adicionar um pouco de sulfato de amônia ou enxofre. Para torná-lo mais básico, é preciso acrescentar calcário. Para se calcular a quantidade exata a ser utilizada desses produtos, consulte um agrônomo.

cuidar-do-solo

Cuidando do solo
Depois de identificar o tipo de solo que você tem e saber o que falta em sua composição, é hora de melhorá-lo. Para isso, aproveite restos de folhas, galhos, etc., que podem ser excelentes adubos.

Se quiser, deixe-os no próprio terreno, mas se por motivos estéticos preferir removê-los, guarde-os em uma composteira, para mais tarde utilizá-los como adubo.

A matéria orgânica aplicada às plantas deve ser muito bem compostada, para que eventuais agentes patógenos não transmitam doenças às plantas.

Vale ressaltar mais uma vez que espécies diferentes adaptam-se a pH’s diferentes, por isso, na hora de cuidar e preparar o solo, é necessário conhecer a planta que ali é cultivada ou qual será cultivada, para que o pH esteja de acordo com a necessidade daquela planta.

Flores_que_indicam_o_pH_do_solo

Como a acidez pode interferir na qualidade das plantações?
Em geral, as plantas preferem a faixa de pH neutro (de 6,0 à 6,8), este é o chamado ponto de equilíbrio no qual a maioria dos nutrientes permanecem disponíveis às raízes.

Solos muito ácidos não são férteis, como exemplo temos o saibro é um solo de baixíssima fertilidade. Para torná‑lo produtivo, é preciso mudar toda sua constituição.

Quatro vezes ao ano, deve‑se revolver todo o conteúdo, acrescentando 8 kg de terra umificada por metro quadrado. Adubações semestrais com torta de mamona e terra vegetal também ajudam. Ainda com estes cuidados, só sobrevivem nele espécies resistentes e com raízes fortes.

Se o seu terreno tiver um solo destes, não hesite em preencher parte dele com vasos, embora não criem o mesmo efeito, garantem o verde em uma terra de precárias condições de cultivo.

No que tange à acidez do solo, outra alternativa para corrigir este inconveniente de excesso de acidez consiste em realizar queimadas após grande exploração do solo. Em geral, quando se realiza lavouras contínuas o solo se desgasta, o que dá origem à acidez. A correção é possível pelo fato das cinzas produzidas pelo fogo serem alcalinas e por isso neutralizam o pH.

Mas existe um impasse para o procedimento acima, ele contribui para a produção de poluentes atmosféricos (aumento de CO2). Apresentamos aqui uma segunda opção: adição da base CaO (Óxido de cálcio) ao solo. Veja a equação que demonstra o processo:

CaO+ H2O → Ca (OH)2.
Óxido de cálcio é mais conhecido como cal viva, ele se une à água presente no solo e dá origem a uma base como produto: Ca (OH)2. A substância alcalina diminui a acidez do solo.

solo

O solo ideal
O solo também é o fornecedor dos elementos essenciais para as plantas. Elementos essenciais são os nutrientes que são necessários para a planta completar seu ciclo de vida. São reconhecidos como tais, 17 elementos.

Dentre estes, oito são denominados micronutrientes, por serem requeridos em pequenas quantidades, são eles: molibdênio, níquel, cobre, zinco, manganês, boro, ferro e cloro.

E os outros sete são denominados macronutrientes por serem requeridos em doses maiores: nitrogênio, fósforo, potássio (o famoso NPK, muito utilizado para adubar as plantas) enxofre, magnésio, cálcio, oxigênio, carbono e hidrogênio. Na falta de um desses nutrientes a planta poderá apresentar deficiências.

Os sintomas mais comuns de deficiência nutricional podem ser observados no caule e nas folhas, como o crescimento raquítico dos ramos e folhas, morte localizada de tecidos (necrose) e amarelecimento das folhas devido à perda ou à reduzida formação de clorofila.

janel4

mancha parda

Um dos problemas que mais atrapalham o desenvolvimento das plantas e ainda as destroem é a doença das manchas pardas. É uma doença bastante conhecida na região sul do Brasil – América do Sul. É causada pelos fungos do gênero Bipolaris.

Esse é um problema que pode se desenvolver em uma planta em qualquer uma das etapas do seu crescimento, por isso muitas pessoas buscam maneiras para descobrir como evitar essas manchas tão indesejáveis na plantas.

