Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘samambaias’

Polipodium Punctatum Thumb
Nome Científico: Polipodium Punctatum Thumb
Nome Popular: Trepadeira Ninho de Passarinho
Origem: África do Sul, Nova Guiné
Ciclo de Vida: Perene

Samambaia, herbácea, rizomatosa, originária da África do Sul e Nova Guine, com 40 a 60 cm de altura, de folhas longas sem pecíolo, espessas, carnosas, com a extremidade dividida em forma de cristas, com as margens onduladas, irregularmente, de aspecto incomum.

Há uma variedade de folhas verde-amareladas. Cultivada em vasos mantidos em lugares protegidos e em canteiros a meia sombra, contendo substrato enriquecido de matéria orgânica, de boa drenagem, e mantida umidecida  periodicamente.

Também pode ser plantada em jardineiras ou diretamente no solo, desde que em regiões úmidas e a meia sombra. Multiplica-se com relativa facilidade por divisão da planta.  As mudas  separadas devem ser enraizadas em ambiente quente e úmido (estufas).

flor39

Phymatodes Scolopendria
Nome Científico: Phymatodes Scolopendria
Nome Popular: Samambaia-jamaica
Família: Polypodiaceae.
Origem: Índia
Ciclo de Vida: Perene

Samambaia herbácea, rizomatosa, ereta da Índia, com 20 a 30 cm de altura, dotada de rizomas com aspecto de cera e textura de arame, finos, verdes, com pelos escuros e rijos.

Folhas eretas, rijas, com folíolos coriáceos de cor verde-esmeralda. É cultivada em vasos ou suportes de xaxim para ser pendurada ou deixada sobre mesas ou bancadas, sempre a meia sombra e bem suprida de umidade. Também pode ser afixada provisoriamente sobre pedaços de vasos de fibra de coco e posteriormente ser colocada sobre árvores ou palmeiras.

De boa rusticidade, porém muito suscetível a invernos frios. Multiplica-se por divisão dos rizomas em segmentos com gemas e plantados em esfragno ou de xaxim e irrigados com freqüência.

Trata-se de um exemplar muito ornamental, que ao ser aplicado em troncos de árvores da um contraste muito especial no paisagismo.

margaridinha-rosa

Nephrolepsis

Nome Científico: Nephrolepis Polypodium
Nome Popular: Samambaia Lâmina-de-espada
Origem: Cosmopolita tropical
Ciclo de Vida: Perene

As samambaias são em geral plantas herbáceas, rizomatosas com folhas longas, subdivididas em folíolos que podem ser lisos ou rendados. De coloração verde, com diversas tonalidades, podem ser mais eretas ou mais pendentes dependo da espécie e variedade. Normalmente formam touceiras volumosas, demonstrando sua bela textura. Apresentam tamanhos muito variados, para todos os gostos e ambientes.

Luminosidade – A iluminação ideal para as samambaias em geral é a meia-sombra, salvo em algumas exceções. São plantas rústicas e que não gostam de frio. Os vasos devem ser irrigados frequentemente, porém devem ser bem drenados.

Adubação – Aplique adubo líquido de duas em duas semanas às plantas em crescimento ativo cultivadas numa mistura à base de turfa. Se a mistura for à base de terra adube de quatro em quatro semanas.

Envasamento e reenvasamento – Use uma mistura de envasar à base de turfa ou uma combinação de mistura à base de terra e de terriço de folhas em partes iguais. Quando as raízes de uma nefrolepe tiverem ocupado o vaso reenvase na Primavera, mudando a planta para um vaso do tamanho acima. Depois de atingido o vaso do tamanho máximo conveniente, retire a planta do vaso na Primavera, corte cuidadosamente algumas das raízes exteriores e volte a colocar a planta no mesmo vaso, depois de bem limpo. Junte a mistura fresca necessária.

Propagação – Propague estes fetos envasando uma pequena planta surgida na extremidade de um filamento que tenha enraizado. Use uma faca afiada para cortar o filamento a cerca de 5 cm da extremidade, separando assim a plantazinha com raízes. Plante-a num vaso de 8cm com a mistura adequada para plantas adultas e trate-a como tal. As plantas da espécie original podem também ser propagadas por esporos, mas trata-se de um processo muito lento. A propagação das variedades mais interessantes por esporos não é possível, visto nestas variedades os esporos serem estéreis.

