Subscribe to PlantaSonya Subscribe to PlantaSonya's comments




coração-partido

Graças ao formato simétrico e anguloso de suas folhas repletas de água a planta também é conhecida como planta-gelo. De longe, a Corpuscularia lehmannii parece, de fato, ser constituída por inúmeros cubinhos de gelo.

Além disso, olhando atentamente para cada folha suculenta, sempre disposta aos pares, de forma diametralmente oposta, percebemos a semelhança desta anatomia com aquela encontrada no famoso cacto-pedra, que não é um cacto verdadeiro, apelido das cobiçadas suculentas do gênero Lithops.

Esta semelhança não é uma mera coincidência. Tanto a planta-gelo como o cacto-pedra fazem parte da família botânica Alzoaceae. Como muitas outras espécies cultivadas com fins ornamentais, a suculenta coração-partido é originária do continente africano.

A Corpuscularia lehmannii ocorre predominantemente em algumas regiões da África do Sul, em locais de solos arenosos, rochosos, expostos a elevados níveis de luz solar.

Nestas áreas, a suculenta coração-partido pode ser encontrada com as raízes apoiadas sobre as fendas entre rochas. Trata-se de uma planta adaptada aos climas quentes e secos de regiões semi áridas.

Infelizmente, é cada vez menor o número de exemplares de coração-partido encontrados nativamente, nestas localidades sul africanas. O grande interesse ornamental que esta planta exerce sobre os colecionadores estimula sua coleta predatória.

Além disso, o avanço das áreas urbanas e a poluição do meio ambiente contribuem para a ameaça de extinção da espécie Corpuscularia lehmannii, em seu habitat original.

Corpuscularia lehmannii9

A suculenta coração-partido é uma planta de pequeno porte, bastante compacta, ideal para aqueles que dispõem de pouco espaço para o cultivo de suas plantas. A planta só não é perfeita para o cultivo em apartamentos porque exige um nível mais intenso de luminosidade, mais difícil de ser alcançado, em ambientes internos.

Contudo, a Corpuscularia lehmannii desenvolve-se perfeitamente em varandas e coberturas ensolaradas, além de se beneficiar da luminosidade abundante que incide sobre as floreiras localizadas na parte externa das janelas de casas e apartamentos.

Ainda que esta planta gelo possa ser cultivada em ambientes sombreados, apenas com luz indireta, sua aparência fica mais bonita e compacta quando exposta ao sol pleno. Quando a luz é insuficiente, a planta fica estiolada, com um maior espaçamento entre os pares de folhas, além de perder sua bela coloração cinza azulada.

Um cuidado especial deve ser tomado ao transferirmos uma  suculenta coração partido que esteja acostumada a ambientes internos para uma localidade sob sol pleno. Esta mudança deve ser feita aos poucos, de forma gradativa, principalmente em locais de clima muito quente e seco.

Mesmo sendo uma espécie suculenta que aprecia o sol, a Corpuscularia lehmannii pode ter suas folhas queimadas pelo excesso de insolação direta, se não for aclimatada corretamente.

Outra desvantagem do cultivo dentro de casas e apartamentos é que, sob estas condições, raramente a suculenta coração partido irá produzir flores. Estas estruturas são amarelas e lembram pequenas margaridas. São semelhantes àquelas encontradas na rosinha de sol.

As florações da planta gelo concentram-se nos meses de verão e outono e precisam de uma boa luminosidade para acontecerem, preferencialmente com várias horas de sol direto por dia.

Corpuscularia lehmannii

A suculenta coração-partido aprecia um solo semelhante àquele encontrado em seu habitat de origem, na África, de natureza mais arenosa, pobre em matéria orgânica.

Diversas marcas comercializam substratos próprios para o cultivo de cactos e suculentas, que são opções práticas e seguras, para quem não quer errar na mão.

No entanto, é simples fazer um substrato caseiro, bastando misturar areia de construção e terra vegetal, em partes iguais. Não há a necessidade de adicionar composto orgânico à mistura.

A montagem do vaso para o cultivo da suculenta coração-partido precisa seguir alguns passos fundamentais para evitar que o excesso de água cause o apodrecimento de suas raízes.