Estes fungos causam danos em arroz, coqueiro, pastagens, girassol, lupino, pândano, confete, dália, entre tantas outras plantas. As infecções são mais acentuadas em regiões tropicais, embora estes fungos sejam cosmopolitas.

O principal dano causado pela doença da mancha parda nas plantas é o envelhecimento precoce da planta.

As lesões normalmente são manchas marrom-escuras em folhas, caules e grãos sendo mais comumente encontradas nas folhas. Estas manchas são redondas ou circulares, tendo o centro mais claro e acinzentado.

Na região externa às manchas, caracteriza-se um halo amarelo-claro. Em casos extremos, as manchas podem cobrir até a metade da área foliar. As infecções ocorrem principalmente na germinação e no florescimento e são de difícil controle.

manchaparda

A dispersão destes fungos ocorre prioritariamente devido à ação do vento e, em menor escala através de sementes e mudas infectadas. Além disso, em pequenas distâncias, gostas de chuva e/ou irrigação podem servir como meio de transporte aos esporos, infectando plantas próximas ao foco inicial.

As condições favoráveis ao desenvolvimento destes fungos são temperaturas amenas associadas à alta umidade relativa do ar e molhamento frequentes. Além do mais, plantas com deficiência nutricional ou hídrica são mais propensas a ficar doentes.

O controle é realizado com aplicação de fungicidas, como a calda bordalesa, mas nunca de forma curativa e sim, preventiva visto que altas infecções são praticamente impossíveis de controlar.

Em pequenos cultivos ou jardins ornamentais, recomenda-se principalmente ações que evitem o estabelecimento e disseminação da doença, como aquisição de sementes, mudas e plantas adultas livres de doenças, advindas de comerciantes confiáveis e preferir variedades, se disponíveis, com tolerância conhecida à doença.

Ainda, manter as plantas podadas para que sempre haja ventilação e a água de irrigação não permaneça empoçada nas folhas, regulando tanto a temperatura como a umidade. A própria irrigação sempre que possível deve ser efetuada sobre o solo ou substrato e não sobre as folhas.

Outro fator importante é a nutrição que afeta a fisiologia das plantas. Quando bem nutridas, as defesas dos vegetais em geral contra patógenos como Bipolaris são mais eficientes.

O fungo causador da mancha parda se alastra entre as plantas principalmente por ser levada pelo vento, locais com a temperatura do ambiente em um nível mais ameno e com uma umidade considerável no ar são mais favoráveis para o desenvolvimento da doença, plantas que desenvolveram problemas de deficiência nutricional também estão mais propensas a desenvolver a mancha parda.

Vamos ver agora como evitar mancha parda nas plantas, o primeiro cuidado que é importante para se evitar a mancha parda nas plantas é o uso de fungicidas por meio de uma aplicação nas plantas, o fungicida não deve ser usado com a intenção de curar a mancha parda da planta, é sim antes do problema se desenvolver para que ele seja evitado.

Mancha-Parda-em-plantas

É importante que as sementes e mudas que serão usadas estejam isentas de contaminação pela mancha parda, pois caso a muda já esteja contaminada o problema se desenvolverá pelas plantas.

O ideal é que as mudas sejam adquiridas num local onde seja garantido que estejam livres da mancha parda, você pode ainda escolher variedades de plantas que possuem tolerância ao desenvolvimento essa doença.

Outra dica que pode ajudar a evitar mancha parda nas plantas é ter o cuidado de manter as plantas sempre podadas, pois dessa maneira a ventilação circulará melhor e a água usada para irrigar a planta não ficará empoçada nas folhas. Essa é uma dica que evita a umidade na planta e a falta de temperatura ideal, que são fatores que auxiliam o desenvolvimento da mancha parda.

Irrigar a planta diretamente sobre o solo evitando a água nas folhas, e manter a planta nutrida para que ela tenha as suas defesas naturais ativas são também métodos eficientes para evitar a mancha parda.

As folhas da planta que já apresentam a mancha parda podem ser retiradas, pois a contaminação do fungo em uma folha pode alastrar por toda a planta e até em outras plantas.

A doença da mancha parda em plantas pode chegar a causar danos em alguns casos que chegam a afetar folhas, flores, hastes e até os frutos produzidos pela planta.

É importante observar os sintomas apresentados pela planta, quando em seus ramos for encontrado algum tipo de lesão e manchas com formatos arredondado e com cores escuras já se deve realizar uma avaliação para verificar as possibilidades de contaminação da mancha parda na planta.

janela

Toda planta irá sinalizar que algo está errado, podendo ser a necessidade de nutrientes, o ataque de pragas e/ou doenças ou a ambientação inadequada.

