Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Bonsai e Samambaias’

samambaia-2500-

As samambaias são uma das plantas mais antigas do planeta e atualmente servem como decoração em muitas casas. Existe uma grande variedade de samambaias e podem proceder de diferentes lugares, ainda que sempre de regiões cálidas e úmidas ao mesmo tempo.

Os cuidados com as samambaias não são muitos nem demasiado específicos, mas se queremos que nossas plantas cresçam sadias e fortes, deveremos prestar-lhes a atenção necessária.

Elas são lindas plantas de crescimento rápido que ficam muito bem no corredor de uma casa ou como protagonistas penduradas na decoração de um jardim. As samambaias são muito resistentes e proporcionam luminosidade aos espaços graças à sua característica cor verde.

Se quiser uma em casa, neste artigo é explicado como cultivar samambaias.
* Em primeiro lugar, cabe destacar que as samambaias procedem, na maioria, de regiões com clima temperado e úmido, por isso será necessário mantê-las em um meio com muita umidade.

* O que se deve fazer para cultivar uma samambaia é comprar a raiz que vai plantar em uma loja especializada em jardinagem. Ao escolher a raiz verifique que está livre de qualquer praga e que se encontra saudável. O ideal é plantar a samambaia no outono ou primavera.

* As samambaias são plantas que crescem muito, e como costumam ser usadas como elemento decorativo suspenso, é recomendável ter um bom suporte e base onde plantá-la, já que com o tempo e o crescimento das folhas ela ficará cada vez mais pesada. Compre uma linda base que permita à planta respirar.

samambaia

* Antes de plantar é importante preparar um substrato especial. O ideal é que esteja composto por terra de urze, terra de consistência média e areia. Os fertilizantes não são necessários para estas plantas, no entanto, é necessário que o substrato seja leve e com excelente drenagem.

* Depois de preparar o substrato é hora de plantar a samambaia. É recomendável que o buraco seja duas vezes maior e mais profundo que o tamanho da planta. Depois de colocada, pise o solo delicadamente e regue.

* A frequência de irrigação deve ser regular, a planta deve estar sempre úmida, não molhada, e deve-se evitar sempre a presença de água estancada. Por isso algumas pessoas também recomendam regar, esperar até que a água seque e fazer a seguinte irrigação.

* A samambaia deve estar localizada a meia sombra e isto é obrigatório, já que esta planta não suporta a luz direta do sol, e se ignorar este detalhe as folhas da samambaia começarão a ficar cada vez mais amarelas até morrer.

* Depois de plantar a samambaia deverá cuidar dele como este tipo de planta requer.

* Também, durante o verão será necessário borrifar as folhas das samambaias com um spray ou vaporizador, para mantê-las frescas e úmidas, bem como usar um substrato poroso.

samambaia cabelo-de-anjo
* Por outro lado, também será importante colocar as samambaias em um lugar apropriado para que recebam luz, mas de forma indireta. Não deveremos colocá-las onde o sol incida diretamente e, além disso, será bom colocá-las em um lugar ventilado, ainda que sem corrente.

* Quanto aos fertilizantes, poderemos colocar nas nossas samambaias fertilizantes líquido para plantas verdes dissolvido na água de rega a cada 15 dias durante a época de crescimento.

* À medida que as samambaias forem crescendo, será conveniente transplantá-las para um vaso maior para que se desenvolvam corretamente. A melhor época para fazer isso é em primavera

30

chifredeveado

Chamadas de chifre-de-veado ou de samambaias chifre-de-veado, a espécie é uma planta doméstica, que não são comuns, pelo contrário, são bem difíceis de encontrar. Faz parte da família Polypodiaceae e sua origem é da Nova Caledônia, Nova Guiné, Austrália e Ilha Sunda.

Dentro dos diversos hábitos de crescimento que a chifre-de-veado possui, destaque para o modo com frondes foliares e basais. O que quer dizer que são folhas que crescem e ficam bem grandes e divididas.

As frondes que são da base são redondas e grandes, são colocadas fixas sobre uma superfície e depois o crescimento é feito em camadas sobrepostas. Enquanto as frondes foliares se dividem e são eretas. As folhas apresentam as estruturas amarronzadas de esporos, deles podem crescer novas plantas da espécie.

