Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘palmeiras’

ravenala1

A Ravenala madagascariensis, conhecida popularmente como palmeira dos viajantes, palmeira ravenala ou árvore dos viajantes, é uma planta que atinge quase dez metros de altura e tem um aspecto muito curioso graças ao desenho formado por suas folhas, que chegam a lembrar um moinho.

Outra particularidade curiosa dessa planta nativa da ilha de Madagascar é o fato dela acumular água da chuva entre seus ramos, dai então veio seu nome popular, os viajantes procuravam muito essa árvore para poderem beber essas reservas d’água.

Por ser uma planta de clima semelhante ao brasileiro ela não sofre nenhum problema de adaptação, podendo ser cultivada diretamente sob o sol em quase todo o país, não suportando apenas o frio rigoroso de algumas regiões, como no sul.

Antes do seu plantio adicione adubo orgânico e areia grossa ao solo, reforçando a dose de adubo semestralmente, para que assim a planta desfrute de um solo rico em nitrogênio e de boa drenagem. Irrigue-a regularmente, evitando passar mais que alguns dias sem dar-lhe água pois essa planta é muito sensível à seca.

jane1

cariota-de-espinho

Nome Científico: Aiphanes aculeata
Família: Arecaceae (ou Palmae)
Origem: Brasil (é nativa do Acre)

Essa palmeira chega a ter 10 metros de altura, com espinhos pretos em todo o caule. Suas folhas são bastante ornamentais, lembrando as de uma palmeira-rabo-de-peixe. Já seus frutos são encarnados, donos de um tom próximo ao vermelho-escarlate. Dão em forma de cacho. Essa planta se propaga por sementes, geralmente na Primavera e Verão.

Sua ocorrência natural é essencialmente na Amazônia Ocidental, onde é bastante distribuída (Colômbia, Venezuela, Peru, Bolívia e Brasil). Aprecia solos bem drenados, sol pleno ou meia-sombra.

Essa árvore rara, também chamada de palmeira-corozo, pupunha-brava, pupunha e pupuminha, cresce tanto em florestas virgens como secundárias. Mas ela tem nos frutos o seu grande diferencial. Eles são encarnados e chamam bastante a atenção em contrate com suas folhas verdes. Além da beleza, são saborosos e riquíssimos em caroteno. São razões suficientes para serem apreciados e comercializados em feiras livres de vários países da região amazônica.

Por conta de sua estampa, essa palmeira também é bastante empregada em paisagismo (em parques, jardins domésticos e até canteiros centrais de avenidas). Seus frutos costumam amadurecer entre dezembro e março e caem quando atingem o “ponto ideal” para serem consumidos in natura.

27

Chamaedorea_seifrizii

A chamaedorea seifrizii, conhecida como palmeira bambu, pertence à família Arecaceae e é muito utilizada para decoração de interiores já que se adapta bem em locais com pouca luz, servindo para compor salas de estar, escritórios e outros ambientes fechados.

É uma palmeira semi herbácea rizomatosa de touceira densa ou seja, é constituída por caules finos e eretos que lhe dão uma aparência elegante, que chega a atingir a altura de 1 a 3 metros. Suas folhas possuem coloração verde escura e os caules também são verdes, mas em tons mais claros, o que dá a esta variedade de palmeira uma bela combinação de cores.

Sua inflorescência fica abaixo das folhas com ramificações na cor laranja e ocorre no inverno e no outono.

Multiplica-se por divisão de touceiras e sementes, que germinam após aproximadamente 9 meses depois do plantio. Após se formar, a muda deve ser transplantada para pequenos vasos. Precisam de 2 a 5 anos para adquirirem porte para comercialização.

A chamaedorea seifrizii gosta de solos úmidos e ricos em matéria orgânica. Mas deve-se tomar cuidado para não deixar o vaso muito encharcado, pois com o excesso de umidade as folhas começam a amarelar e cair e os novas terão um tom pálido. Lembre se de retirar as folhas secas para manter esta planta sempre bonita e charmosa.

