Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Bonsai e Samambaias’

ChifredeVeado

Chamadas de chifre-de-veado ou de samambaias chifre-de-veado, a espécie é uma planta doméstica, que não são comuns, pelo contrário, são bem difíceis de encontrar.

Dentro dos diversos hábitos de crescimento que a chifre-de-veado possui, destaque para o modo com frondes foliares e basais. O que quer dizer que são folhas que crescem e ficam bem grandes e divididas.

As frondes que são da base são redondas e grandes. Elas são colocadas fixas sobre uma superfície e depois o crescimento é feito em camadas sobrepostas. Enquanto as frondes foliares se dividem e são eretas.

As folhas apresentam as estruturas amarronzadas de esporos, deles podem crescer novas plantas da espécie.

A chifre-de-veado é uma excelente opção para decoração da casa.

Chifre-Veado

Características e o crescimento do Chifre-de-Veado
As florestas que recebem a planta chifre-de-veado são aquelas tropicais úmidas e também as subtropicais úmidas.

Porém, apesar do clima particular que cresce esse tipo de planta, elas podem ser cultivadas em casa. Para que isso seja possível é necessário compreender os fatos básicos sobre a composição da planta.

Sobre as características do chifre-de-veado é uma planta que se classifica como epífitas, isto é, ela não capta nutriente do solo e nem a água. O significa que elas precisam do apoio das árvores. A fotossíntese para o crescimento é realizada pelas frondes verdes.

O papel das frondes de base do chifre-de-veado é de capturar os resíduos que caem e daí chega até a  planta os nutrientes.

Falando um pouco mais das características das samambaias chifre-de-veado ou somente chifre-de-veado, ela possui raízes, porém, a única “obrigação” delas é de fixar as estruturas da planta.

Os produtores da chifre-de-veado aconselham a não retirar as escamas acinzentadas. É comum que as pessoas que a cultivam façam essa retirada porque ela acaba dando uma aparência de poeira a planta. Porém, as escamas não estão na espécie por acaso e sim para interromper a evaporação.

Durante todo o ano é necessário deixar sempre o apoio da samambaia úmido. A rega deve ser em maior quantidade durante os meses do verão.

Na estação da primavera é necessário, além de regar, cobrir com adubo fresco. É muito importante que o chifre-de-veado  receba nutrientes durante a primavera.

O lugar correto para cultivar a samambaia é sob a luz solar. Porém, nunca deixe a sua planta direto no sol. Ela necessita para crescer bonita e forte receber a luz do sol, porém, de forma filtrada, como na floresta tropical.

Considere que a luz natural que tem chegar na planta chifre-de-veado é de 400 velas. E outro fator importante é deixar em um lugar com pouca umidade, caso o contrário você corre o risco de apodrecer a raiz. E ainda, num lugar com boa circulação do ar.

chifre-de-veado

Propagação do Chifre-de-Veado
Para cultivar mais plantas é necessário retirar as mudas enraizadas de uma chifre-de-veado, fazendo isso começando pela base. Depois elas deverão ser plantadas em um vaso com adubo. Em seguida, lembre-se que é importante manter as plantas posicionadas da maneira correta com estacas de madeira ou um arame dobrado.

O solo deve estar úmido até que elas estejam grandes o suficiente até que possam ser transplantadas. Outro detalhe é que é possível, durante o crescimento da chifre-de-veado, colher os esporos que ficarem maduros das frondes foliares.

Lembrando que um esporo maduro precisa ser da cor marrom brilhante. Outra dica é retirar um parte de fronde onde tenha esporos maduros e em seguida, colocá-lo num pacote (de papel) e observar, quando ele ficar disperso ou lanoso, seco e com a cor mais amarronzada poderá ser usado para a propagação.

Na hora de plantar é só colocar no fundo de um vaso pedaços de um vaso de barro, sobre ele coloque uma camada de esfagno ou turfa. Depois pegue aquele esporo que ficou no saco de papel e coloque bem no alto do substrato.

O vaso deverá ser colocado sobre um pires com água. É uma forma de dar mais umidade para a planta.

Quando as plantas estiverem grandes que possam a ser manuseadas sem correr o risco de danificá-las, coloque em outros vasos observando um espaço de 5 centímetros entre cada uma delas.