Características do Chifre-de-veado
As florestas que recebem a planta chifre-de-veado são aquelas tropicais úmidas e também as subtropicais úmidas. Porém, apesar do clima particular que cresce esse tipo de planta, elas podem ser cultivadas em casa. Porém, para que isso seja possível é necessário compreender os fatos básicos sobre a composição da planta.

É uma planta que se classifica como epífitas, isto é, ela não capta nutriente do solo e nem a água. O significa que elas precisam do apoio das árvores. A fotossíntese para o crescimento é realizada pelas frondes verdes.

O papel das frondes de base do chifre-de-veado é de capturar os resíduos que caem e daí chega até a  planta os nutrientes. Ela possui raízes, porém, a única “obrigação” delas é de fixar as estruturas da planta.

É aconselhável que não sejam retiradas escamas acinzentadas. É comum que as pessoas que a cultivam façam essa retirada porque ela acaba dando uma aparência de poeira à planta. Porém, as escamas não estão na espécie por acaso e sim para interromper a evaporação.

chifre-de-veado

Durante todo o ano é necessário deixar sempre o apoio desta samambaia úmido. A rega deve ser em maior quantidade durante os meses do verão. Na estação da primavera é necessário, além de regar, cobrir com adubo fresco. É muito importante que o chifre-de-veado  receba nutrientes durante a primavera.

O lugar correto para cultivar a samambaia é sob a luz solar. Porém, nunca deixe a sua planta direto no sol. Para crescer bonita e forte a planta necessita receber a luz do sol, porém, de forma filtrada, como na floresta tropical.

E outro fator importante é deixar em um lugar com pouca umidade, caso o contrário você corre o risco de apodrecer a raiz. E ainda, num lugar com boa circulação do ar.

fronde

Propagação do Chifre-de-veado
Para propagar esta planta é necessário retirar as mudas enraizadas, fazendo isso começando pela base. Depois elas deverão ser plantadas em um vaso com adubo. Em seguida, lembre-se que é importante manter as plantas posicionadas da maneira correta com estacas de madeira ou um arame dobrado.

O solo deve estar úmido até que elas estejam grandes o suficiente até que possam ser transplantadas. Outro detalhe é que é possível, durante o crescimento da chifre-de-veado, colher os esporos que ficarem maduros das frondes foliares. Lembrando que um esporo maduro precisa ser da cor marrom brilhante.

Outra dica é retirar uma parte de fronde onde tenha esporos maduros e em seguida, colocá-lo num saco (de papel) e observar, quando ele ficar disperso ou lanoso, seco e com a cor mais amarronzada poderá ser usado para a propagação.

Na hora de plantar é só colocar no fundo de um vaso pedaços de um vaso de barro, sobre ele coloque uma camada de esfagno ou turfa. Depois pegue aquele esporo que ficou no saco de papel e coloque bem no alto do substrato. O vaso deverá ser colocado sobre um pires com água. É uma forma de dar mais umidade para a planta.

Quando as plantas estiverem grandes que possam a ser manuseadas sem correr o risco de danificá-las, coloque em outros vasos observando um espaço de 5 cm entre cada uma delas.

platycerun

Sobre o cultivo, não esquecer
*
Usar substrato apropriado para plantas epífitas.
* Cultiva em lugar com muita umidade.
* Cultivo a meia sombra.
* Deve ser plantada na vertical de preferência.
* A multiplicação é feita através das mudas e elas nascem próximas da planta mãe.
* Devem ser fixadas em troncos de árvore e também em placas de fibra de coco, com pedaços de fibra de coco, ou um pedaço de arame galvanizado.

Os cuidados com a planta Chifre-de-veado
Em se tratando de água, o ideal é deixar placa ou vaso de fibra de coco, árvore ou terra onde o chifre-de-veado estiver plantado, um pouco úmido, mas nunca encharcado para não provocar o apodrecimento da raiz.

Algumas pessoas preferem esperar o substrato secar para assim regá-lo, mas como se trata de uma planta com muitas folhas, muitas vezes não é possível ver se a terra está seca ou não, uma boa saída é a rega por imersão, mergulhe a planta por 30 minutos na água, deixe escorrer o excesso e depois a pendure.

