Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Bonsai e Samambaias’

(Davallia fejeensis)

Uma das plantas mais utilizadas na decoração é a renda portuguesa. Por essa razão, ela é bastante utilizada como destaque em jardins e até mesmo em design de interiores. Assim, a função ornamental desse tipo de natureza é muito explorada, você só precisa descobrir como otimizar.

Se há algo mais comum nos ambientes de jardins do que a samambaia, ainda é desconhecido. Especialmente o tipo de samambaia renda portuguesa, é a mais vista nos quintais, vasos, garagens, jardins e interiores de residências. Talvez isso se deva ao fato de ser uma planta de fácil cultivo, além de bonita e promotora de saúde.

Passo a passo para cultivar renda portuguesa em vaso
Primeiramente, é preciso escolher o vaso ideal para cultivar a samambaia renda portuguesa. Na verdade, essa é uma tarefa fácil já que se trata do mesmo tipo de vaso utilizado para o plantio de outros tipos de samambaia.

Assim, o ideal é utilizar aquele típico vaso de fibra de coco. Entretanto, caso não seja possível, você também pode utilizar jardineiras ou outros vasos largos e não tão profundos.

Para garantir um bom desenvolvimento, o solo deve ser rico em matéria orgânica. Dessa forma, a composição ideal deve conter um bom composto orgânico, uma terra de jardim mais argilosa e areia, por fim.

Além disso, esse tipo de planta precisa de uma boa iluminação. Entretanto, ela não suporta a incidência direta da luz. Dessa forma, o ideal é plantá-la em meia sombra, o que faz dela uma peça ideal para a decoração de interiores.

renda_portuguesa

Como cuidar
O primeiro cuidado que se deve ter com esse tipo de samambaia é quanto à rega. Nesse caso, ela precisa ser frequente, de preferência em dias alternados. Isso porque, embora goste muito da água, a renda portuguesa não gosta de ser encharcada.

Além disso, é bom podá-la de vez em quando. A partir do corte você pode, inclusive, fazer outras mudas para reproduzir a renda portuguesa.

Para isso, basta cortar o caule marrom de onde saem as folhas. Mas, nunca se esqueça que isso deve ser feito com uma tesoura de poda limpa e afiada.

riachinho

samambaia

A planta samambaia, que fez o maior sucesso nas décadas de 1960 e 1970, voltou com tudo e tem ganhado cada vez mais espaço dentro e fora das casas. Elas são usadas como itens de decoração e paisagismo. Além de deixar o ambiente mais bonito e leve, essa folhagem é uma ótima aliada na hora de melhorar a qualidade de ar do local em que vivemos.

Essa bela folhagem tem origem pré-histórica e pode ser encontrada em uma variedade grande de tipos e espécies. Parecem plantas incríveis, não é?! E são!

As samambaias ainda são fáceis de cultivar, basta seguir algumas orientações neste guia que preparamos para você. Pronto para aprender como cuidar de samambaia?
De clima tropical, a samambaia é facilmente encontrada em florestas e regiões com bastante mata e umidade.

No entanto, elas também são facilmente cultivadas em um vaso dentro de casa ou mesmo no jardim. Suas lindas folhas pendentes se adaptam aos locais com pouca iluminação. Perfeitas para apartamentos, não é mesmo?

samambaia havaiana

Vamos às dicas de como cuidar da samambaia
O ideal é sempre reproduzir o ambiente natural dessa planta. Por isso, o indicado é deixar a sua samambaia na meia sombra e em um ambiente mais úmido.

O melhor lugar para deixar a samambaia é em um ambiente com sombra. Contudo, é importante que a planta receba alguns raios de sol durante o dia. Por isso, colocar seu vaso próximo às janelas pode ser uma ótima opção. Só tenha cuidado para que ela não receba sol intenso.

A samambaia é uma planta que se adapta facilmente nos banheiros! Isso porque o chuveiro torna o cômodo mais úmido e elas adoram umidade. Isso nos lembra de outro cuidado muito importante: as regas!