Para conhecer melhor essa planta veja as características do chifre-de-veado:
* Nome científico é platycerium bifurcatum.
* Nome popular é samambaia chifre-de-veado ou vale chamá-la somente de chifre-de-veado.
* Faz parte da família Polypodiaceae.
* Sobre a divisão se classifica como pteridophyta.
* A origem do chifre-de-veado: Nova Caledônia, Nova Guiné, Austrália e Ilha Sunda.
* Sobre o ciclo de vida ela é perene.

chifre-de-veado-1

Tipos de folhas
* Folhas normais: essas folhas são firmes e espessas, se bifurcam e são muito grandes e daí o nome chifre-de-veado, decido a semelhança.
* Folhas da base: elas são arredondadas e que vão ficando amarronzada com o tempo, mas nascem verde. Elas são finas e ficam aderentes ao substrato.

Ornamental e Cultivo
* Usar substrato apropriado para plantas epífitas.
* Cultiva em lugar com muita umidade.
* Cultivo a meia sombra.
* Deve ser plantada na vertical de preferência.
* A multiplicação é feita através das mudas e elas nascem próximas da planta mãe.
* Também pode ser fixada na placa de fibra de coco.

Características e o uso na decoração
* Suporta o frio
* É muito rústica
* Muito usada na decoração ela é usada em composição ou isolada, em árvores ou em muros.

Platycerium-bifurcatum

Dica alternativa:
Experimente pegar um pedaço de fibra de coco, mesmo que você o encontre na rua já cortado e depois com arame galvanizado amarre suas mudas de chifre-de-veado nele. Dá um visual super bacana é será bem fácil para fazer com que a sua planta cresça. Claro, se preferir, compre um xaxim encontrado facilmente nas floriculturas.

Quando tiver qualquer dúvida consulte uma pessoa na floricultura e pegue mais dicas para cultivar a sua planta. E essa é uma dica que vale para qualquer espécie. As plantas precisam de cuidados especiais, algumas até bem mais do que as outras e isso fará toda a diferença para que ela cresça bonita e forte.

O chifre-de-veado é uma planta bastante antiga originária da Austrália, Nova Guiné e Caledônia, e acredita-se que ela já existia na época dos dinossauros. Seu nome faz referência às suas folhas que lembram muito os chifres de um veado.

É uma planta que se apoia em galhos ou troncos de árvores, mas ela não retira nenhum nutriente para sua sobrevivência, e por isso é considerada uma planta epífita. O clima do Brasil se mostra bastante favorável para o cultivo dessa espécie, pois o clima do país é muito semelhante com o de seus países de origem.

É uma folhagem que possui dois tipos de folhas, na base as folhas são mais arredondadas e nascem verdes, mas depois adquirem uma tonalidade amarronzada e é essa folha que adere a árvore ou qualquer outro substrato, local onde a folhagem está plantada.

As folhas restantes são verdes e firmes, e são essas as que possuem a aparência de chifres de veado. É uma folhagem muito usada pra ornamentar casas e jardins devido a sua beleza e visual exótico.

chifre-de-veado

Os cuidados com a planta Chifre-de-veado
Em se tratando de água, o ideal é deixar o xaxim, árvore ou terra onde o chifre-de-veado estiver plantado, um pouco úmido, mas nunca encharcado para não provocar o apodrecimento da raiz.

Algumas pessoas preferem esperar o substrato secar para assim regá-lo, mas como se trata de uma planta com muitas folhas, muitas vezes não é possível ver se a terra está seca ou não, uma boa saída é a rega por imersão, mergulhe a planta por 30 minutos na água, deixe escorrer o excesso e depois a pendure.

Com relação à temperatura, diz-se que o clima brasileiro é ideal para essa planta, porque ela sobrevive em temperaturas de 30 a 21º C, mas também aguenta as baixas temperaturas do inverno, até menos de 10º C.

Para escolher o local ideal da sua casa ou jardim para plantar o chifre-de-veado, procure um local iluminado, mas que não tenha sol direto, para não provocar a queimadura de suas folhas, uma brisa leve é bastante agradável para a planta.

Platycerium

Adubo ideal para o Chifre-de-Veado
Na hora de plantar, você pode optar por placas de xaxim, tábuas de madeira, onde o substrato usado pode ser o musgo sphagnum e também pode ser usado um tronco de árvore já seco, além de ser um bom lugar para o plantio ainda servirá como uma peça de ornamentação.

E como qualquer outra planta, devem ser usados adubos para auxiliar seu crescimento e mantê-la sempre bonita e saudável.

