Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts com tag ‘flores’

dalia chocolate

Originária da América Central e América do Sul, principalmente México (onde são consideradas flor nacional), a Dahlia ‘Karma Choc’ ou Dália-chocolate como ficou popularmente conhecida, era comercializada apenas como flor de corte, mas sua beleza agora pode ser contemplada também no jardim.

Medindo até 1 m de altura, a Dahlia ‘Karma Choc’ só se desenvolve bem no Brasil se for cultivada na região sul do país ou nas áreas serranas do sudoeste. Os habitats naturais das Dálias são as frias encostas das montanhas úmidas e para se difundirem para o resto do mundo, tiveram que se adaptar.

As belas flores vermelho amarronzadas de até 20 cm de diâmetro possuem pequenas variações conforme a exposição a luminosidade, surgindo durante a Primavera e Verão, entrando em repouso vegetativo no Inverno.

dahlia

O melhor opção de solo para a Dália chocolate é o poroso, rico em matéria orgânica e com regas periódicas.

As flores das Dálias sempre foram apreciadas por causa de sua beleza, mas os Astecas usavam os tubérculos como alimento, bem como também para fins medicinais. Os botânicos que embarcaram nos navios dos conquistadores espanhóis descobriram a Dália no século 17.

Primeiro foi consumida pelos europeus como alimento, mas logo a beleza das suas flores falou mais alto. O nome Dália foi uma homenagem a A. Dahl, botânico sueco.
Durante o século XIX, a Dália conquistou o mundo principalmente pela beleza de suas flores e por causa de suas mais de 20.000 variedades diferentes, todas descendentes da Dahlia rosea.

eb52e0a459602

Viola Odorata

A Viola odorata é originária da Europa, mas se estende praticamente por todo o mundo. Seu habitat natural são os bosques e as zonas sombreadas e úmidas. Trata-se de uma planta muito fácil de ser cultivada, podendo crescer bela e saudável até mesmo dentro de casa.

É uma planta da família das Violáceas, não tão conhecida no Brasil como a Violeta africana.

Elas realmente se parecem muito, mas as diferenças são fundamentais: as flores da Viola odorata são perfumadas e de cor roxo intenso, as folhas são ovais, lisas e apresentam uma haste longa; enquanto que a violeta africana não exala perfume, possui folhas aveludadas, com formato redondo e as flores são de cores variadas, além de não apresentarem nenhum valor medicinal, apenas decorativo.

O plantio por meio de sementes deve ser feito em vasos pequenos, numa mistura de 2 partes de composto orgânico, 1 de terra e 1 de areia grossa.

As sementinhas devem ser plantadas numa profundidade de 1 cm. O vaso precisa ser mantido à sombra e a terra regada todos os dias, sem encharcar. Por ser uma planta perene, se bem cuidada, irá florescer por muitos anos e garantir flores com um delicioso perfume.

3b872de2

Frésias
Provavelmente, a frésia é uma das flores com a maior variedade em termos de cores no mundo todo. Todas as suas 16 espécies nativas conhecidas são originárias do continente africano. São pelo menos doze espécies diferentes somente na África do Sul. Elas pertencem à família das Iridáceas e crescem numa planta herbácea, com folhas planas e de uma tonalidade verde escura, que podem chegar aos 15 cm de comprimento. Por sua vez, a própria planta não é muito maior do que isso, ela pode atingir cerca de 30 cm de altura.

Entre as suas características destacam-se o perfume agradável e sua estética delicada e frágil, com flores que aparecem na primavera e no inverno. Este tipo de planta é ideal para corte, apreciadoras do frio e com propagação por meio de bulbos.

As flores são bastante resistentes, têm cores muito fortes, vivas e diversificadas e inflorescências recurvadas apenas de um lado. Suas folhas são lineares e longas, secando sempre depois do florescimento.

Para cultivá-las, o ideal é iniciar o plantio dos bulbos durante o outono em canteiros bem ensolarados, porém com um clima ameno, pois a planta precisa de temperatura um pouco fria para que o processo de germinação ocorra. A partir disso o bulbo principal vai gerar novos bulbos laterais que se separam da planta matriz e se transformam em novos bulbos principais.