Obs: Necessita de espaço para que a touceira possa se expandir. Distingue-se da Chamaedorea erumpens pela touceira mais rala e folíolos mais longos e finos.

bird4

Veitchia Montgomeryana (Small)
Originária das Ilhas Novas Hébridas (na Escócia) esta palmeira tropical é tolerante ao clima subtropical e temperado ameno. Plantada ao pleno sol, ela atinge de 15 a 20 m de altura.

Sua frutificação se dá nos meses da primavera e inverno e seus frutos oblongos (forma alongada) são de cor vermelha sendo muito vistosos quando maduros. Tolera também às condições salinas de regiões litorâneas.

Dentre as Veitchias, a Montgomeryana é uma das variedades com crescimento mais rápido. Seu palmito pode ser comestível, porém seu uso é mais ornamental.

É uma espécie de palmeira que está sendo bem explorada atualmente pelos paisagistas devida a sua elegância, já é possível ver o uso desta palmeira em vários condomínios e estabelecimentos comerciais. Tem caule liso, acinzentado e retilíneo, palmito grande de cor verde acinzentado e folhas retas ou levemente curvadas e uniformes, características que a diferenciam de outras palmeiras.

Seu crescimento é rápido e se adapta bem a maioria das situações de jardim em regiões tropicais e subtropicais quentes. É muito utilizada em parques e jardins em plantio isolado e em grupos.

É possível plantá-la em vasos somente quando novas com até 2 m de altura, a partir daí é conveniente a mudança para o solo.

O solo deve ter uma boa drenagem devendo ficar levemente úmido.

hands

Licuala Grandis

1 – Caule
O caule de uma palmeira é do tipo estipe, com anéis que são as cicatrizes deixadas pela bainha das folhas. São alongadas, cilíndricas ou colunares, geralmente sem ramificações, ostentando no ápice um tufo de folhas.

Existem vários tipos de caule, suas características muitas vezes, permitem o reconhecimento:
- Caule único (Palmeiras monocárpicas não ramificadas: caule simples ou solitário compreende a maioria das espécies de palmeiras;

- Caule entouceirado (Palmeiras policárpicas não ramificadas): caules múltiplos que formam touceira (arca-bambu, palmeira-de-macarthur, palmeira-laca, entre outras);

- Caule ramificado (Palmeiras ramificadas): é muito raro, o único gênero conhecido é Hyphaene, que se ramifica a semelhança de uma árvore e ocasionalmente algumas palmeiras também ramificam como areca e fênix.

Quanto à superfície do caule, podem ser lisos ou desprovidos de qualquer revestimento, com espinhos (Acromia aculeata), pêlos (Coccotrhnax crinita), revestidos de tecido fibroso (Taphis excelsia e Trachycarpus fortune).

2 – Raízes
O sistema radicular das palmeiras é fasciculado, do tipo “cabeleira”, ou seja, não possui raíz principal. Algumas espécies de mata úmida possuem raízes aéreas, que complementam o sistema radicular. Por não serem profundas, não prejudicam as estruturas de piso e parede como algumsa espécies de árvores. São ideais para ornamentar ambientes próximos às piscinas.

3 – Folhas
Podem ser pinadas ou palmadas (leque), são divididas em quatro partes:
- Bainha: parte que liga a folha ao estipe (pode envolvê-lo parcial ou totalmente):
- Pecíolo: liga a bainha ao limbo, parte livre da folha, pode ser curta ou alongada;
- Ráquis: eixo principal do limbo, onde os folíolos se inserem;
- Limbo: á a parte folhosa verde que pode ser inteira ou dividida em formas variadas.

4 – Palmito
É a região principal de crescimento da planta, sendo uma estrutura compacta protegida pela base das folhas (bainha) que, nesse local, se apresentam muito eretas e alongadas. O palmito pode ser visível ou não, no topo da palmeira. Esta é a característica que permite diferenciar a palmeira-real (Roystonea regia), da imperial (Roystenoa oleracea), a primeira tem seu palmito à msotra, a última o tem escondido pelas folhas e inflorescências. Também destacamos a palmeira-laca (Cyrtostachys renda) que se caracteriza pelo palmito extremamente vistoso de cor vermelho sangue no ápice.

