Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Bonsai e Samambaias’

pinheiro branco japones (pentaphyla)
Todas as espécies de plantas de caule lenhoso podem ser utilizadas para se obter um bonsai, exceto as que têm frutos ou folhas muito grandes. Isso porque no bonsai a genética da planta não é alterada e ele teria proporções fora do comum entre o tamanho de seus frutos ou folhas e seu tamanho total, o que não representaria um cenário da natureza.

A seguir, estão relacionadas algumas espécies, entre dezenas de outras, que podem ser utilizadas para se obter um bonsai:

Ácer Japonês (Acer palmatum)
Ácer Japonês (Acer palmatum):
existem aproximadamente 250 espécies com folhas de diferentes cores que vão do vermelho- vivo ao verde-claro. As espécies japonesas são as mais apreciadas para bonsai, embora existam outras fora do Japão, tais como o Ácer de montanha e o Ácer Ginnala.

Oliveira (Olea europaea)
Oliveira (Olea europaea):
É muito apreciada porque sua casca, sendo nodosa, lhe confere uma rara beleza.

Romãzeira (Punica granatum)
Romãzeira (Punica granatum):
Esta é uma árvore também muito apreciada por sua casca nodosa, o que lhe confere uma aparência de maturidade. Existe uma variedade anã, com frutos bem pequenos, muito apreciada para bonsai.

Pinheiros (Pinus)
Pinheiros (Pinus):
as cultivares mais apreciadas são as japonesas Pinheiro Branco, Pinheiro Negro e Pinheiro Vermelho.

Buxo (Buxus)

Buxo (Buxus): as cultivares Microphylla do Japão e a Sempervirens são as mais apreciadas. Não se tratando de uma árvore, mas de um arbusto, é ideal para bonsai de médio tamanho.

janela-tarde

Serissa

Bonsais são árvores sensíveis, necessitando de cuidado e precisão nas podas, manutenção e replantio. Para melhor conservação do bonsai, ele deve ser replantado em períodos que variam de acordo com a espécie e desenvolvimento de suas raízes.

É difícil ter um ambiente livre de pragas e doenças. Sendo assim, é muito importante tomar medidas preventivas, uma vez que os bonsais são propensos aos ataques de vários patógenos.

Após as podas, deve-se fazer a limpeza do tronco com uma escova, limpando também a sua volta, retirando ervas daninhas e folhas caídas.

Restos de folhas acumuladas ao redor da planta entram em decomposição, formando um meio ótimo para o desenvolvimento de fungos ou bactérias que causam a putrefação das raízes do bonsai, levando a planta à morte.

Os musgos formam um ótimo refúgio para pragas e larvas. Usa-se inseticida para tratar qualquer larva ou inseto que seja encontrado nos musgos. A grama que, às vezes, cresce em volta do bonsai pode ser bonita, mas compete por nutrientes. É interessante manter toda a área do vaso limpa, deixando assim, o solo mais arejado.

Para se retirar ervas daninhas, pode-se utilizar pinça de haste longa.

As doenças são causadas pelos fungos, bactérias e vírus, que eventualmente levam o bonsai à morte. O controle deve ser realizado com a utilização de produtos químicos, os quais se encontram na forma líquida ou em pó, sendo necessário possuir uma bomba para pulverização ou um aparelho que espalhe pó.

Lembrem-se que o bonsai é uma atividade artística que trabalha a sensibilidade humana, promove a criatividade e a interação entre o homem e a natureza, além de ser um ótimo exercício de paciência, perseverança e observação.

3b872de2

Piracanta-coccinea
A escolha de um bonsai já adulto é sempre difícil, porque envolve vários aspectos como custo, local onde vai ser colocado (dentro ou fora de casa), a aparência do bonsai, a idade e o tamanho. Deve-se tomar cuidado na compra de falsos bonsais; é comum plantarem uma muda pequena de uma árvore em um vaso e vender como um bonsai já estabelecido.

A grande questão para se escolher um bonsai é o local onde vai ficar. A maioria das pessoas gostam de colocar o bonsai como adorno dentro de casa, outras já preferem fazer um lugar especial no quintal.

Tradicionalmente, as árvores das quais são feitas bonsais vêm de regiões de florestas úmidas da China e Japão, sendo essencialmente plantas para serem cultivadas no exterior da casa.

