Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘samambaias’

Nephrolepis exaltata

Nome científico: Nephrolepis exaltada
Nomes populares: samambaia-amaericana, samambaia-de-Boston, samambaia-espada
Origem: EUA
Porte: médio, de 40 a 60 cm
Flores: sem valor ornamental
Cultivo: em vasos e jardineiras
Solo: rico em húmus
Clima: quente e úmido
Luminosidade: meia-sombra
Irrigação: frequente
Dificuldade de cultivo: requer cuidados, pois tem a facilidade em pegar fungos
Adubação: mensalmente com NPK rico em N

Esta espécie é resultado de um trabalho genético de melhoramento realizado na cidade de Boston, nos Estados Unidos. Sua comercialização já é bsatante difundida e a multiplicação deve ser feita preferencialmente no final do Inverno, deixando o exemplar em ambiente úmido, sob proteção.

22

Platycerium superbum

A maioria das espécies da samambaia Platycerium vive nas Regiões Tropicais do Brasil, o seu cultivo é relativamente fácil devido ao clima que é bem favorável, parecendo muito com o habitat onde vivem.
São plantas extremamente exóticas, chamando sempre muita atenção aonde se encontra, pode ser cultivada em varandas, jardim de inverno, em qualquer local onde tenha bastante luminosidade, planta-se também em troncos de árvores ou em vasos. Na natureza ela tem como suporte os troncos das árvores, são consideradas verdadeiras epífitas. Tanto na natureza como em cultivo doméstico o seu crescimento é bem lento, possuindo uma fase de crescimento geralmente no começo da primavera e outra de repouso sempre no inverno.

Água
De modo geral o ideal é deixar o substrato sempre meio úmido, mas não encharcado, pois isso poderá favorecer o apodrecimento da raiz e conseqüentemente a morte da planta. Muitas pessoas cultivam com sucesso, sempre deixando secar o substrato para depois molhar novamente. Eu particularmente deixo o substrato sempre úmido, principalmente na faze de crescimento, diminuindo bastante a rega na época do inverno. Na natureza muitas espécies têm uma estação molhada e outra seca bastante pronunciada, mas fica difícil em cultivo tentar dar estas condições, o ideal é diminuir a rega quando observar que o crescimento vegetativo parou.

Temperatura
A maioria das espécies vivem bem em temperatura entre 30 a 21ºC que é o ideal , mas no inverno podem agüentar temperatura até abaixo de 10ºC, algumas espécies até 0ºC sem qualquer efeito prejudicial. O mais sensível ao frio é o Platycerium ridleyi, que agüenta temperatura mínima em torno de 10ºC.

Luminosidade
As samambaias Platycerium gostam de áreas bem iluminadas, mas nunca sol direto, que pode provocar queimaduras nas folhas, o ideal é em torno de 70 a 60% de sombreamento. A única espécie que quando bem adaptado pode receber sol direto é o Platycerium veitchii, na natureza vive em blocos de rochas onde recebe luz solar o dia todo. Todas as espécies apreciam uma boa ventilação, quase todas as espécies em seu habitat natural vivem no alto das arvores, recebendo sempre uma leve brisa.

Umidade
Todos os Platycerium vão bem quando cultivadas em local de umidade alta, em torno de 60% é o ideal, mas muitos cultivam em locais com nível de umidade bastante baixo, tendo também grande sucesso no seu cultivo. Mas algumas espécies são bem exigentes quanto a esse requisito.

Meio de crescimento
Como são plantas epífitas, elas crescem em meio orgânico, na natureza elas vivem grudadas nos troncos das árvores e retiram seu nutriente através da decomposição das folhas, galhos que caem atrás das folhas de proteção. O ideal são as placas de xaxim, mas como estas samambaias arbóreas estão em via de extinção, podemos usar outros materiais. Muitas pessoas principalmente na Europa e EUA, plantam os Platycerium em tabuas de madeiras, usando como substrato o sphagnum, este é um musgo muito usado na floricultura, pois retém bastante umidade. Atualmente estou cultivando desse modo, obtendo bons resultados, também podem ser usado pedaço do tronco de árvores já seco, dando um efeito visual muito bonito.

Adubação
O ideal é usar adubo líquido, misturando com a água de regar, pelo menos uma vez ao mês, o sphagnum praticamente não tem nenhum nutriente por isso é importante o uso de adubo para um bom desenvolvimento. Muitos usam a dosagem NPK 20-20-20, atualmente também esta sendo muito usado um adubo de liberação lenta, Osmocote, que são bolinhas cheias de adubo que vai sendo liberado lentamente. Resumidamente, pode se dizer que os Platycerium são plantas muito versáteis e pouco exigentes, dando sempre um bonito visual em qualquer lugar que ela esteja presente.

natureza

Platyccerium,

Há milhões de anos atrás, samambaias enormes dominaram florestas imensas, muito antes de surgirem as plantas atuais. Elas não desenvolvem sementes, mas propagam-se através de esporos ou pela divisão de seus risomas. A maior parte dos gêneros utilizados em paisagismo são provenientes dos trópicos, destacando-se Adiantum, Asplenium, Polypodium, Pteris e Platyccerium, com diversos tamanhos e formas.
Foram provavelmente o primeiro grupo vegetal vascularizado. Suas características permitiram-lhes atingir maiores dimensões do que qualquer outra planta terrestre existente até então, transformando-as nas primeiras plantas a abandonar por completo o meio aquático. Entretanto, ainda necessitam de água para a reprodução.

