Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




acorus gramineus

O junco-japonês, também conhecido popularmente como acorus, mini-cálamo-do-japão, e acoro-gramíneo, é uma planta originária da Ásia e pertence a uma família própria, a Acoraceae.

Trata-se de uma planta herbácea, rizomatosa, que a primeira vista parece uma grama, no entanto, ela não é uma grama verdadeira. Dos seus espessos rizomas surgem folhas lanceoladas, brilhantes, levemente curvadas, aromáticas e de cor verde, na  espécie típica.

No entanto, há diversas cultivares para uso ornamental, com maior ou menor porte, além de folhas mais ou menos fragrantes, variegadas de branco e plantas com folhagem amarela, muito atrativas.

Floresce apenas quando cultivada como planta aquática, tendo o rizoma submerso na água. As inflorescências são do tipo espádice e de cor branca, discretas, localizadas na base da touceira e tem de pouca importância ornamental. Os frutos que se seguem são bagas minúsculas, carnosas, de cor vermelha.

O junco-japonês pode ser cultivado em vasos, como forração para espécies mais altas e em canteiros mistos sob meia sombra, principalmente em áreas com problemas de drenagem.

É uma planta interessante também no entorno de laguinhos e cursos d’água, como planta palustre ou marginal, oferecendo refúgio para a fauna como pequenos peixes e rãs.

Acorus gramineus

Sua folhagem atraente e brilhante e o formato de pequena moita arredondada ajudam a suavizar os acabamentos muitas vezes agudos e pedregosos de lagos artificiais.

Suporta o pisoteio leve e libera um aroma agradável, que lembra tangerina e anis, quando tem suas folhas amassadas. Também pode ser utilizada em terrários fechados, por apreciar a umidade constante.

Seu cultivo deve ser sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e mantido permanentemente úmido.

Quando as pontas das folhas se tornam secas e marrons e a planta murcha com frequência é sinal de que o solo está muito seco. Neste caso, acrescente mais matéria orgânica, cobertura morta e irrigue com maior frequência.

Acorus gramineus-1

Nos jardins e em clima quente prefira plantar o junco-japonês sob condições de meia sombra, sob pena de ter uma folhagem com mau aspecto.

Já em Já em lagos e em clima temperado, a condição de sol pleno lhe será benéfica. Sua multiplicação é feita por divisão das touceiras realizadas no fim do inverno.

paisagemneve

Mammillaria bombycina

O cacto Mammillaria bombycina é uma das espécies mais populares entre os colecionadores. É nativa dos estados de Jalisco e Aguascalientes, no centro-oeste do México. Por causa da coleta ilegal, a população selvagem é considerada como tendo um status vulnerável.

É uma planta que se caracteriza pelas hastes densamente agrupadas. Os caules são cilíndricos a globosos, e formam um conjunto de “bolinhas” muito gracioso.

Suculentos e de cor verde, não possuem folhas e seus tubérculos são cônicos a cilíndricos. Em torno do ápice de cada tubérculo há dezenas de espinhos ou pêlos, de cor branca, que dão a este cacto um aspecto lanoso.

Bem no topo do tubérculo podemos verificar cerca de quatro espinhos mais longos, de cor marrom e em forma de gancho. Floresce na primavera, exibindo sobre cada ramo, uma circunferência de flores de cor geralmente rósea, mas que podem ser carmin ou brancas, em forma de funil.

Após a polinização se formam frutos, do tipo baga, de cor rosa esverdeados. Os formatos e texturas dos cactos e suculentas sempre são muito encantadores e, na mammillaria bombycina não poderia ser diferente.

Mammillaria bombycina_1

É uma espécie indispensável aos colecionadores destas plantas e também podem ser cultivados por jardineiros iniciantes que queiram se arriscar com cactáceas, pois costumam ser fáceis de cuidar.

A espécie fica muito bem na composição de jardins rochosos e de efeito árido. São uma ótima escolha para locais com pouca disponibilidade de água.

Gostam de locais um pouco inclinados, que favorecem a  drenagem. Também podem ser plantados em vasos e jardineiras, decorando ambientes internos bem iluminados.

Seu cultivo deve ser sob sol pleno, meia sombra ou luz difusa, em substratos próprios para cactos e suculentas, ou seja, perfeitamente drenáveis e arejados, e irrigados a intervalos espaçados.

