Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Algumas das plantas mais comumente cultivadas em jardins domésticos são admiradas por um motivo bastante curioso: suas flores mudam de cor. Esse é o caso do Cambará (Lantana camara, Verbenaceae), da Papoula-de-duas-cores (Hibiscus mutabilis, Malvaceae), do Manacá-da-serra (Tibouchina mutabilis, Melastomataceae) e do Manacá-de-cheiro (Brunfelsia uniflora, Solanaceae). Nessas e em muitas outras espécies, é bom frisar, as plantas não produzem flores de cores diferentes. São as flores que mudam de cor ao longo do seu tempo de vida. Eventos florais desse tipo só podem ser percebidos mais claramente quando o observador acompanha o destino de flores individuais.

A mudança de cor é um fenômeno relativamente comum entre as angiospermas. Ocorre enquanto a flor ainda é jovem, não devendo tal mudança ser confundida com a perda de cores e o escurecimento que acompanham o processo de senescência. Em termos funcionais, são conhecidos ao menos sete diferentes mecanismos associados à mudança de cor das flores, envolvendo três grandes classes de pigmentos vegetais (carotenóides, flavonóides e betalaínas).

Carotenóides, flavonóides e betalaínas são compostos secundários que, além de dar cor a flores e frutos, têm outras importantes funções biológicas. As betalaínas são responsáveis por um leque de cores (amarelo, alaranjado, vermelho, rosa, púrpura), sendo encontradas porém apenas em plantas da ordem Caryophyllales. Como exemplos, podemos citar a Rosinha-de-sol (Aptenia cordifolia, Aizoaceae), Periquito (Alternanthera ficoidea, Amaranthaceae), Três-marias (Bougainvillea spectabilis, Nyctaginaceae), Onze-horas (Portulaca grandiflora, Portulacaceae), Beterraba (Beta vulgaris, Chenopodiaceae) e os cactos em geral (Cactaceae).

Os carotenóides são responsáveis por um leque semelhante de cores (amarelo, alaranjado, vermelho, marrom), sendo encontrados na cenoura, tomate, laranja, pimenta e nas flores do Cravo-de-defunto (Tagetes erecta, Asteraceae). Por fim, temos os flavonóides, responsáveis pela maioria das cores observadas em flores e frutos (amarelo, alaranjado, vermelho, azul). As antocianinas são o grupo mais comum de flavonóides.

As betalaínas e antocianinas não co-ocorrem em uma mesma planta. Quer dizer, plantas que têm antocianina não possuem betalaína, e vice-versa. Flavonas e flavonóis também são grupos de flavonóides encontrados em flores, principalmente nos chamados guias de néctar. Esses pigmentos absorvem certos comprimentos de luz que são invisíveis ao olho humano, mas que são visíveis para outros animais (muitos insetos, por exemplo). De todos os mecanismos bioquímicos e fisiológicos associados com a mudança de cor das flores, a manifestação da antocianina é o mais comum deles.

Fatores ambientais, como diferenças no pH do solo, podem levar a mudanças na coloração das flores. Essas mudanças também podem ser pré-programadas, como ocorre com a Pata-de-vaca (Bauhnia monandra, Leguminosae). A flor jovem da pata-de-vaca é esbranquiçada, com uma grande mancha vermelha no meio da pétala central; em determinado momento da vida da flor, no entanto, a pétala central curva-se para trás, como querendo se esconder. Após a conclusão desse movimento, todas as demais pétalas tornam-se rosa. Assim, o que no início era uma flor branca com uma grande mancha vermelha em uma das pétalas transforma-se em uma flor uniformemente rosa.

Descrever o mecanismo pelos quais as flores mudam de cor é um dos objetivos dos estudiosos que lidam com o assunto. Resta, no entanto, um outro, ainda mais complexo e difícil: identificar as pressões seletivas que teriam favorecido a evolução de tal comportamento. Nos próximos parágrafos, vamos tocar apenas na superfície desse assunto.

Guias de néctar – A mudança de cor das flores está quase sempre associada à presença de polinizadores animais. Por meio desse mecanismo, a planta pode controlar diversos parâmetros (quantidade, ritmo, ordem etc.) das visitas que os polinizadores fazem em suas flores. No contexto da interação entre a planta e seus polinizadores, cores diferentes podem indicar que flores estão produzindo néctar, onde há pólen e quais estigmas estão receptivos. Tudo isso pode tornar a polinização um processo mais rápido, seguro e eficiente; do ponto de vista dos polinizadores, pode também funcionar como um sistema de sinalização, por meio do qual eles economizam tempo e energia.

Dependendo do tipo de visitante, a flor inteira ou partes dela – cálice, corola, androceu, gineceu – podem mudar de cor. Mudanças na flor inteira podem ser o melhor jeito de sinalizar para um morcego ou uma mariposa voando à noite. Para atrair beija-flores, que costumam procurar por néctar no interior de flores tubulosas, a mudança mais comum ocorre justamente na face interna da corola. Já abelhas, borboletas e moscas costumam visitar flores que passam por mudanças em estruturas localizadas, como nos chamados guias de néctar. De um modo geral, essas mudanças ocorrem na maior ou na mais visível das estruturas da flor.

O guia de néctar consiste de pontos, manchas ou figuras cujo colorido contrasta com o fundo (em geral, a face interna das pétalas) e cuja disposição sinaliza para o polinizador o caminho ou a orientação que ele deve adotar para ter acesso fácil ao néctar. Fazendo isso, o animal termina encostando partes do seu corpo nos órgãos sexuais da flor, tornando ainda mais eficiente e segura tanto a retirada como a deposição de grãos de pólen. O guia de néctar de algumas flores é visível aos nossos olhos, muitos, porém, não o são. Isso porque os polinizadores (insetos, principalmente) enxergam faixas do espectro luminoso que nós não enxergamos. Exemplos familiares de flores com guia de néctar visível incluem a Azálea (Rhododendron simsii, Ericaceae) e a Pata-de-vaca (Bauhnia monandra, Leguminosae).

Fonte (s): Revista AUE Paisagismo

Obrigada pela sua visita. Se você tem sugestões ou dicas sobre o assunto, coloque aí nos comentários, eles podem acabar virando temas para novos posts.

OBS: Este site não trabalha com vendas de plantas,sementes e afins, apenas são postados artigos com informações sobre como cultivar as plantas. Você pode adquirir sua planta desejada em qualquer bom Garden Center de sua região.



Comente sobre o post