Dicas dos principais e mais comuns indícios da falta de Macro e Micro nurientes
. Falta de nitrogênio (N): As folhas novas não se desenvolvem bem; as mais velhas ficam amareladas; folhas esbranquiçadas e sem um crescimento saudável.
. Falta de fósforo(P): O crescimento é bastante lento, a floração é insignificante.
. Falta de potássio(K): As bordas das folhas adultas ficam queimadas; florescimento escasso e fraco, baixa produção de frutos
. Falta de enxofre (S): As folhas mais novas ficam amareladas.
. Falta de ferro e manganês( Fe Mn): As bordas das folhas mais velhas ficam amareladas; amarelamento das nervuras das folhas (Fe).
. Falta de zinco (Zn): Os entrenós do caule ficam mais curtos que o normal.

Esses sintomas devem ser considerados quando as demais necessidades básicas já foram atendidas.

Os principais sintomas de inadequação ao ambiente e aos tratos
. Sintomas – Os caules crescem de uma forma exagerada, as folhas mais velhas ficam longas e desbotadas enquanto as novas não se desenvolvem.
. Causa: Pouca luz. Excesso de Nitrogênio..
. O que fazer: Coloque a planta num local mais iluminado. Reduza o teor dos adubos ou diminua a freqüência das aplicações

. Sintomas – As folhas antigas enrolam-se; as novas não se desenvolvem.
. Causa: Excesso de luz
. O que fazer: Coloque a planta num local mais sombreado ou pare de usar adubos para incentivar o crescimento.

. Sintomas – Os caules ficam polpudos, escuros e apodrecem; as folhas inferiores dobram-se e murcham; a terra, na superfície, fica constantemente molhada.
. Causa: Excesso de água.
. O que fazer: Não regue em quantidade ou com muita freqüência. Molhe apenas quando a terra do vaso estiver seca. Assegure – se de que o buraco de drenagem do vaso não está entupido. Não deixe a água drenada ficar embaixo do vaso mais de 30 minutos. Diminua as regas, ainda mais, no período de dormência das plantas.

. Sintomas – As pontas das folhas escurecem e elas acabam murchando. As folhas inferiores ficam amarelas e caem.
. Causa: Pouca água.
. O que fazer: Regue até que a água escorra pelo buraco de drenagem do vaso. Não molhe outra vez antes da terra secar.

. Sintomas – As bordas das folhas enrolam-se e ficam amarronzadas.
. Causa: Falta de umidade.
. O que fazer: Aumente a umidade, colocando os vasos sobre uma bandeja com pedrinhas e água ou então no interior de um recipiente cheio de esfagno úmido. Borrife as folhas.

. Sintomas – A planta não dá flores, ou produz apenas algumas, e forma um cúmulo de folhas. Na superfície do vaso, às vezes aparece um lado esverdeado.
. Causa: Excesso de adubo, principalmente nitrogênio.
. O que fazer: Adube com menos freqüência, usando a metade da quantidade indicada na embalagem, principalmente no inverno, quando a planta recebe menos luz. Não use adubo rico em nitrogênio durante o período de crescimento. Não adube na época de dormência da planta.

. Sintomas – As folhas inferiores tornam-se amarelas e caem; as novas não se desenvolvem e os caules param de crescer.
. Causa: Falta de adubos.
. O que fazer: Adube freqüentemente no período de crescimento da planta.

. Sintomas – As folhas ficam amareladas, dobram – se e murcham.
. Causa: Excesso de calor.
.  O que fazer: Mude a planta para um lugar mais fresco.

. Sintomas – Surgem manchas amareladas ou amarronzadas nas folhas.
. Causa: Água fria nas folhas.
. O que fazer: Ao regar as plantas, use água à temperatura ambiente ou um pouco mais alta.

. Sintomas – Manchas brancas amareladas ou amarronzadas nas folhas.
. Causa: Queimadura do sol.
. O que fazer: Propicie mais a sombra à planta, filtrando a luz do sol com cortinas, ou mude – a para perto de uma janela que não receba luz solar direta nas horas mais quentes do dia.