Como se trata de uma planta epífita, o chifre-de-veado não retira do substrato onde está plantado os nutrientes necessários para sua sobrevivência e por isso é necessário fazer uso de um adubo, os líquidos são os mais indicados.

Basta misturar o adubo líquido a água em que for regar a planta, tomando sempre cuidado para não molhar as folhas com a mistura. As melhores épocas para a aplicação do adubo são a primavera e verão.

folhas-9

samambaia_havaiana

A mini-samambaia havaiana e da espécie Nephrolepis e ela faz parte da família das Davalliaceae.

Possui pelo menos 30 espécies e dessas, são tão comuns que passaram a ser tratadas como ervas daninhas. Pois não precisa de muito para que elas se espalhem no solo, basta que ele seja ligeiramente ácido e tenha boa concentração de umidade. Outro requisito que faz com que esse crescimento seja acelerado é que ela esteja em meia sombra, mas o sol pleno e sombra total não impede que elas cresçam.

A mini samambaia-havaiana é na verdade, uma variação da Marisa, porém, ela tornou-se mais popular que a espécie da qual é originária e no Brasil, entre as samambaias miniatura é mais cultivada.

A mini samambaia-havaiana precisa ficar em um substrato entre 30 a 60 cm para que se desenvolva bem e que seja um solo com composto orgânico e boa terra. A sua propagação poderá ser feita através de semente ou por muda. Ela gosta de meia sombra e precisa de muita água. Adianto que a mini-samambaia-havaiana pode ser plantada em qualquer época do ano e não possui flor e nem perfume.

Nephrolepis_exaltata

A reprodução
As plantas da família da qual faz parte a mini-samambaia-havaiana se reproduzem através da divisão dos rizomas, que se apresentam como caules bem “peludos” ou que às vezes possuem muitos esporos. Eles são aqueles pontinhos na cor marrom que estão bem embaixo das folhas. Quando são colocados em solo úmido, rico em nutrientes e fofo, em bem pouco tempo surgem as mudas.

A mini-samambaia-havaiana é excelente para colocar em ambientes internos ou fora, em lugares com meia sombra, porém, é importante que ela esteja em lugares sem correntes de vento. O lugar também deve ser ventilado e de preferência que entre muita luz natural, mas nunca deve ficar exposta ao sol direto.

Outro detalhe importante é que essa samambaia gosta de adubo orgânico, como saquinhos usados de chá, borra de café, casca de ovos trituradas, entre outros. O ideal é usar uma vez por semana qualquer tipo de adubo caseiro e em seguida, regar a planta.


samambaia-havaiana

O cultivo dentro de apartamentos
Quem não tem jardim e mora em apartamento sabe como não é fácil encontrar plantas que fiquem bem nesse tipo de ambiente. Mas, a mini-samambaia-havaiana é uma boa opção, ela tem uma aparência bem bacana é pequena e fica bem sob o ambiente do apartamento.

Além disso, é uma ótima opção para quem tem pouco tempo, pois exige menos cuidados. Para ela crescer bonita é só deixá-la em um lugar bem iluminado. O que não quer dizer que os cuidados básicos que se deve ter com uma planta podem ser ignorados.

A rega é de extrema importância, como é para qualquer planta, pois através da rega é que ela fará o processo e terá os nutrientes que precisa. A frequência é garantir que a terra permaneça úmida sempre. O vaso deve ter terra orgânica e não deixe a sua samambaia exposta diretamente aos raios solares, que acabam queimando as folhas.

Como cuidar da mini-samabaia-havaiana
*
Deixe a sua mini-samambaia em um lugar que seja bem iluminado.
* O vaso ideal para se cultivar a mini-samambaia deve ser largo e raso, para que ela cresça sem problemas.
* A terra tem que ser rica em material orgânico.
* A rega deve garantir que ela ficará com a terra úmida sempre.

* A mini-samambaia deve ficar longe de crianças e animais domésticos e longe de local de passagem para não ser danificada.

Nephrolepis-exaltata

Sobre a iluminação correta
Quem gosta de plantas sabe que elas necessitam de luz para crescerem fortes e saudáveis, porém, algumas precisam dela diretamente e outras não, a mini-samambaia entra no segundo caso. Deixe-a dentro de casa sempre perto da janela, mas onde os raios do sol não alcancem.

Os melhores lugares são aqueles abertos e cobertos, como as varandas de apartamento.

