Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Adubos e Substratos’

cascas-de-ovos

As cascas de ovos vermelhos ou brancos podem ser utilizadas para uma excelente farinha. Elas possuem nutrientes essenciais às nossas plantas. São ricas em potássio, cálcio e magnésio.

Para que as plantas possam absorver todos estes nutrientes, as cascas deverão estar intimamente ligadas ao solo. Assim, quanto maior o contato das cascas com a terra, mais disponíveis estes nutrientes estarão para as plantas.

Uma maneira simples de fazer com que isto aconteça, é transformando as cascas em pó. Desta forma teremos uma preciosa farinha, ecológica, barata, rica em minerais, para fertilizar canteiros, hortas, vasos, árvores, orquídeas, etc, adubando assim a grande maioria das plantas que temos em casa.

Coloque em um saco plástico e quebre grosseiramente com as mãos. O primeiro passo na produção da farinha de cascas é colocar as cascas para secar à sombra, sempre que tivermos disponível. Não devemos colocá-las no sol, pois as cascas possuem uma pequena quantidade de nitrogênio, que poderá se perder.

farinhadecascadeovos

Não é conveniente guardá-las para secar depois, pois a decomposição das partes orgânicas ainda úmidas poderá provocar mau cheiro e atrair animais indesejados, como moscas. Vá secando e guardando depois, até obter uma boa quantidade que mereça ser processada.

Assim que você tiver uma boa quantidade de cascas (pelo menos 1 dúzia), coloque-as em um saco e quebre-as apertando com as mãos. Não se preocupe em moê-las bem, pois logo após elas vão para o liquidificador. Coloque-as aos poucos no aparelho e bata até transformá-las em pó.

Se as cascas estiverem ainda úmidas, pode ser difícil bater no liquidificador, e uma secagem maior pode ser necessária. Agora que você obteve esta maravilhosa farinha, coloque-a num vidro com tampa, e guarde-a num lugar fresco.

casca-de-ovos

Para ser usada é bem simples. Uma colherinha de café nos vasos pequenos e duas ou três em vasos maiores. Faça isto uma vez a cada 40 dias. Se você diminuir a dose para meia colherinha, poderá aplicar nas plantas a cada 20 dias.

Siga observando suas plantas e veja como elas reagem a este novo estímulo. Você mesmo poderá decidir a periodicidade da aplicação da farinha de cascas de ovos, observando a vitalidade de suas plantas.

No preparo da terra ou substrato para jardinagem ou vasos, coloque 50 gramas para cada 20 litros de terra.

Uma colher de chá por vaso é uma boa maneira de começar a adubação. Este rico fertilizante natural poderá também ser utilizado em hortas e pomares. Os vegetais folhosos, como couve e agrião, terão um benefício especial com este fertilizante.

casca-de-ovo_8

Em hortas poderá ser usado até 50 gramas por metro quadrado, e em frutíferas 50 gramas a cada 2 ou 3 m lineares.

Algumas raras plantas podem não apreciar a leve alcalizinação do solo que as cascas podem provocar, é o caso de azaléias, prímulas, gardênias, plantas carnívoras, entre outras.

Sempre que você ler ou souber que determinada planta gosta de um solo levemente ácido, coloque uma quantidade menor de farinha de cascas de ovos para evitar assim alterações no pH do solo.

trovador

fibra-de-coco

A fibra
No passado, a casca de coco (fonte da fibra) era tratada como lixo ou material residual, mas com a evolução dos conhecimentos técnico-científicos, esse material passou a ter várias utilidades na indústria e agricultura. A fibra de coco pode ser empregada na área agrícola como matéria-prima para controle de erosão e repovoamento da vegetação de áreas degradadas.

Ela já é utilizada como matéria-prima de substratos de mudas de hortaliças (sementeiras), árvores e orquídeas comerciais. Também possui resultados positivos na mistura do solo de plantio de vasos de hortaliças e orquídeas.

