Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




jardim

No verão, quando as férias chegam é a época em que muitas pessoas frequentam com mais assiduidade suas casas e apartamentos de praia. Por este motivo, é um período em que os jardins e varandas desses lugares devem estar impecáveis para que o dono da casa e seus convidados desfrutam de ambientes repletos de verde e natureza.

Dicas preciosas de plantas e flores que se desenvolvem bem na praia, adequam-se ao solo e às características climáticas e que caem bem visualmente.

Como escolher as flores
Ao compor um jardim ou varanda na praia, é preciso levar em conta que as plantas têm que ser nativas de clima tropical. Assim elas suportaram altas temperaturas e, com as chuvas de verão, se desenvolvem com mais vigorosidade. Vento, maresia e solos arenosos devem ser analisados antes das escolhas das espécies.

Outros detalhes que também devem ser analisados ao planejar o paisagismo da casa na praia é implantar espécies que florescem ou dão frutos no verão e que são de baixa manutenção. Afinal, de nada adianta plantar uma flor belíssima e adaptada ao litoral se ela floresce apenas no inverno, ou que exige constante manutenção e não há ninguém no local por meses para realizá-la.

As plantas tropicais como a palmeira, palmeira imperial e coqueiros se adequam muito bem ao clima praiano, pois aguentam ventos fortes e a ação da maresia. Outros exemplos de plantas tropicais são: Coqueiros, Heliconias, Alpineas, Ixoreas, Palmeiras, Bastão do Imperador, Ravenalas, Hibiscos, Cicas, Phoenix e Pandanus. Já em lugares totalmente abrigados da luz solar pode-se usar o lírio da paz, Marantas, Chamaedoreas, Singonio e licuala.

Na composição, é sempre bom utilizar cores tropicais, como da pleomele ou bromélias amarelas e rubras, pois a paisagem deve ser harmônica e não contrastar com a beleza natural da praia. Além disso, cores tropicais são intensas e conferem um ótimo astral onde são dispostas.

Se há espécies apropriadas ao clima praiano, também existem as que não se dão bem neste ambiente e devem ser evitadas, como azaléia, hortênsia, roseira e pinheiros. Plantas de clima temperado também não se adaptam ao litoral brasileiro.

Atenção aos móveis
Os móveis e acessórios também são muito importantes e devem ser resistentes aos mesmo fatores já citados. Uma escolha inteligente são materiais laváveis e os tratados com resina especial, que protege contra a radiação UV. Para opções mais sofisticadas são boas pedidas madeiras resistentes, que dispensam manutenção, sempre protegidas com verniz náutico. Deve-se fugir de metais, pois eles enferrujam com a maresia.

banco

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Ter plantas em casa é uma delícia, mas é preciso saber quais são os cuidados necessários para cada espécie. Um deles é a forma de fazer a poda, para que cresçam mais belas e vigorosas. A sugestão é que a poda de um jardim seja feita após a florada de cada arbusto ornamental.

Todo arbusto dá flor no ramo que cresceu naquele ano, ou seja, se podarmos antes da florada, corre-se o risco de se perder a flor que daria naquele ramo. Isso acontece muito com as primaveras. Como crescem muito, as pessoas vivem podando e acabam reclamando que elas nunca dão flor.

É importante levar em consideração a época de floração da espécie, pois se a poda for feita antes da florada, perdem-se as gemas florais. Então, uma dica segura é sempre podar após a florada.

Existem diferentes tipos de poda. Pode ser para dar forma à planta, seja para manter uma árvore reta e com a copa uniforme ou para fazer um arbusto em formato de cerca viva. Ou para fazer a limpeza, retirando galhos secos e doentes. Isso serve para melhorar o estado fitossanitário da planta. Cada uma exige determinada técnica e deve ser orientada por um profissional.

No ponto certo
Mas, de forma geral, o paisagista diz que a poda deve ser feita sempre após o último broto ou nó dos galhos. São os toquinhos secos de árvores e arbustos mal podados que acabam servindo como porta de entrada para insetos e fungos. E é a folhinha nova que vai brotar acima dessa poda que puxará a seiva.

