Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘samambaias’

As Samambaias

SAMAMBAIAS
Imagine que muito antes de existirem plantas com flores, gigantescas plantas dominavam florestas imensas e nem sequer produziam sementes. A cena existiu na verdade, há milhões de anos, quando samambaias gigantes cobriam a Terra de verde e se propagavam por meio de esporos ou pela divisão de seus rizomas. Elas são realmente muito antigas, tanto que várias das famílias das samambaias já nem existem mais.

O nome “samambaia” vem do tupi “ham ã’bae” e significa “aquele que se torce em espiral”. Seu habitat natural não são apenas bosques e florestas: algumas samambaias podem viver nas rochas, outras em penhascos à beira do mar e há aquelas que vivem na água. O certo é que ao longo destes milhões de anos, as espécies foram se adaptando a todo tipo de ambiente. Entretanto, uma característica em comum à maioria das espécies é a preferência por locais sombreados. A dica é importante para quem quer ter sucesso no cultivo destas plantas: se conseguirmos reproduzir em casa as condições naturais em que elas vivem, os resultados serão bem melhores!

Das várias famílias botânicas (que sobreviveram) das samambaias, nove são mais conhecidas e a maior parte dos gêneros utilizados em paisagismo é proveniente dos trópicos, com destaque para as espécies que pertencem à família das Polipodiáceas. Aqui, vamos citar os gêneros mais famosos e algumas espécies que melhor exemplificam:

Família das Polipodiáceas
Gêneros mais conhecidos:
. Asplenium (ex: asplênio ninho-de-passarinho)
. Adiantum ex: avencas)
. Davallia (ex: renda-portuguesa)
. Nephrolepsis (ex: paulistinha)
. Polypodium (ex: samambaia-de-metro, do amazonas, etc.)
. Pteris (samambaia-prata)

Família das Equisetáceas
Gênero mais conhecido:
.
Equisetum (ex: cavalinha)

Família das Equizeáceas
Gênero mais conhecido:
.
Lygodium (ex: samambaia-trepadeira)

Família das Ciateáceas
Gêneros mais conhecidos:
. Cyathea e Alsophila (ex: samambaiaçús)

Família das Dicksoniáceas
Gênero mais conhecido:
.
- Dicksonia (ex: Dicksonia sellowianna, usada na fabricação de xaxins)

Multiplicando as formas
As nove principais famílias botânicas reúnem cerca de 10 mil espécies de samambaias, oferecendo uma enorme variedade de tamanhos e formas, lembrando rendas, chifres, espinhas de peixe, etc.

Multiplicar estas maravilhas da natureza pode render novos e belos exemplares. Como já foi explicado, são dois os processos de reprodução das samambaias: vegetativo e por esporos. A multiplicação por esporos é bem mais complicada e exige conhecimento e técnica. Por essa razão, vamos nos concentrar na propagação vegetativa – mais simples, que pode ser feita por qualquer “aprendiz de jardineiro”:

* Divisão de touceiras:
Um vaso bem cheio pode render boas mudas. Comece retirando a planta do vaso, com muito cuidado para não machucá-la, soltando todo o torrão. Vá manipulando o torrão delicadamente, soltando a terra, até localizar as touceiras. Aí é só separá-las e plantá-las em seus novos recipientes. Aproveite para limpar as mudas, retirando os ramos secos e as folhas da base.

* Divisão de rizomas:
É o sistema usado para multiplicar espécies como renda-portuguesa (Davallia) e samambaia-amazônica (Polypodium). Quando a planta produzir aquela “rede de rizomas excedentes”, retire-os cortando com um canivete ou tesoura bem afiados. Observe que os rizomas devem ter pelo menos duas gemas (são os pontos de crescimento, onde nascerão as mudas). Plante os rizomas (com cerca de 10 cm) nos novos vasos, já com terra preparada, sem enterrá-los, coloque-os obliquamente.

* Extração de mudas:
Este método é usado para as variedades conhecidas como chifre-de-veado (do gênero Platycerium). Elas geram brotações ou filhotes, que surgem nas paredes dos vasos e nas placas de xaxim. Para retirar estes filhotes, é preciso esperar que a muda comece a soltar as primeiras folhinhas compridas. Usando um canivete bem afiado, recorte o pedaço de xaxim onde está a muda e plante no novo local. Para dar maior firmeza, pode-se prender a plaquinha com a muda usando um pedaço de arame ou ráfia.

Dicas de Cultivo
.
A maior parte das espécies preferem ambientes sombreados. Cantinhos úmidos e sombreados no jardim são ótimos locais.
. O vento é um dos maiores inimigos das samambaias, causando “queima” das folhas mais jovens e perda de água por evaporação.
. Samambaias não gostam de alterações de lugar, pois elas acostumam-se com a luminosidade, temperatura e umidade local, podendo definhar e até morrer com as mudanças.
. A mistura de terra para cultivo deve ter um pouco de pó de xaxim ou composto orgânico bem curtido. Para a maioria das espécies a seguinte mistura vai bem: 1 parte de terra, 2 partes de composto orgânico ou pó de xaxim e 1 parte de areia grossa.
. Recomenda-se manter o solo sempre úmido, mas cuidado com os excessos: nada de encharcar.
. Normalmente as samambaias são cultivadas em xaxins, que retêm mais a umidade e permitem que as raízes respirem melhor. Atualmente, temos a opção dos vasos e placas feitos com fibra de coco – que substituem o xaxim, preservando a Dicksonia sellowianna, em vias de extinção.
. A limpeza da planta é importante: aproveite para eliminar ramos secos ou doentes.
. Uma vez por mês, pode-se aplicar fertilizante específico para samambaias, seguindo as orientações do fabricante.