Com relação à temperatura, diz-se que o clima brasileiro é ideal para essa planta, porque ela sobrevive em temperaturas de 30 a 21º C, mas também aguenta as baixas temperaturas do inverno, até menos de 10º C.

Para escolher o local ideal da sua casa ou jardim para plantar o chifre-de-veado, procure um local iluminado, mas que não tenha sol direto, para não provocar a queimadura de suas folhas, uma brisa leve é bastante agradável para a planta.

platycerun1

Adubo ideal para o Chifre-de-veado
Na hora de plantar, você pode optar por placas de fibra-de-coco, tábuas de madeira, onde o substrato usado pode ser o musgo sphagnum e também pode ser usado um tronco de árvore já seco, além de ser um bom lugar para o plantio ainda servirá como uma peça de ornamentação. E como qualquer outra planta, devem ser usados adubos para auxiliar seu crescimento e mantê-la sempre bonita e saudável.

Como se trata de uma planta epífita, o chifre-de-veado não retira do substrato onde está plantado, os nutrientes necessários para sua sobrevivência e por isso é necessário fazer uso de um adubo, os líquidos são os mais indicados. Basta misturar o adubo líquido a água em que for regar a planta, tomando sempre cuidado para não molhar as folhas com a mistura. As melhores épocas para a aplicação do adubo são a primavera e verão.

Casa-na-floresta_663

rendafrancesa_YY

A renda-francesa é uma espécie de samambaia pertencente à família Dryopteridaceae e originária da região da Austrália.

Trata-se de uma planta herbácea rizomatosa, com grandes e longos rizomas cheios de pelos marrons escuros, de onde partem as folhas compostas, finamente pinadas, de aparência delicada,queima no inverno e rebrota na primavera.

Sua folhagem é bem fina, caules na grossura de um polegar e folhas mais finas do que a da samambaia. Ela é uma planta de sombra, que deve estar num local com bastante claridade natural e ventilação.

Esta é uma planta que não pode pegar sol diretamente, porque queima, mesmo sendo regada todos os dias. Chega a durar mais de 20 anos e mede quase um metro de altura, ficando bastante volumosa.

A renda-francesa deve ficar em ambientes com temperatura entre 20º e 35º C.
Regue dia sim, dia não, com um litro de água. Em épocas muito quentes, molhe-a diariamente. É preciso adubar a planta, usando o produto NPK 4-14-8, geralmente a cada três meses.

Assim como avencas e rendas-portuguesas, a renda-francesa também gostam de solo úmido e sol fraco,

Conheça os segredinhos para ter as rendas-francesa verdinhas, cheias de brotos e felizes.

rendafrancesa_1

Cultivo
Para ambientes iluminados, porém sem sol direto, é uma planta que poderá ser cultivada no chão sob as árvores, em vasos ou jardineiras e em vasos para interiores.

Os vasos podem ser largos, do tipo bacia, mas não precisam ser altos, pois os rizomas ficam meio descobertos no substrato.

O jeito certo de cuidar
Procure um lugar de meia sombra, onde não bata o sol forte do meio-dia. Se você mora em casa e tem um puxadinho ou uma garagem fresca e clara, pode apostar que ela vai curtir. Tome cuidado para escolher um canto longe de correntes de vento, que desidratam a planta e fazem as folhas caírem.

Regue regularmente
Mantenha o vaso úmido. Para não ter erro, coloque o dedo na terra: se ele sair sujo, não precisa molhar. Evite regar a folhagem – muitas espécies abortam folhas encharcadas.

renda-francesa

Faça uma mistura correta de adubos
Para suas plantas ficarem tão lindas quanto na floricultura, misture 2 colher (sopa) de torta de mamona e 1 colher (sopa) de farinha de osso e espalhe na terra, a cada 40 dias. Também pode borrifar as folhas num mês com NPK 20-20-20 e, no outro, com NPK 15-05-30, seguindo as orientações de diluição da embalagem.