. Sintoma – Uma cobertura branca aparece na superfície da terra ou nas margens e lados do vaso de barro. As folhas que tocam na borda do vaso murcham, apodrecem e caem.
. Causa: Acúmulo de sais provenientes dos adubos.
. O que fazer: Regue a planta inteiramente, para dissolver os sais. Depois de meia hora, molhe – a novamente para que os sais sejam expelidos pelo buraco de drenagem. Lave bem os lados e margens do vaso e revista essas partes com cera derretida.

. Sintoma – As raízes ocupam todo o espaço do vaso e passam pelo buraco de drenagem. A planta murcha ou produz apenas pequenas folhas.
. Causa: Vaso pequeno.
. O que fazer: Replante num vaso maior.

,lk,l

bulbos em vasos
Sintomas –
Os caules crescem de uma forma exagerada, as folhas mais velhas ficam longas e desbotadas enquanto as novas não se desenvolvem.
- Causa: Pouca luz. Excesso de Nitrogênio.
- O que fazer: Coloque a planta num local mais iluminado. Reduza o teor dos adubos ou diminua a freqüência das aplicações

Sintomas – As folhas antigas enrolam-se; as novas não se  desenvolvem.
- Causa:
Excesso de luz
- O que fazer: Coloque a planta num local mais sombreado ou pare de usar adubos para incentivar o crescimento.

Sintomas – Os caules ficam polpudos, escuros e apodrecem; as folhas inferiores dobram-se e murcham; a terra, na superfície, fica constantemente molhada.
- Causa: Excesso de água.
- O que fazer: Não regue em quantidade ou com muita freqüência. Molhe apenas quando a terra do vaso estiver seca. Assegure-se de que o buraco de drenagem do vaso não está entupido. Não deixe a água drenada ficar embaixo do vaso mais de 30 minutos. Diminua as regas, ainda mais, no período de dormência das plantas.

Sintomas – As pontas das folhas escurecem e elas acabam murchando. As folhas inferiores ficam amarelas e caem.
- Causa: Pouca água.
- O que fazer: Regue até que a água escorra pelo buraco de drenagem do vaso. Não molhe outra vez antes da terra secar.

Sintomas – As bordas das folhas enrolam-se e ficam amarronzadas.
- Causa: Falta de umidade.
- O que fazer: Aumente a umidade, colocando os vasos sobre uma bandeja com pedrinhas e água ou então no interior de um recipiente cheio de esfagno úmido. Borrife as folhas.

Sintomas – A planta não dá flores, ou produz apenas algumas, e forma um cúmulo de folhas. Na superfície do vaso, às vezes aparece um lado esverdeado.
- Causa: Excesso de adubo, principalmente nitrogênio.
- O que fazer: Adube com menos freqüência, usando a metade da quantidade indicada na embalagem, principalmente no inverno, quando a planta recebe menos luz. Não use adubo rico em nitrogênio durante o período de crescimento. Não adube na época de dormência da planta

Sintoma – As folhas inferiores tornam-se amarelas e caem; as novas não se desenvolvem e os caules param de crescer.
- Causa: Falta de adubos.
- O que fazer:
Adube freqüentemente no período de crescimento da planta.

Sintomas – As folhas ficam amareladas, dobram – se e murcham.
- Causa:
Excesso de calor.
- O que fazer: Mude a planta para um lugar mais fresco.

Sintomas – Surgem manchas amareladas ou amarronzadas nas folhas.
- Causa: Água fria nas folhas.
- O que fazer: Ao regar as plantas, use água à temperatura ambiente ou um pouco mais alta.

Sintomas – Manchas brancas amareladas ou amarronzadas nas folhas.
- Causa: Queimadura do sol.
- O que fazer: Propicie mais a sombra à planta, filtrando a luz do sol com cortinas, ou mude – a para perto de uma janela que não receba luz solar direta nas horas mais quentes do dia.

Sintomas – Uma cobertura branca aparece na superfície da terra ou nas margens e lados do vaso de barro. As folhas que tocam na borda do vaso murcham, apodrecem e caem.
- Causa: Acúmulo de sais provenientes dos adubos.
- O que fazer: Regue a planta inteiramente, para dissolver os sais. Depois de meia hora, molhe – a novamente para que os sais sejam expelidos pelo buraco de drenagem.
Lave bem os lados e margens do vaso e revista essas partes com cera derretida.

Sintomas – As raízes ocupam todo o espaço do vaso e passam pelo buraco de drenagem. A planta murcha ou produz apenas pequenas folhas.
- Causa: Vaso pequeno.
- O que fazer: Replante num vaso maior.

Flores e Plantas