Observações especiais – Por vezes, nas variedades muito plumosas da N. exaltata algumas frondes degeneram, tornando-se semelhantes às da espécie tipo. Corte as frondes longas que não sejam suficientemente segmentadas logo que surjam. Se lhes for permitido sobreviver, alastrarão e em breve toda a planta estará degenerada.

pássaro marrom

Samambaia

samambaia chorona

Uma das plantas mais antigas do mundo e com mais de 12 mil espécies presentes no planeta, principalmente em climas tropicais, a samambaia é uma das plantas mais populares do país , que vai bem tanto em jardins com muita umidade e sombras, quanto em vasos de chão e suspensos. Elas não produzem semente e se reproduzem por intermédio da divisão de touceiras, rizomas (caule em forma de raiz) e por esporos, ou seja, célula reprodutora que apresenta capacidade de germinação, resultando na formação de um novo indivíduo idêntico àquele que o originou. A palavra samambaia é originária da língua Tupi e significa aquele que se torce em espiral.

Os tipos mais comuns da planta são a americana, a paulistinha e a de metro. A produção destas variedades demoram, em média, sete meses no verão e nove meses no inverno até atingir o tamanho ideal de venda. A grande maioria das samambaias não suportam sol pleno, preferindo ambientes sombreados, mas com boa luminosidade. Também não gostam de mudanças de temperatura, nem de luminosidade e umidade local. O vento é um dos maiores inimigos das samambaias, podendo queimar suas folhas. Se as folhas da planta secarem é necessário retirá-las mantendo as sadias e verdes. Outro problema é o uso de água clorada para a rega que pode danificá-la. Para regar as samambaias o ideal é utilizar água de chuva ou isenta de cloro.

Entre os principais cuidados com a planta estão:
* No verão regar de 3 a 4 vezes  por semana,  no inverno irrigar de 1 a 2 vezes;
* Eliminar ramos secos e doentes;
* Evitar trocá-la de lugar;
* Se possível adubar uma vez por mês, utilizando fertilizantes específicos para samambaia.

corujinhas

Nephrolepis_sp. (Small)

Samambaia ( Nephrolepis sp., Polypodium sp., etc.) – planta perene da família das Davalliaceae, Polypodiaceae , Pteridophyta nativa de diversas áreas, principalmente tropical. As samambaias são em geral plantas herbáceas, rizomatosas com folhas longas, subdivididas em folíolos que podem ser lisos ou rendados. De coloração verde, com diversas tonalidades, podem ser mais eretas ou mais pendentes dependo da espécie e variedade. Normalmente formam touceiras volumosas, demonstrando sua bela textura. Apresentam tamanhos muito variados, para todos os gostos e ambientes. As samambaias fizeram e fazem muito sucesso na decoração de interiores, sendo uma das plantas ornamentais mais vendidas no Brasil. Comumente é plantada em vasos de xaxim, fato este condenável atualmente, devido ao perigo de extinção do xaxim.

Algumas alternativas estão sendo estudadas em substituição a este substrato, como os vasos de fibra de coco, por exemplo. No entanto, os apreciadores das samambaias e outras epífitas, afirmam que estes substratos ainda não apresentam as mesmas qualidades do xaxim. Com certeza, em pouco tempo a ciência chegará a fórmula do substrato ideal, e ecologicamente correto. Até lá, é nosso papel respeitar o xaxim e experimentar novos substratos e combinações. A iluminação ideal para as samambaias em geral é a meia-sombra, salvo em algumas exceções. São plantas rústicas e que não gostam de frio. Os vasos devem ser irrigados frequentemente, porém devem ser bem drenados.

