2017 December 09 - PlantaSonya - O seu blog sobre cultivo de plantas e flores
Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Kalanchoe

O gênero de plantas conhecido como kalanchoe é composto por plantas do tipo suculentas e que pertencem a família Crassulaceae. São plantas de origem africana que são bastante conhecidas como flor da fortuna ou kalandiva. No Brasil essas plantas são conhecidas ainda como eoirama-branca, erva-da-costa, coerana, folha-de-costa, saião ou folha-da-fortuna.

É uma das flores ornamentais mais belas que se pode ter em seu jardim. A fim de criar um jardim agradável e que possua uma planta que agregue beleza estética ao plano dado ao ambiente, é importante que o cultivo seja adequado e condizente com as necessidades que o vegetal necessita.

Para isso, os conhecimentos do cultivo da kalanchoe devem ser dominados e executados, especialmente no que se refere ao florescimento. Caso a planta perca suas flores, ela perderá o seu valor ornamental. Nesse post algumas dicas de como reflorescer o kalanchoe, aplicando as melhores técnicas de jardinagem para que seu jardim seja um sucesso.

Kalanchoe_blossfeldiana

Como fazer kalanchoe reflorescer
A kalanchoe necessita de alguns cuidados básicos na hora de seu cultivo. A primeira coisa que deve se fazer é a poda constante da planta, para que ela não desperdice os seus nutrientes que iriam para a reprodução das flores no crescimento de seu corpo.

Reprodução da kalanchoe
Para acelerar a reprodução da kalanchoe, lhe dando mais flores, é necessário que você alcance um equilíbrio importante na hora de cultivá-la.

Para garantir a reprodução da planta, é importantíssimo que você a regue a cada dez dias o vaso e também que mensalmente faça sua nutrição com o adubo fertilizante NPK 20-20-20, preferencialmente orgânico e que possua qualidade para abastecer a kalanchoe de nutrientes para que ela tenha um bom florescimento e uma boa reprodução. É através da adubação da planta que vem os principais incentivos naturais à floração

Outros processos importantes para a floração têm como base a simulação da noite durante 14h do dia, a exposição direta a luz do sol. Também nunca a deixa exposta à temperaturas que fiquem abaixo dos 10ºC e acima dos 35º.

Essa é uma planta que é acostumada com temperaturas médias e não suporta frio ou calor excessivo, devido a sua sensibilidade no trato.

Kalanchoe-1

Poda
Uma das partes mais importantes do cultivo da kalanchoe é que se pode seu corpo, especialmente as partes da planta que estão secas ou mortas, pois essas absorvem nutrientes e danificam o crescimento dela.

Também não deixe que a planta acabe crescendo demais porque se não você pode perder os nutrientes que iriam para as flores para seu crescimento. Se estiver a kalanchoe apodrecendo, pode tudo que seja possível, exceto o caule central, pois se não a planta morrerá de qualquer maneira.

Outros cuidados
Não deixe a kalanchoe exposta a chuva por muito tempo, pois a acidez da chuva pode acabar maltratando as flores.

Utilize pesticidas orgânicos e preferencialmente naturais para retirar fungos e pestes, e caso não funcione, pode as regiões da planta que estão sendo afetada pelos males das pestes. Se as plantas não forem devidamente cuidadas e caso sua saúde não esteja no ápice, seu florescimento, comum do início do inverno até o final da primavera.

kalanchoe-blossfeldiana

Como fazer mudas de kalanchoe
Para fazer mudas de kalanchoe, o processo e bastante simples. Para uma planta saudável, basta que você tenha uma planta já crescida e florescida.

Posteriormente, você deve retirar uma estaca dessa planta já crescida, com tamanho de cerca de cinco centímetros. Retire da base dessa muda algumas folhas e deixe-as secar por três das.

Após esse período, plante a estaca em um potinho de hormônio enraizador, produto que você pode encontrar em qualquer floricultura. Após a estaca criar raiz, basta colocá-la no solo.

Durante duas ou três semanas, é importante que você coloque um saco plástico em cima da kalanchoe para simular um ambiente extremamente úmido, regando com frequência. Abra alguns buracos por cima do saco para manter a oxigenação e aguarde o florescimento com sucesso da sua kalanchoe.

ventojjj

trepadeira-jade-vermelha

Na verdade o nome não é muito apropriado para esta trepadeira, tanto pela cor que não tem nada a ver com jade, como também pelo gênero botânico.

