2017 February 01 - PlantaSonya - O seu blog sobre cultivo de plantas e flores
Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




phalaenopsis

Muitas pessoas ficam preocupadas quando as folhas de suas orquídeas começam a amarelar e cair.  Entenda que existem diversos fatores para isso acontecer.

Só você, que convive com sua orquídea, ou alguém que possa avaliá-la ao vivo, poderá descobrir o que realmente está causando o amarelamento. Por isso, é necessário avaliar todos eles.

folhas de oncidium com folhas amareladas

O que pode estar acontecendo?
Flores verdes-amareladas
Geralmente indicam excesso de luminosidade. Neste caso, basta mover para um lugar com um pouco menos de claridade, ou que não receba sol, para que em algumas semanas a cor das folhas voltem a mudar.

É importante ressaltar que, algumas espécies têm as folhagens mais amareladas e isso e normal, mas em geral, as folhas das orquídeas devem ter um verde vivo.

1-phalaenopsis-3
Orquídea sob Stress

Veja alguns tipos de estresses que a orquídea pode passar:
– É comum o amarelamento e queda das folhas antigas quando a orquídea sofre com o replante. Então se você trocou recentemente o substrato, não se desespere.
– Quando compramos uma orquídea, precisamos saber que, provavelmente ,ela estava em um ambiente diferente da nossa casa. Por isso, o amarelamento também é comum.
– Caso você não saiba, a maioria dos substrato tem uma durabilidade de 1-3 anos. O mais comum é a orientação de trocar o substrato a cada dois anos. Substrato velho, geralmente se torna ácido, e isso dificulta a absorção dos nutrientes fornecidos pelos adubos. Consequentemente causando o amarelamento das folhas.
– Também é importante observar o sistema radicular (raízes), pois se estiver debilitado, também causa o amarelamento das folhas. Geralmente nesse caso, além do amarelamento, percebe-se uma desidratação, seja pelas folhas ou pelos pseudobulbos, e nota-se raízes escurecidas e ocas.

Doenças fúngicas
Quando se trata de doença causada por algum fungo, além das folhas amarelarem, um outro sintoma que aparece junto são as manchas escuras ou pintinhas. Neste caso você precisa tratar o fungo.

cochonilha

Cochonilhas, pulgões e nematelmintos
Cochonilhas são insetos que sugam a seiva da orquídea. A forma mais comum dela é a branca. A folha parece que está coberta com uma fina camada de algodão.

Algumas vezes a folha fica com pintas amarelas (na maioria com o centro branco), mas em caso intenso, pode amarelar a folha inteira e deixá-la enrugada.

Para resolver isso, basta lavar a folha com uma esponjinha ou escovinha + água com sabão de coco.

Assim como as cochonilhas, os pulgões também são sugadores, mas o sintoma da folha antes de amarelar, é ficar com a aparência desidratada e alaranjada, sintoma que mostra que além dos pulgões também existe a presença dos nematelmintos.

Pulgões e cochonilhas devem ser tratados com inseticidas de plantas vendidos em mercados e casas agrícolas. Já os nematelmintos com produtos específicos. Pergunte por defensivos em casas agrícolas.

deficiência nutricional

Deficiência nutricional
A ausência ou baixa quantidade de alguns nutrientes podem causar o amarelamento. Isso acontece principalmente na deficiência de Nitrogênio e de Cálcio.

Como é responsável pelo crescimento das plantas, a deficiência de Nitrogênio é notada através de orquídeas em tamanhos menores, sem crescimento ou com crescimento muito lento, presença de poucas folhas e folhas amareladas.

Isso pode ser corrigido com um adubo rico em Nitrogênio. EX: 30-10-10

A deficiência de cálcio também é outro motivo.

Nesse caso, o amarelamento das folhas começa, geralmente, das pontas das folhas para o centro da orquídea (base ou pseudobulbos).

Para resolver, é necessário fazer uma adubação rica em cálcio.

O adubo de cálcio, por não ser compatível com alguns elementos dos adubo NPK, geralmente é vendido separado.