5 – Ambiente
Grande parte das palmeiras é originária de regiões tropicais, algumas preferem à meia sombra, mas a maioria precisa ambientes ensolarados.

6 – Inflorescência
As flores das palmeiras não possuem valor estético. São agrupadas em uma inflorescência que recebe o nome de espádice, envolvidas por uma ou mais brácteas chamadas espatas, e podem se localizar abaixo, entre ou acima das folhas.

7 – Fruto
Conhecido como coco ou coquinho, é geralmente um fruto drupáceo carnoso, às vezes seco e fibroso. Apresenta valor ornamental e comercial, fornecem muitos produtos úteis ao homem como frutos (cocos, tâmaras), palmito, sagu, óleo, cera, fibras, material para construções rústicas, entre outros.

bird8

Palmeiras

palmeira-imperial

Este grupo de plantas com mais de 3.500 espécies, da família Arecaceae (Palmae), ´r muito utilizado no paisagismo, pois além da sua exuberância natural e de ser representante da flora tropical, é de fácil cultivo e a maioria se adapta bem a ambientes internos na fase juvenil. Além disso, são plantas de grande valor econômico, seja pela exploração comercial como, por exemplo, a extração de palmito (Euterpe edulis) e coco (Cocus nucifera) ou pelo próprio valor ornamental atribuído às mudas, em função do seu porte e espécie.

Apresentam a desvantagem de crescimento lento, além da ocorrência de desprendimento das folhas quando envelhecem. Em função disso, as palmeiras de porte médio a grande não devem ser cultivadas próximas à fiações ou construções.

As palmeiras podem ser mantidas em vasos, dependendo da espécie. As plantas, mesmo adultas, podem ser transplantadas para o solo com sucesso, desde que tenham alguns cuidados sejam observados.

As palmeiras têm grande importância nos projetos paisagísticos, principalmente em função de sua forma e rusticidade. Não devem ser cultivadas associadas a árvores, pois perdem o seu efeito visual. Podem ser cultivadas isoladamente ou em grupos, sempre em posições dominantes no jardim. Quando plantadas formando aléias laterais em grandes jardins, oferecem um visual bastante atrativo. Em pequenos jardins, esse tipo de formação não deve ser utilizado, por neutralizar o “ponto de fuga”, proporcionando um visual pesado e desagradável. Em um gramado extenso, a utilização de uma única planta também não destaca, promovendo apenas um corte na paisagem, sem proporcionar harmonia ou caracterizar um ponto de desataque. O plantio de conjuntos constituídos de espécies diferentes raramente produz bom efeito, sendo mais recomendável a utilização de grupos de uma única espécie.

As palmeiras não têm função de sombreamento nem proteção contra ventos. Por não promoverem sombreamento denso, não causam problemas no desenvolvimento dos gramados, permitindo o cultivo de grama até o próximo aos seus estipes.

Apesar de não se recomendar o plantio de palmeiras de porte médio e alto junto a casas, em frente a prédios com fachada lisa, desde que haja espaço disponível, a utilização de palmeiras é interessante para oferecer proporção. Nos jardins residenciais, as palmeiras oferecem suntuosidade ao ambiente.

Existe grande número de palmeiras nativas e diversas outras exóticas, bastante adaptadas ao clima brasileiro. A escolha deve depender das características do projeto em harmonia com as características de cada espécie.

45752c8c

Pinanga-coronata

No paisagismo, as palmeiras apresentam características morfológicas vantajosas em relação às espécies arbóreas, tais como:
- Menos uso de mão-de-obra para manutenção, ou seja,eliminação de podas de condução e a queda drástica do tempo empregado com limpeza de folhas mortas. As folhas das palmeiras são grandes e demoram a cair. Quando caem, são fáceis de serem apanhadas, pois caem inteiras, porém podem causar acidentes.

- Nas áreas verdes urbanas, com a diminuição de espaços tanto aéreos como de solos, as palmeiras são uma boa opção por não serem volumosas como as árvores d pelas suas raízes, mais superficiais e não agressivas.

- Existem várias espécies de meia-sombra de porte médio a pequeno, difere temente das árvores, pois quase todas preferem pleno sol.