Esse material, de lenta decomposição, protege o solo reduzindo a evaporação, aumentando a retenção de umidade, protegendo e aumentando a atividade microbiana do solo e, consequentemente, criando as condições favoráveis ao desenvolvimento vegetal.

jardim-vertical-fibra-de-coco_62

Sucesso na retenção de umidade
A fibra de coco comporta-se em muitos aspectos com uma esponja. Quando se introduz uma esponja em água e esta a satura, ao se deixar drenar livremente o excesso de água, chegará um momento em que cessará a drenagem.

Nesse ponto, a esponja terá retido a máxima quantidade de água que é capaz de absorver, encontrando-se quase todos seus poros ocupados por água, em um estado equivalente à capacidade de recipiente da fibra. Observa-se nesse ponto que os poros maiores não contêm água, mas ar.

Apertando-se a esponja entre as mãos, a princípio escorrerá água com facilidade por pouca pressão exercida, mas cada vez terá de se aplicar mais força para liberá-la, chegando a um ponto em que não a desprenderá mais.

Entretanto, sua aparência úmida indicará que ainda há alguma retenção de água. Essa é a melhor vantagem no uso da fibra de coco, pois a planta será mantida hidratada mesmo em períodos de estiagem hídrica.

vasosfibradecoco

Como utilizar em vasos de plantas
A fibra de coco pode ser utilizada para melhorar a retenção de umidade em vasos de plantas (hortaliças, folhagens, frutíferas, etc.), basta misturá-la ao solo de plantio.

Toda vez que o vaso for irrigado ela irá absorver a umidade e manter a água disponível para a absorção das plantas por muito mais tempo, evitando dessa forma, a desidratação da planta pelo stress hídrico.

É uma ótima maneira de reduzir o risco de desidratação e conservar mais água no solo.

Uso em vasos de orquídeas
Por ser um produto leve com alta capacidade de retenção de água, propicia o crescimento das raízes das plantas por mais tempo.

Por ser um produto de baixo valor agregado valoriza todo o conjunto (planta, vaso, substrato, arame, etc.) atraindo ainda mais a atenção do consumidor final. Para utilizá-la no vaso basta colocar a fibra no vaso, plantar a muda e compor as laterais mantendo-a firme.

orquideas-plantadas-em-arvores fibradecoco-06

Utilizando a fibra no plantio de orquídeas em árvores
A fibra de coco pode ser utilizada como substrato no plantio de orquídeas e bromélias em árvores. Por ser leve, porosa e resistente, permite a absorção e conservação de água na raiz da planta mesmo em épocas de estiagem, pois apresenta grande resistência à perda de umidade por evaporação.

Para utilizá-la basta envolver as raízes e rizoma da planta na árvore com a fibra e amarrar com o barbante (isso mesmo, barbante, com o tempo as raízes da planta vão crescer, o barbante irá apodrecer e cair sozinho), até a planta ficar firme (com o barbante não há o risco de estrangular a planta) e pronto.

A muda irá absorver a umidade que ficar retida na fibra crescer e desenvolver de forma saudável, produzindo muitas flores e raízes.

chuva-5

Flores-Do-Campo-10

Para àqueles que desejam ter um jardim em casa, é importante estarem atentos aos cuidados que as plantas e flores necessitam. Entre os itens essenciais para o cultivo estão os adubos para plantas, responsáveis pelo desenvolvimento e durabilidade delas e das flores.

Por isso, é muito importante ficar atento na hora de comprar e aplicar o tipo de adubo mais recomendado para cada planta que será cultivada.

O adubo fornece aos vegetais os nutrientes necessários para que cresçam de forma saudável, e os componentes mais importantes são o nitrogênio, que contribuem com a saúde e beleza das flores, o potássio, que promove resistência contra doenças, e o fósforo, responsável pelo crescimento das plantas.

Na hora de comprar o adubo, é importante ficar atento à numeração presente na embalagem, que corresponde à quantidade desses nutrientes.

adubos-para-plantas

Tipos de adubos para plantas
Como fazer a escolha correta – Para adquirir os adubos para plantas mais adequados, é preciso conhecer a necessidade de cada jardim, tanto em um ambiente maior quanto em pequenos vasos de flores para enfeitar a casa.