Solo e substrato
O solo de cultivo deverá ser rico em matéria orgânica. Usa-se uma mistura de composto orgânico, turfa e areia. Também pode ser usado o substrato especial organo-mineral vendido em sacos nas agropecuárias, mas se utilizar este material deve misturar com areia.

Podas
Quando aparecem folhas amarelas, faça uma poda, abrindo espaço para as brotações. As mudas que surgirem da extensão do rizoma (caule subterrâneo) devem ser retiradas, evitando-se que a planta cresça demais e tenha que ser transplantada para um vaso maior.

A renda-portuguesa queima com o frio; portanto, recomenda-se podá-la inteiramente antes de o inverno chegar ou deixá-la em local mais quente durante a estação fria. Depois, ela brota vigorosa.

renda francesa

Pragas
É comum aparecerem lagartas que comem as folhas. Faça uma catação manual. Contra pulgões e ácaros, pulverize com calda de fumo para afastá-los. Se eles aparecerem na planta, corte as folhas afetadas tentando evitar que a doença se alastre. Para eliminar, só pulverizando com inseticida.

Mudas
A maneira mais fácil de fazer uma muda samambaias é com parte do rizoma. Em algumas espécies, ele é um filamento, como ocorre nas samambaias-americana, de metro e rabo-de-peixe; em outras, parece o rabo de um bicho peludo.

É o caso da renda-francesa. No primeiro tipo, o rizoma lança novas mudas periodicamente (na rabo-de-peixe é mais raro). Quando isso acontece, retire a muda cuidadosamente, cortando as folhas grandes na metade e tomando cuidado para não danificar os brotos. A seguir, plante-a em outro vaso.

rendafrancesa

Quando os rizomas são do segundo tipo, formam um emaranhado compacto. Para fazer a muda, corta-se um pedaço, de preferência que esteja com broto, espetando-o em um vaso com substrato.

A melhor época para tirar mudas é no verão. Faça o plantio inicialmente em um vaso pequeno, pois se a planta for colocada logo em um vaso grande, as raízes vão se espalhar, soltando poucos brotos. Depois de dois meses, transfira para o vaso definitivo. O substrato mais usado é a mistura de fibra de coco, turfa e vermiculita.

Barcoemaltomar

macieira

Bonsai significa: arte criada em bandeja: Bon = Bandeja, Sai = árvore. O cultivo de Bonsai teve início no ano de 700 a.C, no Império Chinês, onde apenas a elite da sociedade praticava a  técnica.

Bonsai é uma arte milenar e os estilos, técnicas, manuseio e conservação das plantas deve ser respeitado e reverenciado por todo praticante desta maravilhosa arte.

vaso-bonsai-25x

1 – Escolha do vaso
A importância de selecionar o vaso certo para plantar o seu bonsai é muitas vezes subestimada. O vaso (bem como as adições, como musgos, samambaias, pedras, estatuetas) são elementos importantes da composição, e devem ser escolhidos cuidadosamente para exibir a árvore.

As árvores que estão sendo estilizadas devem ser colocadas em recipientes maiores, proporcionando às raízes espaço suficiente para que se desenvolvam ajudando a árvore a lidar com as técnicas aplicadas.

As árvores mais velhas, que passam apenas pela poda de manutenção, possuem um sistema radicular mais compacto e podem ser plantadas em vasos menores, as considerações estéticas do vaso (vasos de cerâmica brasileira, chinesa ou japonesa, plástico ou cimento), são mais importantes neste caso.

drenagem

2 – Drenagem do vaso
Como os vasos no plantio das árvores são baixos, o sistema de drenagem deve ser simples. O ideal é utilizar um pedaço de manta Bidim ou sombrite apenas para tampar o buraco do vaso.

Deve-se passar um arame de cobre (não sofre oxidações) pelos buracos do vaso, pela tela e prender no sistema radicular da planta para que ela fique firme.

substrato

3 – Substrato ideal de plantio
Substrato é um produto utilizado apenas para substituir a terra. Como o bonsai passa por constantes podas radiculares durante o seu desenvolvimento, o ideal é que, o substrato garanta boa aeração, drenagem e desenvolvimento radicular.

Esse substrato deve possuir ½ camada de pedriscos com uma granulometria abaixo de 4 mm para impedir a compactação do solo.