- Não há problemas com as raízes: como o sistema radicular é fasciculado, não há necessidade de grandes áreas para seu plantio, pois cresce mais em altura, tem suas folhagens num plano mais alto. Algumas entouceiradas emitem folhas desde a base e podem ser utilizadas como cerca-viva, fundos e em pequenos espaços (raphis, pinanga, macarthur, etc.).

- Aceita bem o transplante: apesar de muitas espécies de árvores também serem fácil transplante, as palmeiras são campeãs de boa adaptação após o transplante. Por apresentarem sistema radicular fasciculado e superficial, sua capacidade de adaptação e rebrota é alta, com exceção do palmito, que não tolera transplante.

37589

trithrinax brasiliensis
Qualidade das mudas
Quando comprarem mudas de palmeiras, suas raízes devem vir em torrões, envolvidas por estopa ou em potes grandes. Nos dois casos, verifiquem se o torrão está intacto e se a estirpe e o palmito estão bem preservados.

Preparo das covas
As dimensões das covas devem variar com o tipo de solo e com o tamanho da muda e recipiente utilizado. Quanto pior a qualidade do solo, maior deve ser a cova. Normalmente variam de 0,50 x 0,50 x 0,50 a 1,o x 1,0 x 1,0 m.

Preparar a terra com os seguintes componentes- Adubação mineral: 300 g 4-14-8 / cova;
- Adubação orgânica: 20 a 25 litros de matéria orgânica / cova
;- Superfosfato simples: 200 g;
- Farinha de ossos: 200 g / cova;
- Cloreto de potássio: 50 g;
- Calagem: 400 g de calcário dolomítico / cova;
- Vermiculita (se necessário): 2 litros/cova (em locais muito secos);
- Incorpore os componentes com a terra que foi retirada das covas e colocar um pouco desta mistura no fundo da cova.

Plantio da Palmeira
- Retire a planta do recipiente com cuidado, sem desfazer o torrão ou prejudicar a parte aérea;
- Posicione a muda verticalmente, preencha o restante da cova com a terra preparada, de modo que todo o torrão esteja envolvido pela mistura;
- Irrigue abundantemente até o seu pegamento, depois diminua a frequência.

Espaçamento
O espaçamento entre palmeiras é relativo, deve levar em consideração o porte, o volume das folhagens e seu efeito estético no espaço em que ela será plantada, adequando proporção junto de construções ou em áreas livres, extensas ou pequenas.
Uma alameda de palmeiras imperiais, por exemplo, pode ser plantada num espaçamento de 6 a 10 m entre as plantas. Já o Jerivá, pode ser plantado num espaçamento menor, formando conjuntos a cada 1,5 a 2,5 m. O importante é que a copa fique livre para que a planta seja valorizada como um todo.
Em áreas urbanas, as palmeiras são adequadas em avenidas com canteiros centrais, podendo, no caso de canteiro, com mais de 3 m, serem plantadas em 2 fileiras, em zigue-zague e mantendo, preferencialmente a mesma espécie.

Tutoramento
As palmeiras de grande porte devem ser tutoradas, principalmente no caso de transplante de espécies adultas. Isto é feito com o objetivo de mantê-las em posição vertical e evitar que tombe com o vento. Pode ser feito com estavas de madeira ou com arames ou cabos de aço.

Para prender a palmeira ao tutor, pode-se utilizar diferentes materiais, como estopa, feltro, tiras de borracha, tomando-se o cuidado de verificar se não está havendo atrito que possa causar dano à muda. Os materiais não se decompõe naturalmente devem ser retirados quando a muda estiver firme.

Em alguns casos as palmeiras são tutoradas por uma estrutura de cabo de aço, fortemente fixados em estacas no solo (palmeiras adultas, muito altas). O plantio deve ser feito, preferencialmente, na época chuvosa (dia nublado e úmido) ou qualquer época do ano desde que se irrigue na época seca.

000007

palmeira-de-macarthur

Em geral as palmeiras não ocupam muito espaço, quando comparado às árvores. Ao plantar uma espécie de caule único, devemos pensar no seu efeito, sendo proporcional ao locl onde se pretende destacá-lo.