Existem dois tipos de adubos: os líquidos e os granulares. Os líquidos são absorvidos mais rapidamente pelas plantas e, consequentemente, é necessário realizar a reposição com mais frequência. Já os granulares levam um tempo maior para ser absorvido e, após a aplicação, é preciso regar as plantas para ajudar na absorção dos nutrientes.

Os adubos podem ser classificados ainda em mineral, orgânico e químico. O adubo mineral está disponível em líquido, pó e granulado e é obtido por meio de extração mineral ou refino do petróleo.

Também chamado de inorgânico, tem como maiores vantagens a rápida absorção pelas plantas e a composição química definida, a qual impede que seja aplicada uma quantidade excessiva de adubo.

tv-minhocas

O adubo orgânico, por sua vez, provém de resíduos vegetais ou animais e pode ser preparado de forma caseira, com elementos como cascas de verduras e frutas e esterco. Esse tipo é responsável por promover o desenvolvimento da flora microbiana, o que traz grande melhoria às condições do solo.

Já o adubo químico é feito com os nutrientes na quantidade necessária para o desenvolvimento das plantas e age de forma rápida. Além disso, esse adubo não produz odor, o que o torna uma ótima opção para quem vai cultivar plantas dentro de casa. Na hora da aplicação, é preciso ler com atenção as informações do fabricante a fim de que seja aplicada a quantidade correta.

químico

Independentemente do tipo de adubo que for usado, é primordial estar atento à quantidade, visto que uma aplicação em excesso pode causar o efeito contrário nas plantas. Dessa forma, é essencial conhecer as necessidades das flores e ficar atento às instruções de uso presentes nos adubos comprados.

brisa_5

flores

Adubação é a reposição dos nutrientes retirados do solo pelas plantas para o crescimento, floração, frutificação e a multiplicação.

As plantas precisam de alimentos para crescerem saudáveis da mesma forma que nós precisamos. Esses alimentos são disponibilizados para elas através dos fertilizantes. Os fertilizantes podem ser divididos em: Orgânicos, Inorgânicos e Minerais.

Esses produtos fornecem nutrientes para alimentar as plantas, sendo que, os Fertilizantes Minerais são os que possuem o maior percentual de concentração de nutrientes. É ideal que as plantas tenham disponibilidade de nutrientes oriundos de produtos Orgânicos e Minerais para crescerem de forma saudável

húmus de minhoca

Adubos Orgânicos – São aqueles provenientes de matéria de origem animal ou vegetal, tem uma composição química mais equilibrada, e incorporam ao solo doses mínimas de macro e micronutrientes. Melhoram a textura do solo, tendem a aumentar a flora bacteriana e a microfauna que dão vida a terra e são absorvidos lentamente pelas plantas.

adubo inorgânico

Adubos Inorgânicos – São obtidos a partir da extração mineral ou do refino do petróleo. Por colocarem a disposição da planta os elementos químicos praticamente em condições de serem absorvidos, produzem efeito mais rápido.

Algumas dicas
* Como a concentração do adubo inorgânico é mais alta, em doses excessivas podem interferir no metabolismo vegetal, prejudicando o desenvolvimento e até queimando, quimicamente a planta.

Procure respeitar as informações e indicações contidas nas embalagem
* O adubo granulado precisa sempre ser incorporado ao solo. Ele não deve ficar exposto, nem próximo das raízes e do caule da planta, pois o contato pode causar danos.
* As adubações são feitas antes do período de florescimento e após a colheita ou poda, para compensar as perdas de nutrientes e preferencialmente, nos períodos chuvosos.
* Durante o outono e inverno as plantas entram numa fase de dormência, caracterizada pela redução de sua atividade vegetativa. A fertilização durante este período deve ser diminuída ou evitada.
* Os adubos minerais não substituem as adubações orgânicas. Os adubos orgânicos dão vida ao solo, aumentando a quantidade de microorganismos, que auxiliam na alimentação das plantas.
* Deve-se intercalar adubações orgânicas e inorgânicas durante o ano.
- Adubo orgânico nos meses secos.
- Adubo inorgânicos nos meses chuvosos.
* Para saber a quantidade de adubo orgânico a ser utilizada, oriente-se pela tabela, considerando que um balde plástico, destes que se tem em casa, costuma ter capacidade para 20 litros.

