Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Bonsai e Samambaias’

Selaginella picta2

A Selaginella é o único gênero de plantas vasculares da família Selaginellaceae, que engloba numerosas plantas, inclui várias espécies cultivadas como plantas de interior pela sua folhagem decorativa.

Alguns gêneros são mais semelhantes ao musgo ou apresentar um aspecto extremamente ramificado, com caules eretos ou rastejantes.

Outros gêneros parecem mais com pequenas samambaias, com folhas ramificadas e menores, em cujas arestas se encontram folhas minúsculas, visíveis em todo o caule em diversos tons de verde e branco.

Na extremidade do caule, na axila de folhas férteis, existem esporângios que contêm esporos. Embora não sejam fetos (samambaias), as selaginelas se assemelham por produzirem esporos.

Esta espécie é nativa do sudeste da Ásia, principalmente do Vietnã, Laos, Mianmar e Cambodja. É facilmente um dos membros mais impressionantes do gênero.

Selaginella picta7

São plantas rastejantes ou ascendentes, com folhas simples em forma de escamas (microfilas) em caules ramificados dos quais as raízes também surgem.

As hastes são aéreas, rastejando horizontalmente no substrato. Sob condições secas, algumas espécies de Selaginella podem sobreviver à desidratação.

Nesse estado, elas podem rolar em bolas marrons e arrancadas, mas podem reidratar em condições úmidas, ficar verdes novamente e retomar o crescimento.

flores  brancas

chifre-de-veado

Chifre-de-veado (Platycerium bifurcatum), asplênio (Asplenium nidus), avencas (Adiantum raddianum) e rendas-portuguesas (Davallia fejeensis), todas essas plantas fazem parte de uma família muito querida: as samambaias.

Esporos de chifres-de-veados e samambaias
Já viram algum chifre-de-veado com as pontas marrons, como se estivessem enferrujadas? Antes de pegar uma tesoura para cortar as partes escuras ou, borrifar algum produto milagroso, entenda o que são essas marcas.

As pontas marrons do chifre-de-veado não é uma doença, fungo ou queimado de sol na planta. São seus esporos, ou seja, as “sementes” dessa espécie. Como são plantas muito antigas, a sua reprodução não se dá através de flores, frutos e sementes, e sim, por esporos.

esporos

Sabe aquelas bolinhas nas folhas da samambaia? Ou então, as pontinhas marrons nas bordas da delicada folhinha da avenca? São esporos também. As linhas nas longas folhagens do asplênio? Adivinhou.

Como reproduzir avencas e chifres-de-veados
As samambaias são plantas bem antigas (não no sentido “vintage”), e estão em nosso planeta há muitos anos. São de uma época tão longínqua que, “naquele tempo”, os vegetais não se reproduziam através de flores.

Então, como fazer para reproduzir um chifre-de-veado ou uma avenca? O método mais comum é a divisão de touceira, conhecido como reprodução vegetativa. A gente vai lá e, onde tem um montão de caules, separamos um pouco, com raiz e tudo, para plantar em outro vaso.

Não é o meio mais comum na natureza, já que essas plantinhas vivem na Terra antes mesmo de jardineiros saírem por aí, separando touceiras para aumentar a coleção de samambaias.

esporos

Reprodução por esporos na natureza
A forma que essas plantas se reproduzem na natureza é através de esporos. Os esporos seriam o equivalente às sementes “modernas” das plantas, mas é uma forma bem mais antiga de reprodução.

Musgos, que também são plantas “tataravós”, também usam os esporos para criar uma nova geração de sua espécie. Depois de um certo tempo, os esporos ficam “maduros” e se desprendem das plantas, se espalhando através do vento.

Em condições certas de umidade e calor, em algum tempo, surgem novas plantas.

Como tirar mudas de chifre-de-veado ou de asplênios?
O jeito mais fácil e garantido é através de divisão de touceiras. Separe uma parte da planta, garantindo que tenha folhas, caules e raízes e, transplante para um novo vaso.

Com o chifre-de-veado é um pouquinho diferente, já que suas raízes são aquelas largas placas que ficam bem aparentes.

asplenio

Escolha uma placa com folhas, e que tenha um tamanho aproximado de um palmo ou uma laranja. Com uma faca, destaque essa placa e prenda-a em uma árvore. Preste atenção para escolher um bom lugar, sem sol forte o dia todo, já que essa família de plantas gosta de lugares úmidos.

Um bom indicador é escolher uma árvore onde já existam outras plantas em seu tronco. Se nascem líquen, musgo, tillandsia ou até mesmo orquídeas, esse é o lugar que o chifre-de-veado vai curtir e crescer feliz.

Chifre-de-veado

Como prender um chifre-de-veado numa árvore
Depois de escolhida a árvore, amarre com cuidado a placa do chifre-de-veado no tronco. Pode usar uma linha de algodão, uma corda fina de sisal ou até mesmo, um truque comum de orquidófilos: redinhas, daquelas que são vendidas com limões ou ainda, uma meia-calça velhinha.