Ela pertence ao gênero Mucuna e é conhecida mundialmente como jade-vermelha ou flama-da-floresta. Sua origem é de Papua – Nova Guiné. Pertencente à imensa família das leguminosas o gênero Mucuna reúne aproximadamente uma centena de espécies entre arbustos e trepadeiras com ramos geralmente de consistência mole e de crescimento rápido. Ocorrem principalmente em regiões tropicais e subtropicais nos dois hemisférios.

As mucunas produzem flores vistosas geralmente em cachos pendentes seguidas de vagens recobertas de microscópicos pêlos extremamente irritantes em contato com a pele. Poucas plantas deste gênero apresentam características ornamentais que justifiquem o seu cultivo em parques e jardins.

mucuna bennettii

Há porém algumas notáveis exceções. Uma delas é a Mucuna bennettii F. Muell. denominada por muitos como trepadeira Jade-vermelha.

Esta trepadeira é de crescimento bastante vigoroso com folhas compostas de três folíolos ovais-alongados bem parecidas com a trepadeira jade.

Suas flores são grandes e de coloração vermelho-escarlate brilhante e reunidas em enormes cachos pendentes de beleza sem igual. Seu efeito decorativo é realçado quando plantada em caramanchões de estrutura bem forte ou pérgolas que suportem o vigor da planta e para que as flores sejam ostentadas de forma pendente.

O cultivo desta espécie teve início em 1940 pelo Jardim Botânico de Cingapura através de sementes coletadas nas florestas de Papua-Nova Guiné e desde então, devido à impressionante beleza de suas flores, passou a ser uma das trepadeiras mais cobiçadas por colecionadores.

Mucuna novo-guineensis ScheffMucuna novo-guineensis Scheff

Ainda neste gênero existe a Mucuna novo-guineensis Scheff. também de grande valor ornamental e com bastante semelhança à Mucuna bennettii causando até certa confusão entre os cultivadores, as principais diferenças são notadas nas flores que na espécie novo-guineensis são mais estreitas e bem mais longas que a bennettii, com coloração mais vermelha.

Para deixarmos bem definidas as diferenças entre estas 2 fantásticas espécies, nós usamos para a Mucuna novo-guineensis Scheff. o nome de Jade Vermelha de Cachos

Compridos, cuja propagação é ainda mais difícil que a Mucuna bennettii e é ainda mais sensível às baixas temperaturas. Devido a estas dificuldades o seu cultivo tornou-se ainda mais raro no Brasil.

Trepadeira Jade vermelha – Mucuna bennettii

Devido ao fato de ser nativa de Papua – Nova Guiné, país de clima equatorial com temperaturas médias entre 21 a 32ºC e chuvas anuais superiores a 2.000 mm., o seu cultivo em regiões com temperaturas e umidade do ar mais baixas fica dificultoso, principalmente durante o inverno quando chega derrubar as folhas de forma acelerada. É bem menos resistente ao frio que a trepadeira Jade.

Uma dica importante para os interessados em cultivar esta trepadeira é plantar a mesma nos meses mais quentes e estimular o seu crescimento com adubações a curtos intervalos para que a planta já esteja bem desenvolvida quando o inverno chegar.

Jade Strongylodon macrobothrys A . Gray Jade Strongylodon macrobothrys A . Gray

Esta dica serve também para a Trepadeira Jade Strongylodon macrobothrys A . Gray que é nativa das Filipinas e já bem mais conhecida que as espécies vermelhas. Seus cachos longos com flores de coloração azul-esverdeado a torna única e incomparável e ainda é uma das trepadeiras mais admiradas e procuradas.

Cultivo
Plantar em covas bem espaçosas enriquecidas com terra vegetal e superfosfato simples.
Evitar solos compactados preferindo os ricos em matéria orgânica e bem drenados.  Logo após a muda ter sido plantada é aconselhável fazer um sombreamento parcial da planta.

Uma boa maneira de se fazer este sombreamento é fincar algumas folhas de palmeiras verticalmente ao lado da muda, após as raízes se estabelecerem ao solo o sombreamento deve ser retirado, pois a planta necessita de sol. Manter o solo levemente umedecido com uma boa cobertura morta.

Somente podar das extremidades para controlar o crescimento. A adubação deve feita levemente,  no início da primavera com NPK 10-10-10.

casinha na chuva