Como adubar

arvore

Árvores
É recomendado adubar árvores a cada seis meses.

Adubação orgânica – O adubo orgânico é aplicado sob a copa, incorporando-o de leve ao solo, com as seguintes medidas:
* Árvores de grande porte – Usar 20 litros esterco de boi ou composto orgânico.
* Árvores de médio porte – Usar 15 litros esterco de boi ou composto orgânico.
* Árvores de pequeno porte – Usar 10 litros esterco de boi ou composto orgânico.
* Árvores floríferas – usar a mesma quantidade anterior e acrescentar 100 gramas de farinha de osso.

Adubação inorgânica – Por ser adubo químico granulado, o ideal e misturar o NPK a partes iguais de esterco de boi ou composto orgânico e areia, fazer de 6-10 buracos em volta da planta com 5-10cm de profundidade, preencher com a mistura até a boca e cobrir com terra.

Regar generosamente a seguir.
* Árvores – Usar 100 gramas de NPK 10-10-10 por m².
* Árvores floríferas – Usar 100 gramas NPK 4-14-8 por m² ou aproximado, não encontrando usar NPK 10-10-10 mais 100 gramas de farinha de osso por m².

Para calcular a área aproximada em metros quadrados coberta pela copa de uma árvore ou arbusto, meça a distância entre o tronco da planta e o perímetro da copa. Depois, multiplique o número encontrado por ele mesmo e o resultado por 3.

arbusto

Arbustos
Adubar arbustos de 2 a 3 vezes ao ano.

Adubação orgânica – O adubo orgânico e aplicado sob a copa, incorporando de leve ao solo, com as seguintes medidas:
* Arbustos de folhagem – Usar 10 litros de esterco de boi bem curtido ou composto orgânico.
- Arbusto florífero – Usar 10 litros de esterco de boi bem curtido ou composto e acrescentar 100 gramas de farinha de osso.

Adubação inorgânica – Por ser adubo químico granulado, o ideal e misturar o NPK a partes iguais de esterco de boi ou composto orgânico e areia, fazer de 6-10 buracos em volta da planta com 5-10cm de profundidade, preencher com com a mistura até a boca e cobrir com terra. Regar generosamente a seguir.
* Arbustos de folhagem – Usar 100 gramas de NPK 10-10-10 por m².
- Arbustos floríferos – Usar 100 gramas NPK 6-12-6 por m² ou aproximado. Não encontrando usar NPK 10-10-10 mais 100 gramas de farinha de osso por m².

vasos

Vasos
Deve-se adubar vasos quase todos os meses, menos no inverno. Intercalando adubação orgânica (quando possível) e inorgânica.

Adubação orgânica – Incorpore 3 vezes ao ano fertilizantes orgânicos ao solo, aproveitando para afofar a terra dos vasos.
* Para plantas onde as folhas predominam, usar esterco de gado, húmus de minhoca, composto orgânico entre outros. Seguir orientação do fabricante, pois os vasos variam de tamanho.
* Para plantas floríferas – Usar o mesmo adubo anterior + farinha de osso. Regar generosamente a seguir.

Adubação inorgânica – Os adubos inorgânicos, podem ser em pó, granulados ou liquidos.
* Para adubos em pó e granulado, faça pequenos furos no substrato com um lápis, quase na borda do vaso, coloque o adubo e cubra.
* Para adubo líquido, dissolver o produto na água e usar conforme orientação do fabricante.
* Plantas com folhagens – Usar NPK 10-10-10 ou fórmula aproximada desde que o N (nitrogênio seja maior), seguindo a orientação do fabricante.
* Plantas floríferas – usar NPK 4-14-8 ou fórmula aproximada, não encontrando usar NPK 10-10-10 e acrescentar farinha de osso.