Nephrolepis_sp. (Small)

Samambaia-paulista (Nephrolepis pectinata) – planta perene da família das Davalliaceae , Pteridophyta nativa do Chile, México, Japão e Nova Zelândia.
As samambaias paulistas são muito rústicas e podem ser plantadas diretamente no solo, à meia-sombra.
Com cerca de 40 cm de altura, e sua folhagem quase ereta, são plantas muito indicadas para forrações e para planta de corte compondo lindos buquês com flores.
É resistente ao frio e muito vigorosa, tornando-se planta invasora em muitos casos.
Como as outras samambaias, aprecia a umidade e o calor.

Pteris cretica
Samambaia-prata (Pteris cretica) – planta perene da família das Pteridaceae, Pteridophyta nativa da América Tropical.
Esta samambaia possui folhagem vistosa e delicada. Os folíolos são alongados em forma de lança, com bordas lisas, denteadas e ou onduladas. Uma das variedades mais apreciadas apresenta uma faixa central branca-prateada no centro dos pecíolos.
É uma planta bastante adequada para ambientes internos bem iluminados, seja em vasos ou em jardins de inverno.
Externamente pode ser cultivada em jardineiras, canteiros e vãos entre muros ou paredes preparadas para receber epífitas.
omo a maioria das samambaias devem ser cultivadas a meia-sombra ou sombra.
É bastante exigente em matéria orgânica e irrigação.
Não é tolerante o frio e as geadas.
Pode ser multiplicada divisão de touceiras.

cestinha-de-flores6

samambaias

Veja quais são os cuidados necessários para mantê-la sempre bonita

Pouca gente sabe, mas a samambaia que todo mundo conhece – e que marcava presença em nove de cada dez lares nos anos 80 – é apenas um dos muitos tipos desta planta. Essa, a mais famosa, é a chamada samambaia de metro. Outras, conhecidas como avenca, chifre-de-veado, renda portuguesa e renda francesa são também samambaias.

Depois de anos esquecida e até mesmo considerada por muitos como algo kitch na decoração (se é que podemos falar em moda quando o assunto são as plantas), ela volta a figurar em projetos de paisagismo contemporâneos, em especial nos jardins verticais.

A samambaia é um dos primeiros DNAs da Terra. Junto com os musgos, são as plantas mais antigas do planeta. Há anos, voltei a usá-las em jardins verticais não só por sua textura maravilhosa, mas porque de fato trata-se de um clássico, em especial as de metro.

Segundo a paisagista, a palavra samambaia significa, do tupi-guarani, aquilo que se desenrola no próprio tronco.

Houve época em que jardins impecáveis exibiam rendas portuguesas gigantes forrando o gramado, enquanto as samambaias de metro se despencavam de seus xaxins presos no teto com suas pontas chegando quase a tocar o chão. Hoje, elas estão reconquistando seu espaço, com sua linda gama de verdes.

O chifre-de-veado, preso a um painel de fibra de coco, é outro exemplar de samambaia. Este também pertence a Maricy Pissinatti

Xaxim, não. Coxim!
O xaxim – onde as samambaias eram normalmente plantadas – tem origem em uma variedade nativa da própria planta, a samambaiaçu.
O xaxim era o substrato excelente para as samambaias, porque lhes fornecia os nutrientes necessários. Mas, atualmente, está proibida a venda, em função da sua extração indiscriminada na Mata Atlântica, levando quase à extinção.

Assim, a saída encontrada por botânicos e agrônomos foi utilizar um material semelhante ao xaxim para a fabricação de vasos e painéis – empregados nos modernos jardins verticais –, que hoje em dia são feitos com fibra de coco. É o chamado coxim.

O aspecto é parecido, porém a fibra de coco não é um substrato tão bom quanto o xaxim. Portanto, as plantas colocadas em vasos ou placas de fibra de coco devem ser sempre acrescidas de um substrato com terra adubada, orienta a paisagista.

Cuide bem da sua samambaia

- As samambaias normalmente gostam de meia sombra e de ambientes úmidos. reproduzindo o habitat na Mata Atlântica.

- Elas não podem ficar expostas ao sol, caso contrário amarelam totalmente. Se for o caso, que seja o sol da manhã, mas de forma indireta.

- As samambaias gostam de ficar sob um terraço, uma árvore, sempre à meia sombra.