Já a hora certa de fazer a poda pode variar segundo as necessidades da planta e o que se quer para ela. Assim, se o objetivo é mantê-la com a forma de arbusto, é preciso podá-la na medida de seu crescimento. Mas, se apresentar alguma doença, deve-se fazer uma poda de limpeza.

Se uma planta cresce muito a ponto de atrapalhar o caminho, deve ser podada. Se estiver com galhos secos, folhas amarelas e aspecto feio, nada mais revigorante do que uma poda para que ela brote mais saudável.

Quanto à época do ano mais indicada, o inverno é ideal para podas de limpeza. As plantas estão em dormência e não perdem muita água com os cortes. Depois, já começam a brotar nos galhos sadios, com a chegada da primavera.

Ferramenta ideal
Existem várias marcas e tipos de tesoura para poda. O importante é que esteja sempre bem amolada e adequada para a espessura do galho que se deseja podar. É preciso utilizar uma ferramenta apropriada, pois uma tesoura normal pode mastigar e danificar o galho.

Quanto ao ângulo do corte, recomenda-se o chamado bisel, feito na diagonal para não acumular água, evitando a proliferação de fungos e doenças. Mas a poda também pode ser feita com a própria mão, caso seja preciso arrancar folhas amarelas, comidas por lagartas.

Por fim, vale lembrar que,  a poda se torna dispensável se a planta estiver em um local adequado, com espaço suficiente para crescer. Se estiver saudável, não há problema algum em não podar. Mas se estiver plantada em uma área sem essas condições, poderá entortar em busca da luz, podendo adoecer..

Toda planta precisa de, pelo menos, uma poda de limpeza e arejamento: Faz bem, fica revigorada e, assim, brotará de novo com mais saúde e um bom aspecto.

fonte

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


jardim

Aproveite o fim do inverno e a chegada da nova estação para se preparar

Durante o inverno, as plantas praticamente não se desenvolvem, elas passam por um período de dormência, apenas reservando suas seivas para a primavera.
Acompanhe as 10 dicas abaixo:

1. Prepare seu jardim para esse despertar deixando-o limpo. Retire todos os restos vegetais: folhas caídas, galhos secos e brotos mal formados.

2. Retire, também, as ervas daninhas e passe a ter mais atenção a elas nas estações mais quentes que virão, pois o calor e a chuva são propícios para o nascimento delas.

3. Faça uma adubação no início de setembro, de preferência orgânica, para intensificar as floradas da primavera. Você pode usar adubo de farinha de osso, torta de mamona ou húmus de minhoca (todos encontrados em lojas de jardinagem). Mas escolha apenas uma opção dessas. Para adubar, revolva o solo e misture o adubo de acordo com a proporção indicada pelo fabricante.

4. Se você quer mudar a posição das suas plantas, aproveite a primavera, que a adaptação das espécies é melhor. Mas antes, faça um planejamento das mudanças. Veja o que você vai mudar e para onde antes de retirá-las da terra.

5. Como este ano o inverno foi muito úmido em muitas regiões do país, é importante fazer uma aeração nos gramados, que estão judiados. Existem sapatilhas com pregos na sola (também encontrada em casas de jardinagem), que você calça e pisoteia o gramado.

6. O corte do gramado deve ser cuidadoso. Não o apare com menos de 2,5cm de altura, pois ela está sensível por causa do inverno e vai começar a se recuperar agora. Se cortar muito, ficará feia.

7. Observe a presença de fungos típicos do inverno e os combata. Note se as folhas estão esbranquiçadas ou com manchas pretas. Se estiverem, aplique um fungicida, vendido em casas de jardinagem (e leia com atenção as instruções do fabricante).

8. O momento ideal de podar as plantas foi durante o inverno, para elevar a copa ou dar formato para a planta. Se você deixou passar a hora da poda, não mexa mais. Espere o período entre maio e agosto do ano que vem para isso. Mas se tiver que fazer poda de limpeza, para retirar brotos ladrões que roubam a energia da planta, terá que podar agora mesmo, apesar de são ser o mês ideal.

9. Enquanto o tempo estiver úmido, não faça regas à noite. O ideal, aliás, é sempre molhar as plantas pela manhã, pois é melhor para elas.