Deve-se utilizar na mistura do substrato, um condicionador de solo, que possua em sua composição turfa (mesma granulometria aos pedriscos), esterco e nutrientes minerais (fósforo, cálcio, magnésio, potássio, etc.), para dar uma melhor condição ao crescimento das plantas.

O substrato deve ser aplicado após a tela de drenagem deixando o arame exposto para amarração do torrão da planta.

junípero japonêsJunípero japonês

4 – Escolha da planta
As plantas que irão compor o bonsai podem ser aquelas esquecidas nas floras e viveiros de plantas ornamentais. O ideal é que sejam plantas velhas, tenha musgos e líquens em seus galhos, caules grossos, galhos tortos e que possam ser utilizadas em podas de estilização ou de manutenção.

Podem ser frutíferas, floríferas ou folhagens. O ideal é que possuam lignina (tecido grosso característico de árvores e arvoretas) em seu caule. Os pinheiros, ciprestes e juníperos são as plantas mais difundidas nesta arte.

preparando bonsai_09

5 – Preparo da muda para o plantio
A planta escolhida deve ser retirada do saco plástico, o torrão deve ser esfarelado, deixando as raízes nuas. As raízes devem ser lavadas tomando o máximo de cuidado com elas.

Deve ser feito uma poda nas raízes. Antes da poda, a tesoura deve ser esterilizada em fogo brando. Na poda, deve-se retirar a raiz mais grossa, aplicar canela em pó (a mesma utilizada no arroz doce) para a cicatrização do corte as raízes mais finas devem ser cortadas a 10 cm da base da planta.

Não é necessário o uso da canela nas raízes mais finas. O arame deve ser amarrado no sistema radicular para que a planta fique bem firme. Após a amarração, deve-se completar o restante do vaso com o substrato e pressionar com as mãos para firmá-lo ao vaso.

bonsai-arvore_ja

6 – Condições ideais de cultivo
O bonsai é uma árvore conduzida em vaso pequeno, devido às constantes podas, seu crescimento é lento e tamanho reduzido. No entanto, se for plantada no solo, volta ao crescimento, atingindo a altura normal da espécie. Assim, como qualquer planta necessita de luz, água e proteção aos ventos para crescer de forma saudável.

Deve-se evitar que o bonsai receba o sol dos horários mais quentes do dia, o ideal é utilizar um sombrite com 50% de luminosidade. Como qualquer planta, a água é essencial ao crescimento das plantas.

Plantas com excesso de água acarretam a mela do sistema radicular e a sua falta, maior susceptibilidade ao ataque de pragas e desidratação severa da planta. O ideal é que seja feito a rega 1 vez a cada 2 dias ou quando notar que o solo está seco. A água deve escorrer pelo fundo do vaso.

estilo

7 – Estilos de bonsai
O principal objetivo dos estilos de bonsai é é representar nas pequenas árvores toda a realidade da natureza, condições climáticas, solo, neve, ventos, etc. Existe um número infindável de desenhos de árvores na natureza que podem ser imitados.

Seria inviável ou impossível dar nomes a todas estas variações. Sendo assim, os japoneses, de forma bastante criteriosa, definiram alguns estilos que representam a quase maiorias destas formas naturais.

São eles: Hokidachi (vassoura), Chokkan (forma vertical), Fukinagashi (varrido pelo vento), Bunjingi (verde no topo), Kengai (cascata), Han-kengai (Semi cascata), Sokan (tronco duplo na mesma base), Kabudachi (multi tronco na mesma base), Yose-ue (floresta, várias árvores crescendo em harmonia), Sekijoju (raízes nas rochas), Sharimiki (tronco morto), entre outros.

Porém, ao longo dos anos, muitos estilos para classificar árvores de bonsai têm avançado, refletindo circunstâncias muito semelhantes às encontradas na natureza. Estes estilos são abertos à interpretação e criatividade pessoal, o que significa que as árvores não precisam necessariamente obedecer a nenhuma forma.

poda-bonsai

8 – Poda da planta
Para o sucesso no cultivo do bonsai, é necessário fazer 3 tipos de poda: poda de manutenção (para manter o formato do bonsai), poda de estilização (para dar um estilo ao bonsai) e poda de raiz (para transo transplante no vaso e engrossamento).