- A rega pode ser feita três vezes por semana, no mínimo. Mas tudo depende da estação do ano. No verão, a água evapora mais rápido, então é preciso regá-la mais. No inverno, a umidade permanece na planta, então pode-se regar menos. O importante é manter o vaso sempre úmido.

- A samambaia de metro ou a amazônica devem ficar penduradas em vasos ou placas de fibra de coco. Já as rendas portuguesas e outras samambaias que não ficam pendentes podem ser plantadas na terra, em canteiros, mas em locais sombreados.

- Esse tipo de planta se desenvolve bem em regiões quentes e úmidas, como a Mata Atlântica.

- Uma muda dessa planta precisa de espaço para crescer. A de metro, como o nome já diz, fica imensa.

- Samambaias devem ser totalmente podadas no inverno. Assim, elas brotam em dobro na primavera.

- Para mantê-las saudáveis, deve-se usar adubos nitrogenados, que favorecem as folhas, além de inseticidas contra pulgões e cochonilhas.

plantas13

platycerium wallichii

A maioria das espécies da Samambaia Platycerium é de fácil cultivo

A maioria das espécies da samambaia Platycerium vive nas Regiões Tropicais, aqui no Brasil o seu cultivo é relativamente fácil devido ao clima que é bem favorável, parecendo muito com o habitat onde vivem.

São plantas extremamente exóticas, chamando sempre muita atenção aonde se encontra, pode ser cultivada em varandas, jardim de inverno, em qualquer local onde tenha bastante luminosidade, planta-se também em troncos de árvores ou em vasos. Na natureza ela tem como suporte os troncos das árvores, são consideradas verdadeiras epífitas. Tanto na natureza como em cultivo doméstico o seu crescimento é bem lento, possuindo uma fase de crescimento geralmente no começo da primavera e outra de repouso sempre no inverno.

Água
De modo geral o ideal é deixar o substrato sempre meio úmido, mas não encharcado, pois isso poderá favorecer o apodrecimento da raiz e conseqüentemente a morte da planta. Muitas pessoas cultivam com sucesso, sempre deixando secar o substrato para depois molhar novamente. Eu particularmente deixo o substrato sempre úmido, principalmente na faze de crescimento, diminuindo bastante a rega na época do inverno. Na natureza muitas espécies têm uma estação molhada e outra seca bastante pronunciada, mas fica difícil em cultivo tentar dar estas condições, o ideal é diminuir a rega quando observar que o crescimento vegetativo parou.

Temperatura
A maioria das espécies vivem bem em temperatura entre 30 a 21ºC que é o ideal, mas no inverno podem agüentar temperatura até abaixo de 10ºC, algumas espécies até 0ºC sem qualquer efeito prejudicial. O mais sensível ao frio é o Platycerium ridleyi, que agüenta temperatura mínima em torno de 10ºC.

Luminosidade
As samambaias Platycerium gostam de áreas bem iluminadas, mas nunca sol direto, que pode provocar queimaduras nas folhas, o ideal é em torno de 70 a 60% de sombreamento. A única espécie que quando bem adaptado pode receber sol direto é o Platycerium veitchii, na natureza vive em blocos de rochas onde recebe luz solar o dia todo. Todas as espécies apreciam uma boa ventilação, quase todas as espécies em seu habitat natural vivem no alto das arvores, recebendo sempre uma leve brisa.

Umidade
Todos os Platycerium vão bem quando cultivadas em local de umidade alta, em torno de 60% é o ideal, mas muitos cultivam em locais com nível de umidade bastante baixo, tendo também grande sucesso no seu cultivo. Mas algumas espécies são bem exigentes quanto a esse requisito.

Meio de crescimento
Como são plantas epífitas, elas crescem em meio orgânico, na natureza elas vivem grudadas nos troncos das árvores e retiram seu nutriente através da decomposição das folhas, galhos que caem atrás das folhas de proteção. O ideal são as placas de xaxim, mas como estas samambaias arbóreas estão em via de extinção, podemos usar outros materiais. Muitas pessoas principalmente na Europa e EUA, plantam os Platycerium em tabuas de madeiras, usando como substrato o sphagnum, este é um musgo muito usado na floricultura, pois retém bastante umidade. Atualmente estou cultivando desse modo, obtendo bons resultados, também podem ser usado pedaço do tronco de árvores já seco, dando um efeito visual muito bonito.