Suspendas as regas no inverno. O excesso de regas ou a deficiência na drenagem do substrato (que pode ocorrer ao longo do tempo por compactação) provocará o rápido apodrecimento das raízes e caules desta suculenta.

Mammillaria bombycina

É uma planta tolerante a temperaturas acima de 4°C, não resistindo à neve ou geadas. Para uma formação mais densa e espinhenta, prefira cultivar sob sol pleno.

Sua multiplicação é feita facilmente por sementes ou por separação dos novos ramos formados no entorno da planta.

Controle de pragas
A principal ameaça para essa espécie é o ácaro vermelho. Para evitar o parasita o cacto precisa ser limpo com uma escova molhada em solução de álcool. É recomendado aktellik (solução a 0,15%).

flor-chuva

Ledebouria socialis

A escila ou escila é uma planta bulbosa e suculenta, de folhagem e florescimento ornamentais. Ela é originária da África e muito popular entre os colecionadores de cactos e suculentas.

Pertence à família Hyacinthaceae e uma das características típicas desta espécie é o fato dela desenvolver seus bulbos sobre o solo, o que não é muito comum em plantas bulbosas.

Os bulbos são pequenos, em formato de gota e recobertos por uma túnica transparente. Suas folhas são lanceoladas, dispostas em roseta, de cor verde a prateada, que podem ser adornadas com pintas de leopardo ou listras de zebra, de acordo com a variedade.

Ledebouria_socialis_Laxifolia

Ledebouria socialis Paucifolia

O verso das folhas é de um belo tom violáceo, assim como os bulbos, salvo nas cultivares “Laxifolia” e “Paucifolia”, que apresentam-se verdes simplesmente.

Ocorre ainda uma forma “Variegata”, apresentando listras longitudinais iniciando-se desde a túnica que recobre bulbo.

No inverno seco a planta usualmente entra em dormência, momento em que perde suas folhas e inicia-se a formação interna das flores. No início da primavera, desponta delicadas inflorescências, em rácemos, com flores pendulares em forma de sino, de cor rosa e listras verdes, com sépalas muito recurvadas.

Se durante o inverno o fornecimento de água se mantiver regular, a planta permanece em estado vegetativo e não perde suas folhas, assim como não recebe estímulo para florescer na próxima estação.

É uma planta bem planta resistente e curiosa, forma belos arranjos em cuias e jardineiras, que podem ser montados apenas com esta espécie, ou em composição com outras plantas suculentas.

Ledebouria socialis Variegata

Por sua rusticidade e resistência à seca, ela é própria para jardineiros iniciantes e até mesmo aqueles esquecidos e negligentes, que muitas vezes não lembram de regar suas plantas. Indicada também na composição de jardins áridos e com baixa disponibilidade de água.

O visual exótico e selvagem das folhas da escila por si só já encanta os que se dispõem a observá-la. No entanto, a floração, tão delicada e charmosa, é um capítulo à parte, digna de um jardim místico, inspirado em contos de fadas e duendes.

Seu cultivo deve ser sob meia sombra, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica, bem drenável e irrigado regularmente durante o período vegetativo. Um substrato próprio para suculentas, enriquecido com terra vegetal é o ideal.

No inverno, reduza as regas até suspendê-las por completo. Apenas com um período de dormência em solo seco é que a escila poderá renovar sua folhagem e produzir flores. Se, caso contrário, as regas não forem suspensas, a planta não perde as folhas e dificilmente florescerá.

floração da Ledebouria socialis

Esta espécie pode até resistir ao sol pleno, mas suas folhas ficarão pequenas e se desenvolverá pouco, da mesma forma, sob excesso de sombra, o estiolamento ocorrerá, com folhas excessivamente alongadas e bulbos fracos.

A fertilização deve ser durante a primavera e verão e sua multiplicação é facilmente . feita por separação dos pequenos bulbos que se formam entorno da planta mãe.

A época ideal para separação dos bulbos é após o término da floração. Os bulbos da escila não devem ser enterrados, sob pena de lhe provocar o apodrecimento.

Plante-os levemente encaixados no solo, com as raízes para baixo. Da mesma forma, eles não precisam ser removidos do vaso durante o período de dormência, como é comum em outras bulbosas.

beijaflor