Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Bonsai e Samambaias’

Platycerium ridleyi

O platycerium ridleyi é um dos mais belos Platycerium. Sua folha fértil voltada para cima, parece a galhada do chifre do cervo, no seu habitat natural,  Borneu, Sumatra e Península Malaia, elas crescem no topo de árvores alta, que margeiam os rios, devido a isso necessitam de bastante luminosidade, umidade e ventilação.

A planta atrai insetos que gostam de comer suas tenras folhas de proteção e o rizoma, quando a planta estiver vegetando soltando a folha fértil esta jamais deverá ser danificada na falta desta o rizoma não se desenvolve podendo levar a morte.

Esta samambaia no habitat natural é habitada por formiga e vários tipos de insetos, a folha de proteção vão formando camadas e deixando espaço entre elas, formando um verdadeiro labirinto, local ideal para abrigar espécie de insetos.

Como o crescimento do rizoma é para cima, vai ficando longo e raiz não alcança o substrato e não consegue se sustentar e chegar a quebrar, deve se calçar a planta com uma porção de substrato e amarrar a planta com um fio de náilon, para fixar a planta evitando que o rizoma longo se quebre.

Platycerium ridleyi

A reprodução é feita somente através de esporos não formam mudas. As folhas de proteção arredondada são reniforme, levemente lobulados, profundo sulco irregulares entre as nervuras principais, cresce frouxamente sobre as folhas velhas ficam com o tempo castanho.

Platycerium madagascariense e o Platycerium ridleyi são as duas espécies que possuem folhas de proteção incomum. Podem chegar a medir em torno de 20 a 50 cm de comprimento.

Folhas férteis crescem eretas, tem duas ramificações curtas que são repetidamente bifurcadas em até 5 vezes, uma bifurcação dá origem ao lóbulo fértil na sua base, os últimos lóbulos são curtos, em forma de forquilhas, com pontas arredondadas ou cuneiformes.

O lóbulo de esporos cresce com um pedúnculo em forma de colher, e os esporos são liberados de uma só vez, Platycerium coronarium também tem este tipo de lóbulo em forma de colher e libera esporos de uma só vez.

Deve-seOutono1 tomar bastante cuidado quando uma nova folha fértil estiver desenvolvendo do rizoma, se for danificado o rizoma não se desenvolve levando a planta a morte. Podem chegar medir até 60 cm de comprimento.

Cultivo
O Platycerium ridleyi, necessita de ambiente com bastante luminosidade em torno de 50% de luz, boa ventilação e alta umidade e temperatura, são sensíveis a baixa temperatura, sendo o mínimo de 10ºC, abaixo disso pode danificar a planta. Seu cultivo é considerado difícil, necessitando de atenção constante.

Davallia fejeensis Hook.

A renda-portuguesa faz parte da família Polipodiaceae pertencem ao gênero chamado Dasvallia, sendo assim uma planta que consideramos quando for bem tratada tem o poder de seduzir qualquer pessoa levando em conta sempre a sua beleza e robustez. Sua origem é da Austrália.

A renda portuguesa é uma planta herbácea rizomatosa, de aparência delicada, que se desenvolvem por longos rizomas pilosos na cor marrom escuro, de onde partem as folhas compostas.

Na natureza elas crescem em ambientes sombreados, nos solos ricos com abundância de matéria orgânica ou, nas bainhas das folhas dos coqueiros que imitam o xaxim.
Porém, podem perfeitamente ser adaptadas para serem cultivadas em casa, desde que se os tratos culturais sejam semelhantes aos de seu ambiente natural.

Esta planta é muito bonita, e bastante recomendada para se deixar em pontos altos dentro de casa, o que faz com que ela tenha uma boa aeração e também possa receber um pouco de claridade necessária.

rendaportuguesaa

A planta apareceu pela primeira vez nos continentes ocidentais a partir do século XVI onde navegadores começaram a trazer mudas de plantas que inclusive se adaptaram de maneira muito fácil ao ambiente brasileiro, a planta é considerada herbácea e também rizomatosa, possui grandes e longos rizomas repletos de pelos marrons escuros, de onde saem as partes das folhas compostas e finalmente pinadas de aparência delicada.

Este tipo de planta é ideal para locais sombreados e ficam muito em nos interiores ou mesmo áreas externas que tenham sombra em sua casa.