Espécies provenientes de regiões que têm clima temperado podem ser cultivadas perfeitamente dentro de casa.

Dentre as espécies que são adaptadas ao cultivo dentro de casa, podemos citar o bambu, ficus e camélia japonesa.

LANDSCAPE2708A35

Azaleia
Uma árvore em seu desenvolvimento normal necessita de uma considerável quantidade de água, a qual é obtida pelo desenvolvimento em profundidade e extensão das raízes no solo. Um bonsai é similar, necessitando de água frequentemente , principalmente no Verão.

O bonsai necessita de água fresca, livre de elementos físicos e químicos que sejam tóxicos. O ideal é coletar água da chuva, mas esta não é uma prática muito viável, podendo – se utilizar processo de purificação da água.

Deve-se ter um cuidado especial ao se utilizar água clorada, pois o cloro é tóxico para as plantas. É recomendado que se deixe um reservatório onde a água fique em repouso por alguns dias para que o cloro precipite.

Também não ser recomenda água muito fria, pois as plantas podem sofrer um choque térmico. A irrigação pode ser feita por pulverizadores automáticos se houver uma quantidade expressiva de vasos em casa, podendo ser feita por pulverizadores simples em caso de poucos vasos.

Quando o bonsai estiver dentro de casa, a irrigação deve ser feita de acordo com o volume do vaso. É primordial que nunca se deixe os vasos com excesso de água, devendo sempre observar o escoamento desta.

Além da água do solo, as raízes absorvem nutrientes que são vitais para o desenvolvimento das árvores. O vaso onde se desenvolve o bonsai não tem fontes de minerais suficientemente disponíveis, sendo necessário fazer regularmente o fornecimento destes.

Para o bonsai, já é comum utilizar fertilizantes sintéticos, particularmente fertilizantes líquidos. Um fertilizante ideal para o bonsai deve ter em torno de 50% de nitrato, 30% de fosfato e 20% de potássio.

É recomendado que se faça a adubação a cada três estações, e não se deve fazer a fertilização na época do florescimento e frutificação. O fornecimento de nitrato (N) tem como objetivo promover o desenvolvimento das folhas, galhos e o crescimento da planta em geral; o ácido fosfórico (P) promove a formação de raízes e o desenvolvimento de tecidos celulares, além de regular as atividades de reprodução e frutificação, e o potássio (K) estimula a produção de seiva e sua circulação, auxiliando no florescimento e frutificação.

ouvindo-a-chuva

Caliandra

Um perfeito bonsai deve ter um tronco com visual envelhecido e uma vigorosa formação de galhos e folhas. Para se obter bons resultados, deve-se fazer intervenções contínuas, tais como podas de formação, limpeza e outros tratos culturais. Existem equipamentos especiais para se fazer a poda e condução de um bonsai, consistindo basicamente de tesouras e facas, com suas variações.

Para se dar forma ao bonsai, são utilizados arames de várias espessuras, os quais são colocados envolvendo os ramos e o tronco. Em seguida, faz-se podas contínuas tanto na parte aérea como nas raízes.

A poda se divide em duas etapas: a poda de formação e a poda de manutenção.

A primeira é realizada no período de estabelecimento do bonsai, que geralmente é de no mínimo um ano. Consiste em retirar os galhos e folhas excedentes, deixando um aspecto de árvore adulta. A poda de manutenção é tão importante para o bonsai quanto à poda de formação, e deve fazer parte do dia-a-dia.

Ela ajuda a dar uma forma particular ao bonsai, além de garantir a sua sobrevivência. A poda, de maneira geral, restringe o  crescimento descontrolado, sendo possível controlar o número e o tamanho dos galhos que iriam permanecer no bonsai.

A apara das folhas deve ser feita principalmente em espécies como castanheira ou carvalho. No inverno, deve-se retirar todas as folhas ou reduzir o seu número para que no verão, sejam substituídas por folhas menores.

A imposição da forma pela utilização de fios metálicos deve ser realizada com habilidade e cuidado. A utilização desses fios é que vai dar formas exóticas e graciosas aos bonsais. Quando se amarrar o bonsai, o arame não pode ficar muito apertado, pois pode deixar marcas no caule e nos galhos. Sendo assim, o fio deve ser retirado e recolocado periodicamente.