Quando regar a samambaia?
Normalmente as folhas da samambaia sinalizam como está a umidade do solo. Se elas precisam de água ou se o substrato está suficientemente úmido. Folhas e galhos moles, indicam excesso de água no solo. Já as folhas secas, sinalizam a falta de água.

O ideal, é promover regas de forma regular, assim a sua plantinha não adoece. A melhor forma de saber o momento certo para a rega é colocando o dedo sobre o solo, se sair sujo, ele está úmido. No entanto, se estiver seco e arenoso, é necessário regar. Dessa forma é mais difícil encharcar demais a plantinha.

E não basta abrir a torneira, pegar o regador e aguar a sua planta. Levando em consideração, mais uma vez, o habitat da samambaia, evite usar água muito fria, especialmente no inverno.

A samambaia é originária das matas tropicais e, geralmente, recebe água das chuvas em uma temperatura mais amena. Por isso, deixar a água descansar no regador é importante para que ela esteja em uma temperatura agradável para a sua plantinha.

Como fazer mudas
As samambaias, diferente da maioria das plantas, não se reproduzem por flores e sim por esporos. Os esporos são aquelas bolinhas que existem atrás das folhas das suas folhas.

Eles funcionam como sementes, mas nada de colocá-los na terra. O procedimento para cultivar samambaia é um pouco diferente.

Veja o passo a passo:
* Recolha os esporos através de um papel ou tecido;
* Deixar secar;
* Coloque na terra.

Outra forma de cultivo da samambaia é por meio das mudas. Para isso, basta preparar um vaso com algumas pedras no fundo para auxiliar a drenagem. Depois, adicione o substrato para samambaia e coloque a muda.

Substrato para samambaias
O substrato usado nessa planta deve ser específico para samambaia. Ela gosta bastante do solo úmido e adubado. Para manter a umidade por mais tempo, pode ser colocado sobre o vaso uma camada de folhas de pinheiro ou húmus de minhoca.

Outra dica é colocar uma camada de musgo no fundo do vaso antes de plantar. Dessa forma, ele ajuda a água a escoar pouco, permitindo que o solo fique mais macio e úmido.

Na hora de plantar, é possível colocar uma parte de areia misturada na terra, ela irá absorver o excesso. Depois, aposte em produtos específicos para a espécie.

Tipos de samambaia
Quem ama samambaia também é fã da sua grande variedade! São cerca de 200 espécies e mais de 10 mil variedades de samambaias. Vamos conhecer algumas delas?

samambaia_americana

Samambaia americana
É uma das mais conhecidas, possui folhas grandes, finas e pendentes e a cor verde clara.

samambaia-argentina

Samambaia argentina
Bastante conhecida, ela é bem semelhante à americana, porém possui a cor verde mais forte, folhas mais ralas e crespas.

Samambaia Amazonas

Samambaia amazonas
Possui as folhas largas e de um verde mais forte e intenso. Suas folhas possuem pequenas bolinhas na superfície.

chifre-de-veado

Chifre de veado
Completamente diferente das tradicionais, esta planta lembra os chifres desse animal. Possui folhagem larga e espaçada, com algumas ramificações.

renda_portuguesa

Renda Portuguesa
Suas folhas são delicadas e de um verde intenso, seus ramos são pequenos e leves, com folhas de 20 cm que lembram uma renda.

passaro_2

Asplenium nidus

Esta é uma típica planta, pertencente àquele grupo de vegetais que podem ser cultivados em ambientes de sombra, dentro de casas e apartamentos, sem maiores problemas.

Bastante ornamental e de fácil cultivo, o asplênio é pouco lembrado, quando buscamos por plantas de interior para preenchermos nossas selvas urbanas.

Assim como a samambaia, o Asplenium nidus é uma espécie de feto, uma planta vascular que se reproduz através de esporos, não sendo capaz de produzir flores ou sementes.

Ainda que guarde parentesco com plantas como as samambaias, todas pertencentes à família botânica Davalliaceae, o asplênio encontra-se, atualmente, classificado em sua própria família, denominada Aspleniaceae, estabelecida em 1840 pelo botânico inglês Edward Newman.