Importante
Plantas compradas em lojas, geralmente vem com um substrato muito leve, com poucos nutrientes, pois no cultivo usa-se muito a adubação líquida diluída na irrigação controlada, chamada de fertirrigação. O ideal é trocar a planta para um vaso com terra fértil, composto orgânico e com boa drenagem ou adubar frequentemente, pois em pouco tempo a planta definhará por falta de nutrientes.

samambaia

Samambaias
É recomendado adubar quase todos os meses, menos no inverno.

Adubação orgânica – Usar 2 colheres de (sopa) torta de mamona em vasos médios, aumentar ou diminuir a quantidade dependendo do tamanho do vaso ou outro adubo rico em nitrogênio.

Adubação inorgânica – Usar NPK 12-8-6 ou aproximado, ou adubo líquido apropriado para samambaia diluído em água e pulverize as folhas. Seguir a orientação do fabricante. Regar generosamente a seguir.

cattleya amarela

Orquídeas
Quando a orquídea for cultivada artificialmente em vasos, deve-se suprir suas necessidades de nutrientes artificialmente.

É recomendado adubar a cada três meses, intercalando adubação orgânica e inorgânica.

Adubação orgânica – Um ótimo adubo orgânico é o Bokashi, que é uma mistura de vários adubos orgânicos. Sua composição varia bastante, cada fabricante possui a sua, mas costuma ser bastante eficiente. Regar generosamente a seguir.

“Calda de esterco” – Excelente para regar orquídeas.

Colocar 10 litros de água e 1/2 litro de esterco de gado bem curtido e deixar em infusão por 10 dias. Coar e guardar. Diluir 1 medida da calda, para 9 medidas de água. Aplicar em toda a planta

Adubação inorgânica – No mercado a adubos químicos para orquídeas em forma de pó ou na forma líquida.

Distribuir esta solução nutritiva por toda a planta, inclusive nas raízes, através de pulverizações ou mergulhando o vaso por 2-3 minutos nesta solução. Seguir a orientação do fabricante.

Outra opção e usar NPK adequado para cada fase do desenvolvimento:
*
Durante a fase de crescimento, usar NPK rico em nitrogênio na fórmula 10-5-5 ou aproximado.
* Para manutenção da planta adulta 14-14-14 ou aproximado.
* Quando o pseudobulbo estiver quase formado e começar a aparecer as hastes florais, a planta precisará um NPK rico em fósforo, na fórmula 15-30-15 ou aproximado.

Importante
Recomenda-se colocar mensalmente o vaso com a planta, dentro de um balde cheio de água limpa e deixar de molho por 15 minutos, para retirar o excesso de sais, que se forma e que pode queimar as raízes.

cactos

Cactos
Adubar a cada 3 meses.

Adubação orgânica – Para cactos até 15 cm, 1 colher de chá de torta de mamona e outra de farinha de osso.

rosas amarelas

Rosas
Para roseiras o indicado é adubação de origem “orgânica”. Deve-se adubar 3 vezes ao ano.
* A primeira na época da poda anual de junho a agosto.
* A segunda em novembro.
* A terceira em janeiro ou fevereiro.

Incorporar ao solo 15 litros de esterco curtido ou adubo orgânico, 200 gramas de farinha de osso e 100 gramas de torta de mamona.

Espalhe a mistura em volta da planta e incorpore-a ao solo, tomando cuidado para não aprofundar demais, de modo a evitar machucar as raízes.

gramados

Gramados
Deve-se adubar 4 vezes ao ano.

Adubação orgânica – Fazer uma cobertura anual no inverno com 40% de terra, 30% de areia e 30% de adubo orgânico (estercos, torta de mamona, húmus de minhoca ou composto orgânico).

Adubação inorgânica – No início da primavera, verão e outono, espalhe em cada metro quadrado, na superfície do gramado,17 gramas de NPK 20-18-6, ou fórmula aproximada. Não encontrando esta fórmula, use 33 gramas de NPK 10-10-10. O NPK pode ser espalhado a lanço, com o cuidado de não acumular fertilizante em qualquer área, se isso ocorrer a grama desse local ficará queimada.

O melhor é fazer este trabalho no final da tarde ou em dia nublado.

trovador