Para começar uma poda de formação, deve-se cortar a raiz pivotante e o ápice caulinar; isto forçará a planta a emitir ramos e raízes laterais.

A poda de manutenção consiste em retirar os ramos e raízes excedentes, e também o excesso de folhas. Procedendo-se então, regularmente, a poda de manutenção, pode-se ter a conservação de um bonsai por mais de 200 anos.

Uma consideração importante: deve-se manter os equipamentos de poda e de limpeza sempre limpos e higienizados, para se evitar uma eventual contaminação do bonsai por alguma doença.

janel14

especie-serissa

Como e com que frequência regar um bonsai?
Regar um bonsai é molhar toda a terra que esta dentro do vaso. Coloque água potável por cima da terra em toda a superfície até que esta comece a sair por baixo nos orifícios do vaso. No dias mais quentes pode-se molhar também a copa e galhos.

Já a frequência das regas vai depender principalmente do tamanho do vaso e das condições climáticas como temperatura e umidade do ar. Normalmente vasos com até 30 cm de comprimento e/ou vasos muito rasos devem ser regados todos os dias quando a umidade do ar estiver baixa e a temperatura acima de 20oC.
Muito cuidado com os extremos: Em dias de muito calor (acima de 30oC) regue duas vezes ao dia. Em dias de muito frio (abaixo de 15oC) regue a cada dois dias.

Vasos maiores do que 30 cm, normalmente a frequência de rega é menor, mas tome muito cuidado, geralmente um bonsai não fica mais do que dois dias sem água.
As árvores no geral não gostam de muita umidade na terra. Por isso geralmente devemos regar os bonsai somente quando a terra do vaso estiver quase seca.
Vale muito a nossa observação constante, tanto do clima quanto da umidade da terra. A verificação da umidade da terra pode ser feita facilmente tocando-se a terra com os dedos.

A Vaporização das folhas somente é necessária quando a umidade do ar estiver baixa. Nesta situação é conveniente que faça uma vaporização leve somente sobre as folhas preferivelmente a sombra com água potável, no mínimo, três vezes por dia. Outra função importante da vaporização é quando feita sobre as raízes finas expostas em alguns determinados estilos (Ex.:”raiz exposta”, “raiz sobre pedra” e outros). Também é importante no cultivo do musgo que, se for usado, não deve ocupar mais do que a metade da superfície da terra do bonsai, para que esta “respire”. O musgo deve ser borrifado levemente em torno de três vezes ao dia sem que a terra do bonsai se umedeça.

camin

especie-buxus-sempervirens

Um dos maiores prazeres daqueles amam a natureza é contemplá-la bela e saudável. Também é muito agradável quando adubamos uma árvore e ela responde ao tratamento que lhe dispensamos. A melhor maneira de nos comunicarmos com nossas plantas é conhecendo suas necessidades e sabendo como elas reagem aos tratamentos empregados. Aqui procuro descrever maneiras simples de como as plantas se comunicam conosco, através de sua aparência e reações, e o que podemos fazer para ajudá-las.

Sintomas - Planta crescendo somente de um lado.
Causas – Provavelmente o sol esta batendo somente de um lado do bonsai.
Providencias – Virar o bonsai pelo menos uma vez por semana para que ele possa tomar sol em toda sua volta.

Sintomas – Algumas folhas estão secas ou amareladas.
Causas - Às vezes os vegetais trocam naturalmente suas folhas.
Providências - Retirar as folhas velhas ou muito amarelas.

Sintomas – Alguns dos galhos estão fracos comparados com outros.
Causas - A árvore esta dando prioridade de crescimentos.
Providências – Podar constantemente os galhos fracos para que ramifiquem e se avolumem.

Sintomas – As folhas estão sujas
Causas – A poeira e a poluição estão se depositando nas folhas
Providências – Lave o bonsai com jato de água forte. Além de limpar você poderá até eliminar alguns insertos nocivos.

Sintomas - As pontas das folhas escurecem e depois de um tempo caem
Causas – Pouca água na rega.
Providências – Melhore a qualidade da rega tomando cuidado para molhar toda a terra do vaso. Aumentar a freqüência das regas.