Embora os membros desta família encontrem-se distribuídos por todo o globo terrestre, com exceção das regiões glaciais, a espécie Asplenium nidus é originária de países localizados no sudeste asiático e em algumas ilhas do Pacífico.

Também há alguma ocorrência de asplênio nativo em regiões da Austrália e África. Trata-se de uma planta epífita, que vive sobre os troncos de árvores, principalmente palmeiras, no interior de florestas tropicais quentes e úmidas.

É por este motivo que o asplênio adapta-se tão bem ao cultivo em interiores, já que não tolera o sol direto incidindo sobre suas folhas. Esta é uma planta de sombra, habituada à luminosidade filtrada pelas copas das árvores, em seu habitat de origem.

Tudo o que necessita é de um local bem arejado, com níveis adequados de umidade relativa do ar, superiores a 60%, e uma fonte de luz difusa e indireta.

As folhas do asplênio são longas, firmes e onduladas, surgindo a partir de uma roseta central, que emerge a partir de um rizoma bastante intrincado. Com o tempo, as folhas mais antigas vão secando e formando uma estrutura similar a um ninho, na base da planta.

Asplenium nidus1

Por esta razão, o Asplenium nidus é conhecido como ninho de passarinho, fazendo alusão ao fato de as folhas do asplênio nascerem enroladas sobre si mesmas, como ocorre com as samambaias.

Estas estruturas bebês são bastante frágeis e não devem ser tocadas, sob o risco de atrofiarem e morrerem, antes mesmo de se desenvolverem. Por esta razão, é importante proteger o vaso de asplênio de correntes de vento, principalmente se forem suspensos, para que a rotação constante não force as pontas dos fetos contra superfícies como muros ou paredes.

Neste contexto, os moradores de apartamentos, principalmente aqueles localizados em andares muito altos, precisam prestar atenção à incidência de vento, que costuma ser intenso, principalmente em varandas. Também é importante manusear a planta com cuidado, e apenas quando necessário.

asplenium_nidus_L2

O cultivo do asplênio é bastante simples e semelhante ao das samambaias. A espécie Asplenium nidus aprecia um solo rico em matéria orgânica, que não seja muito compactado. Além disso, é importante que ele seja facilmente drenável.

Uma mistura de terra vegetal, composto orgânico e substrato para epífitas, na proporção de um terço cada, produz um solo apropriado para o correto desenvolvimento do asplênio. O vaso, independentemente do material, se de plástico ou barro, deve ter furos no fundo e um sistema de drenagem, composto por pedrisco, cacos de telha ou argila expandida.

As regas devem ser moderadas, sem excessos. É importante evitar colocar água diretamente no centro do asplênio, no ninho, que pode ficar muito úmido e ser atacado por fungos e bactérias.

O ideal é regar o solo e não a folhagem, principalmente se a planta for cultivada dentro de casas e apartamentos, onde a ventilação é menor e a secagem do vaso mais demorada.

Mais importante do que manter o solo sempre úmido, é manter os níveis de umidade relativa do ambiente em valores acima de 60%. Para tanto, vale recorrer a umidificadores de ar, bandejas umidificadoras, com areia ou pedrisco no fundo e uma lâmina de água, com o vaso por cima, fontes de água ou aquários, etc.

Ambientes de cultivo muito secos podem fazer com que as pontas das folhas do asplênio fiquem ressecadas e queimadas.

Aspleniun

Este mesmo efeito pode ser causado pelo excesso de adubação, principalmente se ela for do tipo inorgânica, composta por sais minerais que forneçam os macronutrientes NPK.

Durante o inverno, o fornecimento de fertilizantes pode ser suspenso. Existem formulações próprias para a nutrição de folhagens que, por não produzirem flores, não necessitam de elevados teores de fósforo na adubação.

É importante ressaltar que o asplênio não pode ser dividido como a maioria dos outros fetos. Como depende do tecido meristemático existente na roseta central, apenas uma planta pode surgir a partir desta estrutura.