Fora com as pragas
As samambaias são pouco atacadas por pragas, mas podem ocorrer tatuzinhos, lesmas e pulgões. O ideal é evitar o uso de inseticidas.

jardim

renda

A delicadeza da renda-portuguesa faz esta samambaia ser uma das preferidas por quem curte plantas. Da família das Polipodiáceas, pertencente ao gênero Dasvallia, é uma planta que, quando bem tratada, seduz por sua beleza e robustez.

Ideal para locais sombreados, vai muito bem em interiores ou na área externa (com sombra).

Multiplicá-la em novas mudas é muito mais fácil do que se imagina, por seus rizomas (caules) ficarem aéreos. É possível a partir de um “vaso cheio”, realizar novas mudas. Assim, você verá passo a passo, como prepará-las.

Aliás, um vaso de planta cultivado por você mesmo é uma ótima opção para presentear uma pessoa especial!

Material necessário
* Um vaso “pronto” para retirar a muda (você perceberá que ele está carregado de rizomas)
*
* Tesoura afiada
* Terra orgânica
* Areia
* Cacos de telha
* Vaso – dê preferência por xaxim, mas pode ser colocado em um vaso de cerâmica pequeno até a muda “pegar”.

1. Opte por um rizoma que tenha pelo menos duas gemas ou “olho”, pois é delas que sairão as novas mudas. Corte o rizoma escolhido e deixe-o de lado.

2. Prepare o vaso que vai receber a muda, jogando cacos de telha para melhor drenagem da água nas regas.

3. Coloque a terra orgânica até metade do vaso. Jogue por cima, areia, para que assim não fique compactada e novamente coloque a terra. Misture levemente esta camada.

4. Coloque o rizoma sobre a terra tendo o cuidado de não enterrá-lo, deixando-o de forma inclinada. Pulverize com a terra orgânica, de modo a cobri-lo levemente.

5. Com as pontas dos dedos, pressione a terra que está em volta da muda (rizoma).

6. Pronto! Você já está com uma nova muda de renda-portuguesa.

Dicas:
* Evite deixar o seu vaso de renda portuguesa em locais onde haja vento; suas folhas ficam “queimadas e amareladas”;
* A renda-portuguesa se adapta perfeitamente em banheiros por causa do vapor do chuveiro;
* Mantenha o seu vaso sempre úmido, mas não se esqueça de não deixar água parada no pratinho, a dengue continua rondando a família brasileira!
* Para que o vaso fique sempre bonito, retire manualmente os ramos secos e fique de olho em tatuzinhos e lesmas, retirando-os também manualmente.

buque-de-rosas

Polipodium Punctatum Thumb
Nome Científico: Polipodium Punctatum Thumb
Nome Popular: Trepadeira Ninho de Passarinho
Origem: África do Sul, Nova Guiné
Ciclo de Vida: Perene

Samambaia, herbácea, rizomatosa, originária da África do Sul e Nova Guine, com 40 a 60 cm de altura, de folhas longas sem pecíolo, espessas, carnosas, com a extremidade dividida em forma de cristas, com as margens onduladas, irregularmente, de aspecto incomum.

Há uma variedade de folhas verde-amareladas. Cultivada em vasos mantidos em lugares protegidos e em canteiros a meia sombra, contendo substrato enriquecido de matéria orgânica, de boa drenagem, e mantida umidecida  periodicamente.

Também pode ser plantada em jardineiras ou diretamente no solo, desde que em regiões úmidas e a meia sombra. Multiplica-se com relativa facilidade por divisão da planta.  As mudas  separadas devem ser enraizadas em ambiente quente e úmido (estufas).

flor39

Phymatodes Scolopendria
Nome Científico: Phymatodes Scolopendria
Nome Popular: Samambaia-jamaica
Família: Polypodiaceae.
Origem: Índia
Ciclo de Vida: Perene

Samambaia herbácea, rizomatosa, ereta da Índia, com 20 a 30 cm de altura, dotada de rizomas com aspecto de cera e textura de arame, finos, verdes, com pelos escuros e rijos.

Folhas eretas, rijas, com folíolos coriáceos de cor verde-esmeralda. É cultivada em vasos ou suportes de xaxim para ser pendurada ou deixada sobre mesas ou bancadas, sempre a meia sombra e bem suprida de umidade. Também pode ser afixada provisoriamente sobre pedaços de vasos de fibra de coco e posteriormente ser colocada sobre árvores ou palmeiras.

De boa rusticidade, porém muito suscetível a invernos frios. Multiplica-se por divisão dos rizomas em segmentos com gemas e plantados em esfragno ou de xaxim e irrigados com freqüência.

Trata-se de um exemplar muito ornamental, que ao ser aplicado em troncos de árvores da um contraste muito especial no paisagismo.

margaridinha-rosa