Prenda a placa de uma forma que ela encoste bem no tronco, sem apertar e machucar a planta. Não precisa esfagno ou outro tipo de substrato.

Com o tempo, a planta começa a se agarrar ao tronco e logo você poderá remover as amarras, para que o chifre-de-veado cresça e, quem sabe, comece a ficar com a ponta de suas “galhadas” marronzinhas e cheias de esporos?

Será um ótimo sinal da nossa jurássica planta – na verdade, são do período Devoniano, mas antigas ainda! Essas sim, podem dizer que estão por aqui desde que tudo isso era mato.

outono_1

avenca

Avencas são lindas, delicadas e remetem à lembranças felizes. Com certeza você se lembra de uma dessas plantas no quintal de nossas avós. Vamos aprender como regar, quais os cuidados com a planta, o tipo de substrato indicado, a forma de combater pragas, e, como reproduzir a planta.

A avenca gosta de substrato leve
Quem vê um vaso de avenca, logo faz a associação com outras plantas: samambaias, chifres-de-veado, rendas-portuguesa e até mesmo, com orquídeas. Isso porque todas essas são epífitas, plantas que crescem apoiadas em outras espécies, normalmente, árvores. Daí, já dá para ter uma dica ótima do tipo de substrato que uma avenca gosta: bem arejado e leve.

Avencas e suas espécies variadas

Adiantum raddianum
As folhas delicadas, com bordas franjadas e o caule escuro e fino, é marca registrada da avenca-comum (Adiantum raddianum), mas, engana-se quem pensa que todas as outras espécies dessa planta são assim.

Adiantum tenerum

A avenca-crespa (Adiantum tenerum), possui folhas maiores e seu fronde (o nome dado ao grupo de folhas do caule) tem um preenchimento maior.

(Adiantum peruvianum)

O avencão (Adiantum peruvianum), como seu nome no aumentativo indica, tem folhas bem graúdas, em tons que variam do verde azulado para o amarelo.

Adiantum microphyllum

Do lado inverso, tem a (Adiantum microphyllum), carinhosamente chamada de avenquinha; é a delicadeza elevada ao máximo – ou seria, ao tamanho mínimo?

Adiantum macrophyllum

A Adiantum macrophyllum tem folhas longas e que tem sua brotação rosada.

Como cultivar avenca
Todas as avencas gostam de ambiente quente, abafado e úmido. Se pensou numa estufa, esse é o lugar que toda avenca gostaria de morar. Essas plantinhas não gostam de vento, de jeito nenhum.

Assim como suas primas samambaias e chifres-de-veado, as avencas dão esporos – poderíamos chamar de “sementes”, mas é um processo bem diferente de reprodução. Se olhar embaixo das folhas da avenca, verá pontinhos escuros, que são os esporos.

Como fazer um arranjo com avencas
Se uma avenca já é uma beleza, um arranjo com várias espécies dessa planta é de deixar qualquer um apaixonado. Pode ser usado um vaso esmaltado largo, como uma cuia, da como base. Com um vaso plástico de cabeça para baixo e muita argila expandida, faça um fundo de drenagem que é funcional e, ao mesmo tempo, prático e leve.

Uma manta de drenagem garantirá que o substrato para orquídeas fique no local certo – o substrato usado, é perfeito para esse arranjo. Deixe um pouco de turfa à mão, vai precisar daqui a pouco. A turfa é um composto orgânico, de origem vegetal, muito rico em nutrientes.

arranjo

Escolhendo as avencas para o arranjo
Moradia das plantas feita, agora é hora de colocar as moças: para dar um contraste, uma orquídea louva-a-deus (Oncidium “Aloha”). Essa orquídea vai amar dividir o espaço de substrato bem arejado com suas amigas avencas.

Orquídeas no lugar, é hora de espalhar uma camada de turfa sobre a manta de drenagem e distribuir as avencas. Delicadamente, remova o vaso da planta, apertando o pote e, segurando a avenca pelo caule, delicadamente.

Acondicione as espécies de avenca escolhidas e brinque com os tamanhos das folhas. Escolha para o arranjo a avenquinha e a espécie Adiantum macrophyllum.

Como a turfa é negra, uma forma de destacar os charmosos caules também negros das avencas é criar um fundo com um tom diferente: cascas de pinus e musgo-fofão-branco dão conta da tarefa e adicionam ainda mais bossa ao arranjo. Se ficar foro demais, adicione entre o musgo, uma avenca bebê.

Folhas da avenca secas, caindo ou com bordas amareladas
Falta de água. Esse é o problema mais comum que pode acontecer com sua avenca. É fácil evitar, mantendo o substrato sempre úmido. Apesar de gostar de calor, o sol direto e o vento devem ser evitados a todo custo e, isso, por si só, já garante um bom período de substrato úmido.