A poda de manutenção é mais simples, retiram-se apenas folhas e galhos mais finos. A poda de estilização é mais trabalhosa, pois se cria a forma ou estilo do bonsai, geralmente, é feita em galhos mais grossos, podendo até, descascar o tronco se o estilo escolhido for o Sharimiki.

A poda de raiz também é conceituada drástica, pois o risco da planta não sobreviver é alto. Porém, a prática leva à perfeição, e para se tornar um bom bonsaísta, é importante trabalhar as podas.

aramação

9 – Aramação
A aramação é um processo importante para dar forma ao bonsai. É através da aramação que é possível conduzir um galho no formato ou estilo que se quer criar para o bonsai.

Porém, para se ter sucesso neste processo, é importante que o galho seja protegido com plástico, borracha (câmara de pneu de bicicleta) ou fibra de bananeira, pois caso contrário, corre-se o risco do arame estrangular os galhos da planta.

A seiva é conduzida por toda a planta através das raízes, caule e galhos, como a aramação é feita de forma firme, para conduzir um galho e o mesmo fica durante muito tempo com o arame, o risco de impedir a passagem da seiva é alto.

nutrição

10 – Nutrição vegetal
O ideal para o desenvolvimento do bonsai é utilizar adubos foliares que, após a aplicação nas folhas, escorram para o solo e possam ser absorvidos pelas raízes. A adubação deve ser com produtos completos na sua formulação, não apenas o NPK, mas macronutrientes secundários (magnésio e enxofre) e micronutrientes (boro, cobre, cobalto, ferro, manganês, molibdênio e zinco), para garantir o maior desenvolvimento das plantas.

Com o uso de um condicionador de solo no substrato, o fornecimento de nutrientes para as raízes já é suficiente, não tendo a necessidade de se utilizar produtos granulados no vaso. Pelo bonsai ser conduzido em vasos pequenos e com pouco solo, o uso de produtos granulados (NPK) aumenta o risco de queima radicular e danos severos à planta.

É importante que a adubação foliar seja feita após a poda radicular com um produto direcionado ao enraizamento das plantas e durante os processos de crescimento da planta (época de crescimento: primavera e verão, florescimento e frutificação) com um produto que possua maior teor de Nitrogênio na sua formulação.

cochonilhas

11 – Controle de Pragas
O bonsai, assim como todas as plantas, estão susceptíveis ao ataque de pragas e doenças. Estes danos podem ocorrer toda vez que a planta estiver em condições de stress, seja hídrico (falta ou excesso de água), luz (sombra ou excesso de sol) ou metabólico (falta ou excesso de nutrientes).

Pela grande atenção que é dada ao bonsai, estes fatores podem ser facilmente contornados se buscarmos no mercado produtos orgânicos e de fácil aplicação.

Para doenças, a simples poda de manutenção, esterilização da tesoura e aplicação de canela em pó (condimento – cicatrizante natural) no galho cortado e sulfato de cobre (fertilizante) nas folhas, são suficientes para o controle.

musgo

12 – Crescimento de musgos
Além do vaso e aspecto da árvore, há outros atributos importantes para melhorar a apresentação visual de uma árvore de bonsai. Cobrir a superfície do solo com musgo é um destes, uma prática muito comum, especialmente ao exibir árvores de bonsai em exposições.

Além da beleza estética, o musgo protege o solo da desidratação e de aves tentando cavar o solo à procura de insetos. Existem 2 técnicas para plantar musgos no vaso de bonsai. A primeira é a coleta do musgo na natureza e plantio direto no vaso, esse musgo deve estar crescendo nas mesmas condições ambientais (claridade) que o bonsai está.

Basta raspar o solo com uma espátula e replantar o musgo no solo do vaso. É importante que o solo do vaso esteja úmido para que o musgo não desidrate. A segunda técnica é colher o musgo quando ele está com a coloração marrom, bater no liquidificador e espalhar o pó sobre o solo do bonsai.

É importante mantê-lo úmido, com pulverizações diárias e, em poucas semanas, o musgo irá germinar.

janel11