Espaço mínimo
O espaço de solo para uma palmeira de caule único, deve ser no mínimo de 60X60X60, para que tenha desenvolvimento pleno.

Insolação
Existem espécies para pleno sol (grande maioria), meia-sombra e algumas adaptadas para as duas situações, como a palmeira-de-macarthur (Ptychosperma macarthurii).

Função
As palmeiras são muito utilizadas nos seguintes casos:
- Dividindo ambientes: usadas como fundo ou cercas-vivas. Neste caso, as espécies com caule entouceirado são as mais apropriadas como, por exemplo, areca-bambu (Chrysalydocarpus lutescens), palmeira-de-macarthur (Ptychosperma macarthurii), rabo-de-peixe (Caryota mitis), palmeira-raphis (Raphis excelsi), pinanga (Pinanga kuhnii), camedorea-bambu (Chamaedorea seifrizii), etc.

- Moldura: se utilizada como moldura, na fachada de residências, prédios, etc. devem ser utilizadas espécies de porte mais alto.

Alamedas ou áreas grandes: utilizar palmeiras de grande porte e caule único tais como: palmeira-real, palmeira-imperial, jerivá, seafórtia, flas-latânia, fênix canariensis, rabo-de-peixe, palmeira-de-saia-da-califórnia (Washingtonia filifera).

- Valorizadas isoladamente: nobres ou não, devem apresentar características marcantes por folhas ou estirpe, como: palmeira-triangular (Dypis decary), palmeira-azul (Bismarchia nobilis), washingtonia (Washingtonia robusta), ravenea (Ravenea rivulares), entre outras.

- Plantadas em vasos para ambientes de interior: geralmente compreendem espécies de pequeno porte, formam touceiras, toleram a meia sombra, mas precisam de ambientes bem iluminados e ventilados.

Qualidade estética
Fundamentais em características como:
- Folhagem: mais eretas, curvadas, com folhas inteiras sem muito recorte (palmeira-leque) ou bem divididas em vários folíolos.

- Porte: palmeiras de grande porte, de médio e pequeno porte podem ser utilizadas em vasos, jardins internos entre outros.

- Frutos: a espécie mais utilizada é o coco-anão (Cactus nucifera), largamente encontrada em beiras de praias e projetos com estilo tropical.

Caule: textura, forma e cor da estirpe, muitas vezes são aspectos bastante valorizados esteticamente. Como por exemplo, o tronco da palmeira-traquicarpus (Trachycarpus fortunei), envolto em fibras, de aspecto peludo bastante peculiar, além da folhagem brilhante em leque, muito ornamental.

55

xaxim

Nome Científico: Dicksonia sellowiana
Nome Popular: Xaxim, samambaiaçu, samambaiaçu-imperial, feto-arborescente
Família: Dicksoniaceae
Divisão: Pteridophyta
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene

O xaxim ou samambaiaçu é uma planta de tronco fibroso e espesso, suas folhas são bastante grandes e surgem no topo do tronco, diferentemente das outras samambaias. É resistente ao frio e apresenta crescimento muito lento, no entanto, é uma planta grande, chegando a 4 metros de altura. Devido ao seu diferencial, sua utilização no paisagismo é muito interessante. Além de sua beleza singular, serve de suporte e substrato para as mais diversas plantas epífitas, como orquídeas, bromélias e outras samambaias.
No jardim, deve ser cultivado sempre à meia sombra ou sombra, gosta de terrenos baixos com solo rico em matéria orgânica, mantido úmido. Devido ao risco de sua extinção, deve ser utilizada racionalmente e suas mudas devem sempre ser originárias de plantas cultivadas e não das extraídas do ambiente natural. Aprecia o clima ameno. Multiplica-se por esporos e através da separação dos brotos com um parte do caule.