Mas, faça sua parte, verificando sempre a necessidade de regas. Dedômetro para medir a umidade: tocou o solo e o dedo saiu limpo, use o regador. Ponta do dedo tem substrato, deixe para conferir amanhã se o vaso precisa de água. Quando regar, mire sempre no substrato e capriche na dose de água.

folhas amareladas

Folhas da avenca inteiras amareladas
Neste caso, é um sinalizador de falta de adubo. Mensalmente, use um bom adubo, como o bokashi. Aliás, adubação para plantas é como nossa alimentação: quanto mais variedade, melhor.

Mesmo usando o bokashi, que é bem completo, vale ir variando o cardápio: um pouco de biofertilizante líquido um mês, volta pro bokashi, noutro mês ofereça um bom composto orgânico, e assim, você vai mantendo suas avencas verdes, lindas e felizes.

Lagartas atacando a avenca
Antes de se desesperar, lembre-se que esse problema ocorre por falta de adubação. Pragas preferem plantas mais novinhas, então, se seguiu a regra anterior e manteve sua avenca bem adubada, dificilmente haverá uma infestação de lagartas.

Se ainda assim, apareceu uma ou outra, faça uma catação manual (use luva) e, verifique toda a planta. Nunca tem uma lagarta solitária, elas sempre vêm em turminha. É possível usar um controle biológico, um tipo de pó que pode ser pulverizado nas folhas, mas, avencas odeiam água em suas folhas.

Somente faça esse uso se a infestação é bem grande e você tem muitas plantas. Ainda, prefira pulverizar num dia bem quente, para que a água com o preparado evapore mais rápido. E novamente, mire no substrato.

outono-3

esporos
Já viu algum chifre-de-veado com as pontas marrons, como se estivessem enferrujadas? Antes de pegar uma tesoura para cortar as partes escuras ou, borrifar algum produto milagroso, entenda o que são essas marcas.

As pontas marrons do chifre-de-veado não é uma doença, fungo ou queimado de sol na planta. São seus esporos, ou seja, as “sementes” dessa espécie. Como são plantas muito antigas, a sua reprodução não se dá através de flores, frutos e sementes, e sim, por esporos.

Sabe aquelas bolinhas nas folhas da samambaia? Ou então, as pontinhas marrons nas bordas da delicada folhinha da avenca? São esporos também, assim como as linhas nas longas folhagens do asplênio.

Como reproduzir avencas e chifres-de-veados
As samambaias são plantas bem antigas, e estão em nosso planeta há muitos anos. São de uma época tão longínqua que, “naquele tempo”, os vegetais não se reproduziam através de flores.

Então, como fazer para reproduzir um chifre-de-veado ou uma avenca? O método mais comum é a divisão de touceira, conhecido como reprodução vegetativa. A gente vai lá e, onde tem um montão de caules, separamos um pouco, com raiz e tudo, para plantar em outro vaso.

Não é o meio mais comum na natureza, já que essas plantinhas vivem na Terra antes mesmo de jardineiros saírem por aí, separando touceiras para aumentar a coleção de samambaias.

esporos samambaia

Reprodução por esporos na natureza
A forma que essas plantas se reproduzem na natureza é através de esporos. Os esporos seriam o equivalente às sementes “modernas” das plantas, mas é uma forma bem mais antiga de reprodução. Musgos, que também são plantas “tataravós”, também usam os esporos para criar uma nova geração de sua espécie.

Depois de um certo tempo, os esporos ficam “maduros” e se desprendem das plantas, se espalhando através do vento. Em condições certas de umidade e calor, em algum tempo, surgem novas plantas.

esporos avencas

Como tirar mudas de chifre-de-veado ou de asplênios?
O jeito mais fácil e garantido é através de divisão de touceiras. Separe uma parte da planta, garantindo que tenha folhas, caules e raízes e, transplante para um novo vaso. Com o chifre-de-veado é um pouquinho diferente, já que suas raízes são aquelas largas placas que ficam bem aparentes.

Escolha uma placa com folhas, e que tenha um tamanho aproximado de um palmo ou uma laranja. Com uma faca, destaque essa placa e prenda-a em uma árvore. Preste atenção para escolher um bom lugar, sem sol forte o dia todo, já que essa família de plantas gosta de lugares úmidos.

Um bom indicador é escolher uma árvore onde já existam outras plantas em seu tronco. Se nascem líquens, musgos, tillandsias ou até mesmo orquídeas, esse é o lugar que o chifre-de-veado vai curtir e crescer feliz.

esporos asplênio

Como prender um chifre-de-veado numa árvore
Depois de escolhida a árvore, amarre com cuidado a placa do chifre-de-veado no tronco. Pode usar uma linha de algodão, uma corda fina de sisal ou até mesmo, um truque comum de orquidófilos: redinhas, daquelas que são vendidas com limões ou ainda, uma meia-calça velhinha.

Prenda a placa de uma forma que ela encoste bem no tronco, sem apertar e machucar a planta. Não precisa esfagno ou outro tipo de substrato.

Com o tempo, a planta começa a se agarrar ao tronco e logo você poderá remover as amarras, para que o chifre-de-veado cresça e se desenvolva bem.

floresta