É muito comum achar a combinação cálcio + magnésio.
Recomenda-se aplicar adubo à base de cálcio a cada 20 ou 30 dias. Verifique na embalagem.

folha velha

“Velhice”
É comum, quando as folhas estão ficando “velhas”, irem amarelando. Isso causa mais espanto e medo nas Phalaenopsis. Nesse caso, o amarelamento começa de baixo para cima, ou seja, nas folhas mais próximas das raízes.

Fique atento, pois quando se trata de folhas “maduras”, se percebe o surgimento de folha nova no topo da Phalaenopsis.

Fique atento, o normal é amarelas 1 ou 2 flores da base. Não há o que fazer, isso é um processo normal e faz parte do ciclo da orquídea.

Espécie perene
Algumas espécies, após a floração, perdem algumas ou todas as folhas. Isso é bastante comum em algumas espécies de Dendrobium. Nesse caso, as flores amarelam por completo e caem naturalmente.

Verifique se a sua orquídea é alguma espécie perene antes de se desesperar.

Casa-na-floresta_663

Malvaviscus-arboreus-var.-2

O Malvavisco é um dos arbustos mais comuns dentre todas as espécies de arbustos do mundo. Os especialistas e principalmente os jardineiros amantes de arbustos de grande porte são os primeiros a indicar as mudas da planta por diversos motivos.

A planta é prática, muito bonita e possui características simples, além de ser pouco exigente com relação ao seu cultivo e cuidados. Embora o Malvavisco seja largamente utilizado em jardins, é preciso tomar cuidado com a área de plantio que não deve ser muito pequena.

Conheça aqui todas as características dessa espécie tão conhecida no meio botânico
Os seus nomes populares são usados para designar todas as suas principais formas, sendo possível identificar qual a principal característica da espécie. Os nomes populares são: Hibisco-colibri e Malva-de-colibri.

A origem do Malvavisco remonta da América Central e principalmente da América do Sul, onde os seus primeiros vestígios foram encontrados. Ela é cultivada no Brasil desde a sua descoberta e é muito usada em locais públicos por pura ornamentação.

O grande arbusto está incluído na família das Malvaceae e o clima ideal para o seu cultivo pode ser determinado a partir da sua origem. Por isso, em áreas com os climas Equatorial, Subtropical e Tropical quando são predominantes, podem abrigar uma ampla área com mudas da espécie.

Malvaviscus arboreus

Altura
Quando bem cultivada, respeitando as suas regras de plantio, a espécie pode atingir mais de 2 m de altura, sendo seu tamanho mínimo aproximadamente 1,8 m. A medida máxima que o Malvavisco pode atingir é 2,4 m de altura. Por causa disso, a espécie é considerada uma planta ou arbusto de grande porte, sendo cultivado em locais mais amplos.

Tolerâncias
A planta é bastante tolerante e isso acabou sendo um dos motivos pelos quais os jardineiros adotaram uma preferência por elas. Dessa maneira, pode ser cultivada sob sol pleno, assim como diversas plantas da sua família. Mesmo assim, tolera meia sombra mesmo possuindo um ciclo de vida perene.

Folhas
As folhas da espécie contribuem para o seu efeito ornamental em quintais e jardins. São bastante esverdeadas e oval-lanceoladas, além de serem muito mucilaginosas apresentando bordos serrilhados. Todo esse design nas folhas do Malvavisco pode servir como um diferencial e também apresentam originalidade. Este é mais um quesito a ser levado em consideração quando os jardineiros de plantão resolvem escolher a espécie para enfeitar os seus respectivos jardins.

Malvaviscus

Flores
A espécie é considerada pela por causa das suas altas e volumosas florações. Suas flores chamam muita atenção pelo formato e pela coloração, bastante atraente para alguns isentos polinizadores como borboletas, abelhas e joaninhas.

Os tons das pétalas diferenciadas podem variar entre róseo e vermelho, sendo a variante mais comum em coloração avermelhada. A floração da espécie nasce de forma vistosa e fica de maneira sempre pendente, podendo também estar semi-fechada.