Adubação
O ideal é usar adubo líquido, misturando com a água de regar, pelo menos uma vez ao mês, o sphagnum praticamente não tem nenhum nutriente por isso é importante o uso de adubo para um bom desenvolvimento. Muitos usam a dosagem NPK 20-20-20, atualmente também esta sendo muito usado um adubo de liberação lenta, Osmocote, que são bolinhas cheias de adubo que vai sendo liberado lentamente, Resumidamente, pode se dizer que os Platycerium são plantas muito versáteis e pouco exigentes, dando sempre um bonito visual em qualquer lugar que ela esteja presente.

beijaflor

Lecanopteris

São conhecidos como Planta Formiga, Samambaia Formiga e Antiferns

Lecanopteris são Samambaias (Fetos) Pré-históricas da Família Polypodiaceae, são epífitas habitam o Sudeste Asiático até Nova Guiné, são plantas raras mesmo em seus habitat, vivem em ambientes com alta umidade, as Florestas Tropicais do Sudeste Asiático, local que chovem muito.
Samambaias do gênero Lecanopteris são conhecidas como planta formiga, samambaia formiga, possui forma bizarra, a maioria das espécies tem o rizoma cavernoso e oco, onde na natureza são habitadas por formigas vivendo em mutualismo com a planta, ambos se beneficiam, a formiga arrumam um lugar seco para viver , e a planta retira os nutrientes dos materiais deteriorados que as formigas acumulam dentro da planta, essa teoria foi estudada e provada através de testes com material radioativo usado nos estudo, onde a planta absorveram esses nutrientes deixados pelas formigas.

Estas plantas atualmente fazem bastante sucesso, e são muito procurados pelos Europeus e nos EUA, por serem samambaias de pequeno porte e de formas bem diferentes das samambaias tradicionais, ocupando pequeno espaço para o seu cultivo. São de tamanho moderado, o rizoma é rasteiro ou bulboso, pouco ou bem ramificado e na maioria da espécie é cavernoso, a folha é simples ou ramificada. Atualmente são conhecidas 13 espécies, as mais conhecidas são, Lecanopteris sinuosa, L. pumila ,L. mirabilis, L .spinosa, L luzonensis, L. carnosa, L. crustacea, L .celebica, L. deparioides, L. lomarioides, L. balgooyi.

.curtisii

Lecanopteris curtisii é bem parecido com o Lecanopteris deparioides, alguns acham que são a mesma espécie, possuem coloração azul esverdeado, é um dos mais belos devido a sua coloração, habitam as florestas úmidas da Indonésia e Malásia.

.lomarioide

Lecanopteris lomarioides, os rizomas são densamente cobertos por placas, de crescimento irregular, é o mais vistoso de todas as espécies de Lecanopteris, ainda muito raro em cultivo, habitam as florestas úmidas da Indonésia e Malásia.

.luzonensis

Lecanopteris luzonensis, esta samambaia formiga é bem parecida com L.carnosa, mas de tamanho maior, seu rizoma parecem que foi passado cera, parte nova tem coloração verde e gradativamente tornam escuro, quase preto, habita a Ilha de Luzon, na Filipinas.

.mirabilis

Lecanopteris mirabilis, é um dos mais bonito Lecanopteris, é bem diferente , não possui rizoma oco, é a unica da espécie que não tem o rizoma cavernoso, o rizoma é achatado, parecendo placas que sobrepõem formando túneis onde são habitados por formigas, habitam as florestas úmidas da Indonésia e Malásia.