O vaso, seja ele de plástico ou barro, precisa ter furos no fundo e uma camada de drenagem, composta por qualquer material particulado, que pode ser pedrisco, cacos de telha ou argila expandida.

Antes de colocar o substrato por cima desta camada, convém posicionar uma manta geotêxtil, para evitar que o solo arenoso escape durante as regas. Há quem reutilize filtros de café, com esta finalidade.

A suculenta coração-partido deve ser mantida seca, a maior parte do tempo. Esta é uma planta que tolera longos períodos de estiagem, de modo que as regas não podem ser frequentes.

A melhor forma de sabermos a hora certa para regarmos é através do peso do vaso. Somente quando ele estiver bem leve, o substrato em seu interior estará suficientemente seco. Além disso, podemos aferir o nível de umidade do solo colocando o dedo sobre a terra e afundando levemente.

A adubação da Corpuscularia lehmannii não precisa ser muito intensa. O fornecimento de uma formulação inorgânica, do tipo NPK, com macro e micronutrientes, é suficiente para a manutenção da suculenta coração partido.

Corpuscularia lehmannii5

Existem fertilizantes próprios para o cultivo de cactos e suculentas, à venda em lojas especializadas. É sempre bom evitar o excesso de adubação, uma vez que os sais minerais contidos nos fertilizantes podem ficar acumulados no solo, danificando as raízes da planta.

Embora a suculenta coração-partido possa ser multiplicada através de sementes, este é um processo demorado e incerto. Felizmente, é fácil obter mudas desta suculenta, através do plantio de segmentos retirados da planta principal.

Estas estacas costumam se enraizar rapidamente, produzindo novas plantas. Por fim, existe a possibilidade de obtenção de mudas através das folhas de coração partido. Basta destacar algumas e colocá-las em um berçário de suculentas. Em pouco tempo, estas estruturas começarão a se enraizar.

água6

Lithops-1

As plantas suculentas do gênero Lithops, popularmente conhecidas como cactos-pedra, estão entre os representantes mais curiosos e exóticos do reino vegetal.

Primeiramente, é importante salientar que, apesar do apelido, o cacto pedra não pertence à família botânica Cactaceae, não sendo considerado um cacto verdadeiro.

Trata-se, na realidade, de uma suculenta de aparência incomum, de aspecto Na verdade, o cacto pedra pertence à família botânica Alzoaceae, a mesma da qual faz parte outra simpática suculenta muito apreciada pelos colecionadores, Aptenia cordifolia, popularmente conhecida como rosinha-de-sol.

Assim como muitos outros membros deste grupo de plantas, os representantes do gênero Lithops são nativos do continente africano, distribuídos em países localizados mais ao sul do território, como Namíbia e África do Sul.

Tanto o nome popular desta suculenta, cacto pedra, como o científico, Lithops, estão relacionados à palavra lithos, que significa pedra, em grego antigo. A aparência pétrea desta espécie de planta não é um mero capricho da natureza.

Esta similaridade tem como função camuflar o vegetal em meio à superfície árida e rochosa sobre a qual ele vive, em seu habitat nativo. Desta forma, o cacto pedra garante sua sobrevivência, escapando de ser devorado por predadores herbívoros, que passam desapercebidos pela planta.

lithops-0

Além disso, obviamente, a anatomia dos Lithops é concebida de forma a armazenar grandes quantidades de água no interior das duas folhas bastante suculentas, sempre organizadas de forma diametralmente opostas, ao mesmo tempo em que diminuem a perda de água por evaporação, graças à pequena superfície de tecido vegetal exposta à radiação solar.

Com efeito, boa parte da planta encontra-se sob o solo. Além disso, as diferentes espécies de cacto pedra são sempre pequenas, não chegando a 3 cm de diâmetro.

Com o intuito de compensar a pequena superfície disponível para fotossíntese, os Lithops apresentam áreas translúcidas na superfície das folhas suculentas, que funcionam como pequenas janelas, permitindo a incidência dos raios solares no interior da estrutura vegetal.

É a partir da fenda existente no meio do par de folhas do cacto pedra que as hastes florais são produzidas. Também é a partir deste miolo que um novo par de folhas emerge, como podemos observar nos Lithops ao centro da foto de abertura deste artigo.

Com o passar do tempo, as folhas antigas secam e desaparecem, dando lugar às novas estruturas. Curiosamente, a fenda muda de posição, surgindo perpendicularmente em relação à antiga localização.