Como cultivar a renda-portuguesa
Propagação:
- A propagação da renda portuguesa é feita através de estaquia do rizoma.
- Selecionar rizomas saudáveis que apresentam pelo menos duas gemas, ou “borbulhas”, pois são delas que sairão as novas mudas.
- Cortar com aproximadamente 10 a 15 cm de comprimento.
- Fazer a desfolha do rizoma, deixando apenas as quatro folhas mais novas.

É muito fácil fazer este procedimento, através dos seus caules, que são também chamados de rizomas, estes ficam aéreos, sendo assim possível se ter a partir de um vaso cheio a possibilidade de realizar diversas novas mudas

rizomas

Para o cultivo é necessário alguns materiais como, por exemplo, um vaso que deverá estar pronto para que se possa retirar a muda, você permite quando isto é possível pois estará carregado de rizomas, o que mostra que é possível se tirar diversas mudas.

Uma pá de cultivo de plantas, daquelas pequenas, que é possível se utilizar para fazer a aeração da terra, uma tesoura afiada, terra orgânica que você poderá encontrar em qualquer casa de plantas ou mesmo poderá criar na sua casa com cascas de frutas e cascas de ovos, areia de praia, que deverá estar o mais limpa possível, cacos de telha, e um vaso.

O vaso deverá preferencialmente ser um de fibra de coco, porém poderá ser colocado em um vaso de cerâmica pequeno inicialmente até que seja  possível se pegar a muda.

Primeiramente procure optar por um rizoma que possa ter pelo menos duas gemas ou mesmo um olho, pois será delas que irão sair as novas mudas, em seguida procure cortar o rizoma que você escolheu e o deixe de lado.

Davallia fejeensis

Em seguida procure preparar o vaso que irá receber a muda, jogando primeiramente os cacos de telha para que ocorra uma melhor drenagem de água nas regas das plantas.

A seguir coloque por cima a terra orgânica até que chegue a metade do vaso, em seguida procure jogar por cima um pouco de areia para que não fique compactada e coloque novamente a terra. Procure em seguida misturar esta camada.

A seguir procure colocar o rizoma, ou seja, as raízes sobre a terra levando em conta o cuidado de não o enterrar de forma inclinada, procure o enterrar de forma diagonal para que possa aderir melhor a terra, a seguir procure pulverizar com a terra orgânica de forma que possa cobrir o rizoma de forma bastante suave.

Aproveitando as pontas dos dedos, procure pressionar a terra que está em volta da muda, porém não totalmente somente o que estiver em torno do rizoma. Desta forma você já irá ter uma muda de renda portuguesa pronta para presentear alguém.

Davallia

Algumas dicas para a criação
Primeiramente procure evitar deixar o vaso de renda-portuguesa em alguns locais onde exista vento, ou mesmo suas folhas possam ficar queimadas e amareladas.

Outra observação interessante é que a renda-portuguesa poderá se adaptar perfeitamente em banheiros, por exemplo, por causa do vapor do chuveiro, elas adoram.

A seguir procure sempre manter o vaso sempre úmido, porém nunca se esqueça de não deixar água parada no pratinho, a dengue é uma planta que continua rondando frequentemente as famílias brasileiras.

Em seguida, para que os vasos possam sempre ficar bonitos, procure retirar manualmente os ramos secos e em seguida fique de olho em tatuzinhos ou mesmo lesmas que aparecem na planta e os retire manualmente para que não danifiquem a sua planta.

As melhores formas de cultivar são em ambientes iluminados, porém que não recebam sol direto, a planta poderá ser cultivada no chão embaixo de árvores, que é onde são encontradas em ambientes naturais ou também em vasos ou mesmo jardineiras para interiores.

Os vasos utilizados pela planta poderão ser de várias formas como por exemplo tipo bacia e largos, apesar disso não precisam ser altos devido aos rizomas realizaram as trocas gasosas pela planta, por este motivo é interessante que fiquem em vasos mais rasos.

renda-portuguesa

O solo para cultivar a planta deverá ser riquíssimo em matéria orgânica e por este motivo procure utilizar uma mistura de composto orgânico, turfa e também areia.

É possível ainda se utilizar substratos especiais além de organo-minerais que podem ser vendidos em sacos nas agropecuárias, porém se utilizar este material deverá fazer uma mistura com areia para que tenha resultados.

Se quiser realizar trocas de vaso procure proteger o furo de drenagem com cascalhos ou mesmo mantas não tecido e também utilize um pouco de areia.

Procure a seguir colocar um substrato e plante a sua muda, acrescentando mais substrato apertando de leve para que possa fixar, em seguida regue a planta. Mantenha o substrato que deverá estar levemente úmido.