Ela é uma das espécies vegetais mais antigas e contemporâneas dos dinossauros cujo tronco se extrai o xaxim que conhecemos, aquele vendido em floriculturas e até supermercados e ainda como matéria-prima para a fabricação de substratos. Planta típica da Mata Atlântica, esta samambaiaçu está na lista oficial das espécies brasileiras ameaçadas de extinção (Ibama), em razão da sua intensa exploração comercial desordenada destinada à jardinagem e floricultura.
No ano 2001, uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) passou a proibir a extração dessa espécie da mata, já que era impossível defender a espécie da extinção. A área de maior ocorrência do xaxim na Mata Atlântica é a Floresta das Araucárias, nos estados do Sul do país e é justamente lá que acontece a maior exploração da planta.

A velocidade de crescimento da samambaiaçu varia, mas costuma ser muito lenta – geralmente ela cresce cerca de 5 a 8 cm por ano. Por essa medida, estima-se que para conseguir um vaso com 40 a 50 cm de diâmetro são extraídas da mata samambaiaçus com idade mínima de 50 anos!

O xaxim foi introduzido em jardins e casas para o cultivo de orquídeas, os orquidófilos foram os primeiros a utilizar o xaxim para o cultivo dessas plantas. Por serem mais baratos que os vasos de barro, o xaxim passou a ser consumido em grande escala. A difusão por plantas ornamentais dentro de residências em todo canto do país favoreceu o costume e tornou a utilização mais corriqueira, gerando assim um consumo gigantesco e como a espécie demora pra se desenvolver entrou em risco de extinção. A valorização do xaxim e das samambaias em geral são um comportamento típico da moda, como já aconteceu com outros tipos de plantas em determinadas épocas, como os antúrios, por exemplo, que há 20 anos eram muito procurados no país e a moda é comprar xaxim então todas as donas de casa compram, mas se houver uma conscientização tanto de quem vende como de quem compra, o xaxim poderá ser poupado.
Hoje, existem no mercado produtos alternativos que substituem o xaxim, como vasos fabricados a partir da fibra do coco e resinas, resíduos de borracha e resinas e o mais atual com resíduos de cana-de-açucar e resinas e também substratos como palha de coco, ardósia, casca de pinus e carvão que tentam a todo custo substituir o xaxim, embora as vezes sem sucesso, já que o xaxim caiu nas graças da dona-de-casa.

O substituto do xaxim:
Para aliviar um pouco a exploração da samambaiaçu, uma das alternativas foi a descoberta da utilização da fibra de coco, chamada popularmente por coxim, casca triturada de Eucalyptus grandis misturada com carvão vegetal. A vantagem do coxim foi comprovada depois de 3 anos de pesquisas e estudos, e como qualquer produto, vantagens e desvantagens aparecem na medida em que é experimentado.
O coxim tem aparência semelhante ao xaxim, facilidade de manuseio, grande retenção de umidade, resistência, durabilidade, boa aeração, drenagem, mesma composição de nutrientes, pH adequado e processo de industrialização mais barato. As desvantagens são que o consumidor tem de ter um pouco de paciência quando o vaso é novo, pois demora a reter umidade, o que faz com que ele deva ser emerso em água durante certo tempo antes da sua utilização. O coxim apresenta concentração de nutrientes muito alta, que pode não favorecer o desempenho da orquídea. Apesar das desvantagens, o coxim ainda é o substituto mais próximo do xaxim e o importante é sempre pesquisar para aprimorar o produto.

As várias utilidades do coxim:
Tomar água-de-coco é bom, mas como se livrar da casca? Na verdade, da casca do coco, a indústria produz fibras longas e curtas que servem para preencher colchões, compensados, divisórias e bancos de automóveis. No caso das fibras curtas ou o pó da casca, o aproveitamento é para a utilização como adubos orgânicos por serem mais ricos em potássio e nitrogênio. O uso desse tipo de adubo é feito pelas fazendas que produzem flores, principalmente na região sudeste do país. Para a produção da fibra, a receita é bem simples, pois com apenas seis cocos produz-se 1 quilo de fibra. Ao sair da máquina, a fibra é seca no sol e depois levada a uma prensa que a transforma em fardos de 100 kg prontas para o consumo.

Ao optar por este ou outros produtos estamos ajudando a preservar a existência da Dicksonia selowiana nas matas e as orquídeas silvestres.

53