10. A primavera é uma época excelente para a florada de lírios, ericonias, íris, gerânios, gardênias e caliandras, que florescerão muito. Para plantar, compre mudas e não sementes. Se comprar agora, elas ainda estão sem as flores, o que as deixa bem mais baratas.

passarinho

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


petúnia pendente

O ventinho gelado e o sol ameno do inverno não agradam somente algumas pessoas. Há plantas que florescem na estação e mostram toda a sua graça. As épocas mais frias do ano são caracterizadas pelo recolhimento e introspecção de algumas espécies, em função das mudanças nos ciclos do sol e da chuva.

No frio e no período seco, a vegetação entra em uma espécie de dormência, que pode variar para cada espécie. Nesta época, também é tempo de algumas árvores abandonarem suas velhas folhas. Enquanto se despem, há aquelas que aproveitam o clima frio para florescer e colorir a paisagem.

Podemos ver lindas copas de árvores floridas enfeitando as cidades,como ipê, cerejeira, pata de vaca e erythrina. Entre as trepadeiras, as que se dão melhor no frio são primavera e flor de São João. Já as flores que se desabrocham neste período do ano são camélia, azaléia, bromélia, gardênia, o jasmim amarelo, as strelitzias (reginae e juncea), o amor-perfeito, a boca-de-leão, a cravina, a petúnia e a prímula.

Mais coloridas e vistosas, as árvores que se dão bem no clima frio atraem uma grande variedade de borboletas e pássaros, aumentando suas chances de reprodução e perpetuação na natureza. Além disso, com a ausência de folhas, a luz do sol passa pelas copas e alcança o solo, enchendo-o de energia. Se no verão é possível ter um espaço aconchegante e sombreado com as copas folhadas, o mesmo ambiente ensolarado pode ser criado no inverno, quando os amenos raios de luz são prazerosamente bem-vindos, diz.

Cuidados especiais
Apesar de essas plantas gostarem mais do inverno do que do verão, não é necessário tomar cuidado extra com elas – justamente porque é nesta época que elas se dão melhor. Mas é importante estar atento ao local de plantio, à boa luminosidade desse ambiente e às regas moderadas.

O clima mais seco e a falta de chuvas atingem mais a região Sul e Sudeste do Brasil, mas, apesar disso, não é necessário regar além do normal suas plantas. Regar demais no frio só irá fazer com que sua planta crie fungos e as raízes apodreçam, afinal o sol também é mais ameno e a evaporação da água fica bem mais lenta.

Se estiver com medo de colocar muita ou pouca água, faça o teste do dedo na terra e sinta a umidade. A dica é evitar regar a terra de canteiros e vasos em excesso. Faça-o somente quando começar a secar. E não tenha medo: a mistura de água e frio não queima essas plantas.

Agora que você já sabe quais são as flores que se dão bem no frio, é hora de escolher o melhor lugar do jardim para plantá-las. Lembre-se que qualquer espaço pode ser bom desde que tenha muito sol. O importante é ter luminosidade solar direta, que é do que elas mais precisam.

O inverno também não é a época mais recomendada para adubações – o melhor mesmo é esperar a florada e somente depois dar nutrientes para a planta germinar e crescer novamente.

barrinha de vasinhos

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


flores

Plantas em vasos pequenos exigem cuidados para florescer o ano todo.
É preciso mais do que gostar de conviver com flores para mantê-las saudáveis em casa. Principalmente quando elas estão plantadas em pequenos vasos. Por se tratar de um habitat cheio de limitações para seu desenvolvimento, é preciso redobrar os cuidados.

Comece escolhendo a flor certa para cada ambiente. Por isso, na hora da compra, não hesite em perguntar tudo sobre cada espécie que lhe interesse: suas características, manutenção adequada, problemas recorrentes e localização ideal dentro de casa. Assim como as pessoas, uma espécie é diferente da outra e sem esse guia informal a padronização dos cuidados pode ser danosa.

Algumas espécies convivem bem com o calor e as oscilações da incidência solar, como os diversos tipos de cactos, que apensar de não serem famosos por suas flores, também dão belos botões.