Uma vez plantada, aconselha-se uma distância mínima de 5 a 10 cm entre cada muda para evitar que uma planta sufoque a outra e dispute nutrientes.

Com relação ao tipo de solo, elas se desenvolvem melhor em terra bem solta e sem muita incidência de água. Regar uma vez por semana de forma bem moderada durante o primeiro mês de cultivo já é o suficiente. Uma boa adubação orgânica, com esterco bovino, por exemplo, também auxilia no desenvolvimento da planta. A proporção recomendada é de 2,5 kg de fertilizante para cada 30 m² de terra.

Desde que as condições de luz e solo sejam seguidas, elas começam a soltar folhas e pendões florais no final do inverno, independente de quando a muda foi plantada. O florescimento ocorre horizontalmente, alcançando todo o pendão floral.

É possível também armazenar a planta em forma de cormos, que nada mais são do que bulbos um pouco menores com uma gema no topo, de onde saem raízes e brotos. Os cormos devem ser guardados em local fresco e ventilado, para que sejam plantados no período de março a maio. Para plantio que já estão no solo há mais de um ano, não é necessário retirar os cormos do solo, já que o ciclo de dormência é interrompido automaticamente e o floreio é garantido para a mesma época de sempre: no final do inverno.

No Brasil, elas também são conhecidas como junquilho, em algumas regiões. As frésias  podem ser encontradas em praticamente todos os lugares no país e na região tropical do planeta, porque são bastante adaptáveis e resistentes, e se adaptam bem ao clima tropical brasileiro, pois gostam de receber luz solar direta ou ficar, pelo menos, à meia-sombra.

São consideradas uma das melhores plantas para uso como flores de corte. Das suas flores perfumadas e coloridas, é extraído um óleo usado na fabricação de produtos cosméticos, como perfumes ou óleo de banho, ou ainda para aromatizar sabonetes, loções para o rosto e para o corpo, xampus e condicionadores.

As delicadas flores das frésias têm forma campanulada, são perfumadas e podem ser das mais diversas cores e combinações em degradeé, com diversas tonalidades, que vão desde o branco, o amarelo e o laranja, passando pelo rosa, vermelho, lilás, azul e verde. Ainda podem vir com diversas tonalidades dessas cores ou trazer uma combinação de duas cores diferentes na mesma flor.

Vasinho de Flores

giesta

Popularmente conhecida como Vassoura-espanhola ou Retama, a Giesta é originária das Ilhas Canárias e Mediterrâneo, possui crescimento ereto e pode variar de 1,5 m até 3 m de altura, e apesar de bela e muito ornamental esta em desuso no Brasil.

Este arbusto tem uma ramagem muito fina e delicada folhagem, porém, apesar de linda e exuberante é preciso cautela em seu cultivo, pois, a planta é tóxica e possui poderosos alcalóides (esparteína e citisina) e deve ser mantida longe de animais de estimação e crianças.

Por conta disto foi caindo no esquecimento e deixando de ser aplicada nos projetos paisagísticos.

Suas grandes inflorescência surgem nas pontas dos ramos, do final do Inverno até o Verão. A planta fica repleta de flores amarelas muito perfumadas.

Para garantir uma floração eficiente é recomendado uma adubação (NPK 04-14-08) na primavera, e para estimular novos brotos, podas de formação devem ser feitas a cada 2 anos.

É excelente para compor maciços e renques, mas até como planta isolada seu charme chama a atenção, sua propagação é através de suas sementes que surgem de pequenas vagens finas e achatadas (escuras quando maduras), que caídas ao chão germinam facilmente.

A Giesta é rústica e necessita apenas de sol pleno, solo rico em matéria orgânica e bem drenado, nestas condições se desenvolvem rapidamente sendo considerada até como planta invasora, ainda, tolera solos fracos e salinos e até períodos curtos de seca.

Esta bela espécie aprecia principalmente o clima da região sul do Brasil e das regiões serranas do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Se não fosse sua toxidade esta espécie seria muito procurada para compor jardins campestres, mediterrâneos ou contemporâneos.

É uma planta xerófita onde até seus ramos apresentam função fotossintética, devido ao tamanho reduzido das flores, adaptadas para diminuir a perda de água por transpiração.

janela