De modo geral, a propagação do asplênio ocorre através dos esporos, mas este é um processo mais complicado, que costuma ser realizado apenas pelos produtores comerciais da planta.

A espécie Asplenium nidus não é tóxica para crianças e animais de estimação. Esta é uma planta consumida com fins medicinais, em algumas culturas.

Para quem deseja acrescentar um toque de novidade ao cenário dominado por samambaias e rendas portuguesas, o asplênio é uma excelente opção de diversificação.

Por possuir exigências semelhantes de cultivo, e uma aparência imponente e diferenciada, ele pode fazer belíssimas composições com vários outros tipos de plantas epífitas, como os fetos, bromélias, chifres de veado e orquídeas.

O único cuidado a ser tomado, quanto o cultivo do asplênio, é em relação ao espaço disponível para o seu desenvolvimento. Ainda que seja uma planta de crescimento lento, ela atinge grandes proporções, quando adulta.

Para quem mora em apartamentos pequenos, este pode ser um empecilho para sua manutenção, uma vez que as pontas das folhas do Asplenium nidus não toleram o atrito constante com outras superfícies.

No mais, o asplênio é uma planta de interior belíssima, bastante resistente, que raramente apresenta problemas com doenças ou pragas, requerendo apenas aquela manutenção básica que todos já estão acostumados a fornecer, no cultivo de samambaias, por exemplo.

Asplenium-nidus

Outras considerações
*
Samambaias não gostam de vento, gerando queima nas folhas.
* Folhas feias ou deformadas devem ser periodicamente removidas.
* Quando se percebe que a planta precisa de mais espaço, deve-se providenciar o transplante para um vaso com tamanho mais adequado.
* Os asplênios gostam de umidade mas evite pulverizar suas folhas pois não apreciam tê-las umedecidas. Suas folhas quando empoeiradas podem ser limpas delicadamente com um pano úmido exceto as novas que estão saindo do centro.
* Mudanças constantes de lugar acabam estressando a planta.
* Evite colocá-la em locais onde pessoas ou animais possam encostar e danificar suas folhas.
* Tendo estes cuidados, sempre manterá a sua elegante beleza e será uma das plantas mais fáceis de cultivar em casa.

água-energia

mini samambaia

Como todos nós sabemos, as plantas possuem nomes populares, pode ser mais de um e o nome oficial, aquele científico. No caso da mini-samambaia havaina, esse é o seu nome popular, mas existem outros, que são: mini-havaiana, samambaia-crespa ou samambaia-havaiana. Ela faz parte da família das Davalliaceae.

A samambaia-havaiana precisa ficar em um substrato entre 30 a 60 cm para que se desenvolva bem e que seja um solo com composto orgânico e boa terra. A sua propagação poderá ser feita através de semente ou por muda.

Ela gosta de meia sombra e precisa de muita água e pode ser plantada em qualquer época do ano e não possui flor e nem perfume.

Como já falei em outras matérias, as samambaias são plantas que já existem há muitos e muitos anos, podemos dizer que são tão velhas quanto os dinossauros. A sua estrutura é muito simples e por esse motivo, elas não geram nem frutos e nem flores, como faz a grande maioria as plantas.

Como se trata de uma planta muito velha é normal que ao longo do tempo ela tenha sofrido diversas mudanças genéticas e isso a fizeram, com o passar do tempo, se tornarem plantas mais resistentes e também ganharam status de exótica. Um dos exemplos de samambaia exótica é justamente a mini-samambaia, que estamos falando aqui.

O gênero do qual faz parte a mini-havaiana, Nephrolepis, possui pelo menos 30 espécies e dessas, são tão comuns que passaram a ser tratadas como ervas daninhas. Pois não precisa de muito para que elas se espalhem no solo, basta que ele seja ligeiramente ácido e tenha boa concentração de umidade.