Estas são espécies que exigem regas mais espaçadas e lugares sem a incidência direta do sol. Mesmo assim, é recomendável ter sempre janelas abertas para garantir a circulação do ar e a respiração das plantas.

Procure manter as plantas ao ar livre com certa frequência e com a irrigação adequada
Passeios ao ar livre são bem vindos
Se possível, deixe periodicamente as plantas em áreas livres, principalmente se o vaso for feito de aço, vidro, latão ou plástico, materiais que não facilitam a troca de ar. Tente fazer isso pelo menos duas vezes ao mês, aumentando a frequência no inverno para uma vez por semana.

Para amenizar esses fatores escolha vasos de cimento, cerâmica ou fibra natural, como o coco. Com boa porosidade natural, esses materiais auxiliam na troca de ar com o ambiente e drenam bem a água, evitando a formação de fungos e a retenção de líquido excessivo, que apodrece a planta.

Acerte no vaso
Para segurar a umidade da terra sem excessos é aconselhável a impermeabilização de vasos e floreiras. Para isso, na hora de plantar, faça uma base de argila expandida (pedras que lembram seixos) e sobre ela coloque uma manta de bidim (tipo de poliéster) ou cascas desidratadas. Só então acrescente terra e a muda. Essa estrutura ajuda a drenar a água, evitando retenção de líquidos excessivos. Além disso, fique atento ao aparecimento de trincas e vazamentos nos interiores.

Outro fator importante é a  eficiente. O mercado oferece boas soluções para quem dispõe de pouco tempo para manutenção das plantas. “O sistema em gel é bastante vantajoso. O mais apropriado é a irrigação automática que impede o desperdício de água e dispensa a presença do morador.

Umidade sob controle
Lembre-se que água demais mata a planta mesmo no verão, quando a temperatura aumenta e a umidade do ar diminui, dando por vezes a falsa impressão de que os vasos precisam de regas extras. Em geral, uma xícara de água, de uma a duas vezes por semana, é suficiente para garantir a umidade da terra.

Uma boa maneira de saber quando a flor precisa de água é afundar o dedo na terra, cuja consistência não deve ser nem de areia, nem de barro. A sensação de firmeza, frescor e umidade ao toque é a certeza de que a rega está no ponto.

flor vermelha

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


plantas-ornamentais41

Veja as dicas para fazer com que elas vivam mais tempo

Você é daquelas pessoas que não conseguem ter plantas bonitas em casa por muito tempo? Não é azar, não. É falta de cuidados… Edu Lotfi, paisagista da Terra Orgânica, ensina alguns truques para você preservar suas plantas, no vaso ou no jardim, para que elas durem mais.

Regue corretamente
Coloque sempre o dedo na terra para saber se falta água. Aproveite para descarregar suas energias: as plantas gostam e sabem transmutar essa energia. Seu contato com a terra vai criar uma relação de troca e identidade com sua planta.

Ao regar, pegue seu vaso e leve para uma área onde você possa molhar bem a terra e as folhas. Após 1 hora da rega, jogue fora a água dos pratos, volte a planta para o seu lugar mantenha-a durante as semanas seguintes molhando com pequenas quantidades. Você pode repetir isso no verão uma vez por mês, mas no inverno uma vez a cada dois meses já é o suficiente. (veja a tabela a seguir)

No inverno, as plantas não gostam de água à noite, elas preferem na parte da manhã. Assim evitamos as baixas temperaturas da madrugada que ajudam a proliferar os fungos e parasitas.

Não sabe a quantidade ideal de água?
Veja as dicas para um inverno seco:

- Vaso pequeno 1/2 copo a 1 copo cada 4 dias
- Vaso médio 1/2 litro 1 vez por semana
- Vaso grande 1 litro a 1 litro e ½ 1 vez por semana
- Vaso de barro precisam 2 vezes mais de água do que os de plástico
- Se a umidade está alta no ar, não é preciso molhar

Lugar ao sol (ou à sombra)
As plantas são seres vivos especiais porque podem fabricar o seu próprio alimento retirando a energia que vem da luz solar. Na hora da compra, basta perguntar qual a necessidade dela. E, depois, descubra o melhor lugar da casa para acomodá-la. Pegue uma bússola e descubra qual janela recebe o sol, mas se não tem, basta observar onde o sol nasce, este lado é o leste. Onde ele se põe, o oeste.