Cuidado somente para que não se trate de um lugar que chegue muito vento, ela também não gosta de corrente de ar. Além de não tolerar mudanças de temperatura muita bruscas.

Falando sobre a rega e solo
A planta precisa de muita água, mas temos que tomar cuidado para não colocar demais e a melhor maneira de ter certeza se é necessário mais água é testando a terra com o dedo. Se ela estiver úmida não é necessário molhar novamente.

O solo deve ser rico em matéria orgânica, neste ambiente ela se desenvolve melhor. Compre uma muda e plante, lembrando do tamanho do vaso, largo e fundo e use uma boa mistura de materiais orgânicos.

A mini-samambaia não gosta de mudanças
Não fique trocando a sua planta de lugar, ela não gosta. Depois que ela estiver por um tempo em um determinado lugar, evite de trocá-la, esse tipo de planta não gosta disso.

Para o adubo, use sempre aqueles apropriados para samambaias e deve ser sempre aplicado diretamente no substrato.

pombos

Platycerium coronarium

Habitando a terra há mais de 360 milhões de anos, as samambaias são conhecidas como fetos da natureza. Há cerca de 18 espécies de Platycerium, alguns são muito raros e bastante exigentes, outros são comuns e fáceis de cuidar.

Herbácea epífita, pertence à família polipodiaceae, é nativa da áreas tropicais e temperadas da América do Sul, África, Sudeste da Ásia, Austrália e Nova Guiné, perene, acaule e muito ornamental.

Habitando a terra há mais de 360 milhões de anos, as samambaias são conhecidas como fetos da natureza.

Há cerca de 18 espécies de Platycerium, alguns são muito raros e bastante exigentes, outros são comuns e fáceis de cuidar.

Cultivadas especialmente em jardins tropicais, fixam-se em árvores, pedras e placas de madeira.

O Platycerium consiste basicamente em 3 partes: as raízes, frondes estéreis ou basais e frondes férteis.

Raízes são pequenas e às vezes difícil de ver.

Folhas do platycerium são chamadas de “fronde”.

Frondes estéreis ou basais são em forma de escudo ou de rim, laminada fechando-se contra a árvore, para proteger as raízes da samambaia de danos e dessecação.

Em algumas espécies de Platycerium a margem superior desta fronde, forma uma coroa aberta. Esta fronde é responsável pelo desenvolvimento da planta, uma vez que retira água e nutrientes do ar e servem para reter a queda de detritos, como insetos mortos e pedaços de material vegetal; é neste ponto que a samambaia obtém seus minerais e outros nutrientes. Quando envelhece, uma nova fronde logo aparece para substituí-la.

Frondes férteis são grandes, pendentes, verde-escuras, com textura de couro e revestidas por uma camada fina, esbranquiçada, que lhe dá um aspecto aveludado, de cor verde-prateado.

São profundamente recortadas, bifurcadas, formando verdadeiras armações parecidas com chifres de veado. Nas extremidades inferiores desses recortes surgem densos esporângios, estruturas produtoras de esporos, em faixas ou agrupados.

Platycerium_bifurcatum

Cuidados com o Chifre-de-veado
Clima: Tropical e Subtropical

Para fixar um Platycerium, é preciso embrulhar a massa de raízes esponjosas em uma mistura de partes iguais de turfa e sphagnum, amarrar este pacote de forma segura na árvore, usar de preferência um cordão feito de algodão, evitar o de nylon. Mantenha a planta e o suporte úmidos, até que tenham aderido ao suporte.

Na fase de crescimento, regar duas vezes por semana no verão, deixando a fibra ficar bem umedecida e permitir que que o substrato fique quase seco, antes da nova rega. No inverno, apenas uma rega por semana. Quando adulta, ter mais moderação, dando apenas água suficiente para que o substrato fique levemente úmido.

Se a planta estiver murcha, mergulhe a parte que contém as raízes num recipiente largo com água. No verão, deixar a planta mergulhada durante uns 15 min. e no inverno, apenas 2 min. Espere escorrer todo o excesso de água antes de pendurá-la novamente. Evite molhar as folhas com frequência.

O Platycerium possui uma película que reveste suas folhas, a remoção dessa capa protetora, implica na rápida desidratação das folhas. Se houver necessidade de limpar a planta, recomenda-se que coloque a planta sob chuva suave, com temperatura amena ou pela névoa de pulverização, nunca usar jatos de água, esponja ou pincéis.