Outro requisito que faz com que esse crescimento seja acelerado é que ela esteja em meia sombra, mas o sol pleno e sombra total não impede que elas cresçam.

samambaia-havaiana

A samambaia-havaiana é na verdade, uma variação da Marisa, porém, ela tornou-se mais popular que a espécie da qual é originária e no Brasil, entre as samambaias miniatura é mais cultivada.

A reprodução da Mini-samambaia
As plantas da família da qual faz parte a mini-samambaia se reproduz através da divisão dos rizomas, que se apresentam como caules bem “peludos” ou que às vezes possuem muitos esporos.

Eles são aqueles pontinhos na cor marrom que estão bem embaixo das folhas. Quando são colocados em solo úmido, rico em nutrientes e fofo, em bem pouco tempo surgem as mudas.

A mini-samambaia é excelente para colocar em ambientes internos ou fora, em lugares com meia sombra, porém, é importante que ela esteja em lugares sem correntes de vento. O lugar também deve ser ventilado e de preferência que entre muita luz natural, mas nunca deve ficar exposta ao sol direto.

Outro detalhe importante é que a mini-samambaia gosta de adubo orgânico, como saquinhos usados de chá, borra de café, casca de ovos trituradas, entre outros. O ideal é usar uma vez por semana qualquer tipo de adubo caseiro e em seguida, regar a mini-samambaia.

Nephrolepis Exalta

A Mini-samambaia dentro de apartamentos
Quem não tem jardim e mora em apartamento sabe como não é fácil encontrar plantas que fiquem bem nesse tipo de ambiente. Mas, a mini-samambaia é uma boa opção, ela tem uma aparência bem bacana é pequena e fica bem sob o ambiente do apartamento.

Além disso, é uma ótima opção para quem tem pouco tempo, pois exige menos cuidados. Para ela crescer bonita é só deixá-la em um lugar bem iluminado. O que não quer dizer que os cuidados básicos que se deve ter com uma planta podem ser ignorados.

A rega é de extrema importância, como é para qualquer planta, pois através da rega é que ela fará o processo e terá os nutrientes que precisa. A frequência é garantir que a terra permaneça úmida sempre. O vaso deve ter terra orgânica e não deixe a sua samambaia exposta diretamente aos raios solares, que acabam queimando as folhas.

Como cuidar das Samambaias
* Deixe a sua mini-samambaia em um lugar que seja bem iluminado.
* O vaso ideal para se cultivar a mini-samambaia deve ser largo e raso, para que ela cresça sem problemas.
* A terra tem que ser rica em material orgânico.
* A rega deve garantir que ela ficará com a terra úmida sempre.
* A mini-samambaia deve ficar longe de crianças e animais domésticos e longe de local de passagem para não ser danificada.

mini-samambaia

1 – Sobre a iluminação correta:
Quem gosta de plantas sabe que elas necessitam de luz para crescerem fortes e saudáveis, porém, algumas precisam dela diretamente e outras não, a mini-samambaia entra no segundo caso. Deixe-a dentro de casa sempre perto da janela, mas onde os raios do sol não alcancem.

Os melhores lugares são aqueles abertos e cobertos, como as varandas de apartamento.

Cuidado somente para que não se trate de um lugar que chegue muito vento, ela também não gosta de corrente de ar. Além de não tolerar mudanças de temperatura muito bruscas.

2 – Rega e solo
A planta precisa de muita água, mas temos que tomar cuidado para não colocar demais e a melhor maneira de ter certeza se é necessário mais água é testando a terra com o dedo. Se ela estiver úmida não é necessário molhar novamente.

O solo deve ser rico em matéria orgânica, neste ambiente ela se desenvolve melhor. Compre uma muda e plante, lembrando do tamanho do vaso, largo e fundo e use uma boa mistura de materiais orgânicos.

3 – A mini-samambaia não gosta de mudanças
Não fique trocando a sua planta de lugar, ela não gosta. Depois que ela estiver por um tempo em um determinado lugar, evite de trocá-la, esse tipo de planta não gosta disso.

Para o adubo, use sempre aqueles apropriados para samambaias e deve ser sempre aplicado diretamente no substrato.

flores