Aprenda a escolher o local apropriado:

- Planta de sol: procure uma janela direcionada para norte ou oeste. Essa posição é excelente para esse tipo de planta, pois recebem o sol por mais tempo.

- Planta de meia sombra: uma janela voltada para o leste, que recebe a luz do sol da manhã, mas ficará na sombra o resto do dia.

- Planta de sombra: você deve procurar uma janela voltada para sul.

Adubação verde
Frutas e verduras fazem bem até para as plantas. Faça uma adubação verde, mas líquida. Podemos alimentar nossas plantas com um suco verde, que ajuda muito a planta. Da mesma maneira que o nosso corpo absorve rapidamente uma vitamina que tomamos, o mesmo acontece com elas.

Receita de adubo verde: Use as sobras de vegetais e frutas que não foram cozidos e estão sem temperos. Bata tudo no liquidificador com água e, depois de bem batido, coe para retirar o bagaço. Dilua esse líquido em 3 litros de água e, depois, é só molhar como já foi explicado. Mas use esse método uma vez a cada 15 dias, adubo demais prejudica a planta, avisa Edu.

Outros adubos
Cada adubo tem a sua função. Eu gosto de usar os químicos somente na época das chuvas, que dissolvem e são assimilados melhor pelas plantas. Procure intercalar os minerais e os orgânicos de 3 em 3 meses para equilibrar o solo e, no inverno, dê um descanso para o jardim, diz ele.

A adubação química é aquela em que o adubo usado é formado por composto químico, originados industrialmente. São adubos sintéticos que contêm nitrogênio, fósforo e potássio.

Já a adubação orgânica é aquela feito usando resíduos animais ou vegetais que desenvolvem a flora microbiana e, por consequência, melhoram as condições físicas do solo. Os mais conhecidos são a torta de mamona e a farinha de osso e também são encontrados no mercado facilmente.

Por fim, a adubação mineral é extraída de minas e assimilada diretamente pelas plantas, ou sofrem pequenas transformações no solo para serem absorvidos. Também à venda em lojas de plantas.

vasinho de flores

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


samambaias

Pouca gente sabe, mas a samambaia que todo mundo conhece – e que marcava presença em nove de cada dez lares nos anos 80 – é apenas um dos muitos tipos desta planta. Essa, a mais famosa, é a chamada samambaia de metro. Outras, conhecidas como avenca, chifre-de-veado, renda portuguesa e renda francesa são também samambaias.

Depois de anos esquecida e até mesmo considerada por muitos como algo kitch na decoração (se é que podemos falar em moda quando o assunto são as plantas), ela volta a figurar em projetos de paisagismo contemporâneos, em especial nos jardins verticais.

A samambaia é um dos primeiros DNAs da Terra. Junto com os musgos, são as plantas mais antigas do planeta. Há anos, voltei a usá-las em jardins verticais não só por sua textura maravilhosa, mas porque de fato trata-se de um clássico, em especial as de metro.

Segundo a paisagista, a palavra samambaia significa, do tupi-guarani, aquilo que se desenrola no próprio tronco.

Houve época em que jardins impecáveis exibiam rendas portuguesas gigantes forrando o gramado, enquanto as samambaias de metro se despencavam de seus xaxins presos no teto com suas pontas chegando quase a tocar o chão. Hoje, elas estão reconquistando seu espaço, com sua linda gama de verdes.

O chifre-de-veado, preso a um painel de fibra de coco, é outro exemplar de samambaia. Este também pertence a Maricy Pissinatti.

Xaxim, não. Coxim!
O xaxim – onde as samambaias eram normalmente plantadas – tem origem em uma variedade nativa da própria planta, a samambaiaçu.
O xaxim era o substrato excelente para as samambaias, porque lhes fornecia os nutrientes necessários. Mas, atualmente, está proibida a venda, em função da sua extração indiscriminada na Mata Atlântica, levando quase à extinção.