Adubo
Fertilizar o Chifre de veado, irá promover um crescimento vigoroso, em plantas mais jovens. É recomendado o uso de adubo líquido, misturado com a água de regar, pelo menos uma vez ao mês durante a primavera-verão, muitos usam a metade da dose de fertilizante para orquídeas ou Osmocote, adubo de liberação lenta e uma vez a cada dois meses no outono-inverno. Quando adulto, adubar apenas 2 vezes ao ano.

Alguns cultivadores usam adubo orgânico, colocando pequenos pedaços de casca de banana e até pequenos insetos na coroa da planta.

Sobre o Chifre de veado
Platycerium tem sido estudado por sua capacidade de remover alguns poluentes químicos do ar.

Propagação
Multiplica-se por esporos e principalmente pelas mudas pequenas que as raízes formam na superfície do substrato. Se as condições forem adequadas, como nos trópicos úmidos, onde nunca faz frio ou raramente seca, os esporos germinam naturalmente em árvores circundantes.

Algumas das espécies mais cultivadas:

Platycerium bifurcatum

Platycerium bifurcatum-1

Suas folhas basais nascem verde e com o tempo tornam-se amarronzadas, são de fina espessura e se aderem ao substrato. As folhas férteis, são verde-acinzentadas, duplamente bifurcadas de até 0,90 cm de comprimento. Resistente ao frio. Nativa da Austrália e da Polinésia.

Platycerium grande

Platycerium grande

As folhas basais são enormes, verde-clara e lobadas. A folhas férteis possuem dois lóbulos, de onde saem várias frondes bastante pendentes, bifurcadas atingindo até 2 metros de comprimento. Na parte inferior desse lóbulo há uma grande mancha de esporos. Nativa das Filipinas.

Platycerium holtomii

Platycerium holtomii

Folhas basais recortadas, a parte de cima vegeta solta e avança para frente, a parte de baixo é arredondada e presa firmemente ao suporte. São de cor verde, tornando-se com o tempo amarronzadas. As folhas férteis são de cor verde claro, levemente reclinadas e possuem muitas bifurcações. Nativa da Ásia.

Platycerium vassei

Platycerium vassei

É o único platycerium que tem a folha basal naturalmente marrom. Os escudos tornam-se muito densos e duros, como textura de couro. As folhas férteis são verde-acinzentadas, nascem eretas e tornam-se ascendentes. Nativa de Madagascar.

Platycerium willinckii

Platycerium willinckii

Possui folhas basais bem altas, com uma bifurcação basal irregular, se envolvem em torno da árvore ou suporte em que esta fixada. As folhas férteis são muito parecidas com um chifre-de-veado e apresentam uma leve penugem prateada. Resistente ao frio. Nativa da Austrália.

Platycerium superbum

Platycerium superbum

Folhas basais amplas, redondas em forma de rim, de até 1,50 m, com a margem superior em forma de leque. Folhas férteis são inclinadas, de até 1 m, geralmente crescendo em pares e com tamanhos iguais. Resistente ao frio. Nativa da Austrália.

Platycerium veitchii

Platycerium veitchii

Folhas basais longas, finas, na cor azul-cinzento, devido a grande quantidade de penugem prateada. Crescem na vertical, acima da folha estéril. Resistente ao frio, a seca e ao sol. Nativa da Austrália.

Platycerium elephantotis

Platycerium elephantotis

A parte superior da folha basal é bastante alta, grande, ereta, ondulada e de cor verde-limão. As folhas férteis são arredondadas em suas extremidades. Este platycerium tem a fama de ser difícil de crescer, mas o motivo é que o elephantotis, se diferencia um pouco dos outros platycerium, por precisar estar sempre úmido e em local mais sombreado. Nativa da África.

folhasaovento9

feto

Originário da América do Sul e pertencente à família Nephrolepidaceae, o feto-de-Boston é muito comum nos climas tropicais úmidos, podendo desenvolver-se livremente na natureza, em florestas úmidas e pantanosas, graças ao efeito do vento que favorece a dispersão dos minúsculos esporos.

Nestes ambientes quentes e úmidos, os fetos facilmente se desenvolvem nos troncos de algumas palmeiras. Existem variedades maravilhosas desta planta desenvolvendo-se em plena natureza.

Descrição:
O feto-de-Boston tem folhas frondosas e alongadas com 90 cm de comprimento e cerca de 15 cm de largura, que se apresentam a partir do solo em tufos chamados rizomas.