carnosat

Lecanopteris carnosa, esta espécie é a menor da espécie, muito parecida com Lecanopteris luzonensis e Lecanopteris pumila, todas as três espécie possuem rizoma rastejante e parece que foi passado um cera, quando o rizoma envelhece ficam escuros, quase preto, habita somente a Ilha de Sulawesi na Indonésia

celebica

Lecanopteris celebica, esta samambaia possuem rizoma irregular de coloração verde, as áreas velhas embora ainda viva fica com uma coloração castanho, bastante raro em cultivo, habitam floresta da Indonésia e Malásia.

crustaceat

Lecanopteris crustacea, o rizoma são cobertos por placas e crescem por toda direção, é um dos mais fáceis de cultivar habitam florestas úmidas da Indonésia e Malásia.

deparioidest

Lecanopteris deparioides, é muito parecido com o L.curtissii possuem coloração azul esverdeado e parece que foi passado uma cera, rizoma rastejante, habita floresta úmidas da Indonésia e Malásia.

pumila

Lecanopteris pumila, é outra espécie epífita que habitam as florestas úmidas da Indonésia e Malásia, possuem rizoma igual do Lecanopteris luzonensis, um pouco maior em tamanho, a parte velha tornam escuro quase preto, sua cultura é bastante fácil.

sinuosa
Lecanopteris sinuosa
, o rizoma são ramificados e finos é um dos mais fáceis de se cultivar, são pouco exigentes, a sua dispersão geográfica é bem grande , Malásia peninsular a Taiwan e até a Península de York na Austrália, tem crescimento rápido é o mais tolerante a alta temperatura.

spinosa

Lecanopteris spinosa, é o menos conhecida da espécie, rarissima em cultivo, habitam florestas úmidas da Indonésia e Malásia.

Cultivo – Devemos cultivar estas espécies, em local onde o grau de umidade elevado em torno de 70%, pode se deixar o vaso em um pratinho com água para manter a umidade e uma boa ventilação.
Substrato: Aqui no Brasil o substrato mais fácil de adquirir é o musgo sphagnum já seco, também uma mistura do musgo com pó de coco na proporção de 1:1 é um ótimo substrato, deve estar sempre úmido nunca deixar secar totalmente.
Temperatura:
Gosta de ambiente com temperatura em torno de 24 a 27ºC.
Luz: Estas samambaia formiga gosta de luminosidade média em torno de 30% de luz, cultivadores europeus, usam luz artificial (tubo de luz fluorescente), obtendo bastante sucesso .
Água: Nunca deve deixar o substrato secar totalmente, usar pelo menos uma vez ao mês um adubo líquido, os Lecanopteris respondem muito bem ao adubo, fortalecendo o seu crescimento, isto substitui os nutrientes que a planta estaria retirando da sobra de detritos deixados pela formiga, como ocorre na natureza, muito usado é o adubo osmocote que são bolinhas cheio de adubo, que liberam os nutrientes lentamente.

borboletinhas


samambaia

Febre nos anos 80, a exótica planta ressurge com destaque em modernos projetos de paisagismo.

Pouca gente sabe, mas a samambaia que todo mundo conhece – e que marcava presença em nove de cada dez lares nos anos 80 – é apenas um dos muitos tipos desta planta. A mais famosa, é a chamada samambaia de metro. Outras, conhecidas como avenca, chifre-de-veado, renda portuguesa e renda francesa são também samambaias.

Depois de anos esquecida e até mesmo considerada por muitos como algo kitch na decoração (se é que podemos falar em moda quando o assunto são as plantas), ela volta a figurar em projetos de paisagismo contemporâneos, em especial nos jardins verticais.

A samambaia é um dos primeiros DNAs da Terra. Junto com os musgos, são as plantas mais antigas do planeta. Há anos, voltei a usá-las em jardins verticais não só por sua textura maravilhosa, mas porque de fato trata-se de um clássico, em especial as de metro.

A palavra samambaia significa, do tupi-guarani, “aquilo que se desenrola no próprio tronco”.
Houve época em que jardins impecáveis exibiam rendas portuguesas gigantes forrando o gramado, enquanto as samambaias de metro se despencavam de seus xaxins presos no teto com suas pontas chegando quase a tocar o chão. Hoje, elas estão reconquistando seu espaço, com sua linda gama de verdes.