É este comportamento que faz com que as flores se tornem altamente duráveis em relação à floração de hibisco (Hibiscus rosa-sinensis).

É na primavera e no verão que a espécie está muito mais florida, ainda que as flores pendentes e quase fechadas rendam durante todo o ano.

Características especiais
A planta é considerada de baixa manutenção e suas mudas também possuem um baixo custo, por isso podem ter se tornado tão popular em alguns locais do mundo.

As espécies em questão podem acabar formando renques bem podados, não sendo recomendada a sua utilização como planta isolada em canteiros e muito menos nos jardins de forma geral. É uma planta bastante rústica e que serve para formar cercas vivas dentro de determinadas condições.

As podas são muito bem aceitas pelo arbusto que acabam ficando com uma floração mais abundante nessas condições. É através das podas frequentes que a planta pode ser amplamente utilizada como cerca viva.

Por causa dos cortes, os ramos ficam mais compactos deixando a espécie pronta para o paisagismo.

O crescimento da planta é muito rápido, mas dependendo da sua forma de cultivo, pode ter um desenvolvimento mais moderado, principalmente em comparação aos outros arbustos inseridos em suas categorias.

Por causa de seu formato rústico e suas flores atrativas, também pode atrair uma séries de espécies de beija-flores, contribuindo, dessa forma, para a ornamentação do jardim.

malvaviscus_22

Formas de cultivo
Mesmo sendo uma planta de baixa manutenção, o Malvavisco deverá ser plantado com muito cuidado, respeitando as suas principais características e formas de propagação.

Deve ser cultivada sob sol pleno, mais tolera as sombras, desde que sejam na metade do dia. É preferível que se deixe a espécie na sombra somente durante o dia, deixando o sol incidir durante toda a tarde.

O solo deverá ser bastante enriquecido, com matéria orgânica bem curtida e uma cova de plantio bem drenada, além de altamente fértil. Na hora das regas, evitar encharcar o solo, já que as raízes do arbusto não aceitam o excesso de água.

A planta não tolera grandes variações de temperatura, muito menos geadas e locais mais frios. Sendo assim, por ser uma planta de clima tropical, não consegue se desenvolver no sul do Brasil, por exemplo.

A planta acaba por se propagar por estaquia, o método mais prático para a sua multiplicação sem que ela se torne altamente invasiva. Também pode crescer junto à planta-mãe por meio dos agentes polinizadores.

gifs-gifs-chuva-2

maranzinza

A Maranta-cinza também é conhecida pelo no de Tenante. É uma planta nativa da América do Sul, sendo originada do Brasil. E pertence à família Marantaceae. Essa família é uma das maiores que existem na ordem das plantas zingiberales, abrangendo alguns gêneros como Maranta, Calathea e Ctenanthe.

A família das Marantaceae possui em torno de 31 gêneros e 350 espécies, sendo bastante cultivado na área da América Tropical.

A família das Marantaceae, na qual está inserida a Maranta-cinza, é composta por ervas de portes que variam de pequeno a grande, perenes (que possuem ciclo de vida longo), são acaules, rizomatosas, geralmente possuem crescimento simpodial e algumas espécies são aromáticas.

As espécies vegetais da família das Marantaceae são muito utilizadas para fins ornamentais, sendo plantas bastante sensíveis às variações climáticas e de uma forma geral devem ser cultivadas a meia sombra.

maranta

Características da Maranta-cinza
A planta é do tipo folhagem com características ornamentais. Ela é uma espécie vegetal herbácea (plantas que apresentam caule macio, por não possuírem a presença de lignina e geralmente possuem crescimento rasteiro) e rizomatosa (apresentam caules subterrâneos que possuem a capacidade de armazenar nutrientes que servirão para o sustento da planta).

A Maranta-cinza se caracteriza por ser um tipo de folhagem perene (com ciclo de vida maior que dois anos) e por ser uma planta rústica. É uma planta de pequeno porte, que apresenta uma altura média que varia dos 30 aos 60 cm, no entanto já foram encontrados exemplares desta espécie com altura em torno de 1 m. O diâmetro dessa espécie vegetal tem média de 1 m.

