Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘palmeiras’

pata de elefante

A pata de elefante é considerada pelos jardineiros e paisagistas uma planta arbustiva muito semelhante às palmeiras. Em sua fase adulta podem alcançar de 3 a 5 m de altura, possuem um tronco ornamental e uma raiz extremamente larga para que possa armazenar água, o que dá a ela a principal característica que a difere das palmeiras, além de ser capaz de sobreviver por um longo período de estiagem.

Embora não possua flores muito vistosas, costuma-se cultivá-la devido suas numerosas folhas e seu caule, que devido a protuberância da área onde a planta reserva nutrientes, lembra uma pata de elefante.

É uma planta que faz muito sucesso no paisagismo de jardins, porém, tem sido usada também em vasos para a decoração de ambientes internos.

Essa planta se dá muito bem com o clima seco, além de ter uma boa resistência ao calor. Pode-se criá-la tanto em áreas internas quanto externas, apenas é necessário que se tenha o cuidado para que ela receba um pouco de luminosidade e não fique exposta a geadas prolongadas.

Se optar por plantá-la em vasos o crescimento certamente será lento e não será necessária a troca do vaso, pois ela tem a capacidade de se adaptar ao tamanho do recipiente, entretanto, deve ser plantada logo em sua fase jovem para que as raízes fiquem bem apertadas.

Após escolher o local, lembre-se que as melhores mudas são encontradas em viveiros e para um bom desenvolvimento da planta use substrato ou adubo artificial para cactos.

Acostumada a um clima tropical seco, a Beaucárnea necessita de um solo fértil, porém pouco úmido, caso contrário corre o risco do apodrecimento de suas raízes. A melhor forma de preparar o solo antes do plantio (e de mantê-lo depois) é através da adição de adubo orgânico, que é rico em nitrogênio, substância mais utilizada por essa planta, já que ela não é uma grande produtora de flores ou frutos.

Os maiores problemas em sua aparência e apodrecimento das raízes aparecem por conta das regas em excesso, afinal são plantas que absorvem toda a água para sobreviver em estações de seca e estiagem e, por conta disso, não precisam ser regadas com frequência. O ideal é deixar o solo secar bem antes de regar novamente.

É uma planta que pode ficar sem ser regada por até um mês seguido e o indicado é cultivá-la em um solo mais seco, que não deixe a planta suscetível ao apodrecimento da raiz.

É aconselhável a compra de mudas devido ao alto índice de não brotamento das sementes se as condições não forem bem controladas, uma vez feito o plantio no solo devidamente preparado como dito acima, devemos regá-la de tempos em tempos.

Caso sua muda for muito pequena, dependendo de onde você mora é melhor plantá-la inicialmente em um vaso e mantê-lo protegido durante o inverno. Quando adulta, transfira-a para seu lugar definitivo, que pode ser um vaso grande ou no jardim.

É uma planta que possui longevidade, podendo chegar até os 300 anos, desde que seja cultivada em condições ideais para o seu crescimento e desenvolvimento

jjo5f9

buriti_inteiro

Nome Popular: Buriti, buritizeiro, palmeira-dos-brejos, carandá-guaçu
Família: Arecaceae
Divisão: Magnoliophyta
Origem: América do Sul
Ciclo de Vida: Perene

Nas regiões onde ocorre, o buriti é a planta mais importante entre todas as outras palmeiras. É abundante no Cerrado e um indicativo infalível da existência de água na região. Como o Cerrado é rico em água, lá estão os Buritis, emoldurando as veredas, riachos e cachoeiras, inseridos nos brejos e nascentes. A relação com a água não é à toa. Ao caírem nos riachos, os frutos de seus generosos cachos são transportados pela água, ajudando a dispersar a espécie em toda a região.

Na natureza, tudo funciona na base da cooperação mútua. Os buritis também embelezam a paisagem do Cerrado e são fonte de inspiração para a literatura, a poesia, a música e as artes visuais.
Os cachos carregados de frutos e as folhas de que necessita, são apanhados lá no alto, cortados no talo com facão bem afiado para não machucar a palmeira.
Depois disso, o experiente sertanejo pula, usando as largas folhas do buriti como se fossem pára-quedas, pousando suavemente na água.

Para o homem, o buriti também é muito generoso. Seu fruto é uma fonte de alimento privilegiada, com as folhas crescidas, suas fibras e  seus brotos, pode-se fazer de tudo:  o tapiti de espremer massa de mandioca, o paneiro de empaiolar farinha, uma gradação de balaios, as esteiras, as mantas, as redes de dormir, as cordas e os abanos. Também é utilizada na cobertura de casas – telhados.
Geram fibras usadas no artesanato, tais como bolsas, tapetes, toalhas de mesa, brinquedos e bijuterias. Os talos das folhas servem para a fabricação de móveis. Além de serem leves, as mobílias feitas com o buriti são resistentes e muito bonitas.