Assim, a saída encontrada por botânicos e agrônomos foi utilizar um material semelhante ao xaxim para a fabricação de vasos e painéis – empregados nos modernos jardins verticais –, que hoje em dia são feitos com fibra de coco. É o chamado coxim.

O aspecto é parecido, porém a fibra de coco não é um substrato tão bom quanto o xaxim. Portanto, as plantas colocadas em vasos ou placas de fibra de coco devem ser sempre acrescidas de um substrato com terra adubada, orienta a paisagista.

Cuide bem da sua samambaia
- As samambaias normalmente gostam de meia sombra e de ambientes úmidos. reproduzindo o habitat na Mata Atlântica.

- Elas não podem ficar expostas ao sol, caso contrário amarelam totalmente. Se for o caso, que seja o sol da manhã, mas de forma indireta.

- As samambaias gostam de ficar sob um terraço, uma árvore, sempre à meia sombra.

- A rega pode ser feita três vezes por semana, no mínimo. Mas tudo depende da estação do ano. No verão, a água evapora mais rápido, então é preciso regá-la mais. No inverno, a umidade permanece na planta, então pode-se regar menos. O importante é manter o vaso sempre úmido.

- A samambaia de metro ou a amazônica devem ficar penduradas em vasos ou placas de fibra de coco. Já as rendas portuguesas e outras samambaias que não ficam pendentes podem ser plantadas na terra, em canteiros, mas em locais sombreados.

- Esse tipo de planta se desenvolve bem em regiões quentes e úmidas, como a Mata Atlântica.

- Uma muda dessa planta precisa de espaço para crescer. A de metro, como o nome já diz, fica imensa.

- Samambaias devem ser totalmente podadas no inverno. Assim, elas brotam em dobro na primavera.

- Para mantê-las saudáveis, deve-se usar adubos nitrogenados, que favorecem as folhas, além de inseticidas contra pulgões e cochonilhas.

plantas13

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


agave-atenuata
A maior parte da vida de uma espécie vegetal é sustentada pelas suas folhas, pois nelas ocorrem a transpiração, a respiração e a fotossíntese, isto é, a captação da energia da luz do sol e a transformação das substâncias minerais absorvidas no solo (água e sais minerais) e do ar (gás carbônico) em substâncias orgânicas. A partir delas é feita a distribuição do alimento para todos os órgãos da planta. O tamanho da folha varia: vai desde as invisíveis a olho nu até àquelas com 2,5 metros de comprimento e 1,4 metro de largura! Exemplo disso é a folha da Coccoloba, gênero pertencente à família Polygonaceae¸ existente na Floresta Amazônica. Aliás, é lá também que encontramos uma das menores folhas monocotiledônias: é a Wolfa brasiliensis, pertencente à família Lemnaceae, que tem aproximadamente 2 milímetros e ocorre em lagos, junto às vitórias-régias e dentro de represas.

Geralmente as folhas são verdes, em várias tonalidades, podendo, entretanto, ocorrer variantes que se devem apenas a uma particularidade genética da espécie vegetal. As folhas novas da mangueira (Mangifera sp.), por exemplo, se apresentam mais escuras e de superfície muito brilhante, em razão dos pigmentos que servem de proteção contra os raios solares. A folha roxa da trapoeraba (Setcreasea purpurea) possui um tipo de pigmento adicional que se sobrepõe à clorofila, na sua fisiologia. Se rasparmos a sua epiderme, surge o verde. No caso da sapucaia (Lecythispisonis), as folhas possuem um pigmento que as deixa cor-de-rosa quando novas. Passada essa fase, ficam verdes. Os bordos das folhas podem ter grande variedade de recortes. Nas da família Palmae (ou Palmáceas), na qual encontramos as palmeiras tucumãs, coqueiros e carnaúbas, por exemplo, os bordos são profundos, produto de uma longa adaptação ao ambiente, pois ajudam-nas a resistir à força dos ventos. Outras espécies apresentam bordos lisos ou que parecem ondas, dentes e serras.