As folhinhas individuais que se distribuem simetricamente de cada lado, ao longo de um veio central, podem chegar a ter 7,5 cm de comprimento e são levemente dentadas nos bordos.

Na parte de baixo destas folhinhas existem duas filas paralelas de pintinhas junto aos bordos, onde se alojam os órgãos que contêm os esporos os quais mais tarde darão origem a novas plantas.

Existem muitas variedades de cultivares desta espécie. No feto-de-Boston ou simplesmente feto como é também conhecido, as folhas caem graciosamente para os lados e é também o tipo que melhor suporta todas condições de cultivo incluindo dentro de casa, onde se for bem tratado, vive todo o ano durante muitos anos.

samambaia-de-boston

Algumas espécies são nativas do Brasil, onde o feto é muito utilizado em jardins e na decoração de pátios e mesmo de salas, e são conhecidos por Samambaia, tendo em geral um porte maior e mais frondoso.

Cultivo
Requer sombra parcial, sem luz direta quando em exteriores e luz clara, filtrada, quando dentro de casa.

O feto-de-Boston gosta do solo úmido (mas não em excesso) e rico em matéria orgânica. Este é tolerante à seca, comportando-se melhor do que qualquer dos cultivares mais conhecidos desta espécie, e embora resista bem, apenas terá condições para se desenvolver de forma plena e viçosa, em condições de suficiente umidade do solo e do ar.

Quando cultivado em vasos e não no solo, convém colocar pedrisco entre o vaso e o prato onde o mesmo assenta, por forma a manter sempre alguma umidade, evitando porém, que o vaso entre em contato com a água para que as raízes não apodreçam.

Sempre que a umidade do ar for inferior a 80%, pulverize as folhas do feto mais do que uma vez ao dia e verá que a planta desenvolver-se-á com grande vigor e beleza.

O feto-de-Boston desaparece quando sujeito a muito frio e geada, mas reaparece na primavera a partir das raízes anteriores. Contudo, não suporta falta de água e pode secar completamente se não chover ou se a rega for esquecida.

Se notar que as folhas começam a cair é sinal de que a planta precisa de mais água, toque o solo com a ponta dos dedos e sempre que este estiver seco, regue. Caso os veios centrais das folhas fiquem nus e secos, corte-os entre duas unhas, para que o aspecto geral fique mais apresentável e também para dar mais corpo a toda a planta, que sem isso ficará com um aspecto um tanto ou quanto ”desgrenhado”

Propaga-se por divisão das raízes, ou ainda, embora mais dificilmente, por meio dos esporos, e neste caso, nas variedades cultivares o resultado não dará plantas iguais à planta mãe.

samambaia-de-boston

Usos
Em exteriores os fetos podem ser utilizados como cobertura ou revestimento de canteiros, por baixo de árvores frondosas ou de arbustos que providenciem sombra, em geral em locais onde a pouca luminosidade não favorece as plantas mais baixas.

Em condições favoráveis, desenvolvem-se através de raízes que se espalham subterrâneamente e despontam aqui e ali, sem exigir grandes cuidados. Dentro de casa, tanto a espécie como os inúmeros cultivares que existem podem ser plantados em recipientes adequados para ser pendurados ou colocados em cima de um pedestal, pois as folhas que caiem à volta do vaso proporcionam um efeito decorativo fresco e muito atrativo.

Por essa razão, dão-se também muito bem em casas de banho ou nas cozinhas desde haja umidade no ambiente. Em última análise, um borrifador à mão pode, como referimos antes, fazer milagres.

Características:
O feto-de-Boston é sem dúvida uma planta muito resistente e própria para jardineiros principiantes que queiram desenvolver as suas aptidões sem que no entanto possuam grandes conhecimentos. Tem a vantagem de poderem ser plantados dentro ou fora de  casa, já que a vida urbana não nos permite muitas vezes ter uma varanda, para já não falar de um jardim.

Proporcionam um efeito espetacular no parapeito de uma janela onde haja luminosidade, e isto tanto para o exterior como para o interior da sala onde estiverem colocados.

Também se adaptam bem no topo de uma escadaria, ou num balcão, são plantas muito vistosas quando se desenvolvem bem. No meio de um arranjo com outras plantas (prímulas, calêndulas, cíclames ou jacintos) ficam muito atrativas.

vento-1