Sintomas - Pouca produção de flores
Causas – Excesso de Nitrogênio na adubação.
Providências - Adube com menos freqüência. Quando o fizer, escolha adubos com pouca concentração de nitrogênio. Adubar menos durante o inverno.

Sintomas – Alguns galhos estão crescendo de forma exagerada e as folhas ficam claras e grandes.
Causas – Iluminação deficiente e excesso de nitrogênio,
Providências – Colocar em local onde a incidência de luz solar se faça diretamente sobre as folhas por um período maior.

Sintomas – As folhas ficam amareladas, dobram-se e murcham.
Causas – Excesso de calor.
Providências – Mude o local por um mais ventilado e fresco.

Sintomas - Sobre as folhas existe um pó branco, parecido com sal.
Causas – Acumulo de cálcio e sais, da água da rega, sobre as folhas.
Providências - Limpar as folhas com pano ou algodão embebido em um pouco de óleo vegetal.

Sintomas - As raízes estão saindo pelos buracos de drenagem.
Causas - Vaso pequeno.
Providências - Periodicamente é necessário trocar a terra dos bonsai e podar as raízes. Faça isto no período e na freqüência correta.

Sintomas - Folhas furadas, raspadas e com rastros líquidos.
Causas - Ataque de Lesmas.
Providências – Retire e mate as lesmas durante a noite. Faça uma armadilha com um copo de cerveja perto do vaso. Elas irão beber e se afogar.

Sintomas – Folhas com manchas coloridas pequenas. Elas murcham e morrem depois de um tempo.
Causas – Ataque de Fungos.
Providências – Destrua as folhas infectadas e não molhe as folhas nas regas. Diminua a freqüência das regas e coloque a planta em local bem arejado.

Sintomas – Folhas dobrando e flores feias. A planta não cresce.
Causas - Ataque de ácaros.
Providências - Lavar a parte aérea do bonsai com água morna (Use chuveirinho do Banheiro). Aplicar inseticida adequado. Procure orientação.

Sintomas – Planta ficando feia, folhas apresentando manchas brancas que posteriormente ficam amarelas. Teias de aranha estão entre os galhos.
Causas - Ataques de ácaros vermelhos ou verdes.
Providências - Lavar a parte aérea do bonsai com água morna (Use chuveirinho do Banheiro). Aplicar inseticida adequado. Procure orientação.

Sintomas – Folhas com um liquido pegajoso.
Causas - Este liquido é excremento de insetos. Sinal de infestação.
Providências - Lave a parte aérea do bonsai com água morna e detergente, enxágüe com água morna. Pulverizar com inseticida.

ar

especie-ulmus

As pragas mais comuns:
- Pulgões – chamados também de piolho de planta, são verde-claro, amarronzados e pretos. Podem ser retirados com cotonetes embebidos em água ou álcool, quando descoberto no começo. Os sintomas apresentados são atrofia dos brotos novos, folhas que amarelam e enrugam e, presença de formigas que apreciam a substância açucarada que os pulgões excretam. Grandes infestações devem ser combatidas com:
. Calda de Fumo
. Macerado de alho
. Macerado de urtiga

- Cochonilhas –
Pequenos insetos de 2 a 5 mm de comprimento, de formato arredondado e cores variando do entre branco, marrom e esverdeado. Existem dois tipos: de carapaças ( escamas) e as farinhosas, que se apresentam revestidas por uma secreção serosa que lembra o algodão. Percebendo-se no início podemos combatê-la com cotonete embebido em álcool metílico. Os sintomas são folhas que nascem enroladas e com manchas amareladas, podendo apresentar-se meladas. Os botões florais caem antes de se abrirem e a planta mostra-se sem viço e com crescimento estacionado.
Grandes infestações usar:
. Calda de fumo com sabão
. Óleo mineral
. Malathion