Segundo os estudiosos, a variação de tamanhos e formas das folhas é enorme, mas podem ser destacados como os principais tipos de folhas:

As foliáceas – são de consistência normal, sem adaptações especiais, típicas de climas temperados e com abundância de água, flexíveis ao vento, com fácil abertura e fechamento dos estômatos (minúsculos órgãos formados por duas células que podem se afastar, criando um poro, por onde se faz a transpiração da planta, e que pode se fechar para economizar água);

As coriáceas – são rijas e resistentes, mais espessas, com pequenos cristais espalhados que dificultam curvaturas do limbo e o funcionamento dos estômatos e são próprias de climas secos;

As carnosas – são ricas em reservas de água e com epiderme impermeável, também adaptadas a climas secos;

A membranosas – com poucas camadas de células, encontradas em lugares úmidos e poucos expostos ao sol nas florestas.

Luz e água são determinantes
Em razão de a folha ser o órgão mais exposto, seus vários aspectos dependem da relação entre a sua função e as influências do ambiente. Regra geral, as condições de luz e de água é que são mais determinantes. O padrão da folha é resultado da sua fisiologia. Por exemplo, quanto mais sol, mais cera ela apresenta, para evitar o processo de transpiração. É o que ocorre com as cactáceas, cujas folhas se tornaram espinhos como conseqüência da sua adaptação a climas secos. Assim, a água não evapora e mantém-se em seus caules grossos e verdes, para onde foi transferida a função da fotossíntese. Tem a forma de espinhos para se proteger dos animais que as procuram. Plantas de interior de matas que vivem próximas a nascentes de rio, como a avenca, possuem folhas cujos estômatos são descobertos (livres da camada espessa de cera), pois não há necessidade de armazenar água. Já as folhas como as das palmeiras têm profundas bordas, que facilitam a ação dos ventos.

A inclinação da folha está diretamente relacionada com a incidência dos raios do sol. Algumas chegam a sofrer, ao longo de um dia, sutis variações de posições, tentando evitar um contato perpendicular com os raios solares. Por outro lado, a chuva também tem participação importante: uma das funções da água da chuva é remover da superfície foliar os sais eliminados pela planta, os quais são levados para o solo, onde são novamente absorvidos pelas raízes.

As folhas da floresta
A variedade de tamanhos, formas e aspectos das folhas da floresta tropical é quase infinita, mas elas podem ser agrupadas, a grosso modo, pelas seguintes características: são maiores (têm maior área foliar), com uma consistência flexível; possuem uma anatomia interna com maior espaço intercelular (nas folhas de sombra) por pertencerem a um ambiente rico em água. Se a folha é de sombra, o verde é mais escuro; o formato é maior (como as do antúrio e da costela-de-adão); a quantidade de clorofila é maior, além de serem mais flexíveis e finas. A folha que fica sempre exposta ao sol, por sua vez, tem uma menor área foliar, um verde mais claro (por ter menos pigmentação), maior espessura (para reter mais água) maior taxa de fotossíntese e é mais protegida por uma camada de cera, para evitar a transpiração em excesso.

Numa mesma árvore de copa muito densa, podem existir folhas de sol e sombra: as da periferia são de sol, e as do interior têm características de sombra. Mas há também espécies com folhas só de sol ou só de sombra. Das plantas conhecidas, muitas são úteis para o ser humano, mas há ainda uma infinidade de espécies cujas potencialidades não se conhece, tanto em relação às folhas quanto em relação ao caule, às flores e à raiz. E o pior é que grande parte deste potencial desconhecido já foi destruída, queimada ou extinta pela mão do homem e outra boa parte está correndo os mesmos riscos.

transpiração

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


Callistephus_chinensis (Small)

Nome Científico: Callistephus chinensis
Nome Popular: Áster-da-china, Sécia, Rainha-margarida, Rainha-do-mercado, Astér, Malmequer-de-sécia
Família: Asteraceae
Origem: China e Japão
Ciclo de Vida: Anual

O áster-da-china é uma planta anual, de floração ornamental, que surpreende a todos com sua flores coloridas em tons de aquarela. Sua textura é herbácea, com caule ereto. As folhas são irregularmente denteadas, simples, alternas, verdes e espatuladas. Apresenta inflorescências do tipo capítulo, grandes, com o disco central amarelo e as lígulas (pétalas) dispostas em um fileira simples na variedade típica. No entanto, atualmente as variedades mais freqüentes são dobradas, com inflorescências cheias, esféricas. Suas cores variam de tons delicados de azul, rosa, vermelho, branco e violeta. Floresce no verão e outono.