Seu habitat pode ser tanto um vaso de xaxim (coxim) como o tronco de uma árvore, uma pedra ou mesmo o próprio solo ou a água, como as samambaias aquáticas. O sucesso no cultivo destas plantas depende da capacidade de reproduzirmos em casa as condições naturais em que estas vivem nas matas. A maior parte das espécies preferem ambientes sombreados ou à meia sombra, solo levemente úmido, rico em matéria orgânica e os substratos devem ser: areia, turfa e um composto orgânico completo de resíduos vegetais de poda e cascas de frutas, hortaliças acrescentando adubo animal de curral curtido, areia e terra).

Para as plantas do tipo chifre-de-veado (Platycerium), avencas (Adiantum), asplênios (Asplenium) e outras samambaias, a luz é fator muito importante, pois dela necessitam para fazer a fotossíntese. Mas a luz direta do sol tende a queimá-las.

Seu cultivo externo poderá ser feito sob ripados, com sombra de mais de 50%, sob árvores, em varandas com sol pela manhã.
Dentro de casa, junto a janelas sem sol direto em cima, também podemos colocá-las, de modo a que a luz solar seja coada por cortinas.

O vento é um dos seus maiores inimigos, causando “queima” das folhas mais jovens e perda de água por evaporação, ficando desfolhadas.
Locais arejados são necessários para evitar fungos, mas devem ser abrigados dos ventos fortes.

Samambaias também não gostam de alterações de lugar, pois elas acostumam-se com a luminosidade, temperatura e umidade local, podendo definhar e até morrer caso sejam mudadas. Normalmente são cultivadas em xaxim, que retêm mais a umidade e permitem que as raízes respirem melhor.

Principais pragas:
As pragas mais comuns são pulgões, cochonilhas, ácaros e lagartas que devem ser retiradas manualmente ou através de uma pinça, para evitar o uso de inseticidas.
Podem também ocorrer algumas doenças, causadas por fungos ou bactérias. Nestes casos, as folhas apresentam manchas e as raízes apodrecem, devendo-se eliminar as partes doentes.
Vários tipos de cochonilha atacam e são mais comuns na samambaia de folhas compridas, também chamada de samambaia-espada (Nephrolepis).
Para combatê-la poderemos usar o sulfato de nicotina, que é fumo deixado de molho na água, coado e aspergido, óleo de nim ou nossa receita caseira de chá de alamanda.
Insetos em geral não apreciam as samambaias.

Os cuidados em casa
*
Manter a planta em local sombreado fora do vento (evite trocá-la de lugar).

* As regas devem ser frequentes, mantendo o substrato levemente úmido, mas não encharcado. Por isto, a presença da areia no substrato é fundamental, evitando que as raízes fiquem apodrecidas.
No inverno, irrigar 1 vez por semana e, no verão, irrigar 2 a 3 vezes por semana. Em dias quentes poderemos colocar água no borrifador e passar uma nuvem sobre elas, propiciando o clima úmido de sua preferência.

*  Adubar uma vez por mês.

24

samambaia

Por muito tempo as samambaias reinaram absolutas no paisagismo de casas e apartamentos. Mas, aos poucos, foram caindo no esquecimento. Como a moda dsa roupas e da arquitetura, as plantas também têm um ciclo

Na década de 70, as samambaias de metro eram quase uma unanimidade em questão de paisagismo. Naquela época eram poucas variedades de plantas disponíveis e a samambaia reinava, porque cresce rápido e é fácil de cuidar.

Mas, com o uso massivo, a planta acabou ganhando uma fama nada favorável. Seu uso está muito associado à casa da avó ou da mãe, e isso traz um pouco de preconceito, pelo uso popular. Outra espécie que perdeu um pouco de seu prestígio pelo mesmo motivo é a espada de São Jorge, muito relacionada a simpatias.

Uso repaginado
Exatamente como acontece na moda, uma onda de “revival” está dando novo destaque à samambaia. Seja pelo apelo vintage ou ecológico, as samambaias voltam a decorar não apenas casas, mas até mesmo restaurantes, na forma de quadro vivo.

Quando um paisagista começa a usar uma planta que estava meio no esquecimento, os outros voltam a observar com outros olhos. Foi desta forma que ele tirou a samambaia do alto da parede para colocá-la em vasos. O resultado, além de visualmente interessante, aponta para o uso ecológico da planta ao descartar a necessidade do xaxim.

Por se adaptar bem em lugares altos e ter galhos longos e flexíveis, as samambaias são uma ótima opção na composição de jardins verticais. Ela cabe muito bem porque é uma espécie que, no seu estado natural, cresce em rochas e bifurcações de árvores, ou seja, sua característica de suporte é mais vertical do que horizontal.

Cuidados essenciais
Apesar da mais popular ser a samambaia de metro, o gênero conta com quase 10 mil espécies diferentes, todas com hábitos semelhantes. Entre as mais utilizadas, atualmente, estão a renda portuguesa, a paulistinha, a avenca, o asplênio, a angiopteris e a cyathea.

Todas são super rústicas e gostam mais da meia sombra. Caso contrário, amarelam. Lembrem-se que, por se tratar de plantas suspensas, as samambaias não gostam de substratos encharcados.

Apesar de ser uma espécie mais singela, a samambaia também necessita de adubação. O que é ornamental na samambaia não é a flor, mas a folha, que gosta de nitrogênio. Então, o recomendado é sempre usar um adubo nitrogenado.

flor63