- Ácaros – Assemelha-se a um carrapato ligeiramente peludo com 8 patas. Podem atacar os tecidos internos das plantas, caules, folhas e até raízes. No início podemos eliminá-los pulverizando água morna nas folhas e retirando os ácaros com com esponja ou cotonete embebido em álcool. A pulverização com calda de fumo ajuda. Casos extremos usar acaricidas à base de Enxofre, aplicados com muito cuidado. Sintomas são as folhas apresentarem partes esbranquiçadas, às vezes com os bordos enrolados. Em alguns casos nota-se a presença de finíssimas teias brancas nas folhas ou outras com aparência de ferrugem. Mais tarde, caules e folhas escurecem e tornam-se crespos e, se a planta chega a florescer, as flores são menores e defeituosas. Existem umas aranhas vermelhas também chamadas de ácaros que podem ser combatidas com borrifação de água constante ou aplicação de enxofre.
- Brocas – São insetos que perfuram troncos e hastes lenhosas para lá depositarem seus ovos. As larvas que nascem cavam galerias no interior do caule. Sintomas são reconhecidos por orifícios no tronco ou caule. Se a infestação estiver somente em um galho devemos arrancá-lo. Aplicar nos outros galhos uma pasta à base de Fosfato de Alumínio. Pode-se prevenir o ataque de brocas fazendo uma pasta de cinza de madeira misturada com água e com ela rebocar o tronco.

- Lesmas e Caracóis – Como precisam manter-se hidratados passam os dias escondidos sob pedras ou madeiras ou outros locais úmidos. À noite fazem o estrago. Sal de cozinha tem a propriedade de derreter lesmas. Retire os caracóis com as mãos.

- Formigas – Todos sabemos como controlá-las mas existem plantas que tem a propriedade de afastá-las como a hortelã. O gergelim não afasta mas quando as formigas levam o gergelim para dentro do formigueiro, as folhas em contato com a umidade do formigueiro liberam uma substância tóxica que envenena as formigas.

- Lagartas – É necessária a nossa observação e localizar seus ninhos no verso das folhas ou em folhas enroladas. Para grandes infestações pulverizações com inseticidas biológicos como o Dipel ou Agropel, provocam uma doença bacteriana mortal na lagarta. Uma maneira de afugentá-las é evitar que as borboletas ou mariposas cheguem perto plantando a sálvia, alecrim, hortelã e alho porró. Estas plantas afugentam as borboletas.

- Tatuzinhos e Trips – Para eliminá-los utiliza-se creolina aplicada em seus esconderijos: locais escuros e úmidos. Como a creolina leva apenas 5 minutos para matá-los, convém lavar o local um pouco depois pois o produto e prejudicial a micro fauna que mantém o solo saudável.

cach6

samambaia-metro1

As Samambaia são plantas muito bonitas para tem em casa e ficam muito bem na decoração. Para ter uma planta bem verde é preciso tomar algumas providências. Samambaias sempre verdes e bonitas em vasos e como cuidar, como podar, como adubar e como molhar
Para manter um vaso de samambaias sempre verde e cheio de folhas, é preciso alguns cuidados. Veja quais são:

Local. Samambaias não gostam de sol forte. O ideal é manter o vaso em local iluminado que pegue um pouco de sol de manhã. Essas plantas também são muito sensíveis ao vento, particularmente a samambaia-de-metro.

Regas. São feitas de duas a três vezes por semana (no verão, as samambaias precisam mais água do que no inverno). Molhe o xaxim por igual, tomando cuidado para não encharcar, o que poderia causar apodrecimento da raiz. O segredo é nunca deixar o xaxim totalmente seco. As samambaias gostam de receber um chuvisco sobre as folhas.

Podas. Quando aparecem folhas amarelas, faça uma poda, abrindo espaço para as brotações. As mudas que surgirem da extensão do rizoma (caule subterrâneo) devem ser retiradas, evitando-se que a planta cresça demais e tenha que ser transplantada para um vaso maior. A renda-portuguesa e a samambaia-de-metro queimam com o frio; portanto, recomenda-se podá-las inteiramente antes de o inverno chegar ou deixá-las em local mais quente durante a estação fria. Depois, elas brotam vigorosas.

Adubação. Não deve ser realizada na época do plantio pois pode causar deficiências nas raízes. Um mês após a muda passar para o vaso definitivo, faz-se adubação leve com 2 colheres (sopa) de torta de mamona e farinha de osso, repetindo a cada 40 dias. A adubação líquida é feita de 15 em 15 dias.

Pragas. É comum aparecerem lagartas que comem as folhas. Faça uma catação manual. Contra pulgões e ácaros, pulverize com calda de fumo para afastá-los. Se eles aparecerem na planta, corte as folhas afetadas tentando evitar que a doença se alastre. Para eliminar, só pulverizando com inseticida.