As folhas jovens também produzem uma fibra muito fina, a “seda” do buriti, usada pelos artesãos na fabricação de peças feitas com o capim-dourado.
Do buriti, se aproveita tudo. Até o nome, emprestado a milhares de lugares, estabelecimentos e até embarcações que levam a fama da palmeira por todos os lugares.

É propagada por sementes, que perdem o poder germinativo em poucas semanas; contudo, as sementes recém-colhidas alcançam 100% de germinação, que ocorre aos 75 dias.
A produção do buriti é anual e em indivíduos femininos ocorre a cada dois anos, no final do período chuvoso.

O número de inflorescência ou de cachos com frutos varia de 5 a 7 por planta por ano, com cerca de 400 a 500 frutos por cacho.
A floração ocorre de Abril a Agosto, frutificando após 9 meses.

É uma palmeira que aprecia locais ensolarados, clima quente e necessita de terrenos ricos em matéria orgânica e levemente úmida. Para plantar, abrir uma cova grande, mais larga que funda maior que o torrão da muda.

Pode ser regada com frequência, pois ela ocorre em áreas de brejo. Colocar adubo de curral curtido, cerca de 3 litros/ cova, acrescido de adubo granulado formulação NPK 10-10-10, cerca de 300 gramas. Misturar com composto orgânico antes de colocar o torrão. Regar a cova antes do plantio.

Colocar o torrão, adicionar mais composto orgânico e colocar os tutores em número de três, amarrando com cordão de juta para manter no lugar. Regar todos os dias, inclusive o ponteiro da copa todos os dias por, pelo menos, 10 dias após o plantio. Para cultivá-lo em terreno seco deve receber muita água na sua fase juvenil.

janelas 4567

Bismarckia_nobilis_
A Palmeira-azul é da família Palmae e pode chegar até 25 m de altura e 3,5 m de diâmetro. Planta de clima tropical e subtropical que se adapta bem em solos pobres. Suas flores aparecem mais na estação da Primavera e Verão. Essa belíssima planta consegue criar frutos férteis até mesmo na ausência da planta masculina.

De uma beleza espetacular, essa palmeira exótica é muito procurada por paisagistas para suas composições. Seu efeito é escultural e impactante, tornando-se invariavelmente, um ponto focal no jardim. E o mais interessante, é que a planta jovem já é capaz deste efeito, pois sua copa é bastante ampla mesmo com pouca altura. Ideal para jardins amplos, contemporâneos ou tropicais. Também pode ser cultivada em grupos ou linhas, com excelente efeito. Para o seu desenvolvimento e apreciação, precisa de espaço de no mínimo 8 metros de diâmetro. A mesma medida deve ser tomada para espaçamento entre mudas.

Deve ser cultivada sob sol pleno, em solos bem drenáveis, enriquecidos com matéria orgânica e irrigados regularmente. Após o pleno estabelecimento é capaz de tolerar períodos de estiagem. Mesmo assim, recomenda-se a irrigação suplementar, que estimula o rápido crescimento desta espécie. Ao contrário da maioria das palmeiras, a palmeira-azul pode ser conduzida sob sol pleno mesmo que seja jovem.

Aprecia o clima tropical e o subtropical, adaptando-se a ambientes úmidos ou secos. Também suporta as geadas e o fogo, podendo ficar queimada, mas rebrotando em seguida. Pouco tolerante a transplantes depois de adulta. Prefira transplantar mudas jovens e evite ao máximo mexer nas raízes. Multiplica-se por sementes oriundas de frutos recém colhidos e despolpados, plantadas em seguida em saquinhos contendo substrato arenoso e mantido úmido. A germinação ocorre entre 6 a 8 semanas.

bird12

Palmeira Carpentaria

Esta palmeira é a única de seu gênero, nativa da zona tropical da Austrália, ela se caracteriza pela sua grande estatura, de aproximadamente vinte metros e folhas também bem grandes e elegantes.
Costuma-se utilizar essa planta para ornamentar grandes espaços próximos a grandes construções, como em jardins externos de shopping centers.

Como Cuidar
Esta é uma planta de metabolismo muito rápido, crescendo vários metros ao ano no ápice do seu desenvolvimento, logo para se tirar todo o seu potencial é interessante não deixar faltar água ou nutrientes no solo, o que pode ser obtido através de adubação antes do plantio e posteriormente de ano em ano e regas diárias.

Para evitar que o encharcamento cause a aparição de doenças, principalmente enquanto a planta ainda é jovem, aconselha-se a plantá-la em solo com um pouco de areia grossa misturada para facilitar a drenagem.

bird5