Trata-se de um processo cíclico de renovação da planta. Durante os meses do inverno, o tecido meristemático no interior do cacto pedra começa a produzir, secretamente, um novo par de folhas. Quando chega a primavera, estas estruturas são reveladas na superfície da planta, substituindo as folhas antigas.

Lithops SP

Embora sejam belíssimos e incrivelmente exóticos, ainda não é muito fácil encontrar Lithops à venda, aqui no Brasil. Este não é o tipo de planta suculenta que costumamos ver em supermercados, feiras, lojas de jardinagem e garden centers.

A forma mais eficiente de se adquirir um exemplar é procurando produtores especializados. Um cuidado importante deve ser tomado quanto à compra de sementes de cacto pedra, principalmente através da internet, que muitas vezes são falsificadas.

Outro grande desafio para aqueles que desejam montar uma coleção de Lithops é mantê-los vivos. Pode parecer fácil cultivar estas plantas suculentas, mas nem sempre é tão tranquilo.

De modo geral, as regras básicas para o cultivo de cactos e suculentas devem ser seguidas. A principal dificuldade, no entanto, é encontrar o regime correto de irrigações, para que a planta não desapareça completamente, devido à desidratação, ou morra afogada, devido ao excesso de regas.

O substrato para o cultivo do cacto pedra deve ser mais granuloso, pouco compactado, e rapidamente drenável. Misturas arenosas próprias para o cultivo de suculentas funcionam bem.

É importante adicionar uma camada de pedrisco fino por cima do substrato, de modo a evitar que a superfície exposta do Lithops fique muito tempo em contato com o solo úmido, após as regas.

Atenção especial deve ser dada à camada de drenagem, no fundo do vaso, que pode ser composta por argila expandida, cacos de telha ou pedregulhos. É melhor dar preferência aos vasos de barro, que são mais porosos e permitem uma secagem mais rápida do substrato.

Para acertar na frequência das regas, é importante conhecer o ciclo de vida do cacto pedra. Os Lithops, em seu habitat de origem, costumam entrar em dormência durante os meses mais quentes do ano.

Lithops 3

Neste período, as regas devem ser bem espaçadas e cuidadosamente controladas. A combinação de calor, exposição solar e excesso de umidade é fatal para este tipo de planta.

Ao contrário do senso comum, é durante o inverno que o cacto pedra tem seu desenvolvimento mais ativo. É durante este período do ano que as novas folhas são formadas, no interior da planta. Sendo assim, pequenas quantidades de água devem ser fornecidas, mas de forma bastante espaçada e controlada.

É durante este período de maior atividade metabólica, durante o outono e inverno, que doses baixas de adubação podem ser fornecidas ao Lithops. Não há a necessidade de fornecimento de adubo orgânico, já que o cacto pedra está habituado a solos rochosos pobres em nutrientes, especialmente matéria orgânica.

Uma formulação do tipo NPK, própria para o cultivo de cactos, pode ser aplicada. Durante o período de dormência, na primavera e verão, não é necessário o fornecimento de fertilizantes à planta.

A exposição à luz solar é outro fator crítico para o bom desenvolvimento do cacto pedra. Esta planta pode ser cultivada em ambientes de sol pleno ou meia sombra, mas com bastante luminosidade indireta.

Quando mantido sob níveis sub ótimos de luminosidade, os Lithops tendem a ficar mais suscetíveis ao ataque de fungos e bactérias. Em regiões de climas muito quentes, principalmente durante o verão, é aconselhável proteger a planta do sol muito forte no período da tarde.

Lithops-roxa

Infelizmente, esta não é uma planta que se propaga com frequência. Seu desenvolvimento é bastante lento e as novas folhas substituem as antigas, de modo que há sempre apenas um par destas estruturas.

O mais comum é que a multiplicação do cacto pedra ocorra através de sementes, que se formam após a polinização das flores. No entanto, este também é um processo bastante incerto e demorado.

Ainda que seja um desafio encontrar Lithops à venda e mantê-los vivos sob nossas condições domésticas de cultivo, é inegável o apelo que estas curiosas criaturas do reino vegetal exercem sobre os apaixonados por cactos e suculentas.

janelabuterflay10