Xaxim, não. Coxim!
O xaxim – onde as samambaias eram normalmente plantadas – tem origem em uma variedade nativa da própria planta, a samambaiaçu.
O xaxim era o substrato excelente para as samambaias, porque lhes fornecia os nutrientes necessários. Mas, atualmente, está proibida a venda, em função da sua extração indiscriminada na Mata Atlântica, levando quase à extinção.
Assim, a saída encontrada por botânicos e agrônomos foi utilizar um material semelhante ao xaxim para a fabricação de vasos e painéis – empregados nos modernos jardins verticais –, que hoje em dia são feitos com fibra de coco. É o chamado coxim.
O aspecto é parecido, porém a fibra de coco não é um substrato tão bom quanto o xaxim. Portanto, as plantas colocadas em vasos ou placas de fibra de coco devem ser sempre acrescidas de um substrato com terra adubada.

Cuide bem da sua samambaia
- As samambaias normalmente gostam de meia sombra e de ambientes úmidos, reproduzindo o habitat na Mata Atlântica;
- Elas não podem ficar expostas ao sol, caso contrário amarelam totalmente. Se for o caso, que seja o sol da manhã, mas de forma indireta;
- As samambaias gostam de ficar sob um terraço, uma árvore, sempre à meia sombra;
- A rega pode ser feita três vezes por semana, no mínimo. Mas tudo depende da estação do ano. No verão, a água evapora mais rápido, então é preciso regá-la mais. No inverno, a umidade permanece na planta, então pode-se regar menos. O importante é manter o vaso sempre úmido;
- A samambaia de metro ou a amazônica devem ficar penduradas em vasos ou placas de fibra de coco. Já as rendas portuguesas e outras samambaias que não ficam pendentes podem ser plantadas na terra, em canteiros, mas em locais sombreados;
- Esse tipo de planta se desenvolve bem em regiões quentes e úmidas, como a Mata Atlântica;
- Uma muda dessa planta precisa de espaço para crescer. A de metro, como o nome já diz, fica imensa;
- Samambaias devem ser totalmente podadas no inverno. Assim, elas brotam em dobro na primavera;
- Para mantê-las saudáveis, deve-se usar adubos nitrogenados, que favorecem as folhas, além de inseticidas contra pulgões e cochonilhas.

dicksonia sellowiana xaxim

Origem: Brasil
Seu cultivo pode ser isolado ou em grupos em jardins amplos. Deve ser cultivada em solo bem úmido e bem enriquecido com matéria orgânica
Aprecia o clima quente e úmido e pode ser plantada à meia sombra ou pleno sol
A irrigação deve ser frequente e abundante desde que o solo seja bem drenado.
Fácil de ser cultivada mas não suporta ventos fortes
Adubação: use mensalmente matéria orgânica
Curiosidade: suas folhas podem apresentar também um leve tom avermelhado. Multiplica-se através de seus esporos.

Há muito tempo o homem usufrui de recursos naturais em nosso planeta Terra de maneira não sustentável.

A Dicksonia Sellowiana é uma planta nativa da Mata Atlântica, conhecida popularmente como Samambaia-açu, cujo tronco se extrai o Xaxim, utilizado na fabricação de vasos e substratos , está na lista oficial das espécies brasileiras ameaçadas de extinção pelo corte indiscriminado e comércio indevido. Em 2001, uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente – passou a proibir a extração dessa espécie vegetal, nos estados do Sul do país, em especial, Santa Catarina, local de maior ocorrência dessa exploração.

Seu crescimento é muito lento, geralmente entre 5 a 8 cm por ano e estima-se que para  produzir um vaso de 50cm de diâmetro é necessário extrair uma planta com idade mínima de 50 anos.

Devido a sua singular beleza costuma ser utilizada na ornamentação de jardins, mas suas mudas devem ser sempre originárias de plantas cultivadas e não extraídas do ambiente natural.
Com a consciência de que é preciso preservar esta espécie, o coxim é o primeiro vaso de fibra de coco do Brasil, um produto orgânico, 100% natural, biodegradável, que vem substituir o Xaxim para deixá-lo intacto na Mata Atlântica.

flowers39