As folhas da Maranta-cinza possuem formato elíptico, são alongadas e são sustentadas por pecíolos longos e pilosos que surgem direto do rizoma (espécie de caule subterrâneo) da planta.

As folhas da planta apresentam uma textura coriácea e o seu fundo possui uma coloração verde prateada, apresentando uma marca singular de espinha de peixe, com faixas verde escura, que dão cor as margens da folha e se caracterizam por serem de persistência permanente. A parte interior da folha da Maranta-cinza é arroxeada de forma uniforme.

As inflorescências da aparecem de uma forma geral quando surge o outono, são do tipo espiga, apresentam brácteas que tem o intuito de proteger as flores pequenas que apresentam cor branco creme. As inflorescências não possuem nenhuma função decorativa ou ornamental.

maranta-cinza

Cultivo da Maranta-cinza
A Maranta-cinza é uma planta que aprecia e se adapta melhor as regiões que apresentem uma temperatura mais quente com uma boa condição de calor. Devido a essa característica, é uma planta típica de cultivo em locais que possuem o clima subtropical, no entanto ela é uma espécie vegetal que se adapta bem a locais que apresentam clima equatorial, tropical, tropical de altitude e tropical úmido.

Apesar de ser uma planta que gosta do calor, a deve ser cultivada sob a luz difusa, sombra clara ou sob a meia sombra.

Não deve ser realizado o cultivo da Maranta-cinza sob sol pleno, pois esta condição de cultivo irá provocar o enrolamento das folhas da planta e poderá sofrer queimaduras.

Mesmo sendo uma planta típica para cultivo em locais quentes, a Maranta-cinza é capaz de tolerar as temperaturas frias que geralmente ocorrem na região sul do Brasil, podendo ser cultivada em qualquer região do nosso país.

O solo ideal para o cultivo da Maranta-cinza é o fértil, com boa capacidade de drenagem e que deve ser enriquecido com o uso de material orgânico.

Além do calor, a planta aprecia a umidade, e para o bom desenvolvimento da planta o solo deve ficar úmido, contudo não pode deixar o solo encharcado, pois a planta não suporta essa condição por longos períodos, e devido ao sufocamento das raízes pode vir a morrer.

Devido a sua rusticidade, a Maranta-cinza não exige podas e nem outros tipos de manutenções, conseguindo se desenvolver plenamente.

Essa é uma espécie vegetal do tipo forragem que é muito boa para ser usada para fazer a forragem de bosques e outras áreas que sejam sombreadas ou semi-sombreadas do jardim.

A Maranta-cinza pode ser cultivada para formação de maciços, formando uma interessante área, sendo muito valorizada pelo paisagismo.

Quando é combinada em maciços de outras espécies da família das marantáceas ou mesmo com outros tipos de forragens apropriadas para a sombra, ela dá mais vida aos espaços que possuem pouca iluminação, pois nesse tipo de local (espaço com pouca iluminação) as flores não são tão cultivadas, devido a dificuldade de viver plenamente.

A espécie vegetal pode ser cultivada em jardins do tipo contemporâneos e do tipo tropicais, e também em jardins que apresentem baixa manutenção. Essa espécie vegetal pode ser cultivada em vasos, com o objetivo de decorar e adornar ambientes interiores, varandas e pátios que sejam protegidos do sol.

Ctenanthe setosa - Maranta-cinza

Multiplicação
A Maranta-cinza é uma planta que se propaga através da divisão das touceiras, e esse processo pode acontecer em todos os períodos do ano, menos no inverno.

A divisão de touceiras é uma das técnicas de reprodução vegetativa mais utilizada pelas plantas usadas para fins ornamentais.

Essa técnica consiste em cortar os rizomas da Maranta-cinza para que sejam geradas mudas capazes de formar novas plantas.

É interessante que essas mudas feitas pelos cortes nos rizomas da Maranta-cinza, elas tenham folhas e raízes, para que assim a muda germine e consiga enraizar para ter condições de se desenvolver no novo local de plantio e gerar uma nova planta.

Cachoeira-no-meio-da-floresta_1533