O áster-da-china é ideal para a formação de maciços e bordaduras no jardim. Suas flores com forma de pompom, em harmonia com as cores de “bebê”, remetem a uma atmosfera de fantasia, como em contos de fada. Também podem ser plantadas em vasos e jardineiras e suas flores podem ser colhidas para a confecção de arranjos florais graciosos.

Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, perfeitamente drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Não tolera encharcamento. Em regiões quentes convém conduzi-las sob meia-sombra, resguardando-as do sol forte do meio dia. Fertilização excessiva com adubos nitrogenados deixará a planta fraca e suscetível às pragas e doenças. Variedades de porte alto devem ser tutoradas para que não quebrem durante o crescimento e floração. Multiplica-se por sementes postas a germinar no final do verão e outono. O áster é sensível ao transplante: plante no local definitivo ou em sementeira, mas neste último caso transplante com cuidado em dias nublados.

borboletinha2

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.


nepenthes híbrido (Small)Nepenthes Híbrido, um dos exemplares da “natureza selvagem”

Deixe o preconceito de lado e invista no exotismo dessas espécies para ter um jardim diferenciado

Apesar de ter angariado um o estereótipo ruim ao longo dos anos, as plantas carnívoras não devem ser descartadas na hora de compor um belo projeto paisagístico. Exótica e cheia de charme, elas podem ser uma boa opção para diferenciar seu jardim.

Diferentemente do que se pensa, a maioria das plantas carnívoras não come carne, mas se alimenta apenas de insetos.

O título veio da generalização da capacidade de algumas espécies, como a Nepenthes, de capturar pequenos anfíbios. Isso significa que esse tipo de planta em casa não traz perigo para a família ou animais de estimação.

Jardins com plantas carnívoras são mais comuns na casas de pessoas que buscam conceitos naturalistas, que gostam da natureza selvagem.

Variedade e cuidados
No mundo, existem cerca de 500 espécies de plantas carnívoras, sendo que a Austrália é o país com maior diversidade, seguindo do Brasil, onde se pode encontrar 80 tipos diferentes. “A mais procurada é a Dionaeas,”.

Qualquer pessoa pode ter uma planta carnívora em casa, seja na janela, na varanda ou no quintal.

Como todas as plantas, elas necessitam de cuidados. Levando em conta a facilidade de cultivo e a durabilidade, quem quer começar o cultivo deve optar pelas Dionaeas, Nepenthes, Drosera binata, Drosera capensis, Drosera spatulata e Drosera adelae e Sarracenias”.

Como cuidar das plantas carnívoras:
A Dionaeas é uma das variedades mais fáceis de se cultivar

- Mantenha-as em vasos plásticos. Isso ajuda a reter a umidade do substrato por mais tempo;

- Não use terra comum para plantá-las. Prefira substrato de musgo “sphagnum” puro ou misturado com pó de coco;

- Molhe de uma a duas vezes por dia. O substrato deve estar sempre úmido;

- Plantas carnívoras se alimentam de insetos porque o solo onde vivem é pobre em nutrientes. Portanto, não adube a base;

- Podar não é necessário. Apenas corte as folhas mortas;

- Evite deixá-las em lugares onde venta muito, pois isso ele seca a mucilagem (substância viscosa) das Droseras;

- Nunca use água clorada ou mineral. Prefira água destilada ou de chuva. Se só tiver a água de torneira disponível, deixe-a descansando em um recipiente aberto, protegido por um pano fino, por 72 horas para que o cloro evapore;

- Não se preocupe em alimentá-las com insetos. Elas são preparadas para capturá-los. Se perceber que isso não está acontecendo, coloque uma fruta próxima para atrair o alimento.

carnívora-11

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.