Adubação:
- A aplicação de adubo foliar duas vezes por mês.
- Adubação química NPK 10-10-10. Misturar uma colher de sopa, rasa, de adubo granulado na formulação indicada, em 2 litros de água, agitar até dissolver por completo os grânulos, em seguida colocar cerca de 1 xícara de chá desta mistura, em cada vasinho.
- Na medida em que a planta for crescendo aumente a dosagem gradativamente, até chegar a um copo americano.
- A adubação química deverá ser feita a cada quatro meses.

água

Nephrolepis exaltata 'Bostoniensis'

As samambaias-americanas são plantas herbáceas, rizomatosas, com folhas longas (frondes) subdivididas em folíolos lisos e retilíneos.

De coloração verde clara, elas apresentam aspecto compacto, com frondes novas semi-eretas e as mais velhas pendentes. Normalmente formam touceiras volumosas, demonstrando sua bela textura.

São conhecidas também como lâmina-de-espada, samambaia-de-boston e samambaia-espada. Pertencem à família Davalliaceae e tem origem na África, América Central, América do Sul, América do Norte e Ásia – Indonésia.

As samambaias-americanas fizeram e fazem muito sucesso na decoração de interiores, sendo uma das plantas ornamentais mais vendidas no Brasil.

Nephrolepis_exaltata

As cultivares atuais, vendidas em supermercados e floriculturas são resultantes de melhoramentos genéticos realizados na cidade de Boston, nos Estados Unidos.

Há dúzias de variedades e elas podem ser muito variadas no tamanho, rusticidade, aspecto, cor e textura, entre outras características.

Esta samambaia é utilizada em vasos e jardineiras suspensas, protegidas por coberturas, como em varandas, salas de estar, terraços. Comumente é plantada em vasos de fibra de coco, devido ao perigo de extinção do xaxim.

Nephrolepis-exaltata-2

No entanto, os apreciadores das samambaias e outras epífitas, afirmam que estes substratos ainda não apresentam as mesmas qualidades do xaxim.

Com certeza, em pouco tempo a ciência chegará a fórmula do substrato ideal, e ecologicamente correto. Até lá, é nosso papel respeitar o xaxim e experimentar novos substratos e combinações.

A iluminação ideal para as samambaias-americanas é a meia-sombra, mas também podem receber iluminação indireta, difusa.

São plantas rústicas e que não gostam de frio intenso, mas são capazes de tolerar o clima subtropical. Os vasos devem ser irrigados com frequência, porém devem ser bem drenados.

A alta umidade do ar também as favorece, e pulverizações periódicas são importantes principalmente quando o tempo está seco. As fertilizações foliares, ricas em nitrogênio, a cada 15 dias contribuem para um verde sempre vibrante.

Sua multiplicação é feita por divisão das touceiras, preservando frondes, rizomas e raízes em cada muda. Crescer as mudas novas em estufas.

chuva no mar

Piteco - Pithecolobium tortum

Considerando as espécies mais utilizadas pela bonsai podemos dividi-las nas classes Exterior e Interior.

Para exterior deveremos ter uma exposição a luz solar direta de pelo menos 4 horas diárias. Nesta classe podemos citar como exemplo as coníferas ou popularmente chamados “Pinheiros”

Para interior é necessário que o bonsai receba luz direta e/ou indireta durante 4 horas diárias, é aconselhável que uma vez por semana o bonsai seja exposto a luz solar direta, se possível no período da manhã, durante 3 a 4 horas.

As regas devem ser diariamente, mantendo a terra úmida ao toque, porém deve-se tomar o cuidado de não deixar encharcado, água empoçada. Lembre-se que o nível de umidade determinará a periodicidade da rega.

Bonsai para Interior – Dispor o vaso onde a luz solar seja abundante. Para um melhor desenvolvimento do Bonsai, é aconselhável que seja exposto a luz solar direta pelo menos uma vez por semana, sendo o período da manhã o melhor.

Bonsai para Exterior – O vaso deve ser disposto em local onde possa receber luz solar direta de no mínimo 4 (quatro) horas diárias.

bonsai-junipeiro

Recomenda-se adubar 1 (uma) vez por mês. Pode ser usado torta-de-mamona com farinha-de-osso em proporções iguais, 2 colheres de chá para vaso pequeno (aproximadamente 6×9 cm.), e 3 colheres para vaso grande (20×30 cm.), ou adubo líquido NPK (5,5,6) sendo 3cc. para 1 litro de água.

