Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




Posts para categoria ‘Raízes’

A raíz é composta de várias partes: A coifa, a zona lisa (ou de crescimento), a zona polífera (dos pêlos absorventes), a zona suberosa (ou de  ramificação) e o colo (ou coleto).

1. Coifa – É uma espécie de capuz que protege a ponta da raíz. Nessa região, existem células pequenas e relativamente delicadas que se multiplicam intensamente, promovendo o crescimento vertical da raíz. A coifa envolve e protege essas células contra o atrito com as partículas do solo e contra o ataque de microorganismos diversos.

2. Região lisa (ou de crescimento) – É a região onde ocorre o alongamento das células que foram produzidas na ponta protegida pela coisa, o grande alongamento das células, nessa região, permite o crescimento da raíz. Assim, para que uma raíz cresça bem, deve haver: multiplicação de células (na ponta) e alongamento celular (na região lisa).

3. Região polífera (dos pêlos absorventes) – Nessa região existem pêlos absorventes, que retiram do solo água e sais minerais, que vão formar a seiva bruta. É também chamada zona de absorção.

4. Região suberosa (ou de ramificação) – Região na qual a raíz se ramifica, originando as raízes secundárias, que auxiliam a fixação da planta no solo e aumentam a superfície da absorção.

5. Colo (ou coleto) – Ponto de encontro da raíz com o caule.

TIPOS BÁSICOS DE RAÍZES
Vimos que as angiospermas podem ser divididas em dois grandes grupos: monocotiledôneas e dicotiledôneas. Nesses grupos, verificam-se dois tipos básicos de raízes fasciculadas e pivotantes.

Raízes fasciculadas

Raízes fasciculadas
As raízes fasciculadas compõem-se de um conjunto de raízes finas que temorigem em um único ponto. Não existem nessas raízes uma ramificação mais desenvolvida que outra. Também chamadas de raízes em cabeleira, as raízes fasciculadas ocorrem nas monocotiledôneas, como a grama, o milho, a cama, etc.

Raízes pivotantes

Raízes pivotantes
Nesse sistema de raízes, existe uma raíz principal geralmente maior que as demais e que penetra verticalmente no solo. Da raíz principal partem as raízes laterais, que também se ramificam. As raízes pivotantes, também chamadas de raízes axiais, ocorrem nas dicotiledôneas, como o feijão, o café, a laranjeira, o abacateiro, o ipê, etc.

TIPOS ESPECIAIS DE RAÍZES
As raízes têm função de absorção e de fixação. Mas algumas plantas possuem tipos especiais de raízes com outras funções.

Os principais exemplos de raízes:

Raízes tuberosas

Raízes tuberosas
As raízes tuberosas contêm grande reserva de substâncias nutritivas e são muito utilizadas na nossa alimentação. Como exemplo dessas raízes pode citar a mandioca, a cenoura, a beterraba, o cará, a bata doce e o nabo.

Raízes escoras

Raízes escoras
Essas raízes, também chamadas de raízes suportes, partem do caule e se fixam no solo, aumentando a superfície de fixação da planta. Geralmente são encontradas nas plantas que se desenvolvem nos mangues, ambientes de solos movediços; é o caso da planta chamada mangue-verde do gênero Rhizophora.

Raízes tabulares

Raízes tabulares
As raízes tabulares são achatadas como tábuas que encontramos em algumas árvores de grande porte. Auxiliam a fixação da planta no solo e possuem poros que permitem a absorção de gás oxigênio da atmosfera. A sumaúma da Amazônia apresenta raízes tabulares.

Raízes sugadoras

Raízes sugadoras
São raízes de plantas parasitas, como a erva-de-passarinho, que penetram no caule de uma planta hospedeira sugando-lhe a seiva.

Raízes respiratórias ou pneumatóforas

Raízes respiratórias ou pneumatóforas São raízes de algumas plantas que se desenvolvem em locais alagadiços. Nesses ambientes, como mangues, o solo é geralmente muito pobre em gás oxigênio.
Essas raízes partem de outras existentes no solo e crescem verticalmente, emergindo da água, possuem poros que permitem a absorção de oxigênio atmosférico.

janela 321

flamboyan

Flamboyan (Delonix regia), primavera (Bougainvilea glabra), ficus (Ficus benjamina) e árvores de copa muito larga apresentam raízes agressivas, ou seja, crescem, podendo danificar tubulações, calçadas, muros, pisos, piscinas, entre outras estruturas.

Elas enovelam o sistema hidráulico, quebrando-o, e ainda comprometem as redes elétricas e de drenagem subterrânea, causando prejuízos bastante sérios aos imóveis.

Essa característica, ma verdade, é uma habilidade do vegetal em buscar água e nutrientes, fazendo parte do seu processo evolutivo. Porém, elas podem ser integradas ao jardim desde que seja feito um estudo do local onde serão plantadas e colhidas informações sobre a dimensão da sua agressividade.

É prudente mantê-las distante de construções, paredes, pisos e redes hidráulicas, elétrica e de drenagem, bom como saber mais sobre seu sistema radículas.
Não é possível conter as raízes agressivas, mas existem métodos para conduzi-las parcialmente, utilizando tubulações prévias para isolamento.

Outra alternativa é a planta em vasos de concreto ou jardineiras resistentes. É importante isolar o vaso do solo, pois, com o tempo, as raízes atravessam o dreno do recipiente e penetram na terra, retomando o problema de crescimento desordenado.

22