Mudas. A maneira mais fácil de fazer uma muda de samambaia é com parte do rizoma. Em algumas espécies, ele é um filamento, como ocorre nas samambaias-americana, de metro e rabo-de-peixe; em outras, parece o rabo de um bicho peludo. É o caso da mandaiana e das rendas portuguesa e francesa. No primeiro tipo, o rizoma lança novas mudas periodicamente (na rabo-de-peixe é mais raro). Quando isso acontece, retire a muda cuidadosamente, cortando as folhas grandes na metade e tomando cuidado para não danificar os brotos. A seguir, plante-a em outro vaso. Quando os rizomas são do segundo tipo, formam um emaranhado compacto. Para fazer a muda, corta-se um pedaço, de preferência que esteja com broto, espetando-o em um vaso com substrato.

A melhor época para tirar mudas é no verão. Faça o plantio inicialmente em um vaso pequeno, pois se a planta for colocada logo em um vaso grande, as raízes vão se espalhar, soltando poucos brotos. Depois de dois meses, transfira para o vaso definitivo. O substrato mais usado é o pó de xaxim. Hoje em dia, passou a ser usual misturá-lo com fibra de coco, turfa e vermiculita.

janel10

asparagus_setaceus

O Asparagus setaceus (aspargo-samambaia), é uma planta de interior normalmente considerada como sendo um feto ou samambaia devido ao aspecto das suas “folhas”. Na realidade não tem folhas mas sim pequenos ramos de 0,5 cm, muito finos, que se designam por filocládios. São estes raminhos que assumem as funções fotossintéticas, proporcionando energia à planta.

O Asparagus setaceus é uma planta originária da África do Sul, muito resistente, que cresce em terrenos muito difíceis e rochosos. Os seus caules principais têm espinhos afiados que servem para dissuadir os animais de se aproximarem. Ao fim de um certo tempo de crescimento, o Asparagus setaceus comporta-se como uma trepadeira. O aspargo-samambaia, em muitos locais do globo, é considerado uma espécie invasora, pois sufoca a vegetação nativa, eliminando-a, e impedindo a regeneração natural de outras espécies.

Rega: Embora estas plantas de interior resistam muito bem a períodos de seca prolongada, convém que as mesmas sejam regadas com generosidade durante o seu período de crescimento (sem encharcar o solo), desde a Primavera até ao Outono. Quando o tempo está quente, normalmente nunca deixe o solo secar completamente entre regas o ideal é mantê-lo sempre um pouco úmido. No Inverno basta regar uma vez por semana.

Luz: Tal como a grande maioria das plantas de interior, o Asparagus setaceus prefere luz forte, mas sem sol direto. Ideal que tenha a sua planta junto de uma janela que receba algumas horas de sol, mas filtrada através de uma cortina. Se o Asparagus setaceus receber demasiado sol, as “folhas” ficarão amarelas, o que também pode acontecer se for colocada num local demasiado escuro. Esta planta dá-se muito bem com luz artificial.

Temperatura: É praticamente uma questão irrelevante quando a planta é cultivada em interior.

Adubação: É difícil adubar demasiado esta planta, pois é uma “comilona” voraz. Eu costumo usar um pouco de adubo líquido, duas a três vezes por mês, durante o período de crescimento.

Solo e reenvasamento: Qualquer solo comercial de boa qualidade será o suficiente para manter o Asparagus setaceus feliz. Mais uma vez não se esqueça de colocar uma boa quantidade de argila expandida ou cacos de barro no fundo do vaso. Mude a terra todas as primaveras e tente sempre manter o topo do solo um pouco abaixo do limite do vaso, pois as raízes desta planta têm tendência a empurrar o solo para cima.

Propagação: A melhor forma de propagar o Asparagus setaceus), é por divisão de touceiras. Use uma faca afiada para dividir a planta e aproveite para podar um pouco as raízes. Coloque as “novas” plantas que obteve com a divisão em vasos menores e trate-as normalmente. Esta operação tem melhores resultados se for efetuada na Primavera.

Poda: Corte as folhas mais velhas, ou que fiquem amarelas, sempre que necessário. Corte também rente ao solo, os caules mais antigos e com pior aspecto. A poda regular desta planta faz com que fique mais bonita e vigorosa.

riach