Devem ser consideradas as características peculiares ao cultivo de cada espécie de planta e muito carinho e dedicação.

Espécies mais Utilizadas
Poderemos cultivar como bonsai quase todas as plantas de caule lenhoso. Dê preferência para plantas com folhas pequenas, no caso de frutíferas que os frutos não sejam muito grandes. Lembrem-se que cada planta (espécie) tem cuidados específicos. Escolha plantas de sua região pois será mais fácil cultivá-las por que já estão adaptadas ao clima.

Poda Aérea – Galhos e Folhas
Podar quer dizer tirar galhos em excesso e ao mesmo tempo dar direcionamento.
Depois de já definido a posição dos galhos, a medida em que o broto cresce, periodicamente é só cortar e reduzir o tamanho dos brotos e galhos para manter sempre a harmonia visual. A época da poda dependerá da espécie de planta cultivada e da estação do ano.

rosa-do-deserto

Poda das Raízes
Início da primavera é o período mais indicado para realizarmos poda de raízes e reenvasamento. A espécie e sua idade determinarão a periodicidade das podas. Plantas mais jovens, onde seu sistema radicular está em plena atividade, as podas são mais frequentes, a cada 1 ou 2 anos.

Já em plantas idosas, este intervalo é maior devido ao seu ciclo vegetativo estar com crescimento bem diminuído. As raízes poderão ser diminuídas em até 1/3 do seu total.

É importante usar ferramentas adequadas para não danificar as raízes. A poda de raízes é uma das tarefas mais delicadas na técnica do cultivo, se você é principiante deverá pedir ajuda a alguém que tenha experiência em jardinagem ou em bonsai.

Para iniciar um bonsai uma espécie adequada seria a Serissa, resistente aos diversos climas do Brasil e podendo ser cultiva no interior ou exterior.

Após a poda de raízes, não exponha o bonsai a ventos fortes e deixe-o em meia sombra por um período de 50 dias e, após este período, introduzir o sol direto gradativamente até poder expor ao sol pleno.

Comece com 1 hora e aumente na razão de 1 hora de 2 em 2 dias até atingir 6 horas. Poderá então deixá-lo o dia todo (sol pleno). Não aplique adubos por um período de 30 a 40 dias.

bonsai-chorao

Tipos de Vaso
Existe uma variedade de vasos para bonsai, considerando que o vaso é parte integrante do bonsai, este deverá ser escolhido de acordo com o estilo de bonsai desejado.

Quando se cultiva um bonsai no estilo cascata o vaso é alto pois deverá garantir a sustentação do bonsai de maneira estável. O vaso deverá ter furos de drenagem evitando que a água fique empoçada. A cor do vaso deve estar em harmonia com colorido da planta.

Terra
A composição da terra poderá ser dividida em dois tipos básicos, sendo um para coníferas e outra para não coníferas. Dentre esses dois tipos básicos temos pequenas variações na composição da terra, essas variações são devidas a necessidades diferentes de cada espécie.

Os componentes mais utilizados nas misturas são: terra preta; terra vermelha; areia grossa; esterco curtido; fibra de coco e pedriscos

wisteria-chinesa

Adubação
Adubação, poderá ser mensal, diminuindo nos meses de inverno. Pode ser usado :
Torta de Mamona + Farinha de Osso misturados em quantidades iguais, deve ser colocado na superfície do vaso, longe do tronco, em montinhos, após a rega.

Farelo de peixe ou adubo químico também poderão ser utilizados. Siga a dosagem indicada pelo fabricante. É importante fornecer Nitrogênio, Fósforo e Potássio para a planta.

Pragas e Doenças
Tanto árvores na natureza, como as cultivadas em vaso, são susceptíveis a pragas e doenças.

Podemos usar preventivos em alguns casos, mas, o que dará mais resultado é com certeza a atenção dispensada, por exemplo na hora da rega, examinando suas folhas e caules para constatar presença de alguma praga e detê-las quando ainda estiverem em sua fase inicial.
pinheiro-japones

Pragas mais comuns.
Pulgões; Ácaros; Cochonilhas

Doenças mais comuns
Míldio; Oídio; Ferrugem

É importante colocar o bonsai no sol para que através do processo de fotossíntese crie seus próprios meios de defesa e cresça compacto e sadio.

Literatura básica
Existem uma infinidade de livros sobre bonsai, para iniciantes e iniciados. Livros sobre jardinagem também poderão ajudar ao iniciante, apresentando conhecimentos básicos no trato com as plantas.

natureza nn